Grande Prêmio da Europa de 1997

Resultados do Grande Prêmio da Europa de Fórmula 1 realizado em Jerez em 26 de outubro de 1997.[2] Décima sétima etapa do campeonato, foi vencido pelo finlandês Mika Häkkinen, que subiu ao pódio junto a David Coulthard numa dobradinha da McLaren-Mercedes, com Jacques Villeneuve em terceiro pela Williams-Renault, resultado que fez deste o novo campeão mundial.[3][4]

Grande Prêmio da Europa
de Fórmula 1 de 1997

Segundo (e último) GP da Europa em Jerez
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 26 de outubro de 1997
Nome oficial XLII European Grand Prix[1][nota 1]
Local Circuito de Jerez, Jerez de la Frontera, Cádis, Andaluzia, Espanha
Percurso 4.423 km
Total 69 voltas / 305.187 km
Condições do tempo Ensolarado
Pole
Piloto
Canadá Jacques Villeneuve Williams-Renault
Tempo 1:21.072
Volta mais rápida
Piloto
Alemanha Heinz-Harald Frentzen Williams-Renault
Tempo 1:23.135 (na volta 30)
Pódio
Primeiro
Finlândia Mika Häkkinen McLaren-Mercedes
Segundo
Reino Unido David Coulthard McLaren-Mercedes
Terceiro
Canadá Jacques Villeneuve Williams-Renault

Resumo da prova

editar

Reminiscências Ibéricas

editar

Quatro mundiais de Fórmula 1 foram decididos na Península Ibérica até hoje, a começar pelo Grande Prêmio da Espanha de 1951, onde a vitória de Juan Manuel Fangio pela Alfa Romeo em Pedralbes, garantiu o primeiro título do argentino.[5] Anos depois, a categoria deslocou-se rumo ao sudoeste, atravessou a Serra da Estrela e realizou o Grande Prêmio de Portugal de 1960 no Circuito da Boavista. Quem compareceu às ruas do Porto naquele fim de semana, vivenciou três fatos históricos: primeira pole position de John Surtees, primeiro pódio de Jim Clark, ambos da Lotus, e o bicampeonato de Jack Brabham, então na Cooper.[6]

Definida como última etapa do mundial de Fórmula 1 após 24 anos, a Península Ibérica vivenciou o seguinte: em vantagem na tabela, um piloto de ascendência germânica buscava o tricampeonato, enquanto seu rival de origem francesa almejava uma glória inédita após um vice-campeonato no ano anterior. No caso em questão, trata-se do Grande Prêmio de Portugal de 1984, inserido no calendário graças ao ladino Bernie Ecclestone, após a recusa de Flushing Meadows em Nova York e a impossibilidade de correr nas ruas de Fuengirola, no litoral espanhol.[7] Vencedor no Autódromo do Estoril, o francês Alain Prost fez dobradinha com o austríaco Niki Lauda, seu companheiro de equipe na McLaren, com Ayrton Senna em terceiro lugar a bordo da Toleman.[8] Graças a esse resultado, Niki Lauda sagrou-se tricampeão mundial com meio ponto de vantagem sobre Alain Prost.[9] Entretanto, o francês foi o segundo colocado com a Williams no Grande Prêmio de Portugal de 1993, assegurando seu quarto e último campeonato.[10]

Retirado do calendário de 1997, o Grande Prêmio de Portugal foi substituído pelo Grande Prêmio da Europa no Circuito de Jerez,[11] local onde Michael Schumacher venceu em 1994.[12] Agora na Ferrari, o alemão queria o tricampeonato, enquanto Jacques Villeneuve, da Williams, almejava uma conquista inédita para a sua carreira.

Schumacher ou Villeneuve?

editar

Michael Schumacher estreou no Grande Prêmio da Bélgica de 1991 como piloto da Jordan[13] e na corrida seguinte já estava na Benetton e foi sob as ordens de Flavio Briatore que o alemão conquistou os títulos mundiais de 1994 e 1995. No primeiro caso, o desfecho aconteceu no Grande Prêmio da Austrália quando, com um ponto de vantagem na tabela, bateu de maneira proposital na Williams de Damon Hill,[14] mas no ano seguinte o título veio em terras japonesas ao vencer o Grande Prêmio do Pacífico, encerrando o certame algum tempo depois com 33 pontos de vantagem sobre o filho de Graham Hill.[15] Contratado pela Ferrari em agosto de 1995 a fim de soergue-la, o germânico fez seu primeiro teste com a nova equipe em 21 de novembro daquele ano,[16] estreando pela mesma sob a direção de Jean Todt no Grande Prêmio da Austrália de 1996. Embora tenha sofrido quebras por falta de confiabilidade do equipamento, ele venceu na Espanha, Bélgica, e Itália, terminando o campeonato em terceiro, atrás de Damon Hill e Jacques Villeneuve, então pilotos da Williams.[17][18][19]

Embora não dispusesse do melhor carro do grid (afinal a Williams foi campeã de construtores em 1997), a Ferrari melhorou com a contratação do engenheiro Ross Brawn, do projetista Rory Byrne e a experiência de Michael Schumacher, que tornou-se líder do mundial de pilotos graças à sua regularidade, pois pontuou em treze das dezesseis corridas anteriores ao Grande Prêmio da Europa somando 78 pontos, embora tivesse duas vitórias a menos que Jacques Villeneuve. Graças a esse retrospecto, o caminho do alemão rumo ao título é relativamente simples, basta chegar à frente de seu adversário ou torcer para que o canadense não pontue, uma tarefa relativamente simples, pois o único erro de Schumacher durante o ano foi sua largada bisonha no Grande Prêmio da Argentina, quando uma disputa roda a roda com Olivier Panis, da Prost, fez o germânico tocar na Stewart de Rubens Barrichello e abandonar a prova, mesmo destino da McLaren de David Coulthard.[20]

Vencedor de sete corridas ao longo do ano, Jacques Villeneuve necessita pontuar e manter Michael Schumacher atrás de si, do contrário não conquistará seu desejado título mundial. Filho de Gilles Villeneuve, iniciou sua carreira no kart em 1984, correu no Campeonato Italiano de Fórmula 3, Campeonato Japonês de Fórmula 3 e na Formula Atlantic, até chegar na Fórmula Indy em 1994, recebendo o título de "estreante do ano".[3] Após vencer as 500 Milhas de Indianápolis de 1995, meses depois foi campeão da Fórmula Indy.[3][21] Ao ser contratado pela Williams, submeteu-se a nove mil quilômetros de testes antes de estrear no Grande Prêmio da Austrália de 1996,[22] onde fez a pole position e liderou 50 das 58 voltas, mas devido a um vazamento de óleo no motor, abdicou da vitória e terminou em segundo lugar, atrás de Damon Hill, então seu companheiro de equipe. Ao todo, Villeneuve somou quatro vitórias e terminou seu ano de estreia na Fórmula 1 como vice-campeão.[23][24]

Promovido a piloto número um da Williams após a saída de Damon Hill, o canadense empata com Michael Schumacher em abandonos por abalroamento e falhas mecânicas, mas a depender do ponto de vista, é um milagre que o piloto de Grove ainda seja candidato ao título. Vide a bizarrice de Mônaco, onde Heinz-Harald Frentzen (pole position) e Jacques Villeneuve (terceiro colocado) largaram com pneus para pista seca (confiando na previsão de um meteorologista) enquanto as outras equipes escolheram pneus intermediários para correr no asfalto molhado. Assim, enquanto a Ferrari celebrou a vitória de Michael Schumacher e o terceiro lugar de Eddie Irvine, com a Stewart de Rubens Barrichello entre eles. Mas e o time de Frank Williams? Seus carros bateram e ficaram pelo caminho.[25] Porém, o infortúnio de Villeneuve é, essencialmente, culpa dele próprio ao bater na entrada da reta dos boxes e abandonar o Grande Prêmio do Canadá logo na segunda volta, quando estava na vice-liderança,[26] além de rodar e ficar preso na caixa de brita quando defendia o quinto lugar no Grande Prêmio da Alemanha e ser banido do Grande Prêmio do Japão por reincidir no desrespeito às bandeiras amarelas durante o treino de sábado.[27][28][nota 2]

A interposição de um recurso garantiu a participação de Jacques Villeneuve na corrida nipônica sob sursis, mas a quantidade de "avisos" para que retirassem a apelação indicava a possibilidade do agravamento da pena e da Williams não participar do Grande Prêmio da Europa, razão pela qual a equipe de Grove aceitou o veredicto e o canadense perdeu os pontos do quinto lugar obtido em Suzuka.[29] Com apenas dez pontuações em dezesseis possíveis, Villeneuve chega em baixa à decisão do título (mesmo na vice-liderança com 77 pontos), mas não pode reclamar da sorte: devido ao cancelamento da etapa portuguesa, o Grande Prêmio do Japão seria o último de 1997, mas o prestígio da Renault permitiu que a montadora francesa competisse em solo europeu na sua despedida da Fórmula 1,[30] embora tenha retornado à categoria em 2002, pouco depois de comprar a Benetton.[31][nota 3]

FIA veta "decisão por acidente"

editar

Nelson Piquet garantiu a pole position no Grande Prêmio do Canadá de 1980, mas logo na primeira curva após a largada, sua Brabham foi espremida na mureta do Circuito da Ilha de Notre Dame pela Williams de Alan Jones, resultando num pandemônio tão acentuado que exigiu o reinício da prova, fato capaz de eclipsar o caos da batida entre os candidatos ao título. Na vigésima terceira volta, o motor Ford de Piquet foi pelos ares e algum tempo depois o australiano venceu em Montreal e sagrou-se campeão do mundo.[32] Acidentes são intrínsecos ao automobilismo, mas a conversão dos mesmos em "estratégia de corrida" mudou a percepção do público a respeito desse recurso extremo.

