Penha (distrito de São Paulo)

distrito da cidade de São Paulo
(Redirecionado de Penha (São Paulo))
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela subprefeitura, veja Subprefeitura da Penha. Se procura outros significados do nome, veja Penha.
Penha
ColinaPenhaSP.jpg
Área 11,3 km²
População (33°) 117.691 hab. (2010)
Densidade 104,15 hab/ha
Renda média R$ 1.244,65
IDH 0,865 - elevado (40°)
Subprefeitura Penha
Região Administrativa Leste
Área Geográfica 3 Nordeste
Distritos de São Paulo Bandeira da cidade de São Paulo.svg
Penha

Penha é um distrito com predominância de pessoas de classe média na Zona Leste de São Paulo. O distrito é conhecido pelos vários templos de diversas religiões. A arquitetura da região também chama a atenção de quem passa pelos bairros próximos; é possível ver de construções típicas do século XIX a modernos e arrojados acabamentos. A constante valorização da região fez com que ela se tornasse cada vez mais procurada e, junto aos bairros do Tatuapé, Jardim Anália Franco, Vila Carrão, Mooca e Vila Prudente (distrito de São Paulo) compõe um conjunto de bairros com IDH elevado e uma razoável infraestrutura.

HistóriaEditar

 
Vista do bairro Vila Esperança.

A Penha é um dos distritos mais antigos do município de São Paulo. A primeira referência oficial a localidade é uma petição em que o licenciado Mateus Nunes de Siqueira obteve uma sesmaria do capitão-mor Agostinho de Figueiredo, a 5 de setembro de 1668. No ano de 1682, o o padre Jacinto Nunes, filho ou irmão do licenciado, aparece como proprietário e protetor da Nossa Senhora da Penha de França. Seu testamento diz que a dotou com bens e raizes, conforme consta em seu testamento aberto de fevereiro de 1684.


 
Vista bairro Penha de França.


A origem da localidade está ligada intrinsecamente à religiosidade, pois seu nascimento se confunde com uma lenda que faz parte da história da fundação do local. Conta-se que um francês, católico devoto, seguia viagem de São Paulo ao Rio de Janeiro carregando consigo uma imagem de Nossa Senhora. Durante a caminhada ele pernoitou no alto de uma colina ainda sem nome (penha significa penhasco, rocha, rochedo), e no dia seguinte retomou seu trajeto até dar por falta da imagem. Assustado, tratou de retornar pelo mesmo caminho e encontrou a estátua no alto da colina. No dia seguinte a estátua sumiu novamente durante o sono do viajante, que entristecido, retornou e encontrou novamente a estátua no alto da colina, o que foi interpretado pelo francês como vontade da santa, que havia escolhido o local para se estabelecer[1].

A Igreja de Nossa Senhora da Penha foi finalizada em 1667; foi em torno dela que cresceu o povoamento do distrito. Um século depois, em 26 de março de 1796, a região foi promovida a Paróquia de Nossa Senhora da Penha de França; junto com a Paróquia de Nossa Senhora do Ó, foram as duas primeiras paróquias desmembradas da Sé. Mais tarde, a paróquia tornou-se freguesia[2].

No século XVII, a região era passagem obrigatória para os viajantes que se deslocavam entre São Paulo, Vale do Paraíba e Rio de Janeiro.

Em 9 de julho de 1924 o distrito da Penha foi sede do governo estadual paulista quando Carlos de Campos, presidente do estado, foi forçado a abandonar o Palácio dos Campos Elísios após ser atacado pelas forças revolucionárias durante a Revolução de 1924. Campos ficou instalado em um vagão de trem adaptado, na estação Guaiauna, até 28 de julho de 1924. [3]

Com o crescimento de São Paulo, a Penha foi testemunha de grandes mudanças no perfil da cidade, no seu ritmo e na sua paisagem[4]. Vizinha de bairros como o Tatuapé, que também tem históricos registros arquitetônicos, mas vive um intenso processo de verticalização[5], a Penha encontra-se numa região sob forte pressão imobiliária [6]. Muitas das construções históricas penhenses resistem à pressão imobiliária, mas nem todas. Construções de grande impacto na paisagem e de relevância na memória do bairro foram desmanchadas para dar espaço a outras, como o Palacete do Coronel Antônio Proost Rodovalho[7], o Colégio Ateneu Ruy Barbosa[8] e, em 2019, o casarão da Rua Antônio Lamanna.

