Ceilândia Esporte Clube

Ceilândia Esporte Clube é uma agremiação esportiva brasileira, sediada em Ceilândia, no Distrito Federal
(Redirecionado de Dom Bosco Esporte Clube)

Ceilândia Esporte Clube é uma agremiação esportiva brasileira, sediada em Ceilândia, no Distrito Federal. Fundado em 1963 como Dom Bosco Esporte Clube, o clube se profissionaliza em 1977 e foi renomeado e refundado em 25 de agosto de 1979.[1]

Ceilândia
Nome Ceilândia Esporte Clube
Alcunhas Gato Preto
Alvinegro
Mascote Gato Preto
Principal rival Gama
Brasiliense
Fundação 1963 (61 anos)
refundado em
25 de agosto de 1979 (44 anos)
Estádio Abadião
Capacidade 5.000 pessoas
Localização Ceilândia, DF
Presidente Ari de Almeida
Treinador(a) Adelson de Almeida
Patrocinador(a) Atacadão Dia-a-Dia
Material (d)esportivo Gato Preto (marca própria)
Competição Campeonato Brasiliense
Brasileirão - Série D
Copa do Brasil
Copa Verde
Website ceilandiaec.com
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo

História editar

1963-1979 - Dom Bosco Esporte Clube editar

O Ceilândia Esporte Clube foi fundado em 1963 como Dom Bosco Esporte Clube. O clube era da Vila do IAPI. O fundador do clube foi o Francisco da Silva, o "Seu Chicão". Em 31 de dezembro de 1967 enfrenta o Botafoguinho da mesma Vila. O jogo foi uma homenagem ao Benê, que estava presente no estádio.[2]

Benê jogou pelo Dom Bosco quando jovem, antes de se transferir para o Defelê Futebol Clube.[2] Vendido ao América Mineiro, foi o primeiro jogador da Vila do IAPI a ganhar certo destaque nacional.[2]

Disputou o Departamento Autônomo de 1968. Pela competição enfrentou o Grêmio Recreativo do Gama as 14h do dia 27 de janeiro de 1968. Estavam em campo pelo Dom Bosco: Cabeludo, Chicão, Babá, Índio, Juracy, Carneiro, Roque, Pantera, Paulinho, Reco e Bolinha.[3]

Seu maior rival era o Juventude. Em 1983, um clube amador adota o nome de Dom Bosco Esporte Clube, passando a ser um clube fênix da equipe, e disputa o Departamento Autônomo de 1983. Durou apenas esse campeonato.[4][5]

1979-Atual - Ceilândia Esporte Clube editar

Em 1977, surgiram as primeiras tentativas no sentido de profissionalizar o Dom Bosco. Finalmente, em 27 de março de 1978, o Dom Bosco foi registrado. Um ano depois, por sugestão da então administradora de Ceilândia, Maria de Lourdes Abadia, em 25 de agosto de 1979 [1], o estatuto do time foi alterado, mudando o nome de Dom Bosco Esporte Clube para Ceilândia Esporte Clube, concretizando no estatuto a mudança de nome, mas, manteve as cores alvinegras, inspiradas no Botafogo-RJ (time de coração do Sr. Chicão), inclusive em seu uniforme, a tradicional camisa listrada do Ceilândia é inspirada nas cores do clube carioca.

A primeira partida profissional do Ceilândia foi disputada ainda em 1979, diante do então clube mais importante do Distrito Federal: o Brasília. O Ceilândia perdeu a partida por 2x1, sendo Risadinha o autor do primeiro gol da história do Ceilândia.

A estreia do Ceilândia em um campeonato nacional foi em 1989. Nesse ano, o time conquistou o direito de participar da série B do Campeonato Brasileiro ao vencer o terceiro turno do Campeonato Metropolitano daquele ano, na Série B o Ceilândia conseguiu passar para a segunda fase, mas acabou eliminado pelo Rio Branco, terminando o campeonato na 31ª colocação dentre 96 participantes. Foi o time candango mais bem colocado naquele ano.

