Abrir menu principal

Wikipédia β

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Ponta Grossa (desambiguação).
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:

Ponta Grossa é um município brasileiro localizado no centro do estado do Paraná, distante 103 quilômetros da capital Curitiba, com uma população estimada de 344.332[3] habitantes.

Município de Ponta Grossa
"Princesa dos Campos"
Ponta Grossa, Biblioteca Municipal.jpg

Bandeira de Ponta Grossa
Brasão de Ponta Grossa
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 15 de Setembro
Fundação 15 de setembro de 1823 (194 anos)
Gentílico ponta-grossense, princesino
Prefeito(a) Marcelo Rangel (PPS)
(2017–2020)
Localização
Localização de Ponta Grossa
Localização de Ponta Grossa no Paraná
Ponta Grossa está localizado em: Brasil
Ponta Grossa
Localização de Ponta Grossa no Brasil
25° 05' 42" S 50° 09' 43" O25° 05' 42" S 50° 09' 43" O
Unidade federativa  Paraná
Mesorregião Centro Oriental Paranaense IBGE/2008[1]
Microrregião Ponta Grossa IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Campo Largo, Carambeí, Castro, Ipiranga, Palmeira, Teixeira Soares e Tibagi
Distância até a capital 103 km
Características geográficas
Área 2 054,732 km² (BR: 722º)[2]
População 344 332 hab. (PR: 4º) –  estimativa IBGE/2017[3]
Densidade 167,58 hab./km²
Altitude 975 m
Clima subtropical Cfb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,763 (PR: 13º) – elevado PNUD/2010[4]
PIB R$ Aumento11 598 000 mil (Lista de municípios do Brasil por PIB) – IBGE/2014[5]
PIB per capita R$ 34 670 00 IBGE/2017[5]
Página oficial

É o núcleo de uma das regiões mais populosas do Paraná: Campos Gerais do Paraná que tem uma população de mais de 1 100 000 habitantes (IBGE/2014) e o maior parque industrial do interior do estado. A cidade, também conhecida como "Princesa dos Campos" e "Capital Cívica do Paraná", é a quarta (4°) mais populosa do Paraná e 77ª do Brasil.

Índice

EtimologiaEditar

O nome Ponta Grossa é a toponímia de uma grande colina coberta por um capão de mato que podia ser vista de longa distância pelos viajantes.Relata-se que os tropeiros, quando se aproximavam do lugar, a ele se referiam: “Estamos próximos ao capão da ponta grossa”. Entretanto, Manoel Cirillo Ferreira escreveu que Miguel da Rocha Carvalhães, proprietário de terras na região, teria mandado seu capataz Francisco Mulato escolher um local para sediar sua fazenda. Ao desincumbir-se, o capataz teria assim assim descrito o lugar: "Fica encostado naquele capão, que o senhor bem sabe, que tem a ponta grossa”. Outro escritor, Nestor Victor, relata que Miguel da Rocha Carvalhães doou as terras necessárias para a origem do povoado no lugar, que passou a ser assim chamado, devido a um capão próximo aos seus terrenos que formava uma ponta grossa”.

De todo modo, o nome descreve a colina e características da vegetação do local.

HistóriaEditar

 
Ponta Grossa em 1820, quando da visita de Debret ao sul do Brasil

Ponta Grossa teve seu território palmilhado a partir do século XVI, quando os Campos Gerais foram cruzados por expedições espanholas que demandavam do litoral catarinense até Assunção, no Paraguai.[6] Mais tarde foi sucessivamente movimentada por conta das bandeiras seiscentistas, notadamente as da preia indígena.[6] Mas a posse efetiva da terra, com fins de ocupação e colonização, que resultou na fundação da cidade de Ponta Grossa, deu-se a partir de 1800, período em que os Campos Gerais estavam sob a jurisdição da Vila Nova de Castro.[6]

Os primeiros povoadores que aqui se estabeleceram, foram fazendeiros paulistas, vindos especialmente pela abundância de pastos naturais e beleza dos Campos Gerais.[6] Fixaram-se nas imediações dos rios Rio Verde e Pitangui, lançando as sementes de povoação do lugar.[6] Pouco tempo depois beneditinos do Mosteiro dos Santos obtinham concessão destes campos, que chamaram Fazenda Bárbara.[6] No entanto, em 1813, o governador interino da Província de São Paulo, D. Matheus Abreu Pereira, doava estas mesmas terras ao alferes Atanagildo Pinto Martins, bandeirante paranaense que perlustrou o caminho dos Campos de Palmas.[6] Os beneditinos protestaram, alegando direitos adquiridos, apresentando o Termo de Concessão, mas de nada valeram os apelos, fincando a imensa área com o alferes Atanagildo.[6]

Não demorou muito, e era senhor dos Campos Gerais, o capitão-mor José Góes e Moraes, que doou parte de suas terras aos jesuítas que nas proximidades do Ribeirão São Miguel, afluente do Rio Pitangui, ergueram a Capela de Santa Bárbara do Pitangui.[6] onde estabeleceram o Curato da Companhia de Jesus que em pouco tempo conheceu extraordinário progresso.[6] Paralelamente, os campos iam sendo sistematicamente ocupados, com o surgimento de grandes fazendas de gado.[6] Neste período destaca-se a Fazenda Bom Sucesso, do sargento-mor Miguel da Rocha Ferreira Carvalhães, cujo limite abrangia área que hoje constitui o perímetro urbano de Ponta Grossa.[6]

Onde hoje se encontra a Catedral Metropolitana, existia um rancho de pousada, erguido por tropeiros, junto a uma centenária figueira, sob a qual plantaram uma cruz.[6] Era ali o ponto de parada de tropas e viajantes.[6] Outro ponto de referência nesta época era a Casa-de-Telhas, construída pelos jesuítas para se relacionarem com povo da região.[6] Nesta casa celebravam-se os ofícios do sacramento e festas religiosas. Em pouco tempo, em torno da Casa-de-Telha surgiram as primeiras choupanas.[6]

