Minecraft

jogo eletrônico de 2011 desenvolvido pela Mojang
Minecraft
Desenvolvedora(s) Mojang[n 1]
Publicadora(s) Mojang[n 2]
Microsoft Studios[n 3]
Sony Computer Entertainment[n 4]
Projetista(s) Markus Persson[n 5]
Jens Bergensten[n 6]
Artista(s) Markus Toivonen
Jasper Boerstra
Compositor(es) C418[3]
Plataforma(s) Microsoft Windows
macOS
Linux
Conversões Android
iOS
Xbox 360
Raspberry Pi
Windows Phone
PlayStation 3
Fire OS
PlayStation 4
Xbox One
PlayStation Vita
Wii U
tvOS
Nintendo Switch
New Nintendo 3DS
Lançamento 18 de novembro de 2011[n 7]
Gênero(s) Sobrevivência, sandbox
Modos de jogo Um jogador
Multijogador

Minecraft é um jogo eletrônico de sobrevivência e sandbox criado pelo desenvolvedor sueco Markus Persson e lançado inicialmente em 2009 pela Mojang, cujo foi obtida pela Microsoft em 2014. Seu lançamento completo ocorreu em novembro de 2011 para Microsoft Windows, macOS e Linux, sendo posteriormente relançado para uma ampla variedade de plataformas. É o jogo mais vendido de todos os tempos, vendendo mais de 180 milhões de cópias em todas as plataformas até o final de 2019, com mais de 112 milhões de jogadores ativos mensalmente.

Em Minecraft, os jogadores exploram um mundo tridimensional intencionalmente em blocos, pixelizado e gerado proceduralmente, podendo descobrir e extrair matérias-primas, ferramentas artesanais, construir estruturas ou terraplanagens e, dependendo do modo de jogo, podem combater inimigos controlados por computador, bem como cooperar ou competir contra outros jogadores no mesmo mundo. Esses modos incluem um modo sobrevivência, no qual o jogador precisa adquirir recursos para construir o mundo e se manter vivo, e um modo criativo, onde os jogadores têm recursos ilimitados. Em Java Edition, os jogadores podem modificar o jogo com mods para criar novas mecânicas de jogo, itens, texturas, entre outros.

Minecraft é aclamado pela crítica, ganhando vários prêmios e sendo considerado como um dos melhores e mais influentes jogos de todos os tempos. As redes sociais, paródias, adaptações, mercadorias e convenções anuais de MineCon tiveram um papel fundamental na popularização do jogo. Também tem sido usado em ambientes educacionais, especialmente no campo de sistemas da computação, já que computadores virtuais e dispositivos de hardware foram construídos nele. Vários títulos spin-off também foram desenvolvidos, tais como Minecraft: Story Mode, Minecraft Earth e Minecraft Dungeons.

Jogabilidade

Minecraft é um jogo eletrônico dos gêneros sandbox e sobrevivência que não possui objetivos específicos a serem alcançados, permitindo aos jogadores uma grande liberdade de escolha de como jogar o jogo.[20] No entanto, existe um sistema de conquistas,[21] conhecido como "progressos" na edição Java do jogo. A jogabilidade é apresentada numa perspectiva em primeira pessoa por padrão, mas os jogadores têm a opção de selecionarem uma visão em terceira pessoa.[22] O mundo aberto do jogo é composto de objetos tridimensionais brutos — principalmente cubos e fluidos, sendo comumente chamados de "blocos" — representando vários materiais, como pedra, minérios, troncos de árvores, água e lava. A jogabilidade principal gira em torno de pegar e colocar esses objetos, que são organizados em uma grade tridimensional, enquanto os jogadores podem se mover livremente pelo mundo. Os jogadores podem "extrair" blocos e depois colocá-los em outro lugar, permitindo que eles construam coisas distintas.[23] Muitos analistas descreveram o sistema de física do jogo como irrealista;[24] líquidos fluem continuamente por uma distância horizontal limitada dos blocos de origem, que podem ser removidos colocando um bloco sólido em seu lugar ou colocando-o em um balde. O jogo também contém um material conhecido como redstone, que pode ser usado para fabricar dispositivos mecânicos primitivos e circuitos elétricos, permitindo a construção de muitos sistemas complexos.[25]

 
Um exemplo de terreno proceduralmente gerado em Minecraft, incluindo uma vila e o personagem Steve.

O mundo do jogo é virtualmente quase infinito[26][27] e gerado proceduralmente à medida que os jogadores o exploram, usando um mapa ou uma bússola no momento da criação do mundo (ou manualmente conquistado pelo jogador).[27][28][29] Existem limites para o movimento vertical, mas Minecraft permite que um enorme mundo de jogo seja gerado no plano horizontal. Devido a problemas técnicos quando locais extremamente distantes são alcançados, no entanto, existe uma barreira que impede os jogadores de atravessar para locais além de 30 milhões de blocos a partir do centro do mundo, conhecida como Far Lands.[26][n 8] O jogo consegue fazer isso dividindo os dados do mundo em seções menores, que são criadas ou carregadas apenas quando os jogadores estão por perto.[27] O mundo é dividido em biomas que variam de desertos a selvas e campos de neve;[30][31] alguns terrenos incluem planícies, montanhas, florestas, cavernas e vários corpos de lava e água.[29] O sistema de tempo no jogo segue um ciclo dia e noite, e um ciclo completo dura vinte minutos em tempo real.[32]