Consagração Regional editar

2010 editar

Em 2010, o Ceilândia entra para a história do futebol candango e deixa de ser apenas um coadjuvante, ao conquistar de forma respeitável o Campeonato Metropolitano, o Candangão 2010, ao vencer surpreendentemente o Brasiliense por 3x1 no Abadião. No jogo da volta, conseguiu segurar um empate em 2x2, após estar perdendo o jogo por 2x0. O Ceilândia quebrou uma série de seis títulos seguidos do Brasiliense, e com o triunfo, garante acesso ao Campeonato Brasileiro da Série D de 2010 e a Copa do Brasil de 2011.

2012 editar

Em 2012, o Gato Preto surpreendeu ao chegar as duas finais do Candangão. De forma respeitável, o Gato Preto perdeu o primeiro turno, a Taça JK, para o Luziânia por 3 a 2 na casa do adversário. Porém, ganhou o segundo turno, a Taça Mané Garrincha, por 4 a 1 contra o Sobradinho também na casa do adversário. Com o resultado conquistou uma das vagas para a Copa do Brasil 2013, destinadas aos representantes do DF. Disputou a grande final contra o Luziânia, venceu o primeiro jogo por 1x0, e perdeu o segundo pelo mesmo placar, acabou se consagrando campeão dado a sua melhor campanha na primeira fase da competição. Conquistando assim o Bi Campeonato Candango e uma vaga para o Campeonato Brasileiro Série D de 2012.

2022 editar

Após conquista do Vice-Campeonato Brasiliense de Futebol em 2021 e 2022, a equipe conquistou vagas para disputar o Campeonato Brasileiro da Série D, a Copa Verde e a Copa do Brasil de 2022. Em 2022 a equipe fez história chegando pela primeira vez a terceira fase da Copa do Brasil, passando pelo Londrina e Avaí, tendo o Botafogo como adversário da Terceira fase, o primeiro jogo terminou com o placar de 3x0 para o Alvinegro carioca, a partida de volta foi repetido o placar de 3x0 para o Botafogo e com isso o Ceilândia terminou a sua campanha na terceira fase da Copa do Brasil.[6]

Estrutura editar

Estádios editar

Nome Localização Anos de Uso
Abadião Ceilândia 1983–presente
Mané Garrincha Brasília 2013–presente (Diversos jogos)

Desde 1983 o clube manda as partidas no Estádio Maria de Lourdes Abadia, mais conhecido como Abadião, que pertence a Administração Regional de Ceilândia. O Estádio foi inaugurado em 17 de julho de 1983.[7][8]

Centro de Treinamento editar

O Centro de Treinamento do Ceilândia, batizado de "Cidade do Gato" ou ''CT do Gato Preto'', é um dos centros de treinamento mais modernos da Região Centro-Oeste do Brasil. Foi construído entre 2011 e 2012 pela gestão de José Beni, ex-presidente do Gato Preto.[9] O CT fica a aproximadamente 9 quilômetros da cidade de Ceilândia.

Símbolos editar

Escudo editar

Em seu escudo, o Ceilândia leva a Caixa D´Água da Ceilândia, um cartão postal e "ícone da memória da construção da Região Administrativa de Ceilândia".

 
Escudos do CEC
 
Escudo atual do clube.

Ídolos editar

O clube tem, como ídolos: o atacante Risadinha, autor do primeiro gol da história do clube;o volante Didão que é um dos jogadores com mais jogos com a camisa do Gato e também um dos maiores da história do clube, o atacante Cassius (Maior artilheiro de todos os tempos com 101 gols vestindo a camisa do Ceilândia) e os conhecidos Dimba (com 35 gols, sendo o segundo maior artilheiro da história do Ceilândia) e Allan Dellon, que passaram por grandes clubes brasileiros. Os três últimos participaram das campanhas vitoriosas que rendeu os títulos de 2010 e 2012 do clube.

