Grande Prêmio da África do Sul de 1983

Grande Prêmio da África do Sul
de Fórmula 1 de 1983
Kyalami 1968layout.svg
17º GP da África do Sul em Kyalami
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 15 de outubro de 1983
Nome oficial South African Grand Prix
Local Kyalami, Midrand, Província de Gauteng, África do Sul
Percurso 4.104 km
Total 77 voltas / 316.008 km
Condições do tempo Seco
Pole
Piloto
França Patrick Tambay Ferrari
Tempo 1:06.554
Volta mais rápida
Piloto
Brasil Nelson Piquet Brabham-BMW
Tempo 1:09.948 (na volta 6)
Pódio
Primeiro
Itália Riccardo Patrese Brabham-BMW
Segundo
Itália Andrea de Cesaris Alfa Romeo
Terceiro
Brasil Nelson Piquet Brabham-BMW

Resultados do Grande Prêmio da África do Sul de Fórmula 1 realizado em Kyalami em 15 de outubro de 1983.[1] Décima quinta e última etapa da temporada, teve como vencedor o italiano Riccardo Patrese, da Brabham-BMW.[2] Em segundo lugar chegou Andrea de Cesaris, da Alfa Romeo, enquanto Nelson Piquet subiu ao pódio com a outra Brabham-BMW e garantiu o bicampeonato mundial de pilotos.[3][nota 1]

ResumoEditar

As chances de cada umEditar

Primeiro colocado do certame com 57 pontos, Alain Prost precisa vencer na África do Sul para conquistar o campeonato de 1983. Caso não consiga, o francês tem apenas que terminar adiante de Nelson Piquet ou mesmo atrás do brasileiro numa posição capaz de assegurar um empate na pontuação final, hipótese onde Prost será campeão graças ao maior número de vitórias (4 a 3). Nesse último caso o francês pode ser o terceiro com Piquet em segundo ou mesmo o quarto ou quinto colocado ao final da prova com o brasileiro em terceiro lugar. Para garantir o título com uma sexta posição, Alain Prost deverá torcer por um segundo lugar de René Arnoux e uma quarto lugar de Nelson Piquet. Em última análise, o francês da Renault pode assegurar o título mesmo sem pontuar, mas nesse caso Arnoux deve terminar no segundo posto e Piquet chegar no máximo em quinto lugar.[4]

Vice-líder do campeonato com 55 pontos, Nelson Piquet também almeja a vitória e pode ser bicampeão caso suba ao pódio em outras posições: terminado em segundo, Alain Prost deverá ser o quarto colocado ao fim da porfia; se chegar em terceiro, o título de Piquet será sacramentado com um sexto lugar do francês. Caso seja o quarto colocado, o brasileiro precisará que Alain Prost não pontue e René Arnoux não passe do segundo lugar.[4]

Dentre os candidatos ao título, a pior situação é a de René Arnoux, pois com seus 49 pontos necessita de uma vitória e uma combinação de resultados onde Nelson Piquet termine em quarto e Alain Prost em sexto lugar.[4] Além das dificuldades matemáticas, o piloto correu o risco de não participar da corrida, pois sofreu uma luxação na quinta-feira quando os fiscais empurravam sua Ferrari (danificada por um curto circuito) e uma das rodas traseiras do carro passou sobre o pé direito do corredor francês, encaminhado para tratamento intensivo num hospital próximo ao circuito.[5]

Surge a Williams-HondaEditar

Pioneira no desenvolvimento dos motores turbo, a Renault (78 pontos) inspirou a Ferrari (89 pontos) a segui-la e não por acaso são as únicas equipes em condição de lutar pelo mundial de construtores em 1983. A partir de então a concorrência trilhou o mesmo caminho quando Bernie Ecclestone assinou com a BMW tornando-a fornecedora de motores para a Brabham a partir de 1982.[nota 2] Advertida por Niki Lauda quanto a necessidade de contar com motores turbo, a McLaren convenceu a Techniques d'Avant Garde (TAG), empresa do bilionário saudita Mansour Ojjeh, a desenvolver um motor em parceria com a Porsche, multicampeã de sport-protótipos.[6] Assim, o novo propulsor estreou no carro de Niki Lauda durante o Grande Prêmio dos Países Baixos de 1983 e desde o Grande Prêmio da Itália de 1983 o time de Woking disponibilizou-o também para John Watson.

