Abrir menu principal

Wikipédia β

Copa do Mundo FIFA de 1962

(Redirecionado de Copa do Mundo de 1962)

A Copa do Mundo FIFA de 1962 foi a sétima edição da Copa do Mundo FIFA de Futebol, que ocorreu de 30 de maio até 17 de junho. O evento foi sediado no Chile, tendo partidas realizadas nas cidades de Arica, Rancagua, Viña del Mar e Santiago (Ñuñoa). Dezesseis seleções nacionais foram qualificadas para participar desta edição do campeonato, sendo 10 delas europeias (União Soviética, Iugoslávia, Alemanha Ocidental, Itália, Suíça, Tchecoslováquia, Espanha, Hungria, Inglaterra e Bulgária) e 6 americanas (Chile, Brasil, Uruguai, Argentina, Colômbia e México).

Copa do Mundo FIFA de 1962
Campeonato Mundial de Fútbol - Chile 1962

Cartaz promocional da Copa do Mundo FIFA de 1962 no Chile.
Dados
Participantes 16
Organização FIFA
Anfitrião  Chile
Período 30 de maio17 de junho
Gol(o)s 89
Partidas 32
Média 2,78 gol(o)s por partida
Campeão Brasil Brasil (2º título)
Vice-campeão Flag of the Czech Republic.svg Tchecoslováquia
3º colocado Flag of Chile.svg Chile
4º colocado Flag of SFR Yugoslavia.svg Iugoslávia
Melhor marcador 4 gols:
Melhor ataque (fase inicial) 8 gols:
Melhor defesa (fase inicial) 1 gol:
Maior goleada
(diferença)
Hungria Flag of Hungary.svg 6 – 1 Flag of Bulgaria (1946-1948).svg Bulgária
Estádio El TenienteRancagua
3 de junho, Grupo 4, 2ª rodada
Público 776 000
Média 24 250 pessoas por partida
Premiações
Melhor jogador
BrasilBRA Garrincha
Melhor jogador jovem HungriaHUN Flórián Albert
◄◄ Suécia 1958 Soccerball.svg 1966 Inglaterra ►►
Participantes da Copa do Mundo de 1962.

As seleções da Bulgária e da Colômbia faziam sua primeira participação na competição. A edição teve duas grandes goleadas: Iugoslávia 5 x 0 Colômbia e Hungria 6 x 1 Bulgária, além do empate com o maior número de gols em Copas: União Soviética 4 x 4 Colômbia. A copa contou com grandes jogadores, como Djalma Santos, Vavá, Amarildo e Garrincha do Brasil, Viliam Schrojf e Josef Masopust da Tchecoslováquia e Karl-Heinz Schnellinger e Uwe Seeler da Alemanha Ocidental.

A grande campeã desta copa foi a Seleção Brasileira de Futebol que, como campeã da Copa anterior de 1958, não havia participado das eliminatórias pois já tinha vaga garantida. A seleção contou com muitos jogadores da Copa da Suécia, como Gilmar, Djalma Santos, Nílton Santos, Didi, Zagallo, Vavá, Pepe, Zito, Bellini, Garrincha e Pelé. Na primeira partida do Brasil, o jogador Pelé, que neste ano viria a ser campeão mundial pelo Santos FC, marcou seu primeiro gol, mas se contundiu, não podendo continuar no campeonato; a partir deste ocorrido, muitos dizem que esta foi a "Copa de Garrincha", considerado pela maioria como o melhor jogador da Copa e o principal responsável pela conquista brasileira[1].

A final da Copa do Mundo FIFA de 1962 foi disputada pela Tchecoslováquia, que havia eliminado a Iugoslávia e a Hungria; e o Brasil, que havia eliminado o Chile e a Inglaterra. A partida foi realizada em 17 de junho às 14h30min, Estádio Nacional do Chile, com um público estimado em 68 679 pessoas. Sob o apito do árbitro soviético Nikolay Latyshev, Josef Masopust abriu o placar aos 15 minutos, porém, 2 minutos depois, Amarildo empata o jogo, que termina o primeiro tempo no 1 a 1. Aos 24 minutos do segundo tempo, Zito vira o jogo para a equipe brasileira e Vavá, 9 minutos depois, amplia a diferença, fechando o placar em 3 x 1. O capitão Mauro Ramos de Oliveira ergueu a taça Jules Rimet e o segundo título do Brasil em Copas do Mundo.

