Abrir menu principal
Uruguai
AUF.png
Alcunhas?  Celeste Olímpica
La Celeste
Los Charruas
Associação Asociación Uruguaya de Fútbol (AUF)
Confederação CONMEBOL (América do Sul)
Material desportivo?  Alemanha Puma
Treinador Uruguai Óscar Tabárez
Capitão Diego Godín
Mais participações Diego Godín (126)
Melhor artilheiro Luis Suárez (55)
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

A Seleção Uruguaia de Futebol representa o Uruguai nas competições de futebol da CONMEBOL e FIFA. É gerida pela Asociación Uruguaya de Fútbol, a AUF.

É conhecida como A Celeste desde seu primeiro triunfo em Montevidéu, em 15 de agosto de 1910 por 3 a 1, na primeira partida em que utilizou sua camiseta celeste, adotada como emblema nacional em reconhecimento ao triunfo que pouco antes havia conseguido o River uruguaio ante o poderoso Alum ni portenho por 2 a 1 com essas mesmas cores.

Foi a primeira seleção, junto à Argentina, a jogar uma partida internacional fora das Ilhas Britânicas, em 16 de maio de 1901 em Montevidéu.

Possui uma das mais gloriosas histórias do futebol mundial, tendo conquistado um total de 21 títulos oficiais, tendo vencido as primeiras competições oficiais de alcance mundial - os torneios olímpicos de futebol de 1924 e 1928 - que lhe deram o apelido de Celeste Olímpica - e a primeira Copa do Mundo, da qual foi o país-sede. Também venceu a edição de 1950, no Brasil, vencendo os donos da casa no episódio conhecido como Maracanazo. O Uruguai também é o recordista de títulos da Copa América, sendo a última em 2011 - foram 16 títulos, incluindo ai a primeira edição do torneio, realizada em 1916. É considerada uma das grandes equipes do futebol mundial, sendo uma das oito campeãs mundiais e destas uma das cinco que tem mais de um título, sendo bicampeã da Copa - entretanto, a Seleção Uruguaia é considerada tetracampeã mundial pois é contado pela FIFA os dois torneios olímpicos vencidos antes da Copa de 1930, ostentando quatro estrelas em seu escudo.[2]

Índice

HistóriaEditar

1900 a 1929: o início até a conquista das OlimpíadasEditar

 
Seleção Uruguaia de 1903 em um amistoso contra a Argentina.

Historicamente o futebol tem sido um elemento fundamental no que se refere à aproximação da nacionalidade uruguaia e à projeção internacional da imagem do Uruguai como país, no começo do século XX.

A Seleção Uruguaia brilhava nos gramados da América do Sul, a equipe conquistou sua primeira Copa América em 1916. Um ano depois conquistaria o bi-campeonato, dessa vez em casa. Em 1919 perdeu a final para o Brasil por 1 a 0, mas um ano depois conquistaria o tri, novamente em cima dos argentinos. Como a Copa América era disputada de ano em ano até 1929 o Uruguai já tinha sido hexa, vencendo inclusive as edições que sediou o torneio.

Já em nível internacional, o Uruguai começou a brilhar, ao alcançar as medalhas douradas nos Jogos Olímpicos de 1924 e 1928. A Seleção Uruguaia deslumbrou na Europa com suas apresentações olímpicas e conquistou a admiração e o respeito do universo esportivo, colocando o futebol sul-americano no mais alto plano de consideração numa época em que o dito continente era ainda ignorado no mapa internacional do futebol. Durante 76 anos o Uruguai foi o único país sul-americano a ocupar o máximo posto olímpico, honra atualmente compartilhada com a Argentina (bi-campeã em Atenas 2004 e Pequim 2008) e o Brasil (com o ouro na Rio 2016).

A FIFA entende a Seleção Uruguaia como tetracampeã mundial, reconhecendo os dois Jogos Olímpicos organizados pela entidade antes desta criar a Copa do Mundo e por isso o emblema uruguaio ostenta orgulhosamente as quatro estrelas.[2][3]

Copa do Mundo de 1930 - A primeira Copa, o primeiro títuloEditar

O Uruguai, como bicampeão olímpico, foi escolhido para celebrar o primeiro Mundial de Futebol em 1930. A celeste caiu no grupo 3, junto com Peru e Romênia. Venceu o 1º jogo contra o Peru por 1 a 0 com gol de Héctor Castro. Já na segunda partida aplicou uma goleada de 4 a 0 contra a Romênia, com gols de Dorado, Scarone, Peregrino Anselmo e Cea.

Nas semifinais enfrentou a Iugoslávia e aplicou uma goleada avassaladora de 6 a 1; com três gols de Cea, dois de Anselmo e um de Iriarte. Na final, enfrentou a Argentina. 93 mil pessoas viram a Celeste vencer os vizinhos por 4 a 2, com gols de Dorado, Cea, Iriarte e Castro tornando a Celeste a primeira campeã mundial de futebol.

Desse transcendental triunfo o escritor Juán Sasturain disse: "Os uruguaios levaram sempre consigo a glória e a desgraça de ter sido; os argentinos, por anos, a soberba maldição de crer-se o que nunca puderam demonstrar que foram".

Hepta e Octa da Copa América e o boicote às Copas de 1934 e 1938Editar

Quatro anos depois da euforia de ter ganho a primeira Copa do Mundo, o Uruguai recusou-se a participar da Copa de 1934 em represália ao boicote europeu na edição anterior. Já em 1935, na Copa América sediada no Peru o Uruguai novamente venceu e conquistou o hepta em cima dos vizinhos argentinos.