Novos jogadores possuem um personagem padrão aleatoriamente selecionado, de Steve ou Alex,[33] mas a opção de criar skins personalizadas foi disponibilizada a partir de 2010.[34] Os jogadores encontram vários personagens não-jogavéis (NPCs) no mundo do jogo, conhecidos como mobs, como animais, aldeões e criaturas hostis.[35] Seres passivos, como vacas, porcos e galinhas, podem ser caçados para obter comida e materiais de artesanato. Eles aparecem durante o dia, enquanto criaturas hostis — incluindo grandes aranhas, esqueletos e zumbis — aparecem durante a noite ou em locais escuros, como cavernas.[29] Alguns desses seres hostis, como zumbis e esqueletos, queimam sob o sol se não tiverem arnês.[36] Outras criaturas exclusivas de Minecraft incluem um creeper (uma criatura explosiva que se aproxima do jogador) e o enderman (uma criatura com a capacidade de se teletransportar, pegar e colocar blocos).[37] Existem também variantes de mobs que aparecem em diferentes condições; por exemplo, zumbis têm variantes de casca que aparecem nos desertos.[38]

Minecraft tem duas dimensões alternativas além do mundo superior (o mundo principal): o Nether e o Fim.[37] O Nether é uma dimensão infernal acessada através de portais criados por jogadores; contém muitos recursos únicos e pode ser usado para percorrer grandes distâncias no mundo superior, porque cada bloco viajado no Nether é equivalente a 8 blocos viajados no mundo superior.[39] O jogador pode construir uma multidão de chefes opcionais, a partir dos materiais encontrados no Nether.[40] O Fim é uma terra árida que consiste em muitas ilhas. Um dragão chefe chamado Ender Dragon mora na ilha principal.[41] Matar o dragão indica os créditos finais do jogo e um poema escrito pelo romancista irlandês Julian Gough.[42] Os jogadores podem teleportar de volta ao seu ponto de desova original no mundo superior e continuar o jogo indefinidamente.[43]

Minecraft consiste em cinco modos de jogo: sobrevivência, criativo, aventura, hardcore e espectador. Ele também tem um sistema de dificuldade variável de quatro níveis. Por exemplo, a dificuldade pacífica impede que criaturas hostis desovem, e a dificuldade difícil permite que os jogadores morram de fome se sua barra de fome estiver esgotada.[44][45]

Modo sobrevivência

No modo sobrevivência, os jogadores precisam reunir recursos naturais, como madeira e pedra encontrados no ambiente, para criar certos blocos e itens.[29] Dependendo da dificuldade, criaturas hostis aparecem em áreas mais escuras fora de um determinado raio do personagem, exigindo que os jogadores construam um abrigo à noite.[29] O modo também possui uma barra de vida que é esgotada por ataques de monstros, quedas, afogamentos, queda em lava, asfixiamento, fome e outros eventos. Os jogadores também têm uma barra de fome, que deve ser recarregada periodicamente pela ingestão de alimentos no jogo, exceto em dificuldades pacíficas. Se a barra de fome estiver esgotada, a cura automática será interrompida e, eventualmente, a saúde se esgotará.[45] A saúde reabastece quando os jogadores têm uma barra de fome quase cheia ou continuamente em dificuldade pacífica.[45]

Os jogadores podem criar uma grande variedade de itens em Minecraft para atenderem as suas necessidades de sobrevivência.[46] Os itens fabricáveis ​​incluem armaduras, que mitigam os danos dos ataques; armas (como espadas), que permitem que monstros e animais sejam mortos com mais facilidade; e ferramentas, que quebram certos tipos de blocos mais rapidamente. Alguns itens têm várias camadas, dependendo do material usado para fabricá-los, com itens de camada superior sendo mais eficazes e duráveis. Os jogadores podem construir fornos, que podem cozinhar alimentos, processar minérios e converter materiais em outros materiais.[47] Os jogadores também podem trocar mercadorias com aldeões através de um sistema de troca, que envolve a troca de esmeraldas por diferentes mercadorias e vice-versa.[48][35]

O jogo possui um sistema de inventário, permitindo que os jogadores carreguem um número limitado de itens. Ao morrer, os itens no inventário são descartados e os jogadores reaparecem no ponto de desova, que por padrão é o local onde os jogadores aparecem no jogo pela primeira vez e podem ser redefinidos dormindo na cama.[49] Os itens descartados podem ser recuperados se os jogadores puderem alcançá-los antes que eles desapareçam após 5 minutos. Os jogadores podem adquirir pontos de experiência matando monstros e outros jogadores, minerando, fundindo minérios, criando animais e cozinhando alimentos. Pontos de experiência podem ser gastos em ferramentas, armaduras e armas encantadas.[44] Itens encantados geralmente são mais poderosos, duram mais ou têm outros efeitos especiais.[44]

O modo hardcore é uma variante do modo sobrevivência bloqueada para a configuração mais difícil e com morte permanente, que exclui permanentemente o mundo se o jogador morrer.[50] Se um jogador morre em um servidor multijogador definido como hardcore, ele é colocado no modo espectador.[51]

Modo criativo

No modo criativo, os jogadores têm acesso a todos os recursos e itens do jogo através do menu inventário e podem colocá-los ou removê-los instantaneamente.[52] Os jogadores podem alternar a capacidade de voar livremente pelo mundo do jogo à vontade, e seus personagens não sofrem nenhum dano e não são afetados pela fome.[53][54] Esse modo de jogo ajuda os jogadores a se concentrarem na construção e criação de projetos de qualquer tamanho, sem perturbações.[52]

Modo aventura

O modo aventura foi projetado especificamente para que os jogadores pudessem experimentar mapas personalizados criados pelo usuário.[55][56][57] A jogabilidade é semelhante ao modo sobrevivência, mas com várias restrições, que podem ser aplicadas ao mundo do jogo pelo criador do mapa. Isso força os jogadores a obter os itens necessários e experimentar aventuras da maneira que o cartógrafo pretender.[57] Outra adição projetada para mapas personalizados é o bloco de comando; esse bloco permite que os cartógrafos expandam as interações com os jogadores por meio de comandos de servidor com script.[58]

