Maria Pia da Graça de Bourbon-Duas Sicílias

aristocrata francesa
(Redirecionado de Maria Pia de Bourbon)
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Maria Pia das Duas Sicílias.

Maria Pia da Graça de Bourbon-Duas Sicílias (em italiano: Maria delle Grazie Pia Chiara Anna Teresa Isabella Luitgarda Apollonia Agata Cecilia Filomena Antonia Lucia Cristina Caterina di Borbone-Due Sicilie; Cannes, 12 de agosto de 1878Mandelieu, 20 de junho de 1973) foi uma princesa das Duas Sicílias filha do príncipe Afonso, Conde de Caserta, e da princesa Maria Antonieta das Duas Sicílias, e esposa do Príncipe Imperial do Brasil, Dom Luís de Orléans e Bragança.[1][2][3]

Maria Pia da Graça
Princesa das Duas Sicílias
Princesa Imperial do Brasil
Marido Luís Maria do Brasil
Descendência Pedro Henrique de Orléans e Bragança
Luís Gastão de Orléans e Bragança
Pia Maria de Orléans e Bragança
Casa Bourbon-Duas Sicílias (por nascimento)
Orléans e Bragança (por casamento)
Nome completo Maria da Graça Pia Clara Ana Teresa Isabela Adelaide Apolônia Ágata Cecília Filomena Antônia Lúcia Cristina Catarina de Bourbon-Duas Sicílias
Nascimento 12 de agosto de 1878
  Cannes, França
Morte 20 de junho de 1973 (94 anos)
  Mandelieu-la-Napoule, França
Sepultado em Capela Real, Dreux, França
Pai Afonso das Duas Sicílias, Conde de Caserta
Mãe Maria Antonieta das Duas Sicílias
Religião Catolicismo
Brasão

Maria Pia de Bourbon-Duas Sicílias era neta do Rei Fernando II das Duas Sicílias e da Arquiduquesa Maria Teresa da Áustria, bisneta do Rei Francisco I das Duas Sicílias e da Infanta Maria Isabel da Espanha, sobrinha-neta da imperatriz brasileira, Teresa Cristina das Duas Sicílias, avó materna de seu esposo, sendo assim uma prima de Luís de Orléans e Bragança.[4][5][6]

BiografiaEditar

FamíliaEditar

Maria Pia nasceu em Cannes em 12 de agosto de 1878 onde estava exilada com a família. Ela foi a quinta filha de onze filhos do príncipe Afonso, Conde de Caserta e da princesa Maria Antonieta das Duas Sicílias. Ela foi batizada com o nome de "Maria da Graça Pia Clara Ana Teresa Isabela Adelaide Apolônia Ágata Cecília Filomena Antônia Lúcia Cristina Catarina". Os pais dela vieram de uma casa Bourbon Siciliana e eram primos um do outro. Após a incorporação do Reino das Duas Sicílias em um estado italiano unificado, os membros da dinastia foram forçados a deixar sua terra natal e ir para o exílio. O pai da princesa também detinha o título de Príncipe Herdeiro do Reino das Duas Sicílias e foi chefe da Casa dos Bourbons da Sicília de 1894 a 1934. Do lado paterno, ela era neta do rei Fernando II das Duas Sicílias, e da arquiduquesa Maria Teresa da Áustria. Do lado materno, ela era neta do príncipe Francisco, Conde de Trapani e da Arquiduquesa Maria Isabel da Áustria-Toscana.[7][8]

Maria Pia e suas irmãs foram educadas no Colégio do Sagrado Coração de Aix-Provence, instituição administrada por religiosas.[1][2]

CasamentoEditar

O pai de Maria Pia, o Conde de Caserta, estava procurando casar suas filhas, ele convidou sua prima a princesa Isabel do Brasil, para levar um de seus filhos para conhecer suas filhas, a princesa Isabel levou o príncipe Luís, que conheceu suas primas, Isabel perguntou se ele gostou de alguma, mais ele disse que não, pois estava mais interessado em fazer suas viagens. Em 1903 Luís fez outra visita a suas primas, mais dessa vez sozinho, e encantou-se por Maria Pia, e ficaram noivos. No dia 3 (cerimônia civil) e 4 (cerimônia religiosa) de novembro de 1908, em Cannes na Igreja Paroquial de Nossa Senhora da Boa Viagem, a Princesa Maria Pia, aos trinta anos de idade, casou-se com o Príncipe Imperial do Brasil, D. Luís de Orléans e Bragança, de mesma idade, o segundo filho da Princesa D. Isabel do Brasil e do príncipe Gastão de Orléans, Conde d'Eu.[1][2] Eles tiveram três filhos juntos.[1][2][9]

ViuvezEditar

Luis Maria do Brasil lutou na Primeira Guerra Mundial ao lado da França. Ele foi gravemente ferido e morreu em 26 de março de 1920 em Cannes. Apesar de a residência da princesa viúva ser na França, ela mantinha laços estreitos com o Brasil. Em 1922, Maria Pia, junto com seus dois filhos, Pedro Henrique e Luis Gastão, e seu sogro, o Conde d'Eu, estavam a bordo do Navio Marsilia rumo ao Brasil para as comemorações dos 100 anos da independência. Quando ela chegou ao Rio de Janeiro, o Presidente da República mandou sua esposa recebê-la a bordo do navio e dar-lhe um tratamento de protocolo, como uma princesa de casa reinante. Em São Paulo, a Princesa Maria Pia se hospedou com os filhos na casa da Condessa Penteado, uma das senhoras mais ricas da cidade naquele tempo, a qual possuía um verdadeiro palácio na Avenida Higienópolis e ofereceu a eles apartamentos suntuosos.[10] No Brasil, a princesa viúva causou uma impressão agradável em seus contemporâneos, especialmente nos membros do partido monarquista. Ela participou do lançamento das bases do site do futuroestátua do Cristo Redentor no Rio de Janeiro, atendendo assim ao pedido da falecida sogra. Durante essa viagem, seu sogro, o Conde d'Eu, morreu repentinamente.[11][12]