Índice

AntecedentesEditar

Vários países se candidataram a sede da Copa de 1962: os europeus eram os favoritos, mas a FIFA tinha decidido que depois de duas copas seguidas no continente europeu (Suíça em 1954 e Suécia em 1958), era a vez da América Latina. Sendo assim, só sobravam as candidaturas argentina e chilena.

A Argentina vinha pleiteando o direito de sediar uma Copa desde 1930. Já o Chile só apresentara sua candidatura em 1952, e era considerado um país sem condições necessárias para realizar um evento daquele porte.

Porém, em Junho de 1956, na Inglaterra, onde os 56 países membros votavam, o Chile acabou ganhando o páreo, com 32 votos. A Argentina só obtivera 10, e 14 países se abstiveram da votação.

Com o direito de sediar a Copa ganho os chilenos começaram a montar a infraestrutura necessária para a competição, liderados pelo brasileiro naturalizado chileno Carlos Dittborn, presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol. O Estádio Nacional teve sua capacidade de 45 mil espectadores aumentada para 70 mil, e um novo estádio foi construído em Viña del Mar, o Sausalito.

Em Maio de 1960, quando os preparativos iam de vento em popa, o país foi pego de surpresa pelo sismo de Valdivia de 1960, terremoto que registrou 9,5 pontos na escala Richter, o maior registrado na história mundial recente.[2] O tremor tinha deixado cinco mil mortos e 25% da população desabrigada, além de lançar dúvidas sobre a capacidade do Chile de sediar a Copa depois da tragédia.

Em face desses problemas, Dittborn pronunciou a frase que acabaria se tornando o slogan não oficial da competição: "Porque nada tenenos, lo haremos todo" (porque nada temos, faremos tudo). A FIFA lhe deu um voto de confiança e as obras foram terminadas em tempo recorde.

Dittborn, porém, não viveu para ver o resultado de seus esforços. Ele sofreria um ataque cardíaco em 28 de abril de 1962, um mês antes da Copa. O estádio de Arica foi batizado em sua homenagem.

EliminatóriasEditar

Primeira FaseEditar

 
Carta ilustrativos com os times participantes

No Grupo 1, a surpresa foi a eliminação prematura do Uruguai. O grande jogo foi um empate entre URSS e Colômbia em 4 a 4. Nessa partida, houve o primeiro (e até hoje único) gol olímpico da história das Copas marcado pelo colombiano Marcos Coll. A segunda vaga ficou com a forte Iugoslávia. No confronto entre os países comunistas nessa fase, ocorreu uma das entradas mais violentas da historia das Copas, feita pelo ponteiro iugoslavo Muhamed Mujić no lateral soviético Eduard Dubynskyi. Essa fratura foi tão violenta que o lateral soviético acabou sendo praticamente inutilizado para o futebol.

No Grupo 2, os chilenos fizeram a festa ao ganharem da Suíça por 3 a 1 e da Itália por 2 a 0. Neste jogo valeu tudo, houve vários socos e pontapés dos dois lados e os italianos sofreram com a catimba sul-americana e também com a péssima arbitragem do britânico Ken Aston onde somente foram expulsos dois jogadores italianos. A Alemanha Ocidental que venceu o Chile por 2 a 0 ficou em primeiro e o Chile em segundo. A Azzurra estava fora.

No Grupo 3 na estreia o Brasil bateu o México por 2 a 0 com um gol antológico de Pelé em que driblou toda a defesa mexicana antes de tocar na saída de Carbajal. No segundo jogo, contra a Tchecoslováquia, Pelé sofreu contusão e não voltaria a atuar nesta Copa. Amarildo teve a dificílima missão de substituir o rei e foi bem sucedido. O Brasil empatou com a Tchecoslováquia em 0 a 0, derrotou a Espanha em jogo dramático e de virada, 2 a 1. Por muito pouco, a equipe de Aymoré Moreira não foi eliminada na primeira fase. A Tchecoslováquia, mesmo perdendo para o México por 3 a 2, ficou com a outra vaga.

