Abrir menu principal

Campeonato Paulista de Futebol de 1990

Campeonato Paulista de Futebol de 1990
Campeonato Paulista da Primeira Divisão de Futebol Profissional de 1990
Dados
Participantes 24
Período 27 de janeiro – 26 de agosto
Gol(o)s 793
Partidas 422
Média 1,88 gol(o)s por partida
Campeão Bragantino (1º título)
Vice-campeão Novorizontino
Melhor marcador Alberto (Ituano) - 12 gols
Rubem (Guarani) - 12 gols
Volnei (Ferroviária) - 12 gols
◄◄ São Paulo 1989 Soccerball.svg 1991 São Paulo ►►

O Campeonato Paulista de Futebol de 1990 foi um torneio organizado pela Federação Paulista de Futebol, caracterizado por uma final totalmente inédita e inesperada. Pela primeira vez desde que o torneio começou a ser disputado, duas equipes do interior de São Paulo disputaram a final do campeonato. A final, que ficou conhecida como "final caipira", foi entre Bragantino, de Bragança Paulista, e Novorizontino, de Novo Horizonte.

Com dois empates por 1 a 1 (o primeiro jogo foi realizado em Novo Horizonte, e o segundo, em Bragança Paulista), a equipe de Bragança Paulista, que tinha a vantagem de dois empates por ter feito melhor campanha e era comandada na época pelo ainda pouco conhecido Vanderlei Luxemburgo, conquistou o primeiro título de sua história.

Coroando ainda mais a participação do interior no futebol paulista, na categoria aspirantes o Noroeste, de Bauru, conquistou o título, com um time-base que revelou vários atletas que posteriormente ficaram conhecidos no cenário profissional, sendo o zagueiro Emerson (São Paulo, Botafogo) e o volante Claudecir (São Caetano e Palmeiras) dois dos mais conhecidos.

Índice

ParticipantesEditar

RegulamentoEditar

O Paulistão de 1990, com a participação de 24 clubes, era dividido em três fases:

Primeira fase: Os 24 clubes foram divididos em dois grupos de doze times cada, conforme a classificação dos mesmos no Campeonato Paulista de 1989. Nesta fase, os times de um grupo jogaram contra os times do outro.

Segunda fase: Nesta fase, os times jogaram dentro dos próprios grupos. A pontuação da primeira fase foi mantida, e os sete primeiros colocados do grupo I e os cinco melhores colocados do grupo II classificaram-se à terceira fase. O campeão de cada grupo ganhou vaga para a Copa do Brasil de 1991. Os demais clubes disputariam a repescagem.

Repescagem: Doze clubes eliminados da primeira fase foram divididos em dois grupos e jogaram em turno e returno. Dentro de cada grupo, os times jogariam entre si, em turno e returno. Apenas os campeões de cada grupo disputarão a segunda fase, enquanto os demais clubes estariam fora da disputa do título, e jogariam em um grupo separado dos catorze melhores colocados no campeonato do ano seguinte.

Terceira fase: Os doze melhores colocados da primeira fase e os dois melhores da repescagem foram separados em dois grupos de sete times cada. Dentro de cada grupo, os times jogaram entre si, em turno e returno. Os campeões dos grupos foram à final.

Finais: Os dois campeões dos dois grupos da segunda fase fizeram a final do campeonato em dois jogos, na casa de cada time. Caso os dois resultados fossem idênticos, seria realizada uma prorrogação. O time com a melhor campanha nas fases anteriores jogou pelo empate na prorrogação.

Rebaixamento: Assim como em 1989, não haveria rebaixamento.

Regra do rebaixamentoEditar

O regulamento de 1990 determinava que não haveria descenso de qualquer equipe, como afirma, por exemplo, o jornalista Paulo Vinícius Coelho.[1] O regulamento do campeonato daquele ano afirma, in verbis, em seu Artigo 5º:

Parágrafo 1º - "Para o Campeonato da Primeira Divisão de Futebol Profissional de 1991, o Grupo I será constituído pelas 14 associações classificadas para disputar a quarta fase do Campeonato de 1990 e o Grupo II será constituído pelas dez associações restantes que não se classificaram para a quarta fase e mais quatro advindas da Divisão Especial de 1990."

Parágrafo 2º - "No campeonato da primeira divisão de futebol profissional de 1990, não haverá descenso à divisão especial de futebol profissional. Mas a partir de 1991, ou a cada ano, haverá o descenso de uma associação da Primeira Divisão de Futebol Profissional e o acesso de uma associação da Divisão Especial de Futebol Profissional."

Ignorando o regulamento do campeonato, o jornal Folha de S. Paulo publicou no dia seguinte como manchete o rebaixamento do São Paulo.[2] Já o jornal O Estado de S. Paulo tratou o caso como uma simples desclassificação, explicando como seria o regulamento do Paulistão de 1991. "O campeonato de 1991 terá 28 times divididos em dois grupos de 14", escreveu o jornalista do Estadão. "O São Paulo terá de ficar entre os primeiros nas duas primeiras fases para, na quarta [sic], voltar a enfrentar Coríntians [sic], Palmeiras, Portuguesa e Santos."[3] No dia seguinte, o mesmo jornal afirmou mais uma vez: "O São Paulo vai disputar o Paulista de 1991 no grupo 'B', que incluirá os dez piores times deste ano e mais os quatro melhores colocados na Divisão Especial, mas não está, desde já, afastado da briga pelo título da Primeira Divisão, como alguns, erradamente, interpretaram."[4] O Estadão argumenta, nessas reportagens publicadas no dia seguinte à eliminação, que tal regulamento já previa naquele instante que os times relegados ao Grupo B disputariam o título paulista de 1991 contra os classificados no Grupo A. Assim, não teria havido uma mudança radical no regulamento do Paulistão de 1991, feita posteriormente à desclassificação do São Paulo, a chamada "virada de mesa".

O regulamento de 1990 causa, entretanto, até hoje polêmica e discussões sobre o suposto rebaixamento do São Paulo para a segunda divisão do Campeonato Paulista. Em 2009, o guia oficial do Campeonato Paulista daquele ano, distribuído pela própria FPF, informou que o São Paulo não havia se classificado "nem na repescagem" e que havido sido "rebaixado para a segunda divisão" na disputa de 1990, ignorando, portanto, o regulamento do campeonato que explicitamente afirmava que não haveria rebaixamento em 1990.[5] Dias depois, após protestos da diretoria do São Paulo, a FPF voltou atrás, renegando o próprio guia. A entidade culpou o historiador Rodolfo Kussarev pelas informações. Kussarev, por sua vez, assumiu a responsabilidade pelas informações e alegou ter usado como base o livro A História do Campeonato Paulista, dos jornalistas André Fontenelle e Valmir Storti, lançado pela Publifolha em 1997.[6]

Após este conflito de ideias e de acusações de lado a lado, Fontenelle, que trabalhou na Folha na década de 1990 e foi chefe do jornalista Paulo Vinícius Coelho na revista Placar, elaborou artigo na versão online da revista Época, afirmando que houve a queda da equipe do Morumbi para a Série B do Paulistão, porém sem demonstrá-la com base nos regulamentos oficiais, tratando-se, portanto, de mera opinião pessoal do jornalista.[7] "O clube do Morumbi caiu, sim", disse o jornalista da Época. "Houve a virada de mesa e, embora o São Paulo tenha disputado o equivalente à segunda divisão em 1991, classificou-se para as finais, eliminando o Palmeiras, que vinha do grupo mais forte", destaca o jornalista, já se referindo também ao Campeonato Paulista de 1991.

