Abrir menu principal

Wikipédia β

Tuna Luso Brasileira

A Tuna Luso Brasileira (conhecida por Tuna Luso ou apenas Tuna e cujo acrônimo é TLB) é um clube esportivo brasileiro da cidade de Belém, capital do Estado do Pará, fundada em 1 de janeiro de 1903.

Tuna Luso
TunaLusoB.png
Nome Tuna Luso Brasileira
Alcunhas Elite do Norte
Águia do Souza
Águia Guerreira
Torcedor/Adepto Tunante, cruzmaltino
Mascote Águia
Fundação 1 de janeiro de 1903 (114 anos)
Estádio Francisco Vasques
Capacidade 6.500
Mando de jogo em Mangueirão
Capacidade (mando) 45.007
Presidente Brasil João Rodrigues
Treinador Brasil Sinomar Naves
Patrocinador Brasil Trigolino
Brasil Mafrinorte
Material (d)esportivo Brasil Siker
Competição Pará Campeonato Paraense
Divisão Pará Serie A2
Pará A2 2017
á disputar
Pará A2 2016
1° Fase
Pará ACLEP 2015
Pará A2 2015
1° Fase Baixa
1° fase
Website tunalusobrasileira.com.br
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

De origem portuguesa, surgiu como um conjunto musical, iniciando a sua trajetória esportiva em 1906. Entre seus departamentos destacam-se o remo, a natação e o futsal, nos quais a Tuna detém inúmeras conquistas. Todavia, é o futebol o maior responsável pelo reconhecimento do clube no cenário esportivo nacional.

Tradicionalmente, a Tuna é a terceira força do futebol paraense, somente atrás de Clube do Remo e Paysandu Sport Club, seus rivais históricos. Já foi dez vezes campeã paraense, além de possuir dois títulos de divisões de acesso do Campeonato Brasileiro: a Taça de Prata de 1985 e a Terceira Divisão de 1992.

Índice

HistóriaEditar

FundaçãoEditar

Em 13 de novembro de 1902, o cruzador português "D. Carlos" ancorou no porto de Belém. A visita do garboso navio rendeu diversas homenagens. Durante os festejos, um grupo de jovens portugueses trabalhadores do comércio se reuniu no Café Apolo, onde o Sr. Antonio Augusto Lobo propôs a fundação de um conjunto musical para apresentar-se em festas cívicas, recreativas e de beneficência.

Reuniões posteriores foram realizadas na residência de Antonio Lobo, na Rua Frutuoso Guimarães, onde Manuel Nunes da Silva discursava e empolgava os demais presentes. No dia 12 de dezembro, foi definido que o grupo de chamaria Tuna Luso Caixeiral. Tuna significa orquestra ou conjunto popular, Luso faz referência à nacionalidade de seus fundadores (Portugal) e Caixeiral à totalidade de integrantes que trabalhavam no comércio, conhecidos como "caixeiros". Entretanto, a instalação oficial da Tuna se deu somente em 1 de janeiro de 1903, sendo esta data reconhecida na sua fundação.

No início, a Tuna era chamada Real Tuna Luso Caixeiral por ação do rei de Portugal, D. Carlos I. Porém, após a proclamação da República portuguesa, em 5 de outubro de 1910, o título de "Real" foi retirado. Posteriormente, em 1926, foi denominada de Tuna Luso Comercial e por fim, em 12 de junho de 1967, como Tuna Luso Brasileira.

1906: começa a trajetória esportiva tunanteEditar

A Tuna só iniciou no esporte em 1906 com a criação do seu Departamento Náutico. A ideia surgiu a partir da extinção do Yole Club e do Sírio. Um grupo de rapazes, liderados por Antônio Lobo, Artur Nicolau da Costa, Francisco de Oliveira Simões, Antônio Frazão Salgueiro e João Gonçalves, alugou a antiga sede do Sírio, na Tv. Siqueira Mendes, onde passou a funcionar a garagem náutica do clube. O primeiro barco foi construído na fábrica Freitas Dias, servindo de modelo a uma baleeira de seis remos denominada “Moema”.