Modo espectador

O modo espectador permite aos jogadores voarem através de blocos e assistir ao jogo sem interagir diretamente. Os jogadores não têm um inventário, mas podem se teletransportar para outros jogadores e visualizar da perspectiva do mesmo ou de uma criatura.[59] Este modo de jogo pode ser acessado somente na edição Java ou para computadores.[59]

Multijogador

O modo multijogador em Minecraft está disponível através do multijogador direto de jogo a jogo, rede de área local (LAN), tela dividida local e servidores (hospedados por jogadores e empresas). Este modo permite que vários jogadores interajam e se comuniquem entre si em um único mundo.[60] Os jogadores podem executar seus próprios servidores, usar um provedor de hospedagem ou conectar-se diretamente ao jogo de outro jogador via Xbox Live. Os mundos para um jogador têm suporte à rede de área local, permitindo que os jogadores entrem em um mundo em computadores interconectados localmente sem uma configuração de servidor.[61] Os servidores de Minecraft são guiados por operadores, que têm acesso aos comandos do servidor, como definir a hora do dia e teleportar jogadores. Os operadores também podem configurar restrições sobre quais nomes de usuários ou endereços IP são permitidos ou que não podem entrar no servidor.[60] Os servidores multijogador têm uma ampla variedade de atividades, com alguns contendo regras e costumes únicos. Um dos servidores maiores e mais populares é o Hypixel, que foi visitado por mais de 14 milhões de jogadores únicos.[62][63] O combate jogador contra jogador (PvP) pode ser ativado para permitir combates entre jogadores.[64] Muitos servidores possuem plugins personalizados que permitem ações que normalmente não são possíveis.[65]

Minecraft Realms

Em 2013, a Mojang anunciou Minecraft Realms, um serviço de hospedagem de servidores destinado a permitir que os jogadores executem jogos multijogador de um servidor com facilidade e segurança, sem precisar configurar os seus próprios.[66][67] Ao contrário de um servidor padrão, apenas jogadores convidados podem ingressar nos servidores Realms e esses servidores não usam endereços IP. Os proprietários de servidores de Minecraft Realms pagam uma taxa única mensalmente, podendo convidar até vinte pessoas para jogar em seu servidor, com até dez jogadores online ao mesmo tempo.[68] Os servidores de Realms para Minecraft: Java Edition não suportam plugins criados pelo usuário, mas os jogadores podem reproduzir mapas personalizados.[69] Os servidores de Minecraft Realms suportam complementos criados pelo usuário, pacotes de recursos, pacotes de comportamento e mapas personalizados de Minecraft.[68] Na Electronic Entertainment Expo 2016, foi anunciado que Realms permitiria que Minecraft suportasse um compartilhamento de plataforma cruzada entre as plataformas Windows 10, iOS e Android a partir de junho de 2016,[70] com suporte a Xbox One e Nintendo Switch vindo mais tarde em 2017,[71] além de suporte para dispositivos de realidade virtual. Em 31 de julho de 2017, a Mojang lançou a versão beta da atualização, permitindo a reprodução em várias plataformas.[72]

Desenvolvimento

A versão beta do jogo é sucessor da versão Alpha após uma série de atualizações. O jogo entrou em fase beta no dia 20 de Dezembro de 2010.[73] É a única versão que está sendo atualizada e disponível para quem pagou o jogo. Esta versão é focada na sobrevivência do jogador, com os modos de Um jogador e Multijogador disponíveis.

É possível caracterizar o caminho de design que Minecraft tomou como reflexo de um pulo entre o tédio da construção e a ansiedade da sobrevivência.[3]

O suporte ao iOS e Android já foi feito.[74] Temporariamente, a versão do Minecraft no Android foi exclusiva do Xperia Play.[75] A versão para Xbox 360 com Kinect foi desenvolvida pela 4J Studios.[76]

Modelagem

“A cascata está morta, vida longa ao ágil!”

— Tradução de Persson sobre o modelo de desenvolvimento de Minecraft.[3]

Persson rejeita um modelo de cascata, em que estágios de desenvolvimento do software relativamente rígidos vêm um após o outro, sem a flexibilidade para criar uma solução apropriada para um problema em alteração ou para necessidades em alteração dos usuários do software.[3] Persson orgulhosamente exclama "vida longa ao ágil!", indicando sua preferência por um desenvolvimento ágil de software, um modelo onde a colaboração dos consumidores é um elemento explícito.[3] E, a respeito disto, "ágil" é uma atenuação da descrição do desenvolvimento de Minecraft, com sua rápida sucessão de atualizações, o uso de jogadores como cobaias do jogo, e conversas abertas sobre o design do jogo que Persson tem diretamente com os jogadores.[3] Minecraft é um jogo em que os jogadores não são simples consumidores, mas são ativos no desenvolvimento do jogo como ele tem mudado.[3] Usando Twitter e Tumblr para disseminar ideias sobre recursos futuros no jogo (por exemplo, turbinas, "adventure mode", etc.), Persson tem tentado envolver os jogadores do jogo no desenvolvimento deste.[3]

Isto, claro, não tem vindo sem dificuldades - foi largamente relatado em outubro de 2010 o ataque distribuído de negação de serviço que desativou a funcionalidade multiplayer de Minecraft.[3] Chateados por perceberem uma carência de atualizações por Persson e Mojang, usuários do 4chan demandaram que Persson começasse a providenciar aos consumidores as atualizações que Persson lhes havia prometido, desligando a funcionalidade multi-player.[3] Alguns jogadores irritados foram bem além das definições razoáveis de "colaboração dos consumidores", com uma poderosa e vocal minoria de jogadores expressando suas preocupações sobre o desenvolvimento do jogo através de meios agressivos.[3] Apesar de Persson às vezes ter estado indisponível para atender às demandas da base de jogadores de Minecraft, sua disposição tem sido "ágil" desde o início, lançando o primeiro jogo para o público apenas uma semana depois de começar a desenvolvê-lo.[3] Como resultado, não deveria ser surpreendente que muitos dos elementos mais distintivos do jogo foram trabalhados com os jogadores muito cedo no processo.[3]

Música

 
C418 compôs ' trilha sonora de Minecraft .

