Abrir menu principal

TV A Crítica

emissora de televisão brasileira de Manaus, AM
TV A Crítica
Televisão A Crítica Ltda.
Manaus, Amazonas
Brasil
Tipo Comercial
Canais Digital: 17 UHF
Virtual: 4 PSIP
Outros canais 14 / 514 HD (NET)
516 HD (Vivo TV)
Analógico:
4 VHF (1972-2018)
Sede Bandeira de Manaus.svg Manaus, AM
Slogan De mãos dadas com o povo
É da nossa terra, tá na nossa tela (especiais)
Rede(s) anterior(es) Rede Tupi (1972-1980)
REI (1980-1981)
SBT (1981-2007)
RecordTV (2007-2019)
Fundador(es) Condomínio Acionário dos Diários e Emissoras Associados
Pertence a Rede Calderaro de Comunicação
Proprietário(s) Tereza Cristina Calderaro
Antigo(s) proprietário(s) Condomínio Acionário (1972-1985)
Umberto Calderaro Filho (1985-1995)
Ritta Calderaro (1995-2016)
Presidente Dissica Tomaz Calderaro
Fundação 2 de junho de 1972 (47 anos)
Prefixo ZYA 246
Nome(s) anterior(es) TV Baré (1972-1986)
Emissora(s) irmã(s)
Cobertura 60% do estado do Amazonas
Coord. do transmissor 3° 05' 52.8" S 59° 59' 33.5" O
Agência reguladora ANATEL
Informação de licença
CDB
PDF
Página oficial play.acritica.com

TV A Crítica é uma emissora de televisão brasileira sediada em Manaus, capital do estado do Amazonas. Opera no canal 4 (17 UHF digital) e faz parte da Rede Calderaro de Comunicação, do qual também fazem parte os periódicos A Crítica e Manaus Hoje, as rádios FM O Dia Manaus e Jovem Pan FM Manaus, a Inova TV, entre outros veículos.

HistóriaEditar

TV Baré (1972–1986)Editar

 
Logotipo da emissora usado até 1986, quando se chamava TV Baré

Em 1968, o Governo Federal lançou concorrência para segundo canal de televisão em Manaus.[1] Na época, a TV Ajuricaba estava no ar desde 1967, através do canal 38 UHF. Porém, algumas residências já tinham aparelhos de televisão (cerca de 2 mil televisores, em uma população quase 300 mil habitantes em Manaus), que na época recebiam sinais vindos do canal 2 da RCTV (sinal de emissora vinda de Caracas, capital de Venezuela) de maneira muito precária, pois tinha chiado e péssima imagem.

O grupo Diários Associados ganhou a concorrência e obteve a concessão em 1968.[1] Para colocar a emissora no ar, foi formado empresa[qual?] com 30 sócios (entre eles, o empresário Umberto Calderaro Filho, dono do jornal A Crítica), com cada um das cotas, todos ligados aos Diários Associados,[2] entre estes o jornalista Alfredo Sade (falecido em 1971).[3]

Após os testes de sinais, sons e equipamentos, a TV Baré entra no ar em 2 de junho de 1972 transmitindo a cerimônia de abertura direto do Palácio Rio Negro, com um discurso do então governador do Amazonas João Andrade onde ao final ele diz: "Autorizo a partir deste momento, o inicio do funcionamento e das atividades da Rádio e Televisão Baré, canal 4 de Manaus", seguido das imagens do índio curumim com a frase "No Ar, a Pioneira em Imagem-Som, Alcance e Côr!" - sendo esse slogan utilizado como um anuncio das futuras transmissões em cores. Assim, a recém-fundada emissora passa a ser afiliada da Rede Tupi, até então era da TV Ajuricaba, de 1967 a 1972, quando ocorre a inauguração da nova emissora e ser apenas exibidora da REI.[4]

Inicialmente, a transmissão da programação da Tupi era feita por fitas e películas de filmes enviadas da cidade de São Paulo, gerando atraso bastante por semanas a exibição da programação (novelas, partidas de futebol e outros eventos) em relação de São Paulo. Diante disso, ampliou a programação local.

Outro programa de sucesso, iniciado em 1972, transmitido aos sábados é o Nosso Encontro, comandado por Baby Rizatto, jornalista de renome no Amazonas, que traz as principais notícias da semana, artistas locais e nacionais, gastronomia e dicas culturais, além de prêmios aos telespectadores.

Em 1974, quando a TV Ajuricaba passa ser afiliada à Rede Globo, a TV Baré passou também a exibir a programação da REI (chegando até exibir a Copa de 1978)[5] mesmo perdendo audiência e afiliadas. Durante o período de afiliação à Tupi-REI permaneceu como líder de audiência no estado do Amazonas, vindo a perder gradativamente a audiência à medida que a Tupi agravava a sua crise financeira-administrativa em frente à Ajuricaba com a Globo.

Com a falência da Rede Tupi em 1980, a TV Baré passou a gerar sua programação de maneira independente, até tornar-se afiliada ao SBT, em 1981. A sociedade da emissora constituía-se de 30 acionistas, que posteriormente venderam suas cotas ao empresário e jornalista Umberto Calderaro Filho, dono do jornal A Crítica, quando uma crise financeira-administrativa atingia os Diários Associados. O jornalista assumiu o controle da emissora em 1986, e nesse ano, a TV Baré passa a se chamar TV A Crítica, assumindo o nome do jornal que era o carro-chefe da Rede Calderaro de Comunicação.[2]

TV A Crítica (1986–presente)Editar

No dia 30 de setembro, véspera do dia da eleição federal e estadual brasileira de 2006, um Oficial de Justiça[quem?] do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) foi enviado à sede da TV A Crítica em Manaus para lacrar os transmissores para suspender transmissões em Manaus e todo Amazonas por 24 horas por determinação da juíza Encarnação Graça Sampaio.[6] da Justiça Eleitoral. O motivo foi que a emissora tentou associar o candidato Eduardo Braga à escândalos administrativos durante debate entre candidatos à Governador do Estado (mediado pelo jornalista do SBT, Hermano Henning), na qual nem Braga e nem Amazonino Mendes não compareceram durante debate, o que levou pedido da coligação do governador Braga a entrar no TRE contra emissora, que ficou quase 24 horas fora do ar, o que quase prejudicou na cobertura das eleições[7][8] O governador Eduardo Braga foi reeleito no dia 1º de outubro.[8]

Nos primeiros meses de 2007, a TV A Crítica demonstra interesse em querer sair do SBT, devido as mudanças repentinas da programação por ordem de Sílvio Santos a partir de 2001 e que sofria forte oposição por parte da direção da emissora.[9]

No dia 5 de julho, representantes da TV A Crítica fecham parceria com os da Record, que passa a transmitir o seu sinal em 1.º de setembro.[10]

No final de outubro, surgiram especulação de que a TV A Crítica quer voltar a se afiliar ao SBT por conta da queda de audiência sofrida nos primeiros meses após a afiliação à Record, perdendo dessa forma a vice-liderança de audiência na capital para agora recém nomeada TV Em Tempo (antiga TV Manaus), para que a ex-afiliada voltasse com a Record,[11]

Em 13 de agosto de 2009, a retransmissora de Manicoré, no interior do Amazonas, foi alvo de um atentado, não investigado pelas autoridades.[12]

Em 10 de agosto de 2009, a emissora em Manaus inaugura o sinal digital, sendo a primeira afiliada da Record na Região Norte com esta tecnologia, transmitindo para mais de 2 milhões de telespectadores em Manaus e municípios adjacentes, através do canal 17 UHF.[13]

Em 22 de março de 2011 a emissora veiculou com exclusividade (mais tarde toda imprensa amazonense), vídeo com imagens de policiais militares atirando à queima-roupa contra adolescente de 14 anos num bairro da periferia de Manaus, gravado por câmeras de segurança do hipermercado nas proximidades do local.[14] As imagens chocaram pela frieza do ato e posteriormente ganharam repercussão nacional e internacional, através dos telejornais das maiores redes de televisão do país, chegando tal atitude a ser condenada pelo UNICEF (órgão da ONU com o qual o Governo do Estado do Amazonas possui convênios). Os sete policiais militares envolvidos no vídeo foram presos e o comandante da Polícia Militar do Amazonas, Coronel Dan Câmara, foi exonerado do cargo pelo governador Omar Aziz em 29 de março.[15]

Em 2 de junho de 2012, a emissora completou 40 anos de existência, com uma programação especial e o início das transmissões em 3D, sendo a primeira da Região Norte a implementar tal tecnologia.[16]

Em 4 de dezembro a emissora estreia o primeiro reality-show da TV amazonense, Peladão A Bordo, O Reality, em que as candidatas a Rainha do Peladão são colocadas em um barco de luxo, no qual elas participam de provas de eliminação a cada semana.[17]

Em 30 de janeiro a emissora firmou parceria entre os clubes de futebol amazonense e a Federação Amazonense de Futebol para a transmissão de mais um Campeonato Amazonense, havendo novidade na mudança dos dias de transmissão dos jogos, que passará a ser nas quintas-feiras à noite e aos sábados à tarde.[18]

Em 15 de fevereiro o Boi Bumbá Garantido assinou contrato de exclusividade com a Rede Calderaro de Comunicação (TV A Crítica, emissoras de rádio, portal e demais veículos de comunicação do grupo) para a transmissão de suas apresentações oficiais no Festival Folclórico de Parintins por um período de 5 anos. O contrato prevê cobertura jornalística na programação local da TV A Crítica, no site do Jornal A Crítica, transmissão na íntegra das apresentações do Garantido no Festival Folclórico de Parintins através da emissora e da Record Internacional, inserção dos itens do Garantido nos programas da Rede Record, gravação e divulgação do CD e DVD do Garantido, aporte financeiro, entre outros itens. O Boi Bumbá Caprichoso, por sua vez, também recebeu as propostas da Rede Calderaro de Comunicação, porém posteriormente decidiu por assinar contrato de exclusividade com a TV Amazonas. Entre os anos de 2008 e 2012 o Festival Folclórico de Parintins era transmitido para todo o Brasil através da Rede Bandeirantes.[19]

No dia 15 de maio a emissora transmitiu, em conjunto com a Record Internacional, a partida entre Vasco e Fast Clube pela Copa Brasil de Beach Soccer, direto do Centro Cultural Povos da Amazônia.[20]

Em 25 de junho a emissora lançou seu sinal digital em HDTV para a cidade de Parintins.[21]

Em 22 de março, num sábado, às 20h42, quando transmitia a sessão de filmes Cine Maior, a emissora, por motivos desconhecidos, teve o seu sinal suspenso, ficando fora do ar por mais de 35 horas na Grande Manaus. A TV A Crítica voltou ao ar na manhã de segunda-feira, dia 24 de março, às 08h11, durante o Fala Brasil. Há relatos de que a emissora não teve queda de sinal, apenas os telespectadores que moram nas adjacências da mesma assistiram a programação de fim de semana da Rede Record. Porém, nas demais zonas da cidade, os telespectadores não conseguiram sintonizar a emissora.[22]

Depois de ser eleito governador do estado do Amazonas, tendo a maior votação do estado, Wilson Lima se despede do comando do Alô Amazonas depois de 9 anos de casa e passa a apresentação para o jornalista Clayton Pascarelli, que passa a ser titular do programa em novembro de 2018 até maio de 2019, quando deixa a emissora para assinar com a RecordTV Manaus. Ainda em maio, Mário César Filho é efetivado como novo apresentador do Alô Amazonas.

Saída da Record e programação independenteEditar

 
Logotipo utilizado entre 2017 e 2019, com detalhes idênticos ao da RecordTV adotado em 2016

Após dois anos operando em negociações com a Record, na qual transmitiam a rede sem contrato, a TV A Crítica anunciou em 10 de maio de 2019 que optou por encerrar a afiliação com a rede.[23] Segundo o presidente da emissora, Dissica Calderaro, a parceria com a Record não deixava a TV local à vontade para ampliar o foco no estado e por isso passariam a seguir com programação independente.[24] Teria pesado para a Record o fato da emissora investir em contratos internacionais para fortalecer a grade local, além da recusa de seguir o padrão de programação da rede e o corte de atrações nacionais, como o Cidade Alerta, sendo classificada como "insubordinada" pelos diretores da rede.[25]

Inicialmente, estava previsto que a TV A Crítica deixaria a Record em 17 de junho, quando a rede lançaria sua filial, RecordTV Manaus, para repor a afiliação.[26] Porém, a emissora antecipou por conta própria o seu desligamento em duas semanas, e à meia-noite do dia 3 de junho, enquanto era exibido um episódio da série CSI: Investigação Criminal (que não foi concluído), a TV A Crítica interrompeu a programação e exibiu um institucional de 5 minutos, contando parte de sua trajetória de 47 anos (completados um dia antes) e os planos de virar uma emissora independente, encerrando abruptamente sua afiliação com a Record após 11 anos e 9 meses.[27] Depois, no lugar da programação da Igreja Universal do Reino de Deus exibida na madrugada, a emissora prosseguiu com a exibição de chamadas da nova programação e clipes com as toadas do Festival Folclórico de Parintins, que seria realizado no mesmo mês.

Questionado sobre o antecipamento ser uma retaliação pelo fato da rede estar divulgando a sua nova filial em rede nacional, e consequentemente, obrigando a TV A Crítica a passar os comunicados, o vice-presidente da emissora Dissica Calderaro desmentiu: "Esperamos virar o mês [de maio] por respeito, aos anunciantes, à história que vivemos. De 1.º de junho em diante não fazia mais sentido esperar por uma data estipulada unilateralmente por eles. Demos nosso grito de independência". Uma vez que não estava preparada para seguir com sua programação de maneira totalmente independente, a emissora estendeu a duração e remanejou alguns de seus programas locais, além de passar a retransmitir provisoriamente parte da programação da RedeTV! (cuja filiação também pertence à Rede Calderaro de Comunicação através de sua co-irmã, a Inova TV), em horários antes ocupados pelos programas da RecordTV.[27][28]

Em 21 de junho de 2019, a emissora contrata Sikêra Júnior, que estava até então na TV Arapuan, afiliada à RedeTV! na Paraíba.[29] O apresentador afirmou que deixou a TV Arapuan por ter recebido uma proposta melhor da TV A Crítica, e disse ainda que anteriormente havia ocorrido pressão do MST para sua demissão.[30] Sikêra estreiou no dia 23 de julho na apresentação do programa Alerta Amazonas.[31]

Sinal digitalEditar

Canal virtual Canal digital Resolução de tela Programação
4.1 17 UHF 1080i Programação principal da TV A Crítica

Em 10 de agosto de 2009, a emissora em Manaus inaugura o sinal digital, sendo na época a primeira afiliada da Record na Região Norte com esta tecnologia, transmitindo para mais de 2 milhões de telespectadores em Manaus e municípios adjacentes, através do canal 17 UHF.[13]

Transição para o sinal digital

Com base no decreto federal de transição das emissoras de TV brasileiras do sinal analógico para o digital, a TV A Crítica, bem como as outras emissoras de Manaus, cessou suas transmissões pelo canal 4 VHF em 30 de maio de 2018, seguindo o cronograma oficial da ANATEL.[32]

ProgramasEditar

Atualmente, a TV A Crítica produz os seguintes programas:

Exibidos por temporada

Diversos outros programas compuseram a grade da emissora e foram descontinuados:

  • A Crítica Esportiva
  • A Hora do Ângelus
  • A Tribuna na TV
  • A Turma da Patrícia
  • Alô Manaus
  • Cidade Alerta Amazonas
  • Clube do 4
  • Craque na TV
  • Disco Vídeo
  • Exija Seus Direitos
  • Jornal Baré
  • Jornal da Cidade
  • Linha de Frente
  • O Repórter da Cidade
  • Pique Total
  • Ponto Crítico
  • Programa Nosso Encontro
  • Sinal Aberto
  • Teledisco
  • TJ A Crítica
  • TJ Manaus
  • Top Teen

Transmissões especiaisEditar

Transmissões esportivasEditar

RetransmissorasEditar

Lista de retransmissoras
Cidade Analógico Digital Cidade Analógico Digital Cidade Analógico Digital
Amaturá 13 - Anori 07 - Apuí (Sucurundi) 12 -
Autazes 11 - Barcelos 11 - Barcelos (Moura) 11 -
Barreirinha 03 - Benjamin Constant 10 - Boca do Acre 10 -
Borba 11 - Careiro 04 - Coari 07 -
Codajás 08 - Fonte Boa 14 - Humaitá 08 24*
Itacoatiara 09 / 35 - Itapiranga 07 - Lábrea 03 -
Manacapuru 07 33* Manicoré 09 - Maués 02 -
Nhamundá 14 - Nova Olinda do Norte 07 - Novo Aripuanã 07 -
Presidente Figueiredo 07 25* Rio Preto da Eva 09 - Santa Isabel do Rio Negro 11 -
Santo Antônio do Içá 12 - São Gabriel da Cachoeira 24 - São Sebastião do Uatumã 09 -
Silves 09 - Tabatinga 26 - Urucará 05 -
* - Em implantação

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

Referências

  1. a b Fábio Fonseca de Castro (fabio.fonsecadecastro@gmail.com) (2012). «Sistemas de comunicação na Amazônia (Communication systems in Amazon)». Unisinos (da revista Fronteiras). Consultado em 7 de agosto de 2014 
  2. a b Rodrigo Cunha (22 de setembro de 2008). «Antena Norte/Nordeste: Em Manaus, a primeira televisão a cabo no Brasil (TV Baré)». Tele História. Consultado em 7 de agosto de 2014. Arquivado do original em 12 de agosto de 2014 
  3. Sade, Alfredo (15 de julho de 1971). «Homenagem Póstuma ao Jornalista Alfredo Sade» (PDF). Anais do Senado Federal. Consultado em 25 de maio de 2017 
  4. Diversos Autores (Novembro de 2004). «Comunicação: Veredas» (PDF). Unimar. Consultado em 7 de agosto de 2014 
  5. Israel Conte (4 de Junho de 2012). «TV A Crítica celebra 40 anos com surpreendente evolução». A Crítica. Consultado em 7 de agosto de 2014 
  6. Thais Brianezi (1 de outubro de 2006). «Canal de TV no Amazonas continua fora do ar por determinação da Justiça». Folha da Região. Consultado em 30 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 5 de fevereiro de 2016 
  7. «Justiça suspende programação de TV no Amazonas e na Paraíba». Consultado em 21 de novembro de 2009 
  8. a b «Eduardo Braga é reeleito governador do Amazonas». Consultado em 21 de novembro de 2009 
  9. «TV A Crítica, do Amazonas, abandona o SBT em agosto e adere à programação da Record». Cidade Biz. 17 de julho de 2007. Arquivado do original em 24 de junho de 2008 
  10. «FLORESTA». Consultado em 20 de novembro de 2009 [ligação inativa]
  11. «TV A Crítica quer voltar para o SBT». Blog Internacional. 2 de novembro de 2007 
  12. «TV A Crítica em Manicoré sofre atentado». Jornal do Apuí. 2009 [ligação inativa]
  13. a b «Sinal em alta definição da Record chega à Manaus (AM)». Jornal da Record. 7 de dezembro de 2009. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  14. «Imagens mostram policiais atirando contra adolescente em Manaus, 23 de março de 2011» 🔗 
  15. «Comandante da PM do Amazonas é exonerado, 29 de março de 2011» 🔗 
  16. «TV A Crítica: 40 anos de inovação e pionerismo». Consultado em 4 de junho de 2012. Arquivado do original em 5 de junho de 2012 
  17. «'Peladão a bordo', o 1º reality show do AM estreia na terça» 
  18. «TV Acrítica e Rede Record confirmam transmissão do Amazonense pelo 5º ano seguido com jogos às quintas e sábados». Consultado em 31 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 28 de setembro de 2013 
  19. «Garantido assina contrato em definitivo com a TV A Crítica/Record» 
  20. «Copa Brasil de Beach Soccer começa nesta quarta-feira, em Manaus». Consultado em 16 de maio de 2013. Arquivado do original em 27 de setembro de 2013 
  21. «TV A CRÍTICA lança sinal de alta definição em Parintins (AM)». Consultado em 26 de junho de 2013. Arquivado do original em 2 de julho de 2013 
  22. TV 'A Crítica', afiliada da Record em Manaus, está fora do ar. http://www.tudodatv.com.br/2014/03/tv-critica-afiliada-da-record-em-manaus.html Arquivado em 23 de março de 2014, no Wayback Machine.
  23. «Rede Calderaro perde sinal da TV Record». BNC Amazonas. 10 de maio de 2019. Consultado em 14 de maio de 2019 
  24. «Sem acordo com Record, TV A Crítica opta por programação independente». Portal A Crítica. 10 de maio de 2019. Consultado em 10 de maio de 2019 
  25. Diogo Cavalcante (13 de maio de 2019). «Record dispensa afiliada insubordinada no Amazonas, que passa a ser totalmente local». NaTelinha. Consultado em 14 de maio de 2019 
  26. Diogo Cavalcante (13 de maio de 2019). «Record lança emissora própria em Manaus após saída de afiliada». NaTelinha. Consultado em 13 de maio de 2019 
  27. a b Cavalcante, Diogo (3 de junho de 2019). «Record fica sem sinal no Amazonas após saída antecipada de afiliada». NaTelinha - UOL. Consultado em 3 de junho de 2019 
  28. Pequeno, Alexandre (3 de junho de 2019). «TV A CRÍTICA comemora independência e anuncia nova programação em Manaus». A Crítica. Consultado em 4 de junho de 2019 
  29. «Sikêra Jr deixa Paraíba e vai apresentar programa em emissora ex-Record TV no Amazonas». Observatório da Televisão. 28 de junho de 2019. Consultado em 1 de agosto de 2019 
  30. «PRONUNCIAMENTO: Sikera Jr quebra silêncio e revela motivo de sua saída da TV Arapuan; VEJA VÍDEO». Polêmica Paraíba. 24 de junho de 2019. Consultado em 1 de agosto de 2019 
  31. «Jornalista Sikera Jr estreia na telinha da TV A Crítica nesta terça-feira (23) | Entretenimento». A Crítica (em inglês). Consultado em 1 de agosto de 2019 
  32. Higa, Paulo (15 de fevereiro de 2016). «Quando a TV analógica será desligada na sua cidade». Tecnoblog. Consultado em 30 de janeiro de 2017