Guerra do Camboja (1979–1989)

Guerra do Camboja ou Guerra vietnamita no Camboja[18], ou também ocupação vietmanita do Camboja [19] refere-se ao envolvimento militar da República Socialista do Vietnã no Kampuchea (atual Camboja) começado com uma guerra entre o Kampuchea Democrático, controlado pelo Khmer Vermelho, e o Vietnã em 1978–1979 e culminando com a invasão e posterior ocupação militar vietnamita até 1989.[20]

Guerra do Camboja (1979–1989)
Terceira Guerra da Indochina e Guerra Fria
Data 25 de dezembro de 1978 - 26 de setembro de 1989
Local Camboja, sul do Vietnã e oriente da Tailândia
Desfecho Vitória vietnamita.
Khmer Vermelho removido do poder e colapso do Kampuchea Democrático.
Fim do genocídio cambojano.
Criação da República Popular do Kampuchea.
Invasão chinesa do Vietnã e contínuas escaramuças fronteiriças
Guerra civil entre as distintas facções cambojanas.
Incursões vietnamitas na Tailândia (1979-1988).
Assinatura dos Acordos de Paz de Paris de 1991 garantindo uma transição liderada pela ONU
Beligerantes
Invasão (1978–1979)
Kampuchea Democrático

Ocupação (1979–1989)
Governo de Coalizão do Kampuchea Democrático (1982–1990)

 Tailândia (confrontos fronteiriços)

Apoiado por:

Invasão (1978–1979)
 Vietnam
FUNSK

Ocupação (1979–1989)
 Vietnam
República Popular do Kampuchea

Apoiado por:

Comandantes
Pol Pot
Khieu Samphan
Ieng Sary
Son Sann
Dien Del
Norodom Sihanouk
Prem Tinsulanonda
Chatichai Choonhavan
Lê Duẩn
Trường Chinh
Nguyễn Văn Linh
Văn Tiến Dũng
Lê Đức Anh
Heng Samrin
Hun Sen
Pen Sovan
Chea Sim
Forças
1979: 73.000[10]
1989: 30.000[nota 1]
150.000–200.000 soldados vietnamitas[nota 2]
1.000 soldados laosianos (1988)[12]
Baixas
1975–1979:
~15.000 mortos[13]
1979–1989: desconhecido
1975–1979:
10.000 mortos[13]
1979–1989:
Vietnam:
15.000+[14]–25.300[15] killed
30.000 feridos[14]
Camboja:
desconhecido
Total: 25.000–52.000 mortos[16]
Mais de 200.000 civis cambojanos mortos[17]
(excluindo mortes por fome)
Mais de 30.000 civis vietnamitas mortos (1975–1978)[16]

A guerra resultou dos confrontos isolados ao longo das fronteiras terrestres e marítimas do Vietnã e do Kampuchea, entre 1975 e 1977. As frequentes incursões do Khmer Vermelho no território do Vietnã acirram as tensões entre os dois países, que culminam com a invasão vietnamita do Kampuchea. Em 25 de dezembro de 1978, o Vietnã invade o Kampuchea, numa ofensiva de grande escala, posteriormente ocupando o país e retirando o governo Khmer Rouge do poder. [21] A intervenção militar vietnamita e a subsequente facilitação das forças de ocupação da ajuda alimentar internacional para mitigar a fome em massa, encerraram o genocídio cambojano. [22][23]

Em 8 de janeiro de 1979, foi estabelecida, em Phnom Penh, a República Popular do Kampuchea (RPK), pró-Vietnã, marcando o início de uma ocupação vietnamita de dez anos. O Vietnã instala no poder dissidentes cambojanos liderados por Heng Samrin e o Khmer Vermelho inicia uma guerrilha contra as tropas vietnamitas e o governo de Samrin, que enfrenta também a oposição da Frente Nacional de Libertação do Povo Khmer, liderada pelo ex-primeiro-ministro Son Sann, apoiado pelos Estados Unidos.

No entanto, durante esse período, o Kampuchea Democrático do Khmer Vermelho continuou a ser reconhecido pelas Nações Unidas como o governo legítimo do Kampuchea, enquanto vários grupos de resistência armados foram formados para combater a ocupação vietnamita. Ao longo do conflito, esses grupos receberam o apoio dos países ocidentais e treinamento na Tailândia do Serviço Aéreo Especial do Exército Britânico.[24] Hun Sen deserta do Khmer Vermelho para assumir o governo.[25]

Nos bastidores, o primeiro-ministro da República Popular do Kampuchea, Hun Sen, aproximou-se das facções do Governo de Coalizão do Kampuchea Democrático (GCKD) para iniciar as negociações de paz. Paralelamente, sob forte pressão diplomática e econômica da comunidade internacional, o governo vietnamita implementou uma série de reformas da política econômica e externa, que levaram à sua retirada do Kampuchea, em setembro de 1989.

Em 1991 são assinados os Acordos de Paz de Paris, no entanto, a guerra civil cambojana resultante da intervenção vietnamita só terminaria definitivamente com a derrota e desmobilização do Khmer Vermelho em 1998-1999.

O conflito, além de destacar as tradicionais animosidades entre Vietnã e Camboja, também revelou o conflito sino-soviético que dividiu profundamente e quebrou o movimento comunista da época. O Partido Comunista do Vietnã tinha apoio unilateral da União Soviética, enquanto o Partido Comunista da Kampuchea tinha se alinhado com a República Popular da China.

Histórico do conflitoEditar

Durante a Guerra do Vietnã, os comunistas vietnamitas e do Khmer Vermelho formaram uma aliança para combater os regimes apoiados pelos Estados Unidos em seus respectivos países. Apesar da demonstração de cooperação com os vietnamitas, a liderança do Khmer Vermelho temia que os comunistas vietnamitas estivessem planejando formar uma federação indochinesa, tendo o Vietnã como força dominante na região. Para se prevenir contra essa suposta tentativa de dominação vietnamita, a liderança do Khmer Vermelho começou a expulsar de suas fileiras o pessoal treinado no Vietnã, a partir do momento em que o regime de Lon Nol capitulou, em 1975. Em maio de 1975, o recém-formado Kampuchea Democrático, dominado pelo Khmer Vermelho, iniciou uma incursão contra o Vietnã, atacando a ilha vietnamita de Phú Quốc.[26][27][28]

Apesar dos combates, líderes do Vietnã reunificado e do Kampuchea fizeram várias trocas diplomáticas públicas ao longo de 1976 para dar destaque às relações supostamente fortes entre eles. Mas, atrás dos bastidores, os líderes do Kampuchea continuavam a temer o que consideraram o expansionismo vietnamita. Assim, em 30 de abril de 1977, lançaram outro grande ataque militar contra o Vietnã. Em resposta, o Vietnã lançou um ataque de retaliação, no final de 1977, numa tentativa de forçar o governo de Kampuchea a negociar. Em janeiro de 1978, os militares vietnamitas se retiraram, sem que seus objetivos políticos tivessem sido alcançados; o Khmer Vermelho permaneceu relutante em negociar seriamente.

Escaramuças continuaram a ocorrer entre os dois países ao longo de 1978, enquanto a China tentava mediar as conversações de paz entre os dois lados. No entanto, nenhum dos dois países chegou a um compromisso aceitável na mesa de negociações. No final de 1978, os líderes vietnamitas decidiram remover o governo do Kampuchea Democrático, dominado pelo Khmer Vermelho, convencidos de sua tendência pró-chinesa e extremamente hostil em relação ao Vietnã. Em 25 de dezembro de 1978, 150 mil soldados vietnamitas invadiram o Kampuchea Democrático e dizimaram o Exército Revolucionário do Kampuchea em apenas duas semanas, pondo fim aos excessos do governo de Pol Pot, que havia sido responsável pela morte de quase um quarto de todos os cambojanos entre 1975 e dezembro de 1978.