No Grupo 4 brilhou a Hungria que aplicou uma goleada de 6 a 1 na Bulgária. A Argentina, mesmo jogando perto de sua torcida caiu nesta fase com o empate em 0 a 0 contra a Hungria em uma grande atuação de Grosics, último remanescente do esquadrão húngaro de 1954. A outra vaga foi da Inglaterra, que apesar da derrota para a Hungria por 2 a 1, ganhou da Argentina por 3 a 1 e garantiu a vaga com o empate de 0 a 0 contra a Bulgária.

Segunda FaseEditar

Um fato aconteceu na semifinal entre Brasil e Chile: o jogador brasileiro Garrincha fez uma falta grave no chileno Eladio Rojas. O árbitro foi avisado do fato e certamente expulsou Garrincha de campo; então por que ele pôde participar da final contra a Tchecoslováquia? Caberia à FIFA decidir a sorte dele e as perspectivas não eram boas. A pena por agressão era de, no mínimo, um jogo de suspensão. Convocado a depor no tribunal da FIFA, o árbitro Arturo Yamasaki declarou não ter visto a agressão e que a expulsão do jogador deveu-se a informações passadas pelo bandeirinha, o uruguaio Esteban Marino. A FIFA, então, convocou Marino para depor e ele, misteriosamente, nunca apareceu. A versão oficial é que ele já teria retornado ao Uruguai, porém não foi visto por lá também. Comentou-se então nos bastidores que ele teria recebido uma bela soma em dinheiro (falou-se em US$ 15 mil, boa quantia para a época) para desaparecer do mapa. Seja como for, o certo é que, sem o depoimento de Marino, a agressão não ficou comprovada (fotos e filmes não eram aceitos como prova naquele tempo) e Garrincha foi liberado para jogar a grande final após receber apenas uma advertência. E, coincidência ou não, Esteban Marino foi contratado pela Federação Paulista de Futebol para atuar no Brasil alguns meses depois da Copa.

Cachorro no gramadoEditar

Nas quartas de final entre Brasil e Inglaterra, um cachorro entrou o gramado sem que ninguém percebesse.

O goleiro inglês tentou retirar o animal, mas ele foi para o meio de campo. O craque brasileiro Garrincha também tentou, mas o cachorro deu uma "jogada de corpo" em Mané. Finalmente, Jimmy Greaves retirou o cachorro.

Quartas de final em dianteEditar

Pode-se dizer que o Brasil só decolou a partir das Quartas quando Mané chamou para si a responsabilidade e dizimou o English Team: 3 a 1. No dia seguinte, os jornais chilenos estampavam: "?Garrincha, de que planeta vienes?".[3][4]

Uma surpresa foi a vitória da irregular Tchecoslováquia contra a forte Hungria por 1 a 0. Os chilenos iam ao delírio ao despacharem a URSS por 2 a 1 e chegarem às semifinais. A Iugoslávia venceu a Alemanha Ocidental por 1 a 0, num dos vários duelos com os tedescos válidos pelas Quartas de uma Copa do Mundo.

Nas semifinais o Brasil venceu o Chile, dono da casa por 4 a 2 no Estádio Nacional lotado. Os chilenos, com o lema "como nada temos queremos tudo", surpreenderam e ficaram com um honroso terceiro lugar ao derrotar a Iugoslávia. A Tchecoslováquia, que cresceu durante a competição, venceu a Iugoslávia por 3 a 1.

Brasil e Tchecoslováquia novamente se encontrariam na final. Masopust abriu o placar. O Brasil empatou com Amarildo. Zito virou e Vavá marcou o terceiro. Com o placar em 3 a 1 o Brasil se sagraria bicampeão mundial de futebol.

Naturalizações e dopingEditar

Três dias antes da Copa, a FIFA se reuniu em Santiago e decidiu as regras para a naturalização de jogadores. As medidas visavam acabar com a troca de países por parte de jogadores. Exemplos clássicos incluíam Di Stéfano e Puskás, ídolos respectivamente da Argentina e da Hungria, que nessa Copa iriam jogar pela Espanha. Ainda havia o caso de Mazola, que jogou a Copa de 1958 pelo Brasil e em 1962 atuou pela Itália. E também houve o caso de Santamaría que jogou a Copa de 1954 pelo Uruguai e que em 1962 jogou pela Espanha.