Em outro texto veiculado em 2009 no site Lancenet, do jornal esportivo Lance!, o jornalista Mauro Beting também abordou o assunto polêmico, avaliando que uma "brilhante sacada regulamentar" impediu o rebaixamento do São Paulo à segunda divisão do estadual. "No frigir das bolas: o São Paulo começou o SP-91 na divisão inferior — mas não foi tecnicamente rebaixado. A mesa não foi virada para beneficiar o São Paulo — apenas foi um truque discutível da FPF, ainda em 1990, e sem saber que um grande passaria pelo vexame tricolor, para rebaixar sem ações na Justiça dez clubes do SP-90 para o SP-91", escreveu o jornalista.[8]

Primeira e segunda fasesEditar

Primeira Fase
Grupo I
Time PG J V E D GP GC SG %
1 Corinthians 33 23 11 11 1 21 7 14 72
2 Palmeiras 31 23 13 5 5 31 12 19 67
3 Bragantino 28 23 11 6 6 26 14 12 61
4 Santos 25 23 7 11 5 18 15 3 54
5 Mogi Mirim 25 23 6 13 4 23 20 3 54
6 Portuguesa 25 23 5 15 3 24 20 4 54
7 Novorizontino 25 23 8 9 6 26 19 7 54
8 São Paulo 23 23 8 7 8 22 17 5 50
9 União São João 23 23 7 9 7 22 17 5 50
10 Guarani 23 23 6 11 6 18 15 3 50
11 São José 22 23 5 12 6 20 26 -6 48
12 Inter de Limeira 19 23 5 9 9 19 27 -8 41
Grupo II
Time PG J V E D GP GC SG %
1 XV de Piracicaba 27 23 9 9 5 21 15 6 59
2 XV de Jaú 26 23 11 4 8 29 25 4 57
3 Ferroviária 25 23 9 7 7 26 21 5 54
4 Ituano 25 23 9 7 7 18 17 1 54
5 América 25 23 9 7 7 17 24 -7 54
6 Botafogo 23 23 6 11 6 21 21 0 50
7 Ponte Preta 23 23 7 9 7 23 22 1 50
8 São Bento 18 23 6 6 11 24 27 -3 39
9 Noroeste 17 23 5 7 11 18 29 -11 37
10 Juventus 15 23 4 7 12 18 36 -18 33
11 Santo André 13 23 4 5 14 15 33 -18 28
12 Catanduvense 13 23 4 5 14 12 33 -21 28
PG - pontos ganhos; J - jogos; V - vitórias; E - empates; D - derrotas; GP - gols pró; GC - gols contra; SG - saldo de gols; % - aproveitamento dos pontos
Classificação direta à terceira fase e à Copa do Brasil de 1991.
Classificação direta à terceira fase.
Disputarão a repescagem.

RepescagemEditar

Classificação à segunda fase.
Eliminados.

Terceira faseEditar

Classificação à fase final.
Eliminados.

FinaisEditar

Primeiro jogoEditar

22 de agosto de 1990 Novorizontino 1 — 1 Bragantino Estádio Jorge Ismael de Biasi, Novo Horizonte

Édson   41' (1ºT) Gil Baiano   23' (2ºT) Público: 15.000
Renda: Cr$ 8.400.000
Árbitro: Edmundo Lima Filho

Novorizontino: Maurício, Odair, Fernando, Válter e Jerônimo; Luís Carlos Goiano, Tiãozinho (Marcão) e Édson; Paulo Sérgio, Barbosa e Róbson (Edmílson). Técnico: Nelsinho Baptista.

