Abrir menu principal
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

As relações entre Brasil e França são as relações diplomáticas estabelecidas entre a República Federativa do Brasil e a República Francesa. O Brasil mantém uma embaixada em Paris, e a França mantém uma embaixada em Brasília e consulados-gerais em Recife, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte .[1]

Relações entre Brasil e França
Bandeira do Brasil   Bandeira da França
Mapa indicando localização do Brasil e da França.
  Brasil

A maior fronteira que a França tem com qualquer país é sua fronteira com o Brasil, que mede 730,4 quilômetros e divide o departamento francês da Guiana Francesa do estado brasileiro do Amapá.[2][3][4]

Os dois países são as principais potências militares da América do Sul e têm uma forte cooperação. Em 15 de julho de 2005, o Brasil e a França assinaram vários acordos de cooperação militar em áreas como aviação e tecnologias militares avançadas.[5][6] Em 2008, os dois países assinaram um Acordo de Estatuto de Forças.[7] Brasil e França firmaram uma aliança estratégica formal em 2008.[8][9] A França é o principal defensor da ambição do Brasil de se tornar um ator global na arena internacional[10] e apoia a adesão do Brasil a um assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas.[11] Por meio de transferências significativas de tecnologia, a França ajudou o Brasil a adquirir as principais tecnologias de uma grande potência mundial nos setores militar, espacial, energético e tecnológico.[10]

Ex-presidente francês Jacques Chirac cumprimenta o ex-presidente brasileiro Luís Inácio Lula da Silva e sua esposa Marisa Letícia durante uma cerimônia no Palácio da Alvorada em Brasília.

Índice

HistóriaEditar

Guerra da LagostaEditar

 Ver artigo principal: Guerra da Lagosta

A crise diplomática entre os dois países conhecida como a "Guerra da Lagosta",[12] ocorreu no início da década de 1960, quando barcos pesqueiros franceses passaram a pescar no litoral brasileiro, mais precisamente no estado de Pernambuco. Até este período, as embarcações francesas possuíam licença apenas para realizar pesquisas. Ao constatar que as embarcações estavam pescando lagostas em grande escala, a Marinha do Brasil cancelou a licença. Em novembro de 1961, a França voltou à pesca, desta vez pedindo autorização para atuar fora das águas territoriais brasileiras, na região da plataforma continental. A autorização foi concedida, mas em janeiro de 1962 começaram os problemas. O pesqueiro francês Cassiopée foi flagrado capturando lagostas e foi apreendido por uma corveta brasileira. Este incidente abriu uma curiosa discussão diplomática a respeito da natureza do animal em questão. A Convenção de Genebra, assinada em 1958, assegurava que os recursos minerais, biológicos, animais ou vegetais da plataforma continental pertencem ao país costeiro.[13]

ComércioEditar

O Brasil é o maior parceiro comercial da França na América Latina e o seu quarto parceiro mais importante fora da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). Mais de 500 empresas francesas estão estabelecidas diretamente no Brasil e empregam mais de 250.000 pessoas. O comércio total entre os dois países ultrapassou US $ 6,5 bilhões de dólares em 2009.

Cooperação militarEditar

 
Os presidentes Nicolas Sarkozy, da França, e Luiz Inácio Lula da Silva acenam para populares antes do desfile de 7 de Setembro na Esplanada dos Ministérios.

A França é um parceiro estratégico do Brasil na área de defesa. Um dos exemplos desta parceria é a realização dos grandes contratos no setor durante o governo Lula, avaliados em US$ 12,8 bilhões e que envolvem a construção de helicópteros e submarinos com a transferência de tecnologia.[14][15]

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

Referências

  1. «Relações bilaterais». Itamaraty. Consultado em 20 de julho de 2017 
  2. http://www.bienpublic.com/actualite/2013/08/24/l-inutile-pont-d-oyapock-l-inutile-pont-d-oyapock-en-guyane
  3. http://colunaesplanada.blogosfera.uol.com.br/2013/11/14/franca-e-guiana-humilham-brasil-em-ponte-de-fronteira/  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  4. http://www.funtrivia.com/askft/Question47557.html  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  5. «Acordo de Cooperação em Tecnologias Avançadas». Ministry of External Relations. Consultado em 27 de junho de 2010. Arquivado do original em 8 de novembro de 2010 
  6. «Acordo para Cooperação na Área da Aeronáutica Militar». Ministry of External Relations. Consultado em 27 de junho de 2010. Arquivado do original em 28 de dezembro de 2009 
  7. «Acordo Brasil-França: SOFA». Ministry of External Relations. Consultado em 27 de junho de 2010. Arquivado do original em 16 de julho de 2011 
  8. «Parceria Estratégica». Ministry of External Relations. Consultado em 27 de junho de 2010. Arquivado do original em 4 de janeiro de 2010 
  9. «Branching Out in Alliances as Emerging Global Actor». Inter Press Service. Consultado em 27 de junho de 2010. Arquivado do original em 6 de outubro de 2010 
  10. a b Political relations Arquivado em junho 22, 2011[Erro data trocada], no Wayback Machine., French Ministry of Foreign and European Affairs. Retrieved on 2010-11-29.
  11. «France and Brazil - Political relations». Ministry of Foreign Affairs of France. Consultado em 18 de fevereiro de 2008. Arquivado do original em 18 de outubro de 2007 
  12. «Guerra da Lagosta». Consultado em 6 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 17 de maio de 2013 
  13. Guerras sem sangue[ligação inativa]
  14. Brasil já é o maior importador de armas da França
  15. Dilma diz que Brasil quer construir uma indústria de defesa em parceria com a França
  Este artigo sobre relações internacionais, diplomacia ou sobre um diplomata é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.