Abrir menu principal

Pandaceae

pequena família de árvores e arbustos paleotropicais da ordem Malpighiales

DescriçãoEditar

Todas as espécies desta família são plantas lenhosas perenifólias com hábito arbóreo ou arbustivo. Os ramos destas plantas são alinhados plagiotropicamente com a direcção de crescimento determinada por geotropismo e não pela orientação do eixo caulinar. As folhas são simples, de filotaxia alterna, ordenadas em duas fileiras densamente dispostas em brotos curtos (braquiblastos) que lhes dão um aspecto semelhante a uma grande folha pinada. As margens das folhas são lisas, serradas ou serrilhadas. Estão presentes estípulas foliares.

São geralmente espécies dioicas. As flores são isoladas ou em inflorescências de tipologia diferente. As flores são pequenas, com simetria radial (actinomórficas), unissexuais e geralmente pentâmeras. Apresentam cinco sépala e igual número de pétalas. As flores masculinas contêm um, dois ou três verticilos, cada um com cinco estames livres férteis. Nas flores femininas, ocorrem de dois a cinco carpelos, ligados num sincárpio vertical, ovados, com dois a cinco estiletes livres. O fruto é uma drupa.

DistribuiçãoEditar

A família tem uma área de distribuição disjunta com espécies presentes na África Ocidental e numa região que vai do Sueste Asiático à Nova Guiné e Ilhas Salomão.

Filogenia e sistemáticaEditar

Família composta por 3 géneros e aproximadamente 17 espécies que segundo a classificação morfológica clássica do sistema de Cronquist, de 1981, pertencia à família Euphorbiaceae da extinta ordem Euphorbiales.

FilogeniaEditar

Um estudo de filogenética molecular, realizado em 2012, usou dados resultantes da análise de um número alargado de genes e por essa via obteve uma árvore filogenética com maior resolução que a disponível nos estudos anteriormente realizados.[4] Nesse estudo foram analisados 82 genes de plastídeos de 58 espécies (a problemática família Rafflesiaceae não foi incluída), usando partições identificadas a posteriori pela aplicação de um modelo de mistura com recurso a inferência bayesiana. Esse estudo identificou 12 clados adicionais e 3 clados basais de maior significância.[5][4] A posição da família Pandaceae no contexto da ordem Malpighiales é a que consta do seguinte cladograma:



Oxalidales (grupo externo)


Malpighiales

euphorbioides


Peraceae


  

Rafflesiaceae


  

Euphorbiaceae





phyllanthoides

Picrodendraceae



Phyllanthaceae



linoides

Linaceae



Ixonanthaceae






clado parietal 

salicoides




Salicaceae



Scyphostegiaceae




Samydaceae




Lacistemataceae






Passifloraceae



Turneraceae




Malesherbiaceae






Violaceae



Goupiaceae





Achariaceae




Humiriaceae






clusioides



Hypericaceae



Podostemaceae




Calophyllaceae





Clusiaceae



Bonnetiaceae




ochnoides

Ochnaceae




Quiinaceae



Medusagynaceae








Rhizophoraceae



Erythroxylaceae




Ctenolophonaceae





Pandaceae



Irvingiaceae





chrysobalanoides



Chrysobalanaceae



Euphroniaceae





Dichapetalaceae



Trigoniaceae





Balanopaceae



malpighioides


Malpighiaceae



Elatinaceae




Centroplacaceae




Caryocaraceae


putranjivoides

Putranjivaceae



Lophopyxidaceae






A família Pandaceae é o grupo irmão da família Irvingiaceae, com a qual partilha algumas características morfológicas.

SistemáticaEditar

A família Pandaceae agrupa três géneros que anteriormente eram considerados como pertencentes à família Euphorbiaceae. Esses géneros são:

Estes géneros contêm 17 espécies,[2] maioritariamente distribuídas pela África Ocidental e Sueste Asiático.[3]

O género Centroplacus estava incluída nas Pandaceae, mas também era alternativamente colocado na tribo Centroplaceae da família Phyllanthaceae. O sistema APG III reconheceu este género como parte da família Centroplacaceae.[1]

A família Pandaceae agrupa apenas 3 géneros com 15 a 28 espécies. Os géneros que integram a família pertenciam anteriormente à tribo Galearieae da subfamília Acalyphoideae da família das Euphorbiaceae. Os géneros são os seguintes:

ReferênciasEditar

  1. a b Angiosperm Phylogeny Group (2009), «An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III», Botanical Journal of the Linnean Society, 161 (2): 105–121, doi:10.1111/j.1095-8339.2009.00996.x, consultado em 10 de dezembro de 2010, cópia arquivada em 25 de maio de 2017  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda)
  2. a b Christenhusz, M. J. M.; Byng, J. W. (2016). «The number of known plants species in the world and its annual increase». Magnolia Press. Phytotaxa. 261 (3): 201–217. doi:10.11646/phytotaxa.261.3.1 
  3. a b Stephens, P.F. (2001 onwards). Angiosperm Phylogeny Website. Version 9, June 2008. http://www.mobot.org/MOBOT/Research/APweb/
  4. a b Xi, Z.; Ruhfel, B. R.; Schaefer, H.; Amorim, A. M.; Sugumaran, M.; Wurdack, K. J.; Endress, P. K.; Matthews, M. L.; Stevens, P. F.; Mathews, S.; Davis, C. C. (2012). «Phylogenomics and a posteriori data partitioning resolve the Cretaceous angiosperm radiation Malpighiales». Proceedings of the National Academy of Sciences. 109 (43). 17519 páginas. PMC 3491498 . PMID 23045684. doi:10.1073/pnas.1205818109 
  5. Catalogue of Organisms: Malpighiales: A Glorious Mess of Flowering Plants
  6. a b c Rafaël Govaerts (editor): Pandaceae - World Checklist of Selected Plant Families do Royal Botanic Gardens, Kew. consultado a 19 de setembro de 2018.

BibliografiaEditar

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar