Língua mundial

Uma língua mundial ou universal é uma língua falada internacionalmente, que é aprendida por muitos como segunda língua. Uma língua mundial não é caracterizada apenas pelo número de falantes (nativos ou como segunda língua), mas também pela distribuição geográfica, e seu uso em organizações internacionais e relações diplomáticas.[1] Nesses aspectos, as maiores línguas globais são de origem europeia. A razão histórica para isso é o período do colonialismo europeu. Línguas mundiais originárias da expansão de impérios coloniais incluem inglês, espanhol, português, francês e neerlandês. A proeminência internacional do árabe se deve ao período medieval, em que ocorreram as conquistas islâmicas. O idioma mundial mais falado (e provavelmente o que mais se espalha) hoje em dia é o inglês, com mais de 1,1 bilhão de falantes nativos e como segunda língua em todo o mundo.[2] Por razões semelhantes, o francês e o espanhol tem se enquadrado cada vez mais com o status de línguas mundiais.

Há outras línguas maiores não tanto faladas fora de seus continentes, mas que possuíram importância internacional como língua franca em impérios históricos. Essas línguas incluem: o mandarim do Império Chinês, o russo do Império Russo, o alemão do Império Alemão e o hindi que se tornou língua nacional na Índia Britânica.

As grandes línguas do Subcontinente Indiano hindustâni (que inclui todos os dialetos do hindi e do urdu) e bengali, possuem números de falantes comparáveis aos das grandes línguas mundiais devido ao forte crescimento populacional na região em décadas recentes mais do que um uso suprarregional dessas línguas. De modo similar, o japonês possui mais falantes que o francês, mas enquanto o francês é falado intercontinentalmente e possui uma considerável porção de falantes não nativos, a vasta maioria dos falantes do japonês são japoneses nativos.

HistóriaEditar

Confusão das línguasEditar

 Ver também: Torre de Babel
 Ver também: Língua de Adão

O tema da diversidade das línguas está presente em inúmeras teogonias e tradições orais. Imaginações da unidade da linguagem humana são marcantes no Gênesis biblico. Após a dilúvio, diz o Gênesis, 'a terra inteira era de uma língua, e de um discurso'.[3] Na conhecida história da Torre de Babel, Deus criou uma confusão na linguagem humana, em que as pessoas passaram à não entender mais umas às outras, como retribuição do orgulho em rivalizar a grandeza divina com a engenhosidade mundana. Como consequência, a humanidade se espalhou pelo mundo. Outros trechos de Gênesis tocam no tema da linguagem, inclusive afirmando a existência de uma diversidade de línguas antes de Babel, um trecho que não recebeu tanta atenção quanto a dramática história da Torre. Existiram extensas discussões sobre se a língua falada por Deus e pelos humanos antes do dilúvio sério o Hebreu, ou uma língua anterior, frequentemente chamada de língua adâmica. Segundo Umberto Eco, essa história vai inspirar os múltiplos questionamentos e buscas pela unidade linguística perdida.[4]

Línguas francasEditar

Os gregos tiveram intenso contato com outras culturas e suas línguas, que eram chamados de barbaroi pelos gregos. É visível em alguns filósofos a convicção de que o grego é a língua da razão, como na obra de As categorias, de Aristóteles, em que a lista de categorias corresponde à estrutura gramatical do grego. Com a expansão da civilização grega ao longo do Mediterrâneo e além, a língua grega passou à exercer uma função de língua franca na região. No período seguinte das conquistas de Alexandre, o Grande, uma versão comum do grego, antes disperso em diáletos, emergiu e foi denominado Koiné. O grego koiné tornou-se língua franca do Mediterrâneo, sendo uma língua da educação, do comércio, da diplomacia e da filosofia, como também a língua em que os primeiro textos cristãos foram traduzidos, sendo a língua dos Pais da Igreja.[5]

Com a ascenção do Império Romano, o latim passou à ter a prevalência nos territórios de domínio do império, e posteriormente tornou-se a língua da Igreja Romana. O grego, porém, continuou sendo usado na educação literária, científica e filosófica.[6] As línguas românicas herdaram do latim o papel de língua franca do Império Romano. O grego koiné foi a língua mundial durante o período helenístico, mas sua distribuição não corresponde à do grego moderno devido ao impacto linguístico dos eslavos, islâmicos e turcos. A distribuição das línguas túrquicas, por sua vez, são legado do Canato da Turquia.

