Integralismo brasileiro

movimento político brasileiro
(Redirecionado de Integralismo Brasileiro)

O Integralismo Brasileiro foi um movimento político de caráter nacionalista e fascista, desenvolvido pela Sociedade de Estudos Políticos em 1932. O movimento adotou características de alguns movimentos Europeus da época, especificamente o Fascismo italiano, e tentando manter-se afastado do Nazismo, pois Salgado discordava do racismo presente nesse movimento. Apesar do movimento possuir o slogan "União de todas as raças e de todas as pessoas", membros e líderes, como Gustavo Barroso, possuíam ideologias antissemitas.[1][2] O movimento foi inicialmente representado pela Ação Integralista Brasileira (AIB), adotando como símbolo o Sigma (Σ), em uma bandeira de fundo azul. O movimento defendia diversas pautas, sendo as principais: o nacionalismo, o patriotismo, o espiritualismo, a democracia orgânica corporativista e da civilização cristã.

A AIB foi fechada em 1938, após o golpe de estado que instaurou o regime do Estado Novo, por Getúlio Vargas. O movimento, no entanto, não perdeu sua força, sendo posteriormente adotado pelo Partido de Representação Popular (PRP), de 1945 a 1965. Após o golpe de 1964, que instaurou a Ditadura Militar, o PRP se desbandou, com alguns apoiadores mantendo seus laços com a direita e unindo-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena) durante o período, e outros formando laços com a esquerda, dentre eles Santiago Dantas e o bispo católico Helder Câmara.

A partir da década de 1970, houveram inúmeros esforços na tentativa de recriar o movimento integralista brasileiro, como a Casa de Plínio Salgado (CPS), o Partido de Reedificação da Ordem Nacional (PRONA) e a Frente Integralista Brasileira (FIB), que representa a principal unidade do movimento integralista no Brasil.[3][4][5]

HistóriaEditar

O Integralismo tem sido representado por sucessivas agremiações desde 1932 e tem tido papel predominante em vários episódios da História brasileira, como no Golpe de 1937 e no Golpe de Estado no Brasil em 1964.[6]

PrincípiosEditar

Para a constituição do Manifesto de Outubro, Plínio Salgado redigiu e apresentou nove princípios básicos norteadores da doutrina a ser formada na Sociedade de Estudos Políticos:

  • "Somos pela unidade da Nação.
  • Somos pela expressão de todas as suas forças produtoras no Estado.
  • Somos pela implantação do princípio da autoridade, desde que ele traduza forças reais e diretas dos agentes da produção material, intelectual e da expressão moral do nosso povo.
  • Somos pela consulta das tradições históricas e das circunstâncias geográficas, climatéricas e econômicas que distinguem nosso País.
  • Somos por um programa de coordenação de todas as classes produtoras.
  • Somos por um ideal de justiça humana, que realize o máximo de aproveitamento dos meios de produção, em benefício de todos, sem atentar contra o princípio da propriedade, ferido tanto pelo socialismo, como pelo democratismo, nas expressões que aquele dá à coletividade e este ao indivíduo.
  • Somos contrários a toda tirania exercida pelo Estado contra o Indivíduo e as suas projeções morais; somos contra a tirania dos Indivíduos contra a ação do Estado e os superiores interesses da Nação.
  • Somos contrários a todas as doutrinas que pretendem criar privilégios de raças, de classes, de indivíduos, grupos financeiros ou partidários, mantenedores de oligarquias econômicas ou políticas.
  • Somos pela afirmação do pensamento político brasileiro baseado nas realidades da terra, nas circunstâncias do mundo contemporâneo, nas superiores finalidades do Homem e no aproveitamento das conquistas científicas e técnicas do nosso século."[7]

FilosofiaEditar

 
Plínio Salgado, político, escritor, jornalista e teólogo, fundou o movimento integralista e foi nomeado Chefe Perpétuo da Revolução Integralista pelo Congresso de Vitória da Ação Integralista Brasileira em 1934. É a principal figura do movimento. Nesta foto, Plínio aos 64 anos, em seu primeiro ano no Parlamento, em 1959.

Na definição da Enciclopédia do Integralismo, o Integralismo “é uma filosofia e um método”, e se define na ”doutrina que correlaciona os fenômenos e procura deduzir as soluções particulares da solução geral do problema nacional e humano”.[8] Adotando uma concepção global da fenomenologia sócio-econômico-política, nas palavras de Plínio Salgado, a doutrina integralista compreende o Universo e o Homem de maneira global no conjunto dos fenômenos que lhes são inerentes e consequentes. Assim, o Integralismo coloca-se como "a harmonia de todas as formas e movimentos", "do que é autônomo e do que é determinado". Essa concepção total do Universo principia na consideração de Deus como a Eterna Verdade.