Alain Prost girou o volante e bateu em Ayrton Senna quando este tentou ultrapassá-lo na quadragésima sétima volta do Grande Prêmio do Japão de 1989. Naquele instante, os pilotos da McLaren lideravam a corrida e como Prost estava em primeiro, ele seguia rumo ao título, mas recorreu a uma medida extrema para derrotar seu adversário, deixando o local em seguida, como se tivesse cumprido seu objetivo. Senna, por sua vez atravessou a área de escape, fez um pit stop, guiou de maneira férrea e venceu a corrida. Desclassificado por violar o regulamento (segundo os comissários, ele deveria dar ré e entrar na chicane no mesmo ponto onde saíra), o brasileiro foi fustigado e ameaçado por Jean-Marie Balestre, presidente da FIA e da extinta FISA, nos meses seguintes[33] e aguardou até o Grande Prêmio do Japão de 1990 para revidar e o fez na reta de Suzuka ao emparelhar sua McLaren com a Ferrari de Prost momentos após a largada, e quando os carros se tocaram e saíram da pista em alta velocidade, o campeonato foi decidido em favor de Senna.[34][35]

Nem a artimanha antiética de 1989 ou o revide temerário de 1990 receberam reprimendas ou sanções por parte da FIA e da FISA, comandadas naquele momento por um conterrâneo, aliado e amigo de Alain Prost.[36] Mas em 15 de fevereiro de 1991, a FISA divulgou um conjunto de medidas, entre elas a punição dos "pilotos causadores de acidentes".[37] Tais regras tornaram os pilotos corresponsáveis pela segurança nas pistas, arrefecendo os ânimos entre os competidores, embora as "rusgas eventuais" cativassem os fãs.[38] Já sob o comando de Max Mosley, a FIA absorveu a FISA e enfrentou uma série de eventos traumáticos durante o Grande Prêmio de San Marino de 1994: o acidente de Rubens Barrichello na sexta-feira, a morte de Roland Ratzenberger no sábado e a morte de Ayrton Senna no domingo, além do acidente de Karl Wendlinger em Mônaco, sem mencionar os sustos entre a prova monegasca e a da Espanha: Pedro Lamy fraturou as pernas num teste da Lotus em Silverstone e Olivier Panis acidentou-se com a Ligier na França, ambos por quebra da asa traseira, mas nada superou o déjà vu de Andrea Montermini: substituto de Roland Ratzenberger na Simtek, o italiano perdeu os sentidos ao bater com violência na entrada da reta dos boxes no Circuito de Barcelona e fraturar os pés.[39][40][41][42][43][44]

Solapada em seus alicerces, a Fórmula 1 tornou-se mais rígida quanto às suas regras, protocolos e questões relativas à segurança: no Grande Prêmio da Grã-Bretanha, não se sabe por qual razão objetiva, Michael Schumacher colocou sua Benetton à frente de Damon Hill por três vezes durante a volta de apresentação, sendo que o britânico da Williams era o pole position. O alemão recebeu um stop and go de cinco segundos, mas não cumpriu a punição e recebeu uma bandeira preta, contudo uma ação de bastidores envolvendo os comissários desportivos, a direção de prova e a cúpula da Benetton (formada por Flavio Briatore, Ross Brawn, Tom Walkinshaw, Joan Villadelprat e Pat Symonds) anulou a bandeira preta, Schumacher cumpriu o stop and go, terminou em segundo lugar e sua equipe foi multada em US$ 25 mil.[45]

No final de julho, o Conselho Mundial da FIA reuniu-se em Paris para julgar as infrações ocorridas em Silverstone, a principal delas a conduta de Michael Schumacher e da Benetton. Desclassificado desta prova, o piloto ficou sem os pontos conquistados e foi suspenso por duas corridas, enquanto a equipe das cores unidas foi multada em US$ 500 mil pela fanfarronice em terras britânicas e US$ 100 mil pela detecção de programas (ou mecanismos) ilegais nos seus computadores, neste caso após auditoria da Liverpool Data Research Associates.[46][47][48] Mediante recurso, Schumacher pôde correr nas três etapas seguintes, mas foi desclassificado no Grande Prêmio da Bélgica,[49] quando uma vistoria técnica detectou um desgaste acima do permitido na prancha lígnea inserta sob o assoalho de seu carro e Damon Hill herdou a vitória, assim como triunfou no Grande Prêmio da Itália e no Grande Prêmio de Portugal, onde o alemão não correu devido à punição que recebera, confirmada num veredicto unânime pelo Tribunal Internacional de Apelações da FIA.[50][51]

Cumprida a sentença e encerradas as questões jurídicas,[nota 4] a disputa pelo título seguiu de maneira ferrenha nas etapas seguintes, contudo, as preocupações com segurança e os valores desportivos caíram por terra no Grande Prêmio da Austrália de 1994, quando pressionado pela Williams de Damon Hill, o alemão Michael Schumacher saiu da pista, bateu no muro externo da curva East Terrace, voltou ao traçado e jogou sua Benetton em cima do rival e sagrou-se campeão mundial por um ponto de vantagem.[14][52] Dias depois, um comunicado da FIA asseverou não existirem provas suficientes para convocar Schumacher e Hill perante o Conselho Mundial, encerrando assim as incertezas sobre o título de 1994, todavia a guardiã do automobilismo "estuda medidas para evitar futuras decisões polêmicas em seus campeonatos",[53] com o fito de "evitar que um próximo Mundial possa ser decidido em um acidente".[53] Três anos depois, a presença do alemão disputando o título em condições similares, reavivou a memória dos que temem um desfecho igual no quesito urbanidade desportiva, sobretudo porque foi ele quem soprou o braseiro: "Não tenho dúvidas de que Jacques Villeneuve é um adversário leal. Penso apenas que Heinz-Harald Frentzen pode passar dos limites tentando bloquear meu caminho".[54]

Fazer uma declaração nesses termos não é usual ou aceitável, no entanto o ferrarista agiu de caso pensado, pois evita questionamentos sobre os acidentes contra Mika Häkkinen no Grande Prêmio de Macau de 1990 e Damon Hill no Grande Prêmio da Austrália 1994, além de fustigar psicologicamente a dupla da Williams.[55][14] No entanto, cogitar que a decisão do título mundial possa ocorrer num acidente revelou-se inadequada, obrigando Schumacher a mudar o discurso. "Todos querem ver uma luta direta entre Jacques e eu, e é o que quero também. Quero vencer a corrida e, assim, vencer o campeonato, e não por um acidente ou algo do tipo. Este não é o meu objetivo".[56]

Triplo empate no treino oficial

editar

Na sexta-feira a pista de Jerez estava empoeirada e na manhã de sábado tinha pouca aderência, mas os bloqueios "incomuns" de Irvine sobre Villeneuve lembraram ao público a inquietante possibilidade de um acidente entre os candidatos ao título. Mesmo resfriado, o canadense da Williams foi ao box da Ferrari e desferiu impropérios contra o número dois da equipe vermelha antes de falar sobre o caso. “Esta é a quarta vez que ele faz isso comigo aqui em dois dias. É apenas um jogo psicológico estúpido que eles estão jogando",[57] declarou o vice-líder do certame para, em seguida, ressaltar o quão longe a Ferrari está disposta a ir para que Michael Schumacher vença o campeonato.

