Lista de obeliscos no Brasil

Esta lista de obeliscos no Brasil traz esses monumentos que estão espalhados pelo país em comemoração a diversos eventos da história nacional e local. Os obeliscos são pilares em formato de tronco piramidal originários do Antigo Egito.[1][2][3][4] Eles geralmente estão situados em praça pública e servem de marcos simbólicos ao relembrar, preservar e ajudar a contar sobre fatos e personalidades históricas, como também referenciais artísticos de parte da cultura brasileira.[5] A listagem a seguir não está completa e está organizada segundo o critério de localização do obelisco por unidade da federação brasileira.

ListaEditar

Sub-índice: Acre | Alagoas | Amapá | Amazonas | Bahia | Ceará | Distrito Federal | Espírito Santo | Goiás | Maranhão | Mato Grosso | Mato Grosso do Sul | Minas Gerais | Pará | Paraíba | Paraná | Pernambuco | Piauí | Rio de Janeiro | Rio Grande do Norte | Rio Grande do Sul | Rondônia | Roraima | Santa Catarina | São Paulo | Sergipe | Tocantins

AcreEditar

AlagoasEditar

  • Obelisco de Penedo[7]

AmazonasEditar

  • Obelisco de Coari
  • Obelisco de Manaus[8]

BahiaEditar

CearáEditar

Distrito FederalEditar

MaranhãoEditar

  • Pedra da Memória, em São Luís. Erigida em homenagem à maioridade de Dom Pedro II[31]
  • Pirâmide de Beckman, em São Luís. Erigida em 1910 para marcar o enforcamento de Manuel Beckman,[32] líder da revolta colonial de 1684
  • Obelisco de Pinheiro, na cidade de Pinheiro. O monumento foi um: "presente da Associação Comercial do Maranhão, em comemoração ao 1º centenário da cidade, em 1956. Construído em cimento e revestido de pó de pedra. Altura: 7,80 m".[33]
  • Obelisco de Pedreiras, na cidade de Pedreiras. Foi erguido em 1920 pelo prefeito Raimundo Moraes Rêgo Brandão.

Mato GrossoEditar

Mato Grosso do SulEditar

Minas GeraisEditar

ParáEditar

  • Obelisco do Centenário de Adesão de Bragança à Independência do Brasil, em Bragança[42]

ParaíbaEditar

ParanáEditar

PernambucoEditar

  • Obelisco da Boa Viagem, em Recife[45]
  • Obelisco da Vila Operária, em Recife[46]
  • Obelisco da Praça da Restauração[47]