Por tudo isso, para Plínio Salgado, de acordo com a criteriologia administrativa totalista (ou integralista), "não será possível encontrar solução isolada para problemas isolados, pois todas as questões, que particularmente se oferecem à nossa consideração, vinculam-se às outras, do mesmo modo como, em nosso corpo, os órgãos e funções se correlacionam, em inevitável interdependência". A partir disso, convencionou-se a reproduzir: "Ou resolvemos todos [os problemas], segundo as suas correlações, as suas recíprocas interferências, as suas implicações, uns sobre os outros, ou não resolvemos nenhum".[9][10][11]

A partir disso, Plínio Salgado desenvolve a teoria do "homem integral", fundamento de todo o seu pensamento político. O homem integral é a união consubstanciada de corpo e alma, cujo comportamento é a resultante de tríplice matriz, apresentando-se como ser cívico, econômico e espiritual.[12] Repudiando o conceito puro de "indivíduo", puramente distintivo, o integralismo vê o homem enquanto "pessoa", ou seja, ser "consciente, volitivo e independente". O homem possui um poder relativo de criação e de interferência, subordinado ao mundo e à sua eterna regência, Com efeito, assim definia Plínio Salgado sobre o Homem nas Conversações Católicas Internacionais de San Sebastian, em 1948: "O Homem é um ser feito à imagem e semelhança de Deus, seu Criador, possuindo uma alma espiritual e imortal, dotada de inteligência e de vontade livre. Ele deve encontrar na sociedade civil os meios de cumprir seus deveres e de exercer seus direitos correlativos, conforme as finalidades da sua natureza e sua vocação divina".[13]

Plínio Salgado opõe as cosmovisões espiritualista e materialista, sendo que esta última considera a vida humana como um fenômeno puramente terreno.[14]

NacionalismoEditar

 
Alberto Torres foi um político e pensador brasileiro que atuou entre os séculos XIX e XX. Seus dois principais livros, "O problema nacional brasileiro" e "A Organização Nacional", ambos de 1914, foram fundamentais para a elaboração do nacionalismo integralista.[7]

Enquanto concebe a Nação como um dos grupos naturais, o Integralismo adota, como é trivial, uma posição nacionalista. Conforme destaca o Manual do Integralista, a Nação, dentro do conceito Integralista, é "uma grande sociedade de famílias, vivendo em determinado território, sob o mesmo governo, sob a impressão das mesmas tradições históricas e com as mesmas aspirações e finalidades".[15]

Plínio Salgado define o nacionalismo nas seguintes palavras: "Nacionalismo é compreensão íntima do meio social e do meio cósmico. Nacionalismo é a visão total do país e é, ao mesmo tempo, a consciência particular de cada caráter e de cada tendência, de cada modo de ver, sentir, estar, resolver, aspirar, trabalhar e viver dos indivíduos isoladamente e das populações agremiadas sob o império de uma forma de atividade econômica, uma circunstância geográfica e uma feição moral".[16] Segundo ele, em outro momento, nacionalismo é "a manutenção da integridade da Pátria".[17]

A Doutrina Integralista rejeita agressivamente o cosmopolitismo, que entende como costumes antinacionais enraizados numa civilização burguesa instalada no Brasil. Conforme escrito no documento fundador da Ação Integralista Brasileira, o Manifesto de Outubro, em seu capítulo "O nosso nacionalismo": "O cosmopolitismo, isto é, a influência estrangeira, é um mal de morte para o nosso Nacionalismo. Combatê-lo é o nosso dever. E isso não quer dizer má vontade para com as Nações amigas, para com os filhos de outros países, que aqui também trabalham objetivando o engrandecimento da Nação Brasileira e cujos descendentes estão integrados em nossa própria vida de povo. Referimo-nos aos costumes, que estão enraizados, principalmente em nossa burguesia, embevecida por essa civilização que esta periclitando na Europa e nos Estados Unidos. [...] O nacionalismo para nós não é apenas o culto da Bandeira e do Hino Nacional; é a profunda consciência das nossas necessidades, do caráter, das tendências, das aspirações da Pátria e do valor de um povo. Essa é uma grande campanha que vamos empreender".[18]

Nos termos de Gustavo Barroso, o Integralismo almeja o Brasil-Integral, onde o Estado e a Nação se confundam num todo indissolúvel. Para ele, a Nação e o Estado devem se integrar, confundindo-se na mesma identidade e para os mesmos fins.[19] Uma vez que o Estado se identifique com a alma de uma Nação, este teria o direito e a autoridade para intervir no campo econômico, social, político e financeiro, "recompondo equilíbrios, sempre que alguns elementos da sociedade se hipertrofiem em detrimento de outros".[20] Nisso se fundamenta a estruturação do Estado Corporativo, que se propõe servir como a síntese entre o Estado e a Nação.[19] O nacionalismo integralista, portanto, assenta a soberania na Nação, opondo-se a quaisquer círculos que sobreponham a autoridade central.[21]

O Integralismo coloca a renúncia dos interesses individuais em favor dos interesses nacionais como um princípio para edificar "a grandeza da Pátria Brasileira".[22] No Manual do Integralista, justifica-se que "se a Nação não for bastante forte, também a própria integridade do Indivíduo não estará garantida, de sorte que o Indivíduo, submetendo-se aos supremos interesses nacionais, não faz mais do que defender sua própria intangibilidade".[15] Como escreve Plínio Salgado, "não existe nenhum interesse que supere os interesses da Nação. Nem os interesses municipais, nem os interesses estaduais, nem os interesses das classes, nem os interesses dos indivíduos. Acima de tudo, a Nação. Pois é em razão dela que subsistem intangíveis, na sua aspiração, na sua evolução natural para a realidade prática, os princípios integrais em que se fundamentam todos os interesses de indivíduos, de classes, de municípios e de Estados".[23] Segundo Gustavo Barroso, nacionalismo é "justo predomínio dos interesses nacionais".[24]