Na Copa do Mundo FIFA de 1938, Jules Rimet, o criador da competição, convenceu a FIFA a sediar a competição na França, sua terra natal. Por isso, muitos países americanos, incluindo Argentina (a sede provável se o evento fosse na América do Sul), Colômbia, Costa Rica, El Salvador, México, Guiana Holandesa, Uruguai e os Estados Unidos desistiram ou se recusaram a entrar.

Em 1942, a Copa América voltou a ser realizada no Uruguai. A celeste conquistou o octa-campeonato da Copa América após vencer a Argentina novamente. Até ali, já haviam acontecido 11 finais entre Uruguai e Argentina, sendo que o Uruguai conquistou oito dessas disputas.

Copa do Mundo de 1950 - Uruguai bicampeão do mundo e o "Maracanazo"Editar

 
O Uruguai posando antes da partida decisiva contra o Brasil em 1950. Em pé, da esquerda para a direita, estão Varela, o técnico López, Tejera, dois membros da delegação, Gambetta, Matías González, Máspoli, Rodríguez Andrade e outro membro da delegação; agachados, entre outros dois delegados, estão Ghiggia, Julio Pérez, Míguez, Schiaffino e Morán.

Alguns anos depois do fim da Segunda Guerra Mundial, a FIFA resolveu escolher o Brasil como sede da edição de 1950.

Apesar dos títulos da Copa América e do Mundial de 1930, o Uruguai já não exibia a mesma força do período anterior à guerra e chegou desacreditado à Copa de 1950.

A Celeste Olímpica iniciou no Grupo 4 junto com a Bolívia e aplicou uma das maiores goleadas em Copas do Mundo; 8 a 0 nos bolivianos. Destaque para Míguez, que marcou 3 vezes.

No quadrangular final com Brasil, Suécia e Espanha, a celeste iniciou empatando com a Espanha por 2 a 2; gols de Ghiggia e Obdulio Varela. Já na segunda partida contra a Suécia, venceu por 3 a 2 a Seleção da Suécia com 2 gols de Míguez e um de Ghiggia. A última partida era contra a badalada Seleção Brasileira, que havia vencido as suas duas partidas no quadrangular com goleadas de 7 a 1 na Suécia e 6 a 1 na Espanha. o Uruguai precisaria vencer o Brasil por qualquer placar e o Brasil precisava apenas de um empate.

Na partida, o Brasil iniciou vencendo com gol de Friaça, mas o Uruguai empatou com Schiaffino e virou com Ghiggia. O silêncio tomou conta do Maracanã às 16 horas e 50 minutos do dia 16 de julho. Desolados, os quase 200 mil torcedores demoraram mais de meia hora para deixar o estádio. O time brasileiro fez trinta lances a gol (dezessete no primeiro tempo e treze no segundo). Os jogadores cometeram quase o dobro de faltas, um total de 21, contra apenas onze do Uruguai.

Jules Rimet não conseguiu entregar a taça e decidiu se retirar. Mas logo depois voltou e Obdulio Varela recebeu a taça. Rimet disse: "Estou feliz pela vitória que vocês acabam de conquistar. Cheia de mérito, sobretudo por ter sido inesperada. Com minhas felicitações".

Copa do Mundo de 1954 - Uruguai semifinalistaEditar

Quatro anos depois de conquistar o Bi, a celeste voltou a disputar uma Copa do Mundo, desta vez na Suíça. Pegou o Grupo 3 da Áustria, Tchecoslováquia e Escócia. Venceu a Tchecoslováquia por 2 a 0 e a Escócia por 7 a 0. Nas quartas enfrentou a Inglaterra e goleou por 4 a 2 passando para a semifinais para enfrentar a Hungria e acabou sendo goleada pelo mesmo placar que havia feito no jogo com a Inglaterra, 4 a 2.

Mais três títulos da Copa AméricaEditar

Em 1956, a celeste voltou a conquistar um título e seria o 9º da Copa América, novamente em casa após vencer do Chile. Na Copa do Mundo FIFA de 1958, o Uruguai não se classificou. Já um ano depois em 1959 na Copa América do Equador, venceu novamente os Argentinos por 5 a 0 e levou o 10º título. Até o momento o Uruguai era o maior campeão do torneio.

Copa do Mundo de 1970 - Uruguai semifinalistaEditar

O Uruguai iniciou a competição no México no Grupo 2 junto com Itália, Suécia e Israel. Venceu Israel por 2 a 0 na primeira partida com gols de Maneiro e Mujica. Na segunda partida empatou por 0 a 0 com a Itália e na terceira perdeu para a Suécia por 1 a 0. Mesmo assim se classificou em 2º do grupo. Nas quartas enfrentou a antiga União Soviética e venceu por 1 a 0 com gol de Espárrago na prorrogação.

Nas semifinais enfrentaria o Brasil, considerado por muitos uma das melhores seleções que já existiu. O Brasil de Pelé, Rivelino e Jairzinho venceu o Uruguai por 3 a 1 de virada após o Uruguai iniciar vencendo com gol de Cubilla. Ainda na disputa do 3º lugar, já abalados a celeste perdeu para a Alemanha Ocidental por 1 a 0.

Três Copas Américas, Mundialito, Jogos Pan-americanos e um Uruguai adormecido em CopasEditar

Depois de 1970, o Uruguai ficou 10 anos sem ganhar a nenhum título, tabu que foi quebrado em 1980 após a celeste conquistar o Mundialito vencendo o Brasil na final por 2 a 1. O Mundialito foi o campeonato mundial de seleções de futebol campeãs do mundo organizado pela FIFA cada 50 anos e sediado o primeiro no Uruguai. Waldemar Victorino foi o artilheiro da competição com 3 gols e Rubén Paz, o melhor jogador. Três anos depois o Uruguai conquistaria a Copa América em cima do Brasil vencendo a primeira partida por 2 a 0 e empatando a segunda.