O aniversário do distrito é celebrado em 8 de setembro, dia de Nossa Senhora da Penha, Padroeira do Distrito e do Município de São Paulo. Neste dia há muitas festas e comemorações no distrito, como missa, procissão, quermesse e queima de fogos. Os festejos começam no final de agosto, com uma novena, e terminam no final de setembro com o já tradicional encontro dos corais da região.

Patrimônio Histórico e ReligiosoEditar

Centro histórico da Penha

As imagens abaixo mostram alguns dos principais pontos turísticos e históricos da Penha (São Paulo). Sendo parte deles locais centenários, que remetem ao período de fundação do bairro e até mesmo do próprio desenvolvimento de São Paulo, tendo em vista que a Penha é um dos bairros mais antigos da capital paulista.

 
Penha um dos mais belos bairros de São Paulo


Galeria de imagens dos pontos históricos da PenhaEditar

Igreja Matriz Nossa Senhora da Penha de França

Conhecida como Igreja Nossa Senhora da Penha de França, ou apenas Igreja Velha, está inserida na Praça Nossa Senhora da Penha. O registro da sua data de origem varia entre 1662 e 1668. Para mais informações informações clique em Igreja Matriz de Nossa Senhora da Penha de França (São Paulo)

 
Vista Anterior da Igreja Nossa Senhora da Penha

Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos da Penha

Igreja Rosário dos Homens Pretos da Penha é um importante patrimônio histórico da cidade, construída pela Irmandade do Rosário dos Homens Pretos. A edificação dá nome ao Largo do Rosário.

 
porta da igreja do Rosário da Penha
 
Igreja do Rosário dos Pretos da Penha e Largo do Rosário
 
Fachada da Igreja do Rosário dos Homens Pretos da Penha
 
Lateral da Igreja do Rosário
 
Interior da Igreja do Rosário
 
Altar e imagens da igreja do Rosário
 
Mezanino da Igreja
 
Torre da Igreja
 
Fundos da Igreja
 
Lateral da Igreja do Rosário

Seminário da Penha


Com a histórica vocação católica da Penha, que é repleta de igrejas, pensou-se no final da década de 1940 em erguer um edifício para servir de convento. Com sua conclusão no início da década de 1950, as autoridades religiosas responsáveis pela construção acabaram achando que o imóvel ficou grande demais. Concluiu-se que deveria ser transformada a edificação em um seminário para padres redentorista que ficou conhecido como Seminário da Penha. Já abrigou funções administrativas da prefeitura e também o Hospital Nossa Senhora da Penha. [9]

 
Seminário da Penha

Galeria do Seminário da Penha

SaúdeEditar

O distrito da Penha é amparado pelo BP Hospital Filantrópico, antigo Hospital Geral da Penha, ainda no mesmo endereço, mas sob administração da Beneficência Portuguesa de São Paulo, atendendo pela rede do Sistema Único de Saúde.[10] Também funciona no bairro uma unidade do Hospital Dia Rede Hora Certa.[11] O Hospital Veterinário Animal Prime, o primeiro da região, conta com uma estrutura moderna e completa com exames laboratoriais, raio-x, ultrassom e internação 24 horas.

EducaçãoEditar

No distrito da Penha é possível encontrar várias instituições de redes pública e privada, de educação infantil, de ensinos fundamental, médio, técnico e superior. Algumas das mais conhecidas são o Senac , a Etec Professor Aprígio Gonzaga, o Colégio Vicente de Paula , Escola João XXIII, o Centro Universitário e Colégio Carlos Drummond de Andrade , o Colégio Objetivo Penha, a Escola Estadual Nossa Senhora da Penha, entre outras. Segundo dados da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo, ao todo há 110 registros de escolas na região da Penha.[12]

Entre as diversas opções do Bairro da Penha também observa-se instituições de ensino de idiomas como Cultura Inglesa, CNA , CCAA, Fisk, Wise Up e Yázigi.