UniversalismoEditar

Em uma série de artigos publicada no jornal A Razão no começo da década de 1930, Plínio Salgado descrevia como as nações à época se fechavam em si mesmas, restaurando sua autoridade interna, rumo a permitir a realização de um futuro "internacionalismo ético".[25] Em outro artigo, o autor buscava soluções para "impor um ritmo de relações entre os países, de sorte que possam todos prosperar, trocando o excesso de suas produções pelo excesso de produções de mercadorias provenientes de outros climas", através de um "critério universal". Esse problema se apresentava dentro da ideia exprimida por ele de que "a solução dos problemas de cada nação depende diretamente da solução do problema único de todas as nações".[26] No período, ele batia-se com especial vigor pela união de todas as nações sul-americanas, chegando mesmo a defender que "é preferível que desapareçam com honra todas as nações sul-americanas do que continuarmos a viver classificados como países semicoloniais".[26]

 
A integração sul-americana é uma bandeira histórica do Integralismo. Na imagem, o Mercosul, bloco regional visto pela Frente Integralista Brasileira como "um projeto de Estado que, embora a passos lentos, pode prestar uma grande contribuição ao fortalecimento e à integração saudável da região".

No manifesto-programa da eleição de Plínio Salgado em 1938, publicado a 1936, declara-se uma busca pela "objetivação de uma unidade moral, cultural, política e econômica na América do Sul; a completa independência do Continente Sul-Americano das influências de estranhos; a uniformidade de ação, a solidariedade completa na solução dos problemas comuns às nacionalidades do Novo Mundo, desde os de ordem econômico-financeira aos culturais". Em seguida, diz: "O Integralismo não compreenderá senão como uma vil humilhação para os povos do Continente a mais leve interferência de nacionalidades a ele estranhas na solução de litígios, sejam eles quais forem, entre os países livres da América do Sul. Executar uma política firme, que, gradualmente, extinguindo desconfianças recíprocas, consolide a amizade entre as Nações Latinas do Novo Mundo, marche, com segurança, para a realização de uma grande unidade continental, é um dos grandes propósitos do Integralismo. Pois o Integralismo não deseja apenas a libertação do Brasil, mas de todos os seus irmãos deste hemisfério". Proclama, ainda, que "já é tempo de se pensar na extinção das barreiras alfandegárias entre as Nações sul-americanas, na criação de um Instituto econômico e político, permanente, em que se representarão todos os governos dessas Nações, estabelecendo as bases de uma consciência jurídica própria, de um critério econômico-financeiro uniforme, de uma política homogênea, sem hiatos, sem tergiversações, de uma cultura expressiva das forças profundas da América Latina".[27] A esse respeito, Plínio declarava que a diversidade das produções básicas nos países da América do Sul deve ser razão de entendimentos pacíficos, de acordo com os interesses coletivos de todas as Nações continentais, em uma verdadeira "União das Américas".[28]

Em sua carta para as Conversações Católicas de San Sebastian sobre a Declaração dos Direitos e Deveres do Homem da Organização das Nações Unidas, publicada em 1948 sob o título Direitos e Deveres do Homem, Plínio Salgado redige uma seção denominada "Direito do Homem e Condições Internacionais", na qual dedica quatro capítulos e uma introdução ao postulado de que "a propriedade nacional tem também uma função social com referência a todos os povos". No primeiro desses capítulos, ele discorre sobre o problema da imigração. No segundo capítulo, Plínio Salgado demonstra sua idealização de que o ferro e os combustíveis sejam distribuídos para todos os povos, "mediante intercâmbio harmonioso e fraternal das nações entre si", chegando mesmo a dizer que "as riquezas da terra pertencem a toda a Humanidade". No terceiro desses capítulos, ele advoga um "convênio internacional" para "regular de forma humana e cristã o comércio dos povos". No quarto desses capítulos, Plínio se bate por um entendimento internacional que possa equacionar de certa forma a taxa cambial entre diferentes países.[29]

O Manifesto da Guanabara, pronunciado em 2009 pela Frente Integralista Brasileira no Rio de Janeiro, declara que o integralismo deve construir um nacionalismo tendente ao universalismo e propõe que as relações internacionais como um todo restaurem um universalismo personalista semelhante ao expresso na Idade Média. Declara, ainda: "É ao Estado Integral que cumprirá a defesa da Soberania Nacional e a missão de restaurar a grandeza de nossa Nação e de fomentar o seu prestígio no exterior, fazendo com que ela se torne uma Nação efetivamente respeitada no coro das grandes nações, assumindo o papel de liderança que lhe cabe não só na América do Sul, mas também em toda a dita América Latina, no Mundo Lusófono e Hispânico, em todo o Hemisfério Meridional e mesmo em todo o Orbe Terrestre".[30]

PolíticaEditar

 
Miguel Reale, secretário de doutrina da Ação Integralista Brasileira. Sua vida e obra destaca-se, particularmente, pela Teoria Tridimensional do Direito (1940), pela criação da Emenda Constitucional nº 1 que consolidou o regime militar no Brasil e por sua atuação na difusão da filosofia no Brasil, tendo sido um dos membros-fundadores da Academia Brasileira de Filosofia e fundador do Instituto Brasileiro de Filosofia e da Sociedade Interamericana de Filosofia. Em 2002, atuou como supervisor da comissão elaboradora do Código Civil brasileiro. Foi condecorado 31 vezes e participou de 34 instituições.