Música e efeitos de som ' Minecraft foram produzidos pelo músico alemão Daniel Rosenfeld, mais conhecido como C418 . [77] A música de fundo no Minecraft é música ambiente instrumental. Em 4 de março de 2011, Rosenfeld lançou uma trilha sonora intitulada Minecraft - Volume Alpha ; inclui a maioria das faixas apresentadas no Minecraft, bem como outras músicas não incluídas no jogo. [78] Kirk Hamilton, do Kotaku, escolheu a música no Minecraft como uma das melhores trilhas sonoras de videogame de 2011. [79] Em 9 de novembro de 2013, Rosenfeld lançou a segunda trilha sonora oficial, intitulada Minecraft - Volume Beta, que inclui a música que foi adicionada em versões posteriores do jogo. [80] [81] Um lançamento físico do Volume Alpha, composto por CDs, vinil preto e LPs de vinil verde transparente de edição limitada, foi lançado pela gravadora eletrônica independente Ghostly International em 21 de agosto de 2015. [82] [83]

Histórico

A primeira versão Alpha de Minecraft foi criada na Suécia em 2009 por Markus "Notch" Persson.[84] Desde o primeiro lançamento, Persson regularmente atualizou o software (frequentemente várias vezes por mês) e expandiu-o para incluir novos recursos.[84] Seu lançamento "oficial" ocorreu somente em novembro de 2011.[84]

No seu lançamento inicial, Minecraft possuía poucas regras e nenhum objetivo definido para o jogador, fazendo o jogo ser, em sua natureza, puramente de jogabilidade emergente.[85] Rapidamente após desenvolver um jogo não linear baseado em construção (que é agora Minecraft Classic) sem um conflito claro presente para o jogador superar, estava claro que mais precisava ser adicionado.[3] Como um domínio para criatividade, Minecraft Classic foi evocativo e interessante, mas faltava-lhe ímpeto - era necessário algo mais para direcionar as ações dos jogadores.[3]

Sabendo que era necessário haver algum tipo de conflito dentro do jogo, Persson trabalhou para adicionar algo que estimulasse o jogador a fazer algo mais que construir objetos em um espaço virtual.[3] O cedo e importante desenvolvimento do survival mode providenciou aos jogadores o desafio que Persson buscava, ao mesmo tempo em que às atividades de construção dos jogadores uma consequência incrementada em termos de estruturas de objetivo do jogo.[3] Adicionar o survival mode tornou o jogo de uma simulação de espaço virtual em um jogo com um conjunto de objetivos a curto prazo impostos pelo designer, embora alguns destes não se mantenham compelindo a maioria dos jogadores após um grau de experiência com o jogo.[3]

Em seus dois primeiros anos de desenvolvimento, Minecraft mal ofereceu alguma instrução para o jogador novato.[84] Como uma decisão de design do jogo, este sem dúvida foi um erro imperdoável — a doutrina normal de design de jogos é que o jogo precisa dizer ao jogador como este pode ser bem-sucedido.[84] Entretanto, mesmo a mecânica mais rudimentar em Minecraft (por exemplo, cortar uma árvore ou criar uma picareta) é uma tarefa impossível.[84] O jogador novato precisa buscar as respostas fora de Minecraft.[84]

Inicialmente, a falta de manual de instrução em Minecraft era uma consequência da falta de interesse de Persson em escrever um.[84] Entretanto, em retrospecto, este "equívoco" foi uma hábil decisão de design.[84] Quando os jogadores de Minecraft buscam ajuda online, isto os introduz a wikis, vídeos, blogs e outros fóruns que são devotados ao jogo.[84] Isto introduz aos jogadores, no início, a importância da comunidade independente online.[84]

Plataformas

Versões de computador pessoal

O PC foi a plataforma original para Minecraft; o jogo rodava em múltiplos sistemas operacionais, incluindo Microsoft Windows, OS X, e Linux.[86] Além da versão principal, houve outras versões de Minecraft disponíveis para PC, incluindo Minecraft Classic e Minecraft 4k. Atualmente, custa US$26,95.