No dia 15 de abril de 1906, ocorreu o batismo dos barcos da Tuna na regata organizada pelo Grupo do Remo, vencendo o páreo “Imprensa de Belém” e a prova principal, mas foi desclassificada por atravessar fora da baliza de chegada. Ainda assim, apenas em 1920 que a Lusa conquistaria seu primeiro Campeonato Paraense, trilhando uma história brilhante nas águas com grandes conquistas, dentre elas um inesquecível deca-campeonato (1948 a 1957), o que lhe rendeu o honroso título de “Rainha do Mar”.

O futebolEditar

Nove anos depois de se inserir no cenário esportivo paraense, a Tuna introduziu o futebol em 1915, apenas para consumo caseiro. Sua estreia foi de forma amadora, vencendo o Grêmio Luzitano. O encontro foi promovido pela Colônia Portuguesa como parte das comemorações relativas a 5 de outubro, data que deu nome à primeira taça conquistada pela Tuna em toda a sua história.

Somente nos anos 30 que a Tuna passou a disputar oficialmente as competições. Conquistou seu primeiro Campeonato Paraense em 1937 de forma invicta. O time base era: Licínio; Setenta e Cinco; Aldomário, Pelado e 77; Lulu, Conegas, Jango, Pitota e João. Mantendo a base, a Tuna conquistou no ano seguinte o bicampeonato.

O terceiro título veio no campeonato de 1941 da mesma forma que o primeiro, ou seja, sem nenhuma derrota. Passariam-se mais sete anos para que a Lusa voltasse a brilhar no topo do estado. Em 1949, a Tuna realizou uma excursão a Paramaribo (Suriname) para disputar um torneio internacional em comemoração ao aniversário da princesa Guilhermina, da Holanda e foi campeão invicta, com quatro vitórias e um empate.

Na década de 1950, mais três títulos estaduais foram adicionados à galeria de troféus cruz-maltina (1951, 1955 e 1958). Dessas conquistas, destaca-se o campeonato de 1955, pois foi o terceiro estadual invicto da história tunante que renderam as três estrelas amarelas acima do escudo. Soma-se a isso, o fato de ter sido arrebatado em uma decisão extra entre a Tuna (campeã do 1º e 2º turno) e Paysandu (campeão do 3º), já em 1956. Dessa forma, a Águia sagrou-se supercampeã paraense de 1955.

Graças ao título estadual de 1958, a Tuna ganhou o direito de disputar a Taça Brasil de 1959, competição organizada pela Confederação Brasileira de Desportos, atual CBF, tornando-se a primeira represente do Pará em competições nacionais. No ano de 1970, conquistou seu oitavo Campeonato Paraense.

1948 - Campeã da Terra e do MarEditar

Com a equipe praticamente desfeita, desde o último campeonato, somente com Bereco, a Tuna Luso montou um time aguerrido em que destacavam-se o goleiro Dodó, China, Juvenil, Teixeirinha e Daniel , quinteto este inesquecível para a Tuna. Foram 11 partidas, com 08 vitórias, 01 empate e 02 derrotas. Marcou 25 golos e sofreu 13. O Clube do Remo foi vítima de goleada de virada. Após ter levado 03 golos, a equipe cruzmaltina virou e fez 05. O Paysandu também perdeu de goleada com o placar de 4x1. No returno, após a vitória de 2x0 sobre Clube do Remo, a Tuna Luso ganhou o título por antecipação. No último jogo com o Paulista, o placar foi de 1x1. A Tuna despediu-se do campeonato com os campeões: Dodó, Sabá, Conde, Totinha, Nonato, Biroba, Juvenil, China, Palito, Teixeirinha e Daniel. Neste mesmo ano a Tuna Luso sagrou-se também campeã de regatas.