EstadoEditar

A concepção integral do Estado, em complemento à concepção das formas, concebe igualmente o movimento, ao que Plínio Salgado permite-se chamar do "Estado que se renova" e "Estado revolucionário".[31] O Integralismo nega uma concepção de "sociedade estagnada", colocando-se assim, na defesa um Estado dinâmico que acompanhe os movimentos sociais. Dentro desse pensamento, apregoa distinguir as finalidades permanentes e imutáveis do Estado e a dependência deste ao organismo social no que concerne à sua atividade prática. Classifica, pois, os "valores imutáveis e valores transitórios",[32] em um Estado "de finalidade prefixada, porém, de plasticidade revolucionária".[33] Ainda mais, invoca para o Estado o direito das revoluções "para destruir todos os fatores que ameaçam situações de desequilíbrio atentatórias da intangibilidade do Homem".[34]

Para Plínio Salgado, a Nação precede o Estado.[32]

Plínio Salgado defende que a autoridade do Estado não é superior nem inferior aos outros valores sociais e nacionais, contendo em si um valor diferente, "um elemento de natureza diversa que entra na composição das harmonias sociais e humanas". Caberia ao Estado Integral manter íntegras cada uma dessas expressões humanas, que incluem a família, a corporação, o município, a economia e a religião, não entrando nos domínios próprios de cada uma delas.[35]

Sindicalismo e CorporativismoEditar

Segundo a teoria corporativa integralista, os sindicatos devem tornar-se organismos de direito público. Via de regra, devem estabelecer com as organizações de capital convenções coletivas de trabalho. No entanto, os trabalhadores podem, também, se reunir em sindicatos privados, cujos contratos coletivos só terão valor entre seus signatários. Somente os contratos realizados entre sindicatos de direito público, portanto, são leis para toda a categoria.[36]

Para o reconhecimento de um sindicato, todavia, far-se-ia necessário que fossem cumpridas algumas condições: que reúna certa porcentagem definida de elementos da profissão ou categoria; que se proponha à finalidade de tutelar os interesses econômicos, de assistência, da instrução e da educação moral e nacional de seus inscritos; que não tenha ligações de dependência com organizações internacionais ou estrangeiras; e "que os seus dirigentes tenham boa conduta e competência".[37]

As funções de cada sindicato devem ser categorizadas dentro de quatro: função política (pela qual lhe compete a livre indicação de representantes ao Conselho Municipal, aos Conselhos Econômicos Provinciais e à Câmara Corporativa Nacional), econômica (através da estipulação dos contratos coletivos e da participação de seus órgãos superiores na solução dos problemas econômicos nacionais), cultural (pelo dever que lhes é imposto de cuidar da cultura de seus associados, mantendo, entre outros, escolas, bibliotecas e cursos técnicos, além da cooperação na criação de campos de repouso, diversão e de esporte) e moral (de acordo com o princípio de se buscar resolver os conflitos surgidos na produção dentro de um espírito de cooperação e auxílio mútuo).[38]

Acima dos Sindicatos, em escala nacional, seriam organizadas as Corporações, divididas por ciclo e ramo de produção e organizando patrões, empregados e técnicos do mesmo setor. A vida política, num regime integralista, seria coordenada corporativamente, através das eleições dos Sindicatos ao Conselho Municipal, das Federações ao Conselho Provincial e das Corporações à Câmara Corporativa Nacional.[27]

MunicipalismoEditar

O Integralismo defende que "os municípios devem ser autônomos em tudo o que respeita a seus interesses peculiares".[18] Plínio Salgado definiu o Município como "pedra angular da doutrina integralista" e disse que "a palavra municipalismo resume a nossa política".[39]

EconomiaEditar

O Integralismo almeja promover a disseminação da propriedade e, ao mesmo tempo, declarar maiores deveres do proprietário perante o Estado.[40]

A doutrina integralista coloca o Estado Corporativo acima da economia. Segundo as palavras de Sergio Panunzio, que Miguel Reale toma para si, "o Estado está acima da economia, especialmente quando a domina e controla, coordena e harmoniza, mas não faz economia. A coordenação, a composição das economias em um todo unitário é um momento de natureza própria, político-estatal, diverso do momento econômico da produção da riqueza". Para ele, o Estado não deve ser um ente econômico, mas supereconômico. Reale acrescenta, no entanto, que há casos em que o Estado deve exercer funções de produtor, "quando a não intervenção direta poderia acarretar praticamente a anulação da soberania jurídico-política".[40] Por outro lado, Gustavo Barroso afirma que o Integralismo não sustenta a primazia da política sobre a economia nem da economia sobre a política, mas a direção de ambos pela moral e pela ciência.[24]

Essa intervenção se dará de maneira corporativa, segundo as Corporações, reunindo produtores, trabalhadores e técnicos.[41] Segundo Félix Contreiras Rodrigues, o fundamento da economia integralista é o estabelecimento do justo-preço dos produtos.[42]

Reale define a economia integralista como o sistema em que "o Estado intervém na economia, promovendo a racionalização da produção onde os valores humanos devem ser respeitados, controlando a circulação das riquezas sem a crença absurda no automatismo dos movimentos sociais; estendendo os círculos do consumo e proporcionando a distribuição". A economia integralista traz como princípio fundamental a colocação do Trabalho no lugar de sujeito da economia.[40]

O Integralismo defende vigorosamente a pequena propriedade privada e sua difusão, segundo o sistema distributista.[43]

NeointegralismoEditar

 
Levy Fidelix,com o Presidente Nacional da Frente Integralista Brasileira, Victor Emanuel Vilela Barbuy.