As regras determinavam que a partir da prova seguinte (1966) um jogador só poderia jogar por uma seleção se nunca tivesse participado pela seleção de outro país em partidas oficiais.

Outra polêmica da Copa seria em relação ao doping. O assunto tinha sido levantado pelo Congresso Médico de Santiago. Di Stéfano teria dito então que não via nenhum problema em um jogador tomar pílulas estimulantes. A declaração provocou revolta no Chile, que pediu providências à FIFA. O problema, porém, era como combater tal ação. Apesar do exame de urina já existir, não havia uma lista oficial de substâncias proibidas. O único país na época que tinha uma legislação antidoping era a Itália. Portanto, é provável imaginar que muitos jogadores tenham usado diversas substâncias na Copa para aumentar seu desempenho.

SedesEditar

Arica Rancagua
Estádio Carlos Dittborn Estádio El Teniente
Capacidade: 10.000 Capacidade: 14.500
   
Santiago Viña del Mar
Estádio Nacional de Chile Estádio Sausalito
Capacidade: 55.100 Capacidade: 25.000
   

Sedes de treinamentoEditar

Equipe Local Cidade Equipe Local Cidade
  Argentina Hostería El Sauzal Rancagua   Itália Escuela de Aviación Cap. Ávalos Santiago
  Brasil Villa Retiro Quilpué   México Hotel O'Higgins Viña del Mar
  Bulgária Parque Municipal Machalí   Espanha Hotel Miramar Caleta Abarca Viña del Mar
  Chile Villa del Seleccionado Santiago   Suíça Club Suizo Santiago
  Colômbia Hotel El Morro Arica   Uruguai Hotel Azapa Arica
  Tchecoslováquia Posada Quebrada Verde Valparaíso   União Soviética Hostería Arica Arica
  Inglaterra Staff House Braden Copper Co. Coya   Alemanha Ocidental Escuela Militar Bernardo O'Higgins Santiago
  Hungria Hotel Turismo Rengo   Iugoslávia Hotel El Paso Arica

ConvocaçõesEditar

ÁrbitrosEditar

Os jogos da Copa foram dirigidos pelos seguintes dezoito árbitros:

Brasil Brasil na CopaEditar

 Ver artigo principal: Brasil na Copa do Mundo de 1962

A edição de 1962 marcou a sétima participação brasileira em sete Copas. A seleção não participou das eliminatórias por ter sido a última campeã, o que lhe assegurava uma vaga.

Flag of Portugal.svg Portugal na CopaEditar

Nas eliminatórias, Portugal foi emparelhado com Luxemburgo e a Inglaterra. A campanha começou em Lisboa a 19 de Março de 1961. Com gols de José Águas, Yaúca (3), Coluna e um auto-gol de Brosius, Portugal venceu folgadamente 6-0. A 21 de Maio, também em Lisboa, Portugal e Inglaterra empataram 1-1 (José Águas e Flowers). Mas o pior estaria para vir, a 8 de Outubro, Portugal perdeu escandalosamente em Luxemburgo por 4-2, com três gols de Schmidt 3 e um de Hoffmann; Yaúca e Eusébio marcaram por Portugal. Em Londres, a 25 de Outubro, Portugal voltou a perder 2-0 (Connely e Pointer).

SorteioEditar

O sorteio foi realizado no Carrera Hotel em Santiago no dia 18 de Janeiro de 1962.

Existe tanto uma fonte da FIFA que diz que os cabeças de chave foram Brasil, Inglaterra, Itália e Uruguai, quanto uma fonte que diz que foram Argentina, Brasil, Chile e Uruguai.