Quando os carros saíram dos boxes rumo ao asfalto para o treino oficial, demorou quatorze minutos para que Villeneuve extraísse o máximo de seu primeiro jogo de pneus com 1:21,072, melhor tempo do dia. Inquieto, o público aguardou pela resposta de Schumacher e quando este cruzou a linha de chegada, surpresa: ele marcou o mesmo tempo do adversário! No box da Williams, a apreensão deu lugar ao alívio, enquanto na Ferrari os semblantes eram de decepção. Sem poder contar com Irvine por "insuficiência de desempenho", o time de Maranello acompanhou a volta rápida de Frentzen e ao final da mesma aconteceu o impossível, pois o outro piloto de Frank Williams igualou Villeneuve e Schumacher, ou seja, ocorreu um empate triplo em busca da pole position, algo inédito na Fórmula 1.[58]

O furor em torno dessa proeza foi tanto que os jornalistas esmiuçaram a cronometragem da TAG Heuer, apenas para atestar-lhe a lisura. Conforme as regras, Jacques Villeneuve assegurou a pole position, com Michael Schumacher em segundo e Heinz-Harald Frentzen em terceiro lugar, respeitando a ordem na qual eles foram à pista e marcaram seus tempos. Enquanto isso, poucos destacaram o excelente quarto lugar de Damon Hill com a Arrows, apenas cinquenta e oito milésimos de segundo abaixo da tríade veloz. Finda a sessão, Villeneuve e Schumacher mostraram-se satisfeitos com o resultado, enquanto Frentzen e Hill tinham algo mais a dizer. O alemão da Williams declarou não ter feito melhor porque ficou de lado na chicane em sua tentativa, enquanto Hill foi taxativo: poderia ter ficado em primeiro se a Minardi de Ukyo Katayama não tivesse rodado à sua frente na última curva. Finalizando o grupo dos melhores classificados, a McLaren capturou a terceira fila com Mika Häkkinen e David Coulthard.[57]

Perquirindo os resultados de sábado, não se pode negar o valor da pole position de Jacques Villeneuve (a última na carreira do mesmo), mas como é Michael Schumacher quem detém a vantagem na classificação, a distribuição de forças no grid influirá no resultado da porfia entre os dois. O canadense da Williams terá a salvaguarda de Frentzen, mas o alemão da Ferrari conta com Eddie Irvine para equilibrar o jogo e disporá do auxílio de seu irmão, Ralf Schumacher; e mesmo que Damon Hill alie-se ao grupo de Villeneuve, os carros da Sauber podem ser requisitados a intervir por Jean Todt, diretor-geral da Ferrari, afinal os motores de Johnny Herbert e Norberto Fontana vêm de Maranello.[59] Caso assuma o primeiro lugar após a largada, Michael Schumacher terá mais "aliados" em relação ao seu adversário e essa "miríade de possibilidades" atiçou quem era "conspiracionista". No warm-up realizado na manhã de domingo, Mika Häkkinen foi o mais veloz e os aspirantes ao título pilotaram com discrição, contudo Max Mosley foi o responsável pela declaração mais forte do dia, pois no briefing para os pilotos, ele fez uma longa explanação onde anunciou "punições draconianas" contra qualquer piloto que agisse para influenciar a decisão do mundial de Fórmula 1.[57]

Alheio ao clima subjacente de tensão, Gerhard Berger despede-se da Fórmula 1. Egresso da ATS, ele estreou no Grande Prêmio da Áustria de 1984 e conquistou sua primeira vitória, e também da Benetton, no Grande Prêmio do México de 1986. Último piloto escolhido por Enzo Ferrari para guiar os famosos carros vermelhos, sobreviveu a um grave acidente no Grande Prêmio de San Marino de 1989,[60] assinou para correr na McLaren no contexto da Rivalidade Senna–Prost como substituto do francês, tornando-se amigo do piloto brasileiro. Retornou à Ferrari em 1993 e à Benetton em 1996, vencendo o Grande Prêmio da Alemanha de 1997, último triunfo de sua carreira e da equipe do clã Benetton.[61] Enfim, Berger somou 12 poles e 10 vitórias em 210 grandes prêmios. Também encerram suas carreiras neste dia o japonês Ukyo Katayama e o argentino Norberto Fontana.[62] Ainda sobre a Benetton, esta será a última corrida de Flavio Briatore como chefe da equipe, a qual será comandada por David Richards.[63]

Na seara das efemérides, esta foi a última corrida dos motores V-8 até o Grande Prêmio do Barein de 2006, e a última com pneus slick até o Grande Prêmio da Austrália de 2009. Ademais, o próximo canadense a marcar uma pole position foi Lance Stroll com a Racing Point no Grande Prêmio da Turquia de 2020, e o último empate nos treinos aconteceu na primeira fila do Grande Prêmio do Canadá de 2024, entre George Russell e Max Verstappen, respectivamente, pilotos da Mercedes e Red Bull.[64][65][66][67][68]

Dry Sack, a curva da infâmia

editar

Erro, hesitação, medo de acidente ou questão de estratégia. Não se sabe a razão, mas o fato é que a pole position de Villeneuve não teve serventia, pois ele foi superado por Schumacher na largada. Cauteloso e literalmente febril, o canadense deixou seu companheiro de equipe tomar o segundo lugar e perseguir a Ferrari visando desgastá-la ou induzir o alemão vermelho ao erro, mas este impôs quase dois segundos de vantagem sobre Frentzen ao final da primeira volta. Examinando as imagens da largada, nota-se a melhor tração da Ferrari no momento do arranque, pois o bólido de Maranello largou com pneus novos enquanto seu concorrente optou por compostos usados. Durante as seis primeiras voltas, a diferença em prol de Schumacher manteve-se em torno de dois segundos, embora tanto Frentzen quanto Villeneuve fossem rápidos o bastante para acompanhar o ritmo de seu adversário comum. Todavia, como Frentzen não representava uma ameaça efetiva ao líder da prova, Villeneuve reassume a vice-liderança no oitavo giro, a mais de quatro segundos da Ferrari. Ávido pela ultrapassagem, o filho de Gilles Villeneuve imprimiu um ritmo forte à sua pilotagem, não descontando, porém, mais que alguns décimos de segundo.[69]

Resoluto, Schumacher aumentou a diferença para mais de cinco segundos antes de fazer seu pit stop na vigésima primeira volta, pouco antes de Villeneuve. Na volta à pista, Frentzen e Hakkinen estavam adiante de Schumacher, com a McLaren de Coulthard em quarto por algum tempo antes deste ir para os boxes e Villeneuve assumir essa posição, a menos de meio segundo de Schumacher. Quando Frentzen seguiu rumo ao pit lane, este diferença dobrou porque a Williams de Villeneuve resvalou na terra e levantou poeira na caça à liderança defendida por Schumacher. A partir da volta vinte e oito, os retardatários entraram em cena, reduzindo-se a diferença para menos de um segundo até que, na volta trinta e um, a Sauber de Norberto Fontana abriu passagem para a Ferrari de Schumacher quase instantaneamente, mas bloqueou a Williams de Villeneuve de modo acintoso, aumentando a diferença em favor do alemão de oito décimos para mais de três segundos! Prejudicado, Villeneuve extraiu toda a velocidade do seu carro, reduzindo sua desvantagem para um segundo e meio na trigésima oitava passagem, antes de alcançar uma nova fileira de retardatários. Em certo momento, a diferença entre os líderes caiu para um segundo, mas aumentou sete décimos em razão do tráfego.[56][57][69]

Com pista livre, Schumacher pisa no acelerador e impõe uma diferença de dois segundos em relação a Villeneuve. Entre eles, o alemão é o primeiro a fazer mais um pit stop na volta quarenta e três, pouco antes do canadense, mas este voltou à pista em terceiro lugar, tendo Coulthard entre ele e o líder Schumacher. Disposto a não causar embaraço, o britânico da equipe prateada foi para os boxes na volta quarenta e cinco, deixando os candidatos ao título a dois segundos e meio de distância, margem reduzida para um segundo em razão do bom rendimento da Williams de Villeneuve. Guarnecido pelo terceiro lugar de Frentzen, o canadense acelerou sem ressalvas e logo estava a apenas quatro décimos da Ferrari. Aproveitando a melhor aderência ocasionada por seus pneus, o melhor equilíbrio do carro e a aceleração proporcionada pela reta que antecede a curva Dry Sack, Villeneuve mergulhou por dentro na freada e pôs duas rodas na zebra a fim de ultrapassar mas, ao perceber a manobra, Schumacher jogou o carro em cima do adversário e nisso a roda dianteira direita da Ferrari bateu entre as rodas da Williams e em poucos segundos Schumacher atolou na caixa de brita enquanto Villeneuve seguiu em frente, temendo a extensão dos danos em seu carro.[3][4][70][71]

Capturado em sua própria armadilha, Schumacher revolveu terra e levantou poeira à beira da pista acelerando a Ferrari sem tirá-la da área de escape. Ainda usando capacete, deixou o local e subiu numa motoneta para voltar aos boxes, onde torceria por uma quebra do rival, afinal a batida aconteceu na volta 48 e o bólido do canadense poderia não resistir às 69 voltas previstas. Sabendo disso, a Williams examinou a telemetria a pedido de Villeneuve e constatou que a suspensão do FW19 não sofreu avarias e tão absorta estava a equipe de Grove que nem perceberam um erro de Heinz-Harald Frentzen: num lance não captado pela televisão, ele parou nos boxes da Benetton na volta quarenta e nove antes de dirigir-se para o local correto. Alegando ter sido "ofuscado pelo sol", o alemão caiu da vice-liderança para o sexto lugar. Dois giros mais tarde, Jock Clear, engenheiro de corrida responsável por Villeneuve, informou ao piloto que os danos em seu carro não eram graves, embora o líder da corrida relatasse vibrações no maquinário.[69]

O gesto tresloucado de Michael Schumacher fez dele o quinto e último piloto a abandonar a prova. Antes, falhas mecânicas deixaram Damon Hill pelo caminho em sua despedida da Arrows, mesmo destino de Ralf Schumacher (futuro companheiro de Hill na Jordan) e dos brasileiros Rubens Barrichello (Stewart) e Pedro Paulo Diniz (segundo piloto da Arrows).