Invasão e início da ocupação vietnamitaEditar

 Ver artigo principal: Guerra Cambojana-Vietnamita

Em 21 de dezembro de 1978, as forças armadas do Kampuchea foram testadas quando uma ofensiva vietnamita, consistindo em duas divisões, cruzou a fronteira e se deslocou em direção à cidade de Kratie, enquanto outras divisões de apoio foram implantadas ao longo das rotas locais para eliminar a capacidade logística das unidades Kampucheanas. [29] Apesar de contar com o apoio generoso da China, o Exército Revolucionário Kampucheano não conseguiu resistir à ofensiva vietnamita e sofreu pesadas baixas.[30] Finalmente, em 25 de dezembro de 1978, o Vietnã lançou uma invasão em grande escala usando 13 divisões, estimada em 150.000 soldados bem apoiados por artilharia pesada e poder aéreo. [31] Inicialmente, o Kampuchea desafiou diretamente o poderio militar do Vietnã por meio de métodos de combate convencionais, mas essa tática resultou na perda da metade do Exército Revolucionário Kampucheano em duas semanas. Pesadas derrotas no campo de batalha levaram grande parte da liderança Kampucheana a evacuar em direção à região oeste do país. [29] Em 7 de janeiro de 1979, o Exército Popular do Vietnã entrou em Phnom Penh juntamente com membros da Frente Unida Nacional para a Salvação do Kampuchea. No dia seguinte, um Estado Kampucheano pró-vietnamita, conhecido como República Popular do Kampuchea, foi estabelecido, com Heng Samrin como chefe de Estado e Pen Sovan como Secretário Geral do recém-fundado Partido Revolucionário do Povo Kampucheano.[29]

A liderança do Khmer Vermelho, com grande parte de suas estruturas políticas e militares destruídas pela invasão vietnamita, foi forçada a se refugiar na Tailândia. O governo tailandês sob Kriangsak Chamanan acomodou os refugiados do Khmer Vermelho, em troca da promessa de Deng Xiaoping de encerrar o apoio material aos insurgentes comunistas da Tailândia. Apesar dos enormes desafios econômicos trazidos pelo Khmer Vermelho e pelos refugiados que os acompanham, o governo tailandês abrigou e protegeu o Khmer Vermelho no campo de Khao Larn na província de Trat. [32] Enquanto isso, em Phnom Penh, o novo governo Kampucheano tentou reconstruir a vida econômica e social do país, que foi em grande parte destruída por décadas de convulsões políticas e guerras constantes. No entanto, os esforços para reconstruir o país foram severamente prejudicados pela falta de pessoal instruído e qualificado, já que a maioria das pessoas educadas havia fugido do país ou havia sido assassinada pelo governo do Khmer Vermelho durante os quatro anos anteriores. No final do ano, as tentativas do novo governo de construção nacional foram ademais desafiadas por vários grupos de resistência anti-vietnamita que operavam nas regiões ocidentais do país. [33]

Resposta internacionalEditar

Pouco depois da captura de Phnom Penh, representantes do Kampuchea Democrático convocaram uma reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas, para que o Príncipe Sihanouk pudesse apresentar o caso do governo deposto. Apesar das fortes objeções da União Soviética e da Tchecoslováquia, o Conselho de Segurança da ONU deu a Sihanouk essa chance. [34] Embora Sihanouk tenha se distanciado dos abusos dos direitos humanos do Khmer Vermelho, ele acusou o Vietnã de usar a agressão para violar a soberania do Kampuchea. Como tal, exigiu que todos os países da ONU suspendessem a ajuda ao Vietnã e não reconhecessem o governo instalado pelos vietnamitas. [34] Posteriormente, sete membros não alinhados do Conselho de Segurança da ONU apresentaram um projeto de resolução pedindo um cessar-fogo e a retirada de todas as forças estrangeiras do Kampuchea, o que foi endossado pela China, França, Noruega, Portugal, Estados Unidos e Reino Unido. No entanto, a resolução não foi aprovada devido à oposição da União Soviética e da Tchecoslováquia.

Entre 16 e 19 de fevereiro de 1979, o Vietnã e o novo governo campucheano realizaram uma reunião de cúpula que concluiu com a assinatura de ambos os países de um Tratado de Paz, Amizade e Cooperação. [35] O artigo 2 do tratado afirmava que a segurança do Vietnã e do Kampuchea estavam inter-relacionadas; assim, ajudariam a defender-se "contra esquemas e atos de sabotagem das forças imperialistas e reacionárias internacionais", legitimando assim a presença de tropas vietnamitas em solo campucheano. [34] Logo depois, a União Soviética, os países socialistas da Europa Oriental e a Índia reconheceram a República Popular do Kampuchea instalada pelos vietnamitas. O governo soviético elogiou a "vitória notável" da República Popular do Kampuchea e expressou seu total apoio ao avanço do governo em direção ao socialismo. Além disso, os soviéticos criticaram duramente o histórico de terror do governo do Khmer Vermelho, o qual insinuaram ter sido imposto pela China. [34]

Na 34.ª Sessão da Assembleia Geral da ONU, representantes da República Popular do Kampuchea e do Kampuchea Democrático reivindicaram o direito de representar seu país. O primeiro também notificou os países membros do Conselho de Segurança da ONU que era o único representante legítimo do Kampuchea e de seu povo. [35]Em resposta, o Comitê de Credenciais da ONU decidiu reconhecer o Kampuchea Democrático por uma votação de seis a três, apesar do histórico sangrento do Khmer Vermelho enquanto estava no poder. Consequentemente, os representantes do Kampuchea Democrático foram autorizados a ter assento na Assembleia Geral, com forte apoio da China.[36] Em janeiro de 1980, 29 países haviam estabelecido relações diplomáticas com a República Popular do Kampuchea, mas quase 80 países ainda reconheciam a legitimidade do Kampuchea Democrático deposto. Ao mesmo tempo, as potências ocidentais e os países membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) também expressaram forte condenação ao uso da força pelo Vietnã para remover o governo do Khmer Vermelho.[34]

A Tailândia, que compartilha uma fronteira de 800 quilômetros (500 milhas) com o Kampuchea e que historicamente teme o expansionismo vietnamita, exigiu que o Vietnã retirasse imediatamente suas tropas do Kampuchea para que seu povo pudesse eleger um governo livre de intervenção estrangeira. Indonésia, Malásia, Filipinas e Singapura mostraram seu apoio à posição tailandesa. [34] Além disso, a ASEAN considerou a invasão e subsequente ocupação vietmanita do Kampuchea, que recebeu forte apoio soviético, como uma ameaça intolerável à segurança e estabilidade da região. [37] Essa visão era compartilhada pela China, que chegou ao ponto de acusar o Vietnã de forçar o Kampuchea a se tornar uma federação indochinesa para servir como posto avançado da hegemonia global soviética. Os Estados Unidos, que nunca mantiveram qualquer forma de laços diplomáticos com o Kampuchea Democrático do Khmer Vermelho, mostraram forte apoio à adesão de seu antigo inimigo na Assembleia Geral da ONU e ecoaram o apelo da ASEAN para a retirada imediata das forças militares vietnamitas do Kampuchea. [34]

Além disso, a Coreia do Norte, cujo líder Kim Il-sung ofereceu refúgio a Sihanouk depois que ele foi deposto por Lon Nol em 1970, também se recusou a reconhecer a República Popular do Kampuchea. [38][39]

China invade o VietnãEditar

A China invadiu o Vietnã em 17 de fevereiro de 1979, com o objetivo de capturar as capitais de suas províncias fronteiriças, a fim de forçar uma retirada vietnamita do Camboja. [40] A invasão foi prejudicada pela resistência das milícias locais e alguns reforços regulares do exército; no entanto, o exército chinês capturou Cao Bằng e Lao Cai após três semanas e Lạng Sơn após um mês. No dia seguinte, a China anunciou que não se aprofundaria no Vietnã, aparentemente depois de encontrar resistência inesperadamente severa das forças vietnamitas bem treinadas, equipadas com armas soviéticas e capturadas dos estadunidenses. Além disso, o Politburo do Vietnã ordenou uma mobilização geral e começou a planejar o recrutamento integral. Os chineses posteriormente retiraram suas forças. [41] Embora a China não tenha conseguido vencer de forma decisiva o conflito de 27 dias ou forçar a retirada das forças vietnamitas no Camboja, o desvio de tropas do Kampuchea facilitou o ressurgimento das operações insurgentes do Khmer Vermelho, tornando inevitável para o jovem governo do Kampuchea implementar a conscrição. [42] O posicionamento chinês de uma grande força na fronteira e o envolvimento em escaramuças fronteiriças durante os conflitos subsequentes também exigiram que o Vietnã posicionasse grande parte de seu exército ao longo da fronteira sino-vietnamita ao longo da década de 1980.

InsurgênciaEditar

 
Acampamentos fronteiriços hostis a República Popular do Kampuchea; 1979–1984.

Quando o governo do Khmer Vermelho foi removido do poder em janeiro de 1979, o povo campucheano esperava que a paz e a liberdade retornassem ao seu país. Isso foi reforçado pela Constituição da República Popular do Kampuchea, proclamada em 1981, que afirmava especificamente que o Kampuchea era um estado independente e pacífico onde o poder pertencia ao povo.[43] No entanto, havia um profundo contraste entre o que estava escrito na constituição e a realidade, uma vez que o povo campucheano começou a se desesperar com o que considerava a ocupação vietnamita de seu país, ao invés de uma libertação que os livrou da brutalidade do Kampuchea Democrático. Essa percepção foi reforçada pela presença de conselheiros vietnamitas que trabalharam em todos os níveis do governo campucheano de Heng Samrin. Em 1986, por exemplo, havia um conselheiro vietnamita para cada ministro do gabinete campucheano e um conselheiro para cada um de seus três vice-ministros. Além disso, foi relatado que as decisões finais feitas por um ministro campucheano tinham que receber a aprovação final do conselheiro vietnamita, que geralmente ditava as políticas.[44] A oposição aos vietnamitas foi fomentada ainda mais pellos abusos dos direitos humanos cometidos pelos vietnamitas e seus aliados. Para cumprir seu Plano K5, um projeto de construção para fortificar a fronteira Camboja-Tailândia, o governo da República Popular do Kampuchea recrutou 380.000 pessoas, com um grande número sucumbindo à malária. [45] Claude Malhuret, da organização Médecins Sans Frontières, relatou que uma tática que os vietnamitas e as Forças Armadas Revolucionárias do Povo Kampucheano usaram para combater o Khmer Vermelho era reter alimentos de áreas controladas pelos insurgentes. Milhares de toneladas de alimentos fornecidos por organizações humanitárias internacionais estragaram nas docas de Kompong Som. Os alimentos enviados por organizações humanitárias eram frequentemente usados para alimentar tropas vietnamitas e cambojanos que viviam sob controle vietnamita. [46]

Para resistir à ocupação vietnamita do Kampuchea e ao governo por eles instalado, o Khmer Vermelho convocou o povo campucheano a se unir e lutar contra os vietnamitas. No entanto, devido à brutalidade que experimentaram sob o governo deposto, muitos campucheanos acreditavam que qualquer movimento político que visasse restaurar a liberdade nacional deveria se opor tanto ao Khmer Vermelho quanto aos vietnamitas. [47] Em resposta a tais precondições, dois movimentos não comunistas foram formados para lutar contra a ocupação vietnamita. O primeiro grupo, uma organização de direita e pró-Ocidente, foi formado em outubro de 1979 pelo ex-primeiro-ministro Son Sann e foi chamado de Frente Nacional de Libertação do Povo Khmer (FLNPK). Essa organização operava a partir de vários campos de refugiados na fronteira entre a Tailândia e o Camboja, onde controlava milhares de civis. [48] Em seu auge, o braço armado da FLNPK foi estimado em 12.000 a 15.000 combatentes, mas um terço desse número foi perdido em combates e deserções durante a ofensiva vietnamita da estação seca de 1984-1985. No entanto, a FLNPK continuou a operar em pequenos grupos, perseguindo os vietnamitas e seus aliados campucheanos usando táticas de guerrilha. [49]

A outra organização não comunista foi a Frente Unida Nacional por um Camboja Independente, Neutro, Pacífico e Cooperativo, formada por Sihanouk e conhecida por seu acrônimo em francês FUNCINPEC. [50] A organização foi formada depois que Sihanouk rompeu os laços com o Khmer Vermelho após sua representação em seu nome no Conselho de Segurança da ONU. Como líder da FUNCINPEC, Sihanouk exortou à Assembleia Geral da ONU que expulsasse os representantes do Khmer Vermelho por seus crimes enquanto estavam no poder e que mantivesse vago o assento do Kampuchea na ONU com base no fato de que nem o Khmer Vermelho nem a República Popular do Kampuchea instalada pelos vietnamitas tinham o mandato para representar o povo campucheano. [51] Ele também criticou a ASEAN por seu reconhecimento contínuo do Khmer Vermelho, e especificamente a Tailândia por permitir que carregamentos de armas chineses atravessassem por seu território para abastecer o notório grupo comunista. Apesar da força, eficácia e popularidade da FLNPK e da FUNCINPEC, ambos os grupos de resistência foram afetados por divisões internas causadas pela falta de unidade, lutas de liderança, corrupção e abusos dos direitos humanos. [52]

Nos primeiros dias da ocupação vietnamita, os grupos de resistência campucheanos tinham contato limitado uns com os outros devido às suas diferenças. Embora o Khmer Vermelho gozasse de amplo reconhecimento internacional, em 1980 a organização estava sob pressão da comunidade internacional para se reformar. A ASEAN, que apoiou o Khmer Vermelho durante seus confrontos diplomáticos com o governo da República Popular do Kampuchea na Assembleia Geral da ONU em 1979, instou a liderança do Khmer Vermelho para colocar sua imagem manchada de sangue para trás, a fim de unir forças com outros movimentos não comunistas. [53] A ideia de formar uma aliança com o Khmer Vermelho causou inicialmente um certo grau de desconforto nos círculos de liderança da FUNCINPEC e da FLNPK, porque ambos os grupos estavam receosos de se juntar a uma organização comunista conhecida por sua brutalidade. No entanto, no início de 1981, Sihanouk e Son Sann começaram a se envolver em conversações com Khieu Samphan, Presidente do Kampuchea Democrático deposto, para discutir a perspectiva de formar uma aliança. [53]