Fase inicialEditar

Grupo 1Editar

Time Pts J V E D GF GS SG
  União Soviética 5 3 2 1 0 8 5 3
  Iugoslávia 4 3 2 0 1 8 3 5
  Uruguai 2 3 1 0 2 4 6 -2
  Colômbia 1 3 0 1 2 5 11 -6
30 de maio de 1962
15:00
  Uruguai 2 – 1   Colômbia Arica, Estadio Carlos Dittborn
Árbitro: Dorogi (Hungria)
Público: 7908

Sacía   56'
Cubilla   75'
Relatório Zuluaga   19' (pen)

31 de maio de 1962
15:00
  União Soviética 2 – 0   Iugoslávia Arica, Estadio Carlos Dittborn
Árbitro: Dusch (Alemanha Ocidental)
Público: 15000

Ivanov   51'
Ponedelnik   83'
Relatório

2 de junho de 1962
15:00
  Iugoslávia 3 – 1   Uruguai Arica, Estadio Carlos Dittborn
Árbitro: Galba (Tchecoslováquia)
Público: 8829

Skoblar   25' (pen)
Galić   29'
Jerković   49'
Relatório Cabrera   19'

3 de junho de 1962
15:00
  União Soviética 4 – 4   Colômbia Arica, Estadio Carlos Dittborn
Árbitro: Etzel Filho (Brasil)
Público: 8040

Ivanov   8',   11'
Chislenko   10'
Ponedelnik   56'
Relatório Aceros   21'
Coll   68' gol olímpico
Rada   72'
Kilinger   86'

6 de junho de 1962
15:00
  União Soviética 2 – 1   Uruguai Arica, Estadio Carlos Dittborn
Árbitro: Jonny (Italia)
Público: 9973

Mamykin   38'
Ivanov   89'
Relatório Sacía   54'

7 de junho de 1962
15:00
  Iugoslávia 5 – 0   Colômbia Arica, Estadio Carlos Dittborn
Árbitro: Robles (Chile)
Público: 7167

Galić   20',   61'
Jerković   25',   87'
Melić   82'
Relatório

Grupo 2Editar

Time Pts J V E D GF GS SG
  Alemanha Ocidental 5 3 2 1 0 4 1 3
  Chile 4 3 2 0 1 5 3 2
  Itália 3 3 1 1 1 3 2 1
  Suíça 0 3 0 0 3 2 8 -6
30 de maio de 1962
15:00
  Chile 3 – 1   Suíça Santiago - (Ñuñoa), Estádio Nacional de Chile
Árbitro: Aston (Inglaterra)
Público: 65000

Sánchez   44',   51'
Ramírez   55'
Relatório Wüthrich   6'

31 de maio de 1962
15:00
  Alemanha Ocidental 0 – 0   Itália Santiago - (Ñuñoa), Estádio Nacional de Chile
Árbitro: Davidson (Escócia)
Público: 65440

Relatório

2 de junho de 1962
15:00
  Chile 2 – 0   Itália Santiago - (Ñuñoa), Estádio Nacional de Chile
Árbitro: Aston (Inglaterra)
Público: 66057

Ramírez   73'
Toro   87'
Relatório

3 de junho de 1962
15:00
  Alemanha Ocidental 2 – 1   Suíça Santiago - (Ñuñoa), Estádio Nacional de Chile
Árbitro: Horn (Países Baixos)
Público: 64922

Brülls   45'
Seeler   59'
Relatório Schneiter   73'

6 de junho de 1962
15:00
  Alemanha Ocidental 2 – 0   Chile Santiago - (Ñuñoa), Estádio Nacional de Chile
Árbitro: Davidson (Escócia)
Público: 67224

Szymaniak   21' (pen)
Seeler   82'
Relatório

7 de junho de 1962
15:00
  Itália 3 – 0   Suíça Santiago - (Ñuñoa), Estádio Nacional de Chile
Árbitro: Davidson (Escócia)
Público: 59828

Mora   1'
Bulgarelli   65',   67'
Relatório

Grupo 3Editar

Time Pts J V E D GF GS SG
  Brasil 5 3 2 1 0 4 1 3
  Tchecoslováquia 3 3 1 1 1 2 3 -1
  México 2 3 1 0 2 3 4 -1
  Espanha 2 3 1 0 2 2 3 -1
30 de maio de 1962
15:00
  Brasil 2 – 0   México Viña del Mar, Estádio Sausalito
Árbitro: Deinst (Suíça)
Público: 10484

Zagallo   56'
Pelé   73'
Relatório

31 de maio de 1962
15:00
  Tchecoslováquia 1 – 0   Espanha Viña del Mar, Estádio Sausalito
Árbitro: Steiner (Áustria)
Público: 12700