PiauíEditar

Rio de JaneiroEditar

Rio Grande do NorteEditar

Rio Grande do SulEditar

Santa CatarinaEditar

São PauloEditar

SergipeEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. «5 obeliscos mais famosos do mundo – 123i Notícias». 123i.uol.com.br. Consultado em 20 de maio de 2017 
  2. S.A., Priberam Informática,. «Significado / definição de obelisco no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa». www.priberam.pt. Consultado em 20 de maio de 2017 
  3. «Significado de Obelisco». Significados 
  4. «Obelisco». Dicio 
  5. Seixas, Thaís (3 de fevereiro de 2013). «Monumentos contribuem para preservar a história de Salvador». Portal A TARDE. Consultado em 20 de maio de 2017 
  6. «Vinte e cinco annos». Hemeroteca Digital Brasileira. O Rebate (250): 1. 22 de setembro de 1929. Consultado em 6 de setembro de 2022 
  7. «Monumento de grande significado histórico será recuperado e mudará de lugar em Penedo». Aqui Acontece. 23 de abril de 2021. Consultado em 24 de agosto de 2022 
  8. «IBGE». IBGE. Consultado em 24 de agosto de 2022 
  9. «Prefeitura recupera o Obelisco ao 2 de Julho». Prefeitura Municipal de Ilhéus 
  10. www.hdsolucoes.com, HD Soluções -. «Brumado Urgente - Monumento a Getúlio Vargas tem marcas de abandono na Serra do Marçal». Brumado Urgente. Consultado em 20 de maio de 2017 
  11. «Blog da Resenha Geral  » Arquivo do Blog  » Monumento a Getúlio Vargas tem marcas de abandono na Serra do Marçal». www.blogdaresenhageral.com.br 
  12. Web, Lince. «Atrativo Turistico - Acerte Paulo Afonso». acertepauloafonso.com.br. Consultado em 20 de maio de 2017 
  13. Guiame (15 de setembro de 2009). «Conheça Paulo Afonso (BA), Notícias Gospel». Guiame 
  14. «Obelisco do Passeio Público em 1873». www.salvador-antiga.com. Consultado em 20 de maio de 2017 
  15. «Bahia  » Obelisco a D. João VI». www.bahia.com.br. Consultado em 20 de maio de 2017 
  16. «Passeio Público de Salvador (BA)». Jardins Históricos Brasileiros. 18 de junho de 2014 [ligação inativa]
  17. IBGE. «IBGE | Biblioteca | Detalhes | Obelisco a Dom João VI: Palácio da Aclamação: Salvador, BA». biblioteca.ibge.gov.br. Consultado em 20 de maio de 2017 
  18. «Aula a ceú aberto no Obelisco do Campo Grande». smec.salvador.ba.gov.br. Consultado em 20 de maio de 2017 [ligação inativa]
  19. Valladares, José (1 de janeiro de 2011). Bêabá da Bahia: guia turístico. [S.l.]: SciELO - EDUFBA. ISBN 9788523211646 
  20. «Bahia  » Monumento à Batalha de Riachuelo (Obelisco)». www.bahia.com.br. Consultado em 20 de maio de 2017 
  21. Já, Bahia. «OBRA NO OBELISCO DO RIO VERMELHO se aproxima de conclusão». Bahia Já (em inglês) 
  22. «Boa Terra - Coluna do dia 11/06/2016». Consultado em 20 de maio de 2017 
  23. Já, Bahia. «OBRA DO OBELISCO no rio Vermelho tem meses sendo feita. E nada.». Bahia Já (em inglês) 
  24. «Câmara de Vereadores aprova substituição de obelisco na Praça da Bíblia – Jequié Repórter». www.jequiereporter.com.br. Consultado em 20 de maio de 2017 
  25. «Vereador Josué Menezes pede construção de símbolo cristão e biblioteca na Praça da Bíblia». Câmara de Vereadores de Jequié 
  26. «Bahia  » A Praça Getúlio Vargas». www.bahia.com.br. Consultado em 20 de maio de 2017 
  27. [1]
  28. [2]
  29. «FATOS & FOTOS: OBELISCO DA PRAÇA DA BANDEIRA». Portal Poções por Adelson Meira. 22 de setembro de 2013. Consultado em 20 de maio de 2017 
  30. «Dias D'Ávila -- Estações Ferroviárias do Estado da Bahia». www.estacoesferroviarias.com.br. Consultado em 20 de maio de 2017 
  31. Pedra da memoria um monumento desconhecido por muitos. O Imparcial. Página consultada em 18 de agosto de 2018.
  32. Bueno, Bárbara Izadora (2016). Monumentos históricos do Maranhão. Revisão e atualização. São Luis: [s.n.] p. 92 
  33. Catálogo Biblioteca do IBGE, série: Acervo dos municípios brasileiros. IBGE. Acesso em 18 de agosto de 2018.
  34. «Patrimônio Material - MT». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 30 de maio de 2017 
  35. a b c d e f g h i j IEPHA/MG (2015). «Relação de Bens Protegidos em Minas Gerais apresentados ao ICMS Patrimônio Cultural» (PDF). Ministério Público de Minas Gerais. Consultado em 9 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2017 
  36. «Praça Sete: três momentos». Prefeitura de Belo Horizonte. 2007. Consultado em 23 de maio de 2017 
  37. «Rodada do ICMS Cultural inicia sua quinta edição em Guaranésia». Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais. 10 de setembro de 2015 [ligação inativa]
  38. Anuário UNESCO/UMESP de comunicação regional. 5–7. Brasil: [s.n.] 2001. p. 152 
  39. Gouvêa, J. P. (1991). O altar das montanhas de Minas. Brasil: Edições Siciliano. 168 páginas. ISBN 9788526703216. LCCN 90744627 
  40. Frederico Prozenato (28 de março de 2017). «Indicação nº 049/2017». Câmara Municipal de Tombos. Consultado em 23 de maio de 2017 
  41. «Tombos - Galeria de fotos». City Brazil. 27 de janeiro de 2010. Consultado em 23 de maio de 2017 [ligação inativa]
  42. [3]
  43. «Campo Grande - Obelisco». IPatrimônio. Consultado em 12 de agosto de 2022 
  44. «João Pessoa – Coreto, Praça da Independência e Obelisco». IPatrimônio. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  45. «A avenida Bôa Viagem». Hemeroteca Digital Brasileira. Revista de Pernambuco (28): 22. Outubro de 1926. Consultado em 6 de setembro de 2022 
  46. «Inauguração da "Casa Operária"». Hemeroteca Digital Brasileira. Revista de Pernambuco (11): 31. Maio de 1925. Consultado em 6 de setembro de 2022 
  47. «O fim do obelisco». Hemeroteca Digital Brasileira. Diário de Pernambuco (30): 10. 31 de janeiro de 1979. Consultado em 6 de setembro de 2022 
  48. MATTOS, João Batista de. Os Monumentos Nacionais - Piauí. Rio de Janeiro; Imprensa Militar, 1949
  49. «Turismo - Obelisco de Livros». Prefeitura de Morro Reuter. Consultado em 12 de junho de 2017 [ligação inativa] 
  50. «IPHAN - Pelotas (RS)». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 30 de maio de 2017 
  51. «A Hora do Planeta será neste sábado». Prefeitura de Florianópolis. 24 de março de 2010. Consultado em 30 de maio de 2017 
  52. Bitencourt, João Batista (14 de dezembro de 2011). «Realidade sintética: história, patrimônio e memória na artesania de uma identidade urbana». Esboços. 18 (26): 91-114. doi:10.5007/2175-7976.2011v18n26p91. Consultado em 30 de maio de 2017 
  53. Nogueira, Ricardo (26 de janeiro de 2011). «Obelisco do "Largo do Rosário" completa 100 anos hoje». Gazeta de Bananal. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  54. «Catálogo». IBGE. Consultado em 12 de agosto de 2022 
  55. «Edifícios históricos». COMPHAP Mogi das Cruzes. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  56. Dias;, Geraldo Souza (2009). «O obelisco da memória: arte pública e deterioração urbana na cidade de São Paulo.» (PDF). EDUFBA. 18º Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas. Transversalidades nas Artes Visuais: 474. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  57. «Monumentos revelam curiosidades dos 161 anos de Ribeirão Preto». G1. 19 de junho de 2017. Consultado em 12 de agosto de 2022 
  58. «Obelisco do Ibirapuera é reaberto após reformas - Notícias - R7 São Paulo». noticias.r7.com. Consultado em 20 de maio de 2017 
  59. «Praça Frei Baraúna / Obelisco ao Pracinha, Marco Zero, Monumento ao Centenário Presbiteriano e Oficina Cultural Grande Otelo». Prefeitura de Sorocaba. Consultado em 12 de agosto de 2012