Excursão invicta a ManausEditar

Em 1967, a Tuna Luso Brasileira foi a Manaus realizar oito jogos amistosos e retornou invicta a Belém protagonizando uma bela página do futebol paraense. O saldo maior da excursão tunante a Manaus foi a conquista de numerosos torcedores, que apreciaram e se deliciaram cm o futebol ofensivo da lusa paraense. O Clube do Remo se encontrava em Manaus para jogos amistosos e achou por bem desafiar a Tuna para uma partida que acabou entrando na relação de equipes desafiadas em Manaus. Os resultados:

29 de agosto de 1967 - Fast Clube 1-6 Tuna Luso;

31 de agosto de 1967 - Rio Negro 0-3 Tuna Luso;

03 de setembro de 1967 - Olímpicos 1-1 Tuna Luso;

05 de setembro de 1967 - São Raimundo 3-3 Tuna Luso;

07 de setembro de 1967 - Olímpicos 1-1 Tuna Luso;

09 de setembro de 1967 - São Raimundo 0-2 Tuna Luso;

15 de setembro de 1967 - Clube do Remo 0-1 Tuna Luso;

16 de setembro de 1967 - Nacional 0-1 Tuna Luso;

Um grande momento para a Tuna foi a década de 1980, quando, além de dois campeonatos estaduais (1983 e 1988), sagrou-se campeã do Brasileiro da Segunda Divisão, em 1985. Desde 1988, a equipe não adicionou mais nenhum título estadual à sua coleção de troféus - nesse período, foi vice-campeã em cinco ocasiões, acumulando assim dez campeonatos e 18 vice-campeonatos paraenses, e confirmando ser um dos grandes do futebol estadual.

Além disso, em 1992, conseguiu outro importante título nacional, o Campeonato Brasileiro da Terceira Divisão.

Mais recentemente, na mesma Série C, em 2006, terminou na 11º posição.

No Campeonato Paraense de 2007, a Tuna venceu o primeiro turno, mas foi derrotada pelo Remo nas finais do campeonato, sagrando-se vice-campeã e credenciando-se a participar da Série C 2007.

No dia 2 de novembro de 2008, a Tuna Luso sagrou-se campeã da Copa dos Clubes Campeões do Centenário, competição promovida pela FPF, em comemoração aos 100 anos de disputa do campeonato paraense. Os clubes participantes foram: Paysandu, Remo, Tuna Luso e União Esportiva (clube extinto, mas representado pelo Ananindeua).

Remo e Paysandu desistiram da competição logo após o Remo perder por 3 a 1 para a Tuna e o Paysandu perder por 2 a 1 para o União Esportiva, alegando prejuízos financeiros com a manutenção dos elencos, devido ao fato de o torneio ter sido realizado no final da temporada 2008. Com a desistência dos dois grandes clubes do futebol paraense, a final foi entre a Tuna e a União Esportiva. Por ter vencido o primeiro jogo por 3 a 1, a equipe alviverde foi para a final com vantagem, tendo empatado por 0 a 0 e ficando com a taça.

Em 2007, a agremiação se recuperou dos vexames protagonizados nos Campeonatos Paraenses de 2005 e 2006, quando a Tuna ficou em 11º e 10º. Começou bem 2007, sendo campeão da Taça Cidade de Belém, equivalente ao 1º Turno, assegurando uma vaga para a Copa do Brasil e para a disputa da 3ª divisão.

Mas a equipe despencou no segundo turno, e na decisão, perdeu para o seu rival Remo, ficando com o vice-campeonato. No Campeonato Brasileiro, a Águia do Souza fez uma bela campanha, mas foi eliminada na 3ª Fase e não se classificou no octagonal final, terminando a competição na 14º colocação, com dezoito pontos. Os Cruzmaltinos perderam mais terreno em 2008, fez uma péssima campanha e terminou na penúltima posição dos dez participantes da Elite do Campeonato Paraense.

Na Copa do Brasil, a Lusa foi eliminada pelo Coritiba na primeira fase em dois jogos (0 a 0) e (6 a 0).

A Tuna não conseguiu a classificação para a disputa da Elite do Campeonato Estadual, ficando a dois pontos do São Raimundo. Na 1ª Fase do Estadual, a Águia mais uma vez ficou sem disputar a Fase Principal do certame paraense, distante da vaga por apenas um ponto, perdendo a classificação para o estreante time do Cametá.

AtualidadeEditar

A Lusa montou um time modesto, mas competitivo em 2011. Começou de forma razoável, vencendo uma das duas partidas, mas o Sport Belém complicou a Águia do Souza, causando a demissão do técnico Carlos Lucena, que comandava a Tuna desde 2007, e com a chegada de Flávio Goiano, a Lusa venceu três partidas seguidas, entretanto, no último jogo, precisava de uma combinação de resultados para se classificar para a elite do Campeonato Paraense. Em um jogo emocionante, a Tuna venceu o Santa Rosa, em Mãe do Rio, e contou com o empate de Ananindeua e Castanhal, fazendo com que a Tuna se consagrasse campeã da 1ª Fase e após mais de dois anos, voltasse a disputar a Fase Principal.

Apesar da boa campanha na 1ª Fase do certame estadual, a Lusa não conseguiu a classificação para as semifinais da Taça Cidade de Belém, ficando na quinta colocação, após empatar com a equipe do Cametá.

O segundo turno do campeonato paraense começou melhor para a Tuna, após vencer o Águia de Marabá em Belém e empatar com o Castanhal fora de casa, a Tuna alcançou a liderança do campeonato, para disparar na liderança, a Tuna precisava apenas de uma simples vitória no clássico contra o Paysandu no estádio Francisco Vasques, acabou perdendo por 3 a 1. Após a derrota no clássico contra os bicolores, a Tuna foi goleada pelo São Raimundo por 4 a 1 em pleno Souza, perdeu para o Independente por 1 a 0 em Tucuruí, após as duas derrotas seguidas, foram goleados pelo Clube do Remo no clássico disputado no estádio Evandro Almeida, após as três derrotas seguidas, a Tuna ficou ameaçada pelo rebaixamento para a 1ª Fase do campeonato estadual.

A Lusa precisava apenas de um modesto empate contra a equipe do Cametá diante de sua torcida em Belém, apesar do favoritismo, a equipe perdeu por 2 a 1, mas devido a combinação de resultados terminou em 6º lugar, permanecendo na elite para o campeonato de 2013. Apesar da vergonhosa campanha da Tuna no estadual, a Lusa sagrou-se campeão paraense de futebol feminino ainda em 2011, conquistando a vaga paraense para ser representante do estado na Copa do Brasil de futebol feminino. Mas no ano de 2014 o time não foi bem no estadual sendo rebaixada pela primeira vez para segunda divisão.

SímbolosEditar

EscudoEditar

O atual formato do escudo da Tuna surgiu na fundação do clube e manteve-se ao longo dos anos. As únicas mudanças acontceram no seu interior. No primeiro desenho, o escudo trazia as iniciais T-L-C, referentes à Tuna Luso Caixeiral, e uma nota musical vermelha ao centro cortada por quatro linhas verdes. No segundo escudo, permaneceu as iniciais do primeiro mas dessa vez em referência à Tuna Luso Comercial, além de substituir a nota musical pela cruz pátea vermelha, confundida como cruz de malta. O terceiro e atual escudo traz as iniciais T-L-B (Tuna Luso Brasileira) e o ano de fundação (1903), abaixo da cruz.

 
A águia é a mascote oficial da Tuna Luso Brasileira.

MascoteEditar

A mascote da Tuna Luso é a águia. O animal foi escolhido como um dos símbolos do clube por ser considerada a ave mais forte, bonita e corajosa do mundo animal. Além disso, a águia também tem um grande poder de renovação.

UniformeEditar

O uniforme tradicional da lusa é uma camisa verde ou branca com uma faixa transversal de cor oposta a predominante do uniforme. A faixa transversal é em alusão a cruz de malta, símbolo de Portugal, o país de origem dos fundadores do clube.