Bragantino: Marcelo, Gil Baiano, Júnior, Carlos Augusto e Biro-Biro; Ivair, Mauro Silva (Franklin), Robert e Tiba; Mário (Sílvio) e João Santos. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

Segundo jogoEditar

26 de agosto de 1990 Bragantino 1 — 1 (pro) Novorizontino Estádio Marcelo Stéfani, Bragança Paulista

Tiba   26' (2ºT) Fernando   21' (2ºT) Público: 15.000
Renda: Cr$ 8.505.000
Árbitro: José Aparecido de Oliveira

Bragantino: Marcelo, Gil Baiano, Júnior, Carlos Augusto e Biro-Biro; Mauro Silva (Franklin), Ivair, Mazinho (Robert) e Tiba; Mário e João Santos. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

Novorizontino: Maurício, Odair (Edmílson), Fernando, Márcio Santos e Luís Carlos Goiano; Marcão, Tiãozinho e Édson; Barbosa, Roberto Cearense (Flávio) e Róbson. Técnico: Nelsinho Baptista.

Campeão Paulista de 1990
 
Bragantino
Campeão
(1º título)

Classificação finalEditar

Classificação final
Clube Pts J V E D GP GC SG %
1 Bragantino 48 37 18 12 7 43 22 21 65
2 Novorizontino 43 37 13 17 7 40 28 12 58
3 Corinthians 50 35 16 18 1 34 13 21 71
4 XV de Piracicaba 37 35 11 15 9 34 32 2 53
5 Guarani 52 45 16 20 9 46 28 18 58
6 Botafogo 49 45 15 19 11 45 37 8 54
7 Palmeiras 46 35 18 10 7 42 17 25 66
8 Santos 40 35 12 16 7 29 25 4 57
9 Portuguesa 37 35 8 21 6 40 33 7 53
10 América 36 35 11 14 10 26 34 -8 51
11 Ituano 35 35 12 11 12 34 33 1 50
12 Mogi Mirim 34 35 7 20 8 28 30 -2 49
13 Ferroviária 30 35 10 10 15 30 38 -8 43
14 XV de Jaú 29 35 11 7 17 37 46 -9 41
15 São Paulo 36 33 13 10 10 41 26 15 55
16 União São João 35 33 11 13 9 34 26 8 53
17 Ponte Preta 33 33 11 11 11 33 34 -1 50
18 São José 31 33 7 17 9 27 34 -7 47
19 São Bento 29 33 10 9 14 36 40 -4 44
20 Inter de Limeira 29 33 8 13 12 28 36 -8 44
21 Juventus 25 33 7 11 15 27 47 -20 38
22 Santo André 23 33 8 7 18 22 40 -18 35
23 Noroeste 20 33 5 10 18 22 48 -26 30
24 Catanduvense 17 33 5 7 21 15 46 -31 26
Pts — Pontos ganhos; J — Jogos; V - Vitórias; E - Empates; D - Derrotas; GP — Gols pró; GC — Gols contra; SG — Saldo de gols; % - Aproveitamento de pontos;
Campeão paulista.
Vice-campeão paulista.
Eliminados na segunda fase e classificação à Copa do Brasil de 1991.
Eliminados na segunda fase.
Eliminados na repescagem.

Referências

  1. ESPN BRASIL, PVC comenta, durante o programa Loucos por Futebol da ESPN Brasil, o Campeonato Paulista de 1990
  2. "São Paulo vai disputar a Segunda Divisão em 91", Folha de S.Paulo, 21 de junho de 1990
  3. "São Paulo goleia mas Botafogo ganha a vaga", O Estado de S. Paulo, 21/6/1990, Esportes, pág. 13
  4. "S. Paulo cai no grupo B", O Estado de S. Paulo, 22/6/1990, Esportes, pág. 12
  5. "FPF rebaixa o clube e 'suja' título de 91", Folha de S.Paulo (requer assinatura), 21/01/2009
  6. " FPF renega guia que rebaixou o São Paulo no Campeonato Paulista", Folha Online, 22/01/2009
  7. "O dia em que o São Paulo foi rebaixado", Época, 22/01/2009
  8. "Como o São Paulo não foi rebaixado no SP-90 e como a FPF rebaixou 32 clubes no SP-94", Lancenet, 25/01/2009