Tibagi[nota 1] é um município brasileiro localizado na região dos Campos Gerais do estado do Paraná, a 200 km da capital, Curitiba, sendo a cidade fundada em 1872. Devido ao garimpo, é conhecida como a "Cidade do Diamante" em virtude à grande riqueza vinda das águas do rio Tibagi.[1] Sua população, conforme estimativas do IBGE de 2020, era de 20 607 habitantes.[8][3]

Tibagi
  Município do Brasil  
Vista do Canyon Guartelá, área rural de Tibagi.
Vista do Canyon Guartelá, área rural de Tibagi.
Símbolos
Bandeira de Tibagi
Bandeira
Brasão de armas de Tibagi
Brasão de armas
Hino
Apelido(s) "Cidade dos Diamantes[1]"
Gentílico tibagiense[2]
Localização
Localização de Tibagi no Paraná
Localização de Tibagi no Paraná
Mapa de Tibagi
Coordenadas 24° 30' 32" S 50° 24' 50" O
País Brasil
Unidade federativa Paraná
Municípios limítrofes Ventania, Piraí do Sul, Castro, Carambeí, Ponta Grossa, Ipiranga, Ivaí, Reserva, Imbaú e Telêmaco Borba
Distância até a capital 216[3] km
História
Fundação 28 de junho de 1794 (227 anos)[4][5]
Emancipação 18 de março de 1872 (149 anos)
Aniversário 18 de março[3]
Administração
Prefeito(a) Artur Ricardo Nolte[6] (PSC, 2021 – 2024)
Vereadores 9
Características geográficas
Área total [7] 2 951,567 km²
População total (estimativa populacional — IBGE/2020[8]) 20 607 hab.
Densidade 7 hab./km²
Clima Subtropical (Cfa)
Altitude 748[3] m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2000 [9]) 0,686 médio
PIB (IBGE/2012[10]) R$ 489 953 mil
PIB per capita (IBGE/2012[10]) R$ 25 148,99

Segundo o IBGE, o município possui uma área de 2 951,567 km².[7] Na vegetação do município predomina a Floresta Ombrófila Mista, com combinação de cerrado, campo e matas ciliares. O município contava, em 2021, com 17 estabelecimentos de saúde.[3] O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,664, considerado como médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).[9]

EtimologiaEditar

O termo é referência ao rio Tibagi, que nasce nos Campos Gerais, corta o território municipal e joga suas águas no Rio Paranapanema. Etimologicamente é denominação de origem Tupi, "Tibagy": o rio do pouso, o rio da parada.[11]

HistóriaEditar

A história registra que bem antes da povoação da região, o Rio Tibagi foi objeto de passagem de numerosas expedições e bandeiras, que levavam os intrépidos aventureiros sertão a dentro. A notícia de que o rio Tibagi era rico em ouro e pedras preciosas atraiu, para a região, milhares de pessoas com o pensamento de fácil enriquecimento. Depois das "entradas" dos paulistas, por ali estiveram muitos curitibanos, mas nada se efetivou em termos de povoamento.

Os primeiros moradores a ocupar o território de Tibagi foram os indígenas. Pesquisas arqueológicas evidenciam que os primeiros povos chegaram à região do médio rio Tibagi a cerca de 10.000 anos atrás. Os primeiros grupos nos campos tibagianos foram os nômades paleoíndios e, posteriormente, grupos Jês meridionais e tupis-guarani que foram ocupando o segundo planalto paranaense no período pré-colonial. Essas populações viviam essencialmente da caça de animais e da coleta de frutos e mel.[12]

Segundo o mapa histórico e geográfico da Província de Misiones (1585-1896), os padres jesuítas implantaram diversas "reduções" na então República do Guairá, atual Estado do Paraná, e que pertencia à Espanha por força do Tratado de Tordesilhas, assinado em 1494 por Espanha e Portugal. Algumas dessas reduções foram implantadas às margens do rio Tibagi, e o objetivo dos padres era aldear os povos indígenas e doutriná-los. Fizeram história as reduções de San José (1626), San Javier (1622) e Encarnación (1625).[13][14][15][16]

 
Memorial do Garimpo, em Tibagi.

Após a chegada dos bandeirantes e exploradores em busca de riquezas, vários conflitos ocorreram contra os indígenas, sendo muitos dizimados, massacrados e outros expulsos de suas terras, ou ainda escravizados pelos bandeirantes.[13] Os primitivos colonizadores de Tibagi procediam de São Paulo, e seu estabelecimento na região foi lento e durou vários anos, até que fosse definitivamente escolhida a localização do povoado.[11] Desde 1754 as terras de Tibagi eram conhecidas como "El Dorado Paranaense". As descobertas de diamante e ouro na Pedra Branca pelos paulistas rendeu fama ao local e atraiu muitos forasteiros.[17][18]

O grande pioneiro do núcleo, que gerou o atual município de Tibagi, foi Antonio Machado Ribeiro, paulista que chegou à região acompanhado de sua família. Foi compadre e capataz do grande proprietário de terras da região José Felix da Silva Passos,casado com a jovem Onistarda. José Felix, teve os dedos da mão esquerda decepadas e foram cortados três dedos da mão direita, além de ferimentos na perna o que lhe fez ficar coxo de uma perna. José Félix tinha sido vítima de um atentado engendrado pela esposa, que o odiava terrivelmente. A mulher foi sentenciada como criminosa, em processo criminal que aconteceu na cidade de Castro. Em 1808, contudo, foi lavrada uma escritura de “perdão”, a pedido do marido. Suas terras se estendiam para além do Rio Alegre, passando pelo rio Tibagi até a cidade Castro. Era dono das fazendas Monte Alegre, Fortaleza, Bela Vista e outras. Amargo e infeliz, o fazendeiro era, contudo, um homem ativo. Em Castro atuou como juiz ordinário, juiz de conselho, ajudante de milícias e capitão de ordenanças em Piraí e Furnas. Por volta de 1796, um amigo de José Félix foi visitá-lo na Fazenda Fortaleza, 17 km da atual cidade de Tibagi. Brígido Álvares recusou escolta do amigo fazendeiro para voltar para Castro. No dia seguinte, com uma flecha em cada olho, sua cabeça foi espetada num dos portões da Fazenda de José Félix. Em represália, o fazendeiro ordenou a seu capataz, Antônio Machado Ribeiro que fosse a busca dos índios Caingangues, que sempre habitaram aquelas terras. Uma carta do século XVIII, cita o ocorrido como a “Chacina do Tibagi”. A matança generalizada dos índios ocorreu nas margens do mesmo Rio Tibagi, uns 50 km mais ao Norte. Aquela colina ficaria conhecida nos séculos seguintes como "Mortandade”,[19] até que Luba Klabin mudasse o nome do local, em 1941. Ali foram construídos um hospital e um hotel, muito próximos de onde hoje se encontra a maior fabricante de papel da América Latina e uma das 7 maiores do mundo: a Klabin do Paraná. Desde então, a sede da Fazenda Monte Alegre do Tibagi, deixou de ser a Fazenda Velha de José Félix da Silva para se transformar na localidade de Harmonia.[20][21]