O movimento neointegralista busca reviver ideias do integralismo da década de 30 com uma abordagem mais radical. Seus seguidores creem em concepções de mundo pautadas na hierarquização social, em preconceitos sociais, raciais e sexuais, e nos valores morais do fundamentalismo cristão. Apesar de não possuírem uma organização centralizada, o neointegralismo, utilizando a internet como principal meio de comunicação, conseguiu um grande alcance na sociedade brasileira, sobretudo entre a classe média, através do apelo às crenças religiosas e a promessa da manutenção de sua posição social. Alguns apoiadores, no entanto, encontram-se entre as classes operárias, o que indica que o movimento neointegralista aproveitou-se de um estado de mal-estar social para conseguir apoio popular.[44]

O integralismo é citado como inspiração do grupo de skinheads Carecas do ABC, a gangue usa o lema Deus, pátria e família. A gangue aceita como membros negros e nordestinos no grupo,[45] mas abominam roqueiros cabeludos, estrangeiros e homossexuais.[46]

Em 1999, o empresário Wagner Luiz de Vasconcelos junto com 11 amigos funda o Movimento Pela Valorização da Cultura, do Idioma e das Riquezas do Brasil, mais conhecido como MV-Brasil, associado ao integralismo,[47] em 2006, Wagner se candidatou a deputado federal do Rio de Janeiro pelo Prona de Enéas Carneiro,[48][49] um dos partidos que foi um dos escolhidos pelos integralistas após a redemocratização.[50]

Em 2004, ocorreu e São Paulo o I Congresso Integralista para o Século XXI, de onde surgiram três principais organizações: a Frente Integralista Brasileira (FIB), o Movimento Integralista e Linearista Brasileiro (MIL-B) e a Ação Integralista Revolucionária (AIR).[51] A FIB possuía laços estreitos com o Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), de Levy Fidelix deu forte apoio à campanha presidencial de Jair Bolsonaro durante o segundo turno das eleições brasileiras de 2018.[52] ” Na mesma eleição, Levy Fidelix,usou o slogan integralista “Deus, pátria e família” em sua campanha a deputado federal.[53] Em 2021, lideranças da FIB filiaram-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) de Roberto Jefferson.[54][55] Anteriormente, diversos integralistas também estavam envolvidos com o Partido de Reedificação da Ordem Nacional (PRONA), de Enéas Carneiro, que se dissolveu em 2006.[56]

A FIB, assim como a AIR, está ligada às ideias de conservação dos ideais integralistas da década de 1930. No entanto, as duas organizações diferenciam-se programaticamente a partir do horizonte partidário: a AIR posiciona-se criticamente à organização partidária do Integralismo brasileiro que estabeleceu-se em 1935, considerando que a revolução, e não a partidarização, é a saída para o movimento.[51] O MIL-B, por sua vez, relaciona-se à busca por da atualização doutrinária do Integralismo, incorporando, naqueles ideais dos anos 30, o cientificismo, em nome de um "Integralismo do Século XXI".[51]

Em 2017, surge a Accale (Associação Cívica Cultural Arcy Lopes Estrella).[51] Em novembro de 2019, Jair Bolsonaro anunciou que criaria um partido, o Aliança pelo Brasil, usando os lemas "Deus, pátria e família",[57] no entanto, o projeto não foi concretizado.[58]

A rejeição do liberalismo econômico e a desconfiança da aproximação aos Estados Unidos distanciou o integralistas do bolsonarismo, mantendo-se críticos do governo.[59][60][61] Segundo o especialista Odilon Caldeira Neto, “o integralista está para além de lideranças e instituições, de acordo com os seus membros”, e por isso “os integralistas não são bolsonaristas”. Para ele, “o diálogo entre grupos integralistas e o bolsonarismo não é uma adesão, mas sim uma aproximação estratégica”.[62]

No dia 26 de dezembro de 2019, um grupo auto-denominado "Comando de Insurgência Popular Nacionalista da Grande Família Integralista Brasileira" assumiu responsabilidade do bombardeamento da sede do grupo de comédia Porta dos Fundos no Rio de Janeiro.[63][64] Eduardo Fauzi Richard Cerquise, apontado como responsável pelo ataque,[65] assumiu como presidente da Accale em 2018,[66] contudo, a organização afirmou não ter "nenhuma relação com o ocorrido".[65] Em janeiro de 2022, Fauzi acenou ao MIL-B após ser afastado do FIB e Accale, o MIL-B é considerado mais radical dos grupos integralistas, sendo mais antissemita e conspiracionista, mas com menos militantes.[67]

No dia 30 de dezembro de 2019, um membro da FIB e ex-candidato dos partidos Patriota e PRONA[68] para o congresso, Paulo Fernando Melo da Costa, foi apontado como assessor para a Ministra de Direitos Humanos, Damares Alves, durante o governo Bolsonaro.[69] Sara Winter, ex-membro do FEMEN Brasil trabalhou no ministério como coordenadora nacional de políticas à maternidade,[70] enquanto membro do Femen, declarou simpatizar com as ideias de Plínio Salgado, se referindo a ele como um "defensor do país".[71] Também no governo Bolsonaro, Sara integrou o grupo 300 do Brasil, que possuía membros armados e pregava ações antidemocráticas como a volta do Ato Institucional n.º 5.[72]

