Abrir menu principal

Maria Thereza Goulart

25.ª Primeira-dama da República Federativa do Brasil
(Redirecionado de Maria Teresa Fontela Goulart)
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita referências, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2019). Ajude a inserir fontes confiáveis e independentes. Material controverso que esteja sem fontes deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Maria Thereza Goulart
25.ª Primeira-dama do Brasil
Período 8 de setembro de 1961
até 2 de abril de 1964
Presidente João Goulart
Antecessor Sylvia Mazzilli
Sucessor Sylvia Mazzilli
14.ª Segunda-dama do Brasil
Período 31 de janeiro de 1956
até 25 de agosto de 1961
Vice-presidente João Goulart
Antecessor Jandira Café
Sucessor Maria das Dores Alkmin
Dados pessoais
Nome completo Maria Thereza Fontella Goulart
Nascimento 23 de agosto de 1940 (79 anos)
São Borja, Rio Grande do Sul
Nacionalidade brasileira
Cônjuge João Goulart (1955–1976)
Filhos João Vicente Goulart (n. 1956)
Denise Goulart (n. 1957)
Assinatura Assinatura de Maria Thereza Goulart

Maria Thereza Fontella Goulart (São Borja,[1] 23 de agosto de 1940) é a viúva do 24.º Presidente brasileiro João Goulart, tendo sido a primeira-dama do Brasil de 1961 até 1964, quando seu marido foi deposto em ocasião do Golpe de Estado no Brasil em 1964.[2] Também foi a segunda-dama do Brasil de 1956 até a renúncia de Jânio Quadros em 1961.

Maria Thereza foi a primeira-dama mais nova da história do país, com vinte e um anos de idade à época da posse,[3] tendo sido considerada pela revista People como uma das dez primeiras-damas mais belas do mundo,[4] e pela revista Time como uma das nove Belezas Reinantes mundial.[5]

Foi um ícone da moda brasileira no início dos anos 60, com a ascensão da alta costura no país, atraindo atenção nacional e internacional, estampando diversas capas de revistas brasileiras como a Manchete, Fatos & Fotos e O Cruzeiro; e mundialmente famosas como a francesa Paris Match e a alemã Stern.[6][7][8]

BiografiaEditar

Família e juventudeEditar

Nascida no interior do Estado do Rio Grande do Sul, filha dos imigrantes italianos Dinarte Fontella e de Maria Júlia Pasqualotto, estudou no Colégio Metodista Americano, um internato de Porto Alegre. Era vizinha, na cidade de São Borja, da casa de Jango, o qual conheceu pessoalmente aos catorze anos. De acordo com Maria Thereza, ela foi encarregada de levar uma correspondência para ele a pedido de Dinarte Dornelles (tio materno de Getúlio Vargas).

No Rio de Janeiro, na casa da tia América Fontella, casada com Spartacus Dornelles Vargas (irmão de Getúlio)[9], Maria Thereza realizou seu baile de debutante, e Goulart estava entre os convidados. Conforme ela afirma, não se apaixonou por seu futuro marido à "primeira vista", pois não imaginava que "pudesse namorar uma pessoa de sua projeção".[10] Entre as primas de Maria Thereza estava a política Yara Vargas que mais tarde ajudou na fundação do Partido Democrático Trabalhista (PDT).

Relacionamento com JangoEditar

Em 11 de dezembro de 1950, conheceu o empresário João Goulart em São Borja, poucas semanas antes da posse do presidente eleito Getúlio Vargas, de quem Jango era amigo.[11]

Quando Maria Thereza terminou seus estudos, que realmente iniciou seu relacionamento afetivo com Jango, então ministro do Trabalho.

CasamentoEditar

Casaram-se em 17 de maio de 1955 quando Maria Thereza tinha quinze anos e João Goulart estava concorrendo à vice-presidência do país, cargo que ele ocuparia de Janeiro de 1956 até 1961. Com o casamento, Maria Thereza tornou-se concunhada de Leonel Brizola, marido de Neuza Brizola.

O casal teve dois filhos, o ex-deputado estadual João Vicente Goulart, nascido em 22 de novembro de 1956, e a historiadora Denise Goulart, nascida dia 29 de novembro de 1957. A família residiu no Edifício Chopin, ao lado do Hotel Copacabana Palace.[12]

Segunda-dama do BrasilEditar

Maria Thereza tornou-se segunda-dama do Brasil com a posse de Jango em 1956, como vice de Juscelino Kubitschek e, posteriormente, de Jânio Quadros. Enquanto seu marido era vice-presidente, vivia tranquilamente com os filhos longe dos holofotes.

Em 1959 em visita ao Papa João XXIII, seu filho João Vicente interrompeu a audiência pedindo para ir ao banheiro, fato que causou constrangimento.[13]

Viagem aos Estados UnidosEditar

Maria Thereza e Jango fizeram viagem oficial aos Estados Unidos em 30 de abril de 1956 à convite do vice-presidente norte-americano Richard Nixon, na qual fora recebidos por ele, pela segunda-dama Pat Nixon e pelo Secretário de Estado John Foster Dulles. Se hospedaram na Blair House, residência oficial destinada para convidados estrangeiros, onde o casal vice-presidencial americano ofereceu um almoço privado em homenagem ao casal vice-presidencial brasileiro com autoridades. No dia 2 de maio, foram recebidos na Casa Branca pelo presidente Dwight D. Eisenhower e a primeira-dama Mamie Eisenhower.[14]

Primeira-dama do BrasilEditar

 
Jango e Maria Thereza no Comício da Central, em 1964.

Em agosto de 1961, Maria Thereza estava hospedada no hotel Lloret de Mar, na Espanha, juntamente com os dois filhos. O dono do hotel era amigo de seu marido, que estava viajando a trabalho na China. Foi então que recebeu, surpresa, à hora do café da manhã, a notícia de que Jânio Quadros havia renunciado e João Goulart se tornara o novo Presidente da República.[15] Logo em seguida, o Itamaraty e jornalistas procuraram contato com Maria Thereza. Seu irmão, João José, então diretor da Riotur, serviu como porta-voz.

Aconselhada por Jânio a permanecer no hotel enquanto a situação com os ministros militares, que negavam a posse, estivesse delicada, a nova e jovem primeira-dama só regressou ao Brasil quando Jango tomou posse.[16]

Eu me dei conta que era a primeira-dama quando o avião da Varig pousou em Brasília. Fiquei apavorada.
— Maria Thereza Goulart.

Durante o mandato do marido, morou por cerca de seis meses no Palácio da Alvorada, mas o trocou pela Granja do Torto, onde costumava andar a cavalo.[17][18]

Como primeira-dama, assumiu a presidência de honra da Legião Brasileira de Assistência, na qual foi responsável pela fundação da sede do órgão em Brasília, reformando o prédio e montando uma equipe. A LBA recebeu grandes doações, tais como carros e caminhões, que serviam para organizar leilões em benefício da entidade.

Em março de 1962, recebeu no Brasil o príncipe Filipe, Duque de Edimburgo, ao qual recebeu diversos elogios do marido da rainha Elizabeth II do Reino Unido.[19]

 
Maria Thereza com a Embaixatriz americana Allison Gordon, no Palácio da Alvorada, em 1961.

No dia 18 de setembro de 1963, recebeu em Brasília junto ao marido, o Presidente da Iuguslávia Josip Broz Tito e a primeira-dama Jovanka Broz. No dia seguinte, o casal iugoslavo ofereceu um banquete em homenagem ao casal brasileiro. Tito se encantou pela beleza da jovem Maria Thereza e não escondia o fascínio durante sua estadia oficial no Brasil.[20]

Recebeu do cantor americano Frank Sinatra uma carta e uma coleção de seus discos de vinil, de quem dizia ser admiradora de seu trabalho e talento.[13]

Esteve ao lado do marido no famoso Comício da Central em 13 de março de 1964 na cidade do Rio de Janeiro, na Praça da República, situada em frente à estação da Central do Brasil. O ato foi orquestrado pelo Presidente tendo como base tentar pressionar o Congresso Nacional a aprovar várias reformas, como a agrária e a eleitoral. Duas semanas depois do evento na Central, Jango foi deposto pelos militares no chamado Golpe de Estado no Brasil em 1964.[21] Em entrevista a ex-primeira-dama disse que "teve muito medo":

Eu tive muito medo porque estava uma pressão muito grande, ele não estava bem de saúde. Também havia boato de que haveria um atentado.
— Maria Thereza Goulart.

Moda e elegânciaEditar

Na sua condição de primeira-dama, optou pela então nascente alta costura brasileira, tornando-se cliente do estilista Dener Pamplona de Abreu, que acabou por ser responsável pelo guarda-roupas de Maria Thereza, incluindo recepções, casamentos, funerais e solenidades oficiais, ditando moda no país e tornando-se um ícone da moda brasileira no início dos anos 60. Glamourosa, atraiu o interesse dos jornais e o imaginário dos brasileiros que se inspiravam nas suas mais belas peças de roupas.[22] Ela atraía a alta sociedade paulista e brasiliense para eventos de caráter beneficente, tornando suas atitudes de aderir à moda brasileira — ao invés de escolher roupas de grife estrangeira —, um impulso não só à alta costura, como à economia.[23]

 
Maria Thereza como Primeira-dama do Brasil.

A revista Time chegou a classificar Maria Thereza como uma das nove Reigning Beauties (Belezas Reinantes),[5] ao lado da ex-primeira-dama dos Estados Unidos Jacqueline Kennedy, da princesa Grace Kelly de Mônaco e da imperatriz Farah Diba do Irã.[24] Foi tida pela revista People como uma das dez primeiras-damas mais belas do mundo.[4]

De acordo com o jornalista Alberto Dines, foi a primeira-dama mais bela da história do Brasil.[25]

Potencial midiáticoEditar

Depois que emergiu como a primeira-dama mais jovem do país e, imediatamente comparada a Jackie Kennedy como símbolos de elegância, charme e beleza passou a ser vista como um exemplo de mulher no papel de esposa e mãe dedicada, o que gerou empatia na imprensa e logo conquistou as mídias sociais.[22]

Viagem oficialEditar

Estados UnidosEditar

Entre os dias 4 e 11 de abril de 1962, o casal presidencial brasileiro fizeram viagem oficial aos Estados Unidos, onde foram recebidos pelo presidente John F. Kennedy e pela primeira-dama Jacqueline Kennedy, na Casa Branca.[26] Maria Thereza, era tida pela imprensa como a Jakie Kennedy dos trópicos, tendo ambas ditado moda e sofisticação na década de 60.[27]

Deposição de Jango e viuvezEditar

Depois que Goulart foi deposto em 1964, a família se exilou no Uruguai e, posteriormente, na Argentina, onde João Goulart faleceu em 6 de dezembro de 1976 em decorrência de um suposto ataque cardíaco (o corpo não recebeu uma necrópsia antes de ser liberado para o funeral).[28]

Em 25 de março de 2014, o Instituto Presidente João Goulart publicou um artigo de Maria Thereza relacionado aos 50 anos do golpe.[29]

É muito difícil ter as respostas certas para essa pergunta. Até hoje, 50 anos depois eu me questiono para conseguir entender o porquê daqueles momentos tão assustadores que de repente mudaram o rumo de nossas vidas, de nossa pátria e de nosso povo. As mudanças foram infinitas. Perdi pessoas que eu amava sem poder dizer adeus. Perdi amigos, perdi meu lar e perdi minha pátria. Fiquei sem meus sonhos vivendo uma realidade de incertezas e desafetos. Tive medo sim e pensei que aqueles momentos eram de uma perseguição coletiva que acabaria envolvendo nosso futuro.
— Maria Thereza Goulart.

Processo de anistiaEditar

 
Maria Thereza com o Senador Randolfe Rodrigues, em 2016.

No dia 15 de novembro de 2008, depois de um processo judicial de quatro anos contra o governo federal, Maria Thereza e João Goulart receberam anistia política. Foi a primeira vez que um ex-presidente brasileiro foi anistiado por perseguição política.[30][31]

A ex-primeira-dama passou receber uma pensão mensal de 5.425 reais (valor correspondente em 2008 ao salário de um advogado sênior, pois João Goulart era bacharel em Direito), visto que a Comissão de Anistia do Ministério da Justiça considerou que o exílio de João Goulart o impediu de exercer atividade remunerada no país. A pensão é retroativa a 1999, somando cerca de 644 mil reais, a serem pagos em parcelas durante dez anos. Além disso, Maria Thereza recebeu 100 mil reais por ter sido impedida de voltar ao Brasil por quinze anos.[2]

Sobre a anistia, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou que o governo "reconhece os erros do passado e pede desculpas a um homem que defendeu a nação e seu povo do qual jamais poderíamos ter prescindido".[32]

