Abrir menu principal

Teatro Amazonas

teatro em Manaus, Amazonas
Teatro Amazonas
Vista aérea do Teatro Amazonas
Nomes alternativos Casa de Ópera de Manaus
Teatro de Manaus
Tipo Teatro
Arquiteto Celestial Sacardim
Engenheiro Gabinete Português de Engenharia e Arquitetura
Construção 1882
Início da construção 1884
Fim da construção 1896
Inauguração 31 de dezembro de 1896 (122 anos)
Restauro 1974[1]
Prêmios Maravilha Brasileira[2]
Função inicial Teatro de ópera
Proprietário atual Governo do Estado do Amazonas
Função atual Teatro de ópera
Atração turística
Centro de eventos
Patrimônio Histórico
Museu
Visitantes 288 000
Capacidade 701
Promotor / construtor Antônio José Fernandes Júnior, em 1881[3]
Aberto ao público Sim
Estilos arquitetónicos Exterior
Renascentista
Eclético
Interiores
Style Louis XV
Art nouveau
Website cultura.am.gov.br
Dimensões
Altura 72 m
Número de andares 3
Património
Classificação nacional Patrimônio Histórico Nacional[4]
Geografia
País  Brasil
Cidade Manaus, AM
Localidade Avenida Eduardo Ribeiro, 659, Centro
Coordenadas 3° 7' 49.1" S 60° 1' 24.3" O
Localização do Teatro Amazonas no Centro de Manaus

O Teatro Amazonas é um dos mais importantes teatros do Brasil[5] e o principal cartão postal da cidade de Manaus.[6][7] Localizado no Centro da cidade, no Largo de São Sebastião, foi inaugurado em 1896 para atender ao desejo da elite amazonense da época, que queria que a cidade estivesse à altura dos grandes centros culturais.[8] É amplamente considerado como um dos mais belos teatros do mundo.[9][10][11][12][13]

De estilo renascentista entorno de sua estrutura externa com os detalhes únicos na sua cúpula, tornou-se um dos monumentos mais conhecidos do Brasil e, consequentemente, o maior símbolo cultural da cidade de Manaus, e uma das expressões arquitetônicas responsáveis pela fama da cidade de Paris dos Trópicos.[14] Por ser uma obra singular no país e representar o apogeu de Manaus durante o ciclo da borracha, foi tombado como Patrimônio Histórico Nacional pelo IPHAN em 1966.[15] O Teatro Amazonas está situado mais precisamente na Avenida Eduardo Ribeiro e recebe cerca de 288 mil visitantes ao ano.[3]

Com uma decoração muito nobre, o Teatro Amazonas já foi palco não somente de grandes peças teatrais, mas também de shows internacionais como o da banda The White Stripes.[16] Desde 1997, o Festival Amazonas de Ópera é realizado no teatro.[17][18] Em 2008, o teatro foi eleito uma das sete maravilhas brasileiras em dois concursos promovidos pela Revista Caras em parceria com o banco HSBC e outro pelo escritório de design Goff.[19]

HistóriaEditar

 
Fotografia de Eduardo Ribeiro, ex-governador do Amazonas. Foi responsável por agilizar e terminar a construção do teatro. Seu nome está eternizado na parte superior direita da fachada.

Idealização, construção e inauguraçãoEditar

 
Largo de São Sebastião e Teatro Amazonas, 1906. Arquivo Nacional.

A construção de um teatro na cidade de Manaus foi uma exigência daquela região que passou a conhecer um progresso econômico e cultural sem precedentes a partir do interesse mundial na seiva das seringueiras da floresta amazônica. Era um teatro de elite para aquela sociedade enriquecida.[8]

A ideia era construir um teatro que não fosse uma simples casa de espetáculos, e sim um majestoso edifício que aproximasse Manaus de uma capital europeia como Paris. O projeto de construção do Teatro Amazonas foi feito pelo deputado provincial Antônio José Fernandes Júnior e foi apresentado à Assembleia Provincial em 21 de maio de 1881. Venceu a licitação da obra o Gabinete Português de Engenharia e Arquitetura de Lisboa, representado pelo comerciante Antônio de Oliveira Braga.[20]

 
Pintura do pano de boca do palco, de autoria de Crispim do Amaral, que faz referência ao Encontro das Águas dos rios Negro e Solimões.