Rivalidade editar

Gama x Ceilândia editar

A primeira vez que Gama e Ceilândia se enfrentaram foi no dia 6 de julho de 1980, no Bezerrão. Ainda comandado por Fantato, o Gama não teve dificuldades para vencer por 3 x 0. O Ceilândia nunca derrotou o Gama por um placar dilatado. O melhor resultado foi um 3 x 0, em 20 de abril de 1986. A maior goleada pelo lado gamense foi no Campeonato Brasiliense de 2020, em pleno Abadião, o Gama goleou por 6x0 pela primeira fase.[10][11]

Títulos editar

DISTRITAIS
Competição Títulos Temporadas
  Campeonato Brasiliense 3
2010, 2012 e 2024
  Taça Mané Garrincha 1
2012

Campanhas de destaque editar

Estatísticas editar

Participações editar

Participações em 2024
Competição Participações Melhor campanha Estreia Última P   R  
  Campeonato Brasiliense 40 Campeão (2010, 2012 e 2024) 1980 2024
2ª Divisão 2 Campeão (1998) 1997 1998 1
Departamento Autônomo 1 Primeira Fase (1968) 1968 1968
Copa Verde 4 Oitavas de final (2017 e 2024) 2017 2024
  Série B 1 31º colocado (1989) 1989
Série C 4 7º colocado (2005) 2004 2007
Série D 7 11º colocado (2023) 2010 2023
Copa do Brasil 7 3ª fase (2022) 2006 2023

Histórico em competições nacionais editar

Campeonato Brasileiro Série B editar

Ano Posição
1989 31º

Campeonato Brasileiro Série C editar

Ano Posição
2004 25º
2005
2006 42º
2007 40º

Campeonato Brasileiro Série D editar

Ano Posição
2010 26º
2012 15º
2016 10º
2017 15º
2018 51º
2022 35º
2023 11°

Copa do Brasil editar

Ano Posição
2006 28º
2011 63º
2013 57º
2017 52º
2018 65º
2022 21º
2023 70º

Ranking da CBF editar

  • Posição: 91°
  • Pontuação: 821 pontos

Ranking criado pela Confederação Brasileira de Futebol para pontuar todos os clubes do Brasil.[13]

Ligações externas editar

Referências

  1. a b «Data de Fundação Ceilândia Esporte Clube». ceilandiaec.com. Consultado em 5 de setembro de 2021 
  2. a b c «Várias». Brasilia. Correio Braziliense (02467): 1. 31 de dezembro de 1967 
  3. «Autoridades para os jogos do D.A.». Brasilia. Correio Braziliense (02488): 1. 27 de janeiro de 1968 
  4. «Futebol Amador - Campeonato vai começar hoje». Brasilia. Correio Braziliense (02488): 1. 18 de junho de 1983 
  5. «(Recriacão) Do Departamento Autônomo Salva Clubes». Brasilia. Correio Braziliense (07347): 1. 13 de abril de 1983 
  6. «Não deu. Botafogo impõe-se no Rio e bate Ceilândia pela Copa do Brasil». Distrito do Esporte. 13 de maio de 2022. Consultado em 30 de maio de 2022 
  7. Braziliense, Correio (27 de março de 2016). «Na Guariroba, Abadião marca lembranças do início do Ceilândia Esporte Clube». Correio Braziliense 
  8. «O FUTEBOL NAS CIDADES SATÉLITES - 2º CAPÍTULO - Ceilândia - 4ª parte - Categorias de Base e o Estádio Abadião». Consultado em 16 de agosto de 2017 
  9. http://www.ceilandiaec.com.br/archives/4075
  10. «Uma lição dolorosa: Ceilândia 0 x 6 Gama». Consultado em 4 de dezembro de 2020 
  11. Silva, Julio Cesar. «Gama aplica a maior goleada do campeonato e é o novo líder do Candangão». Consultado em 4 de dezembro de 2020 
  12. «Vice Campeonato 2022 do Ceilândia Esporte Clube» 
  13. «Ranking da CBF 2022» (PDF) 

11. História, elenco, sites e redes sociais Oficiais <<Ceilandia EC>>