Abrir menu principal

República Socialista Soviética Quirguiz

(Redirecionado de RSS Quirguiz)



Кыргыз Советтик Социалисттик Республикасы
República Socialista Soviética Quirguiz

República Soviética

Flag of the Russian Soviet Federative Socialist Republic.svg
1936 – 1991 Flag of Kyrgyzstan.svg
Flag Brasão
Bandeira Emblema
Lema nacional
Бардык өлкөлөрдүн пролетарлары, бириккиле! (quirguiz)
Bardyk ölkölördün proletarlary, birikkile! (transl.)
‘‘Trabalhadores do mundo, uni-vos!’’
Hino nacional
Hino da RSS Quirguiz


Localização de RSS Quirguiz
RSS Quirguiz (em vermelho) dentro da União Soviética.
Continente Europa
Região Ásia Central
País Quirguistão
Capital Frunze
(atual Bisqueque)
42° 52' N 74° 36' E
Língua oficial Quirguiz e russo
Outros idiomas Usbeque
Governo República socialista[a]
Presidente
 • 1936–1937 (primeiro) Abdukadyr Urazbekov
 • 1990–1991 (último) Askar Akayev
Presidente do Conselho
 • 1936–1937 (primeiro) Bayaly Isakeyev
 • 1986–1991 (último) Apas Jumagulov
Período histórico Guerra Fria
 • 5 de dezembro de 1936 Proclamação da república[b]
 • junho de 1990 Distúrbios em Osh
 • 30 de dezembro de 1990 Declaração de soberania
 • 31 de agosto de 1991 Declaração de independência
 • 5 de maio de 1991 Adoção da nova constituição
Área
 • 1989 198 500 km2
População
 • 1989 est. 4 257 800 
     Dens. pop. 21,4 hab,/km²
Moeda Rublo soviético
a. República socialista soviética unipartidária marxista-leninista unitária.
b. Elevação da República Soviética Socialista Autônoma Quirguiz à categoria de república constituinte da URSS.

A República Socialista Soviética Quirguiz (em quirguiz: Кыргыз Советтик Социалисттик Республикасы ; em russo: Киргизская Советская Социалистическая Республика; transl.: Kirgizskaya Sovetskaya Sotsialisticheskaya Respublika), também conhecida como Quirguízia Soviética, foi uma das repúblicas constituintes da União Soviética. País sem saída para o mar e montanhoso, fazia fronteira com a RSS Tajique e com a China ao sul, RSS Uzbeque a oeste e RSS Cazaque ao norte.

Foi fundada em 1936, após a elevação da RSSA Quirguiz – que, por sua vez, originara-se do Oblast Autônomo Kara-Quirguiz, que pertencia à RSFS Russa – à categoria de república soviética. Em 1990, um intenso conflito entre grupos étnicos quirguizes e uzbeques ocorreu nas cidades de Osh e Uzgen, próximo à fronteira com a RSS Uzbeque. No mesmo ano, a república declarou sua soberania estatal, transformando-se, no ano seguinte, no Quirguistão independente. Uma nova constituição foi adotada em 1991.

Assim como as demais repúblicas soviéticas, era uma república socialista unitária de inspiração marxista-leninista, tendo um Presidente ocupando o posto de chefe de Estado e o Presidente do Conselho de Ministros o de chefe de governo. Por toda sua existência, foi governada pelo único partido político permitido pela lei, o braço quirguiz do Partido Comunista da União Soviética.

O maior grupo étnico do país era o povo quirguiz, entretanto, devido ao grande número de deportações para o país, houve períodos de relevante variação étnica. Em 1991, o país apresentava, em sua composição demográfica, 22% de russos e 13% de uzbeques, tendo tido minorias chechenas, inguches, carachais e bálcaras. De maneira geral, o país era de maioria muçulmana e falante de línguas turcomanas.

Índice

EtimologiaEditar

Acredita-se que o nome "quirguiz" deriva da palavra túrcica para "quarenta", em referência aos quarenta clãs de Manas, um herói lendário que reuniu quarenta clãs regionais contra os uigures. O nome "quirguiz" significa "terra das quarenta tribos", a partir da junção de três palavras: quirg (kırk), que significa "quarenta", iz (uz), que significa "tribos" em túrcico oriental, e -tão, que significa "terra" em persa.[1] Oficialmente, o nome da república era República Socialista Soviética Quirguiz, como afirmam as constituições quirguizes de 1937 e 1978.