TorcidaEditar

  • MUC - Movimento Uniformizado Cruzmaltino

Torcida organizada fundada em 1 de junho de 2006, por um grupo de quatro amigos, Rogério Duarte, Sandro Frota, Delmicy e Hadler,levados pela ideia de construir um movimento de apoio à Tuna Luso nas arquibancadas. O projeto cresceu e hoje conta tem mais de 300 membros, com simpatizantes por todo o Brasil e no mundo (por exemplo, Japão).

  • ATAT - Associação dos Torcedores e Amigos da Tuna

No mesmo ano, um grupo de torcedores formou uma associação objetivando colaborar ativamente com a Tuna, surgindo assim a ATAT (Associação dos Torcedores e Amigos da Tuna). A associação tem participado em diversas atividades administrativas e financeiras do clube.

A Tuna Luso estabelece atualmente um contato muito forte com aquela que representa a maior expressão popular do clube, a torcida. Com torcedores tradicionais e um outro grupo mais jovem que vem a somar com a tradição do clube existem hoje na Tuna duas grandes forças dessa manifestação. Juntas as duas torcidas dão todo o apoio necessário e ajudam a divulgar o nome do time no esporte paraense.

EstádioEditar

O estádio próprio da Tuna Luso chama-se Francisco Vasques, popularmente conhecido como "Souza", com capacidade para 6.500 torcedores. Contudo, os jogos de maior porte da equipe são disputados no Estádio Olímpico do Pará, com capacidade para 45.007 pessoas.

RivalidadesEditar

Tuna Luso versus Remo ou Re-TuEditar

 Ver artigo principal: Remo x Tuna

O Clube do Remo é o maior rival da Tuna Luso Brasileira. Rivalidade iniciada ainda nas regatas. Remo x Tuna é o segundo maior clássico da cidade de Belém. Os clubes confrontam-se no futebol desde 15 de novembro de 1931, quando empataram em 0 a 0 (amistoso).

Estatísticas de Tuna versus Remo
  • Jogos: 462.
  • Vitórias da Tuna: 129.
  • Vitórias do Remo: 209.
  • Empates: 124.
  • Gols do Remo: 721.
  • Gols da Tuna: 564.
  • Maior goleada da Tuna: 6 x 1 em 20 de abril de 1941.
  • Último jogo: Remo 0 x 0 Tuna Luso, 6 de julho de 2014, amistoso.

Tuna Luso versus Paysandu ou Pa-TuEditar

 Ver artigo principal: Paysandu x Tuna

Além do Remo, a Tuna Luso também nutre uma rivalidade com o Paysandu. Paysandu x Tuna é o terceiro maior clássico da cidade, não tão importante para os cruzmaltinos quanto a que tem com o Remo. As duas equipes se confrontam desde 11 de dezembro de 1932, quando os bicolores venceram pelo placar de 2 x 0 em jogo válido pela Taça Concórdia.

Estatísticas de Tuna versus Paysandu
  • Jogos: 450
  • Vitórias da Tuna: 140
  • Vitórias do Paysandu: 193
  • Empates: 117
  • Gols da Tuna: 614
  • Gols do Paysandu: 674
  • Último jogo: Paysandu 3 x 2 Tuna, 12 de Agosto de 2016, Amistoso.

EstatísticasEditar

ParticipaçõesEditar

Participações em 2017
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última P   R  
  Campeonato Paraense 80 Campeã (10 vezes) 1933 2015 2
Segunda Divisão 4 Vice-Campeã (2014) 2014 2017 1
  Campeonato Brasileiro 3 30º colocado (1984) 1979 1986
Série B 14 Campeã (1985) 1980 2001 1 2
Série C 7 Campeã (1992) 1992 2007 2
Copa do Brasil 4 1ª Fase 1992 2008

Últimas dez temporadasEditar

  Brasil   Regional   Pará
Ano Campeonato Brasileiro Copa do Brasil Copa Verde Campeonato Paraense
Div Pos Pts J V E D GP GC Fase Máxima Fase Máxima Div. Pos.
2007   14º 23 18 6 5 7 25 26 1D
2008   Não classificado 1F 1D
2009   Não classificado 1D 10º
2010   Não classificado 1D
2011   Não classificado 1D
2012   Não classificado 1D
2013   Não classificado 1D
2014   Não classificado 1D 13º
2D
2015   Não classificado 1D 12º
2D 11º
2016   Não classificado 2D

Legenda:

     Campeão.
     Vice-campeão.
     Eliminado na semifinal.
     Rebaixado à divisão inferior.
     Promovido à divisão superior.