Leitura adicionalEditar

Em 2019, o escritor Wagner William lançou um livro de biografia da ex-primeira-dama Maria Thereza Goulart.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Correia, Salatiel Soares (25 de novembro de 2012). «O presidente esquecido e resgatado pela história». Jornal Opção. Consultado em 3 de outubro de 2014. (...) Maria Tereza Goulart, oriunda da classe média de sua cidade natal, São Borja. (...) 
  2. a b Jango recebe anistia quase meio século depois de derrubado pela ditadura militar
  3. «Maria Tereza, a primeira-dama desnuda». ISTOÉ Independente. 18 de abril de 2019. Consultado em 4 de junho de 2019 
  4. a b «Folha de S.Paulo - Serafina 53 - 26/08/2012». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  5. a b «World: Reigning Beauties» (em inglês). TIME. 8 de junho de 1962. Consultado em 14 de novembro de 2013  Parâmetro desconhecido |pago= ignorado (ajuda)
  6. «Maria Tereza, a primeira-dama desnuda». ISTOÉ Independente. 18 de abril de 2019. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  7. https://http2.mlstatic.com/manchete-1961maria-teresa-goulartjkjangonair-cafejnio-D_NQ_NP_683025-MLB27688963159_072018-F.jpg
  8. https://www.researchgate.net/publication/285227975/figure/fig1/AS:668984466735116@1536509734859/Figura-1-Capa-da-Revista-Manchete.ppm
  9. http://www.cpdoc.fgv.br/dhbb/Verbetes_HTM/2412_13.asp
  10. Oséas, Antonio. «Entrevista com Maria Teresa Goulart - 01». PDT-RJ. Consultado em 14 de novembro de 2013 
  11. Braziliense, Correio; Braziliense, Correio (19 de maio de 2019). «Esposa de Jango, Maria Thereza Goulart tem vida contada em biografia». Correio Braziliense. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  12. «Fim de impasse no Chopin». Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário. Cópia arquivada em 19 de fevereiro de 2012 
  13. a b GGN, Jornal (2 de junho de 2019). «Maria Thereza Goulart e a história brasileira: amor, perseguição, poder, justiça». GGN. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  14. «:::[ DocPro ]:::». memoria.bn.br. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  15. «Maria Tereza Goulart foi pega de surpresa na Espanha pela renúncia de Jânio». Sul 21. 29 de julho de 2011. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  16. «Entrevista com Maria Teresa, viúva de João Goulart». PDT. 2 de março de 2005. Consultado em 28 de junho de 2008 
  17. Bublitz, Juliana. «"Será muito triste ver a exumação de Jango", diz Maria Thereza». Zero Hora. Consultado em 14 de novembro de 2013 
  18. «Instituto João Goulart». www.institutojoaogoulart.org.br. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  19. Nuzzi, Publicado por Vitor; RBA, da (2 de junho de 2019). «Maria Thereza Goulart e a história brasileira: amor, perseguição, poder, justiça». Rede Brasil Atual. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  20. «Presidente da Iugoslávia "assediou" mulher de João Goulart na sua frente». Jornal Opção. 21 de abril de 2019. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  21. «'Tive muito medo', diz Maria Thereza Goulart ao relembrar Comício da Central». O Globo. 13 de março de 2014. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  22. a b «Maria Teresa Goulart, primeira dama do país e da moda brasileira». Fashion Bubbles - Moda, Beleza e Life Style. 20 de julho de 2007. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  23. Pitta, Ignez (25 de setembro de 2007). «Maria Teresa Goulart, primeira dama do Brasil e da moda brasileira – II». Fashion Bubbles. Consultado em 14 de novembro de 2013 
  24. «Linda Tresham's House of Magazines: Time 1962» (em inglês). Consultado em 14 de novembro de 2013 
  25. Dines, Alberto (16 de março de 2004). «Anos de Chumbo, chumbados». Observatório da Imprensa. Consultado em 14 de novembro de 2013 
  26. Rossi, Felipe Vanini, Marina (6 de janeiro de 2014). «Kennedy sugeriu intervir militarmente no Brasil para tirar Jango do poder». EL PAÍS. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  27. «A bela e o golpe». ISTOÉ Independente. 31 de março de 2014. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  28. «Exílio no Uruguai: doença e morte de João Goulart | CPDOC». cpdoc.fgv.br. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  29. Lembranças de 64 Instituto Presidente João Goulart. Instituto Presidente João Goulart. Acesso em //
  30. «Anistia a Goulart é uma homenagem à democracia, diz Chinaglia - Notícias - Portal da Câmara dos Deputados». webcache.googleusercontent.com. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  31. «Folha Online - Brasil - Comissão anistia Jango com indenização de R$ 644 mil por perseguição política - 15/11/2008». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  32. «João Goulart é anistiado e Lula vê "pedido de desculpas"». Extra Online. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  33. «Livro: UMA MULHER VESTIDA DE SILÊNCIO». Livraria Cultura. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  34. «Presidente da Iugoslávia "assediou" mulher de João Goulart na sua frente». Jornal Opção. 21 de abril de 2019. Consultado em 15 de agosto de 2019 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria Thereza Goulart



Precedido por
Sylvia Mazzilli
25.ª Primeira-dama do Brasil
19611964
Sucedido por
Sylvia Mazzilli
Precedido por
Jandira Café
14.ª Segunda-dama do Brasil
19561961
Sucedido por
Maria das Dores Alkmin