Em agosto de 1981, as negociações de unidade entre as três organizações pareciam ter entrado em colapso como resultado de interesses conflitantes. Sihanouk, que temia o ressurgimento do Khmer Vermelho, propôs que todos os grupos de resistência se desarmassem após a retirada das tropas vietnamitas do Kampuchea. Enquanto isso, Son Sann exigia que a FLNPK fosse a organização líder dentro da aliança proposta e que os líderes do Khmer Vermelho "mais comprometidos" pelas atrocidades no Kampuchea fossem exilados para a China. [53] Contra essas precondições, Khieu Samphan lembrou a seus rivais que a autonomia do Khmer Vermelho e do Kampuchea Democrático não deveria ser prejudicada. [54] Em 22 de novembro de 1982, Singapura, com o apoio da ASEAN, propôs que três organizações formassem um governo de coalizão com poderes de decisão iguais dentro da aliança. A proposta de Singapura foi bem recebida por Sihanouk, que acreditava que era um acordo justo para os movimentos não comunistas. [54] Khieu Samphan, por outro lado, rejeitou essa ideia, vendo-a como uma tentativa de Sihanouk e Son Sann de isolar o Khmer Vermelho. No entanto, Sihanouk sabia que o apoio chinês não seria disponibilizado para a FUNCINPEC exceto que fizesse alguns compromissos e se unisse ao Khmer Vermelho em seus termos. [53] Assim, em fevereiro de 1982, Sihanouk se encontrou com Khieu Samphan em Pequim para resolver suas diferenças. No que descreveu como "outra concessão", Khieu Samphan propôs formar um governo de coalizão sem integrar os outros grupos de resistência em instituições associadas ao Kampuchea Democrático. No entanto, enfatizou que todas as partes devem defender o estatuto jurídico do Kampuchea Democrático como o Estado legítimo representando o Kampuchea no cenário mundial. [54] Em maio de 1982, com o incentivo de Sihanouk, Son Sann decidiu formar um governo de coalizão com o Khmer Vermelho. [53]

Em 22 de junho de 1982, os líderes das três organizações formalizaram a formação de seu governo de coalizão, assinando um acordo patrocinado pela Tailândia que criava o Governo de Coalizão do Kampuchea Democrático (GCDK). Logo, seu Gabinete Interno era composto por Sihanouk como Presidente do Kampuchea Democrático, Khieu Samphan como Vice-Presidente responsável pelos Negócios Estrangeiros e Son Sann como Primeiro-Ministro. Abaixo do Gabinete Interno havia seis comitês separados responsáveis pela defesa nacional, economia e finanças, assuntos sociais e saúde pública, assuntos militares e mídia. [55] Durante uma reunião entre Kim Il-sung e Sihanouk em 10 de abril de 1986, em Pyongyang, Kim Il-Sung assegurou a Sihanouk que a Coreia do Norte continuaria a considerá-lo o chefe de Estado legítimo do Kampuchea. [38] Em 1987, o Kampuchea Democrático ainda era membro da Assembleia Geral da ONU, embora faltasse quatro critérios de Estado: povo, território, governo e autoridade suprema dentro das fronteiras de um país. [51] Apesar dessas limitações, as forças das três facções armadas dentro do Governo de Coalizão do Kampuchea Democrático continuaram a lutar contra os vietnamitas para alcançar seu objetivo de "concretizar a implementação da Conferência Internacional sobre o Camboja e outras resoluções relevantes da Assembleia Geral da ONU".[55]

Reforma vietnamita e retiradaEditar

 
Montanhas ao longo da fronteira entre o Camboja e a Tailândia, ao norte da estrada entre Serei Saophoan e Aranyaprathet. Esta foi uma das áreas onde os combatentes do Khmer Vermelho se esconderam na época do Plano K5.

Quando os líderes vietnamitas iniciaram a invasão do Kampuchea para remover o governo do Khmer Vermelho em 1978, não esperavam uma reação negativa da comunidade internacional. No entanto, os eventos que se seguiram à invasão mostraram que haviam calculado mal as simpatias internacionais para com sua causa. Em vez de apoiar o Vietnã, a maioria dos países membros das Nações Unidas denunciou o uso da força pelos vietnamitas contra o Kampuchea e até agiram para reviver a desgastada organização do Khmer Vermelho que outrora governou o país com tanta brutalidade. [56] Assim, o Kampuchea tornou-se mais do que apenas um problema militar para o Vietnã, evoluindo rapidamente para um problema econômico e diplomático na arena internacional. Ao longo da década em que o Vietnã ocupou o vizinho Kampuchea, o governo vietnamita e o governo da República Popular do Kampuchea que instalou foram colocados na periferia da comunidade internacional. [57]

A postura política da comunidade internacional em relação ao Kampuchea teve um forte impacto na economia vietnamita, que já estava destruída por décadas de conflitos contínuos. Os Estados Unidos, que já tinham sanções em vigor contra o Vietnã, convenceram outros países das Nações Unidas a privar o Vietnã e a República Popular do Kampuchea dos fundos imprescindíveis ao negar-lhes a filiação a grandes organizações internacionais como o Banco Mundial, o Banco Asiático de Desenvolvimento e o Fundo Monetário Internacional. [58] Em 1979, o Japão intensificou a pressão suspendendo toda a ajuda econômica ao Vietnã, e advertiu os líderes vietnamitas de que a ajuda econômica só seria retomada quando o Vietnã alterasse suas políticas em relação ao Kampuchea, a rivalidade sino-soviética e o problema dos boat people. [59] A Suécia, que era considerada o maior apoiador do Vietnã no Ocidente, também dispôs reduzir seus compromissos com o país comunista, já que praticamente todos os outros países cancelaram sua ajuda. [57]

Além da pressão externa, as políticas internas implementadas pelo governo vietnamita desde 1975 se mostraram amplamente ineficazes para estimular o crescimento econômico do país. Ao basear-se no modelo soviético de planejamento econômico central, o Vietnã colocou mais ênfase no desenvolvimento de indústrias pesadas, enquanto a produção na agricultura e nos setores de manufatura leve estagnou. [60] Além disso, as tentativas de nacionalizar a economia do sul do Vietnã após a reunificação apenas resultaram em caos, já que a produção econômica foi reduzida pelo deslocamento da população em geral. Além dessas políticas econômicas fracassadas, o Vietnã manteve a quinta maior força armada do mundo, com 1,26 milhão de soldados regulares armados, 180.000 dos quais estavam estacionados no Camboja em 1984. [61][62] Consequentemente, o governo vietnamita teve que gastar um terço de seu orçamento nas forças armadas e na campanha do Kampuchea, apesar de receber US $ 1,2 bilhão em ajuda militar anual da União Soviética, dificultando ainda mais os esforços de reconstrução econômica do Vietnã. [60]

Ficheiro:Cambodia–Vietnam Friendship Monument.jpg
Monumento da Amizade Camboja-Vietnã.

