American Airlines

A American Airlines é uma companhia aérea americana sediada em Fort Worth, Texas. É a maior companhia aérea do mundo por passageiros transportados, quantidade de aeronaves e receitas, sendo a segunda maior pelo número de destinos, somente atrás da United Airlines. Ele opera a partir de seus hubs em Dallas, Charlotte, Los Angeles, Nova York, Miami, Chicago, Filadélfia, Phoenix e Washington, enquanto a sua base de manutenção principal está em Tulsa, Oklahoma. A empresa também tem uma presença significativa em Boston, Londres e San Francisco.[2] Recentemente, em janeiro de 2019, inaugurou seu primeiro hangar de manutenção de aeronaves na cidade de Guarulhos (GRU), São Paulo, Brasil, fora dos Estados Unidos. A companhia aérea concorre principalmente com a Delta Air Lines, United e Southwest Airlines.

American Airlines
IATA AA
ICAO AAL
Indicativo de chamada AMERICAN
Fundada em 1930 (como American Airways)
Principais centros
de operações
Programa de milhagem AAdvantage
Aliança comercial Oneworld
Frota 1579
Destinos 350[1]
Lounge Admirals Club
Slogan The new American is arriving. (A nova American está chegando)
Sede Fort Worth, Condado de Tarrant, Texas, Estados Unidos
Pessoas importantes Doug Parker (CEO)
Robert Isom (presidente)
Sítio oficial Website oficial (em português)

A empresa é um dos membros fundadores da Oneworld, e tem alianças codeshare com a British Airways, Finnair e Iberia no mercado transatlântico e com a Japan Airlines no mercado transpacífico. As rotas regionais são operadas por subsidiárias sob a marca da American Eagle.[3] A antiga controladora da American Airlines, a AMR Corporation, anunciou planos de fundir-se com a US Airways, criando a maior companhia aérea do mundo.[4][5][6] A AMR e a US Airways concluiram a incorporação em 9 de dezembro de 2013[7] e as duas companhias aéreas receberam um único certificado de companhia aérea em 8 de abril de 2015.[8][9]

HistóriaEditar

InícioEditar

 
Um Fairchild FC-2 operado pela American em 1927
 
Um Stinson Trimotor, primeira aeronave operada pela American
 
Um Douglas DC-3 da American, aeronave que foi projetada pela Douglas em conjunto com a companhia.

A American Airlines foi desenvolvida por um grupo de 82 pequenas companhias aéreas por meio de aquisições em 1930[10] e reorganizações. Inicialmente, a American Airways era uma marca comum por uma série de transportadores independentes. Estes incluíam a Southern Air Transport[11] no Texas, a Southern Air Fast Express (SAFE)[12] no oeste, a Universal Aviation[13] também no oeste, a Thompson Aeronautical Services[14] e a Colonial Air Transport[15] no nordeste. Como muitas companhia daquela época, a American ganhou notoriedade transportando cartas. Em 1933, a American Airways operava em 72 cidades, principalmente no nordeste, centro-oeste e sudoeste dos Estados Unidos.[16]

Em 1934, a American Airways foi adquirida por Errett Lobban Cord, que renomeou a companhia como "American Air Lines". Cord contratou o empresário CR Smith para dirigir a companhia. Smith trabalhou em conjunto com a Douglas para desenvolver o Douglas DC-3, em que a American foi a companhia lançadora da aeronave, em 1936. Com o DC-3, a American tornou-se a primeira companhia aérea a ser capaz de operar uma rota que poderia ganhar lucros unicamente com o transporte de passageiros, sendo que as outras operadoras não poderiam ganhar lucros sem transporte de cartas.[17] Com o DC-3, a American começou a apelidar suas aeronaves de "Flagships" e instituiu o Admirals Club para os passageiros valorizados.[18]

Ataques 11 de Setembro de 2001Editar

A empresa teve duas de suas aeronaves envolvidas nos atentados, o voo 11 da American Airlines e o voo 77 da American Airlines. O voo 11, sequestrado por Mohamed Atta, colidiu contra a Torre Norte do World Trade Center e o voo 77, sequestrado por Hani Hanjour, que bateu em uma das faixas do Pentágono.

Pedido de concordataEditar

Em 29 de novembro de 2011, a dona da empresa pediu concordata em Nova York.[19] A causa é a queda nas ações da empresa, que no dia 29+ de novembro de 2011, as 13h30. A American Eagle e todas as subsidiárias da American Airlines também foram afetadas. A empresa assegurou também que irá honrar todas as reservas e passagens.