Apenas as línguas mundiais de facto possuem esse status devido ao imperialismo histórico, a sugestão de denominar determinada língua como língua mundial ou "língua universal" possui fortes implicações políticas. Assim, o russo foi declarado como "a língua do internacionalismo" na literatura soviética, ao mesmo passo que o francês foi descrito como a língua dos cortesões fantasiosos, e o inglês o "jargão dos comerciantes".[7] Várias línguas internacionais auxiliares têm sido proposta como línguas mundiais, sendo a mais bem sucedida o esperanto, mas nenhuma delas pode reivindicar o status de língua franca de facto. Muitas línguas naturais tem sido propostas como candidatas a língua franca global, incluindo italiano, holandês, húngaro, alemão e malaio.[8]

Visão geralEditar

Línguas asiáticasEditar

ÁrabeEditar

 Ver artigo principal: Língua árabe

O árabe ganhou proeminência internacional por causa das conquistas islâmicas medievais e da subsequente arabização do Oriente Médio e Norte da África, e é também uma língua litúrgica entre as comunidades muçulmanas fora do mundo árabe.[carece de fontes?]

ChinêsEditar

 Ver artigo principal: Língua chinesa

O mandarim padrão é o substituto direto do chinês clássico, que era uma língua franca no Extremo Oriente até o início do século XX, e hoje serve como uma língua comum entre falantes de outros dialetos do chinês não só dentro da China (entre os chineses han e outros grupos étnicos não relacionados), mas em comunidades chinesas no exterior. Também é amplamente ensinado como uma segunda língua internacionalmente.[carece de fontes?]

PersaEditar

 Ver artigo principal: Língua persa

O persa, uma língua iraniana ocidental, costumava ser a língua franca de partes não árabes do mundo islâmico (Grande Irã, Anatólia e o subcontinente indiano em particular) durante os períodos medieval e início da era moderna.[9] O persa serviu como a língua oficial dos impérios, de Delhi na Índia a Constantinopla no Império Otomano.[10]

Línguas indianasEditar

 Ver artigo principal: Línguas da Índia

As principais línguas do subcontinente indiano têm números de falantes comparáveis aos das principais línguas do mundo, principalmente devido à grande população da região e não ao uso supra-regional dessas línguas, embora o hindustâni (incluindo todos os dialetos do híndi e do urdu), O bengali e o tâmil podem preencher os critérios em termos de uso supraregional e reconhecimento internacional.[carece de fontes?] O tâmil é falado amplamente no sul da Índia e é uma língua oficial no Sri Lanka e em Singapura. O tâmil também é reconhecido como uma língua minoritária na África do Sul,[11] é um dos três idiomas reconhecidos da educação na Malásia[12] e é falado também em Maurícia.[13] A população de que fala o bengali como a língua materna supera em muito os que falam francês como primeira língua, e é uma das línguas mais faladas (quinto[14] ou sexto lugar)[15] no mundo, com cerca de 230 milhões de falantes no total, sendo conhecida por sua longa e rica tradição literária.

Línguas europeiasEditar

 Ver artigo principal: Línguas da Europa

InglêsEditar

 Ver artigo principal: Língua inglesa

Além de 370 milhões de falantes nativos, estima-se que o Inglês tenha mais de 610 milhões de falantes como segunda língua,[16] incluindo entre 200 e 350 milhões de alunos/falantes apenas na China,[17] em níveis variados de estudo e proficiência, embora esse número seja difícil de ser avaliado.[18] O inglês também está se tornando cada vez mais a língua dominante da pesquisa científica e dos periódicos em todo o mundo, tendo até ultrapassado as línguas nacionais nos países da Europa Ocidental, incluindo a França, onde um estudo recente mostrou que o inglês deslocou maciçamente o francês como a língua da pesquisa científica bem como nas ciências aplicadas.[19] O inglês é o mais comum dos idiomas usados na Internet.[20] A partir de 2019, de acordo com uma pesquisa, o inglês é usado por 54,0% dos 10 milhões de websites do mundo,[21] e de acordo com outra pesquisa, 25,5% de todos os usuários da Internet são falantes de inglês.[22]

FrancêsEditar

 Ver artigo principal: Língua Francesa

Durante os séculos XIX e XX, o Francês era a língua da comunicação e da diplomacia, e a segunda língua preferida entre a elite e as classes educadas na Europa (incluindo Rússia, Romênia, Bulgária e Grécia) — assim como em muitos países do Oriente Médio e países do norte da África como Síria, Egito, Turquia otomana e Irã. Além disso, os franceses gozavam de alto status em alguns países do sudeste asiático (Vietnã, Laos e Camboja) e em vários países da América do Sul como Argentina, Brasil, Chile e Uruguai. No entanto, o francês diminuiu constantemente desde a Primeira Guerra Mundial, sendo gradualmente substituído pelo inglês — embora no Líbano, Tunísia, Argélia e Marrocos, o francês continue sendo o segundo idioma preferido, além de gozar de status oficial em vários países africanos e co-oficial no Canadá, Suíça e Bélgica. Além disso, o francês continua sendo uma das línguas de trabalho de muitas organizações internacionais, incluindo as Nações Unidas, OTAN, União Europeia e NAFTA. O francês é a principal língua de trabalho do Tribunal de Justiça Europeu. O francês também é reconhecido internacionalmente como de alto prestígio linguístico, ainda usado em diplomacia e comércio internacional, além de ter uma parcela significativa de falantes de segunda língua em todo o mundo.[23]

EspanholEditar

 Ver artigo principal: Língua Espanhola

O Espanhol é a segunda língua nativa mais falada do mundo, depois do chinês mandarim. O espanhol ganhou expansão durante o Império Espanhol e hoje é usado na Espanha, nos países da América Latina (exceto Brasil, Guiana Francesa e Haiti), e é amplamente falado em muitas partes dos Estados Unidos, particularmente na Flórida e nos estados que fazem fronteira com o México. Cerca de 30% da população dos EUA fala fluentemente espanhol.[24] De fato, em 2016 o espanhol era a língua não inglesa mais amplamente ensinada nas escolas secundárias americanas e nas escolas de ensino superior.[25] É também uma língua oficial das Nações Unidas sendo uma das línguas de trabalho de muitas organizações internacionais, incluindo Mercosul, União Europeia e NAFTA. A partir de 2019, o espanhol tinha o terceiro maior número de usuários da Internet por idioma, com 7,9%, depois do inglês com 25,2% e do chinês com 19,3%.[22]

AlemãoEditar

 Ver artigo principal: Língua Alemã

O Alemão serviu como língua franca em grandes partes da Europa durante séculos, principalmente o Sacro Império Romano-Germânico e depois o Império Austro-Húngaro. Continua a ser uma segunda língua importante em grande parte da Europa Central e Oriental e na comunidade científica internacional. É a língua nativa mais falada na União Europeia, bem como uma das três "linguagens procedurais" de suas instituições, além de inglês e francês.[26] A partir de 2019, é a terceira língua mais utilizada para o conteúdo de sites, com 5,8% dos 10 milhões de sites do mundo,[27] e 2,1% de todos os usuários da Internet são falantes de alemão.[28]

RussoEditar

 Ver artigo principal: Língua Russa

O Russo é a maior língua nativa da Europa, a mais difundida geograficamente na Eurásia,[29] uma das seis línguas oficiais das Nações Unidas e uma das duas línguas oficiais a bordo da Estação Espacial Internacional. A partir de 2019, tornou-se o segundo idioma mais usado para o conteúdo de sites, com 5,9% dos 10 milhões de sites do mundo em uso[20] e 2,5% de todos os usuários da Internet são falantes de russo.[22]

O russo era usado no Império Russo e na União Soviética, e seu ensino era obrigatório nos países do Bloco Oriental. No entanto, o uso e o ensino do russo diminuíram drasticamente tanto no antigo bloco oriental quanto no exterior desde que a União Soviética e o vice-ministro da Educação da Rússia disseram em dezembro de 2013 que o número de falantes de russo havia caído em 100 milhões desde aquela data.[30][31][32] Ainda é amplamente falado em todo o Cáucaso, Ásia Central, Europa Oriental e Estados Bálticos.