TransporteEditar

O distrito é atendido pela Linha 3-Vermelha do Metrô paulistano, que acabou por substituir a antiga EFCB. As estações do metrô que atendem a Penha são: Penha, Vila Matilde, Guilhermina-Esperança e Patriarca.

Em 2019 o Governo do Estado de São Paulo anunciou a retomada das obras de expansão da Linha 2 do Metrô de São Paulo até Guarulhos, prevendo que o distrito será atendido por esta linha a partir de 2025[13]. No distrito, o ramal deve somar três estações (Penha, Penha de França e Tiquatira), com transferência para as linhas 3 do Metrô e 11 da CPTM na Estação Penha, assim como para as linhas 12 Safira e 13 Jade na Estação Tiquatira.

 
Terminal Penha
 
Instalações internas Terminal Penha

Conta também com diversas linhas de ônibus municipais e intermunicipais, bem como pelos terminais Aricanduva e Penha. O Terminal Aricanduva encontra-se na Avenida Airton Pretini, sob o Viaduto Eng. Alberto Badra (popularmente conhecido como Viaduto Aricanduva), na divida com o distrito do Tatuapé.[14] Já o Terminal Penha está localizado na avenida Gabriela Mistral e com entrada pela avenida Penha de França. O Terminal Penha foi inaugurado no dia 18 de outubro de 1996.[6][49] O terminal opera com onze linhas que atendem bairros das regiões nordeste, leste, norte e centro.[15] É importante lembrar que além dos terminais exclusivos de ônibus, a Penha ainda conta com os terminais de ônibus interligados às estações de Metrô Penha, Vila Matilde e Patriarca.

ComércioEditar

Além de várias lojas de departamento e de comércio especializado, o distrito conta com supermercados das redes Carrefour, Extra, Sonda, Cobal e Dia, além do Shopping Center Penha. Construído em 1992, o shopping center possui megastores, cinemas, praça de eventos, ampla praça de alimentação e mais de 200 lojas. As principais ruas comercias do distrito são: Rua Padre João, Rua Dr. João Ribeiro, Avenida Penha de França, Praça 8 de Setembro, Largo do Rosário e Avenida Amador Bueno da Veiga.

 
Entrada do Mercado Municipal da Penha

Inaugurado em 1971, o Mercado Municipal da Penha abastece a região com os mais diversos tipos de produtos nacionais e internacionais. Com amplo estacionamento e uma área funcional de 25.200 m², o "Mercadão", como é conhecido, é um importante ícone do distrito. É integrante da rede de 15 Mercados Municipais existentes na capital paulista.

LazerEditar

Além do tradicional Clube Esportivo da Penha e do Centro Cultural da Penha, que abriga uma biblioteca, o Teatro Martins Penna e diversas apresentações artísticas, o distrito possui uma região com ampla área verde localizada na Avenida Governador Carvalho Pinto, o Parque Linear Tiquatira, já nas proximidades do bairro do Cangaíba. Há também um parque nesta avenida com uma pista multi-uso de skate, ciclovia e local para caminhadas. No local encontramos grande quantidade de agências de automóveis, bares, restaurantes, lojas, postos de gasolina, clubes e associações esportivas com diversos eventos para a comunidade, além de teatro ao ar livre e espaço para shows musicais. Uma outra área verde de destaque do bairro, também organizada linearmente, é o parque que margeia o córrego Rincão, nas proximidades da Radial Leste e das estações Penha e Vila Matilde do Metrô.

 
Parque Linear Tiquatira
 
Cento cultural Penha

ReligiãoEditar

 
Basílica da Penha, uma das maiores basílicas católicas da cidade.

No distrito há várias igrejas, templos, centros espíritas e comunidades religiosas, incluindo as:

BairrosEditar

• Conjunto Habitacional Chaparral

• Jardim America da Penha

• Jardim Concórdia

• Vila Centenário

• Penha de França

• Tiquatira

• Vila São Geraldo

• Vila Amalia

• Vila Lais

• Vila Carlos de Campos

• Vila Santana

• Vila Beatriz

• Vila Ré

• Vila Granada

• Vila Esperança

• Vila Salete

• Vila Marieta

• Vila Germaine

• Jardim Jáu

• Guaiauna

Distritos e municípios limítrofesEditar

Ver tambémEditar

Referências

  Este artigo sobre Geografia de São Paulo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.