Jacques Villeneuve campeão

editar

Quando foi abalroado, Villeneuve estava quinze segundos à frente de Coulthard, mas a força da batida provocada por Schumacher fez a Williams girar quatro segundos mais devagar em relação aos carros da McLaren, pois Häkkinen também apertou o ritmo e conforme as voltas seguiam, os carros prateados de Woking descontavam em torno de um segundo por volta em relação ao líder. As imagens da transmissão indicavam o funcionamento normal do carro azul e branco de Villeneuve, ainda assim, as conversas entre Frank Williams e Patrick Head captadas pela TV indicavam, no mínimo, uma "atenção redobrada" ao que se passava. Na volta sessenta e quatro, o canadense deixou-se ultrapassar pelo retardatário Shinji Nakano, da Prost, e logo depois fez uma volta quase três segundos mais lenta que Coulthard, o vice-líder.[69]

Menos de dois segundos separavam Villeneuve e Coulthard e o britânico tinha Häkkinen a um segundo de si, enquanto a Ferrari de Irvine, a Benetton de Berger e a Williams de Frentzen estavam duelando desde a infame volta quarenta e oito num ritmo intenso a ponto de aproximá-los dos três primeiros, criando um cenário relativamente imprevisível para o desfecho da corrida. Em certo momento, a Jordan do retardatário Giancarlo Fisichella posicionou-se entre Villeneuve e os bólidos da McLaren, mas o rendimento da equipe de Ron Dennis indicava um desfecho óbvio e nisso Coulthard cedeu sua posição a Häkkinen na abertura do sexagésimo sétimo giro.[69] Avesso aos riscos, Villeneuve não se opôs quando o finlandês o superou próximo à chicane Ayrton Senna, e ao perder estabilidade e sentir o carro "balançar" com a rápida aproximação de Coulthard, o piloto da Williams nada fez quando seu rival britânico o sobrepujou na última curva antes da linha de chegada, mas o canadense garantiu o terceiro lugar e com ele o título mundial.[69]

Quarto colocado, o austríaco Gerhard Berger encerrou sua carreira de forma digna para si mesmo e a Benetton ao superar a Ferrari de Eddie Irvine nos metros finais da contenda, restando a Williams de Heinz-Harald Frentzen em sexto lugar. Graças à mixórdia ocorrida na última volta, menos de cinco segundos separaram os componentes da zona de pontuação.[1] Mika Häkkinen, David Coulthard e Jacques Villeneuve subiram ao pódio e nele a fleuma da ocasião foi entremeada pelo sorriso do canadense, campeão mundial de pilotos com 81 pontos, enquanto a Williams somou 123 pontos, tornando-se recordista de títulos entre os construtores com nove troféus.[72] Ao final da cerimônia, na qual esteve presente Max Mosley, presidente da FIA, os pilotos da McLaren puseram Jacques Villeneuve sobre seus ombros e este abriu os braços em sinal de vitória. Com um título a celebrar, entretanto, Villeneuve exalava alegria. "Estou aliviado. A comemoração de hoje será uma grande festa com a minha equipe".[71] Ao reencontrar os seus, o campeão foi novamente erguido nos braços do time, com alguns integrantes usando perucas loiras em alusão aos cabelos do mesmo, e não sendo possível encontrar um local para comemorar, a festa do título aconteceu no bar do hotel de forma improvisada e divertida onde o campeão mundial atuou como garçom e também foi para o balcão.[4][73]

Altivo, Mika Häkkinen comemorou sua primeira vitória e a primeira de um finlandês na Fórmula 1 desde Keke Rosberg no Grande Prêmio da Austrália de 1985, além do mais, o segundo lugar de David Coulthard garantiu a primeira dobradinha ao time de Woking desde a vitória de Gerhard Berger e o segundo lugar de Ayrton Senna no Grande Prêmio do Japão de 1991 (onde o brasileiro foi tricampeão) e a primeira dobradinha com os motores Mercedes.[74][75][76][77] Primeiro canadense campeão mundial, Jacques Villeneuve, é também o primeiro originário da América do Norte e da América Anglo-Saxônica desde Mario Andretti em 1978[nota 5] e o primeiro não europeu a conquistar o título desde 1991. Por fim, seu nome figura em dois grupos seletos: o de campeões de Fórmula 1 a vencer as 500 Milhas de Indianápolis, ao lado de Jim Clark, Graham Hill, Mario Andretti e Emerson Fittipaldi,[78] e o de campeões a "unificar" os títulos da Fórmula 1 e Fórmula Indy, junto a Mario Andretti, Emerson Fittipaldi e Nigel Mansell.[79][80][81][82][nota 6]

Punição ambígua ao infrator

editar

Garantido o seu lugar na História, o campeão mundial de 1997 recorreu ao deboche para descrever a felonia do adversário: "Não foi erro de cálculo. Ou o Michael estava com os olhos fechados ou sua mão escorregou do volante. Ele bateu tão forte que meu carro saiu do chão. Pensei que não conseguiria terminar a prova. Achei que a suspensão tinha quebrado".[71] Após examinarem a questão, os comissários da FIA decidiram tratar-se de um "incidente de corrida", motivo pelo qual a decisão de Paul Gutjahr, Jacques Regis e Javier Conesa foi vaiada de forma estrepitosa na sala de imprensa.[57] Por falar nos mass media, a tônica dos mesmos foi de condenação ao ocorrido. Em Bonn, o General-Anzeiger foi sucinto: "Com uma manobra torpe e anti-esportiva (sic), Michael Schumacher converte seu rival Jacques Villeneuve em campeão mundial".[83] Para o Bild, "Schumacher foi o culpado pelo acidente. Ele apostou alto e perdeu tudo – o campeonato mundial e sua reputação para o fair play. Não há dúvida de que ele queria eliminar Villeneuve".[84] Já o Frankfurter Allgemeine o classificou como "um kamikaze sem honra".[84]

Compassivo, o presidente da Ferrari, Luca di Montezemolo, salientou que "Schumacher errou como qualquer ser humano às vezes erra",[83] mas segundo a manchete do Corriere dello Sport, "Schumacher precisa pedir perdão", enquanto La Gazzetta dello Sport definiu tudo com um pronome, um substantivo e um apelido: "Que estupidez, Schumi".[83] Cheio de mesuras sobre a própria conduta, o germânico declarou: "Eu sou humano como todo mundo e infelizmente cometi um erro. Não cometo muitos, mas desta vez aconteceu".[85] Embora indulgente, esta frase representa um recuo, pois antes ele "não via razão nenhuma para se desculpar" e "faria tudo de novo se estivesse na mesma situação".[85] Evocando 1994, o britânico Daily Mail sentenciou que o piloto da Ferrari "perdeu o último vestígio da sua reputação de desportista". Na mesma linha, o The Times disse que o piloto "sacrificou a sua reputação com um ato de tamanho cinismo que lhe negou-lhe o direito a qualquer simpatia".[84]

No Brasil, país de imigração italiana, a manobra do alemão mereceu uma crítica de Armando Nogueira: "Michael Schumacher me saiu um moço de baixa extração. O que ele fez na corrida de Jerez é, simplesmente, inconcebível".[86] Menos escorreito, Mário Andrada e Silva escreveu que o piloto da Ferrari "se comportou como o Dick Vigarista", o vilão trapaceiro do desenho Corrida Maluca.[71][87]

Em regra, discussões como essas têm por hábito desvanecer com o passar dos dias, mesmo alimentada pela imprensa. O teor das manchetes, entretanto, mostra que o público da Fórmula 1 não é mais tão leniente com as "decisões por acidente" e por esta razão a FIA convocou Michael Schumacher a fim de tratar sobre o ocorrido no Grande Prêmio da Europa.[70] Punir é intrínseco ao automobilismo, e o mais rigoroso castigo aconteceu em 18 de julho de 1984, quando a Tyrrell foi excluída do mundial em curso por utilizar, ilegalmente, esferas de chumbo como lastro no tanque de gasolina. Tanto os pilotos (Martin Brundle e Stefan Bellof) quanto a equipe perderam os pontos e seus rivais subiram uma posição na tabela a cada corrida.[88] Precedente há, mas a Ferrari é poderosa o bastante para resistir ao tacão da FIA, ou seja: Max Mosley que recorra aos sursis e preserve sua autoridade.