Štibrányi   80' Relatório

2 de junho de 1962
15:00
  Brasil 0 – 0   Tchecoslováquia Viña del Mar, Estádio Sausalito
Árbitro: Schwinte (França)
Público: 14903

Relatório

3 de junho de 1962
15:00
  Espanha 1 – 0   México Viña del Mar, Estádio Sausalito
Árbitro: Tesanić (Iugoslávia)
Público: 11875

Peiró   90' Relatório

6 de junho de 1962
15:00
  Brasil 2 – 1   Espanha Viña del Mar, Estádio Sausalito
Árbitro: Marino (Uruguai)
Público: 18715

Amarildo   72',   86' Relatório Rodríguez   35'

7 de junho de 1962
15:00
  México 3 – 1   Tchecoslováquia Viña del Mar, Estádio Sausalito
Árbitro: Dienst (Suíça)
Público: 10648

Díaz   12'
Del Águila   29'
Hernández   90' (pen)
Relatório Mašek   1'

Grupo 4Editar

Time Pts J V E D GF GS SG
  Hungria 5 3 2 1 0 8 2 6
  Inglaterra 3 3 1 1 1 4 3 1
  Argentina 3 3 1 1 1 2 3 -1
  Bulgária 1 3 0 1 2 1 7 -6
  • Desempate por saldo de gols
30 de maio de 1962
15:00
  Argentina 1 – 0   Bulgária Rancagua, Estadio El Teniente
Árbitro: Gardeazábal (Espanha)
Público: 7134

Facundo   4' Relatório

31 de maio de 1962
15:00
  Hungria 2 – 1   Inglaterra Rancagua, Estadio El Teniente
Árbitro: Horn (Países Baixos)
Público: 7938

Tichy   17'
Albert   61'
Relatório Flowers   60' (pen)

2 de junho de 1962
15:00
  Inglaterra 3 – 1   Argentina Rancagua, Estadio El Teniente
Árbitro: Reginato (Chile)
Público: 9794

Flowers   17' (pen)
Charlton   42'
Greaves   67'
Relatório Sanfilippo   81'

3 de junho de 1962
15:00
  Hungria 6 – 1   Bulgária Rancagua, Estadio El Teniente
Árbitro: Gardeazábal (Espanha)
Público: 7442

Albert   1',   6',   53'
Tichy   8',   70'
Solymosi   12'
Relatório Sokolov   64'

6 de junho de 1962
15:00
  Hungria 0 – 0   Argentina Rancagua, Estadio El Teniente
Árbitro: Yamasaki (Peru)
Público: 7945

Relatório

7 de junho de 1962
15:00
  Inglaterra 0 – 0   Bulgária Rancagua, Estadio El Teniente
Árbitro: Blavier (Bélgica)
Público: 5700

Relatório

Fases FinaisEditar

Quartas de final Semifinais Final
                   
10 de Junho - Arica        
   União Soviética  1
13 de Junho – Santiago - (Ñuñoa)
   Chile  2  
   Chile  2
10 de Junho - Viña del Mar
     Brasil  4  
   Brasil  3
17 de Junho – Santiago - (Ñuñoa)
   Inglaterra  1  
   Brasil  3
10 de Junho - Santiago - (Ñuñoa)
     Tchecoslováquia  1
   Alemanha Ocidental  0
13 de Junho - Viña del Mar
   Iugoslávia  1  
   Iugoslávia  1 Terceiro Lugar
10 de Junho – Rancagua
     Tchecoslováquia  3  
   Hungria  0    Chile  1
   Tchecoslováquia  1      Iugoslávia  0
16 de Junho - Santiago - (Ñuñoa)

Quartas de FinaisEditar

10 de junho de 1962
14:30
  Chile 2 – 1   União Soviética Arica, Estadio Carlos Dittborn
Árbitro: Horn (Países Baixos)
Público: 17268

Sánchez 11'
Rojas 29'
Relatório Chislenko 26'

10 de junho de 1962
14:30
  Tchecoslováquia 1 – 0   Hungria Rancagua, Estadio El Teniente
Árbitro: Buergo Elcuaz (México)
Público: 11690