Nesse contexto a Williams assinou com a Honda tornando-a sua nova fornecedora de motores a partir do Grande Prêmio da África do Sul, o último de 1983. Dona de sua própria equipe de Fórmula 1 entre 1964 e 1968, a montadora japonesa colheu duas vitórias antes de afastar-se da categoria por quinze anos até retornar no Grande Prêmio da Grã-Bretanha de 1983 em associação com a Spirit Racing.[7]

Patrick Tambay na poleEditar

Sem pretensões quanto ao título, Patrick Tambay acelerou sua Ferrari o máximo possível e assegurou a pole position tendo a Brabham de Nelson Piquet ao seu lado com Riccardo Patrese em terceiro com o outro carro da equipe deixando a Ferrari de René Arnoux em quarto enquanto Alain Prost ficou em quinto pela Renault e Keke Rosberg em sexto, evidenciando a força do novo conjunto Williams-Honda.[8] Dentre os ponteiros a situação de Alain Prost era a mais desagradável, pois além de largar atrás dos concorrentes ao título, não teria o auxílio imediato do seu companheiro de equipe, pois o norte-americano Eddie Cheever sairia numa discreta décima quarta posição.

Mesmo laureado com o título mundial de 1981, Nelson Piquet admitiu sentir-se tenso ante o clima de decisão enquanto Alain Prost pensava em utilizar as variáveis da matemática a seu favor enquanto René Arnoux mostrava-se resignado com suas chances rarefeitas de título.[9] Para quem estranhou a postura "defensiva" de Piquet, uma explicação: a Brabham, embora viesse de duas vitórias consecutivas, temia uma quebra de motor. Segundo Herbie Blash, "Na noite anterior à corrida, todos os motores estavam destruídos, tinham um problema de construção e simplesmente explodiam. Então toda a equipe técnica da BMW varou a noite trabalhando".[10] Para descontrair o ambiente, desviar a atenção de terceiros e, principalmente, desestabilizar a Renault, os mecânicos da Brabham recorreram a um artifício inusitado: ouvir rock and roll a todo volume no pit lane a fim de importunar os rivais.[10]

Domínio da BrabhamEditar

Nelson Piquet foi mais ágil na largada e tomou a ponta seguido por Riccardo Patrese numa dobradinha da Brabham que perdurou por 59 voltas. Com um carro mais leve por ter largado com menos gasolina, o brasileiro abria em torno de um segundo por volta e logo na nona passagem o brasileiro foi favorecido pela quebra do motor da Ferrari de René Arnoux, resultando em menos um postulante ao título. Com os carros de Bernie Ecclestone comandando a prova, as atenções de todos foram desviadas para a disputa do terceiro lugar, pelo qual duelaram Patrick Tambay, Andrea de Cesaris, Alain Prost e Niki Lauda, este último um feroz perseguidor de Riccardo Patrese. Tranquilo, Nelson Piquet fez seu pit stop na vigésima oitava volta numa operação que durou menos de dez segundos e regressou ao asfalto ainda na liderança e com dez segundos de vantagem sobre Alain Prost, ora o quarto colocado e que subiu para terceiro quando Lauda foi para os boxes.[11]

Mesmo numa boa posição, Alain Prost sofreu um duro golpe ao parar nos boxes na trigésima quinta volta, pois ao parar seu carro os mecânicos notaram uma falha no turbo e assim o piloto nada pôde fazer senão abandonar a prova. Restava-lhe torcer por uma quebra de Nelson Piquet ou para que o brasileiro não passasse da quinta posição nas 42 voltas restantes. De imediato, o abandono de Prost sacramentou a Ferrari como campeã mundial de construtores de 1983.[8][12]