Em resposta à pressão internacional e para evitar o envolvimento em um conflito debilitante com vários grupos de resistência armada locais, o Vietnã começou a retirar suas forças militares do Kampuchea já em 1982. Mas o processo de retirada carecia de verificação internacional, assim os observadores estrangeiros simplesmente descartaram o movimento de tropas do Vietnã como meras rotações.[63] Em 1984, para se desvencilhar do Kampuchea, o Vietnã apresentou uma estratégia de cinco fases conhecida como Plano K5. O plano foi elaborado pelo general Le Duc Anh, que liderou a campanha vietnamita no Kampuchea. A primeira fase exigiu que os militares vietnamitas capturassem as bases de grupos armados no Kampuchea ocidental e ao longo da fronteira com a Tailândia. As fases seguintes incluíram o fechamento da fronteira com a Tailândia, a destruição de grupos de resistência locais, o fornecimento de segurança para a população e o fortalecimento das Forças Armadas Revolucionárias do Povo Kampucheano.[56] Observadores estrangeiros acreditam que o exército vietnamita completou a primeira fase do Plano K5 durante a ofensiva da estação seca de 1984-1985, quando os acampamentos-base dos vários grupos de resistência anti-vietnamita foram tomados. Posteriormente, a maioria das dez divisões vietnamitas foram designadas para operações nas fronteiras, com o restante permanecendo nas principais províncias para proteger a população local e treinar as forças armadas campucheanas.[56]

Em 1985, o isolamento internacional e as dificuldades econômicas forçaram o Vietnã a depender cada vez mais da ajuda da União Soviética. Durante a invasão chinesa em fevereiro de 1979, a União Soviética forneceu US $ 1,4 bilhão em ajuda militar ao Vietnã, um valor que atingiu o pico de US $ 1,7 bilhão no período entre 1981 e 1985. [64] Então, para ajudar o Vietnã a implementar seu terceiro Plano Quinquenal (1981–1985), a União Soviética forneceu uma soma de US $ 5,4 bilhões ao governo vietnamita para suas despesas; a ajuda econômica atingiu US $ 1,8 bilhão anualmente. A União Soviética também forneceu 90% da demanda do Vietnã por matérias-primas e 70% de suas importações de grãos. [64] Embora os números sugiram que a União Soviética era um aliado confiável, os líderes privados soviéticos estavam insatisfeitos com a forma como Hanói lidava com o impasse no Kampuchea e ressentiam-se do fardo de seu programa de ajuda ao Vietnã, visto que seu próprio país estava passando por reformas econômicas. [64] Em 1986, o governo soviético anunciou que iria reduzir a ajuda às nações amigas; para o Vietnã, essas reduções significaram a perda de 20% de sua ajuda econômica e um terço de sua ajuda militar. [65]

Para se reengajar com a comunidade internacional e lidar com os desafios econômicos trazidos pelas mudanças na União Soviética e na Europa Oriental, os líderes vietnamitas decidiram embarcar em uma série de reformas. No 6.º Congresso Nacional do Partido em dezembro de 1986, o recém-nomeado Secretário Geral do Partido Comunista do Vietnã Nguyen Van Linh introduziu uma grande reforma conhecida como Đổi Mới, um termo vietnamita para "renovação", a fim de corrigir os problemas econômicos do Vietnã. [66] No entanto, os líderes vietnamitas concluíram que a terrível situação econômica do Vietnã era resultado do isolamento internacional que se seguiu à invasão do Kampuchea em 1978 e que, para o Đổi Mới ter sucesso, precisava de mudanças radicais na defesa e na política externa. [67] Posteriormente, em junho de 1987, o Politburo vietnamita adotou uma nova estratégia de defesa na Resolução n.º 2, exigindo a retirada completa dos soldados vietnamitas dos deveres internacionais, uma redução no tamanho do exército por meio da dispensa de 600.000 soldados e o estabelecimento de uma proporção definida para despesas militares. [68]

Em seguida, em 13 de maio de 1988, o Politburo vietnamita adotou a Resolução n.º 13 sobre política externa, que visava alcançar a diversificação e multilateralização das relações externas do Vietnã. Seus principais objetivos eram acabar com os embargos impostos pelos membros da ONU, integrar o Vietnã com a comunidade regional e internacional e, em última instância, atrair investimento estrangeiro e ajuda ao desenvolvimento. [67] Como parte dessa mudança, o Vietnã deixou de considerar os Estados Unidos como um inimigo de longo prazo e a China como um inimigo iminente e perigoso. Além disso, a propaganda oficial vietnamita parou de rotular a ASEAN como uma organização do "tipo OTAN". [66] Para implementar as novas reformas, o Vietnã, com o apoio da União Soviética, começou a transferir equipamentos militares de vários anos para a Forças Armadas Revolucionárias do Povo Kampucheano, que contava com mais de 70.000 soldados. O Departamento de Relações Internacionais do Ministério da Defesa vietnamita então aconselhou seus homólogos campucheanos a usar apenas o equipamento disponível para manter seu nível atual de operações, e não se envolver em operações importantes que poderiam exaurir esses suprimentos. [63]

Em 1988, estimava-se que o o Vietnã possuía cerca de 100.000 soldados no Kampuchea, mas, sentindo que um acordo diplomático estava ao alcance, o governo vietnamita começou de fato a retirar suas forças. Entre abril e julho de 1989, 24.000 soldados vietnamitas voltaram para casa. Assim, entre 21 e 26 de setembro de 1989, depois de padecer de 15.000 soldados mortos e outros 30.000 feridos durante a ocupação de dez anos, [56] o envolvimento do Vietnã no Kampuchea foi oficialmente encerrado, quando os 26.000 soldados vietnamitas restantes foram retirados. [63] No entanto, os grupos de resistência armada que se opunham ao governo instalado pelos vietnamitas alegaram que as tropas vietnamitas ainda operavam em solo campucheano muito depois de setembro de 1989. Por exemplo, grupos não comunistas envolvidos em operações de apropriação de terras no Kampuchea ocidental após a retirada relataram confrontos com as Forças Especiais Vietnamitas de elite perto de Tamar Puok ao longo da Rota 69. [69] Em seguida, em março de 1991, as unidades vietnamitas teriam reentrado na província de Kampot para derrotar uma ofensiva do Khmer Vermelho. [69] Apesar de tais reivindicações, em 23 de outubro de 1991, o governo vietnamita assinou o Acordo de Paz de Paris, que visava restaurar a paz no Kampuchea. [69]

ConsequênciasEditar

Vietnã reintegra-se ao mundoEditar

A ocupação militar do Kampuchea teve profundas consequências para a política externa vietnamita. Desde a obtenção da independência em 1954, a perspectiva comunista vietnamita na política externa foi dominada pela necessidade de manter uma ordem mundial de dois campos: comunista e não comunista.[70] De fato, os tratados de amizade que o Vietnã assinou com a União Soviética, o Laos e a República Popular do Kampuchea eram consistentes com essa visão. No entanto, as motivações ideológicas da liderança comunista vietnamita foram comprovadas serem limitadas e fortemente falhas, conforme demonstrado pela condenação do Vietnã em 1979 após a derrubada do governo do Khmer Vermelho. [71] Nos anos que se seguiram, o governo vietnamita ficou isolado do mundo e seus esforços para reconstruir o país foram prejudicados pela falta de ajuda das nações capitalistas ocidentais. Além disso, a presença de forças militares vietnamitas no Camboja tornou-se um obstáculo que impediu a normalização das relações diplomáticas com a China, os Estados Unidos e os países membros da ASEAN. [70]

Em virtude do declínio experimentado pela União Soviética e pelos países socialistas da Europa Oriental, o governo vietnamita começou a restaurar as relações diplomáticas com os países vizinhos como parte de um esforço maior para revitalizar a economia arrasada do Vietnã. Desde sua invasão em 1979, a China havia colocado pressão contínua nas fronteiras do norte do Vietnã, com a província de Ha Tuyen regularmente bombardeada pela artilharia chinesa. Em setembro de 1985, o bombardeio chinês de Ha Tuyen atingiu o pico quando 2.000 disparos foram efetuados. [72] Para reduzir o estado de hostilidade ao longo da região de fronteira e, em última instância, normalizar as relações com a China, o governo vietnamita retirou todas as referências hostis à China no 6.º Congresso Nacional do Partido em dezembro de 1986 e também adotou a política Đổi Mới. [73] Em agosto de 1990, enquanto o Plano de Paz do Camboja, de autoria do Ministro das Relações Exteriores da Austrália, Gareth Evans, estava sendo endossado pelo Conselho de Segurança da ONU, a China e o Vietnã se moveram em direção à acomodação.[74]