Campanhas de destaqueEditar

Tuna Luso Brasileira
Torneio Campeão Vice-campeão Terceiro colocado Quarto colocado
  Campeonato Brasileiro – Série B 1 vez (1985) 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui)
  Campeonato Brasileiro – Série C 1 vez (1992) 0 (não possui) 0 (não possui) 1 vez (2000)
  Campeonato Paraense 10 vezes 18 vezes 27 vezes 11 vezes
  Segunda Divisão 0 (não possui) 1 vez (2014) 0 (não possui) 0 (não possui)
Outras campanhas notórias

TítulosEditar

Conquistas oficiais
Nacionais
Competição Títulos Temporadas
  Campeonato Brasileiro - Série B 1 1985
  Campeonato Brasileiro - Série C 1 1992
Estaduais
Competição Títulos Temporadas
  Campeonato Paraense 10 1937  , 1938, 1941  , 1948, 1951, 1955  , 1958, 1970, 1983 e 1988
  Taça Cidade de Belém 1 2007
  Taça ACLEP 2 2011 e 2012  
  Torneio Início do Pará 5 1941, 1942, 1943, 1953 e 1990

  Campeão Invicto

Conquistas não oficiais
Amistosos Internacionais
Competição Títulos Temporadas
  Torneio Internacional de Cayenne 1 1985
    Torneio Internacional de Belém 1 1977
    Torneio Rainha Guilhermina 1 1949
Amistosos Interestaduais
Competição Títulos Temporadas
    Torneio Quadrangular de Belém 1 1964
    Torneio Pará-Amazonas 1 1996
    Torneio Pará-Goiás 1 1973
Amistosos Estaduais
Competição Títulos Temporadas
  Torneio Cidade de Belém 3 1971, 1974   e 1977
  Copa do Centenário do Campeonato Paraense 1 2008  

  Campeão Invicto

Categorias de baseEditar

Juniores (Sub-20)
Estaduais
Competição Títulos Temporadas
  Campeonato Paraense 10 1991, 1992, 1993, 1994, 1995, 1996, 1997, 2000, 2001 e 2002
  Copa Metropolitana 1 2005
Juvenil (Sub-15)
Estaduais
Competição Títulos Temporadas
  Copa Sesi 2 2009 e 2010

Futebol FemininoEditar

Estaduais
Competição Títulos Temporadas
  Campeonato Paraense 3 2011, 2013 e 2014

Olympic rings with white rims.svg Esportes OlímpicosEditar

Elenco atualEditar

Atualizado dia 29 de setembro de 2015

Legenda
  •  : Atual Capitão
  •  : Prata da casa
Goleiros
Jogador
  Rodrigo Ramos
  Mateus Melo  
Defensores
Jogador Pos.
  Yuri Z
  Charles   Z
  Dyovan Farias   Z
  Bruno Limão LD
  Marcelo Chagas   LD
  Rayro Danyn LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
  Mael V
  Dada   V
  Rafael Lima V
  Gabriel Lima   V
  Léo Pará M
  André Mensalão M
  Adalto M
  Fábio Cruz   M
Atacantes
Jogador
  Jefferson Monte Alegre
  Danilo Galvão
  Yan Santos  
  Valdemir Santos  
  Erik Santos  
  Debú
Comissão técnica
Nome Pos.
  Sinomar Naves T
  Lubrax TG
  Djalma MD

Ligações externasEditar