Dependendo apenas de si para chegar ao título, Piquet manteve a liderança com Patrese em segundo protegendo-o do italiano De Cesaris que duelou com Tambay antes de ser ultrapassado por Lauda. Na volta 60 Nelson Piquet permitiu a ultrapassagem de Riccardo Patrese evidenciando o domínio que detinha sobre a prova em Kyalami e após ser acossado por Niki Lauda preferiu não duelar com o austríaco, que subiu para o segundo lugar. Reposicionado em terceiro, o brasileiro procurava não forçar sua máquina e expôs-se ao avanço de Andrea de Cesaris, cuja Alfa Romeo estava a dez segundos da Brabham de Piquet. Na volta 71 a McLaren deixa Lauda a pé devido a uma falha mecânica restabelecendo o dueto da Brabham, mas mesmo assim a cautela se impôs quando, racionalmente, Nelson Piquet permitiu, na volta 75, a ultrapassagem do italiano De Cesaris o qual subiu para o segundo posto, enquanto Piquet cruzou em terceiro lugar para tornar-se bicampeão mundial de Fórmula 1 e o primeiro campeão da história impulsionado por motores turbo ao marcar 59 pontos.[13][11] Completaram a zona de pontuação: Derek Warwick em sua despedida da Toleman, Keke Rosberg marcando os primeiros pontos do conjunto Williams-Honda e Eddie Cheever em sexto na sua prova final pela Renault.[1]

Com Riccardo Patrese em primeiro pela Brabham e Andrea de Cesaris em segundo pela Alfa Romeo, tivemos a primeira dobradinha entre pilotos italianos na Fórmula 1 desde a vitória de Alberto Ascari e o segundo lugar de Giuseppe Farina no Grande Prêmio da Suíça de 1953 quando estes corriam pela Ferrari.[14] De volta ao presente, a etapa sul-africana marcou a derradeira vitória de Riccardo Patrese na categoria até o Grande Prêmio de San Marino de 1990[15] e foi a última prova disputada por Danny Sullivan, Jean-Pierre Jarier e Raul Boesel.[16][17]

Nelson Piquet bicampeãoEditar

Na última volta da prova a emoção tomou conta da Brabham, cujos integrantes amontoaram-se nas cercanias da pista para saudar Nelson Piquet. Em meio aos gritos de alegria pelo título, inúmeras pessoas cercaram o sexto bicampeão mundial da história[nota 3] ao final da porfia e ao chegar aos boxes o brasileiro explicou que largou com pouca gasolina no tanque tornando o seu carro mais leve afim de abrir boa vantagem. "A partir daí ficou fácil e mais ainda quando Arnoux e Prost deixaram a corrida. Bastou então diminuir o ritmo para evitar riscos". Sobre a parte final da prova, Piquet confirmou a impressão de quem acompanhou a prova pela TV: "Eu podia ter vencido, mas preferi garantir apenas os pontos necessários para ser campeão", disse ele.[18]

Ao lado de sua mulher, Sylvia Tamsma, o brasileiro revelou que seus planos imediatos consistiam em ir para casa e descansar após uma conquista elogiada até por Alain Prost, que foi aos boxes da Brabham para saudar Nelson Piquet. Mesmo triste por não conquistar o título, o francês (que em 24 de outubro de 1983 anunciou seu retorno à McLaren) declarou: "Não deu, mas estou contente por Piquet, de quem sou amigo".[19][20]