No início de setembro de 1990, o primeiro-ministro vietnamita Đỗ Mười, o secretário-geral Nguyen Van Linh e o ex-primeiro-ministro Pham Van Dong viajaram para Chengdu, China, onde mantiveram uma reunião secreta com o primeiro-ministro chinês Li Peng e o secretário-geral do Partido Comunista Chinês, Jiang Zemin. Em 17 de setembro de 1990, o general Võ Nguyên Giáp também fez uma viagem à China e agradeceu ao governo chinês por sua ajuda no passado. [74] Apesar dos sinais externos de melhora nas relações diplomáticas do Vietnã com a China, os líderes vietnamitas estavam relutantes em endossar qualquer plano de paz que pudesse enfraquecer seu governo cliente em Phnom Penh. No entanto, quando as quatro facções cambojanas chegaram a um acordo sobre o arranjo de divisão do poder delineado na Terceira Reunião Informal de Jacarta em fevereiro de 1990, o Vietnã e a China moveram-se rapidamente para restabelecer relações diplomáticas formais. Em novembro de 1991, o recém-eleito primeiro-ministro vietnamita Võ Văn Kiệt viajou a Pequim e se encontrou com seu homólogo chinês, Li Peng, e emitiu um comunicado de onze pontos restabelecendo laços diplomáticos entre os dois países após dez anos sem relações formais. [75]

O fim do envolvimento vietnamita no conflito cambojano também pôs fim ao embargo comercial e de ajuda imposto pela ASEAN, que estava em vigor desde 1979. Em janeiro de 1990, o primeiro-ministro tailandês Chatichai Choonhavan expressou publicamente seu apoio ao Vietnã e ao resto da Indochina para obter a admissão na ASEAN. [76] No período entre o final de 1991 e o início de 1992, o Vietnã restaurou as relações com vários países membros essa organização. Como resultado, entre 1991 e 1994, os investimentos dos países da ASEAN representaram 15% do investimento estrangeiro direto no Vietnã. [77] Além dos benefícios econômicos óbvios, a ASEAN também forneceu um ambiente pacífico que garantiu a segurança nacional do Vietnã contra ameaças estrangeiras na era pós-Guerra Fria, quando a ajuda soviética não estava mais disponível. [78] Assim, em 28 de julho de 1995, o Vietnã tornou-se oficialmente o sétimo membro da ASEAN, depois que os principais oficiais da organização convidarem o Vietnã para participar da Reunião Ministerial da ASEAN em Bangkok em 1994. [79] Então, em agosto de 1995, o Gabinete de Ligação dos Estados Unidos em Hanói foi elevado ao status de embaixada, depois que o presidente estadunidense Bill Clinton anunciou uma normalização formal das relações diplomáticas com o Vietnã em 11 de julho de 1995, terminando assim o isolamento do Vietnã pelos Estados Unidos. [79]

Consequências políticasEditar

O povo cambojano continua a ter opiniões diversas sobre o resultado da guerra. [80][81] Alguns cambojanos perceberam o Vietnã como seu salvador por combater e derrubar o brutal governo do Khmer Vermelho e por ajudar o Camboja, mesmo sendo sancionado.[82] Por outro lado, a linha dura cambojana percebeu a guerra como uma conquista imperialista vietnamita; essa visão, desde 2010, evoluiu para o aumento desenfreado do nacionalismo cambojano e do sentimento anti-vietnamita, que levou à morte de alguns cidadãos vietnamitas no Camboja.[83]

O aumento irrefreado do sentimento anti-vietnamita no Camboja foi fomentado por queixas históricas que existiam antes da guerra de 1978. Para os nacionalistas cambojanos, o trauma das incursões e ocupações vietnamitas anteriores desde o século XVII deu ímpeto à sua hostilidade crescente contra os vietnamitas. [84] Por outro lado, e ironicamente, a China, o anterior apoiador do Khmer Vermelho, era venerada como um novo aliado, o que fortaleceu as relações entre Camboja e China em resposta aos temores de uma possível intervenção vietnamita. [85] Isso resultou no Camboja apoiando discretamente a China na disputa do Mar da China Meridional.

Do lado vietnamita, tanto o governo comunista quanto os anticomunistas consideraram a guerra uma justa libertação do Camboja do genocídio, embora alguns tenham objetado devido à aliança anterior entre o Khmer Vermelho e o Vietcong e tenham mostrado sua desconfiança em relação aos cambojanos sobre o relacionamento crescente entre o Camboja e a China. [86]

A reação à guerra no Camboja também variou em todo o mundo. Embora a forte reação negativa contra a ocupação vietnamita na década de 1980 tenha colocado o Vietnã em sanções, desde 2000, as opiniões simpáticas à causa do Vietnã aumentaram dramaticamente, devido ao crescimento das relações vietnamitas com o mundo ocidental e sua boa reputação no exterior, incluindo antigos adversários, exceto a China e uma série de grupos nacionalistas cambojanos, com mais reconhecimento da boa vontade do Vietnã para com os cambojanos, embora não sem controvérsias e oposição. [87]

NotasEditar

  1. Em 1989, o Khmer Vermelho manteve a maior força de combate entre as três facções que compunham o Governo de Coalizão do Kampuchea Democrático. O KPNLF tinha menos de 10.000 homens e o FUNCINPEC tinha 2.000 combatentes.
  2. A partir de uma força de invasão de 150.000, a força vietnamitas foi estimada em ter atingido o pico em cerca de 200.000 até o Vietnã iniciar a sua retirada unilateral em 1982.[11]

Referências

  1. «Opinion | Thailand Bears Guilt for Khmer Rouge». The New York Times. 24 de março de 1993 
  2. a b Richardson, Michael. «Singaporean Tells of Khmer Rouge Aid». International Herald Tribune. Cópia arquivada em 12 de junho de 2018 
  3. «How Thatcher gave Pol Pot a hand». New Statesman. Cópia arquivada em 12 de junho de 2018 
  4. «Butcher of Cambodia set to expose Thatcher's role». The Guardian. 9 de Janeiro de 2000. Cópia arquivada em 12 de junho de 2018 
  5. Controvérsia sobre o apoio dos Estados Unidos ao Khmer Vermelho
  6. «Reagan Vows to Support Sihanouk's Forces». The New York Times. 12 de outubro de 1988 
  7. «Diplomats Recall Cambodia After the Khmer Rouge». The Cambodia Daily. 5 Abril 2003 
  8. Weiss, Thomas G.; Evans, Gareth J.; Hubert, Don; Sahnoun, Mohamed (2001). The Responsibility to Protect: Report of the International Commission on Intervention and State Sovereignty. [S.l.]: International Development Research Centre (Canada). p. 58. ISBN 978-0-88936-963-4 
  9. «When Moscow helped topple the Khmer Rouge». www.rbth.com. 19 de março de 2016 
  10. Morris, p. 103.
  11. Thayer, p. 10.
  12. Vientiane accuses Thailand of trying to annex part of Laos (Archive), UPI, Jan 23, 1988.
  13. a b Khoo, p. 127
  14. a b Fontes vietnamitas geralmente oferecem números contraditórios, mas o general vietnamita Tran Cong Man afirmou que "pelo menos 15.000 soldados morreram e outros 30.000 ficaram feridos na campanha cambojana de dez anos" - portanto, os números não incluem as vítimas do período entre 1975 e 1979. Thayer, 10
  15. SIPRI Yearbook: Stockholm International Peace Research Institute
  16. a b Clodfelter, p. 627.
  17. Clodfelter, p. 627: 100.000 mortos por operações militares vietnamitas e do Khmer Vermelho em 1978-1979, e outros 100.000 mortos na fase de insurgência.
  18. Vietnam's forgotten Cambodian war - BBC News
  19. Début de l'occupation vietnamienne au Cambodge, Perspective monde (em francês)
  20. «VIETNAM PROMISES TROOPS WILL LEAVE CAMBODIA BY FALL». The New York Times. 6 de abril de 1989 
  21. The Fall of Democratic Kampuchea
  22. The New York Times, 8 de agosto de 1979.
  23. «CAMBODIA: Help for the Auschwitz of Asia». Time. 5 de novembro de 1979. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2012 
  24. Gregory Elich - Who Supported the Khmer Rouge? - counterpunch, 16 de outubro de 2014
  25. Country for sale
  26. Weisband, Edward (2018). The Macabresque: Human Violation and Hate in Genocide, Mass Atrocity and Enemy-making. [S.l.: s.n.] ISBN 9780190677886 
  27. Sustainable Development Goals in Southeast Asia and ASEAN: National and Regional Approaches. [S.l.: s.n.] 14 de janeiro de 2019. ISBN 9789004391949 
  28. Kiên Giang soldiers recount a decade in Cambodia, Viet Nam News
  29. a b c Morris, p. 111
  30. O'Dowd, p. 40
  31. "1978–1979 – Vietnamese Invasion of Cambodia" Arquivado 2017-05-28 no Wayback Machine, Globalsecurity.com
  32. Martin, p. 216
  33. Swann, p. 99
  34. a b c d e f g Swann, p. 98
  35. a b Swann, p. 97
  36. White, p. 123
  37. Jones & Smith, p. 53
  38. a b Daniel Bultmann (2015) 'Inside Cambodian Insurgency. A Sociological Perspective on Civil Wars and Conflict', Ashgate: Burlington, VT/Farnham, UK, ISBN 9781472443076.
  39. Odd couple: The royal and the Red By Bertil Lintner Arquivado 2016-06-21 no Wayback Machine Asia Times online.
  40. Thu-Huong, pp. 139–140
  41. Mei p. 78
  42. Slocomb, p. 260
  43. Peaslee, p. 452
  44. Martin, p. 217
  45. Etcheson 2005, pp. 24, 27
  46. «The Soviet Invasion of Afghanistan: The Consequences for Afghanistan and the Soviet Union» (PDF). Medecins sans Frontières. p. 427. Cópia arquivada (PDF) em 28 de Janeiro de 2017 
  47. Swann, p. 107
  48. Corfield, p. 9.
  49. Swann, p. 108
  50. Swann, pp. 108–109
  51. a b Swann, p. 106
  52. Swann, pp. 106–108
  53. a b c d e Swann, p. 103
  54. a b c Swann, p. 104
  55. a b Swann, p. 105
  56. a b c d Thayer, p. 10
  57. a b Broyle, p. 115
  58. Morley & Nishihara, p. 204
  59. Shiraishi, p. 103
  60. a b Largo, p. 2
  61. Thayer, p. 2
  62. Kelemen, Paul (Março de 1984). «Soviet Strategy in Southeast Asia: The Vietnam Factor». University of California Press. Asian Survey. 24 (3): 341. ISSN 0004-4687. JSTOR 2644070. doi:10.1525/as.1984.24.3.01p0146p 
  63. a b c Thayer, p. 18
  64. a b c Largo, p. 197
  65. Faure & Schwab, p. 58
  66. a b McCargo, p. 199
  67. a b McCargo, p. 197
  68. Thayer, p. 15
  69. a b c Thayer, p. 19
  70. a b Largo, p. 85
  71. Thayer (a), p. 2
  72. Thayer, p. 11
  73. Frost, p. 32
  74. a b Froster, p. 34
  75. Froster, p. 36
  76. Thayer (a), p. 3
  77. Thayer (a), p. 4
  78. Thayer (a), p. 7
  79. a b Thayer (a), p. 5
  80. «Why Did Vietnam Overthrow the Khmer Rouge in 1978?». 6 de agosto de 2014 
  81. «Mixed Opinions on Vietnam's Historical Role in Cambodia Spark Debate» 
  82. «Cambodia's history honors Vietnamese volunteer soldiers» 
  83. «The Truth About Anti-Vietnam Sentiment in Cambodia» 
  84. «Cambodia's Anti-Vietnam Obsession» 
  85. Heng, Pheakdey (7 de Novembro de 2012). «Cambodia–China Relations: A Positive-Sum Game?». Journal of Current Southeast Asian Affairs. 31 (2): 57–85. doi:10.1177/186810341203100203 
  86. «The war in Cambodia was a 'war of justice': Vietnamese General» 
  87. «7 Facts You Didn't Know About the Cambodian-Vietnamese War». 4 de Novembro de 2016 