Antonio Machado Ribeiro como recompensa recebeu de José Felix uma extensa área de terras que ia do Rio Pinheiro Seco até a barra do Rio Santa Rosa. Bastante idoso, Antônio Machado Ribeiro faleceu e deixou, em forma de herança, a propriedade a seus filhos Manoel das Dores Machado e Ana Beja Machado. A família pioneira doou, com o objetivo de se construir uma capela, uma área de 12 mil m² a Nossa Senhora dos Remédios, além da casa em que morava Antonio Machado Ribeiro. Muito tempo depois da construção do templo religioso, a Câmara de Castro, que tinha jurisdição sobre a vila de Tibagi, autorizou a vinda do frei capuchinho, o italiano Gaudêncio, de Gênova, que ali ficou como pároco até a data do seu falecimento.

 
Telêmaco Augusto Enéas Morosini Borba, político, militar e escritor.

A primeira fazenda no Guartelá de Cima, pertencia a Joaquim do Prado e Leocádia do Prado ("Ninha Lhoca"). A localidade do Guartelá teve importante presença no cenário político, sendo elevada a Segundo Distrito da Vila de Castro, no dia 11 de março de 1833, já como a denominação de Guartelá.[13] O povoado de Tibagi foi elevado à categoria de freguesia através da Lei Provincial n° 15, de 6 de março de 1846. Pela Lei Provincial n° 302, de 18 de março de 1872 foi criada a Vila de Tibagi, com território desmembrado do município de Castro, sendo instalada no dia 10 de janeiro do ano seguinte, tomando posse o primeiro prefeito, Antonio Barbosa de Macedo, então vereador mais votado da formação da primeira Câmara Municipal.[22] A sede de Tibagi foi elevada à categoria de cidade através da Lei Estadual nº 259, de 27 de dezembro de 1897, cuja instalação deu-se nesta mesma data.

O maior nome da política local e um dos maiores do estado foi Telêmaco Augusto Enéas Morosini Borba, que entrou na vida pública em 1882 elegendo-se alternadamente prefeito municipal de Tibagi e deputado provincial, defendendo as cores do Partido Liberal.[23] Com leis eleitorais na República Velha, Telêmaco Borba conseguiu permanecer no cargo de prefeito por 22 anos, cargo que em vários períodos exerceu ao mesmo tempo com o mandato de deputado estadual. Um recorde na época. Por ocasião da Revolução Federalista, em 1894, obrigou-se ao exílio, mas, ao ser anistiado retomou as lides políticas, elegendo-se deputado pela União Republicana Paranaense, posteriormente recuperou o poder municipal, como prefeito. Segundo o historiador Túlio Vargas chamavam-no de "...prefeito vitalício e deputado crônico". Telêmaco Borba também notabilizou-se como sertanista e defensor das causas indígenas, faleceu na cidade de Tibagi, em 23 de novembro de 1918, vitima da gripe espanhola.[23]

GeografiaEditar

 
Canyon Guartelá em Tibagi.

O município tem uma área total de 2.951,567 km²[7], representando 1,5597% do estado, 0,5516% da região e 0,0366% de todo o território brasileiro.[7] É o segundo maior município do Paraná em área territorial. Em relação ao relevo, considerando as características geoecológicas, há três unidades principais de paisagens no município: o platô do Arenito Furnas; o vale do Tibagi; e as serras e morros do Grupo Itararé.[24] Tibagi apresenta uma variedade de tipos de solos. As classes de solo identificadas de acordo com a maior expressão geográfica são: Cambissolos, Latossolos, Neossolos, Argissolos, Organossolos, Nitossolos e Gleissolos.[24]

O município está dividido em três distritos administrativos: Tibagi (sede), Alto do Amparo e Caetano Mendes.[3]

Divisão territorialEditar

Bairro do Barreiro.
Localidade rural de Gaias.
Localidade rural de Lavras.
Localidade de Guartelá.

Na sede municipal destacam-se os bairros centro, Vila São José, Vila Vicentina, Conjunto Habitacional Manoel Ferreira Ribas, Conjunto Habitacional João Francisco de Souza, Conjunto Habitacional Rio Capivari, Conjunto Habitacional Santa Rita, Residencial Divina Providência, Residencial Viverti,[25] Moradia Solimões, Moradias Solidariedade, Loteamento Santa Paula, Risseti, Sagrada Família (Nequinho),[26] Bom Pastor, Beira Rio, Dezoito de Março.[27][28][29] Aos arredores da sede há localidades rurais, como São Domingos, Guartelá,[30] Santo Amaro, Lavras, Conceição,[31] Pinheiro Seco,[32] Barreiro, Rancho Alegre, Santa Rosa (vila rural) e Rincão[33][34][35][36]

Tibagi apresenta muitas outras localidades rurais, distribuídas por todo o território. São bairros, vilas e povoados que formam diversas comunidades, como, por exemplo, na região de Caetano Mendes, a Vila Isabel, Vila Constantino, Vila Amirta,[37] Arroio Grande, Barra Mansa, Boa Vista, Campina Alta, Cerrado Grande,[38] Faxinal dos Mendes, Cachoeirão, Capivari, Limeira, Espigão, Gaias, Morro Chato, Obelisco, Santa Pastorina (vila rural), Vila Salomão e Assentamento Menino Jesus.[39][40][41][36] Já na região de Alto do Amparo, o Faxinal dos Empossados, Agudos, Cachoeira, Estiva, Penha, Iapará, Beraldos, Bom Jardim, Campina, Coreanos, Descalvado, Paiol, Penha, Poços, Santa Maria, São Pedro, Vasto Horizonte, Marabá, Xaxim e Assentamento Dona Tonia.[33][42][36]

HidrografiaEditar

Ponte sobre o rio Imbaú na rodovia BR-376.
Ponte sobre o arroio São Domingos, na rua Frei Gaudêncio.
 