Treinos classificatóriosEditar

1º treino classificatório
Pos. Piloto Chassi/Motor Tempo
1 27   Patrick Tambay Ferrari 1:06.554
2 5   Nelson Piquet Brabham-BMW 1:06.792
3 15   Alain Prost Renault 1:07.186
4 28   René Arnoux Ferrari 1:07.222
5 1   Keke Rosberg Williams-Honda 1:07.256
6 9   Manfred Winkelhock ATS-BMW 1:07.726
7 2   Jacques Laffite Williams-Honda 1:07.931
8 11   Elio de Angelis Lotus-Renault 1:07.937
9 8   Niki Lauda McLaren-TAG/Porsche 1:07.974
10 35   Derek Warwick Toleman-Hart 1:08.061
11 16   Eddie Cheever Renault 1:08.069
12 6   Riccardo Patrese Brabham-BMW 1:08.181
13 7   John Watson McLaren-TAG/Porsche 1:08.328
14 36   Bruno Giacomelli Toleman-Hart 1:08.350
15 22   Andrea de Cesaris Alfa Romeo 1:08.970
16 23   Mauro Baldi Alfa Romeo 1:09.364
17 12   Nigel Mansell Lotus-Renault 1:09.443
18 3   Michele Alboreto Tyrrell-Ford 1:11.096
19 4   Danny Sullivan Tyrrell-Ford 1:11.750
20 30   Thierry Boutsen Arrows-Ford 1:11.988
21 25   Jean-Pierre Jarier Ligier-Ford 1:12.017
22 29   Marc Surer Arrows-Ford 1:12.309
23 26   Raul Boesel Ligier-Ford 1:12.745
24 17   Kenny Acheson RAM-Ford 1:13.352
25 31   Corrado Fabi Osella-Alfa Romeo 1:14.483
26 32   Piercarlo Ghinzani Osella-Alfa Romeo 1:14.903
2º treino classificatório
Pos. Piloto Chassi/Motor Tempo
1 5   Nelson Piquet Brabham-BMW 1:06.821
2 6   Riccardo Patrese Brabham-BMW 1:07.001
3 27   Patrick Tambay Ferrari 1:07.029
4 28   René Arnoux Ferrari 1:07.105
5 1   Keke Rosberg Williams-Honda 1:07.344
6 12   Nigel Mansell Lotus-Renault 1:07.643
7 9   Manfred Winkelhock ATS-BMW 1:07.682
8 22   Andrea de Cesaris Alfa Romeo 1:07.759
9 11   Elio de Angelis Lotus-Renault 1:07.980
10 15   Alain Prost Renault 1:08.136
11 35   Derek Warwick Toleman-Hart 1:08.301
12 16   Eddie Cheever Renault 1:08.360
13 36   Bruno Giacomelli Toleman-Hart 1:08.439
14 8   Niki Lauda McLaren-TAG/Porsche 1:08.587
15 23   Mauro Baldi Alfa Romeo 1:08.628
16 2   Jacques Laffite Williams-Honda 1:08.652
17 7   John Watson McLaren-TAG/Porsche 1:10.635
18 3   Michele Alboreto Tyrrell-Ford 1:11.284
19 4   Danny Sullivan Tyrrell-Ford 1:11.382
20 30   Thierry Boutsen Arrows-Ford 1:11.658
21 29   Marc Surer Arrows-Ford 1:12.049
22 25   Jean-Pierre Jarier Ligier-Ford 1:12.538
23 26   Raul Boesel Ligier-Ford 1:13.330
24 31   Corrado Fabi Osella-Alfa Romeo 1:13.656
25 32   Piercarlo Ghinzani Osella-Alfa Romeo 1:15.503
26 31   Kenny Acheson RAM-Ford sem tempo