Pocket Edition

Em 16 de Agosto de 2011, Minecraft: Pocket Edition foi lançado para o Xperia Play no Android Market como uma versão alfa. Atualmente na sua versão 1.2.5 Foi lançado para vários outros dispositivos compatíveis em 8 de Outubro de 2011.[87][88] Uma versão para iOS version de Minecraft foi lançada em 17 de Novembro de 2011,[89] pelo preço de R$20,00 por download.[90]

Bedrock Edition

Em 20 de setembro de 2017, a Atualização melhor em conjunto para Bedrock Edition foi lançado para IOS, Android, Fire OS, Windows 10, Samsung Gear VR e Fire TV. Pocket Edition, Windows 10 Edition, Gear VR Edition e Fire TV Edition todos foram mesclados sob o título único de Minecraft sem nome de edição.[91]

Recepção

Logo após o lançamento, o jogo teve, para um jogo barato e independente, uma fama assustadoramente grande.[92] Atualmente é um dos jogos distribuídos de forma digital mais vendidos do mundo.[92] Minecraft é considerado um grande jogo, recebendo críticas positivas e uma notável quantidade de vendas.[93]

Igor Pankiewicz, do Baixaki Jogos, acredita que "O sucesso dele dependeu apenas de uma dose de conhecimento em programação e de uma ótima ideia".[94] Desde 17 de Setembro de 2010, a Penny Arcade, que produz webcomic de vídeo-games, começou a produzir quadrinhos sobre Minecraft.[94]

A PC Gamer classifica Minecraft como o quarto melhor jogo para jogar durante o trabalho.[95] A Gamasutra nomeou Minecraft como o oitavo melhor jogo de 2010.[96] A PC Gamer do Reino Unido classificou Minecraft como o melhor jogo de 2010. Na Independent Games Festival de 2011, que ocorreu em Março, Minecraft recebeu dois prêmios, o de "Escolha do Público" e o Prêmio "Seumas McNally".[97][98]

Vendas

Em Setembro de 2010, após o tempo que o jogo ficou como gratuito por uma semana,[99] Minecraft vende mais de 25 mil cópias, em 24 horas. Em 12 de Janeiro de 2011, pouco depois do lançamento da versão Beta, Minecraft atinge 1 milhão de vendas.[93][100] Nota-se a falta de uma publicadora de jogos eletrônicos e nenhum comercial, sendo apenas divulgação pelo "boca-a-boca". No começo de Julho de 2011, o jogo já possui mais de 10 milhões de usuários cadastrados e mais de 2,7 milhões de vendas,[101] arrecadando mais de US$40 milhões de dólares, apesar das taxas da Paypal, Persson ainda diz, "Mas ainda assim é uma boa quantidade de dinheiro".[102][103] Atualmente, a versão para PCs ultrapassou 20 milhões de unidades vendidas,[104] contudo as versões de console e móveis adquiriram ainda sucesso, já totalizando mais de 70 milhões de unidades vendidas através do mundo, com a posição de 3° videojogo mais vendido da história, notando-se que ainda está em constante desenvolvimento.

Notas

  1. Os portes para consoles foram desenvolvidos pela 4J Studios;[1] O porte para New Nintendo 3DS foi desenvolvido pela Other Ocean Interactive.[2]
  2. PC/Java, Android, iOS, Wii U, Nintendo 3DS, Nintendo Switch
  3. Xbox 360, Xbox One, Windows Phone, Windows 10 Edition
  4. PlayStation 3, PlayStation 4, PlayStation Vita
  5. 2009–2011
  6. 2011–presente
  7. Minecraft ficou disponível inicialmente em 17 de maio de 2009[4] e seu lançamento completo ocorreu em 18 de novembro de 2011.
  8. Numa postagem em um blog,[27] Persson explica:
    "... deixe-me esclarecer algumas coisas sobre os mapas "infinitos": eles não são infinitos, mas também não há um limite rígido. Bugs estarão cada vez mais constantes quanto mais longe você estiver. O terreno é gerado, salvo e carregado, e renderizado em blocos de 16*16*128 pedaços. Esses pedaços têm um valor de deslocamento que é um número inteiro de 32 bits aproximadamente na faixa de dois bilhões a dois bilhões positivos. Se você sair desse intervalo (cerca de 25% da distância de onde você está agora ao sol), carregar e salvar, pedaços começarão a sobrescrever pedaços antigos. A 16ª dessa distância, coisas que usam números inteiros para posições de blocos, como itens e busca de caminhos, começarão a transbordar e a agir de maneira estranha. Esses são os dois limites 'rígidos'."[27]