Nas Eleições gerais no Brasil em 2022, o PTB lançou a candidatura de Kelmon Luís da Silva Souza, autodeclarado padre ortodoxo, que chegou a palestra em um congresso organizado pela FIB,[6] em campanha pelo Senado no Distrito Federal, Damares Alves afirmou ter identificação com o Integralismo.[73][74]

Movimentos relacionadosEditar

Após a eleição de Jair Bolsonaro em 2018, que recebeu apoio de movimentos neointegralistas, surgiram diversos movimentos de apoio ao presidente, denominados popularmente de movimento Bolsonarista. Em seu livro "A ascensão do bolsonarismo no Brasil do século XXI", Cesar Calejon debate que cinco aspectos foram marcantes na eleição do candidato: o antipetismo, o elitismo histórico, o dogma religioso da sociedade brasileira, o sentimento de antissistema e a disseminação de notícias falsas e discursos de ódio por ferramentas de comunicação online, como WhatsApp e Facebook. Tais aspectos são consistentes com o movimento integralista, pois representam o estado de mal-estar social e o uso de crenças religiosas para convencimento de populações de classe média através da internet. Essas ideologias já vinham crescendo no país desde o início das operações da Lava-Jato, mas somente depois do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff é que a figura de Bolsonaro passou a ser utilizada como símbolo do movimento.[75][76] Apesar disso, a rejeição do liberalismo econômico e a desconfiança da aproximação aos Estados Unidos distanciou os integralistas do bolsonarismo, mantendo-se críticos do governo.[77][78][50] Segundo o especialista Odilon Caldeira Neto, “o integralista está para além de lideranças e instituições, de acordo com os seus membros”, e por isso “os integralistas não são bolsonaristas”. Para ele, “o diálogo entre grupos integralistas e o bolsonarismo não é uma adesão, mas sim uma aproximação estratégica”.[79][80]

O movimento neointegralista brasileiro possui diversas similaridades com o movimento Alt-right, nos EUA, com o movimento identitário e com movimentos neonazistas e nacionalistas, e posiciona-se como contrário a ideologias e políticas de esquerda.

Política contemporâneaEditar

Em 2022 Bolsonaro em seu discurso na ONU fez uso do lema "Deus, pátria, família e liberdade" usando por integralistas.[81]