Scherer 13' Relatório

10 de junho de 1962
14:30
  Brasil 3 – 1   Inglaterra Viña del Mar, Estádio Sausalito
Árbitro: Schwinte (França)
Público: 17736

Garrincha 31', 59'
Vavá 53'
Relatório Hitchens 38'

10 de junho de, 1962
14:30
  Iugoslávia 1 – 0   Alemanha Ocidental Santiago - (Ñuñoa), Estádio Nacional de Chile
Árbitro: Yamasaki (Peru)
Público: 63324

Radaković 85' Relatório

Semi FinaisEditar

13 de junho de 1962
14:30
  Tchecoslováquia 3 – 1   Iugoslávia Viña del Mar, Estádio Sausalito
Árbitro: Dienst (Suíça)
Público: 5890

Kadraba 48'
Scherer 80', 84' (pen)
Relatório Jerković 69'

13 de junho de 1962
14:30
  Brasil 4 – 2   Chile Santiago - (Ñuñoa), Estádio Nacional de Chile
Árbitro: Yamasaki (Peru)
Público: 76500

Garrincha 9', 32'
Vavá 47', 78'
Relatório Toro 42'
Sánchez 61'(pen)

Disputa pelo 3º lugarEditar

16 de junho de 1962
14:30
  Chile 1 – 0   Iugoslávia Santiago - (Ñuñoa), Estádio Nacional de Chile
Árbitro: Gardeazabal (Espanha)
Público: 67000

Rojas 90' Relatório

FinalEditar

 Ver artigo principal: Final da Copa do Mundo FIFA de 1962
17 de junho de 1962 Brasil   3 – 1   Tchecoslováquia Estádio Nacional de Chile ,Santiago
14:30
Amarildo   17'
Zito   69'
Vavá   78'
Relatório Masopust   15' Público: 68 679
Árbitro: Latychev (União Soviética)
     
 
 
Brasil
     
 
 
Tchecoslováquia

PremiaçõesEditar

Copa do Mundo FIFA de 1962
 
Brasil
Campeã
(2º título)

IndividuaisEditar

Bola de ouro Bola de prata Bola de bronze Melhor Goleiro
  Garrincha   Josef Masopust   Leonel Sánchez   Viliam Schrojf

All-Star TeamEditar

Goleiro Defesa Meio campo Ataque

  Viliam Schrojf

  Djalma Santos

  Cesare Maldini

  Valeriy Voronin

  Karl-Heinz Schnellinger


  Zagallo

  Zito

  Josef Masopust


  Vavá

  Garrincha

  Leonel Sánchez


EstatísticasEditar

ArtilhariaEditar

5 gols (1)


4 gols (6)


3 gols (4)


2 gols (9)


1 gol (35)


Maiores públicosEditar

Público Mandante Placar Visitante Estádio Cidade Data Rodada Ref.
1 76 594 Brasil   4–2   Chile Nacional Santiago 13 de junho Semifinal [5]
2 68 679 Brasil   3–1   Tchecoslováquia Nacional Santiago 17 de junho Final [6]
3 67 224 Alemanha   2–0   Chile Nacional Santiago 6 de junho Grupo 2 [7]
4 66 679 Chile   1–0   Iugoslávia Nacional Santiago 16 de junho Disputa do 3° lugar [8]
5 66 057 Chile   2–0   Itália Nacional Santiago 2 de junho Grupo 2 [9]
6 65 440 Alemanha   0–0   Itália Nacional Santiago 31 de maio Grupo 2 [10]
7 65 000 Chile   3–1   Suíça Nacional Santiago 30 de maio Grupo 2 [11]