Antiguidade é posto, e na Fórmula 1 ninguém está adiante da Ferrari,[89] daí a curiosidade acerca do veredicto da FIA sobre Jerez. O artigo 123 do Código Desportivo Internacional tem por escopo uma diretriz: a equipe inscrita na competição será responsável por todos os atos ou omissões por parte dos pilotos e neste ponto Schumacher alegará não ter nada contra si, pois os comissários classificaram sua manobra contra Villeneuve como um "incidente de corrida". Outro dado a favor do tedesco será a presença da Ferrari (na pessoa de seu diretor esportivo, Jean Todt) entre os votantes no Conselho Mundial da FIA, direito reservado à mais antiga equipe de Fórmula 1.[90] Nesta versão moderna da Travessia do Rubicão, uma crítica do La Stampa, jornal da família Agnelli, reforçou a tese de punição a Schumacher: "A sua imagem de campeão foi destruída, como um vidro atingido por uma pedra".[84] A dúvida é saber até onde a FIA estava disposta a ir e o quanto a Ferrari poderia suportar.

Julgado em 11 de novembro de 1997, Michael Schumacher foi condenado e absolvido na mesma sentença. "Tínhamos de decidir se a atitude de Schumacher havia sido intencional ou não. Concluímos que sim, mas concluímos também que ele agiu instintivamente, que não premeditara o acidente. Por isso, castigar financeiramente ou com uma suspensão, não teria sido justo",[70] declarou Mosley à imprensa. No veredicto exarado, Schumacher foi culpado pelo acidente contra Villeneuve na curva Dry Sack na quadragésima oitava volta do Grande Prêmio da Europa e por isso desclassificado do mundial de 1997 nos compêndios da FIA e cada piloto atrás do ferrarista ascendeu uma posição na tabela, motivo pelo qual Heinz-Harald Frentzen, da Williams, foi reconhecido como vice-campeão mundial. No entanto, as bizarrices por trás da decisão logo vieram a público: a punição a Schumacher não foi estendida à Ferrari (mantida como vice-campeã de construtores com 102 pontos) e o alemão manteve seus resultados para fins estatísticos, tudo conquistado na pista por ele continua valendo, mesmo desclassificado.[70] Ao não invocar o artigo 123, a FIA ignorou as próprias regras, sujeitando-as a um "exame de conveniência".[91]

Condenar, ou absolver, Michael Schumacher, suportando o peso de tal decisão, teria sido mais digno para a FIA e a credibilidade da Fórmula 1 e inteligível para o público. Escolher uma solução intermediária resultou num teatro eufemista, tanto que a manobra definida em julgamento como "deliberada" e "não premeditada" foi redefinida como "instintiva" e "não intencional" num comunicado emitido pela Ferrari após o julgamento e finalizado nos seguintes termos: "Olhamos para o futuro depois de uma temporada magnífica".[92] Para Mosley, não seria justo suspender Schumacher ou multá-lo. "Conquistar o segundo lugar no campeonato mundial da FIA é algo impressionante e perder este título uma punição muito séria",[92] disse o cartola britânico. Como que em uníssono, Schumacher ensaiou sua contrição: "Aceito obviamente a penalidade. Perder o meu segundo lugar representa uma decisão muito dura tanto para mim quanto para a Ferrari. Tenho que admitir que cometi um erro e por isso aceito o castigo".[92]

Após a sentença, a única obrigação do germânico seria participar (por sete dias) de uma campanha em prol da segurança nas rodovias europeias,[93] contudo ele sofreu um constrangimento em janeiro de 1998, quando uma denúncia de um morador de Frankfurt acerca do acidente causado contra Villeneuve em Jerez levou o procurador Hans Bernhard Jansen a abrir uma investigação criminal contra Schumacher por tentativa de homicídio. De acordo com as autoridades alemãs, tal ação logo foi arquivada por "não ter sentido".[94][95]

Acordo Williams – McLaren

editar

Outro assunto levado ao Conselho Mundial da FIA além do relativo a Michael Schumacher, foi a denúncia de conluio entre Williams e McLaren para definir o resultado do Grande Prêmio da Europa.[96] Publicada pelo The Times, a malsinação tem origem nas conversas pelo rádio entre Jacques Villeneuve e o engenheiro Jock Clear. Nelas, a preocupação da Williams não dizia respeito aos carros de Ron Dennis e sim à Ferrari de Eddie Irvine, mais veloz que Villeneuve e a apenas cinco segundos deste na parte final da prova espanhola, mas como o britânico estava atrás de Mika Häkkinen e David Coulthard, nada poderia fazer para ameaçar o título do canadense.[96] Mesmo com a troca de posições na última volta, Irvine não foi capaz de ultrapassar os bólidos da McLaren e ainda perdeu o quarto lugar para a Benetton de Gerhard Berger devido à presença entre eles do retardatário Giancarlo Fisichella, da Jordan, com Heinz-Harald Frentzen em sexto lugar, a oito décimos de Irvine.

Em meio às gravações, a única frase "chamativa" partiu de Jock Clear, para quem Häkkinen foi "muito útil" naquele contexto, além de outro trecho onde piloto e engenheiro dão a entender que ambos discutiram a possibilidade de deixar os carros prateados passarem e Villeneuve conquistar o título com um terceiro lugar, afinal o filho de Gilles Villeneuve poderia sofrer um acidente ao opor-se à dupla da McLaren e perder o título mundial.[97] Este cenário catastrófico quase tornou-se realidade quando Häkkinen ultrapassou Villeneuve na última volta e o carro da Williams derrapou quando estava prestes a ser sobrepujado por Coulthard, caindo do primeiro para o terceiro lugar nos metros finais da prova, sendo esta a consumação de uma tese segundo a qual era melhor deixar a dupla da McLaren passar e com isso garantir o campeonato. Não houve ilicitude no material analisado pelo Conselho Mundial da FIA, tomando por base as palavras de Max Mosley: "Segundo a gravação, a única preocupação da Williams era determinar a Villeneuve que se preocupasse apenas em concluir a prova".[98]

Questionado sobre o julgamento, Ron Dennis afirmou: "Estou extremamente desapontado que um jornal de tamanho prestígio possa publicar uma história não apoiada pelos fatos. Parece ser uma tentativa deliberada de manchar a imagem de muito sucesso da Williams e da McLaren".[96] O dirigente britânico expressou-se forma decidida ao reafirmar a inexistência de "conluio", entretanto uma entrevista de David Coulthard à revista Autosport em 2014 revelou, ao menos, um "acordo de cavalheiros" entre o chefão da McLaren e Frank Williams. "Ron [Dennis] fez o acordo com Frank [Williams], do qual nenhum de nós sabia na época, que, se ajudássemos a Williams a bater a Ferrari, eles não ficariam em nosso caminho e ajudariam a McLaren. Ron provavelmente negaria esta história até hoje, mas foi isso o que aconteceu".[56]

Embora as declarações de Coulthard tenham valor histórico, não foram as únicas neste sentido: em 2006, o argentino Norberto Fontana admitiu ao Olé que bloqueou Jacques Villeneuve propositadamente após receber uma ordem de Jean Todt antes do Grande Prêmio da Europa, horas antes da corrida. Disse o então piloto da Sauber que, ao chegar ao motorhome do time suíço, o diretor-geral da Ferrari foi categórico: Fontana deveria bloquear Villeneuve caso cruzasse com ele na pista. Obediente, ele tolheu a Williams de Villeneuve por algum tempo após dar passagem à Ferrari de Schumacher. "Fechei-o durante três ou quatro curvas, também prejudicando a mim. Nem Schumacher, nem Todt, me agradeceram".[59] Ao tomar conhecimento das assertivas de seu ex-funcionário, Peter Sauber negou que a Ferrari desejasse obstruir os adversários do germânico naquele dia, embora os acontecimentos na pista deem às palavras do argentino um tom de veracidade.[59]

Jerez fora do calendário

editar

Palco de uma decisão eletrizante, o Circuito de Jerez deixou o calendário da Fórmula 1 por uma razão insólita. Antes da cerimônia de premiação, combinou-se que os escolhidos para entregar os troféus dependeriam do resultado final da prova para serem os dignitários da etapa. Presidente da Daimler-Benz, Jürgen Schrempp, não premiaria Villeneuve e a Williams caso vencessem, devido a ligação dos mesmos com a Renault. Entretanto, a dobradinha entre Häkkinen e Coulthard no final da prova permitiria que Schrempp entregasse o troféu para o vencedor da corrida ou seu companheiro de equipe, bem como para a McLaren, empurrada por motores Mercedes, porém a entrega das taças ignorou as mudanças na pista e Schrempp serviu apenas como um figurante de luxo.[99] Segundo testemunhas, Mosley aborreceu-se a ponto de gritar com Pedro Pacheco, o prefeito de Jerez de la Frontera, culpando-o pelo erro. "A interrupção causou embaraço e inconveniência para aqueles que entregaram os troféus e, portanto, nenhuma outra etapa do Campeonato Mundial de Fórmula 1 da FIA será realizada no Circuito de Jerez", declarou a FIA em comunicado oficial, dias depois.[99] Sob o olhar de Pacheco, foi um "ultraje", mas desde então, apenas testes de inverno aconteceram por lá, prática encerrada em 2015.[100][101][102][nota 7]