AAirpassEditar

Em 1981, a companhia aérea, criou um programa de viagens aérea ilimitadas para passageiros frequentes. Os titulares do passe foram oferecidos a termos de cinco anos ou vitalício. O programa inicialmente permitia aos titulares do passe viagens ilimitadas de primeira classe em qualquer um dos voos da companhia aérea em todo o mundo. A associação vitalícia inicialmente custava US$ 250.000 (equivalente a 711.658 de dólares estadunidenses em 2020), com a opção de comprar um passe de acompanhante por um adicional de US$ 150.000 (equivalente a aproximadamente US$426,994,80 em 2020). O programa foi finalizado pois estava dando prejuízo a empresa, porém, os AAirpasses ilimitados existentes permanecem válidos.[20]

Novo logotipo e fusão com US AirwaysEditar

American Airlines e a US Airways anunciaram que seus conselhos de administração votaram a favor da fusão das duas empresas, criando a maior companhia aérea do mundo. O acordo ocorre mais de 14 meses depois de a American Airlines entrar em recuperação judicial, em novembro de 2011. Os credores da American ficaram com 72% da nova companhia, e os 28% restantes foram para as mãos da US Airways. As companhias anunciaram hoje em comunicado que esperam, com a nova empresa, uma receita superior a US$ 1 bilhão em 2015.

FrotaEditar

Em agosto de 2020 a frota da empresa era composta por:

Frota da American Airlines
Modelo Em Serviço Ordens Passageiros Observações
F B E+ M+ M Total
Airbus A319-100 133 8 24 96 128 Maior operador.
Airbus A320-200 48 12 18 120 150
Airbus A321-200 218 10 20 36 36 102 Configuração para serviço transcontinental.
20 35 135 190
16 18 153 187 Para ser convertido para a configuração de 190 lugares.[21]
16 36 129 181
Airbus A321neo 21 49[22] 20 47 129 196
Airbus A321XLR 50
TBA
Para ser entregue entre 2023 e 2025.[23]
Airbus A330-200 15 20[24] 21[24] 50[24] 156[24] 247 Todas as aeronaves em armazenamento de longo prazo até 2022.[25]
Boeing 737-800 304 16 30 114 160 46-76 aeronaves devem ser retiradas até o final de 2021.[26]
Aeronaves restante a ser convertida para a configuração de 172 assentos.[21]
126 172
Boeing 737 MAX 8 24 76 16 30 126 172
Boeing 777-200ER 47 37 24 66 146 273 Aeronave mais antiga a ser substituída pelo Boeing 787-9 até 2023.[27]
Boeing 777-300ER 20 8 52 28 28 188 304
Boeing 787-8 22 20 20 28 48 143 239
Boeing 787-9 22 25 30 21 24 200 285 Substituindo o Boeing 777-200ER mais antigo.
Total 874 213
Frota de aeronaves da American Eagle
Empresa Código IATA Código ICAO Indicativo de Chamada Modelo Frota Ordens Passageiros Parceiro
F Y+ Y Total
Envoy Air MQ ENY Envoy Embraer ERJ-140 45 (22) 44 44 American Airlines Group
Embraer ERJ-145 58 50 50
Embraer E175 93 11[24] 12 20 44 76
Mesa Airlines[28] YV ASH Air Shuttle Bombardier CRJ-900 64[29] 9 70 79 Mesa Air Group
9 67 76
12 67 79
Piedmont Airlines PT PDT Piedmont Embraer ERJ-145 60 50 50 American Airlines Group
PSA Airlines OH JIA Blue Streak Bombardier CRJ-700 61 9 8 46 63 American Airlines Group
Bombardier CRJ-900 69 12 32 32 76
Republic Airways YX RPA Brickyard Embraer E175 85 12 20 44 76 Republic Airways Holdings
SkyWest Airlines OO SKW SkyWest Bombardier CRJ-700 58 12 9 16 40 65 SkyWest, Inc.
9 (9) 6 16 48 70
Embraer E175 20[30] 12 20 44 76
Total 602 12

Acidentes e incidentesEditar

Década de 1950Editar

Década de 1960Editar

Década de 1970Editar

Década de 1990Editar

Década de 2000Editar

Década de 2010Editar

Galeria de fotosEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre American Airlines