Línguas mundiais de factoEditar

Uma língua mundial de facto possui as seguintes propriedades[33]

  • um grande número de falantes
  • uma considerável porção de falantes não nativos
  • uma língua padronizada que é largamente utilizada na educação como língua estrangeira.
  • a comunidade linguística não é definida por limites étnicos, podendo ser uma língua pluricêntrica
  • status de língua oficial em diversos países
  • uso em relações comerciais internacionais.
  • uso em organizações internacionais.
  • uso na comunidade acadêmica
  • significante produção literária
  • associação com língua de prestígio.

Certos idiomas com mais de 100 milhões de falantes - em particular japonês - não são listados. O japonês, embora considerado um dos idiomas mais significativos do mundo[34] - não se qualifica como "idioma do mundo" de acordo com a maioria dos critérios listados acima. O Japão como região é quase homogêneo do ponto de vista étnico, cultural e linguístico. Sua língua nunca serviu realmente como língua franca. Embora o interesse internacional desde a década de 1980 tenha levado muitas universidades, escolas secundárias e até escolas primárias do mundo a oferecer cursos no idioma, o japonês possui apenas uma esfera de influência regionalmente limitada.[35]

Os idiomas que são freqüentemente considerados idiomas globais incluem:[1][36][37]

Língua Falantes nativos[38] Falantes como segunda língua[38] Estudantes como língua estrangeira Total de falantes Status como língua oficial Mapa de distribuição geográfica
Inglês 372 M[2] 611 M[2] 600 M[18] 1500 M[18] Países e territórios de língua oficial inglesa  
Francês 80 M 153 M 62 M[39] 274 M[40] Países e territórios de língua oficial francesa  
Espanhol 480 M 91 M 21 M[41] 577 M[42] Países e territórios de língua oficial espanhola  

Os seguintes idiomas são considerados de importância apenas regional:

Língua Falantes nativos[38] Falantes como segunda ou terceira língua[38] Status como língua oficial Mapa de distribuição geográfica
Mandarim 896~955 M[43]
[44]
(Mandarim padrão: 150 M)[45]
1091~1151 M[43][46]  
Árabe Incerto 255~315 M (dialetos+padrão)[46][47] Lista de países onde o árabe é uma língua oficial  
Português 223 M[48] 237~260 M[49] Lista de entidades territoriais em que o português é uma língua oficial  
Russo 154 M[50] 265 M[50]  
Alemão 82 Mα[51] (Somente o alemão padrão: 71 M) 105 M[52] a 132 M[53]  

Outras importantes línguas suprarregionaisEditar

 Ver artigo principal: Lingua franca

Outras línguas de importância supra-regional que não algum dos outros critérios a serem considerados idiomas de facto do mundo incluem

Língua Falantes nativos[38] Total de falantes Status como língua oficial Mapa de distribuição geográfica
Hindustani (Hindi Belt, Urdu) 329 M (260M Hindi, 69 Urdu) 697 M (534M Hindi,[54] 163 Urdu)[55] Língua : Índia (Hindi & Urdu), Paquistão (Urdu) & Fiji (Fiji Hindi)
Reconhecida como língua minoritária em: Mauritius (Hindi) e Suriname
Falado e compreendido nos Emirados do Golfo
 
Neerlandês e Africâner 29 M[56][57] 30 M[56][57]  
Bengali 243 M 262 M[58] Língua oficial: Índia (no Bengala Ocidental, Tripura e Assam) e Bangladesh  
Malaio e Indonésio 39 M 218 M[59][60]  
Suaíli 16 M 98 M[61]
[62]
[63]
Língua oficial em:Tanzânia, Quênia, República Democrática do Congo, Ruanda, Uganda, União Africana e Comunidade da África Oriental  
Persa 58[64] a 60 M[65] 61 M[64][66] a 110 M[65] Língua oficial em: Irã, Afeganistão (como Dari) e Tadjiquistão (como Tajique)  
Turca 74 M 79 M[67] a 100 M[68][falta página]
[69]
Língua oficial: Turquia, Chipre, Chipre do Norte
Reconhecido língua minoritária em: Bósnia e Herzegovina, Macedônia, Romênia, Iraque, Grécia, República do Kosovo
 