FontesEditar

  • "Annual Report 2012 Cambodia Programme". (2013). United Nations Development Programme.
  • "Cambodia UN-REDD National Programme". (n.d.). United Nations Development Programme.
  • Bannon, Ian; Collier, Paul (2003). Natural resources and violent conflict: Options and actions. World Bank Publications.
  • Billon, Philippe Le (2002). "Logging in muddy waters: The politics of forest exploitation in Cambodia". Critical Asian Studies, 34(4), 563–586.
  • Broyle, William (1996). Brothers in Arms: A Journey from War to Peace. Austin, TX: First University of Texas Press. ISBN 0-292-70849-1 
  • Bultmann, Daniel (2015). Inside Cambodian Insurgency: A Sociological Perspective on Civil Wars and Conflict. Burlington, VT/Farnham, UK: Ashgate. ISBN 978-1-4724-4305-2 
  • Chandler, David (2000). A History of Cambodia 3rd ed. Boulder, CO: Westview Press. ISBN 0-8133-3511-6 
  • Clodfelter, M. (2017). Warfare and Armed Conflicts: A Statistical Encyclopedia of Casualty and Other Figures, 1492–2015 (4th ed.). Jefferson, NC: McFarland & Company.
  • Corbera, Esteve; Schroeder, Heike (2011). "Governing and implementing REDD+". Environmental science & policy, 14(2), 89-99.
  • Corfield, Justin (1991). A History of the Cambodian Non-Communist Resistance, 1975–1983. Clayton, Vic.: Centre of Southeast Asian Studies, Monash University. ISBN 978-0-7326-0290-1 
  • Corfield, Justin (2009). The History of Cambodia. Santa Barbara, CA: ABC-CLIO. ISBN 978-0-313-35722-0 
  • Deng, Yong; Wang, Fei-Ling (1999). In the Eyes of the Dragon: China Views the World. Oxford: Rowman & Littlefield. ISBN 0-8476-9336-8 
  • DeRouen, Karl; Heo, UK (2007). Civil Wars of the World: Major Conflicts since World War II. Westport, CT: ABC-CLIO. ISBN 978-1-85109-919-1 
  • Dijkzeul, Dennis (1998). "The united nations development programme: The development of peace?". International Peacekeeping, 5(4), 92-119.
  • Etcheson, Craig (2005). After the Killing Fields: Lessons from the Cambodian Genocide. Westport, CT: Praeger. ISBN 0-275-98513-X 
  • Faure, Guy; Schwab, Laurent (2008). Japan-Vietnam: A Relation Under Influences. Singapore: NUS Press. ISBN 978-9971-69-389-3 
  • Farrell, Epsey C. (1998). The Socialist Republic of Vietnam and the Law of the Sea: An Analysis of Vietnamese Behaviour within the Emerging International Oceans Regime. The Hague: Kluwer Law International. ISBN 90-411-0473-9 
  • Froster, Frank (1993). Vietnam's Foreign Relations: Dynamics of Change. Singapore: Institute of Southeast Asian Studies. ISBN 981-3016-65-5 
  • Gottesman, E. (2003). Cambodia after the Khmer Rouge: Inside the Politics of Nation Building. New Haven, CT: Yale University Press. ISBN 978-0-300-10513-1 
  • Haas, Michael (1991). Genocide by Proxy: Cambodian Pawn on a Superpower Chessboard. Westport, CT: ABC-CLIO. ISBN 978-0-275-93855-0 
  • International Business Publications, USA (2008). Vietnam Diplomatic Handbook 5th ed. Washington, DC: International Business Publications. ISBN 978-1-4330-5868-4 
  • Jackson, Karl D. (1989). Cambodia, 1975–1978: Rendezvous with Death. Princeton, NJ: Princeton University Press. ISBN 978-0-691-07807-6 
  • Jones, David M.; Smith, M.L.R. (2006). ASEAN and East Asian International Relations: Regional Delusions. Cheltenham, UK/Northampton, MA: Edward Elgar Publishing Limited. ISBN 978-1-84376-491-5 
  • Kiernan, Ben (2002). The Pol Pot regime: race, power, and genocide in Cambodia under the Khmer Rouge, 1975–79. Yale University Press.
  • Kiernan, Ben (2006). «External and Indigenous Sources of Khmer Rouge Ideology». In: Westad, Odd A.; Quinn-Judge, Sophie. The Third Indochina War: Conflict between China, Vietnam and Cambodia, 1972–79. New York: Routledge. ISBN 978-0-415-39058-3 
  • Khoo, Nicholas (2011). Collateral Damage: Sino-Soviet Rivalry and the Termination of the Sino-Vietnamese Alliance. New York: Columbia University Press. ISBN 978-0-231-15078-1 
  • Kiyono, Yoshiyuki et al. (2010). "Carbon stock estimation by forest measurement contributing to sustainable forest management in Cambodia". Japan Agricultural Research Quarterly: JARQ, 44(1), 81-92.
  • Largo, V. (2004). Vietnam: Current Issues and Historical Background. New York: Nova Science Publishers. ISBN 1-59033-368-3 
  • Luoma-Aho, T. et al. (2003). "Forest genetic resources conservation and management". Proceedings of the Asia Pacific Forest Genetic Resources Programme (APFORGEN) Inception Workshop, Kepong, Malaysia. 15-18.
  • McCargo, Duncan (2004). Rethinking Vietnam. London: Routledge-Curzon. ISBN 0-415-31621-9 
  • McElwee, Pamela (2004). "You say illegal, I say legal: the relationship between 'illegal' logging and land tenure, poverty, and forest use rights in Vietnam". Journal of sustainable forestry, 19(1-3), 97–135.
  • Martin, Marie A. (1994). Cambodia: A Shattered Society. Berkeley, CA: University of California Press. ISBN 978-0-520-07052-3 
  • Matthew, Richard Anthony; Brown, Oli; Jensen, David (2009). "From conflict to peacebuilding: the role of natural resources and the environment (No. 1)". UNEP/Earthprint.
  • Mee, Lawrence D. (2005). "The role of UNEP and UNDP in multilateral environmental agreements". International Environmental Agreements: Politics, Law and Economics, 5(3), 227–263.
  • Minang, Peter Akong; Murphy, Deborah (2010). REDD after Copenhagen: The way forward. International Institute for Sustainable Development.
  • Morley, James W.; Nishihara, M. (1997). Vietnam Joins the World. New York, NY: M.E. Sharp. ISBN 1-56324-975-8 
  • Morris, Stephen J. (1999). Why Vietnam invaded Cambodia: political culture and causes of war. Stanford, CA: Stanford University Press. ISBN 978-0-8047-3049-5 
  • O'Dowd, Edward C. (2007). Chinese military strategy in the third Indochina war: the last Maoist war. Abingdon, UK: Routledge. ISBN 978-0-203-08896-8 
  • Peaslee, Amos J. (1985). Constitutions of Nations: The Americas. 2. Dordrecht, Netherlands: Martinus Nijhoff Publishers. ISBN 90-247-2900-9 
  • Phelps, Jacob; Webb, Edward L.; Agrawal, Arun (2010). "Does REDD+ threaten to recentralize forest governance?". Science, 328(5976), 312-313.
  • Ra, Koy et al. (2011). "Towards understanding household-level forest reliance in Cambodia–study sites, methods, and preliminary findings". Forest and Landscape Working Papers, (60).
  • Raison, Robert John; Brown, Alan Gordon; Flinn, David W. (2001). Criteria and indicators for sustainable forest management (Vol. 7). CABI.
  • Raymond, Gregory. 2020. "Strategic Culture and Thailand's Response to Vietnam's Occupation of Cambodia, 1979–1989: A Cold War Epilogue". Journal of Cold War Studies.
  • Salo, Rudy S. (2003). "When the Logs Roll Over: The Need for an International Convention Criminalizing Involvement in the Global Illegal Timber Trade". Georgetown Environmental Law Review, 16, 127.
  • SarDesai, D.R. (1998). Vietnam, Past and Present. Boulder, CO: Westview Press. ISBN 978-0-8133-4308-2 
  • Shiraishi, Masaya (1990). Japanese relations with Vietnam, 1951–1987. Ithaca, NY: Cornell Southeast Asia Program. ISBN 0-87727-122-4 
  • Spooner, Andrew (2003). Footprint Cambodia. London: Footprint Handbooks. ISBN 978-1-903471-40-1 
  • Stibig H-J. et al. (2014). "Change in tropical forest cover of Southeast Asia from 1990 to 2010". Biogeosciences, 11(2), 247.
  • Trisurat, Yongyut (2006). "Transboundary biodiversity conservation of the Pha Taem Protected Forest Complex: A bioregional approach". Applied Geography, 26(3–4), 260–275.
  • Swann, Wim (2009). 21st century Cambodia: view and vision. New Delhi: Global Vision Publishing House. ISBN 9788182202788 
  • Thayer, Carlyle (1994). The Vietnam People's Army under Doi Moi. Singapore: Institute of Southeast Asian Studies. ISBN 981-3016-80-9 
  • Thayer (a), Carlyle A. (1999). Vietnamese foreign policy in transition. Singapore: Institute of Southeast Asian Studies. ISBN 0-312-22884-8 
  • Thu-Huong, Nguyen (1992). Khmer Viet Relations and the Third Indochina Conflict. Jefferson, NC: McFarland & Company. ISBN 978-0-89950-717-0 
  • Vickery, Michael (1990). "Notes on the Political Economy of the People's Republic of Kampuchea (PRK)". Journal of Contemporary Asia, 20(4), 435-465.
  • White, Nigel D. (2005). The Law of International Organisations 2nd ed. Manchester: Manchester University Press. ISBN 1-929446-77-2