Manaus estava no auge do ciclo da borracha e era embalada pela riqueza provida da extração do látex amazônico, altamente valorizado pelas indústrias europeias e americanas. O projeto arquitetônico foi escolhido pelo Gabinete Português de Engenharia e Arquitetura de Lisboa em 1883.[20] No entanto, devido as discussões sobre o terreno para a construção e os custos do trabalho, foi iniciado em 1884 com a pedra fundamental. O trabalho se desenrolava morosamente e somente durante o governo de Eduardo Ribeiro a edificação do prédio tomou impulso.[20]

Para a realização da obra foram trazidos da Europa não apenas profissionais como arquitetos, construtores, pintores e escultores, mas, também, diversos materiais: mármores de Carrara, lustres de Murano, peças de ferro trabalhado da Inglaterra e telhas da França. O decorador Crispim do Amaral ficou encarregado da decoração interna, exceto o Salão Nobre, que foi entregue ao artista italiano Domenico de Angelis. Nesse salão, que tem características barrocas, o piso de madeira brasileira e européia exige cuidados para que sua beleza se perpetue. Nele, os barões da borracha se encontravam quando do intervalo das representações teatrais e dele se utilizavam para realizar os seus bailes. A pintura do teto, obra-prima de autoria de Domenico, é denominada A Glorificação das Bellas Artes na Amazônia.[8]

A decoração interna esteve ao encargo do decorador pernambucano, Crispim do Amaral, com exceção do corredor a área mais luxuosa do edifício entregue ao artista italiano Domenico de Angelis. Coordenadas pelo arquiteto italiano Celestial Sacardim, as obras começaram em 1884, tomaram impulso nos anos de 1890–1891, foram interrompidas, retomadas em 1893 e, finalmente, o Teatro Amazonas foi inaugurado no dia 31 de dezembro de 1896.[20]

Primeiros anosEditar

 
Salão Nobre

O trabalho de decoração do teatro se estendeu por alguns anos após a inauguração oficial. O edifício foi construído com predomínio de elementos neoclássicos, mas a presença de outros estilos o caracteriza como uma construção eclética. Para a realização da obra foram contratados artistas renomados nos cenários brasileiro e europeu. O pernambucano Crispim do Amaral foi o responsável pela decoração do salão interno. O italiano Domenico de Angelis — que também trabalhou na decoração da sala de espetáculos do Theatro da Paz em Belém — foi contratado por Crispim do Amaral para fazer a ornamentação do salão nobre. No plafond do salão destacam-se a pintura A glorificação das belas artes na Amazônia, projetada por De Angelis, além de 32 lustres de vidro de Murano, bustos de personalidades ilustres, colunas com base de mármore de Carrara e espelhos trazidos da Itália e França. O piso com desenho geométrico, também projetado pelo italiano, é formado por 12 mil peças de madeira encaixadas. A cúpula é composta de 36 mil escamas de cerâmica esmaltada e telhas vitrificadas, vindas da Alsácia. Foi adquirida na Casa Koch Frères, em Paris, e sua pintura ornamental foi feita por Lourenço Machado.[21]

Fim do século XX aos dias atuaisEditar

O Teatro do Amazonas é o principal monumento cultural arquitetônico do Estado e foi tombado como patrimônio histórico em 28 de novembro de 1966. O edifício, que tem capacidade para 701 pessoas, foi restaurado em 1975 pelo governo de Enoque da Silva Reis. Atualmente, o Teatro Amazonas abriga o Festival de Ópera, um dos maiores e mais conceituados eventos no contexto da música erudita brasileira.[21]

EstruturaEditar

A sala de espetáculos do teatro tem capacidade para 701 pessoas, distribuídas entre a plateia e os três andares dos camarotes, do corredor decorado com características barrocas e a pintura do teto, chamado "a glorificação das Bellas Artes da Amazônia", de 1899, por Domenico de Angelis, o artista italiano que pintou também a câmara de audição. Os ornamentos sobre as colunas do piso térreo, com máscaras em homenagem a famosos compositores clássicos e dramaturgos, como o Aristophanes, Molière, Rossini, Mozart, Verdi e outros. Sobre o teto abobadado estão apostas quatro telas pintadas em Paris pela Casa Carpezot a mais tradicional da época onde são retratadas alegorias à música, dança, tragédia e uma homenagem ao grande compositor brasileiro Carlos Gomes. No centro, prende-se um lustre dourado com cristais venezianos, que desce ao nível das cadeiras para a realização de sua manutenção e limpeza.

CúpulaEditar

É composta de 36 mil peças de escamas em cerâmica esmaltada e telhas vitrificadas, vindas da Alsácia, na França. Foi adquirida na Casa Koch Frères, em Paris. A pintura ornamental é da autoria de Lourenço Machado. O colorido original, em verde, azul e amarelo é uma analogia à exuberância da bandeira brasileira.[3]

 
Sala de Espetáculos
 
A parte interna da cúpula do Teatro Amazonas faz referência à vista inferior da famosa Torre Eiffel de Paris.
 
Palco do Teatro Amazonas durante concerto.
 
A Orquestra Amazonas Filarmônica atua no Teatro Amazonas desde 1997.
 
A cúpula do teatro faz um mosaico colorido em verde, amarelo e azul, uma menção às cores da bandeira do Brasil.
 
O Teatro Amazonas representa o apogeu do ciclo da borracha, bem como a elite amazonense da época.
 
Fachada principal.

Salão NobreEditar

No Salão Nobre, onde aconteciam os grandes eventos sociais da época, destaca-se a pintura do teto feita por Domenico de Angelis, em 1899, e que foi batizada de A glorificação das Bellas Artes da Amazônia.

Sala de EspetáculosEditar

Tem capacidade para 701 pessoas. A distribuição de lugares é a seguinte:

  • Plateia: 266 poltronas;
  • Frisa: 100 cadeiras distribuídas em 20 frisas;
  • 1.º pavimento: 110 cadeiras distribuídas em 20 camarotes;
  • 2.º Pavimento: 125 cadeiras distribuídas em 25 camarotes;
  • 3.º Pavimento: 100 cadeiras distribuídas em 20 camarotes.

Camarim CenográficoEditar

Inaugurado em 2004, na abertura do VIII Festival Amazonas de Ópera, este espaço fica instalado na ala de camarins e foi reconstituído similar aos encontrados no passado, com as paredes forradas de tecido e vários objetos que usavam no final do século XIX, assim como os móveis que fazem parte desde a sua inauguração.

PalcoEditar

A boca de cena possui 10,50 metros de largura, 6,40 metros de altura e 11,97 metros de profundidade. O urdimento tem 14 metros de altura. A área útil total é de 123,29 metros quadrados.

Fosso da OrquestraEditar

Altura: 2,30m; Largura:11,90m; Comprimento: 7,20m.

  • Equipamentos:

29 varas cênicas, sendo:

  • 5 varas elétricas
  • 4 varas de luz laterais, sendo 2 de cada lado do “back stage”

Piso de madeira em quarteladas no palco central de 2,00m x 1,00m, não removível. 01 regulador de boca vertical com tomadas para iluminação cênica. Proscênio ou fosso da orquestra. Possui elevador elétrico com possibilidade de pausa em três níveis: fosso, platéia e palco. Praticáveis, cadeiras e estantes para Orquestra e Coral.

  • Som. A ótima acústica do Teatro Amazonas dispensa o uso de amplificadores para espetáculos com instrumentos acústicos, corais, cantos líricos e outros.
  • Panaria
  • Cortinas pretas
  • Bambolinas
  • Ciclorama Branco
  • Cortina de filó
  • Pernas
  • 1 cortina de proscênio em veludo vermelho.
  • 2 panos de boca pintados (originais)
  • Instrumentos:
  1. 2 pianos de cauda inteira, marca Steinway and Sons
  2. 1 piano meia cauda, marca Steinway and Sons
  3. 1 celesta
  4. 1 cravo
  5. 1 xilofone
  6. 1 harpa profissional
  7. 1 órgão eletrônico
  8. 1 sino sinfônico
  9. 1 gongo chinês
  10. 1 bumbo gigante sinfônico
  11. 2 contra-baixos acústicos
  12. 4 tímpanos

ArquiteturaEditar

Tombado como Patrimônio Histórico Nacional em 1966, o Teatro Amazonas preserva parte da arquitetura e decoração originais. O estilo arquitetônico é renascentista, com detalhes ecléticos.

Na área externa, a famosa cúpula chama a atenção pela imponência, composta por 36 mil peças nas cores da bandeira brasileira, importadas da Alsácia, na França. A maior parte do material usado na construção do teatro foi importada da Europa: as paredes de aço de Glasgow, na Escócia; os 198 lustres e o mármore de Carrara das escadas, estátuas e colunas, são da Itália. A decoração interior veio da França e é de estilo Louis XV.[3]

MuseuEditar

O Museu do Teatro Amazonas foi criado em 1971, sob a coordenação do compositor e cantor Pedro Amorim. O Museu tem o objetivo de mostrar as peças mais raras e equipamentos utilizados pelo Teatro Amazonas em épocas longínquas.[22]

Podem ser encontrados no local objetos de uso pessoal de artistas, como as sapatilhas dos bailarinos Margot Fonteyn, Marcelo Mourão Gomes, Ana Laguna e Mikhail Baryshnikov. Vasos de porcelana, jarros ingleses, escarradeiras holandesas em porcelana, lâmpadas de 1896 e programas de espetáculos do final do século XIX fazem parte do acervo histórico e artístico conservado ao longo dos mais de 120 anos do Teatro.[22]

 
Museu do Teatro Amazonas

A visitação é organizada conforme os mais modernos padrões, com guias bilíngues, valorizando e diversificando a programação do tour. A mais importante casa de espetáculos do Amazonas tem, ainda, um museu com peças que ajudam a contar sua história, como as maquetes de óperas do compositor alemão Richard Wagner, concebidas pelo designer e cenógrafo inglês Ashley Martin-Davis, para as montagens do ciclo do “Anel do Nibelungo” em diferentes edições do Festival Amazonas de Ópera (FAO). São oito obras que estão expostas no segundo pavimento.[22]

O bailarino amazonense Marcelo Mourão Gomes tem um espaço especial no museu, onde estão expostas, entre muitos outros itens, as sapatilhas com as quais se apresentou pela primeira vez no TA, em 1999, com o espetáculo “Marcelo Mourão dança na floresta”. A bailarina inglesa Margot Fonteyn, que esteve no Teatro Amazonas em 1975, com o Royal Ballet, também tem espaço dedicado no museu.[22]

Cultura popularEditar

  • O Manaus Futebol Clube faz menção ao Teatro Amazonas em seu hino "O Teatro Amazonas rebrilha com a luz da chama do esplendor".[25] Também usou a cúpula do teatro para produzir o próprio escudo do clube.[26]
  • O Teatro Amazonas é cenário natural para os telejornais: Bom Dia Amazônia e Jornal do Amazonas, ambos da Rede Amazônica.[27]
  • O Teatro Amazonas também é plano de fundo para cenário da opera sendo citado algumas vezes durante a encenação, na animação hollywoodiana, “Rio 2”,[35] da direção de Carlos Saldanha, o teatro aparece na cena dos personagens principais ao “adentrarem na selva amazônica”.
  • É comum o Teatro Amazonas aparecer em artesanatos, miniaturas, pinturas, capas de mídia imprensa, cartões-postais, entre outras obras de arte do imaginário popular.[36][37]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Restauração e Recuperação do Teatro Amazonas». Odebrecht. Consultado em 3 de novembro de 2019 
  2. «Caras homenageia estados das sete maravilhas brasileiras». Caras. Consultado em 7 de outubro de 2019 
  3. a b c d «Teatro Amazonas». Portal Cultura Amazonas. Consultado em 12 de outubro de 2019 
  4. «Documento do tombamento histórico». IPHAN. 20 de dezembro de 1966. Consultado em 3 de novembro de 2019 
  5. Coli, Jorge (9 de junho de 2019). «Enquanto os teatros municipais de SP e Rio estão sem rumo, Manaus dá exemplo». Folha de S.Paulo. Consultado em 6 de novembro de 2019 
  6. Victor Affonso, Emilãine Vieira (17 de maio de 2017). «Teatro Amazonas: como Manaus fincou espaço no circuito cultural». Veja. Consultado em 3 de novembro de 2019 
  7. «Cultura e Conhecimento: Teatro». Brasilcult. Consultado em 25 de setembro de 2018 
  8. a b c «Teatro Amazonas, Manaus, AM». Fundação Joaquim Nabuco. Consultado em 30 de agosto de 2019 
  9. Camila Honorato, Ludmilla Balduino (6 de agosto de 2015). «Os mais belos teatros do mundo». Viagem e Turismo. Consultado em 3 de novembro de 2019 
  10. «Manaus's opulent Amazon Theatre» (em inglês). The Guardian. 14 de abril de 2015. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  11. «The 15 most beautiful opera houses in the world» (em francês). Vogue. 8 de fevereiro de 2019. Consultado em 3 de novembro de 2019 
  12. Hunt, Kristin (14 de julho de 2015). «The 15 Most Stunning Theaters in the World» (em inglês). Thrillist. Consultado em 3 de novembro de 2019 
  13. «Inside the world's most beautiful concert halls» (em inglês). Classic FM. Consultado em 28 de setembro de 2019 
  14. «Teatro Amazonas é escolhido maior ícone de Manaus». Rede Amazônica. 25 de outubro de 2019. Consultado em 3 de novembro de 2019 
  15. «Teatro Amazonas (Manaus, AM)». Iphan. 20 de dezembro de 1966. Consultado em 25 de julho de 2018 
  16. «White Stripes abala Manaus com show dentro e fora do teatro». Folha de S.Paulo. Consultado em 17 de julho de 2018 
  17. «Ópera é sucesso em Manaus e enche teatro Amazonas». Folha de S.Paulo. Consultado em 17 de julho de 2018 
  18. «Festival Amazonas de Ópera celebra 20 anos em concerto com o tenor Thiago Arancam». Portal A Crítica. Consultado em 7 de outubro de 2019 
  19. «Pesquisa revela quais são, para os brasileiros, as 7 Maravilhas do país». UOL Viagem. Consultado em 3 de novembro de 2019 
  20. a b c d de Souza, João Mendonça (1950). O grande Amazonas: mitologia, história e sociologia. Manaus: Abertura & Universidade da Califórnia. p. 881 
  21. a b «Teatro Amazonas» (PDF). Maria Eugenia Bertarelli. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC). Consultado em 7 de outubro de 2019 
  22. a b c d «Museu do Teatro Amazonas». Portal Cultura Amazonas. Consultado em 12 de outubro de 2019 
  23. «Grande Rio - Samba-Enredo 2006». Letras.mus.br. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  24. Jack Bell (23 de outubro de 2013). «'The Simpsons': Springfield to Brazil». The New York Times (em inglês). NYTimes. Consultado em 24 de março de 2014 
  25. «Hino». Manaus Futebol Clube. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  26. «Manaós a Manaus: conheça a história secular de times com nome da capital». Globoesporte.com. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  27. «Horário político: veja o que muda na programação da TV Amazonas». Rede Amazônica. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  28. Herzog, Werner (2001). Fitzcarraldo. Berlim: Faber and Faber. ISBN 0-571-20708-1 
  29. Viegas, Francisco José (2005). Longe de Manaus. Lisboa: Porto Editora. p. 462. ISBN 978-972-0-04521-8 
  30. "And the winner is ... : ... a book that lasts. Kevin Crossley-Holland's The Seeing Stone creates a real world whose people you will remember a lifetime, says Anne Fine, introducing our recommendations for young readers". [Anne Fine]. The Guardian 9 October 2001. Retrieved 2012-06-19.
  31. Tommasini, Anthony (29 de outubro de 1996). «In Houston, a Premiere Of a Mexican's Work». The New York Times. Consultado em 3 de novembro de 2019 
  32. Vargas, Angel (2 April 2006). "La ópera mexicana Florencia en el Amazonas se estrenará en Alemania".La Jornada. Recuperado em 3 de setembro de 2016 (Espanhol).
  33. Lengel, Kerry (4 de novembro de 2015). "Magical-realist opera 'Florencia en el Amazonas' makes Arizona debut" The Arizona Republic. Recuperado em 3 setembro de 2016.
  34. The New York TimesReview: A Maudlin Trip Down the Amazon, With a Star in Disguise Recuperado no dia 23 de novembro de 2016
  35. Adoro Cinema
  36. Bernd, Mariana (2011). «Pinturas de paisagem amazônica e a construção de um imaginário da cultura popular» (PDF). Universidade de São Paulo - USP. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  37. «Monumentos de Manaus ganham versão mini com laser, acrílico e MDF». G1. Consultado em 21 de outubro de 2019 

Ligações externasEditar