O fazendeiro Miguel da Rocha Ferreira Carvalhães, antevendo o futuro do lugar, procurou incentivar seu progresso.[6] Convocou os vizinhos, e também os fazendeiros Domingos Ferreira Pinto, Domingos Teixeira Lobo, Antonio da Rocha Carvalhães e Benedito Mariano Fernandes Ribas e expôs a necessidade de se efetivar uma povoação, visto que resolveriam as dificuldades das questões eclesiásticas e lides civis, pois estavam jurisdicionados à Vila Nova de Castro.[6][7] Relata-se que Carvalhães teria ordenado a seu capataz, Francisco Mulato, que procurasse na invernada Boa Vista, de sua propriedade, um local apropriado para se começar uma nova povoação. O local escolhido teria sido o atual subúrbio da Boa Vista.[7] Ao cumprir a missão Francisco Mulato teria dito"Sinhô sabe bem porque é encostado naquele capão que tem a ponta grossa".[7]

Tendo aprovado o nome mas não a localização, o grupo de fazendeiros[7] resolveu que o lugar do futuro povoado seria onde um pombo branco com um laço vermelho no pescoço, solto nas pradarias, viesse a pernoitar.[7]

Depois de muitas revoadas, a ave pousou exatamente na cruz do rancho dos tropeiros, debaixo da centenária figueira.[7] lá existente, tendo esse fato sido interpretado como de bom augúrio e predestinação, para a efetiva povoação de Ponta Grossa.[7] Algumas fontes dão o nome Estrela, como primitiva denominação de Ponta Grossa,[7] "...porque podia ser vista de algumas léguas de distância, situada no meio dos campos, sobre uma eminência como a cidade atual ainda está" (Terra do Futuro - Nestor Victor).[7]

A partir de então a povoação progrediu extraordinariamente. Em 15 de setembro de 1823, através de Alvará Imperial, foi criada a Freguesia de Estrela, sendo primeiro vigário da localidade o padre Joaquim Pereira da Fonseca.[7] Em 1840 o patrimônio foi aumentado, por área denominada Rincão da Ronda e doada por Domingos Ferreira Pinto.[7] Pela Lei Provincial nº 34, de 7 de abril de 1855, foi criado o município de Ponta Grossa, com território desmembrado do município de Castro, sendo devidamente instalado em 6 de dezembro do mesmo ano.[7] A Lei Provincial nº 82, de 24 de março de 1862, elevou a vila à categoria de cidade.[7] Em 15 de abril de 1871, através da Lei nº 281, passou a denominar-se Pitangui, mas voltou-se a chamar Ponta Grossa a partir de 5 de abril de 1872, pela Lei Provincial nº 409.[7] Ponta Grossa passou a sede de Comarca em 18 de abril de 1876, pela Lei nº 469, sendo instalada em 16 de dezembro do mesmo, assumindo nesta data como primeiro Juiz de Direito Conrado Ericksen.[7]

Em 1878, por iniciativa de Augusto Ribas, se iniciou a colonização russo-alemã no município,[8] dois anos depois da visita do Imperador Dom Pedro II, principal incentivador das imigrações, quando se hospedou na residência do Major Domingos Pereira Pinto a quem concedeu o título de Barão de Guaraúna.[9]

A cidade conheceu grande progresso a partir de 2 de março de 1894, quando foi inaugurada a Estrada de Ferro Curitiba-Ponta Grossa,[10] e dois anos depois teve inicio a construção da Ferrovia São Paulo-Rio Grande do Sul. Em virtude de sua situação, aqui foram instalados por muito tempo, os escritórios e oficinas das ferrovias.[7]

Em 1904 quando era prefeito Ernesto Guimarães Villela, foi inaugurado o sistema de iluminação elétrica fornecido pela a empresa Ericksen & Filho do próprio Guimarães[7] e foi implantado o sistema de água e esgotos projetado e supervisionado pelos engenheiros Alvaro Souza Martins e Jacob Schamber.[7] só concluído com financiamento do governo do Estado pelo prefeito Teodoro Batista Rosas.[7] O centenário da fundação foi comemorado na administração do prefeito Brasílio Ribas.[7]

Em 17 de outubro de 1930, chegou à estação ferroviária Getúlio Vargas e suas tropas que ficaria quinze anos no poder da república.[11] Nesta ocasião Getúlio caminhou pelas ruas da cidade ao lado do tenente-coronel Galdino Luís Esteves e Aristides Krauser do Canto, sendo ovacionado pelos populares que agitavam lenços e bandeiras vermelhas, símbolo da revolução.[12] Ponta Grossa foi berço de grandes nomes da política paranaense, sendo conhecida como "Capital Cívica do Paraná".[12] Atualmente Ponta Grossa destaca-se como um dos mais industrializados municípios do Estado, sem contar a importância no setor turístico, com Furnas, Lagoa Dourada e a mística Vila Velha.[12]

GeografiaEditar

HidrografiaEditar

O município de Ponta Grossa está inserido quase que integralmente na bacia hidrográfica do Rio Tibagi que nasce em seu território, se orienta para o Norte, e depois de atravessar diversos municípios, faz foz no Rio Paranapanema na divisa com o Estado de São Paulo. Desta bacia hidrográfica, os rios mais próximos à cidade são o Rio Verde, o Rio São Jorge, o Rio Botuquara e o Rio Pitangui (que abastece a cidade) no qual se situa a barragem dos Alagados.

No extremo Nordeste do município, uma pequena parte do território está inserida na bacia hidrográfica do Rio Ribeira que, ao contrário do Rio Tibagi, orienta-se para o Leste e faz foz no Oceano Atlântico.

ClimaEditar

Na classificação climática de Koppen-Geiger possui um clima do tipo Cfb (mesotérmico) equivalente na classificação climática de Strhaler como subtropical úmido com verões moderadamente quentes e invernos relativamente frios na maior parte do município, não possuindo uma considerável amplitude térmica anual (contudo ainda maior se comparada a Curitiba) devido a ação moderadora do Oceano Atlântico que está a 180 km de distância combinado com a hipsometria planáltica (entre 700 a 1000 m), o que não permite recair num clima subtropical do tipo Cfa (temperatura média do mês mais quente acima de 22 °C), embora ocorra no extremo leste do município nas planícies da nascente do Rio Ribeira, aonde a altitude é consideravelmente menor que a média para Ponta Grossa. Temperaturas extremas não são comuns, mas as ondas de calor com temperaturas acima de 30 °C podem ocorrer (entre janeiro e fevereiro a probabilidade é de 20%), associado com a formação de ilhas de calor principalmente no Centro e no Santa Paula, em parte contribuída a baixa arborização urbana.Com uma direção predominante de ventos a nordeste com desvio para leste.[13][14][15]

Os meses de verão vão de dezembro a março e tendem a ser mais úmidos devido a ascendência das correntes convectivas, sendo o mês de fevereiro responsável pelos maiores registrados de precipitação média mensal com 177 mm, e os meses de inverno vão de junho a setembro, muito embora as temperaturas amenas podem aparecer precocemente entre abril e maio. O período invernal tende a ser mais seco devido o avanço das massas polares que originam na Antártica e sul da América do Sul, as chuvas que ocorrem nesta época muitas vezes são devido a passagem da frente fria em que o ar mais aquecido da Massa Tropical Atlântica (mTa) entrando em contato com a massar de ar continental Polar (cP) tende a se elevar provocando precipitações em toda a faixa frontal, sendo agosto o mês mais árido com 83 mm de precipitação média mensal, com uma pluviosidade média anual de 1495 mm, a maior quantidade acumulada de chuva ocorre nas porções elevadas do Distrito de Itaiacoca, assim como acontece nas demais localidades ao longo da Escarpa Devoniana, em geral com uma sobrecarga de 100 mm anuais por funcionar como uma barreira orográfica, ainda que a área urbana da cidade e as porções ocidentais e sul da cidade estão à sotavento do escarpamento o que favorece ainda mais a ser mais seco. A temperatura média anual é de 17,5 °C, o mês mais quente é janeiro em média 21,4 °C e o mês mais frio é julho em média 13,7 °C, sendo que a variação anual é de 7,7 °C.[16][17]

Temperatura do ar abaixo de 0 °C tende a ocorrer ao menos uma vez ao ano, salvo em algumas exceções de adversidades climáticas. Entre os meses de junho e julho há uma chance de mais de 18% das temperaturas caírem abaixo dos 5 °C. Para o ano de 2016, o número de horas de frio abaixo de 7,2 °C foram 250 horas e menor que 13 °C somam 1179 horas. As geadas são típicas no inverno e ocorrem em quase em todos os anos, assim como em grande parte do centro-sul do estado. Havendo em média entorno de 3 a 5 vezes ao ano, sobretudo em áreas elevadas e nos fundos de vale. A neve é um evento raro e não há registros históricos de acumulação em superfície, mesmo eventual é marcado com algumas passagens ao longo de um século, a última ocorrência em 23 de julho de 2013, inicialmente por volta das 6h30 da manhã com uma chuva congelada, e depois às 7 horas tem-se apontado os primeiros flocos, alguns bairros como Boa Vista durou pelo menos 30 minutos, muito embora de fraca intensidade. Outros anos registrados foram 1975 e 1981.[18][19][20][21][22]

Os vales e os cursos d'água influenciam no clima urbano devido divergir na insolação, umidade relativa e ventos alterando as condições termohigrométricas. Sendo que as maiores declividades são encontradas entre oeste e sul, chegando em alguns casos a 49%, resultando em um maior aquecimento da superfície e do ar, e por isto as porções orientais de Ponta Grossa tendem a apresentar temperaturas mais amenas. Portanto o relevo acidentado pautado sobretudo na exposição das vertentes e suas declividades em sua quantidade considerável são importantes para as diferenciações climáticas que nela ocorrem.[23]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1961 a 1973 (até 28 de fevereiro), a menor temperatura registrada em Ponta Grossa foi de -5,7 °C em 9 de junho de 1967,[24] e a maior atingiu 34,7 °C em 3 de novembro de 1968.[25] O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 130,5 mm em 13 de fevereiro de 1966. Outros grandes acumulados foram 110,9 mm em 6 de maio de 1970 e 100 mm em 4 de julho de 1965.[26] O menor índice de umidade relativa do ar foi registrado na tarde de 9 de junho de 1967, de 14%.[27]

Para os dados da estação meteorológica pertence ao Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) que funcionou de 1954-2001 a menor temperatura do ar registrada ocorreu em julho de 1975, aonde registrou - 6 °C e a máxima temperatura do ar foi 36,2 °C em janeiro de 1958, com uma média de velocidade anual do vento de 5,5 metros/segundo, constando 2115 horas anuais de sol, registrando acima de 190 horas em julho, agosto e novembro, meses com maior numero de horas e um total de 930 mm de evaporação anual, com valores maiores entre novembro e dezembro, correspondendo cerca de 20% dos doze meses.[28]

Dados climatológicos para Ponta Grossa (1961-1990)
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima absoluta (°C) 34,2 34 33,7 30,6 30 28 28,6 31,4 32,8 33,5 34,5 33,9 34,5
Temperatura máxima média (°C) 28,1 28,1 27,2 24,5 22,4 20,8 20,8 22,7 24,1 24,6 26,6 27,2 24,8
Temperatura média (°C) 21,5 21,5 20,5 17,5 15 13,7 13,4 15,1 17 17,9 19,6 20,5 17,8
Temperatura mínima média (°C) 17 17,3 16,1 12,9 9,9 8,9 8,4 9,8 12 13,4 14,6 15,8 13
Temperatura mínima absoluta (°C) 10,4 9,2 6,8 0,1 -2,8 -5,7 -4,2 -3,7 -1,3 3,4 4,6 6,3 -5,7
Precipitação (mm) 181,7 185,2 148,4 99,4 75,9 124,6 77,1 62,8 123,9 154,5 118,5 164,7 1 517,1
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 13 12 11 7 5 7 5 6 9 11 9 12 107
Umidade relativa (%) 77,3 79,7 79 78,5 78,6 79,7 76,4 72,8 73,6 76,2 73 75,9 76,7
Horas de sol 197,1 171,7 183,6 190,4 200,5 170,5 196 198,1 157,7 167,4 191,9 192,7 2 217,6
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (normal climatológica de 1961-1990;[29][30][31][32][33][34][35] recordes de temperatura de 01/01/1961 a 28/02/1973).[24][25]

Praças e espaços públicos de lazerEditar

A cidade é muito deficiente em arborização, algo que contrasta com a riqueza da bacia hidrográfica.[36]

Algumas praças e parques formam reduzidas ilhas verdes na paisagem urbana. Falta planejamento paisagístico urbano e de conforto térmico para pedestres.

Ponta Grossa conta com um Parque Ambiental. A área, bastante ampla, possui pista de caminhada, pista de skate, quadras poliesportivas e área para crianças.

O Parque Margherita Masini é uma antiga pedreira. É bem arborizado e cortado por um riacho.

A Praça Barão do Rio Branco é localizada no centro da cidade. Possui um chafariz que estava abandonado mas agora está em boas condições, e uma área de lazer para crianças.

Outro parque municipal é localizado próximo à UEPG e ao parque de manobras da ALL (América Latina Logística). Também é cortado por um riacho, é bem arborizado e possui quiosques e bancos.

PopulaçãoEditar

A população é composta das mais diversas etnias. Em seus primórdios, ela se deu pela soma de desbravadores portugueses, tropeiros e famílias ilustres vindas principalmente de São Paulo. A partir do início do século XX, se estabeleceram eslavos (russos, polacos e ucranianos), árabes, italianos, japoneses, neerlandeses e alemães, sendo alemães e eslavos os mais numerosos.

Etnias
Brancos 80%
Pardos 16%
Negros, Amarelos e Indígenas 4%

Fonte: Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES) 2010

Bairros e DistritosEditar

Seguem, os bairros de Ponta Grossa e as suas subdivisões :

Bairros:Editar

  • Boa Vista
    • Jardim Atlanta
    • Jardim Esplanada
    • Jardim Eldorado
    • Jardim. Jacarandá
    • Jardim Los Angeles
    • Leila Maria
    • Parque Nossa Senhora das Graças
    • Vila Monte Carlo
  • Cara-Cará
    • Jardim Alfredo Ribas Sobrinho
    • Núcleo Barão de Guaraúna
    • Núcleo Santa Bárbara
    • Núcleo Industrial (Distrito Industrial Cyro Martins)
    • Vila Vendrami
  • Chapada
    • Santana do Sabará
    • Núcleo Santa Luzia
    • Parque Bonsucesso
    • Vila Congonhas
    • Jardim Bela Vista
    • Parque do Café
    • Jardim Vitória
    • Vila Borato
    • Vila Real
    • Vila Romana
    • Jardim Santa Edwiges
  • Colônia Dona Luíza
    • Vila Maria Otília
    • Vila Sabina
    • Núcleo Santa Maria
    • Núcleo Santa Marta
    • Núcleo Santa Tereza
    • Jardim Ouro Verde
    • Núcleo Cerejeira I/II
  • Contorno
    • Núcleo Santa Paula
    • Núcleo Santa Paula Velha
    • Núcleo Santa Paula III
    • Núcleo Santa Terezinha
    • Vila Ricci
    • Vila Verona
    • Dom Bosco
    • Shangrilá
    • Vila D. Pedro II
  • Estrela
    • Jardim América I/II
  • Jardim Carvalho
    • Núcleo Santa Mônica
    • Vila Tânia Mara
    • Jardim Mezzomo
    • Parque Santa Lúcia
    • Monteiro Lobato
    • Vila Nadal
    • Jardim San Diego
    • Núcleo Baraúna
    • Jardim Aroeiras
  • Neves
    • Núcleo 31 de Março
    • Jardim Gianna I/II
    • Jardim Florença
    • Núcleo Rio Pitangui
    • Núcleo Rio Verde
    • Jardim Conceição
  • Nova Rússia
    • Vila Cristina
    • Vila Hilgemberg
    • Vila Izabel
    • Santo Antônio
    • Jardim Maracanã
    • Vila Palmeirinha
  • Oficinas
    • Vila Ferroviária
    • Vila Oficinas Taques
    • Vila Cipa
    • Vila Curitiba
    • Vila Pina
    • Vila Belém
    • Vila Pinheiro I/II
    • Vila Guaíraola
    • Jardim Europa
    • Jardim Itália
  • Olarias
    • Jardim Barreto
    • Jardim São Gabriel
    • Vila Sant’ana
    • Jardim Esperança
    • Jardim Alto Alegre
    • Jardim Central
  • Órfãs
    • Vila Catarina Miró
    • Vila São José
    • Vila Liane
  • Ronda
    • Vila Moisés Lerner
  • Uvaranas
    • Vila Ana Rita
    • Vila Hoffman
    • Núcleo David Fedderman
    • Jardim Paraíso
    • Núcleo Pimentel
    • Jardim Brasil
    • Vila Claudionora
    • Vila Marina
    • Vila Deise
    • Vila Vicentina
    • Vila Marumby
    • Vila Berta

DistritosEditar

São eles[37]:

Administração públicaEditar

A administração pública do município segue determinação da Constituição do Brasil: Poder Executivo, chefiado pelo prefeito e seu secretariado, e o Poder Legislativo, representado pela Câmara Municipal.

O poder executivo é eleito para mandato de quatro anos com possibilidade de reeleição, e suas secretarias municipais e autarquias. Os secretários são definidos pelo prefeito, geralmente acomodando aliados partidários do chefe do executivo. Pertencem também à prefeitura (ou ela é sócia majoritária em seus capitais sociais) uma série de empresas responsáveis por aspectos diversos dos serviços públicos e da economia.

A Câmara Municipal de Ponta Grossa é composta por 23 vereadores eleitos para cargos de quatro anos, com a possibilidade de reeleição consecutiva para mais um mandato ( ou eternamente, conforme a vontade da população). Os vereadores são responsáveis pela elaboração e aprovação de leis fundamentais à administração e ao Executivo, entre elas o Orçamento anual do município (conhecido como Lei de Diretrizes Orçamentárias. Vários comissões específicas, cada uma presidida por um vereador, fazem parte da estrutura da casa de leis, como a do Orçamento, da Saúde, do Transporte Público, entre outras. A Câmara Municipal é presidida por um presidente – que entre outras funções, define a pauta de votações da casa, e ainda conta com vice-presidente e primeiro secretário.

RepresentantesEditar

Mandatos 2017-2020
  • Poder Executivo
  • Poder Legislativo
    • Presidente: ?

EconomiaEditar

 
Rua Augusto Ribas

A economia de Ponta Grossa teve três grandes impulsos durante o século XX. O primeiro em meados de 1900 com a instalação da ferrovia, o segundo na década de 70 com a instalação de grandes indústrias da área alimentícia e moageira, e o terceiro na segunda metade da década de 1990 com a instalação de grandes empresas nacionais do setor logístico e de produção e investimentos de grandes redes do setor de serviços.

O município está próximo dos principais mercados consumidores do país, São Paulo e Curitiba, e é ponto de passagem para a exportação de produtos pelo Porto de Paranaguá e pelo Corredor do Mercosul, rodovia que liga o Sudeste do Brasil aos países do Mercosul. É a quarta principal cidade exportadora paranaense e a décima do Sul,[38] em especial, para o Japão e a Europa.

IndústriasEditar

A cerca de dez quilômetros do centro da Ponta Grossa está o Distrito Industrial Ciro Martins. O complexo, localizado próximo á região do Bairro Cara-Cará, é o maior do interior do estado, atrás apenas de Curitiba e sua região metropolitana. A cidade tem indústrias nos seguintes ramos: extração de talco, pecuária, agroindústria (em particular a soja, que conferiu ao município o título de Capital Mundial da Soja), madeireiras, metalúrgicas como a MBR Indústria Metalúrgica Ltda fabricante de Sistemas de Armazenagem, Automação industrial, alimentícias, têxteis.

Algumas das plantas industriais instaladas em Ponta Grossa são: Ambev, DAF/Paccar, Frísia, Madero, MARS, Kurashiki, LP Masisa, Braslar Eletrodomésticos, Makita, Cervejarias Heineken, Continental, Tetra Pak, Beaulieu do Brasil, Cargill, Bunge, Louis Dreyfus Commodities, Nidera, Cooperativa Batavo, Batavia[desambiguação necessária], Sadia, CrownCork Embalagens, BO PACKAGING BRASIL Embalagens, entre outras, principalmente do ramo moageiro alimentício. Na região do Distrito Industrial também está instalado o armazém graneleiro da CONAB (Companhia Nacional de Abastecimento), o maior complexo armazenador de grãos do Brasil, com capacidade estática para 420 mil toneladas.

A posição geográfica estratégica garante a proximidade para o transporte para portos (de Paranaguá ou mesmo Santos, aeroportos (Curitiba e o projetado dos Campos Gerais) e países vizinhos, como Argentina e Paraguai.

O processo de industrialização aconteceu na cidade no período entre 1975 e 2005 impulsionado pela boa infraestrutura de transporte, mão-de-obra qualificada e barata, com a presença da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e, a partir de 1991, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), além de faculdades particulares.

Atualmente, mais um Complexo Industrial está se desenvolvendo na região norte da cidade, com a implantação de indústrias alimentícias e automobilísticas de alto padrão, o que irá impulsionar o crescimento da cidade no futuro.

ServiçosEditar

Por tratar-se de um grande tronco rodoferroviário, Ponta Grossa é conhecida como capital dos caminhões. O setor que atua nesta área é amplamente desenvolvido e diversificado, atraindo frotistas e caminhoneiros de todo pais para efetuar reparos em seus veículos, este setor esta concentrado nas regiões das avenidas Souza Naves e Presidente Kennedy e também na rodovia PR 151.

No setor de serviços, a cidade conta com grandes redes de supermercados, como a ponta-grossense Tozetto, as paranaenses Super Muffato e Condor, shoppings centers, redes de fast-food: Mc Donald's, Bob's, Burger King, Habib's e Subway além de grandes lojas nacionais e regionais de lojas de departamentos, eletro eletrônicos e varejo.

O município possui um dos maiores valores de PIB do Paraná e, paradoxalmente, apresenta déficits pronunciados de infraestrutura. Uma evidência disso são os números de 2007 do IPARDES, indicando que Maringá tem uma população semelhante, mas apresenta maior rede de água e esgotos, maior área asfaltada e um número menor de pessoas em situação de pobreza.

Segundo pesquisa realizada pela Revista Você S/A, Ponta Grossa é a 84ª melhor cidade para se fazer carreira no Brasil.[39][necessário verificar]

Centros comerciais

TransporteEditar

Ponta Grossa é o principal entroncamento rodoferroviário do estado do Paraná, de onde partem rodovias e ferrovias para todas as regiões - além do potencial aquaviário inexplorado. O município é cortado pela rodovias BR-376, BR-373 e PR-151. A cidade é servida pelo moderno Terminal Rodoviário Intermunicipal de Ponta Grossa e pelo Aeroporto Santana, que conta com vôos regulares para Campinas.

O transporte urbano da cidade é baseado no sistema denominado de "Tronco-alimentador", que consiste em linhas alimentadoras e principais interligadas pelos quatro terminais urbanos (Central, Nova Rússia, Oficinas e Uvaranas). A concessionária atual de todas as linhas é a Viação Campos Gerais (VCG).

 
Vagões de trem se locomovendo no campus UEPG.

TurismoEditar

O acesso ao município se dá pelas rodovias duplicadas BR-376 (ligação do Porto de Paranaguá ao Norte e Noroeste paranaense, assim como ligando o estado com São Paulo e Mato Grosso) e 277 (acesso às regiões Oeste e Sudoeste do Paraná), além da PR-151 (ligação Ponta Grossa - Itararé) e a - em obras - Transbrasiliana. A cidade conta com moderna rodoviária, inaugurada em 2008, e é servida com voos regulares pelo Aeroporto Municipal Santana e pelo Aeroporto Internacional de Curitiba (a 120 quilômetros).

AtraçõesEditar

 
A Taça do Parque de Vila Velha
 
Região dos Arenitos no Parque Estadual de Vila Velha.
 
Prédio da antiga estação ferroviária de Ponta Grossa.

Nas construções modernas e de vanguarda estão a Catedral Santana e vários edifícios particulares.

  • Turismo de Negócios e Hospedagem

O turismo de negócios evoluiu muito entre as décadas de 1990 e 2000 com ampliação e construção de novos hotéis, que somam cerca de 2.000 leitos ofertados em Ponta Grossa. A cidade oferece três grandes áreas para eventos, o Centro de Eventos Cidade de Ponta Grossa, os Centros de Convenções do Hotel Slaviero Executive Ponta Grossa e do Shopping Palladium. Outros hotéis, como o Hotel Planalto Palace e Bristol Vila Velha, ofertam espaços para eventos de pequeno e médio porte.

  • Atrações culturais e eventos - espetáculos teatrais e musicais acontecem regularmente em espaços como o Cine-Teatro Ópera e Teatro Marista. Atualmente a cidade conta com quatro salas de cinema.

Há também eventos anuais, o principal deles é a Festa Nacional do Chope Escuro, a Münchenfest, com público médio de 100 mil pessoas para ver atrações musicais nacionais e internacionais, além de bandas típicas alemãs e parque de diversões. Também merecem destaque a Festa da Uva, Rodeio dos Rodeios, Exposição Feira Agropecuária, Industrial de Ponta Grossa (Efapi), Congresso Internacional de Administração - ADM (atrai mais de 2 mil pessoas sempre no mês de setembro) entre outros

EducaçãoEditar

Ensino superiorEditar

A cidade conta com duas instituições públicas de ensino superior:

Ambas instituições atraem estudantes de graduação e pós-graduação de diversas regiões, sobretudo do sul do país.

A cidade também abriga instituições particulares de ensino superior como:

Ensino públicoEditar

A cidade conta com 84 escolas municipais de Ensino Fundamental de primeira a quinta série. Para os quatro anos restantes são 84 colégios estaduais, que também ofertam as três séries do Ensino Médio. Os maiores colégios públicos são a Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR (ensino médio integrado ao técnico, com duração de 4 anos), Colégio Agrícola Estadual Augusto Ribas, curso Técnico em Agropecuária com duração de 3 anos equivalendo ao ensino médio, está anexo à UEPG (Universidade Estadual de Ponta Grossa), a qual administra a instituição, promovendo várias atividades em parceria com os cursos de nível superior como Agronomia, Zootecnia, Engenharia Civil, entre outros CAAR; Colégio Estadual Presidente Kennedy, Instituto de Educação Professor César Pietro Martinez, Colégio Estadual Regente Feijó, Colégio Estadual General Osório,Colégio Estadual Professora Elzira Correia de Sá e o Centro Estadual de Educação Profissional de Ponta Grossa,curso técnico em eletromecânica e alimentos com duração de 4 anos equivalendo ao ensino médio. Atualmente a Educação Pública no âmbito Estadual é representada pela Profª Maria Izabel Vieira, profissional de carreira em várias esferas da Administração Pública do Estado do Paraná, e que exerce atualmente o cargo de Chefia do Núcleo Regional de Educação de Ponta Grossa.

Para a Educação Infantil – crianças do berçário até cinco anos - são 33 centros municipais de Educação Infantil (CMEIs) e outros dezoito centros de educação infantil comunitários (CEIs), conveniados ao Poder Público[40]

Ponta Grossa obteve uma posição destacada na avaliação do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) em 2009. A Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Ponta Grossa foi avaliada entre as melhores do estado do Paraná e a mais bem colocada em Ponta Grossa (657.23 pontos). Resultados de nível igualmente elevado foram obtidos pelo Colégio SEPAM (611.77 pontos), pelo Colégio Néo Master (606,25 pontos), pelo Colégio Marista (592,89 pontos), pelo Colégio São José (578,90 pontos) e pelo Colégio São Francisco (575,63).[41]

Ensino privadoEditar

A rede de ensino privada da cidade atua nos Ensinos Infantil, Fundamental e Médio. O Colégio Sant'Ana conta com duas sedes centrais, faculdade, complexo esportivo e campestre, além de uma creche que atende crianças carentes na vila Clóris. O Colégio Sagrada Família conta com três sedes, faculdade e um prédio de preparação para vestibulares. O Colégio Marista Pio XII tem uma área de estudos e campestre. Grupo Master é formado pelos colégios Néo Master, Pró Master e Master Girassol e Sociedade Educacional Professor Altair Mongruel possui o Colégio Sepam e Sepam Vestibulares. Conta também com o Colégio Sagrado Coração de Jesus da rede de colégios CIESC, tradicional na região sul do Brasil, com o Colégio São Francisco, Escola Santa Teresinha, Colégio Integração, Escola Desafio, Escola Arco-íris, Escola Gênesis, Thales de Miletto, entre outras.

Educação profissionalEditar

Na Área de Educação Profissional, a cidade conta com seis escolas. O chamado Sistema S (Senac, Sesi,Senai, e Sesc) ofertam cursos técnicos em várias áreas, de moda e beleza a turismo e torneiro mecânico e uma unidade com ensino médio bilingue. Além do Colégio Sant'Ana com cursos de Informática, Administração, Análises Clínicas, Farmácia e Formação de Docentes.

CulturaEditar

 
Biblioteca Municipal de Ponta Grossa.

Conta com três teatros (além de auditórios), somando quase três mil assentos, salas de cinema, galerias de arte, áreas para exposições e espaços alternativos através de projetos do poder público e da iniciativa privada. No campo da produção são ofertados cursos superiores de artes visuais e música, ambos pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). A cidade conta também com a Orquestra Sinfônica de Ponta Grossa e o Conservatório Maestro Paulino Martins.

Museus
Teatros
Cinema
  • Multiplex Palladium
  • Lumière Cinemas Shopping Total
Galerias de arte
Bibliotecas

EsportesEditar

O ginásio de esportes para portadores de necessidades especiais de Ponta Grossa representa o único do gênero na América Latina, com uma pista de atletismo especialmente adaptada. A Apedef, associação ponta-grossense de esportes para deficientes, mantém o time de basquete para cadeirantes. A equipe ganhou prata no primeiro Campeonato Paranaense da modalidade.

Ponta Grossa é detentora de tricampeonato no tênis de campo, nos Jogos Abertos do Paraná; também possui boa representação no tênis de mesa.

Em 2008 Ponta Grossa conquistou a quinta colocação geral entre todos os municípios nos Jogos da Juventude do Paraná. A cidade sagrou-se campeã no handebol feminino e no voleibol masculino; e primeiro lugar na classificação geral de xadrez (Thiago Crema). O evento JEM - Jogos Estudantis Municipais - já conta mais de vinte edições, sendo organizado pela Secretaria Municipal de Esportes e Recreação. Reúne centenas de jovens e crianças e tem um papel importante para divulgar a diversidade de esportes e incentivar talentos.

O Clube de Tiro de Ponta Grossa conta com um pentacampeão nacional (Nilton Fior). Recentemente a cidade patrocinou um atleta a competir para o índice do Mundial Paraolímpico de tiro (Carlos Garletti).

A cidade possui uma piscina olímpica, no clube Operário, além de piscinas na UTFPR e na UEPG aonde acontecem torneios regularmente. O torneio OFEC do Operário realizado pela segunda vez em 2009 incluiu todas as faixas etárias e nadadores federados.

O Jockey Club ponta-grossense realiza diversas provas anualmente; a mais importante é o Grande Prêmio Cidade de Ponta Grossa, no segundo semestre. O percurso tem 2100 metros de extensão.

A cidade tem uma atividade muito forte de ciclismo. Além de paisagens extraordinárias que tornam o esporte muito atrativo, o relevo da região é especialmente propício. As variações de relevo tornam a prática muito dinâmica e desafiadora. Uma equipe oficial está sendo formada pela Secretaria de Esportes no ano de 2009.

O Ponta Grossa Golf Club representa mais uma alternativa de esporte na cidade e realiza torneios periodicamente. O Rugby também é representado por um time, criado recentemente.

No futebol, a principal equipe é o Operário Ferroviário Esporte Clube (OFEC), segundo mais antigo em atividade do Paraná. O clube é conhecido como "O Fantasma", pois assombrava os times da capital durante parte do século XX. A equipe ficou com o vice-campeonato na Divisão de Acesso em 2009 do Campeonato Paranaense de Futebol, retornando para a primeira divisão e campeão estadual em 2015, em 2017 sagrou-se Campeão Brasileiro da Serie "D".

O município conta com diversos estádios: Estádio Germano Krüger, do Operário Ferroviário Esporte Clube, em Oficinas; Estádio Dr. Joaquim de Paula Xavier, do Guarani Esporte Clube, na Vila Estrela; Estádio André Mulaski, do Olinda Esporte Clube, em Olarias; Estádio Senador Flávio Carvalho Guimarães, do Palmeiras Esporte Clube, nas Orfãs; Estádio Comendador Miró de Freitas, do América Pontagrossense Futebol Clube, na Nova Rússia; Estádio João Leocádio Fagundes, do Santa Paula Esporte Clube, no Santa Paula; Estádio Dr. Nilton Salles Rosa, do União Campo Alegre Esporte Clube, em Uvaranas; e o Estádio Arthur Oberg, no distrito de Guaragi. São ainda utilizados pelo futebol menor da cidade os campos da AABB, e da Kurashiki.

No passado também participaram do Campeonato Paranaense de Futebol o Guarani Sport Club,[42] Ponta Grossa Esporte Clube,[43] e Associação Pontagrossense de Desportos.[44]

SegurançaEditar

Ponta Grossa foi considerada a 19ª cidade mais segura do Brasil,[45] segundo dados do Ipea de 2005, mas atualmente o índice de estupros e pedofilia continua aumentando, com risco de homicídio de 24,06 para cada 100 mil habitantes. Posteriormente, em 2007, foi registrado que o risco de homicídio tinha caído para 8,6 homicídios para 100 mil habitantes. Foram contabilizados nesse ano 33 assassinatos na cidade, com taxa de elucidação de 95%.[46] Porém, estatísticas do Mapa da Violência do Instituto Sangari, mostram que o risco de homicídio para cada 100 mil habitantes que era de 14,6 em 2000 passou para 26,6 em 2010, representando um aumento de 82,19% nestes 10 anos.[47]

A cidade dispõe dos serviços da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal, da Polícia Militar, da Polícia Civil, e da Guarda Municipal.

O município é sede do Primeiro Batalhão de Polícia Militar, e conta o policiamento rodoviário, policiamento de trânsito, e o patrulhamento escolar comunitário.[48] A Polícia Civil atende a 13ª Subdivisão Policial, quatro distritos policiais e as delegacias especializadas da Delegacia da Mulher, Delegacia do Adolescente e Delegacia Antitóxicos.[49] A Autarquia Municipal de Trânsito e Transporte (AMTT) é o órgão responsável pelo Agentes Municipais de Trânsito, e a Secretaria Municipal de Cidadania e Segurança Publica é a responsável pela Guarda Municipal e PROCON.

Instituições religiosasEditar

  • Casas espíritas
  • SEFAN - Sociedade Espírita Francisco de Assis de Amparo aos Necessitados
  • Associação Assistencial Espírita Messe de Amor
  • Casa Assistencial Espírita Nosso Lar
  • Casa Transitória Fabiano de Jesus
  • Centro de Estudos e Assistência Espiritual André Luiz
  • Centro de Estudos e Assistência Espiritual Maria Dolores
  • Centro Espírita Fraternidade
  • Centro Espírita Obreiros do Evangelho
  • Centro Espírita Paz, Amor e Caridade
  • Centro Espírita União e Humildade
  • Fundação Educacional Pestalozzi
  • Organização Espírita Cristã Irmã Scheilla
  • Casa de Repouso Espírita Paulo de Tarso
  • Centro Espírita Perdoai
  • Centro Espírita Cisco de Deus
  • Paróquias católicas
  • Santa Rita de Cássia (Ronda)
  • N. Sra. de Guadalupe (Santa Paula)
  • São Pedro Apóstolo (Sabará)
  • São Jorge (Madureira)
  • São Sebastião (Nova Rússia)
  • São Judas Tadeu (Olarias)
  • Senhor Bom Jesus (Uvaranas)
  • N. Sra. Auxiliadora (Uvaranas)
  • Imaculada Conceição (Uvaranas)
  • Sant'Ana (catedral) (Centro)
  • São José (Órfans)
  • N. Sra. do Rosário (Centro)
  • N. Sra. do Pilar (Palmeirinha)
  • N. Sra. Medianeira (Boa Vista)
  • N. Sra. do Perpétuo Socorro (Órfans)
  • Santo Antônio (Jardim Carvalho)
  • N. Sra. de Fátima (Oficinas)
  • São Cristóvão (Oficinas)
  • N. Sra. da Saúde (Oficinas)
  • Santa Teresinha (Oficinas)
  • N. Sra. de Monte Claro (Colônia Dona Luiza)
  • Espírito Santo (Colônia Dona Luiza)
  • Comunidades evangélicas
  • Igreja Bíblica da Graça -Ministério da Graça no Brasil
  • Igreja Bíblica do Paraná - GIM Mission
  • Igreja Cristã Renovo
  • Igreja do Evangelho Quadrangular
  • Igreja Pentecostal Renascidos em Jesus
  • Comunhão Cristã ABBA
  • Igreja Bola de Neve
  • Comunidade Alcance Ponta Grossa
  • Comunidade Cristã de Ponta Grossa
  • Comunidade Cristã Hebrom
  • Comunidade Evangélica Integrada da Amazônia - CEIA
  • Congregação Cristã no Brasil
  • Igreja Cristã Presbiteriana
  • Igreja Evangélica Assembleia de Deus
  • Igreja Evangélica Cristianismo Decidido
  • Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil - IECLB
  • Igreja Evangélica Luterana do Brasil - IELB
  • Igreja Pentecostal Deus é Amor
  • Igreja Pentecostal do Evangelho Puro
  • Igreja Presbiteriana do Jardim Carvalho
  • Igreja Presbiteriana Hebrom
  • Igreja Universal do Reino de Deus (IURD)
  • Igreja Internacional da Graça de Deus
  • Igreja Cristã Raiz de Davi
  • Primeira Igreja Presbiteriana de Ponta Grossa (PIPPG)
  • Outras Comunidades Cristãs
  • Igreja Adventista do Sétimo Dia
  • Igreja Adventista da Promessa
  • Igreja Metodista em Ponta Grossa
  • A Igreja De Jesus Cristo Dos Santos Dos Últimos Dias
  • Igreja Católica Bizantina Russa
  • Primeira Igreja Presbiteriana de Ponta Grossa
  • Igreja Evangélica Eterna Aliança

Cidades-irmãsEditar

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. «Área Territorial Brasileira - PONTA GROSSA». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2016. Consultado em 14 de setembro de 2017 
  3. a b «Paraná » Ponta Grossa»  Estimativa populacional 2017 IBGE - acessado em 6 de setembro de 2017
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 2 de fevereiro de 2015 
  5. a b «Produto interno bruto dos municípios - 2014»  Site IBGE - acessado em de julho de 2017
  6. a b c d e f g h i j k l m n o p q r FERREIRA, João Carlos Vicente (1996). O Paraná e seus municípios. Maringá: Editora Memória Brasileira. 535 páginas 
  7. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t FERREIRA, João Carlos Vicente (1996). O Paraná e seus municípios. Maringá: Editora Memória Brasileira. 536 páginas 
  8. «Os Estrangeiros no Povoamento». Site Oficial da Diocese de Ponta Grossa. Consultado em 20 de outubro de 2010 
  9. Melo,M.S.; Bosetti,E.P.; Godoy,L.C.; Pilatti,F. 1999. Vila Velha. In: Schobbenhaus,C.; Campos,D.A.; Queiroz,E.T.; Winge,M.; Berbert-Born,M. (Edit.) Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. Publicado na Internet em 18/11/1999 no endereço http://www.unb.br/ig/sigep/sitio029/sitio029.htm
  10. BATISTA, Maristela Iurk. «ESCOLA PROFISSIONAL FERROVIÁRIA CEL. TIBÚRCIO CAVALCANTI DE PONTA GROSSA: (1940 – 1973) UM MODELO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE» (PDF). História, Sociedade e Educação no Brasil. Consultado em 21 de outubro de 2010 
  11. «A era vargas» (PDF). Supletivo Unicanto. Consultado em 26 de outubro de 2010 
  12. a b c FERREIRA, João Carlos Vicente (1996). O Paraná e seus municípios. Maringá: Editora Memória Brasileira. 537 páginas 
  13. CELEPAR. «Classclim_apresentacao - Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR». www.iapar.br. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  14. CELEPAR. «class_clim - Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR». www.iapar.br. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  15. CELEPAR. «pgrossa_tempmax - Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR». www.iapar.br. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  16. «Clima: Ponta Grossa - Gráfico climático, Gráfico de temperatura, Tabela climática - Climate-Data.org». pt.climate-data.org. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  17. GALVANI, EMERSON. «Unidades Climática Brasileiras» (PDF). Emerson Galvani - Universidade de São Paulo. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  18. «Grupos organizam ações para ajudar moradores de rua». diariodoscampos.com.br 
  19. CELEPAR. «horas frio ponta grossa 2017 - Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR». www.iapar.br. Consultado em 12 de setembro de 2017 
  20. O dia começou com neve em Ponta Grossa - G1 Paraná - Paraná TV 1ª Edição - Vídeos - Catálogo de Vídeos, consultado em 12 de setembro de 2017 
  21. «Onda de frio de Julho/1981». meteobrasil.catch-forum.org 
  22. «Neve de 1975. Uma surprêsa agradável.». As 5 mais do Capitão 
  23. CRUZ, GILSON CAMPOS FERREIRA DA (26 de novembro de 2009). «Clima urbano em Ponta Grossa - PR: uma abordagem da dinâmica climática em cidade média subtropical brasileira». Universidade de São Paulo. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  24. a b «BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Mínima (°C) - Ponta Grossa». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 20 de julho de 2015 
  25. a b «BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Máxima (°C) - Ponta Grossa». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 20 de julho de 2015 
  26. «BDMEP - Série Histórica - Precipitação (mm) - Ponta Grossa». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 20 de julho de 2015 
  27. «BDMEP - Série Histórica - Dados Horários - Umidade Relativa (%) - Ponta Grossa». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 20 de julho de 2015 
  28. «Médias Históricas de Ponta Grossa». Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  29. «Temperatura Média Compensada (°C)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 31 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  30. «Temperatura Máxima (°C)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 31 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  31. «Temperatura Mínima (°C)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 31 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  32. «Precipitação Acumulada Mensal e Anual (mm)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 31 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  33. «Número de Dias com Precipitação Maior ou Igual a 1 mm (dias)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 31 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  34. «Insolação Total (horas)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 31 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  35. «Umidade Relativa do Ar Média Compensada (%)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 31 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  36. «Políticas públicas e arroios urbanos em Ponta Grossa/Paraná: uma análise a partir dos planos diretores.». UEPG. 2010 
  37. «A cidade». Fundação Municipal de Turismo. Consultado em 9 de fevereiro de 2015 
  38. Anuário Expressão 2006. [1]
  39. [2]
  40. «Perfil da Cidade». pr.gov.br 
  41. http://sistemasenem4.inep.gov.br/enemMediasEscola
  42. «1967». www.rsssfbrasil.com 
  43. «Paran� State 1994 - Second Level». www.rsssfbrasil.com 
  44. «Paraná Championship 1973». www.rsssfbrasil.com 
  45. «Sociedade». revistaepoca.globo.com 
  46. Jornal da Manhã - Número de homicídios diminui em PG
  47. Revista Os Novos Padrões da Violência Homicida no Brasil
  48. http://jmnews.com.br/?acao=ler&id_nots=14697&pagina=Plant%C3%A3o&cat=18 Jornal da Manhã - Polícia Militar lança o Batalhão de Patrulha Escolar Comunitária
  49. http://www.policiacivil.pr.gov.br/modules/listatelefonica/index.php?pagina=22&opcao=&ordenacao=titulo&tipo_ordem=ASC&filtroTitulo=&categoria_filtro=-1&filtroDataIni=1181679902&filtroDataFim=1210021245 Polícia Civil - Unidades por cidade
  50. «Literature Study Guides - By Popularity - eNotes.com». eNotes 
  51. imprensa. «Wosgrau recebe comitiva de Jiaxing». www.pontagrossa.pr.gov.br 

Ligações externasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Definições no Wikcionário
  Categoria no Commons