4 anos depois conquistaria o bicampeonato, em cima do Chile vencendo por 1 a 0. o Uruguai conquistaria o seu 14º título em 1995, em casa, após empatar com o Brasil em 1 a 1 no tempo normal e vencer por 5 a 3 nas penalidades.

Conquistou a medalha de ouro nos Jogos Pan-americanos de 1983.

Já em Copas do Mundo o Uruguai realizava fracas campanhas. Em 1974 foi eliminado logo na primeira fase, sem vencer nenhum jogo. Em 1978 e em 1982 nem se classificaram. Em 1986 no México parou nas oitavas para a Argentina por 1 a 0. Em 1990, também ficou nas oitavas, perdendo para a Itália por 2 a 0. Em 1994 e 1998 não se classificaram. Em 2002 a equipe ficou na primeira fase após empatar o último jogo contra Senegal por 3 a 3. E em 2006 a seleção sequer se classificou.

Uruguai semifinalista da Copa do Mundo de 2010 e uma nova boa faseEditar

 
Seleção Uruguaia semifinalista da Copa do Mundo FIFA de 2010.
 
Diego Forlán, recordista de participações e então recordista de gols pela Seleção, foi o craque da Copa de 2010.

Em 2010, o Uruguai classificou-se para jogar a Copa do Mundo da África do Sul na repescagem, após vencer a Costa Rica por 1 a 0 e empatar em casa por 1 a 1. O Grupo que o Uruguai ficaria na Copa de 2010 seria o A, junto com a França, México e os anfitriões da África do Sul. Empatou a 1ª partida contra a França em 0 a 0. Já na segunda aplicou uma goleada de 3 a 0 na África do Sul, com dois gols de Diego Forlán e um de Álvaro Pereira. E na última partida da fase de grupos, venceu o México por 1 a 0 com gol de Luis Suárez.

Já nas oitavas-de-final jogou com a Coreia do Sul. Iniciou vencendo com gol de Luis Suárez, mas deixou a Coreia do Sul empatar e faltando 10 minutos para acabar o jogo, Luis Suárez marcou de novo e colocou o Uruguai nas quartas-de-final para enfrentar Gana. Nessa partida contra Gana (considerada a mais emocionante da Copa)[4] o Uruguai saiu perdendo por 1 a 0, contudo Diego Forlán marcou de falta e colocou o Uruguai de volta ao jogo, que terminou empatado. Após os 30 minutos de prorrogação empatado, Muslera sai errado numa confusão na área aos 120 minutos do jogo, o jogador Ganês cabeceia com o gol vazio, então o atacante Luis Suárez defende a bola com a mão e é expulso. Asamoah Gyan desperdiçou o pênalti que poderia ter classificado Gana no último minuto de jogo. As câmeras da FIFA capturaram uma imagem de Luís Suares desesperado no vestiário após sua expulsão, mostrando apreensão, e comemorando como se fosse um gol após saber que Gana perdeu o pênalti. Logo depois o Uruguai ganharia nas penalidades com o El Loco Abreu fazendo o último gol e classificando a celeste para uma semifinal de Copa do Mundo, o que não acontecia desde 1970.

Nas semifinais, o Uruguai enfrentaria o ótimo time da Holanda. Iniciou perdendo após um grande golo de Van Bronckhorst, mas Diego Forlán novamente colocou o Uruguai no jogo. Só que Sneijder em posição de impedimento[5] e Robben decretaram o adeus da celeste. Maxi Pereira ainda descontou aos 92 minutos.

Na disputa do 3º lugar, Uruguai enfrentou a seleção considerada favorita para ganhar a Copa, seria a Alemanha que após golear a Inglaterra por 4 a 1 e a Argentina por 4 a 0, caiu diante da Espanha por 1 a 0. Mais uma vez o Uruguai mostrou a força do futebol uruguaio contra a Alemanha, e esteve até vencendo o jogo por 2 a 1 com gols de Edinson Cavani e Diego Forlán, mas a qualidade da equipe alemã fez diferença e acabou virando de novo o jogo por 3 a 2. No final da partida aos 92 minutos, Forlán acertou um chute no travessão e impediu a reação uruguaia.[6] E para fechar o bom desempenho da celeste na copa, Forlán foi eleito pela FIFA como o melhor jogador da competição, feito este que apenas alguns jogadores sul-americanos conseguiram.[7]

Em 2011, após uma 1° fase não tão boa, tendo empatado duas vezes com Peru e Chile, e ganhado de seleção sub-23 do México por 1 a 0 e terminando em 2° lugar no grupo, a Celeste iria consagrar sua volta ao cenário do futebol mundial eliminando a Argentina na Copa América em partida válida pelas quartas-de-finais, em pleno estádio Cemitério dos Elefantes, localizado na Argentina. O jogo foi 1-1 no tempo normal, e continuou assim na prorrogação. A partida foi para a disputa de penalidades máximas, e terminou em 5-4 para o Uruguai, depois de Carlitos Tévez, chamado na Argentina de "jogador do povo", perder um pênalti. O goleiro do Uruguai, Fernando Muslera, argentino de nascimento, foi o grande nome da partida. Depois a Celeste enfrentou a Seleção Peruana, que passou pela Seleção Colombiana nas quartas, pelas semi-finais. Num jogo morno e sem muita emoção, fez 2 a 0 com dois gols de Luis Suárez no segundo tempo. O placar terminou assim e o Uruguai foi para a final. A final foi disputada no dia 24 de julho e o adversário da celeste foi o Paraguai que chegou à final graças a sua sólida defesa e bons resultados nas disputas de pênalti (nas quartas eliminara o Brasil após empate em 0 a 0),mas a celeste não tomou conhecimento do adversário e o Uruguai sagrou-se campeão pela 15ª vez ao golear os paraguaios por 3 a 0, com dois gols de Forlán e um de Suárez.