Grid de largada e classificação da provaEditar

Grid de largada
Pos. Piloto Chassi/Motor Tempo
1 27   Patrick Tambay Ferrari 1:06.554
2 5   Nelson Piquet Brabham-BMW 1:06.792
3 6   Riccardo Patrese Brabham-BMW 1:07.001
4 28   René Arnoux Ferrari 1:07.105
5 15   Alain Prost Renault 1:07.186
6 1   Keke Rosberg Williams-Honda 1:07.256
7 12   Nigel Mansell Lotus-Renault 1:07.643
8 9   Manfred Winkelhock ATS-BMW 1:07.682
9 22   Andrea de Cesaris Alfa Romeo 1:07.759
10 2   Jacques Laffite Williams-Honda 1:07.931
11 11   Elio de Angelis Lotus-Renault 1:07.937
12 8   Niki Lauda McLaren-TAG/Porsche 1:07.974
13 35   Derek Warwick Toleman-Hart 1:08.061
14 16   Eddie Cheever Renault 1:08.069
15 7   John Watson McLaren-TAG/Porsche 1:08.328
16 36   Bruno Giacomelli Toleman-Hart 1:08.350
17 23   Mauro Baldi Alfa Romeo 1:08.628
18 3   Michele Alboreto Tyrrell-Ford 1:11.096
19 4   Danny Sullivan Tyrrell-Ford 1:11.382
20 30   Thierry Boutsen Arrows-Ford 1:11.658
21 25   Jean-Pierre Jarier Ligier-Ford 1:12.017
22 29   Marc Surer Arrows-Ford 1:12.049
23 26   Raul Boesel Ligier-Ford 1:12.745
24 17   Kenny Acheson RAM-Ford 1:13.352
25 31   Corrado Fabi Osella-Alfa Romeo 1:13.656
26 32   Piercarlo Ghinzani Osella-Alfa Romeo 1:14.903
Classificação da prova
Pos. Piloto Chassi/Motor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 6   Riccardo Patrese Brabham-BMW 77 1:33'25.708 3 9
2 22   Andrea de Cesaris Alfa Romeo 77 + 9.319 9 6
3 5   Nelson Piquet Brabham-BMW 77 + 21.969 2 4
4 35   Derek Warwick Toleman-Hart 76 + 1 volta 13 3
5 1   Keke Rosberg Williams-Honda 76 + 1 volta 6 2
6 16   Eddie Cheever Renault 76 + 1 volta 14 1
7 4   Danny Sullivan Tyrrell-Ford 75 + 2 voltas 19
8 29   Marc Surer Arrows-Ford 75 + 2 voltas 22
9 30   Thierry Boutsen Arrows-Ford 74 + 3 voltas 20
10 25   Jean-Pierre Jarier Ligier-Ford 73 + 4 voltas 21
11 8   Niki Lauda McLaren-TAG/Porsche 71 Pane elétrica 12
12 17   Kenny Acheson RAM-Ford 71 + 6 voltas 24
NC 12   Nigel Mansell Lotus-Renault 68 Não classificado 7
NC 26   Raul Boesel Ligier-Ford 66 Não classificado 23
Ret 3   Michele Alboreto Tyrrell-Ford 60 Motor 18
Ret 27   Patrick Tambay Ferrari 56 Turbo 1
Ret 36   Bruno Giacomelli Toleman-Hart 56 Turbo 16
Ret 15   Alain Prost Renault 35 Turbo 5
Ret 31   Corrado Fabi Osella-Alfa Romeo 28 Motor 25
Ret 11   Elio de Angelis Lotus-Renault 20 Motor 11
DSQ 7   John Watson McLaren-TAG/Porsche 18 Desclassificado 15 [nota 4]
Ret 28   René Arnoux Ferrari 9 Motor 4
Ret 23   Mauro Baldi Alfa Romeo 5 Motor 17
Ret 9   Manfred Winkelhock ATS-BMW 1 Motor 8
Ret 2   Jacques Laffite Williams-Honda 1 Rodou 10
Ret 32   Piercarlo Ghinzani Osella-Alfa Romeo 1 Motor 26

Tabela do campeonato após a corridaEditar

  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas e os campeões da temporada surgem grafados em negrito. Entre 1981 e 1990 cada piloto podia computar onze resultados válidos por temporada não havendo descartes no mundial de construtores.

Notas

  1. Voltas na liderança: Nelson Piquet 59 voltas (1-59); Riccardo Patrese 18 voltas (60-77).
  2. Nelson Piquet e Riccardo Patrese usaram motores BMW nas provas da África do Sul, Bélgica, Países Baixos, Grã-Bretanha, França, Alemanha, Áustria, Suíça, Itália e Las Vegas. Nas corridas do Brasil e do Oeste dos EUA ambos correram com motores Ford, sendo que a Brabham não disputou o GP de San Marino. Fato curioso, porém, ocorreu nas provas de Mônaco, Detroit e Canadá onde Piquet correu com a chancela da BMW e Patrese utilizou os propulsores Ford.
  3. Além de Nelson Piquet, estavam inclusos neste grupo os pilotos Alberto Ascari, Graham Hill, Jim Clark, Emerson Fittipaldi e Niki Lauda.
  4. John Watson foi desclassificado por ultrapassar outros carros durante a volta de apresentação.