Em 30 de outubro de 1990, o país foi renomeado República Socialista da Quirguízia (ou Quirguistão), nome que durou até 15 de dezembro do mesmo ano. Após essa data, o termo "socialista" foi abandonado, tendo o país passado a se chamar República da Quirguízia, mantendo esse nome após a independência.[2] No dia 5 de maio de 1993, com a adoção de uma nova constituição, o país passou a se chamar oficialmente República Quirguiz.

HistóriaEditar

Fundada no dia 14 de outubro de 1924, como o Oblast Autônomo Kara-Quirguiz da RSFS Russa, foi transformada na República Soviética Socialista Autônoma Quirguiz (RSSA Quirguiz) em 1 de fevereiro de 1926, ainda sendo parte da RSFS Russa.[3] Suas fronteiras, no entanto, não foram delimitadas levando-se em consideração os grupos étnicos e linguísticos da região.[4]

Em 5 de dezembro de 1936, com a adoção da constituição soviética de 1936, tornou-se uma república constituinte da União Soviética sob o nome República Socialista Soviética Quirguiz, durante os estágios finais das delimitações fronteiriças da URSS.[5]

Quando a Quirguízia se formou, seu território foi separado em distritos. No dia 21 de novembro de 1939, cinco oblasts foram criados: Jalal-Abad, Issyk-Kul, Osh, Tyan Shan, e Frunze.[6] O oblast de Tyan Shan deixou de existir em 1962, quando o resto do país (com a exceção de Osh) foi dividido em distritos de subordinação republicana. Em 1970, os oblasts de Issyk-Kul e Naryn (a antiga Tien Shan) foram definidos, e, em 1980, foi definido o oblast de Talas. Em 1988, os oblasts de Naryn e Talas foram novamente abolidos, sendo restaurados em 1990. Ao mesmo tempo, Jalal-Abad e Chui (o antigo oblast de Frunze) foram refundados. Estes distritos são mais conhecidos por sua intensa aplicação de fertilizantes nas plantações após a independência.[7]

O massacre de Osh, em 1990, enfraqueceu o governo central. No mesmo ano, no dia 15 de dezembro, o país foi renomeado República da Quirguízia após declarar sua soberania. Em 17 de março de 1991, a Quirguízia apoiou a manutenção da URSS em um referendo, com um expressivo percentual de 95,98%.

Contudo, isto não aconteceu, quando conservadores do Partido Comunista tomaram o controle de Moscou por 3 dias em agosto de 1991 em uma tentativa de golpe de Estado. Askar Akayev, primeiro presdente do país inequivocamente condenou o golpe, passando a ter uma imagem de um líder democrático. O país declarou sua independência no dia 31 de agosto de 1991 e a União Soviética desfez-se formalmente em 26 de dezembro de 1991.[8] A constituição soviética de 1977, no entanto, ainda estava em vigor mesmo após sua independência.

Em 5 de maio de 1993, uma nova constituição do Quirguistão foi adotada, abolindo o Estado criado em 1936, instituindo oficialmente a República Quirguiz.

GeografiaEditar

 
Mapa do território da RSS Quirguiz, que hoje delimita o atual Quirguistão.

A RSS Quirguiz era um país encravado localizado na Ásia Central soviética, fazendo fronteira com a RSS Cazaque, a RSS Tajique, a RSS Uzbeque e a China. É o país mais distante do mar do mundo, e todos os seus rios fluem em sistemas de drenagem fechados, não desaguando no mar. O sistema de cordilheiras de Tian Shan cobre mais de 80% do país, sendo o restante do território constituído de vales e bacias.[9]

O lago Issyk-Kul, situado a nordeste de Tian Shan é o maior lago do país e o segundo maior lago de montanha do mundo, atrás apenas do lago Titicaca. As montanhas mais altas situam-se na cordilheira de Kakshaal-Too, formando a fronteira da república com a China. Jengish Chokusu, com 7 439 m de altura, é o pico mais alto do território quirguiz, e é considerado por geólogos o pico com mais de 7 000 m mais ao norte do mundo. As intensas nevascas do inverno levam a grandes cheias na primavera, que geram problemas para as regiões ribeirinhas. O escoamento superficial das montanhas também é usado para geração hidroelétrica.

PolíticaEditar

Similarmente às demais repúblicas soviéticas, o governo quirguiz adotou a forma de governo de uma república socialista unipartidária, com o Partido Comunista da Quirguízia (uma ramificação do Partido Comunista da União Soviética) sendo o único partido político legal. O Primeiro Secretário do Partido Comunista da Quirguízia era o chefe do partido, enquanto que o Presidente do Presidium do Soviete Supremo servia como chefe-de-Estado e o Presidente do Conselho de Ministros como chefe-de-governo.