Três anos depois, o local foi renomeado "Circuito de Jerez – Ángel Nieto", em homenagem a Ángel Nieto, piloto do Campeonato Mundial de Motovelocidade, onde auferiu seis títulos nas 50cc e sete títulos na Moto3.[103][104] Outra homenagem ocorreu em 2019, quando a curva Dry Sack recebeu o nome de "Pedrosa", numa referência a Daniel Pedrosa, campeão mundial na Moto3 e bicampeão na Moto2.[105][nota 8] No mandato de Jean Todt como presidente da FIA, a volta de Jerez à Fórmula 1 chegou a ser especulada.[106][107]

Classificação da prova

editar

Treino oficial

editar
Pos. Piloto Construtor Tempo Dif.
1 3   Jacques Villeneuve Williams-Renault 1:21.072
2 5   Michael Schumacher Ferrari 1:21.072 + 0.000
3 4   Heinz-Harald Frentzen Williams-Renault 1:21.072 + 0.000
4 1   Damon Hill Arrows-Yamaha 1:21.130 + 0.058
5 9   Mika Häkkinen McLaren-Mercedes 1:21.369 + 0.297
6 10   David Coulthard McLaren-Mercedes 1:21.476 + 0.404
7 6   Eddie Irvine Ferrari 1:21.610 + 0.538
8 8   Gerhard Berger Benetton-Renault 1:21.656 + 0.584
9 14   Olivier Panis Prost-Mugen/Honda 1:21.735 + 0.663
10 7   Jean Alesi Benetton-Renault 1:22.011 + 0.939
11 23   Jan Magnussen Stewart-Ford 1:22.167 + 1.095
12 22   Rubens Barrichello Stewart-Ford 1:22.222 + 1.150
13 2   Pedro Paulo Diniz Arrows-Yamaha 1:22.234 + 1.162
14 16   Johnny Herbert Sauber-Petronas 1:22.263 + 1.191
15 15   Shinji Nakano Prost-Mugen/Honda 1:22.351 + 1.279
16 11   Ralf Schumacher Jordan-Peugeot 1:22.740 + 1.668
17 12   Giancarlo Fisichella Jordan-Peugeot 1:22.804 + 1.732
18 17   Norberto Fontana Sauber-Petronas 1:23.281 + 2.209
19 20   Ukyo Katayama Minardi-Hart 1:23.409 + 2.337
20 21   Tarso Marques Minardi-Hart 1:23.854 + 2.782
21 19   Mika Salo Tyrrell-Ford 1:24.222 + 3.150
22 18   Jos Verstappen Tyrrell-Ford 1:24.301 + 3.229
Limite dos 107%: 1:26.747
Fontes:[2]

Corrida

editar
Pos. Piloto Construtor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 9   Mika Häkkinen McLaren-Mercedes 69 1:38:57.771 5 10
2 10   David Coulthard McLaren-Mercedes 69 + 1.654 6 6
3 3   Jacques Villeneuve Williams-Renault 69 + 1.803 1 4
4 8   Gerhard Berger Benetton-Renault 69 + 1.919 8 3
5 6   Eddie Irvine Ferrari 69 + 3.789 7 2
6 4   Heinz-Harald Frentzen Williams-Renault 69 + 4.537 3 1
7 14   Olivier Panis Prost-Mugen/Honda 69 + 1:07.145 9
8 16   Johnny Herbert Sauber-Petronas 69 + 1:12.961 14
9 23   Jan Magnussen Stewart-Ford 69 + 1:17.487 11
10 15   Shinji Nakano Prost-Mugen/Honda 69 + 1:18.215 15
11 12   Giancarlo Fisichella Jordan-Peugeot 68 + 1 volta 17
12 19   Mika Salo Tyrrell-Ford 68 + 1 volta 21
13 7   Jean Alesi Benetton-Renault 68 + 1 volta 10
14 17   Norberto Fontana Sauber-Petronas 68 + 1 volta 18
15 21   Tarso Marques Minardi-Hart 68 + 1 volta 20
16 18   Jos Verstappen Tyrrell-Ford 68 + 1 volta 22
17 20   Ukyo Katayama Minardi-Hart 68 + 1 volta 19
Ret 5   Michael Schumacher Ferrari 47 Colisão 2
Ret 1   Damon Hill Arrows-Yamaha 47 Câmbio 4
Ret 11   Ralf Schumacher Jordan-Peugeot 44 Vazamento d'água 16
Ret 22   Rubens Barrichello Stewart-Ford 30 Câmbio 12
Ret 2   Pedro Paulo Diniz Arrows-Yamaha 11 Spun off 13
Fontes:[2][nota 9]

Tabela do campeonato após a corrida

editar
  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas e os campeões da temporada surgem grafados em negrito.

Notas

  1. Houve dez edições honoríficas do "Grande Prêmio da Europa" antes de existir a Fórmula 1, vinte e quatro após a criação da mesma e a partir de 1983 tal denominação passou a designar etapas efetivas da categoria.
  2. Jacques Villeneuve foi advertido com uma bandeira amarela no Grande Prêmio da Itália e também durante os treinos de sábado no Grande Prêmio do Japão, quando os fiscais sinalizaram em razão de um acidente com a Stewart do neerlandês Jos Verstappen.
  3. Pioneira no desenvolvimento dos motores turbo, a Renault competiu na Fórmula 1 como equipe entre 1977 e 1985, encerrando sua primeira passagem pela categoria no ano seguinte ao fornecer motores para Lotus, Ligier e Tyrrell. Retornou em 1989 fornecendo motor para a Williams, sua principal cliente, retomando a parceria com a Ligier nos anos seguintes, até substituí-la pela Benetton.
  4. No início do campeonato de 1994, a FIA suspendeu Eddie Irvine, da Jordan, por uma corrida em razão do acidente causado por ele no Grande Prêmio do Brasil, pena estendida para três Grandes Prêmios. A esta punição disciplinar seguiram-se duas desclassificações por motivos técnicos: Christian Fittipaldi perdeu o sexto lugar no Grande Prêmio do Canadá, pois sua Footwork estava 2,5 kg abaixo do peso exigido no regulamento, enquanto Olivier Panis foi sancionado no Grande Prêmio de Portugal devido às pranchas de madeiras fixadas de modo ilegal na Ligier.
  5. Mario Andretti nasceu na cidade croata de Motovun, à época sob ocupação do antigo Reino da Itália, mas optou pela cidadania norte-americana.
  6. No Brasil, a depender do referencial, o conceito de "Fórmula Indy" engloba campeonatos organizados ou aprovados por cinco entidades distintas: Associação Automobilística Americana, United States Auto Club, Championship Auto Racing Teams, Champ Car World Series e IndyCar Series.
  7. Em 2008, o Circuito Urbano de Valência realizou a primeira de cinco novas edições do Grande Prêmio da Europa e nela o vencedor foi Felipe Massa, da Ferrari. No ano seguinte, Rubens Barrichello, pilotando uma Brawn, conseguiu a centésima vitória brasileira na Fórmula 1, seguindo-se dois triunfos de Sebastian Vettel com a Red Bull em 2010 e 2011, além da vitória de Fernando Alonso com a Ferrari em 2012.
  8. Conforme a nomenclatura da época, Ángel Nieto foi hexacampeão nas 50cc (1969, 1970, 1972, 1975, 1976, 1977), além de heptacampeão na 125cc (1971, 1972, 1979, 1981, 1982, 1983, 1984), enquanto Daniel Pedrosa foi campeão na 125cc (2003) e bicampeão na 250cc (2004, 2005). No caso desses títulos, adotaram novas denominações: Moto3 para 125cc e Moto2 para 250cc.
  9. Voltas na liderança: Michael Schumacher 39 voltas (1-21; 28-42; 45-47), Jacques Villeneuve 24 voltas (22; 43-44; 48-68), Heinz-Harald Frentzen 5 voltas (23-27), Mika Häkkinen 1 volta (69).