Após uma ausência de 12 anos (a última vez havia sido em 1999), o Uruguai voltou a disputar o torneio de futebol dos Jogos Pan-Americanos. Nos Jogos Pan-Americanos de 2011, disputados em Guadalajara, no México, obteve a medalha de bronze ao vencer a Costa Rica por 2 a 1.[8]

Depois de 32 anos, o Uruguai volta a ganhar a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos. Nos Jogos Pan-Americanos de 2015, disputados em Toronto, no Canadá, o Uruguai sagrou-se campeão ao derrotar o México por 1 a 0, gol de Brian Lozano.[9][10]

O retorno aos Jogos Olímpicos em 2012 e a Copa das Confederações de 2013Editar

Com o vice-campeonato no Campeonato Sul-Americano de Futebol Sub-20 de 2011, o Uruguai se classificou para os Jogos Olímpicos de 2012, com sede em Londres, Inglaterra, algo que não ocorria desde o título dos Jogos Olímpicos de 1928. No Torneio Olímpico de de Futebol de 2012, o Uruguai teve uma vitória e duas derrotas sendo eliminado ainda na fase de grupos.[11]

Em 2013 foi a vez da Copa das Confederações FIFA de 2013, disputada no Brasil. A Seleção Uruguaia. classificada como campeã sul-americana, figurou no Grupo B, ao lado da então campeã mundial Espanha, da campeã africana, Nigéria e do carismático e desconhecido, Taiti. Na estreia perdeu para a favorita Espanha, mas se recuperou e venceu a Nigéria e goleou o Taiti por 8 a 0 com o time reserva. Na semifinal o Uruguai enfrentou os donos da casa, o favorito, Brasil. Em uma partida bastante equilibrada, o Uruguai por pouco não venceu a partida, perdendo por 2 a 1, com gol decisivo do volante Paulinho nos minutos finais. Na partida o uruguaio Diego Forlán ainda desperdiçou um pênalti, defendido pelo goleiro Julio Cesar. Na disputa pelo terceiro lugar o Uruguai enfrentou a Itália, eliminada na semifinal pela favorita Espanha nos pênaltis. Em outra partida bastante equilibrada, Uruguai e Itália empataram em 2 a 2. O atacante Edinson Cavani marcou os dois gols da Seleção Uruguaia, que acabou derrotada nos pênaltis e ficou com o 4° lugar da competição.

Copa do Mundo de 2014Editar

O Uruguai foi selecionado para o chamado "Grupo da morte", no qual estavam 3 campeões mundiais, Itália, Inglaterra e o Uruguai. Perdeu o primeiro jogo para a Costa Rica, para a surpresa de todos. No jogo seguinte, contra a Inglaterra, venceu por 2x1, com dois gols de Luis Suárez, considerado o principal jogador da equipe, no primeiro jogo do atacante uruguaio 27 dias após uma cirurgia no joelho esquerdo. O terceiro jogo, contra a Itália, seria decisivo; só a vitória interessava à seleção uruguaia, ao passo que um empate ou a derrota classificaria os italianos. Aos 34 minutos do segundo tempo, com a partida empatada em 0 a 0, Suárez colidiu com o italiano Giorgio Chiellini enquanto aguardava um cruzamento. Os replays mostraram que Suárez teria mordido o ombro do zagueiro italiano, a qual seria sua terceira agressão desse tipo. Entretanto, o juiz não viu a agressão e, apesar do protesto dos italianos (Chiellini tentou mostrar as marcas de mordida no ombro), não puniu Suárez. No lance seguinte, um escanteio para o Uruguai, Godín marcou o gol que daria a vitória por 1 a 0 e a vaga para as oitavas de final para a seleção uruguaia.[12]

Após o jogo, houve muita discussão sobre o caso de Suárez, e no dia 27 de junho a FIFA expediu um comunicado dizendo que Suárez não poderia atuar por 9 partidas oficiais da FIFA e estaria afastado de qualquer atividade relacionada ao futebol por quatro meses. Sendo assim, Suárez não pôde mais atuar pela Celeste na Copa de 2014 e também estaria fora da Copa América de 2015.[13]

Pelas oitavas de final, o Uruguai enfrentou a Colômbia, sendo eliminado em uma derrota por 2 a 0, com ambos os gols de James Rodríguez para a seleção colombiana.

Copa América no Chile em 2015Editar

Na Copa América de 2015 a Celeste caiu no chamado Grupo da Morte, ao lado de Argentina, Paraguai e a desacreditada Jamaica. Na primeira rodada o Uruguai jogou mal, mas venceu a Jamaica por apenas 1 a 0, com gol de Cebola Rodríguez. Na segunda rodada derrota por 1 a 0 para os argentinos, e empate contra o Paraguai por 1 a 1 na terceira rodada, apesar de ter feito um jogo superior aos paraguaios. Com quatro pontos conquistados, o Uruguai se classificou como terceiro colocado de seu grupo. Nas quartas de final perdeu para os donos da casa por 1 a 0 e acabou eliminado.

Estilo de JogoEditar

O Uruguai vê no futebol o retrato da identidade de um povo valente.[14] Por isso, a chamada "Escola Uruguaia de Futebol" é mundialmente conhecida por prezar a catimba, raça e aplicação tática.[15] É o que explica o jornalista Fabio Salgueiro, do portal Terra. Para ele "a vontade e o desejo de superação estão no DNA dos uruguaios."[16]

Segundo Luis Fernando Veríssimo: "os uruguaios recorrem a tudo que os distingue como raça para ganharem de um time melhor que o deles".[17]

TítulosEditar

Títulos oficiaisEditar

 
O goleiro Rodolfo Rodríguez ergue a taça do Mundialito de 1980.
Seleção principal
MUNDIAIS
Competição Vezes Ano
Copa do Mundo 2 1930 , 1950 
  Mundialito 1 1980-81  [18] [19]
CONTINENTAIS
Competição Vezes Ano
  Copa América 15 1916 , 1917 , 1920 , 1923 , 1924 , 1926 , 1935 , 1942 , 1956 , 1959 , 1967 , 1983, 1987 , 1995 , 2011 
Seleção olímpica
EVENTOS MULTIESPORTIVOS
Competição Vezes Ano
  Jogos Olímpicos 2 1924 , 1928 
  Jogos Pan-Americanos 2 1983 , 2015
  1 2011

  Campeão Invicto

Títulos não-oficiaisEditar

Torneios amistosos
Competição Vezes Ano
 /  Copa Lipton 11 1905, 1910, 1911, 1912, 1919, 1922, 1923, 1924, 1927, 1929, 1973
  Copa de Honra da Argentina 3 1908, 1910, 1912
  Copa de Honra do Uruguai 8 1911, 1912, 1913, 1914, 1918, 1919, 1920, 1922
 /  Copa Newton 10 1912, 1913, 1915, 1917, 1919, 1920, 1922, 1929, 1930, 1968
  Copa Asociación Argentina 11 1912, 1913, 1916, 1917, 1918, 1929, 1937, 1938, 1941, 1944, 1947
 /  Copa Círculo de la Prensa 1 1919
  Copa Ministro de Relaciones Exteriores 1 1923
  Copa Confraternidad Rioplatense 1 1924
  Copa Héctor Gómez 2 1936, 1940
 /  Copa Rio Branco 4 1940, 1946, 1948, 1967
 /  Copa Juan Pinto Durán 5 1963, 1975, 1977, 1981, 1988
  Copa Artigas 6 1965, 1966, 1975, 1977, 1983, 1985
  Copa Nehru 1 1982
  Copa William Poole 1 1984
  Miami Cup 2 1986, 1990
  Copa MUFP 1 1988
  Copa Juan Parra del Riego 1 1994
  Copa El Inca 1 1995
  Copa Phillips 1 2002
  Carlsberg Cup 1 2003
 /  Copa LG 2 2003, 2006
  Copa Banco de la República 1 2010
  Copa Confraternidad Antel 1 2011
  Copa 100 Años del Banco de Seguros del Estado 1 2011
  Copa Montevidéu 1 2013
  Copa Kirin 2 2013, 2014
  China Cup 2 2018,[20] 2019

Títulos de baseEditar

Seleção Sub-23Editar

  • Copa Mercosul Sub-23: : 1 (1996).

Seleção Sub-20Editar

Seleção Sub-17Editar

  • Torneo Internacional de Cancún Sub-17 (México): 1 (1995).
  • 80º aniversário Jornal EL PAIS Sub-17: 1 (1998).
  • Copa Monterrey Sub-17 (México): 1 (2000).
  • Copa João Havelange Sub-17 (Brasil): 1 (2001).
  • Torneio 11 de Septiembre Sub-17 (Itália): 1 (2002).

Seleção Sub-15Editar

  • Mundialito Tahuichi “Paz y Unidad” Sub-15 (Bolívia): 1 (2009).

CampanhasEditar

Seleção Principal
Torneio Campeão Vice-campeão Terceiro Quarto
Copa do Mundo 2 (1930, 1950) 3 (1954, 1970, 2010)
Copa das Confederações 2 (1997, 2013)
Copa América 15 (1916, 1917, 1920, 1923, 1924, 1926, 1935, 1942, 1956, 1959, 1967, 1983, 1987, 1995, 2011) 6 (1919, 1927, 1939, 1941, 1989, 1999) 9 (1921, 1922, 1929, 1937, 1947, 1953, 1957, 1975, 2004) 5 (1945, 1946, 1955, 2001, 2007)
Mundialito 1 (1980/81)
Campeonato Pan-Americano 1 (1952)
Seleção Juvenil
Torneio Campeão Vice-campeão Terceiro Quarto
Campeonato Mundial Sub-20 2 (1997, 2013) 1 (1979) 3 (1977, 1999, 2017)
Campeonato Mundial Sub-17 1 (2011)
Campeonato Sul-Americano Sub-20 8 (1954, 1958, 1964, 1975, 1977, 1979, 1981, 2017) 6 (1971, 1974, 1983, 1992, 1999, 2011) 6 (1991, 2007, 2009, 2013, 2015, 2019) 3 (1985, 1987, 1997)
Campeonato Sul-Americano Sub-17 3 (1991, 2005, 2011) 3 (1995, 1999, 2009) 2 (2003, 2013)
Campeonato Sul-Americano Sub-15 2 (2007, 2015) 3 (2004, 2009, 2011)
Pré-Olímpico Sul-Americano Sub-23 1 (1976) 3 (1968, 1992, 1996, ) 1 (2000)
Seleção Olímpica
Torneio       Ouro       Prata       Bronze
Jogos Olímpicos 2 (1924, 1928)
Jogos Pan-americanos 2 (1983, 2015) 1 (2011)
Jogos Sul-americanos 1 (2018)
Universíada 2 (1979, 1985)

TOTAL: 119 títulos

Observação: Dessa forma, a Seleção Uruguaia de Futebol (juntando todas as categorias) é a terceira maior recordista de títulos de seleções no mundo (só ficando atrás das Seleções Argentina e Brasileira).

Registro competitivoEditar

 
A equipe que venceu a Copa do Mundo de 1930.

Segue-se abaixo o histórico do Uruguai quanto às competições nas quais o selecionado se fez presente.

Desempenho na Copa do Mundo
Total: 2 Títulos
Ano Fase Posição Jogos Vitórias Empates Derrotas Gols Pró Gols Contra
  1930 Campeão 1º de 13 4 4 0 0 15 3
  1934 Não participou
  1938 Não participou
  1950 Campeão 1º de 13 4 3 1 0 15 5
  1954 Semifinais 4º de 16 5 3 0 2 16 9
 1958 Não participou
  1962 Fase de grupos 13º de 16 3 1 0 2 4 6
  1966 Quartas de final 7º de 16 4 1 2 1 2 5
  1970 Semifinais 4º de 16 6 2 1 3 4 5
  1974 Fase de grupos 13º de 16 3 0 1 2 1 6
  1978 Não participou
  1982 Não participou
  1986 Oitavas de final 16º de 24 4 0 2 2 2 8
  1990 Oitavas de final 16º de 24 4 1 1 2 2 5
  1994 Não participou
  1998 Não participou
 / 2002 Fase de Grupos 26º de 32 3 0 2 1 4 5
  2006 Não participou
  2010 Semifinais 4º de 32 7 3 2 2 11 8
  2014 Oitavas de final 12º de 32 4 2 0 2 4 6
  2018 Quartas de final 5º de 32 5 4 0 1 7 3
TOTAL 13/21 2 Títulos 56 24 12 20 87 74
Desempenho na Copa das Confederações
Total: 0 Títulos
Ano Fase Posição Jogos Vitórias Empates Derrotas Gols Pró Gols Contra
  1992 Não participou
  1995 Não participou
  1997 Semifinais 4º de 8 5 3 0 2 8 6
  1999 Não participou
   2001 Não participou
  2003 Não participou
  2005 Não participou
  2009 Não participou
  2013 Semifinais 4º de 8 5 2 1 2 14 7
  2017 Não participou
TOTAL 2/10 0 Títulos 10 5 1 4 22 13
Desempenho na Copa América
Total: 15 Títulos
Ano Fase Posição Jogos Vitórias Empates Derrotas Gols Pró Gols Contra
  1916 Campeão 1º de 4 3 2 1 0 06 01
  1917 Campeão 1º de 4 3 3 0 0 09 00
  1919 Vice-campeão 2º de 4 3 2 1 0 07 04
  1920 Campeão 1º de 4 3 2 1 0 09 02
  1921 Liga 3º de 4 3 1 0 2 03 04
  1922 Liga 3º de 5 4 2 1 1 03 01
  1923 Campeão 1º de 4 3 3 0 0 06 01
  1924 Campeão 1º de 4 3 2 1 0 08 01
  1925 Não participou
  1926 Campeão 1º de 5 4 4 0 0 17 02
  1929 Liga 3º de 4 3 1 0 2 04 06
  1935 Campeão 1º de 4 3 3 0 0 06 01
  1937 Liga 3º de 6 5 2 0 3 11 14
  1939 Vice-campeão 2º de 5 4 3 0 1 13 05
  1941 Vice-campeão 2º de 5 4 3 0 1 10 01
  1942 Campeão 1º de 7 6 6 0 0 21 02
  1945 Liga 4º de 7 6 3 0 3 14 06
  1946 Liga 4º de 6 5 2 0 3 11 09
  1947 Liga 3º de 8 7 5 0 2 21 08
  1949 Liga 6º de 8 7 2 1 4 14 20
  1953 Liga 3º de 7 6 3 1 2 15 06
  1955 Liga 4º de 6 5 2 1 2 12 12
  1956 Campeão 1º de 6 5 4 1 0 09 03
  1957 Terceiro lugar 3º de 7 6 4 0 2 15 12
  1959 Fase única 6º de 7 6 2 0 4 15 14
  1959 Campeão 1º de 5 4 3 1 0 13 01
  1963 Não participou
  1967 Campeão 1º de 6 5 4 1 0 13 02
  1975 Semifinais 4º de 10 2 1 0 1 1 3
  1979 Fase de grupos 6º de 10 4 1 2 1 5 5
  1983 Campeão 1º de 10 8 5 2 1 12 6
  1987 Campeão 1º de 10 2 2 0 0 2 0
  1989 Vice-campeão 2º de 10 7 4 0 3 11 3
  1991 Fase de grupos 5º de 10 4 1 3 0 4 3
  1993 Quartas de final 6º de 12 4 1 2 1 5 5
  1995 Campeão 1º de 12 6 4 2 0 11 4
  1997 Fase de grupos 9º de 12 3 1 0 2 2 2
  1999 Vice-campeão 2º de 12 6 1 2 3 4 9
  2001 Semifinais 4º de 12 6 2 2 2 7 7
  2004 Semifinais 3º de 12 6 3 2 1 12 10
  2007 Semifinais 4º de 12 6 2 2 2 8 9
  2011 Campeão 1º de 12 6 3 3 0 9 3
  2015 Quartas de final 7º de 12 4 1 1 2 2 3
  2016 Fase de grupos 11º de 16 3 1 0 2 4 4
  2019 A definir - - - - - - -
 /  2020 Classificado
Total 43/45 15 Títulos 197 108 34 55 399 217