Referências

  1. https://www.aa.com/i18n/customer-service/about-us/american-airlines-group.jsp
  2. «American Airlines Ticket Counters | Airport Information | aa.com». www.aa.com. Consultado em 2 de julho de 2015 
  3. Associated, The (12 de setembro de 2012). «American Air signs deal to contract out some flying to SkyWest». Yahoo! News. Consultado em 3 de outubro de 2012 
  4. Isidore, Chris (29 de novembro de 2011). «American Airlines and AMR file for Chapter 11 bankruptcy». CNN. Consultado em 2 de dezembro de 2011 
  5. Rushe, Dominic (29 de novembro de 2011). «American Airlines files for Chapter 11 bankruptcy protection». The Guardian. London. Consultado em 29 de novembro de 2011 
  6. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome merger_largest
  7. Maxon, Terry (27 de novembro de 2013). «Judge OKs American Airlines-US Airways merger, American's exit from bankruptcy». Dallas Morning News. Consultado em 29 de novembro de 2013 
  8. «American Airlines and US Airways to Create a Premier Global Carrier – The New American Airlines» (Nota de imprensa). Fort Worth, TX & Tempe, AZ: AMR & US Airways Group. 14 de fevereiro de 2013. Consultado em 14 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2013 
  9. «Cópia arquivada». Consultado em 9 de agosto de 2015. Arquivado do original em 3 de dezembro de 2013 
  10. Koenig, David (9 de dezembro de 2013). «American Airlines parent seeks Ch. 11 protection». Google News. Associated Press. Consultado em 9 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2013 
  11. «American Airlines». Cincinnati Aviation Heritage Society & Museum. Consultado em 9 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 23 de setembro de 2015 
  12. Eggebeen, Janna (2007). Airport Age: Architecture and Modernity in America. [S.l.]: ProQues. Consultado em 9 de dezembro de 2013 
  13. «UAL». Consultado em 9 de dezembro de 2013 
  14. «American Airways Pilot Hat Badge 2nd Issue Usage 1934-1947». Stanley Baumwald. Consultado em 9 de dezembro de 2013 
  15. «American Airlines». Encyclopædia Britannica, Inc. Consultado em 9 de dezembro de 2013 
  16. «1933 - August 6 - American Airlines Timetables, Route Maps, and History». Airchive. Consultado em 9 de dezembro de 2013 
  17. «For American, a blemish on a distinguished history». Yahoo News. 9 de dezembro de 2013. Consultado em 9 de dezembro de 2013 
  18. «1938 - August 5 - American Airlines Timetables, Route Maps, and History». Airchive. Consultado em 9 de dezembro de 2013 
  19. [1], acessado em 29 de Novembro de 2011
  20. «AAirpass». Wikipédia, a enciclopédia livre. 5 de junho de 2021. Consultado em 25 de julho de 2021 
  21. a b Singh, Jay. «American Airlines Moves Full Steam Ahead With 737 And A321 Retrofits». Simple Flying. Consultado em 23 de junho de 2020 
  22. «Airbus Orders and Deliveries through June 30, 2015». Consultado em 14 de julho de 2015. Arquivado do original em 16 de junho de 2017 
  23. «Tell Me Why: "A lighter aircraft and the capability to fly farther" — Robert Isom». American Airlines Newsroom. Consultado em 25 de junho de 2019 
  24. a b c d e «SeatGuru Seat Map American Airlines». www.seatguru.com. Consultado em 1 de agosto de 2020  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":0" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  25. «American Will Not Fly Its A330s Until 2022 – AirlineGeeks.com». AirlineGeeks.com (em inglês). 7 de maio de 2020. Consultado em 1 de agosto de 2020 
  26. https://onemileatatime.com/american-airlines-retiring-737-a330/
  27. «American Airlines Expands Boeing 787 Fleet» (Nota de imprensa). 6 de abril de 2018. Consultado em 6 de abril de 2018 
  28. «Archived copy». Consultado em 20 de julho de 2015. Arquivado do original em 14 de janeiro de 2015 
  29. «Mesa Airlines Fleet | Airfleets aviation». Airfleets.net. Consultado em 8 de setembro de 2016 
  30. «SkyWest orders 20 old-generation Embraer jets as order for new line remains paused». Reuters (em inglês). 30 de janeiro de 2020. Consultado em 31 de janeiro de 2020 

Ligações externasEditar