Referências

  1. «Microsoft officially owns Minecraft and developer Mojang now». 6 de novembro de 2014 
  2. «Minecraft: New Nintendo 3DS Edition». www.nintendo.com. Consultado em 3 de fevereiro de 2019 
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s Duncan, Sean C. (2011). «Minecraft, Beyond Construction and Survival». In: Davidson, Drew. Well Played v.1 (em inglês). Pittsburgh, EUA: Carnegie Mellon University: ETC Press. pp. 2–14. 78 páginas. doi:10.1184/R1/6687053. Consultado em 25 de janeiro de 2013 
  4. Persson, Markus (17 de maio de 2009). «Minecraft 0.0.11a for public consumption : The Word of Notch». Tumblr. Consultado em 1 de abril de 2018 
  5. «Minecraft». GameSpot. CBS Interactive. Consultado em 21 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2012 
  6. «Minecraft – Pocket Edition – Android». IGN. Consultado em 21 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2012 
  7. «Minecraft: Pocket Edition». GameSpot. CBS Interactive. Consultado em 21 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2012 
  8. Brown, Mark (22 de março de 2012). «Minecraft for Xbox 360 release date announced, amongst others». Wired UK. Consultado em 22 de outubro de 2012. Arquivado do original em 18 de dezembro de 2012 
  9. «Minecraft Raspberry Pi». Mojang. Consultado em 27 de março de 2013. Cópia arquivada em 27 de março de 2013 
  10. «Amazon's first Fire TV games include in-house titles and Minecraft (update: video)». Engadget. Consultado em 25 de setembro de 2018 
  11. Pitcher, Jenna (3 de setembro de 2014). «Minecraft PS4 Edition Release Date Confirmed». IGN. IGN Entertainment, Inc. Consultado em 3 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 1 de outubro de 2014 
  12. «Minecraft for Xbox One to launch on Friday». CNET. Consultado em 13 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2014 
  13. «Minecraft: PS Vita Edition Release Date Revealed for North America». IGN. 10 de outubro de 2014. Consultado em 13 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2014 
  14. «Minecraft Comes to Windows Phones». Mojang. 17 de julho de 2019. Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2014 
  15. «Announcing Minecraft Windows 10 Edition Beta». Cópia arquivada em 9 de julho de 2015 
  16. Makuch, Eddie (7 de dezembro de 2015). «Minecraft Wii U Confirmed, Coming Very Soon». GameSpot. CBS Interactive. Consultado em 8 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2015 
  17. «minecraft.net – Apple TV Edition released!». 19 de dezembro de 2016. Consultado em 30 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 27 de dezembro de 2016 
  18. Pereira, Chris (13 de setembro de 2017). «New 3DS Version Of Minecraft Announced, Release Date Set For Today». GameSpot. Consultado em 13 de setembro de 2017 
  19. «On 19/10, look out for the #Minecraft New Nintendo #2DS XL – Creeper Edition, distinctively decked out with a Creeper design and pre-loaded with Minecraft: New Nintendo #3DS Edition! Minecraft: New Nintendo 3DS Edition is available on #eShop now!». Twitter. Consultado em 23 de setembro de 2018 
  20. Gallegos, Anthony (23 de novembro de 2011). «Minecraft Review — PC Review at IGN». IGN (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2015 
  21. Meer, Alec (30 de março de 2011). «Minecraft:Wolves, Achievements, Mods, Merch». Rock, Paper, Shotgun (em inglês). Rock, Paper, Shotgun, Ltd. Consultado em 26 de março de 2015. Cópia arquivada em 2 de abril de 2015 
  22. Purchese, Robert (23 de novembro de 2011). «Minecraft 1.0 launch patch notes». Eurogamer (em inglês). Eurogamer Network. Consultado em 2 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2013 
  23. Ashdown, Jeremy (11 de novembro de 2010). «This is Minecraft». IGN (em inglês). Consultado em 2 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2013 
  24. Walton, Mark (25 de novembro de 2012). «Minecraft In Education: How Video Games Are Teaching Kids». GameSpot (em inglês). CBS Interactive. Consultado em 15 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2013 
  25. Tito, Greg (4 de outubro de 2010). «Player Creates Working Computer in Minecraft». The Escapist (em inglês). Alloy Digital. Consultado em 4 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2010 
  26. a b Fernanda Santos (12 de abril de 2014). «Minecraft: conheça a Far Lands, o fim do mundo no game e aprenda a chegar lá». TechTudo. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  27. a b c d e Persson, Markus (10 de março de 2011). «Terrain generation, Part 1» (em inglês). Mojang. Consultado em 24 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 12 de março de 2011 
  28. Bergensten, Jens (23 de fevereiro de 2011). «A Short Demystification of the 'Map Seed'» (em inglês). Mojang. Consultado em 6 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2012 
  29. a b c d e Miller-Watt, Josh. «Minecraft beginner's guide». GamesRadar (em inglês). Future plc. Consultado em 24 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 11 de julho de 2012 
  30. Meer, Alec (27 de outubro de 2010). «BiomeShock: The New Minecraft Worlds». Rock, Paper, Shotgun (em inglês). Consultado em 2 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 12 de novembro de 2012 
  31. Phillips, Tom (20 de janeiro de 2012). «Minecraft jungle biome, creatures coming soon». Eurogamer (em inglês). Eurogamer Network. Consultado em 2 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2013 
  32. Ngaire Stirling. «How To Survive The First Night Of Minecraft». brisbanekids.com.au (em inglês). Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  33. Webster, Andrew (27 de abril de 2015). «You can finally choose to play as a girl in Minecraft». The Verge 
  34. Quach, Michael (7 de outubro de 2010). «How to edit your skin in Minecraft». PC Gamer (em inglês). Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  35. a b Senior, Tom (24 de maio de 2012). «Minecraft update snapshot includes trading, currency, new item and sandstone stairs». PC Gamer (em inglês). Future plc. Consultado em 2 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2013 
  36. Staff, Minecraft Books; Milton, Stephanie; Soares, Paul; Maron, Jordan (7 de dezembro de 2017). «Minecraft: Beginner's Handbook» (em inglês). Egmont Books, Limited. pp. 46–49. Consultado em 7 de dezembro de 2017 – via Google Books 
  37. a b Meer, Alec (18 de novembro de 2011). «Minecraft Review • Reviews •». Eurogamer (em inglês). Eurogamer Network. Consultado em 18 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2011 
  38. Milton, Stephanie (17 de dezembro de 2018). Minecraft: Guide to Exploration (em inglês). [S.l.]: Random House Publishing Group. ISBN 9780399182013 – via Google Books 
  39. Francis, Tom (10 de outubro de 2010). «A clearer look at Minecraft's new hell dimension». PC Gamer (em inglês). Future plc. Consultado em 30 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2012 
  40. Staff, Mojang AB (Firm); Milton, Stephanie (1 de setembro de 2017). Minecraft Guide to the Nether and the End (em inglês). [S.l.]: Egmont UK Limited. pp. 32–33. ISBN 9781405285995. Consultado em 29 de dezembro de 2017 – via Google Books 
  41. Liebl, Matt (5 de maio de 2012). «Minecraft: The End, Ender Dragons, and Goop Portal All Explained». GameZone (em inglês). GameZone Online. Consultado em 31 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 15 de junho de 2013 
  42. Chatfield, Tom (9 de janeiro de 2012). «Ending an endless game: an interview with Julian Gough, author of Minecraft's epic finale» (em inglês). Boing Boing. Consultado em 13 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2012 
  43. «How to find the Ender Portal in Minecraft - Geek.com». Geek.com (em inglês). 26 de dezembro de 2012. Consultado em 21 de setembro de 2017 
  44. a b c Boots-Faubert, Chris. «Controls and Settings – Minecraft». Super Cheats (em inglês). Videogamer Network. Consultado em 3 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 11 de maio de 2013 
  45. a b c Bergensten, Jens (6 de setembro de 2011). «If the food bar is empty in MC 1.8, it will slowly drop your health to 5 hearts on easy, to 0.5 hearts on normal, and kill you on hard». Twitter (em inglês). Consultado em 17 de setembro de 2017 
  46. Marriott, Scott. «Minecraft Review». About.com (em inglês). InterActiveCorp. Consultado em 10 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 19 de novembro de 2012 
  47. «Block of the Week: Furnace». Minecraft.net. 15 de setembro de 2017. Consultado em 21 de setembro de 2017 
  48. Brown, Mark (6 de julho de 2012). «Gaming Minecraft update combines single and multiplayer, adds trading and tripwires». Wired UK (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2012. Arquivado do original em 23 de janeiro de 2013 
  49. Walker, John (18 de fevereiro de 2011). «Minecraft Is Getting Ready For Bed». Rock, Paper, Shotgun (em inglês). Consultado em 2 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2012 
  50. «Minecraft hardcore mode teased. When you die, the world dies with you». PC Gamer (em inglês). Future plc. 23 de setembro de 2011. Consultado em 25 de setembro de 2012. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2012 
  51. «Minecraft snapshot 15w37a». mojang.com. Consultado em 17 de setembro de 2017 
  52. a b Steinlage, Tate (26 de setembro de 2012). «Creative Mode coming to Minecraft: Xbox 360 Edition». GameZone (em inglês). GameZone Online. Consultado em 1 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  53. Haley, Sebastian (5 de setembro de 2012). «Creative Mode 'weeks away' for Minecraft: Xbox 360 Edition». VentureBeat (em inglês). Consultado em 1 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2012 
  54. Evans-Thirlwell, Edwin (5 de setembro de 2012). «Minecraft Xbox 360 update: Creative Mode still "weeks away", 4J dresses Cliffy B up as Creeper». Official Xbox Magazine. Future plc. Consultado em 1 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 30 de abril de 2014 
  55. Savage, Phil. «The 25 best Minecraft custom maps». PC Gamer (em inglês). Future plc. Consultado em 28 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2012 
  56. Grayson, Nathan (6 de julho de 2012). «Minecraft 1.3 Adding LAN, Adventure Mode In August». Rock, Paper, Shotgun (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 12 de novembro de 2012 
  57. a b Walker, John (1 de agosto de 2012). «Minecraft Updates To 1.3 With Adventure Mode, Trading». Rock, Paper, Shotgun. Consultado em 4 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2012 
  58. Gallegos, Anthony (27 de julho de 2012). «Minecraft Adding New Block». IGN (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2012 
  59. a b Stay, Jesse; Stay, Thomas; Corderio, Thomas (29 de dezembro de 2014). Minecraft For Dummies (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons. p. 288. ISBN 9781118537169 
  60. a b Hutchinson, Lee (10 de setembro de 2012). «Blocks with friends: How to run your own Minecraft server». Ars Technica (em inglês). pp. 1–4. Consultado em 24 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2012 
  61. Meer, Alec (18 de junho de 2012). «Modern! Minecraft Adds 'Local Area Network' Support». Rock, Paper, Shotgun (em inglês). Consultado em 25 de setembro de 2012. Cópia arquivada em 18 de setembro de 2012 
  62. Fogel, Stefanie (13 de dezembro de 2018). «Creators of Popular 'Minecraft' Server Announce New Game 'Hytale'». Variety (em inglês). Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  63. Jarvey, Natalie (13 de dezembro de 2018). «Riot Games Leads Investment in Hypixel Game Studio». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 14 de dezembro de 2018 
  64. Davies, Marsh (24 de novembro de 2012). «The Future of Minecraft: what lies ahead for the all-conquering sandbox game?». PC Gamer (em inglês). Future plc. Consultado em 24 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 24 de novembro de 2012 
  65. Plunkett, Luke (6 de julho de 2018). «Turning Minecraft Into a Beautiful Day Job». Kotaku (em inglês). Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  66. «Minecraft Realms hopes to make an increasingly complex game more family-friendly». Polygon. 18 de março de 2013. Consultado em 26 de março de 2013. Cópia arquivada em 21 de março de 2013 
  67. Peel, Jeremy (14 de março de 2013). «Minecraft Realms is a subscription service for families that will "bring in more money than the game itself"». PCGamesN. Consultado em 2 de dezembro de 2019 
  68. a b «Minecraft Realms». Minecraft.net. 31 de julho de 2017. Consultado em 8 de março de 2018 
  69. «Realms is packed with awesome maps». mojang.com. Consultado em 18 de setembro de 2017 
  70. Frank, Allegra (13 de junho de 2016). «Minecraft gets cross-platform play later this year». Polygon. Consultado em 13 de junho de 2016. Cópia arquivada em 16 de junho de 2016 
  71. Carter, Chris (11 de junho de 2017). «Minecraft is unifying nearly all of its versions across all platforms, except Sony». Destructoid. Consultado em 11 de junho de 2017. Cópia arquivada em 17 de junho de 2017 
  72. «Beta Test Better Together!». Minecraft.net. 31 de julho de 2017. Consultado em 1 de agosto de 2017 
  73. Markus Persson. «"Minecraft Beta"» (em inglês). The Word of Notch 
  74. Mike Rose. «Official Minecraft iOS, Android Release Coming Later This Year» (em inglês). Gamasutra 
  75. Zach Honig. «"Minecraft Pocket Edition on Xperia Play hands-on (video)"» (em inglês). Engadget 
  76. Mike Rose. «"UK Developer 4J Studios Working On Minecraft XBLA"» (em inglês). Gamasutra 
  77. «Minecraft.net Credits». Mojang 
  78. «Minecraft Volume Alpha on Bandcamp» 
  79. Hamilton. «All of the Best Video Game Music of 2011». Gawker Media  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda); |obra= e |publicação= redundantes (ajuda)
  80. «Minecraft Volume Beta on Bandcamp» 
  81. «How Daniel Rosenfeld wrote Minecraft's music». The Guardian  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  82. «Minecraft soundtrack to receive vinyl release this summer». FACT Magazine: Music News, New Music. 
  83. «C418 presents Minecraft Volume Alpha». Ghostly International 
  84. a b c d e f g h i j k Lastowka, Greg (5 de outubro de 2011). Minecraft as Web 2.0: Amateur Creativity & Digital Games (PDF) (em inglês). [S.l.]: Social Science Research Network. pp. 9–11. 19 páginas. Consultado em 18 de fevereiro de 2012. Minecraft is a computer-based game written in the Java programming language. The first (“Alpha”) version of Minecraft was created in Sweden in 2009 by Markus “Notch” Persson. Since that first release, Persson has regularly updated the software (often many times per month) and expanded it to include new features. [...] Minecraft was only “officially” released in November of 2011. [...] To play Minecraft is to use the game as a creative tool. One can’t really “win” at Minecraft, since there are no required goals and no dramatic plot that must be followed. Players spend most of their time simply “mining” and “crafting” blocks of virtual materials, hence the game’s name. Once players have gathered and crafted a sufficient inventory of resources, they use these virtual acquisitions to design customized homes and landscapes, often building all manner of blockish structures. Minecraft has been called a building block game and is more or less analogous to a digital box of simulated Legos—with a healthy dash of The Lord of the Rings thrown in. [...] Minecraft does not present new users with a blank page or space. Instead, it presents a game: a simulated landscape and a set of tools to manipulate that landscape. All creativity in Minecraft derives from the fiction presented by the game. To build something from wood blocks, once must first cut down trees. To build from stone, one must mine the blocks from the ground. Minecraft’s creative tools are embedded in its simulated world. [...] In its first two years of development, Minecraft offered barely any instructions to the novice player. As a game design decision, this was arguably an unforgivable error—standard game design doctrine is that the player should be taught, by the game, how to be successful. However, even the most rudimentary game play in Minecraft (e.g. chopping down a tree, making a mining pick) is an impossible task. The new player must look outside Minecraft for answers. Initially, Minecraft’s lack of an instruction manual may have been a consequence of Persson’s lack of interest in writing one. However, in retrospect, this “mistake” was an ingenious design decision. When Minecraft players look for help online, this introduces them to the wikis, videos, blogs, and other forums that are devoted to the game. This introduces players, at the outset, to the importance of the independent online community. 
  85. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Cotton
  86. Makuch, Eddie (13 de dezembro de 2012). «Minecraft franchise sales hit 17.5 million». GameSpot. CBS Interactive. Consultado em 23 de dezembro de 2012 
  87. Rose, Mike (21 de fevereiro de 2011). «Official Minecraft iOS, Android Release Coming Later This Year». Gamasutra. Consultado em 22 de fevereiro de 2011 
  88. Crecente, Brian (21 de fevereiro de 2011). «Official Minecraft Coming to iPhone, iPad, Android». Kotaku. Gawker Media. Consultado em 22 de fevereiro de 2011 
  89. Brown, Mark (16 de novembro de 2011). «Minecraft: Pocket Edition arrives on iPhone and iPad». Wired UK. Consultado em 18 de novembro de 2011 
  90. 'Minecraft - Pocket Edition' Review – Bigger May Be Better, TouchArcade, 18 November 2011
  91. https://minecraft-pt.gamepedia.com/Bedrock_Edition
  92. a b Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome SBGames
  93. a b Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome UOLJogosMine
  94. a b Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome BaixakiMinecraft
  95. Jim Rossignol. «"50 Games to Play at Work"» (em inglês). PC Gamer 
  96. «"Gamasutra's Best Of 2010: The Top 10 Games Of The Year"» (em inglês). Gamasutra 
  97. "Ahrun". «"IGF2011: Amnesia ganha 3 prêmios mas Minecraft leva o Seamus McNally"». Game Vício 
  98. Pedro Giglio. «"Minecraft e Amnesia são os destaques da IGF 2011"». Arena Turbo 
  99. Persson, Markus (18 de setembro de 2010). «"Free Minecraft until this gets fixed"». The Word of Notch (em inglês). Consultado em 14 de abril de 2019 
  100. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome ExclamationMark
  101. «"Statistics"» (em inglês). Site Oficial do Minecraft. Consultado em 2 de julho de 2011. Arquivado do original em 12 de janeiro de 2011 
  102. Monteiro, Rafael (26 de abril de 2011). «"Minecraft atinge a marca de 2 milhões de vendas"». Tech Tudo. Consultado em 14 de abril de 2019 
  103. «"Minecraft" já arrecadou US$ 33 milhões, mas criador se diz "oprimido"». www.tecnologia.uol.com.br. 7 de abril de 2011. Consultado em 14 de abril de 2019 
  104. «'Minecraft' vende mais de 20 milhões de cópias no PC». G1 Games. 1 de julho de 2015. Consultado em 14 de abril de 2019 

Ligações externas