Padre Kelmon que foi candidato à presidência pelas eleições de 2022 esteve presente no 4.º Congresso Nacional do Integralismo realizado em São Paulo que ocorreu no ano de 2012.[82]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Vieira, Newton Colombo de Deus (21 de agosto de 2012). «Além de Gustavo Barroso : o antissemitismo na ação integralista brasileira (1932-1937)». Consultado em 20 de janeiro de 2021 
  2. «Ao Combate». Revista de História da Biblioteca Nacional (61). 6 de agosto de 2016 
  3. «O fascismo no Brasil». Superinteressante. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  4. «Integralistas: o que é grupo citado por supostos autores de ataque ao Porta». noticias.uol.com.br. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  5. «Com lema copiado por Bolsonaro, integralismo tem raro acervo preservado no RS». Folha de S.Paulo. 16 de dezembro de 2019. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  6. a b «Como "Deus, Pátria e Família" entrou na política do Brasil». dw.com. 7 de outubro de 2022. Consultado em 16 de outubro de 2022 
  7. a b BARBUY, Victor Emanuel Vilela (7 de outubro de 2017). «85 anos do Manifesto de Outubro». Frente Integralista Brasileira. Consultado em 11 de dezembro de 2017 
  8. SALGADO, Plínio (1957). O Integralismo na Vida Brasileira. Col: Enciclopédia do Integralismo. . Rio de Janeiro: Livraria Clássica Brasileira. pp. 30–31 
  9. DOREA, Gumercindo Rocha (1982). Perfis Parlamentares de Plínio Salgado. Brasília: Editora da Câmara dos Deputados. pp. 469–472 
  10. DOREA, Gumercindo Rocha (1982). Perfis Parlamentares de Plínio Salgado. Brasília: Editora da Câmara dos Deputados. pp. 614–616 
  11. CONTREIRAS RODRIGUES, Félix (1951). Conceitos de Valor e Preços. Rio de Janeiro: Gráfica Olímpica Editora. pp. 329–330 
  12. BARROSO, Gustavo (1936). O Integralismo em Marcha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, S/A 
  13. SALGADO, Plínio (1955). Deus e a ONU. Direitos e Deveres do Homem. Col: Obras Completas. 5. São Paulo: Editora das Américas. pp. 413–421 
  14. SALGADO, Plínio (1954). O que é o Integralismo. Col: Obras Completas. 10. São Paulo: Editora das Américas. pp. 19–21 
  15. a b BARROSO, Gustavo (1935). O que o Integralista deve saber. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira s/a. p. 44 
  16. SALGADO, Plínio (1954). Despertemos a Nação. Col: Obras Completas. 10. São Paulo: Editora das Américas. p. 117 
  17. SALGADO, Plínio (1954). Páginas de Ontem. Col: Obras Completas. 10. São Paulo: Editora das Américas. p. 219 
  18. a b «Manifesto de 7 de Outubro de 1932». Frente Integralista Brasileira. 13 de dezembro de 2005. Consultado em 6 de dezembro de 2017 
  19. a b BARROSO, Gustavo (1935). O Que o Integralista Deve Saber. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira s/a. p. 11 
  20. SALGADO, Plínio (1937). A doutrina do Sigma. [S.l.]: Schmidt. p. 22 
  21. REALE, Miguel (1983). O Estado Moderno. Col: Obras Políticas (1ª fase - 1931/1937). 2. Brasília: Editora da UnB. pp. 79–81 
  22. BARROSO, Gustavo (1935). O que o Integralista deve saber. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira s/a. pp. 12–13 
  23. SALGADO, Plínio (1954). Despertemos a Nação. Col: Obras Completas. 10. São Paulo: Editora das Américas. p. 139 
  24. a b BARROSO, Gustavo (1934). O Integralismo de Norte a Sul. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, S/A. pp. 56–57 
  25. SALGADO, Plínio (1936). O Soffrimento Universal. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio. pp. 106–142 
  26. a b SALGADO, Plínio (1936). O Soffrimento Universal. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio. pp. 169–172 
  27. a b Manifesto-Programa da Ação Integralista Brasileira (A.I.B.), 1936.
  28. SALGADO, Plínio (1956). O Ritmo da História. Col: Obras Completas. 16. São Paulo: Editora das Américas. pp. 199–200 
  29. SALGADO, Plínio (1955). Direitos e Deveres do Homem. Col: Obras Completas. 5. São Paulo: Editora das Américas. pp. 329–349 
  30. «Manifesto da Guanabara». Frente Integralista Brasileira. 25 de janeiro de 2009. Consultado em 5 de janeiro de 2018 
  31. SALGADO, Plínio (1955). Psicologia da Revolução. Col: Obras Completas. 7. São Paulo: Editora das Américas. p. 75 
  32. a b SALGADO, Plínio (1954). Psicologia da Revolução. Col: Obras Completas. 7. São Paulo: Editora das Américas. pp. 68–71 
  33. SALGADO, Plínio (1954). A Quarta Humanidade. Col: Obras Completas. 5. São Paulo: Editora das Américas. p. 107 
  34. SALGADO, Plínio (1954). A Quarta Humanidade. Col: Obras Completas. 5. São Paulo: Editora das Américas. p. 109 
  35. SALGADO, Plínio (1954). Madrugada do Espírito. Col: Obras Completas. 7. São Paulo: Editora das Américas. p. 446 
  36. REALE, Miguel (1983). O Estado Moderno. Col: Obras Política (1ª fase - 1931/1937). 2. Brasília: Editora da UnB. pp. 159–161 
  37. REALE, Miguel (1983). O Estado Moderno. Col: Obras Políticas (1ª fase - 1931/1937). 2. Brasília: Editora da UnB. p. 220 
  38. REALE, Miguel (1983). ABC do Integralismo. Col: Obras Políticas (1ª fase - 1931/1937). 3. Brasília: Editora da UnB. pp. 200–201 
  39. BARBUY, Victor Emanuel Vilela. «Município e Municipalismo no Brasil». Revista de Geopolítica. Consultado em 22 de setembro de 2019 
  40. a b c REALE, Miguel (1983). O Estado Moderno. Col: Obras Políticas (1ª. fase - 1931/1937). 2. Brasília: Editora da UnB. pp. 145–146 
  41. COTRIM NETO, Alberto (1938). Doutrina e Formação do Corporativismo. Rio de Janeiro: Coelho Branco Fº 
  42. CONTREIRAS RODRIGUES, Félix (1942). Conceitos de Valor e Preço. Rio de Janeiro: Gráfica Olímpia 
  43. BARBUY, Victor Emanuel Vilela. «Aspectos do Distributismo no Brasil». Revista de Geopolítica. Consultado em 22 de setembro de 2019 
  44. Reis, Natalia (2007). «A ideologia do Sigma hoje. Neo-integralismo, intolerância e memória». Editora UFPR. História: Questões e Debates (46): 115-116. Consultado em 20 de janeiro de 2021 
  45. Apesar de serem admiradores de Hitler, homofóbicos, anticomunistas, antianarquistas e antipunks, vide: Hitler en el trópico: Los neonazis en Brasil también son negros