DemografiaEditar

Em 1926, a RSS Quirguiz tinha 1 002 000 habitantes. Em 1939, foram registradas 1 458 000 pessoas. A população do país cresceu significativamente nas décadas do pós-guerra; a república tinha 2 065 837 habitantes em 1959, 2 932 805 em 1970 e 3 529 030 em 1979. No último censo soviético, em 1989, a RSS Quirguiz tinha uma população de 4 257 755 pessoas.[10] O maior grupo étnico do país é o povo quirguiz, entretanto, devido ao grande número de deportações para o país, houve períodos de relevante variação étnica. Entre março e maio de 1944, Foi relatado no Kremlin que 602 193 residentes da Ciscaucásia haviam sido deportados para a RSS Quirguiz e a RSS Cazaque, dentre eles 496 460 chechenos e inguches, 68 327 carachais e 37 406 bálcaros.[11] O país era (e ainda é) de maioria muçulmana, falantes de línguas turcomanas. A capital Frunze (atual Bisqueque) apresentava a maior concentração de russos; o país tinha cerca de 22% da população russa em 1991, com minorias usbeques concentrados majoritariamente no Vale de Fergana, perfazendo 13% da população. Em 1990, houve conflitos violentos entre povos usbeques e quirguizes nas cidades de Osh e Uzgen, havendo tensão entre grupos étnicos na região até os dias de hoje.[12]

ReligiãoEditar

O islã, religião mais praticada na RSS Quirguiz, era fortemente reprimido pelo regime soviético, que encorajava ativamente o ateísmo, embora as autoridades soviéticas permitissem certa atividade religiosa limitada em todas as repúblicas muçulmanas. A maioria da população russa do país era ateia ou da Igreja Ortodoxa Russa. Após a independência, o país tornou-se oficialmente laico e goza de maior liberdade religiosa.

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Manas - The Kyrgyz Odysseys, Moses, and Washington» (em inglês). The School of Russian and Asian Studies. 30 de dezembro de 2005. Consultado em 27 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 7 de outubro de 2009 
  2. A Political Chronology of Central, South and East Asia. Londres, Reino Unido: Europa Publications. 2005. p. 183. ISBN 0-203-41173-0 
  3. Bennigsen, Alexandre; Broxup, Marie (3 de junho de 2014). The Islamic Threat to the Soviet State. Abingdon, Reino Unido: Routledge. p. 42. ISBN 978-1-317-83171-6 
  4. Dana, Leo Paul (1 de janeiro de 2002). When Economies Change Paths: Models of Transition in China, the Central Asian Republics, Myanmar & the Nations of Former Indochine Française. Singapura: World Scientific. p. 65 
  5. Group, Taylor & Francis (2004). Europa World Year. Londres, Reino Unido: Europa Publications. p. 2543. ISBN 978-1-85743-255-8 
  6. Incorporated, Grolier (1993). Encyclopedia Americana. Nova Iorque, Estados Unidos: Grolier. p. 141 
  7. Mudahar, Mohinder S. (1 de janeiro de 1998). Kyrgyz Republic: Strategy for Rural Growth and Poverty Alleviation. Washington, D.C., Estados Unidos: Banco Mundial. p. 86. ISBN 978-0-8213-4326-5 
  8. Sakwa, Richard (17 de agosto de 2005). The Rise and Fall of the Soviet Union. Londres, Reino Unido: Routledge. p. 480. ISBN 978-1-134-80602-7 
  9. Escobar, Pepe (26 de março de 2005). «The Tulip Revolution takes root» (em inglês). Asia Times Online. Consultado em 1 de janeiro de 2017 
  10. Pavlenko, Aneta (2008). Multilingualism in Post-Soviet Countries. Reino Unido: Multilingual Matters. p. 206. ISBN 978-1-84769-087-6 
  11. Tishkov, Valeriĭ Aleksandrovich (15 de maio de 2004). Chechnya: Life in a War-Torn Society. Oakland: University of California Press. p. 25. ISBN 978-0-520-93020-9 
  12. Rubin, Don; Pong, Chua Soo; Chaturvedi, Ravi; Majumdar, Ramendu; Tanokura, Minoru (Janeiro de 2001). The World Encyclopedia of Contemporary Theatre: Asia/Pacific. Londres, Reino Unido: Europa Publications. p. 274. ISBN 978-0-415-26087-9