Italiana 65 M 68 M[70] to 85 M[71] Língua oficial: Itália, Suíça, San Marino, Ordem Militar Soberana de Malta, Cidade do Vaticano. O italiano é relevante nos países afetados pela diáspora italiana e nas antigas colônias e territórios ocupados do Império Italiano.  
Tâmil 68 M 75 M[72]  

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Fischer Weltalmanach. [S.l.]: S. Fischer Verlag. Consultado em 24 de junho de 2017 
  2. a b c «English». Ethnologue 
  3. Eco 1997, p. 8.
  4. Eco 1997, p. 9.
  5. Eco 1997, p. 11.
  6. Eco 1997, p. 12.
  7. Pei, p. 105
  8. Pei p. 105
  9. Boyle, John Andrew (1974). «Some Thoughts on the Sources for the Il-Khanid Period of Persian History». Iran (em inglês). 12. 185 páginas. doi:10.2307/4300510 
  10. Wastl-Walter, Doris, 1953- (2011). The Ashgate research companion to border studies. Farnham, Surrey, England: Ashgate. ISBN 0754690474. OCLC 742530519 
  11. «Constitution of the Republic of South Africa, 1996 - Chapter 1: Founding Provisions | South African Government». www.gov.za. Consultado em 22 de julho de 2019 
  12. «National Identity and Minority Languages | UN Chronicle». unchronicle.un.org. Consultado em 22 de julho de 2019 
  13. «A Brief History of the Tamils of Mauritius (M. Sangeelee)». tamilelibrary.org. Consultado em 22 de julho de 2019 
  14. «Summary by country». Ethnologue (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2019 
  15. «MSN Encarta - Multimedia - Languages Spoken by More Than 10 Million People». web.archive.org. 9 de janeiro de 2006. Consultado em 22 de julho de 2019 
  16. «English». Ethnologue (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2019 
  17. Wei, Rining; Su, Jinzhi (18 de setembro de 2012). «The statistics of English in China: An analysis of the best available data from government sources». English Today (em inglês). 28 (3): 10–14. ISSN 0266-0784. doi:10.1017/S0266078412000235 
  18. a b c Crystal, David (2006). «9 - English worldwide». In: Hogg, Richard; Denison, David. A History of the English Language. [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 420–439 
  19. Héran, François. «"No English please! Survey on the languages used for research and teaching in France"» (PDF). Population & Sociétés 
  20. a b «Usage Statistics of Content Languages for Websites». W3Techs. Consultado em 22 de julho de 2019 
  21. «Usage Statistics and Market Share of Content Languages for Websites, July 2019». w3techs.com. Consultado em 22 de julho de 2019 
  22. a b c «Top Ten Internet Languages in The World - Internet Statistics». www.internetworldstats.com. Consultado em 22 de julho de 2019 
  23. «Official Languages». United Nations. Consultado em 29 de outubro de 2016 
  24. «5 Easiest Languages to Learn for Native English Speakers». preply.com. 8 de agosto de 2019. Consultado em 22 de julho de 2019 
  25. Goldberg, David. «Enrollments in Languages Other Than English in United States Institutions of Higher Education, Summer 2016 and Fall 2016: Preliminary Report» (PDF). Modern Language Association of America. Consultado em 22 de julho de 2019 
  26. «European Commission - PRESS RELEASES - Press release - Frequently asked questions on languages in Europe». europa.eu. Consultado em 22 de julho de 2019 
  27. «Usage Statistics and Market Share of Content Languages for Websites, July 2019». w3techs.com. Consultado em 22 de julho de 2019 
  28. «Top Ten Internet Languages in The World - Internet Statistics». www.internetworldstats.com. Consultado em 22 de julho de 2019 
  29. «Russian: Eurasia's Most Geographically Widespread Language». Day Translations Blog m. Consultado em 22 de julho de 2019 
  30. Blank, Stephen m. «Russia's Waning Soft Power in Central Asia». The Diplomat. Consultado em 22 de julho de 2019 
  31. «Kyrgyzstan's Russian-Language Teaching Getting Squeezed Out m». Eurasianet (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2019 
  32. Brooke, James m. «English Replaces Russian as Top Foreign Language of Study in Ex-Soviet Georgia». VOA News. Consultado em 22 de julho de 2019 
  33. c.f. De Mejía p. 47f.
  34. «These are the most powerful languages in the world». World Economic Forum 
  35. cf. Pei p. 15
  36. Ammon, Ulrich (1989). Status and Function of Languages and Language Varieties (em inglês). [S.l.]: W. de Gruyter. ISBN 9780899253565 
  37. Mazrui, Ali AlʼAmin (1976). A World Federation of Cultures: An African Perspective (em inglês). [S.l.]: Free Press 
  38. a b c d e «Summary by language size» 
  39. «Le français, une langue mondiale» (PDF) (em francês). French Ministry of Foreign and European Affairs. 2015. Consultado em 24 de junho de 2017 
  40. 2014 "The French language worldwide" report
  41. «Archived copy» (PDF). Consultado em 24 de junho de 2017 
  42. «www.cervantes.es/sobre_instituto_cervantes/prensa/2018/noticias/np_presentacion-anuario.htm» (em espanhol). Instituto Cervantes. 2018 
  43. a b «Chinese, Mandarin». Consultado em 8 de agosto de 2018 
  44. Mikael Parkvall (2010). «Världens 100 största språk 2010». Nationalencyklopedin. Consultado em 24 de junho de 2017 
  45. Luo, Chris. «One-third of Chinese do not speak Putonghua, says Education Ministry». South China Morning Post. Consultado em 24 de junho de 2017 
  46. a b «The 30 Most Spoken Languages of the World». KryssTal. 2010. Consultado em 24 de junho de 2017 
  47. «Arabic». Ethnologue 
  48. «Portuguese». Consultado em 24 de junho de 2017 
  49. «Português - Língua global não quer ser ignorada». Instituto Internacional da Língua Portuguesa. Consultado em 24 de junho de 2017 
  50. a b Lewis, M. Paul; Simons, Gary F.; Fennig, Charles D., eds. (2016). «Russian language». Ethnologue. Consultado em 24 de junho de 2017 
  51. «German, Swiss» 
  52. Ammon, Ulrich - Die Stellung der deutschen Sprache in der Welt (de Gruyter Mouton; ISBN 978-3-11-019298-8)
  53. «German, Standard» 
  54. «Hindi» 
  55. «Urdu» 
  56. a b «Dutch». Ethnologue 
  57. a b «Afrikaans». Ethnologue 
  58. «Bengali» 
  59. «Malay» 
  60. «Indonesian» 
  61. «Swahili». Ethnologue 
  62. F. Abiola, Irele. «The Oxford Encyclopedia of African Thought». Oxford University Press 
  63. «Swahili». Stanford Language Center «Swahili». Stanford Language Center 
  64. a b «Persian, Iranian» 
  65. a b Windfuhr; Gernot, eds. (2009). The Iranian Languages. Londres: Routledge. 418 páginas 
  66. «Dari». Ethnologue 
  67. «Turkish». Ethnologue 
  68. Katzner[falta página]
  69. «Europeans and their Languages» (PDF). Special Eurobarometer 243. European Commission 
  70. «Italian». Ethnologue 
  71. «Italian». University of Leicester (em inglês). Consultado em 21 de setembro de 2018 
  72. «Tamil». Ethnologue 

BibliografiaEditar

  • Eco, Umberto (1997). The Search for the Perfect Language. [S.l.]: Fontana Press. 400 páginas 
  • Christian Mair (ed.), The Politics of English As a World Language (2003), ISBN 9042008768.
  • Mario Pei, One Language for the World (1958), ISBN 0819602183.
  • Anne-Marie De Mejía, Power, Prestige, and Bilingualism: International Perspectives on Elite Bilingual Education (2002), ISBN 185359590X.
  • David Crystal, English as a Global Language (2003), ISBN 0521530326.
  • Clare Mar-Molinero, The Politics of Language in the Spanish-speaking World (2000), ISBN 0415156556.

Ligações externasEditar