Referências

  1. a b c d «1997 European GP – championships (em inglês) no Chicane F1». Consultado em 12 de novembro de 2021 
  2. a b c «1997 European Grand Prix - race result». Consultado em 14 de setembro de 2019 
  3. a b c d Fred Sabino (9 de abril de 2018). «Jacques Villeneuve, dono de muitas vitórias e polêmicas na Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 14 de junho de 2024 
  4. a b c Fred Sabino (26 de outubro de 2018). «Conquista de Villeneuve teve empate nos treinos, fechada de Schumacher e cerveja com o rival». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 14 de setembro de 2019 
  5. Esteban Daniel Nieto (28 de outubro de 2021). «Na Garagem: Fangio supera estratégia da Ferrari e conquista primeiro título na F1». grandepremio.com. Grande Prêmio. Consultado em 25 de junho de 2024 
  6. Fred Sabino (14 de agosto de 2020). «Jack Brabham faturou bi, e Jim Clark subiu pela primeira vez ao pódio há 60 anos, em Portugal». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 25 de junho de 2024 
  7. Redação (28 de fevereiro de 1984). «Piquet faz o melhor tempo nos testes de pneus em Kyalami. Primeiro Caderno, Turfe/Esportes – p. 20». bndigital.bn.gov.br. Jornal do Brasil. Consultado em 14 de junho de 2024 
  8. «Portuguese GP, 1984 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 14 de junho de 2024 
  9. Fred Sabino (21 de outubro de 2019). «Consagração definitiva de Niki Lauda se deu com tricampeonato mundial há 35 anos, no Estoril». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 14 de junho de 2024 
  10. Fred Sabino (26 de setembro de 2018). «Alain Prost se tornou o segundo tetracampeão mundial da história da Fórmula 1 há 25 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 25 de junho de 2024 
  11. Redação (16 de maio de 1997). «FIA leva o GP de Portugal para Jerez. Esportes – p. 30». bndigital.bn.gov.br. Jornal do Brasil. Consultado em 14 de junho de 2024 
  12. Fred Sabino (16 de outubro de 2019). «Após suspensão, Schumacher voltou à F1 com tudo e derrotou Hill em Jerez de la Frontera». Globo Esporte. Consultado em 26 de junho de 2024 
  13. Fred Sabino (10 de março de 2019). «Máquinas Eternas #15: o lindíssimo e eficiente Jordan 191, o primeiro carro de Schumacher na Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 14 de junho de 2024 
  14. a b c Fred Sabino (13 de novembro de 2019). «Há 25 anos, Schumacher faturou primeiro título na Fórmula 1 após causar acidente com Hill». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 14 de junho de 2024 
  15. Fred Sabino (22 de outubro de 2020). «Michael Schumacher conquistou bicampeonato da F1 há 25 anos com vitória no GP do Pacífico». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 14 de junho de 2024 
  16. Fred Sabino (6 de agosto de 2019). «Raridades #7: no fim de 1995, Michael Schumacher testou linda Ferrari 412T2 com motor V10». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 14 de junho de 2024 
  17. Fred Sabino (2 de junho de 2019). «Michael Schumacher conquistou primeira vitória na Ferrari com show debaixo de temporal». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 14 de junho de 2024 
  18. «Belgian GP, 1996 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 14 de junho de 2024 
  19. «Italian GP, 1996 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 14 de junho de 2024 
  20. «Argentine GP, 1997 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 14 de junho de 2024 
  21. Redação (27 de fevereiro de 2014). «Villeneuve volta às 500 Milhas de Indianápolis 19 anos após triunfo». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 14 de junho de 2024 
  22. «Australian GP, 1996 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 14 de junho de 2024 
  23. Fred Sabino (11 de agosto de 2018). «Máquinas Eternas #9: Williams de 1996 foi a mais dominante da história da equipe». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 14 de junho de 2024 
  24. Fred Sabino (17 de setembro de 2020). «Damon Hill completa 60 anos de idade; relembre atuações mais marcantes na Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 14 de junho de 2024 
  25. Fred Sabino (11 de maio de 2018). «Sob chuva, Barrichello teve em Mônaco uma das melhores atuações da carreira». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 14 de junho de 2024 
  26. Fred Sabino (15 de junho de 2019). «Vitória de Schumacher e acidente de Panis marcaram corrida tumultuada no Canadá em 1997». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 14 de junho de 2024 
  27. «German GP, 1997 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 14 de junho de 2024 
  28. Fred Sabino (12 de outubro de 2020). «Em 1997, Ferrari, Schumacher e Irvine deram nó tático na Williams e em Villeneuve no Japão». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 14 de junho de 2024 
  29. Redação (25 de outubro de 1997). «Formula One – The road to Jerez (em inglês)». news.bbc.co.uk. BBC News. Consultado em 15 de junho de 2024 
  30. «Portugal is off! (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 15 de junho de 2024 
  31. Fred Sabino (14 de outubro de 2018). «Benetton encerrou trajetória de 16 temporadas e 260 corridas no GP do Japão de 2001». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 19 de junho de 2024 
  32. Fred Sabino (28 de setembro de 2020). «Alan Jones jogou Nelson Piquet no muro e conquistou único título na F1 no Canadá, há 40 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 16 de junho de 2024 
  33. Fred Sabino (25 de janeiro de 2020). «Há 30 anos, Senna teve ameaçada participação no campeonato após discussões públicas com Balestre». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 16 de junho de 2024 
  34. Fred Sabino (22 de outubro de 2019). «Senna x Prost: auge da guerra teve acidente entre rivais em corrida épica no Japão há 30 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 16 de junho de 2024 
  35. Fred Sabino (21 de outubro de 2020). «Senna ganhou bicampeonato da F1 ao atingir Prost na largada do GP do Japão, há 30 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 16 de junho de 2024 
  36. Redação (28 de março de 2008). «Morre ex-presidente da FIA, rival de Senna». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 16 de junho de 2024 
  37. Redação (16 de fevereiro de 1991). «FISA sacode a F1 com pacote de medidas. Primeiro Caderno, Esportes – p. 13». Jornal do Brasil. Consultado em 16 de junho de 2024 
  38. Fred Sabino (28 de julho de 2020). «Em 1991, Prost ameaçou jogar Senna "para fora" depois de disputa em Hockenheim». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 16 de junho de 2024 
  39. Fred Sabino (12 de abril de 2020). «Personagem dos mais polêmicos da Fórmula 1, Max Mosley completa 80 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 16 de junho de 2024 
  40. Fred Sabino (29 de abril de 2019). «"Morri por seis minutos": Rubens Barrichello teve pior acidente da carreira em Imola, há 25 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 16 de junho de 2024 
  41. Fred Sabino (30 de abril de 2019). «O triste fim de Ratzenberger, que até dormiu no chão para juntar dinheiro e correr na Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 16 de junho de 2024 
  42. Livio Oricchio (25 de abril de 2024). «Série especial conta bastidores inéditos do acidente fatal de Senna e como a tragédia transformou a F1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 16 de junho de 2024 
  43. Bruna Rodrigues; Rafael Bizarelo (23 de maio de 2024). «Piloto quase morreu em GP de Mônaco após morte de Senna, há 30 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 16 de junho de 2024 
  44. Fred Sabino (29 de maio de 2019). «A incrível atuação de Michael Schumacher apenas com a quinta marcha em Barcelona». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 12 de julho de 2019 
  45. Fred Sabino (10 de julho de 2019). «Ultrapassagem na hora errada e bandeira preta ignorada: o "show" de Schumacher em Silverstone». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 17 de junho de 2024 
  46. Mário Andrada e Silva (27 de julho de 1994). «Schumacher fica fora de duas provas. Esportes – p. 16». Jornal do Brasil. Consultado em 17 de junho de 2024 
  47. Mário Andrada e Silva (27 de julho de 1994). «Trapaça chega ao fim. Esportes – p. 16». Jornal do Brasil. Consultado em 17 de junho de 2024 
  48. Mário Andrada e Silva (27 de julho de 1994). «Multa de US$ 500 mil. Esportes – p. 16». Jornal do Brasil. Consultado em 17 de junho de 2024 
  49. «Belgian GP, 1994 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 17 de junho de 2024 
  50. Fred Sabino (11 de setembro de 2019). «Hill aproveitou quebra de Alesi e ausência de Schumacher para colocar fogo no Mundial de 1994». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 17 de junho de 2024 
  51. Fred Sabino (25 de setembro de 2019). «Em 1994, vitória em Portugal deixou Damon Hill colado em Michael Schumacher na tabela». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 17 de junho de 2024 
  52. Mário Andrada e Silva (14 de novembro de 1994). «Um título marcado pelo golpe baixo. Esportes – p. 04». Jornal do Brasil. Consultado em 18 de junho de 2024 
  53. a b Mário Andrada e Silva (24 de novembro de 1994). «F 1 mantém o título de Schumacher. Esportes – p. 23». Jornal do Brasil. Consultado em 19 de junho de 2024 
  54. Mário Andrada e Silva (23 de outubro de 1997). «Schumacher teme deslealdade. Esportes – p. 25». Jornal do Brasil. Consultado em 18 de junho de 2024 