Viúva, Maria Pia se dedicou inteiramente à criação e educação dos filhos, e depois dos netos, tendo grande influência na formação de sua visão de mundo. Em 1938, tornou-se madrinha de seu primeiro neto, Luís Gastão, futuro chefe da Casa Imperial Brasileira. A princesa viúva era católica e leal à instituição do papado. Maria Pia estava em correspondência e se encontrou pessoalmente com o Papa Pio X, que a presenteou com sua fotografia como uma lembrança de sua conversa.[13][14]

MorteEditar

 
Túmulo de Maria Pia ao lado do seu esposo no Mausoléu dos Orléans na França.

Maria Pia faleceu em sua casa de campo, em Mandelieu, em 20 de junho de 1973, sendo sepultada no ao lado de seu marido na Capela Real em Dreux. Em 2010, Dom José Palmeiro Mendes, reitor da abadia territorial de Nossa Senhora de Montserrat no Rio de Janeiro, propôs construir um túmulo no Brasil para membros da família imperial e, no centenário da morte de Luís Maria, para enterrar novamente os restos mortais do príncipe imperial, junto com os restos mortais de sua esposa Maria Pia.

DescendênciaEditar

 
Maria Pia com seu Marido D. luís, e seus filhos.
Imagem Nome Nascimento Morte Notas
  Pedro Henrique 13 de setembro de 1909 5 de julho de 1981 Casou-se com a Princesa Maria Isabel da Baviera, com descendência.[15]
  Luís Gastão 19 de fevereiro de 1911 8 de agosto de 1931 Não se casou, morreu aos 20 anos.
  Pia Maria 4 de março de 1913 24 de outubro de 2000 Casou-se morganaticamente com o conde René Jean de Nicolay, com descendência.

Títulos, Estilos e HonrasEditar

Estilo imperial de tratamento de
Maria Pia do Brasil
 

Estilo imperial Sua Alteza Imperial e Real
Tratamento direto Vossa Alteza Imperial e Real
Estilo alternativo Senhora

Títulos e estilosEditar

  • 12 de agosto de 1878 – 4 de novembro 1908: "Sua Alteza Real, a Princesa Maria Pia das Duas Sicílias"
  • 4 de novembro 1908 – 26 de abril de 1909: "Sua Alteza Imperial e Real, a Princesa Imperial do Brasil, Princesa das Duas Sicílias"
  • 26 de abril de 1909 – 26 de março de 1920: "Sua Alteza Imperial e Real, a Princesa Imperial do Brasil, Princesa de Orléans e Bragança, Princesa das Duas Sicílias"
  • 26 de março de 1920 – 20 de junho de 1973: "Sua Alteza Imperial e Real, a Princesa Imperial Viúva do Brasil, Princesa de Orléans e Bragança, Princesa das Duas Sicílias"

HonrasEditar

AncestraisEditar

Referências

  1. a b c d Darryl Lundy (1 de maio de 2005). «Maria di Grazia Pia Chiara Anna di Borbone, Principessa di Borbone delle Due Sicilie». thePeerage.com. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. a b c d Paul Theroff. «TWO SICILIES». Paul Theroff's Royal Genealogy Site. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  3. Daniel Jones. «Naissance de Maria delle Grazie di Borbone». basesdocumentaires-cg06.fr. Consultado em 25 de novembro de 2012 
  4. «Dona Maria Pia » Monarquia». monarquia.org.br. Consultado em 14 de outubro de 2021 
  5. «Ricerca». catalogo.aft.it. Consultado em 18 de novembro de 2021 
  6. «BORBONE DELLE DUE SICILIE». www.genmarenostrum.com. Consultado em 18 de novembro de 2021 
  7. Acton, Harold (1962). The Last Bourbons of Naples (1825-1861) (em inglês). [S.l.]: St. Martin's Press 
  8. «Maria Pia de Bourbon-Duas Sicílias». thepeerage.com. Consultado em 18 de novembro de 2021 
  9. «Brazil4». www.royalark.net. Consultado em 18 de novembro de 2021 
  10. Glowacki, Bernardo (22 de abril de 2019). «Amor à nobreza». Plinio Corrêa de Oliveira. Consultado em 19 de novembro de 2021 
  11. «DOM LUIZ DE BRAGANÇA: VIRTUOSO, VALENTE, PIEDOSO. PERFEITO.». Monarquia Já (em inglês). 28 de fevereiro de 2010. Consultado em 18 de novembro de 2021 
  12. Pereira, Wendel Albert O. (11 de março de 2013). O Almanaque Imperial. [S.l.]: Clube de Autores 
  13. de Orleans e Bragança, Luiz (2013). «PRINCESA MARIA PIA». Casa Imperial do Brasil. Consultado em 19 de junho de 2020 
  14. Glowacki, Bernardo (22 de abril de 2019). «Uma Verdadeira Princesa». Plinio Corrêa de Oliveira. Consultado em 18 de novembro de 2021 
  15. «Legionário, 17-10-1937, Vibrante alocução do Cardeal Faulhaber no casamento de um Príncipe brasileiro (D. Pedro Henrique de Orléans e Bragança com a Princesa Maria de Baviera)». www.pliniocorreadeoliveira.info. Consultado em 23 de setembro de 2021 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Maria Pia da Graça de Bourbon-Duas Sicílias