CuriosidadesEditar

Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • O segundo gol mais rápido das Copas foi marcado aos quinze segundos pelo checo Václav Mašek, na partida Tchecoslováquia - México.
  • Essa foi a primeira Copa vista pelos brasileiros em videoteipe. As fitas chegavam de avião e eram exibidas nos dias seguintes aos jogos.
  • Esta foi uma das copas mais violentas, para se ter ideia, quatro dias depois da abertura, já havia 50 atletas contundidos, inclusive Pelé, que sofreu um estiramento no músculo adutor da perna direita na segunda partida do Brasil, contra a Tchecoslováquia, e privou a equipe favorita de sua maior estrela.[12]
  • Esta seria a última Copa do Mundo a não ser transmitida ao vivo para a Europa, pois ela se realizou pouco antes do lançamento do satélite Telstar e o início das transmissões intercontinentais entre América e Europa. No Reino Unido, a BBC transmitia as partidas ao vivo via rádio e os cinemas exibiam as partidas com dois dias de atraso.
  • O zagueiro Mauro, capitão da Seleção brasileira, ganhou o apelido de Marta Rocha por jogar bonito e elegante.
  • Na tribuna de imprensa, depois da vitória inaugural, todos os jornalistas brasileiros eram obrigados a trabalhar com roupa daquele primeiro jogo. Quem mudasse uma peça qualquer era impedido pelos companheiros de entrar.
  • O jogo semifinal entre Brasil e Chile foi inicialmente marcado para acontecer no Estádio Sausalito em Viña del Mar, mas foi posteriormente marcado para o Estádio Nacional em Santiago, com vistas à maior renda de bilheteria que o estádio da capital podia oferecer por ter maior capacidade. Estavam certos: nesse jogo, o Estádio Nacional receberia o maior público de sua história. Cerca de 72.896 pessoas assistiram à vitória brasileira por 4-2.
  • Na manhã da semifinal contra o Chile, a comissão técnica brasileira saiu para comprar salame, mortadela, queijo e pão. Os jogadores almoçaram apenas sanduíches. Como o jogo era contra os donos da casa, a seleção estava com medo de que algo pudesse ser colocado na comida do hotel.
  • Outra dos brasileiros: inicialmente previsto para viajarem de ônibus de Viña del Mar até Santiago para jogarem a semifinal, a delegação brasileira decidiu viajar de trem, e mandaram o ônibus ir para os arredores de Santiago onde havia uma estação de trem para desembarque. A delegação brasileira aí mesmo, desceu do trem, e pegou o ônibus sem problemas até Santiago, evitando possíveis hostilidades da torcida chilena no caminho.
  • Paulo Machado de Carvalho, chefe da delegação, usou o mesmo terno marrom para viajar a Suécia, em 1958, e ao Chile.
  • Em Brasil - Inglaterra, o árbitro parou a partida duas vezes e saiu correndo atrás de cachorros que invadiram o campo. Quem solucionou o problema na primeira vez foi o inglês Jimmy Greaves depois do cachorro "driblar" o astro brasileiro Garrincha. Greaves ficou de quatro e foi se aproximando do bicho que o olhava espantado. O segundo, ninguém pegou. Depois de passear pelo gramado, ele passou por baixo do alambrado e sumiu.
  • Todos os ingressos foram impressos com os valores em dólares americanos
  • Os ingressos para a final estavam entre US$2,20 (seção Maipu) e US$5 (seção Andes Sur).
  • Após a seleção chilena vencer a Iugoslávia na disputa do terceiro lugar, chilenos após a partida gritavam a seguinte frase: "hoy Chile tercero, mañana Brasil en primero" contando com a vitória do Brasil honrando o continente contra a Tchecoslováquia

Referências

  1. «"1962: sem Pelé, Brasil conquista a 'Copa de Garrincha'", Terra Esportes, 18 de abril de 2010» 🔗 
  2. [1]
  3. «Jornal diz que Neymar é "de outro planeta" e lembra capa de Garrincha». Globo Esporte. Consultado em 14 de março de 2016 
  4. «opa do Chile 1962 - Frases». Uol. Consultado em 14 de março de 2016 
  5. «Relatório Brasil–Chile». FIFA.com 
  6. «Relatório Brasil–Checoslováquia». FIFA.com 
  7. «Relatório Alemanha–Chile». FIFA.com 
  8. «Relatório Chile–Iugoslávia». FIFA.com 
  9. «Relatório Chile–Italia». FIFA.com 
  10. «Relatório Alemanha–Itália» (PDF). FIFA.com. 25 de junho de 2014. Consultado em 25 de junho de 2014 
  11. «Relatório Chile–Suiça». FIFA.com 
  12. Especial Copa do Mundo: Chile 1962 - Um Mundial rude - Atualizada em 25/10/2011 às 00h11

Ligações externasEditar