Rio Tibagi no município de Tibagi.

O município está situado na Bacia Hidrográfica do rio Tibagi, sendo que a sede da cidade situa-se à sua margem esquerda. O rio Tibagi é um tributário do rio Paranapanema, que por sua vez é afluente da margem esquerda do rio Paraná. Destacam-se entre os principais afluentes do município os rios: Tibagi, Iapó, Fortaleza, Imbaú, Capivari, Capivari-Mirim, Água Comprida, do Palmito, do Sabão, Lajeadinho, Pinheiro Seco e Santa Rosa.[24] Além dos arroios: das Antas,[43][44] da Cotia, das Cavernas, do Atalho, do Barroso, do Guardinha, do Passo, dos Pampas, Ingrata, lajeado do Tigre, Pedra Branca, São Domingos, dos Macacos, Taboão, Tigrinho,.[24][43]

VegetaçãoEditar

Vegetação típica na paisagem de Tibagi.
Araucárias no Parque Passo do Risseti.

A vegetação do município é caracterizada, por uma combinação de cerrado, campo, matas ciliares e floresta de araucárias (floresta ombrófila mista).[45] Muitas áreas foram substituídas por pastagens, que ocupam quase metade do território tibagiano. Verifica-se também vegetação exótica, sobretudo o cultivo florestal de pinus e eucalipto para obtenção de madeira.[45]

DemografiaEditar

 
Portal norte de entrada da cidade de Tibagi.
 
Portal sul de entrada da cidade de Tibagi.

Em 2010, de acordo com o censo, a população total do município era de 19 344 habitantes, sendo 11 668 habitantes na área urbana e 7 676 habitantes na área rural. Deste total, 9 804 eram do sexo masculino e 9 540 do sexo feminino.[46][3] No âmbito da Justiça Eleitoral, sedia o cartório da 17ª zona eleitoral. Havia 13 974 eleitores no município em agosto de 2019, o que representava 0,174% do total do estado do Paraná.[47]

Em 2010, segundo dados do censo daquele ano, a população residente no município era composta por 12 351 brancos (63,85%); 6,154 pardos (31,81%); 729 pretos (3,76%); 109 amarelos (0,58%) e nenhum indígena declarado.[3] Tibagi conta atualmente com três comunidades negras tradicionais localizadas na área rural (Conceição, São Damásio e Guartelá).[31]

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do município é de 0,664, considerado como médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Sendo, IDH-M Renda: 0,678; IDH-M Longevidade: 0,832; IDH-M Educação: 0,519.[9]

ReligiãoEditar

Igreja Matriz da Paróquia Nossa Senhora dos Remédios, em Tibagi.
Igreja da comunidade católica do Barreiro.
Congregação Cristã no Brasil, em Tibagi.

De acordo com o censo de 2010 existe diversas comunidades religiosas no município, predominantemente cristãs.[48] Entre a população residente, o censo mostrou 15 058 pessoas que declararam-se católicas apostólica romana, 3 427 pessoas que declararam-se evangélicas, 29 pessoas que declararam-se espíritas.[48] Ainda mostrou 13 pessoas que declararam ter religião oriental, 51 Testemunhas de Jeová, 19 de outras religiosidades cristãs, 58 de religiões não determinadas, 687 pessoas que declararam não ter religião e nenhuma pessoa declarou ter religião de tradições indígenas.[48]

Dentre as principais instituições religiosas destacam-se a Igreja Católica Apostólica Romana,[33] Igreja Adventista do Sétimo Dia, Igreja Luterana, Igreja Batista, Igreja Presbiteriana do Brasil, Igreja Pentecostal Deus é Amor, Igreja do Evangelho Quadrangular, Igreja Evangélica Pentecostal O Brasil Para Cristo, Assembleia de Deus, Congregação Cristã no Brasil, Igreja Evangélica Reformada,[49] entre outras.[48]

TurismoEditar

Cachoeira da Ponte de Pedra no Parque Estadual do Guartelá, em 2014.

Atrativos naturaisEditar

 
Parque Passo do Risseti.

Atrativos culturaisEditar

Palácio do Diamante, atual Prefeitura Municipal de Tibagi.
Biblioteca Municipal Historiador Luiz Leopoldo Mercer.
Museu Histórico Municipal Desembargador Edmundo Mercer Junior.
Monumento às águas do Tibagi.

EconomiaEditar

Agência bancária em Tibagi.
Usina Hidrelétrica Tibagi Montante.

A economia tibagiana é baseada na agricultura, silvicultura, apicultura, pecuária (suinocultura e bovinocultura), prestação de serviços e extração mineral (argila, caulim, areia e quartzo, diabásio, ouro e diamante).[91][45] Devido ao garimpo, foi o principal município produtor de diamantes do Paraná.[18] A agricultura no município desenvolveu-se a partir da década de 1960, com a chegada de imigrantes holandeses vindo de Castro e Carambeí,[36] que perceberam que as terras da região eram propícias para o cultivo de soja.[45] No setor primário de Tibagi, além da produção de soja, também recebe destaque as culturas temporárias como milho, trigo e feijão.[45] Já em relação as culturas permanentes, destacam-se a produção de banana, maracujá, tangerina, laranja, limão e pêssego.[45]

Em Tibagi o setor industrial é pouco desenvolvido, destacando-se fábricas de polvilho, indústria de produção de sementes, indústrias de beneficiamento de cereais, indústria de artefatos de cimentos, indústria de beneficiamento e desdobramento de madeira (serraria), indústria de carnes e subprodutos (embutidos).[45]

No Produto Interno Bruto (PIB) de Tibagi, destaca-se o ramo da agricultura. De acordo com dados do IBGE, relativos a 2018, o PIB do município era de  1 042 778,164 mil reais. O valor adicionado bruto da agropecuária, a preços correntes, rendia  457 094 mil reais. O valor adicionado bruto do setor de serviços a preços correntes foi de  238 202 mil reais. A produção industrial rendia 43 161 mil reais ao PIB do município. 51 614 mil eram de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes e o PIB per capita era de  43 875 reais.[3]

Usinas hidrelétricasEditar

InfraestruturaEditar

SaúdeEditar

 
Hospital Luiza Borba Carneiro, em Tibagi.

Em 2021, o município possuía 17 estabelecimentos de saúde entre hospitais, pronto-socorros, postos e serviços odontológicos, sendo 12 públicos municipais e 5 privados.[3] Apresenta cinco unidades Estratégia Saúde da Família (ESF) - Amparo, São José, São Bento, Caetano Mendes e 18 de Março;[42][93][94][95] Na localidade de Cachoeirão possui uma Unidade Básica de Saúde (UBS).[96] Tibagi apresenta uma unidade hospitalar, o Hospital Luiza Borba Carneiro, com 30 leitos.[97][98]

EducaçãoEditar

 
Fateb Unidade de Tibagi.

O município contava, em 2019, com 4 922 matrículas nas instituições de ensino da cidade, sendo que dentre as 11 escolas que ofereciam ensino fundamental, 5 pertenciam à rede pública municipal, quatro à rede pública estadual e duas ao sistema privado. Dentre as cinco escolas que forneciam o ensino médio, quatro pertenciam à rede estadual e uma à rede privada.[3] No ensino superior conta com a Faculdade de Telêmaco Borba (Fateb) - Unidade de Tibagi.[99]

TransporteEditar

Trevo da BR-153, em Tibagi.
Rodovia PR-340 em Tibagi.

RodoviasEditar

Aéreo

O município de Tibagi não conta com aeródromos públicos. A região é atendida pelo Aeroporto de Telêmaco Borba, que conta com voos regulares.[100][101][102] Nas proximidades de Tibagi há ainda aeroportos regionais como o Aeroporto de Ponta Grossa distante cerca de 105 km da sede municipal.[103] Em relação ao Aeroporto Internacional Afonso Pena, na região de Curitiba, está localizado aproximadamente a 230 km de Tibagi.[104]

ServiçosEditar

 
Rádio Itay 88.7 FM, em Tibagi.

RádioEditar

  • Rádio Itay

Jornais semanais e diáriosEditar

Jornal de Tibagi
  • A Gazeta de Tibagi (extinto)
  • Folha da Cidade - edição Tibagi

InternetEditar

Provedores de Internet via rádio
  • Tibagi Digit@l (Serviço gratuito fornecido pela prefeitura)

CulturaEditar

GastronomiaEditar

Típico bolinho de polvilho sendo preparado frito.
Porção de bolinhos de polvilho, típico da região de Tibagi.

Tibagi possui uma rica herança gastronômica, mesclando tradições tropeiras, caboclas, faxinalenses[36] e europeias.[1][105][106] No município é encontrado a paçoca de carne, feita com carne desfiada e temperada, socada no pilão com farinha.[106][107] O prato servia como refeição aos tropeiros que levavam esse alimento em suas viagens.[106][55][1] Já o biscoito de polvilho é um produto típico da região, sendo levemente salgado e crocante, amplamente consumido e encontrado nos estabelecimentos comerciais de Tibagi.[106][108] O polvilho é bastante comum na culinária tibagiana[36] e pode ser inserido de várias formas, como também no tradicional bolinho frito de polvilho.[1][109] Ainda pode ser bastante encontrado a carne no tacho do Guartelá,[1][109] a quirera com carne de porco,[75] o quibebe[75], o pinhão assado ou cozido, o mel[110] e a broa de milho, além dos típicos cafés coloniais nas fazendas.[55][106][111][112][113] Em Tibagi é possível também visitar um alambique e provar cachaças artesanais.[114][115][116][117]

ArtesanatoEditar

O município conta com a Associação Tibagiana de Artesanato, onde são produzidos, expostos e comercializados artigos diversos feitos com matéria-prima local.[45][24] A diversidade de produtos varia entre crochês, bordados, abrolhos, pinturas, artesanato com material reciclado. O destaque fica para as confecções em lã.[118][119]

EventosEditar

A tenda e o palco para shows.
Desfile do corso em Tibagi.
Bloco da Lene desfilando no carnaval.

O principal evento de Tibagi é o carnaval.[45][120][121] Outros eventos culturais e religiosos também movimentam o município e fazem parte do calendário local, como: a Festa da Santinha, na Capela Santa Pastorina;[45][87][122][123][124] a Festa de Ação de Graças pela Colheita;[45][125][126][127] a Festa de Nossa Senhora dos Remédios;[45][51][128][129] e o Festival de Inverno.[45][130]

CarnavalEditar

O boi durante o Carnaval de Tibagi.
Desfile do Carnaval de Tibagi.
Desfile do Carnaval de Tibagi.

O Carnaval de Tibagi é um evento cultural que acontece todos os anos, atualmente organizado pela Prefeitura Municipal de Tibagi, através do Departamento de Cultura.[121] O carnaval de rua conta com desfile do corso, de escolas de samba e de blocos, bandas musicais e shows artísticos e culturais.[121][131] Completam ainda o evento espaços gastronômicos com praça de alimentação, feira de artesanatos e produtos diversos, palcos e tendas para apresentações artísticas.[121][132]

O carnaval de Tibagi é um dos mais tradicionais do Paraná e se consolidou como o maior e mais importante da região dos Campos Gerais.[121] Registros históricos datados em 1910 mostram que no início carros eram puxados por cavalos, enfeitados ainda sem muitas cores e alegorias, percorrendo as ruas no entorno da praça da igreja Matriz.[121] Na década de 1930, a carroça foi substituída pelos carros pés-de-bode e os baianos vindos da Bahia ajudaram a enriquecer o evento.[121]

Já na década de 1950 popularizou-se os carnavais realizados em clubes, disseminando cores e as típicas marchinhas.[121][133] A população se organizava em dois clubes: o Clube Tibagiano e o Clube Estrela da Manhã.[134][135][136][137] Na década de 1970 brancos e negros encontraram na terça-feira de Carnaval a oportunidade de integração da festa, que quebrou com a distinção de públicos nos clubes. Na década de 1980 o Carnaval voltou às ruas através dos desfiles.[121]

Assim a ala das baianas ganharam a avenida, o bloco dos Mascarados vestidos de dominós também. O famoso "tesourão" que era usado pelos mascarados no Clube Estrela amedrontava as crianças.[121] Os conjuntos musicais formados por músicos tibagianos animavam as noites carnavalescas e as matinês. Um importante elemento do folclore que ganhou as ruas foi o boi, brincadeira popular inspirada no boi-bumbá, também conhecido como boi-de-mamão, boi-de-pano, parecido com o bumba-meu-boi.[121] A típica manifestação folclórica trata-se de um auto em tom cômico, mas com um drama central: a morte e a ressurreição do boi. A apresentação, que agrega diversos personagens além do boi, passou a ser encenada nas ruas de Tibagi, envolvendo cantorias, musicalidade e teatralidade.[121]

A partir do ano 2000, o Carnaval de Tibagi passou a ser organizado na praça Edmundo Mercer, com tenda para shows e a profissionalização do desfile das escolas de samba e carros alegóricos.[121] Flor de Lis, Unidos do Nequinho, Unidos da Vila São José e 18 de Março são as escolas de samba da cidade. Um evento de pré-carnaval reúne o encontro das baterias na praça, com alas, passistas, rodas de samba e alegorias.[138] A prefeitura e patrocinadores passaram a melhor organizar o evento que passou a atrair de 50 mil[139] a 70 mil turistas[140][141] nos dias de folia.[121][142]

GaleriaEditar

Notas

Referências

  1. a b c d e f Governo do Paraná. «A cidade do diamante e das mais belas paisagens naturais». Viaje Paraná. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  2. «Gentílico - tibagiense». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de agosto de 2018. Consultado em 10 de dezembro de 2018 
  3. a b c d e f g h i j k Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Sustentável (IPARDES) (fevereiro de 2021). «Caderno estatístico - município de Tibagi». Consultado em 7 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2020 
  4. Emanoelle Wisnievski (24 de junho de 2010). «Aconteceu! Fundação de Tibagi foi em 28 de junho de 1794». Prefeitura Municipal de Tibagi. Consultado em 25 de julho de 2018. Cópia arquivada em 25 de julho de 2018 
  5. «216 Anos: Fundação de Tibagi foi em 28 de junho de 1794». Plantão da Cidade. 25 de junho de 2010. Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  6. Prefeito e vereadores de Tibagi tomam posse Portal G1 - acessado em 2 de janeiro de 2021
  7. a b c d «Área Territorial Brasileira - TIBAGI». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2016. Consultado em 14 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2017 
  8. a b «Estimativas da População». ibge.gov.br. Consultado em 7 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 23 de dezembro de 2019 
  9. a b c «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2019 
  10. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2012». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2014. Cópia arquivada em 5 de abril de 2015 
  11. a b «História Tibagi Paraná». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 27 de março de 2021 
  12. Claudia Inês Parellada (2007). «Arqueologia dos Campos Gerais. Patrimônio Natural dos Campos Gerais do Paraná» (PDF). Editora UEPG. Consultado em 27 de março de 2021 
  13. a b c Manoel Serino dos Santos; Jasmine Cardozo Moreira (2013). «Itaimbé do Guartelá Ecoturismo: Sustentabilidade e Valorização da História e Cultura dos Guartelanos» (PDF). VII Fórum Internacional de Turismo do Iguassu. Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu. Consultado em 27 de março de 2021 
  14. Darcy Ribeiro; Carlos de Araújo Moreira (1992). «La fundación de Brasil: testimonios 1500-1700». Biblioteca Ayacucho. Consultado em 27 de março de 2021. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2019 
  15. Saul Bogoni (2008). «O Discurso de Resistência e Revide em Conquista Espiritual (1639), de Antonio Ruiz de Montoya: Ação e Reação Jesuítica e Indígena na Colonização Ibérica da Região do Guairá - Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação (Mestrado) em Letras» (PDF). Universidade Estadual de Maringá. Consultado em 27 de março de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 12 de novembro de 2016 
  16. ASSUMPÇÃO, T. L. (1982). «História geral dos Jesuítas». Moraes. Livro 
  17. Edmundo Alberto Mercer; Luiz Leopoldo Mercer (1934). «História de Tibagi» (PDF). Consultado em 4 de abril de 2021 
  18. a b Hallison Fernando Rosa; Antonio Liccardo (2013). «Mineração de Diamantes em Telêmaco Borba/PR: uma atividade com mais de dois séculos de existência» (PDF). Universidade Estadual de Ponta Grossa. Consultado em 4 de abril de 2021 
  19. David Carneiro (1941). «O drama da fazenda Fortaleza». Dicesar Plaisan. Consultado em 27 de março de 2021 
  20. Hellê Vellozo Fernandes (1973). «Monte Alegre Cidade-Papel». Klabin. Consultado em 27 de março de 2021. Cópia arquivada em 12 de novembro de 2016 
  21. Anacília Carneiro da Cunha (1982). «O Homem Papel - Análise Histórica do Trabalhador das Indústrias Klabin do Paraná de Celulose S/A 1942-1980» (PDF). Universidade Federal do Paraná. Consultado em 27 de março de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 3 de junho de 2015 
  22. Emanoelle Wisnievski (26 de março de 2011). «História: Antonio de Macedo, o primeiro prefeito de Tibagi». Plantão da Cidade. Consultado em 27 de março de 2021 
  23. a b Túlio Vargas (2008). «O maragato: a vida lendária de Telêmaco Borba». Juruá Editora. Consultado em 27 de março de 2021. Cópia arquivada em 2 de março de 2019 
  24. a b c d e f g h i j k l m Nair Fernanda Mochiutti (2013). «O patrimônio geológico no desenvovimento territorial em Tibagi, Paraná» (PDF). Universidade Federal de Santa Catarina. Consultado em 5 de outubro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 3 de novembro de 2020 
  25. «Caixa e Prestes garantem execução das obras do Viverti em Tibagi». Diário dos Campos. 11 de junho de 2016. Consultado em 19 de setembro de 2019 
  26. «'Nequinho' o bairro de muitos nomes». Prefeitura Municipal de Tibagi. 25 de maio de 2012. Consultado em 19 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2020 
  27. «Ruas dos bairros Risseti e Bom Pastor ganham pavimentação». Prefeitura Municipal de Tibagi. 18 de junho de 2018. Consultado em 19 de setembro de 2019 
  28. «Novas Academias de Saúde são instaladas em bairros e comunidades». Câmara Municipal de Tibagi. 11 de maio de 2016. Consultado em 19 de setembro de 2019 
  29. «Prefeitura e Defesa Civil prestam atendimento à famílias afetadas por temporal». Prefeitura Municipal de Tibagi. 31 de maio de 2019. Consultado em 19 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 19 de maio de 2020 
  30. a b «Fiéis preparam peregrinação em Tibagi». A Rede. 10 de abril de 2017. Consultado em 18 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 15 de abril de 2017 
  31. a b «Comunidades Quilombolas e comunidades negras tradicionais» (PDF). MPPR. Consultado em 19 de setembro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 15 de janeiro de 2020 
  32. «"Conversa com o prefeito" visita bairro Pinheiro Seco». Blog do Johnny. 19 de setembro de 2017. Consultado em 18 de setembro de 2019 
  33. a b c «Paróquia Nossa Senhora dos Remédios». Diocese de Ponta Grossa. Consultado em 18 de setembro de 2019 
  34. «Provopar de Tibagi realiza série de serviços». Prefeitura Municipal de Tibagi. 9 de agosto de 2019. Consultado em 18 de setembro de 2019 
  35. «Produtores de Tibagi recebem resfriadores de leite». Política em Destaque. 28 de novembro de 2014. Consultado em 18 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2020 
  36. a b c d e f Douglas Grzebieluka; Cicilian Luiza Löwen Sahr (2009). «Comunidades de faxinal e suas dinâmicas sócio-espaciais: da formação à desagregação de uma tradição no município de Tibagi (PR) - um estudo sobre o Faxinal dos Empoçados». Geografar - UFPR. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 3 de junho de 2018 
  37. «Assembléias apresentam projeto de regularização fundiária para moradores». Prefeitura Municipal de Tibagi. 1 de agosto de 2018. Consultado em 19 de setembro de 2019 
  38. «Associação busca desenvolver comunidade do Cerrado Grande». Prefeitura Municipal de Tibagi. 20 de setembro de 2019. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 23 de setembro de 2019 
  39. João Aparecido Pereira Garcia; Nicolas Floriani (2016). «Etnocartografia do Distrito de Caetano Mendes no município de Tibagi-PR» (PDF). Secretaria da Educação do Paraná. Consultado em 19 de setembro de 2019 
  40. «Atendimento vai até as comunidades tibagianas». Prefeitura Municipal de Tibagi. 23 de março de 2015. Consultado em 19 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 19 de maio de 2020 
  41. «Projeto Político Pedagógico - Colégio Estadual João Francisco da Silva-Ensino Fundamental e Médio» (PDF). Colégio Estadual João Francisco da Silva-Ensino Fundamental e Médio. 2010. Consultado em 19 de setembro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 17 de janeiro de 2019 
  42. a b «Lei nº 2342 de 27 de maio de 2011» (PDF). Prefeitura Municipal de Tibagi. 2011. Consultado em 19 de setembro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 3 de novembro de 2020 
  43. a b c d e «Caracterização da Reserva Particular do Patrimônio Natural Itáytyba» (PDF). IAP. 2009. Consultado em 17 de setembro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 3 de novembro de 2020 
  44. «Caminhos, arenitos e cachoeiras de Itáytyba» (PDF). Itáytyba Ecoturismo. Consultado em 17 de setembro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 28 de agosto de 2019 
  45. a b c d e f g h i j k l m n «Aspectos característicos do município de Tibagi». Docplayer. 2015. Consultado em 19 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  46. IBGE (2010). «Censo - Sinopse». Consultado em 18 de setembro de 2019 
  47. Tribunal Superior Eleitoral (TSE) (agosto de 2019). «Estatísticas do eleitorado – Consulta por município/zona eleitoral». Consultado em 18 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2019 
  48. a b c d «Censo - Amostra Religião». IBGE. 2010. Consultado em 18 de setembro de 2019 
  49. «Comemoração dos 40 anos da IER - Igreja Evangélica Reformada». Prefeitura Municipal de Tibagi. 19 de maio de 2019. Consultado em 18 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2020 
  50. a b c d «Unidades de Conservação Estaduais» (PDF). IAP - Instituto Ambiental do Paraná. Consultado em 16 de setembro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 22 de janeiro de 2016 
  51. a b c d «Plano de Manejo - Área de Proteção Ambiental da Escarpa Devoniana». Instituto Ambiental do Paraná. Junho de 2004. Consultado em 22 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 23 de setembro de 2019 
  52. a b «Tibagi é cercado por belezas naturais». Folha de Londrina. 31 de outubro de 1999. Consultado em 23 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  53. «Pedal Rota dos Canyons em Tibagi». Lobi. Consultado em 23 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  54. «APA da Escarpa Devoniana - Mapa de Patrimônio Natural» (PDF). Governo do Paraná. Junho de 2004. Consultado em 23 de setembro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 24 de setembro de 2019 
  55. a b c d e f g h i j k l m n «Tibagi». Paraná Turismo. 2019. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  56. a b c d e f g h i Secretaria Municipal de Turismo - Setur (2019). «Atrativos Naturais». Prefeitura Municipal de Tibagi. Consultado em 16 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2019 
  57. a b «Mapa de Unidades de Conservação» (PDF). IAP - Instituto Ambiental Do Paraná. Setembro de 2003. Consultado em 17 de setembro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 7 de junho de 2019 
  58. a b «Listagem das RPPN no Estado do Paraná, Reconhecidas pelo IAP - Instituto Ambiental Do Paraná». IAP - Instituto Ambiental Do Paraná. 2009. Consultado em 17 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 1 de julho de 2016 
  59. «Cachoeira das Andorinhas - Cânion Guartelá». Wikiloc. Consultado em 17 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2020 
  60. «Pousada Fazenda Guartelá». Férias Brasil. Consultado em 17 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 22 de maio de 2015 
  61. «Cachoeira das Andorinhas». Alugue Pousadas. Consultado em 17 de setembro de 2019 
  62. «Cachoeira das Andorinhas». Pousada Fazenda Guartelá. Consultado em 17 de setembro de 2019 
  63. «Prefeitura investe R$ 140 mil em reformas e revitalização de espaços públicos». Correio dos Campos. 22 de agosto de 2018. Consultado em 16 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 13 de agosto de 2020 
  64. «Tibagi participa do dia mundial da limpeza». Diário dos Campos. 5 de setembro de 2018. Consultado em 16 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2018 
  65. a b «A comercialização do produto turístico associado à infra-estrutura e desenvolvimento: uma análise do produto turístico Rota dos Tropeiros/PR». Docplayer. Consultado em 23 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  66. Henrique Simões Pontes; Gilson Burigo Guimarães (junho de 2017). «Patrimônio Espeleológico do município de Tibagi, Campos Gerais do Paraná» (PDF). ANAIS do 34º Congresso Brasileiro de Espeleologia. Sociedade Brasileira de Espeleologia. Consultado em 23 de setembro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 7 de janeiro de 2019 
  67. Isonel Sandino Meneguzzo; Edu Silvestre de Albuquerque (2009). «A política ambiental para a região dos campos gerais do Paraná». Revista Ra'e Ga - O Espaço Geográfico em Análise. Consultado em 16 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2020 
  68. a b c d e f Secretaria Municipal de Turismo - Setur (2019). «Atrativos Culturais». Prefeitura Municipal de Tibagi. Consultado em 16 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2019 
  69. «Ministro do Esporte inspeciona parque em Tibagi». A Rede. 25 de maio de 2018. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  70. «Prefeitura abre licitação para concessão no Parque Linear». Prefeitura Municipal de Tibagi. 25 de janeiro de 2019. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  71. Gilmar Arruda (2008). «A natureza dos rios: história, memória e territórios». Editora UFPR. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  72. «Arquivos do Museu paranaense, Volumes 4-5». Museu Paranaense. 1945. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  73. «Salto da Cotia - Tibagi/PR». Wikiloc. Consultado em 16 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2020 
  74. «Fenda do Nick: conhecendo o inacreditável!». Rodas no Pé. 21 de fevereiro de 2018. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  75. a b c «Tibagi». Sindehtur. 20 de dezembro de 2016. Consultado em 23 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  76. «Fenda do Nick: conhecendo o inacreditável!». Rodas no Pé. 21 de fevereiro de 2018. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  77. Paulo C. Soares. «Diamantes do Tibagi (Brasil) Excursão de Campo 5º Simpósio Brasileiro de Geologia do Diamante». UFPR. Consultado em 4 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 3 de outubro de 2019 
  78. «Sem chuvas, região dos Campos Gerais teme pela seca no Rio Tibagi». Gazeta do Povo. 16 de junho de 2006. Consultado em 4 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 3 de outubro de 2019 
  79. «Trilha do Ermitão, Tibagi-PR». 2007. Consultado em 17 de setembro de 2019 
  80. a b «Turismo arqueológico no Paraná: 9 lugares para ver pinturas rupestres!». Estúdio C. Gshow. 17 de junho de 2017. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  81. «Pesquisadores querem preservar fósseis em Tibagi». Diário dos Campos. 6 julho de 2007. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  82. Gil F. Piekarz; Antonio Liccardo. «Geoturismo em Tibagi -PR» (PDF). Geoturismo no Brasil. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 3 de novembro de 2020 
  83. Nair Fernanda Mochiutti (2013). «O patrimônio geológico no desenvolvimento territorial em Tibagi, Paraná». Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Geografia. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  84. William Mikio Kurita Matsumura; Elvio Pinto Bosetti (2013). «Roteiro geológico e paleontológico nos municípios de Castro e Tibagi, Paraná - Brasil» (PDF). Terra Plural. UEPG. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  85. Elvio Pinto Bosetti; Rodrigo Scalise Horodyski; Carolina Zabini; Willian Mikio Kurita Matsumura; Andressa Carla Penteado (2010). «Ocorrência de fenótipos subnormais no limite Neoeifeliano/Eogivetiano, Tibagi, estado do Paraná: implicações tafonômicas e paleossinecológicas». Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Naturais. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2020 
  86. «Biblioteca Municipal completa 53 anos». Prefeitura Municipal de Tibagi. 15 de outubro de 2015. Consultado em 17 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2020 
  87. a b c d «Atrativos Religiosos». Prefeitura Municipal de Tibagi. 2019. Consultado em 17 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2019 
  88. «Peregrinação de São João de Maria atrai 200 fiéis em Tibagi». A Rede. 23 de abril de 2019. Consultado em 16 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2020 
  89. «Teatro Municipal Tia Inália recebe evento para comemorar o Dia da Dança». Prefeitura Municipal de Tibagi. 28 de abril de 2015. Consultado em 17 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2019 
  90. «Começa a revitalização do Teatro Tia Inália». Prefeitura Municipal de Tibagi. 19 de julho de 2019. Consultado em 17 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2019 
  91. «Riqueza - uma nova era para os diamantes do Tibagi». Folha de Londrina. 13 de novembro de 2007. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  92. Vitor Ogawa (9 de outubro de 2018). «Nossa preocupação é trabalhar antes do início das obras». Folha de Londrina. Consultado em 27 de março de 2021 
  93. «Saúde comemora "Agosto Dourado", mês de incentivo à amamentação». Prefeitura Municipal de Tibagi. 9 de agosto de 2019. Consultado em 18 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 19 de maio de 2020 
  94. «Unidades de Saúde passam por avaliação». Prefeitura Municipal de Tibagi. 12 de julho de 2018. Consultado em 18 de setembro de 2019 
  95. «Comunidade do Amparo recebe ambulância». Prefeitura Municipal de Tibagi. 22 de maio de 2019. Consultado em 18 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 19 de maio de 2020 
  96. «Prefeitura inaugura novo consultório odontológico e unidade de saúde». Prefeitura Municipal de Tibagi. 23 de março de 2018. Consultado em 18 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 19 de maio de 2020 
  97. «Hospital de Tibagi celebra 50 anos de história». Diário dos Campos. 15 de outubro de 2010. Consultado em 18 de setembro de 2019 
  98. «Hospital de Tibagi recebe R$ 1,2 milhão para obras de melhorias». Diário dos Campos. 3 de abril de 2015. Consultado em 18 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2020 
  99. «Fateb Unidade Tibagi». Ministério da Educação. 2019. Consultado em 17 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2020 
  100. FUNPAR - Fundação da Universidade Federal do Paraná. «Plano Diretor - Produto 5.1 - Revisão do Plano Diretor Municipal de Telêmaco Borba.» (PDF). Prefeitura Municipal de Telêmaco Borba. Consultado em 10 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 19 de setembro de 2020 
  101. Katia Brembatti (6 de agosto de 2019). «Mais 10 cidades do interior do PR terão voos para Curitiba; veja faixa de preço». Gazeta do Povo. Consultado em 10 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2019 
  102. «Paraná ganha 10 novas rotas de voos espalhadas pelo Estado». Agência de Notícias do Paraná. 6 de agosto de 2019. Consultado em 10 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2019 
  103. Distanciacidades.com (2020). «Distância de Tibagi e Aeroporto de Ponta Grossa (Aeroporto Santana)». Consultado em 10 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2020 
  104. Distanciacidades.com (2020). «Distância de Tibagi e Aeroporto Internacional Afonso Pena». Consultado em 10 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2020 
  105. «Tibagi apresenta seus "Sabores"». Associação dos Municípios dos Campos Gerais - AMCG. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  106. a b c d e «Turismo Gastronômico na região Campos Gerais do Paraná». Secretaria do Esporte e do Turismo. Consultado em 12 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2019 
  107. «Tibagi e Ventania ganham exposição em Vila Velha». Diário dos Campos. 20 de novembro de 2007. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  108. «Campos Gerais têm natureza, tropeirismo e cultura europeia». Agência de Notícias do Paraná. 31 de agosto de 2019. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 2 de setembro de 2019 
  109. a b «Tibagi faz degustação de pratos típicos para dirigentes da AMCG». Prefeitura Municipal de Tibagi. 29 de novembro de 2017. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  110. Enelise Aparecida Staron; Fabiane Tomachewski; Franklin Bannach; Leda Battestin Quast; Mareci Mendes de Almeida. «Apicultura no território Caminhos do Tibagi: Inauguração da UBM da COOCAT-Mel» (PDF). CONEX. UEPG. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 25 de setembro de 2019 
  111. «Tibagi oferece diversas opções de turismo de aventura». Prefeitura Municipal de Tibagi. 8 de fevereiro de 2019. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 23 de setembro de 2019 
  112. «Trilha da Dona Julia». Tibagi Turismo. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  113. «Diamantes no Tibagi - Parte 2 - Na cidade, a riqueza apenas passou». Folha de Londrina. 26 de outubro de 2004. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  114. «Ecoturismo e conforto no Hotel Fazenda Itáytyba em Tibagi». Turistando pelo Paraná. 6 de junho de 2019. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2020 
  115. «Pousada Aldeia dos Pioneiros». Tibagi Turismo. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 17 de setembro de 2019 
  116. «Itáytyba Ecoturismo». RETUR - Rede de Turismo Regional. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  117. «Alambique do Isidoro». Itaytyba Ecoturismo. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2019 
  118. Peter Allan (6 de março de 2012). «Associação de Artesanato de Tibagi é finalista em prêmio do Sebrae». Plantão da Cidade. Consultado em 6 de fevereiro de 2021 
  119. «Artesanato com lã de carneiro atrai turistas no Paraná». G1. 12 de janeiro de 2009. Consultado em 6 de fevereiro de 2021 
  120. «Eventos Tibagi». Prefeitura Municipal de Tibagi. 2019. Consultado em 17 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  121. a b c d e f g h i j k l m n «106 anos de história marcam o Carnaval de Tibagi». Prefeitura Municipal de Tibagi. 5 de fevereiro de 2016. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2020 
  122. «Tibagi prepara Festa da Santinha». Prefeitura Municipal de Tibagi. 15 de julho de 2019. Consultado em 17 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2019 
  123. «119ª edição da Festa da Santinha reúne milhares de romeiros em Tibagi». G1. Consultado em 17 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2019 
  124. «Festa da Santinha atrai romeiros de todo o Estado». Correio dos Campos. 26 de julho de 2018. Consultado em 17 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2019 
  125. «Festa de ação de graças acontece neste final de semana em Tibagi». Bem Paraná. 29 de julho de 2008. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2020 
  126. «Festa de Ação de Graças reúne cerca de duas mil pessoas». Correio dos Campos. 7 de agosto de 2017. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  127. «Festa de Ação de Graças celebra a fé e agradece pela colheita farta». Prefeitura Municipal de Tibagi. 5 de agosto de 2019. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  128. «Festa à Padroeira Nossa Senhora dos Remédios». Prefeitura Municipal de Tibagi. 30 de outubro de 2009. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  129. «Tibagi celebra padroeira neste domingo». Diário dos Campos. 13 de novembro de 2011. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2019 
  130. «Festival de Inverno de Tibagi tem competição de música sertaneja». G1. 27 de junho de 2016. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2020 
  131. «Tibagi: 100 anos de folia». Folha de Londrina. 3 de fevereiro de 2018. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  132. «Mais de 10 mil pessoas curtem show do Exalta em Tibagi». Prefeitura Municipal de Tibagi. 24 de fevereiro de 2020. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  133. «Abertura do Carnaval anima população na Praça». Prefeitura Municipal de Tibagi. 24 de fevereiro de 2020. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  134. «Clube Estrela da Manhã, de Tibagi, comemora 59 anos». Plantão da Cidade. 24 de setembro de 2009. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  135. «1º Encontro dos Clubes Sociais Negros do Paraná». Fundação Cultural de Curitiba. 2014. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  136. «Livro sobre Clube Estrela é lançado em Tibagi». Correio dos Campos. 23 de outubro de 2018. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2020 
  137. Merylin Ricieli dos Santos (2019). «Territórios negros plurais: dois clubes, duas cidades e duas histórias. De Ponta Grossa a Tibagi.» (PDF). UFPR. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 31 de outubro de 2020 
  138. «Tibagi já 'respira' carnaval». Diário dos Campos. 2 de março de 2011. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2020 
  139. «Carnaval atrai 50 mil pessoas para Tibagi». Prefeitura Municipal de Tibagi. 8 de março de 2019. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2020 
  140. «Carnaval de Tibagi deve receber 70 mil pessoas». G1. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  141. «Tibagi pretende reunir 70 mil pessoas no carnaval». Diário dos Campos. 28 de janeiro de 2016. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  142. «Com ou sem festa, Carnaval movimenta economia do Paraná». Agência de Notícias do Paraná. 1 de março de 2019. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Tibagi