Referências

  1. a b «1983 South African Grand Prix - race result». Consultado em 23 de setembro de 2018 
  2. Fred Sabino (17 de abril de 2018). «Riccardo Patrese teve uma das carreiras mais longevas da história da Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  3. Fred Sabino (15 de outubro de 2018). «Técnica, inteligência, trabalho em equipe e velocidade: o sensacional bi de Piquet há 35 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 15 de outubro de 2018 
  4. a b c Possibilidades de cada um (online). O Globo, Rio de Janeiro (RJ), 15/10/1983. Matutina, Esportes, p. 22. Página visitada em 15 de outubro de 2020.
  5. Janos Lengyel (14 de outubro de 1983). «Piquet consegue o segundo tempo em Kyalami. Matutina, Esportes – p. 26». O Globo. Consultado em 15 de outubro de 2020 
  6. Fred Sabino (20 de maio de 2018). «Máquinas Eternas #7: McLaren MP4/2 arrasou concorrência e deu tri a Niki Lauda». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 15 de outubro de 2020 
  7. Fred Sabino (20 de junho de 2018). «Honda tem trajetória de triunfos históricos e grandes fracassos na Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 15 de outubro de 2020 
  8. a b «South African GP, 1983 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 15 de outubro de 2020 
  9. Janos Lengyel (15 de outubro de 1983). «Piquet sai na frente na luta pelo título. Matutina, Esportes – p. 22». O Globo. Consultado em 16 de outubro de 2020 
  10. a b Fred Sabino (15 de outubro de 2020). «Som alto, motores quebrados e humilhação a Prost: os bastidores do bicampeonato de Piquet». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 15 de outubro de 2020 
  11. a b Patrese ganha e ainda ajuda Piquet a vencer (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 16/10/1983. Esportes, Primeiro Caderno, p. 23. Página visitada em 23 de setembro de 2018.
  12. Janos Lengyel (16 de outubro de 1983). «Piquet é bicampeão do mundo. Matutina, Esportes – p. 38». O Globo. Consultado em 23 de setembro de 2018 
  13. Fred Sabino (29 de fevereiro de 2020). «Circuitos Clássicos #2: Kyalami teve corridas emocionantes, bi de Piquet e acidentes fatais». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 29 de fevereiro de 2020 
  14. «Swiss GP, 1953 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 17 de outubro de 2020 
  15. Fred Sabino (13 de maio de 2020). «Riccardo Patrese quebrou jejum de sete anos sem vitórias onde havia vivido desilusão». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 19 de outubro de 2020 
  16. Fred Sabino (9 de março de 2020). «Consagrado na Indy e com passagem rápida pela F1, Danny Sullivan comemora 70 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 19 de outubro de 2020 
  17. Fred Sabino (4 de dezembro de 2019). «Raul Boesel disputou duas temporadas na Fórmula 1 e não teve carro para mostrar talento». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 19 de outubro de 2020 
  18. Vicente Senna (16 de outubro de 1983). «Piquet se sente nas nuvens com o bicampeonato. Esportes – p. 22». Jornal do Brasil. Consultado em 19 de outubro de 2020 
  19. Alain Prost elogia o piloto e o carro (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 16/10/1983. Esportes, Primeiro Caderno, p. 22. Página visitada em 19 de outubro de 2020.
  20. Alain Prost está feliz na McLaren (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 25/10/1983. Esportes, Primeiro Caderno, p. 19. Página visitada em 19 de outubro de 2020.

Precedido por
Grande Prêmio da Europa de 1983
Campeonato Mundial de Fórmula 1 da FIA
Ano de 1983
Sucedido por
Grande Prêmio do Brasil de 1984
Precedido por
Grande Prêmio da África do Sul de 1982
Grande Prêmio da África do Sul
29ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio da África do Sul de 1984