     Campeão
     Vice-campeão
     Terceiro colocado
     Quarto colocado

Elenco atualEditar

JogadoresEditar

Passagens destacadasEditar

Com mais participaçõesEditar

  • Última atualização: 8 de junho de 2019.
# Jogador Período Jogos Gols
1 Diego Godín 2005- 127 8
2 Maxi Pereira 2005– 125 3
3 Diego Forlán 2002–2014 112 36
4 Cristian Rodríguez 2003– 110 11
5 Edinson Cavani 2007– 110 46
6 Luis Suárez 2007– 107 56
7 Fernando Muslera (goleiro) 2009– 107 0
8 Diego Lugano 2005–2014 95 9
9 Arévalo Rios 2007– 89 0
10 Martín Cáceres 2007– 88 4
11 Diego Pérez 2001–2014 88 2
12 Álvaro Pereira 2008– 83 7
13 Rodolfo Rodríguez (goleiro) 1976–1986 78 0

Com mais golsEditar

  • Última atualização: 8 de junho de 2019.
# Jogador Período Gols Jogos Média
1 Luis Suárez 2007– 56 107 0,53
2 Edinson Cavani 2007– 46 110 0,43
3 Diego Forlán 2002–2014 36 112 0,32
4 Héctor Scarone 1917–1930 31 52 0,60
5 Ángel Romano 1911–1927 28 69 0,41
6 Óscar Míguez 1950–1958 27 39 0,69
7 Sebastián Abreu 1996–2012 26 70 0,37
8 Pedro Petrone 1923–1930 24 29 0,83
9 Fernando Morena 1971–1983 22 53 0,42
Carlos Alberto Aguilera 1982–1997 22 64 0,34

Treinadores ao longo do tempoEditar

Período Treinador
1916   Jorge Pacheco
  Alfredo Foglino
1917   Ramón Platero
19171918   Julián Bértola
19191920   Severino Castillo
19201922   Ernesto Fígoli
19221923   Pedro Olivieri
19231924   Leonardo De Lucca
19241926   Ernesto Meliante
1926   Andrés Mazali
  Ernesto Fígoli
19271928   Luis Grecco
19281932   Alberto Suppici
19321933   Raúl Blanco
19331941   Alberto Supicci
19411942   Pedro Cea
19421945   José Nasazzi
19451946   Aníbal Tejada
1946   Guzmán Vila Gomensoro
Período Treinador
19461955   Juan López
1955   Juan Carlos Corazzo
19551957   Hugo Bagnulo
19571959   Juan López
1959   Héctor Castro
19591961   Juan Carlos Corazzo
19611962   Enrique Fernández
19621964   Juan Carlos Corazzo
19641965   Rafael Milans
19651967   Ondino Viera
19671969   Enrique Fernández
19691970   Juan Hohberg
19701973   Hugo Bagnulo
19741974   Roberto Porta
19741975   Juan Schiaffino
19751977   José María Rodríguez
1977   Juan Hohberg
Período Treinador
19771979   Raúl Bentancor
19791982   Roque Máspoli
19821987   Omar Borrás
19871988   Roberto Fleitas
19881990   Óscar Tabárez
19901993   Luis Cubilla
19931994   Ildo Maneiro
19941996   Héctor Núñez
19961997   Juan Ahuntchaín
19971998   Roque Máspoli
19982000   Víctor Púa
20002001   Daniel Passarella
20012003   Víctor Púa
20032004   Juan Ramón Carrasco
20042006   Jorge Fossati
2006   Óscar Tabárez

UniformesEditar

Uniformes dos jogadoresEditar

  • Uniforme principal: Camisa azul celeste, calção e meias pretas;
  • Uniforme reserva: Camisa branca, calção e meias brancas.
     
 
 
Titular
     
 
 
Reserva
     
 
 
Alternativo

Uniformes dos goleirosEditar

     
 
 
1
     
 
 
2

Uniformes anterioresEditar

  • 2018
     
 
 
Titular
     
 
 
Reserva
     
 
 
Alternativo
  • 2016-17
     
 
 
Primeiro
     
 
 
Segundo
  • 2014-15
     
 
 
Primeiro
     
 
 
Segundo
  • 2011-13
     
 
 
Primeiro
     
 
 
Segundo
     
 
 
Conf. Cup
  • 2010-11
     
 
 
Primeiro
     
 
 
Segundo
     
 
 
alternativo
  • 2008-09
     
 
 
Primeiro
     
 
 
Segundo
  • 2006-07
     
 
 
Primeiro
     
 
 
Segundo
Fornecedores de materiais esportivos
Período Marca
1974–1984   Adidas
1984–1987   Le Coq Sportif
1987–1991   Puma
1992–1998   NR
1999–2001   Tenfield
2002–2004   L-Sporto
2004–2006   Uhlsport
2007–   Puma

DadosEditar

  • Protagonizando o Clássico do Rio da Prata (também conhecido como Clássico do Atlântico),[21] Uruguai e Argentina detém a marca de maior número de partidas entre dois países, cujo histórico teve início em 1902.[22]
  • A primeira partida entre uruguaios e argentinos foi, igualmente, o primeiro amistoso internacional (em caráter oficial) a ser disputado fora da Inglaterra. Antes disto, as seleções do Canadá e dos Estados Unidos disputaram dois amistosos em 1885 e 1886, mas ambas as partidas não foram oficializadas, uma vez que canadenses e norte-americanos não participaram de um amistoso oficial até 1904 e 1916, respectivamente.
  • Com a não-classificação para os Jogos de Pequim em 2008, o selecionado uruguaio completou oitenta anos sem disputar o torneio. Curiosamente, na última participação até então, em Amsterdã 1928, a equipe sul-americana havia conquistado o seu bicampeonato olímpico.[23]
  • O Uruguai voltou a disputar os Jogos Olímpicos em Londres 2012, depois de oitenta e quatro anos de ausência.[24]
  • Anteriormente, o uniforme reserva uruguaio esteve presente sob a coloração vermelha. Isto se explica pelo torneio sul-americano de 1935, ao qual a seleção utilizou uma camisa vermelha com calção branco para se diferenciar da Argentina, que adotava o branco e azul celeste. Porém, tal combinação de cores foi abandonada após o torneio, sendo adotando um uniforme branco como suplente, de forma que as camisas vermelhas só retornaram em 1993. Atualmente, o uniforme branco é definido como a terceira vestimenta do selecionado uruguaio.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c FIFA.com (novembro de 2015). «Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola». Consultado em 11 de novembro de 2015 
  2. a b «Uruguai: dois Mundiais, quatro estrelas». El País. 5 de junho de 2016. Consultado em 18 de junho de 2018 
  3. Ambrosio, Tauan. «Afinal de contas, o Uruguai é tetracampeão mundial?». Goal | Terra - Futebol. Consultado em 18 de junho de 2018 
  4. Agência EFE (2 de julho de 2010). «No jogo mais emocionante da Copa, Uruguai vence Gana nos pênaltis e alcança semifinais». www.dnonline.com.br. DN Online - Esportes (salvo em archive.is). Consultado em 14 de fevereiro de 2019 
  5. Bassan, Pedro; Serbonchini, Wanderley (7 de julho de 2010). «Holanda vence Uruguai com gol irregular e garante vaga na final». g1.globo.com/bom-dia-brasil/. G1 | Bom Dia Brasil. Consultado em 18 de junho de 2018 
  6. «Alemanha vence o Uruguai por 3 a 2 e termina em terceiro lugar na Copa do Mundo». O Globo. 10 de julho de 2010. Consultado em 18 de junho de 2018 
  7. «2010 FIFA World Cup South Africa™ - Awards». www.fifa.com (em inglês). FIFA. Julho de 2010. Consultado em 14 de fevereiro de 2019 
  8. «Uruguay gana bronce en futbol varonil». www.informador.mx (em espanhol). El Informador :: Noticias de Jalisco, México, Deportes & Entretenimiento. 28 de outubro de 2011. Consultado em 18 de junho de 2018 
  9. Gazeta Press (26 de julho de 2015). «Uruguai bate México e leva medalha de ouro no futebol masculino». www.foxsports.com.br. Fox Sports. Consultado em 14 de fevereiro de 2019 
  10. «Uruguai derrota México e leva a medalha de ouro no futebol masculino». www.gazetaesportiva.com. Gazeta Esportiva. 26 de julho de 2015. Consultado em 18 de julho de 2018 
  11. «Após polêmica envolvendo seu hino, Grã-Bretanha tira Uruguai dos Jogos». globoesporte.com. Globo Esporte. 1 de agosto de 2012. Consultado em 18 de junho de 2018 
  12. Borden, Sam (24 de junho de 2014). «Apparent Bite by Luis Suárez Mars Uruguay's Victory Over Italy» (em inglês). The New York Times. Consultado em 24 de junho de 2014 
  13. «Luis Suárez suspended for nine matches and banned for four months from any football-related activity» (em inglês). FIFA. 26 de junho de 2014. Consultado em 26 de junho de 2014 
  14. a b «País inovador, Uruguai vê no futebol representação da identidade nacional». sportv.globo.com. Sport TV. Consultado em 18 de junho de 2018 
  15. Pichonelli, Matheus; Vives, Fernando (19 de julho de 2011). «Ainda existe identidade no futebol». www.cartacapital.com.br. CartaCapital (salvo em archive.is). Consultado em 14 de fevereiro de 2019 
  16. Salgueiro, Fábio (20 de junho de 2014). «Todos têm raça, o Uruguai tem alma». esportes.terra.com.br. Esportes - Terra | | Fábio Salgueiro (salvo em Wayback Machine). Consultado em 14 de fevereiro de 2019 
  17. Veríssimo, Luís Fernando (20 de agosto de 1982). PLACAR Magazine | Abrindo o Jogo - Por que esse velho medo dos uruguaios?. [S.l.]: Editora Abril. pp. 26 e 27. Consultado em 18 de junho de 2018 
  18. Bolaños, Eduardo (29 de dezembro de 2014). «Mundialito Uruguai 1980/81 (Primeira Parte)». www.conmebol.com. CONMEBOL. Consultado em 11 de novembro de 2015 
  19. Bolaños, Eduardo (10 de janeiro de 2015). «Mundialito Uruguai 1981 (Segunda e última parte): Celeste vence o Brasil e conquista a taça». www.conmebol.com. CONMEBOL. Consultado em 11 de novembro de 2015 
  20. AFP (26 de março de 2018). «Uruguai derrota País de Gales e vence torneio amistoso». Correio do Povo. Consultado em 26 de março de 2018 
  21. Veliz, Leonardo (15 de junho de 2015). «Clásico del Atlántico». www.latercera.com (em espanhol). La Tercera. Consultado em 25 de abril de 2019 
  22. «Uruguai x Argentina, o mais antigo clássico». www.conmebol.com. CONMEBOL. 24 de agosto de 2017. Consultado em 25 de abril de 2019 
  23. de Andrade, Victor (Junho de 2018). «Uruguai medalha de ouro e a volta olímpica em 1924». O Curioso do Futebol. Consultado em 25 de abril de 2019 
  24. Agências de notícias (9 de julho de 2012). «Uruguai divulga lista final para Londres-2012 com Lodeiro». globoesporte.com. GE - Globo Esporte. Consultado em 25 de abril de 2019 

Ligações externasEditar