  55. Redação (15 de novembro de 2023). «O que é o GP de Macau e quais estrelas da F1 venceram a famosa corrida?». motorsport.com. Motorsport. Consultado em 29 de junho de 2024 
  56. a b c Bruno Ferreira (28 de janeiro de 2021). «Jerez – 1997: o título de Villeneuve e o momento mais baixo de Schumacher». motorsport.com. Motorsport. Consultado em 26 de junho de 2024 
  57. a b c d e «European GP, 1997 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 20 de junho de 2024 
  58. Bruna Rodrigues; Rafael Bizarelo (8 de junho de 2024). «F1: última pole com empate foi em 1997 entre três pilotos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 9 de junho de 2024 
  59. a b c Fred Sabino (20 de janeiro de 2020). «Argentino Norberto Fontana ficou famoso após bloquear Jacques Villeneuve em decisão de título». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 20 de janeiro de 2020 
  60. Fred Sabino (23 de abril de 2019). «Gerhard Berger sobreviveu a assustador acidente com fogo na curva Tamburello, há 30 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 23 de junho de 2024 
  61. Fred Sabino (27 de agosto de 2019). «Gerhard Berger completa 60 anos de idade; relembre as dez vitórias do austríaco na Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 23 de junho de 2024 
  62. Fred Sabino (29 de maio de 2018). «Ukyo "Catagrama" ficou conhecido na F1 pelas incontáveis rodadas e batidas». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 23 de junho de 2024 
  63. Redação (29 de setembro de 1997). «Richards confirmed at Benetton (em inglês)». grandprix.com. Grand Prix. Consultado em 30 de junho de 2024 
  64. Alexander Grunwald; Felipe Siqueira (24 de novembro de 2013). «O último ronco do V8: motor dá adeus à F-1, e som promete deixar saudade». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 25 de junho de 2024 
  65. Redação (1 de novembro de 2008). «Pneus sulcados se despedem da Fórmula 1 no GP de Interlagos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 25 de junho de 2024 
  66. Rafael Lopes (19 de novembro de 2008). «Emoção e busca por ultrapassagens provocam mudanças na F-1 em 2009». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 25 de junho de 2024 
  67. Rafael Lopes (14 de novembro de 2020). «Na loteria de Istambul, a primeira pole de Lance Stroll na Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 24 de junho de 2024 
  68. Redação (8 de junho de 2024). «GP do Canadá: Russell empata com Verstappen e é pole; veja grid». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 24 de junho de 2024 
  69. a b c d e f «Grande Prêmio da Europa de 1997 – Resumo (em francês) no Stats F1». Consultado em 21 de junho de 2024 
  70. a b c d Fred Sabino (11 de novembro de 2019). «Michael Schumacher foi o único piloto da história desclassificado de um campeonato inteiro». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 11 de novembro de 2019 
  71. a b c d Mário Andrada e Silva (27 de outubro de 1997). «A vitória irresistível da "febre Villeneuve". Esportes – p. 04-05». Jornal do Brasil. Consultado em 28 de junho de 2024 
  72. «Williams F1 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 30 de junho de 2024 
  73. Jose Carlos de Celis (28 de outubro de 2021). «F1: A noite em que Schumacher se fez passar por amigo de Villeneuve». motorsport.com. Motorsport. Consultado em 13 de julho de 2024 
  74. Fred Sabino (3 de novembro de 2020). «Há 35 anos, 1º GP da Austrália teve última vitória de Rosberg, arrojo de Senna e despedida de Lauda». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 27 de junho de 2024 
  75. Fred Sabino (26 de setembro de 2018). «Os momentos mais marcantes da trajetória de Mika Hakkinen, que comemora 50 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 27 de junho de 2024 
  76. Fred Sabino (20 de outubro de 2019). «Máquinas Eternas #24: McLaren MP4/6 deu tricampeonato mundial a Ayrton Senna em 1991». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 27 de junho de 2024 
  77. Redação (3 de fevereiro de 2021). «McLaren e Mercedes retomam parceria que durou duas décadas e rendeu vitórias e títulos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 27 de junho de 2024 
  78. Bruna Rodrigues; Rafael Bizarelo (26 de maio de 2024). «Indy 500: veja como funciona a corrida, recordes e história». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 28 de junho de 2024 
  79. Redação (27 de outubro de 1997). «Villeneuve is World Champion (em inglês)». grandprix.com. Grand Prix. Consultado em 5 de julho de 2024 
  80. Fred Sabino (28 de fevereiro de 2020). «Campeão da Fórmula 1 em 1978, Mario Andretti completa 80 anos; relembre trajetória na categoria». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 28 de junho de 2024 
  81. Felipe Noronha (24 de setembro de 2019). «Na Garagem: Fittipaldi se torna segundo na história a ser campeão da Indy e F1». grandepremio.com. Grande Prêmio. Consultado em 28 de junho de 2024 
  82. Rafael Lopes (16 de agosto de 2022). «Sonhado e suado: há 30 anos, Nigel Mansell conquistava o título da F1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 28 de junho de 2024 
  83. a b c Mário Andrada e Silva (28 de outubro de 1997). «FIA convoca Schumacher para depor. Esportes – p. 24». Jornal do Brasil. Consultado em 2 de julho de 2024 
  84. a b c d Redação (3 de novembro de 1997). «The lost honor of Michael Schumacher (em inglês)». grandprix.com. Grand Prix. Consultado em 4 de julho de 2024 
  85. a b Redação (29 de outubro de 1997). «Schumacher assume erro mas nega má intenção. Esportes – p. 24». Jornal do Brasil. Consultado em 2 de julho de 2024 
  86. Armando Nogueira (28 de outubro de 1997). «Vergonha da Ferrari. Na Grande Área – p. 24». Jornal do Brasil. Consultado em 2 de julho de 2024 
  87. Rafael Lopes (23 de dezembro de 2009). «Lances polêmicos marcam carreira de Michael Schumacher na Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 3 de julho de 2024 
  88. Fred Sabino (3 de maio de 2018). «Ken Tyrrell dominou a F1 e manteve equipe independente por três décadas». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 3 de julho de 2024 
  89. Fred Sabino (21 de maio de 2020). «Há 70 anos, 1º GP de Mônaco de F1 teve estreia da Ferrari, caos no início e 1ª vitória de Fangio». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 5 de julho de 2024 
  90. Redação (12 de novembro de 1997). «Ferrari mostra a sua força. Automobilismo – p. 12». Jornal dos Sports. Consultado em 5 de julho de 2024 
  91. Redação (17 de novembro de 1997). «The FIA ignores its own rules (em inglês)». grandprix.com. Grand Prix. Consultado em 5 de julho de 2024 
  92. a b c Mário Andrada e Silva (12 de novembro de 1997). «Schumacher se saiu bem. Esportes – p. 15». Jornal do Brasil. Consultado em 5 de julho de 2024 
  93. José Henrique Mariante (12 de novembro de 1997). «Schumacher perde vice-campeonato». folhaonline.com. Folha de São Paulo. Consultado em 9 de julho de 2024 
  94. Redação (7 de janeiro de 1998). «Schumacher sofre acusação de tentar assassinar Villeneuve». folhaonline.com. Folha de São Paulo. Consultado em 9 de julho de 2024 
  95. Redação (8 de janeiro de 1998). «Investigação a Schumacher é suspendida». folhaonline.com. Folha de São Paulo. Consultado em 9 de julho de 2024 
  96. a b c Redação (10 de novembro de 1997). «Race-rigging or press manipulation? (em inglês)». grandprix.com. Grand Prix. Consultado em 6 de julho de 2024 
  97. Redação (17 de novembro de 1997). «A decent decision (em inglês)». grandprix.com. Grand Prix. Consultado em 6 de julho de 2024 
  98. Redação (12 de novembro de 1997). «Para FIA, não houve armação. Automobilismo – p. 12». Jornal dos Sports. Consultado em 7 de julho de 2024 
  99. a b Redação (15 de dezembro de 1997). «Goodbye Jerez (em inglês)». grandprix.com. Grand Prix. Consultado em 10 de julho de 2024 
  100. Fred Sabino (19 de novembro de 2020). «Circuitos clássicos #11: Jerez de la Frontera teve momentos memoráveis em sete GPs de F1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 10 de julho de 2024 
  101. Redação (17 de outubro de 2013). «Palco da 100ª vitória brasileira na F-1, circuito de Valência está abandonado». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 10 de julho de 2024 
  102. Fred Sabino (23 de agosto de 2019). «Dez anos depois, a centésima vitória do Brasil na Fórmula 1 nas palavras de Rubens Barrichello». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 10 de julho de 2024 
  103. Redação (3 de agosto de 2017). «Ángel Nieto, multicampeão na motovelocidade, morre ao 70 anos». sportv.globo.com. SporTV. Consultado em 12 de julho de 2019 
  104. «Site do Circuito de Jerez – Ángel Nieto (em espanhol)». Consultado em 12 de julho de 2024 
  105. Redação (4 de maio de 2019). «Piloto espanhol com mais pódios em Jerez, aposentado Pedrosa ganha homenagem e vira nome de curva». grandepremio.com. Grande Prêmio. Consultado em 11 de julho de 2024 
  106. Redação (20 de novembro de 2019). «Fora da Fórmula 1 há 22 anos, circuito de Jerez de la Frontera pode voltar ao calendário em 2021». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 11 de julho de 2024 
  107. Redação (22 de novembro de 2019). «Jerez de la Frontera deve ter mudanças em parte do traçado para receber a Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 11 de julho de 2024 

Precedido por
Grande Prêmio do Japão de 1997
FIA Campeonato Mundial de Fórmula 1
Ano de 1997
Sucedido por
Grande Prêmio da Austrália de 1998
Precedido por
Grande Prêmio da Europa de 1996
Grande Prêmio da Europa
8ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio da Europa de 1999