  46. Monica Weinberg, Revista Veja, edição de 20 de setembro de 2000, Já fui um deles
  47. Jefferson R Barbosa. «PROLETÁRIOS E NACIONALISTAS: SKINHEADS E INTEGRALISTAS NO BRASIL CONTEMPORÂNEO, pág. 5, rodapé.» (PDF). Consultado em 30 de julho de 2010 
  48. «Folha Online - Especial - 2006 - Eleições - Apuração - Rio de Janeiro - Deputado Federal». eleicoes.folha.uol.com.br. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  49. «G1 > Eleições 2006 > Rio de Janeiro - APURAÇÃO ESTADUAL». g1.globo.com. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  50. a b «Integralistas estão de volta e resgatam camisas verdes - Política». Estadão. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  51. a b c d Caldeira Neto, Odilon (9 de março de 2021). «Neointegralismo: do debate historiográfico a uma possível definição». L'Ordinaire des Amériques (226). ISSN 0997-0584. doi:10.4000/orda.5853. Consultado em 15 de maio de 2021 
  52. «Movimento integralista resiste e vê bom momento para difusão de suas ideias». Folha de S.Paulo. 29 de dezembro de 2018. Consultado em 20 de janeiro de 2021 
  53. Pereira Gonçalves, Leandro; Caldeira Neto, Odilon (8 de maio de 2021). «Pai do aerotrem, Levy Fidelix foi uma das vias entre tradição fascista e Bolsonaro». Folha de S.Paulo. Consultado em 20 de outubro de 2022 
  54. «Painel: Integralistas planejam participar de eleições pelo PTB do bolsonarista Roberto Jefferson». Folha de S.Paulo. 24 de julho de 2021. Consultado em 7 de outubro de 2022 
  55. Caio Sartori (29 de julho de 2021). «PTB bolsonarista filia integralistas e ruma à extrema-direita». O Estado de S. Paulo. Consultado em 21 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 29 de julho de 2021 
  56. Política, I. G. (11 de janeiro de 2020). «Partido de Bolsonaro terá o mesmo slogan de herdeira fascista da década de 1930». O Bom da Notícia. Consultado em 20 de janeiro de 2021 
  57. «Partido de Bolsonaro usa lema integralista, mas se aproxima da Arena, da ditadura, diz sociólogo». O Globo. 14 de novembro de 2019. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  58. «Bolsonaro anuncia saída do PSL e criação de novo partido». G1. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  59. GONÇALVES, Leandro Pereira (8 de maio de 2021). «Pai do aerotrem, Levy Fidelix foi uma das vias entre tradição fascista e Bolsonaro». Folha de S.Paulo. Consultado em 24 de julho de 2021 
  60. GONÇALVES, Leandro Pereira (2020). O fascismo em camisas verdes: do integralismo ao neointegralismo. Rio de Janeiro: FGV Editora. p. 195 
  61. «Integralistas estão de volta e resgatam camisas verdes - Política». Estadão. Consultado em 12 de outubro de 2022 
  62. «Fauzi prepara terreno para sua volta ao Brasil ao acenar para movimento neointegralista?». Sputnik Brasil. 21 de janeiro de 2022. Consultado em 23 de janeiro de 2022 
  63. «Brazil police investigate fire-bombing of 'gay Jesus' film office». BBC News (em inglês). 26 de dezembro de 2019. Consultado em 20 de janeiro de 2021 
  64. POPULAR, Redação O. (26 de dezembro de 2019). «Vídeo mostra suposto grupo integralista assumindo autoria de ataque à sede do Porta dos Fundos». O Popular. Consultado em 20 de janeiro de 2021 
  65. a b «O que se sabe sobre o suspeito de atacar a sede do Porta dos Fundos». BBC News Brasil. Consultado em 16 de outubro de 2022 
  66. «Eduardo Fauzi assumiu presidência de associação integralista, mas notícia foi deletada». O Antagonista. 31 de dezembro de 2019. Consultado em 16 de outubro de 2022 
  67. Esteves, Ana Livia (21 de janeiro de 2022). «Fauzi prepara terreno para sua volta ao Brasil ao acenar para movimento neointegralista?». Sputnik Brasil. Consultado em 16 de outubro de 2022 
  68. «Folha Online - Especial - 2006 - Eleições». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 11 de outubro de 2022 
  69. «Integralista Paulo Fernando Costa é nomeado assessor especial de Damares». Revista Fórum. 31 de dezembro de 2019. Consultado em 20 de janeiro de 2021 
  70. «Sara Winter no ministério de Damares: "Amar mulheres não é ser feminista"». Uol. 26 de abril de 2019. Consultado em 15 de maio de 2020 
  71. «Acusada de ser nazista, líder do Femen se diz ameaçada», Folha da manhã, Folha .
  72. «Nina Lemos - Para feministas, Sara Winter não é "ex-feminista" porque nunca foi uma». ninalemos.blogosfera.uol.com.br. Consultado em 21 de outubro de 2022 
  73. «Chico Alves - Kelmon reforça elo bolsonarista com integralismo, o fascismo à brasileira». noticias.uol.com.br. Consultado em 9 de outubro de 2022 
  74. «Damares e Integralismo: candidata diz se identificar com movimento de extrema direita inspirado no fascismo italiano». Extra Online. 26 de setembro de 2022. Consultado em 7 de outubro de 2022 
  75. «Em novo livro, jornalistas analisam como e por que Bolsonaro chegou ao poder». br.noticias.yahoo.com. Consultado em 20 de janeiro de 2021 
  76. Calcagno', 'Luiz. «Livro tenta explicar e entender o bolsonarismo e seus desdobramentos». Política. Consultado em 20 de janeiro de 2021 
  77. GONÇALVES, Leandro Pereira (8 de maio de 2021). «Pai do aerotrem, Levy Fidelix foi uma das vias entre tradição fascista e Bolsonaro». Folha de S.Paulo. Consultado em 24 de julho de 2021 
  78. GONÇALVES, Leandro Pereira (2020). O fascismo em camisas verdes: do integralismo ao neointegralismo. Rio de Janeiro: FGV Editora. p. 195 
  79. «Fauzi prepara terreno para sua volta ao Brasil ao acenar para movimento neointegralista?». Sputnik Brasil. 21 de janeiro de 2022. Consultado em 23 de janeiro de 2022 
  80. «Por que assistimos a uma volta do fascismo à brasileira - 09/06/2020 - Ilustríssima - Folha». web.archive.org. 29 de março de 2021. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  81. «Bolsonaro repetiu lema integralista ao encerrar discurso na ONU; entenda». Estadão. Consultado em 3 de outubro de 2022 
  82. «Kelmon reforça elo bolsonarista com integralismo, o fascismo à brasileira - 29/09/2022 - UOL Notícias». noticias.uol.com.br. Consultado em 3 de outubro de 2022 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar