Abrir menu principal

Grande Prêmio de Singapura de 2008

(Redirecionado de Singapuragate)
Grande Prêmio de Singapura de F-1 de 2008
Singapore Street Circuit 2015.svg
Grande Prêmio de Singapura de 2008.
Detalhes da corrida
Data 28 de setembro de 2008
Nome oficial I SingTel Singapore Grand Prix
Local Circuito Urbano de Marina Bay, Singapura
Total 61 voltas / 309.087 km
Pole
Piloto
Brasil Felipe Massa Ferrari
Tempo 1:44.801
Volta mais rápida
Piloto
Finlândia Kimi Räikkönen Ferrari
Tempo 1:45.599 (na volta 14)
Pódio
Primeiro
Espanha Fernando Alonso Renault
Segundo
Alemanha Nico Rosberg Williams-Toyota
Terceiro
Reino Unido Lewis Hamilton McLaren-Mercedes

O Grande Prêmio de Singapura de 2008 foi a décima quinta corrida da temporada de 2008 da Fórmula 1. Embora tenha tornado-se notório por conta do escândalo que ficou conhecido como Singapuragate[1], este Grande Prêmio também entrou para a história do esporte a motor por algumas outras razões. Além de ser a 800ª prova da Formula 1 e a primeira disputada em Singapura, foi também a primeira vez que a F-1 disputou um GP à noite, a primeira com iluminação artificial[1]. Teve como vencedor Fernando Alonso.

A corrida ficou marcada pela parada nos boxes de Felipe Massa, que ao ser sinalizado com a luz verde, saiu com a mangueira de reabastecimento ainda no tanque. Após o acontecimento, Massa caiu para o último lugar, abrindo caminho para a vitória do bicampeão Fernando Alonso, que foi favorecido pela entrada do safety car na pista.[2][3]

ClassificaçãoEditar

Pos No nome Construtor Parte 1 Parte 2 Parte 3 Grid
1 2   Felipe Massa Ferrari 1:44.519 1:44.014 1:44.801 1
2 22   Lewis Hamilton McLaren-Mercedes 1:44.501 1:44.932 1:45.465 2
3 1   Kimi Räikkönen Ferrari 1:44.282 1:44.232 1:45.617 3
4 4   Robert Kubica BMW Sauber 1:44.740 1:44.519 1:45.779 4
5 23   Heikki Kovalainen McLaren-Mercedes 1:44.311 1:44.207 1:45.873 5
6 3   Nick Heidfeld BMW Sauber 1:45.548 1:44.520 1:45.964 6
7 15   Sebastian Vettel Toro Rosso-Ferrari 1:45.042 1:44.261 1:46.244 7
8 12   Timo Glock Toyota 1:45.184 1:44.441 1:46.328 8
9 7   Nico Rosberg Williams-Toyota 1:45.103 1:44.429 1:46.611 9
10 8   Kazuki Nakajima Williams-Toyota 1:45.127 1:44.826 1:47.547 10
11 11   Jarno Trulli Toyota 1:45.642 1:45.038 11
12 16   Jenson Button Honda 1:45.660 1:45.133 12
13 10   Mark Webber Red Bull-Renault 1:45.493 1:45.212 13
14 9   David Coulthard Red Bull-Renault 1:46.028 1:45.298 14
15 5   Fernando Alonso Renault 1:44.971 s/tempo 15
16 6   Nelson Piquet Jr. Renault 1:46.037 16
17 14   Sébastien Bourdais Toro Rosso-Ferrari 1:46.389 17
18 17   Rubens Barrichello Honda 1:46.583 18
19 20   Adrian Sutil Force India-Ferrari 1:47.940 19
20 21   Giancarlo Fisichella Force India-Ferrari s/tempo 20

CorridaEditar

Pos No Piloto Construtor Voltas Tempo/Saída Grid Pontos
1 5   Fernando Alonso Renault 61 1:57:16.304 15 10
2 7   Nico Rosberg Williams-Toyota 61 +2.957 8 8
3 22   Lewis Hamilton McLaren-Mercedes 61 +5.917 2 6
4 12   Timo Glock Toyota 61 +8.155 7 5
5 15   Sebastian Vettel Toro Rosso-Ferrari 61 +10.268 6 4
6 3   Nick Heidfeld BMW Sauber 61 +11.101 9 3
7 9   David Coulthard Red Bull-Renault 61 +16.387 14 2
8 8   Kazuki Nakajima Williams-Toyota 61 +18.489 10 1
9 16   Jenson Button Honda 61 +19.885 12
10 23   Heikki Kovalainen McLaren-Mercedes 61 +26.902 5
11 4   Robert Kubica BMW Sauber 61 +27.975 4
12 14   Sébastien Bourdais Toro Rosso-Ferrari 61 +29.432 17
13 2   Felipe Massa Ferrari 61 +35.170 1
14 21   Giancarlo Fisichella Force India-Ferrari 61 +43.571 20
15 1   Kimi Räikkönen Ferrari 57 Acidente 3
Ret 11   Jarno Trulli Toyota 50 Falha mecânica 11
Ret 20   Adrian Sutil Force India-Ferrari 49 Acidente 19
Ret 10   Mark Webber Red Bull-Renault 29 Marcha 13
Ret 17   Rubens Barrichello Honda 14 Falha mecânica 18
Ret 6   Nelson Piquet Jr. Renault 13 Acidente simulado 16

Voltas na LiderançaEditar

Nº de Voltas Piloto Voltas
28   Fernando Alonso 34-61
17   Felipe Massa 1-17
11   Nico Rosberg 18-28
5   Jarno Trulli 29-33

CuriosidadeEditar

Tabela do campeonato após a corridaEditar

Observe que somente as cinco primeiras posições estão incluídas na tabela.

SingapuragateEditar

Singapuragate foi como ficou conhecido um escândalo de manipulação de resultado orquestrado pelo então chefe da equipe Renault, Flavio Briatore juntamente com o ex-diretor de engenharia da equipe Pat Symonds. Ambos orquestraram uma batida proposital de um dos pilotos da equipe, o brasileiro Nelsinho Piquet, para favorecer seu companheiro de equipe Fernando Alonso. Nelsinho foi "convencido" com a promessa de que teria seu contrato renovado.[4]

A tramoia aconteceu da seguinte forma: na 12ª volta, para estranheza geral, a Renault de Alonso (que largara na 15a posição do grid) entrou nos boxes para sua primeira – e aparentemente prematura – parada. Duas voltas depois, Nelsinho cumpriu a ordem do time, escorregou de traseira na saída numa curva em que não havia possibilidade de o carro ser retirado sem a entrada do safety car e espatifou seu carro no muro.[1]

Embora tenha causado a desconfiança dos demais pilotos, o caso só veio à tona em agosto do ano seguinte, quando o jornalista brasileiro Reginaldo Leme, deu o furo mundial durante a transmissão do GP da Bélgica daquele ano.[1]

Em setembro de 2009 foi comprovada pela FIA, que a equipe Renault ordenou que o companheiro de equipe de Fernando Alonso, Nelson Angelo Piquet batesse de forma proposital contra o muro na curva 17, para forçar a entrada do safety car. Dessa maneira, Alonso, que foi chamado aos boxes duas voltas antes, conseguiu assumir a liderança e conquistar a vitória.[5][6]

O julgamento desse caso acarretou na sua permanência condicional por dois anos na equipe Renault, ou seja, durante este período não poderá se envolver em graves incidentes e deve colaborar com o desenvolvimento de tecnologias que melhorem a segurança da categoria. Neste mesmo julgamento o ex-diretor chefe da escuderia Flavio Briatore foi banido dos esportes a motor e o ex-diretor de engenharia da equipe Pat Symonds foi suspenso por cinco anos. O piloto brasileiro foi livrado de punição por colaborar com as investigações e Fernando Alonso foi declarado inocente, pois segundo o Conselho Mundial de Esporte a Motor ele desconhecia a farsa.[7]

Referências

Ver tambémEditar

Prova Anterior:
Grande Prêmio da Itália de 2008
Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1
Temporada 2008
Próxima Prova:
Grande Prêmio do Japão de 2008

Prova Anterior:
não houve
Grande Prêmio de Singapura Próxima Prova:
Grande Prêmio de Singapura de 2009