Estação Ferroviária de Portimão

estação ferroviária em Portugal
(Redirecionado de Estação de Portimão)

A Estação Ferroviária de Portimão é uma interface da Linha do Algarve, que serve a localidade de Portimão, no Distrito de Faro, em Portugal.

Portimão
dístico de Portimão, em 2014
Identificação:[1] 90290 PAO (Portimão)
Denominação: Estação Satélite de Portimão
Administração: Infraestruturas de Portugal (sul)[2]:3.3.3.2
Classificação: ES (estação satélite)[3][4]
Tipologia: C [2]5.3.1.1
Linha(s): Linha do Algarve (PK 330,281)
Altitude: 10 m (a.n.m)
Coordenadas: 37°8′40.71″N × 8°32′15.01″W

(≍+37.14464;−8.5375)

(mais mapas: 37° 08′ 40,71″ N, 8° 32′ 15,01″ O)
Concelho: bandeiraPortimão
Serviços:
Estação anterior Comboios de Portugal Comboios de Portugal Estação seguinte
Estômbar
Faro
  R
Algarve
  Mexil.Grande
Lagos

Conexões:
Ligação a autocarros
107 110 113 13 14 31 32 37 52
Serviço de táxis
PTM
Equipamentos: Bilheteiras e/ou máquinas de venda de bilhetes Lavabos Bar ou cafetaria Lavabos adaptados Acesso para pessoas de mobilidade reduzida Sala de espera
Inauguração: 30 de julho de 1922 (há 100 anos)
Website:
Exterior da estação de Portimão, em 2012.

Características e serviçosEditar

 
Táxis no exterior da estação de Portimão, em 2012.

LocalizaçãoEditar

Esta gare situa-se junto ao Largo Engenheiro Serra Prado, na localidade de Portimão.[5][6] A estação tem uma praça de táxis no seu exterior[7] e várias carreiras de autocarros têm paragem a uma distância de cerca de 200 m.[8]

 
Estação de Portimão, em 2017.

Vias e plataformasEditar

Em 2004, esta estação tinha a tipologia D da Rede Ferroviária Nacional e duas vias de circulação[9], tendo cada uma, em 2009, 347 m de extensão; eram servidas por duas plataformas, tendo uma 132 m de extensão e 55 cm de altura, e a segunda, 103 m de extensão e 45 cm de altura.[10] Em Janeiro de 2011, as duas vias de circulação já tinham sido ambas aumentadas para 354 m de comprimento; a primeira plataforma passou a ter 154 m de extensão e 45 cm de altura, enquanto que a segunda foi alterada para 160 m de comprimento e 40 cm de altura.[11]

Edifício da estaçãoEditar

O edifício principal da estação apresenta um traço simples, revestido de lambril de azulejos com decoração vegetalista.[12] O interior do edifício encontra-se revestido por um lambril de azulejos de pó-de-pedra, com meio relevo, do estilo típico da Arte Nova.[12] Estes azulejos, de padrão, são rematados por um friso próprio e placas onduladas.[12] O conjunto interior, de estilo policromático, encontra-se coberto por um vidrado, de modo a lhe conferir um brilho vistoso.[12]

HistóriaEditar

 Ver artigo principal: História da Linha do Algarve

Construção do Ramal de PortimãoEditar

Em 1 de Julho de 1889, é inaugurada a ligação ferroviária do Barreiro a Estação Ferroviária de Faro via Beja, pela então denominada Linha do Sul.[13] Para servir a localidade de Portimão, começou-se a construir um ramal a partir da Estação de Tunes, que foi aberto em troços sucessivos, tendo a via férrea chegado a Algoz em 10 de Julho de 1889, e a Silves em 1 de Fevereiro de 1902.[14]

A construção do Ramal de Portimão foi terminada com a abertura do troço entre Silves e a estação provisória de Portimão, em 15 de Fevereiro de 1903.[15] Devido ao difícil relevo naquela zona, a linha manteve-se sempre a Sul do Rio Arade, pelo que a estação original de Portimão situava-se na margem esquerda, em Ferragudo.[14]

 
Construção da estação de Portimão.

Construção da ligação ferroviária até LagosEditar

Em 20 de Março de 1900, o engenheiro António da Conceição Parreira planeou a continuação do Ramal de Portimão, a partir de Ferragudo, até Lagos, que incluía a instalação de uma nova estação de Portimão, na margem direita do Rio Arade.[14] No entanto, a construção foi sendo progressivamente adiada, devido à sua reduzida importância em relação a outros projectos de caminhos de ferro em Portugal, e aos elevados custos de construção da ponte sobre o Arade, entre outros factores.[15]

Devido a pressão popular[16], em 30 de Julho de 1922 foi inaugurado o troço até Lagos[15], incluindo uma nova gare ferroviária junto à localidade de Portimão.[17][17] A antiga interface passou a denominar-se Ferragudo - Parchal.[17]

A estação nos primeiros anosEditar

Em 1918, existiam serviços de diligências ligando a estação de Portimão às Caldas de Monchique.[18]

Em 1926, foi montada uma marquise metálica sobre a gare em frente ao edifício principal, melhoramento que tinha sido pedido pelos passageiros desde a sua inauguração.[12] Os passageiros desta estação queixaram-se da lentidão e atrasos constantes dos serviços, desde a sua abertura, pelo que em Fevereiro de 1929 passou a circular diariamente um serviço rápido.[19] Em 1934, a Comissão Administrativa do Fundo Especial de Caminhos de Ferro aprovou obras de rebaixamento das linhas II e III desta estação.[20]

 
Gare de Portimão decorada no âmbito das comemorações do final da Segunda Guerra Mundial, em 1945.

Esta estação é a última das quatro referidas por Fernando Pessoa no seu poema “Anti-Gazetilha” (Sol 1926.11.13; mais tarde incluída como “O Comboio Descendente” em numerosas antologias e musicada nos anos 1980 por Zé Mário Branco), que descreve um sinuoso e improvável «comboio descendente» que segue de «Queluz à Cruz Quebrada», «da Cruz Quebrada a Palmela», e «de Palmela a Portimão».[21][22]

Durante o século XX, a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses organizou várias excursões até à Praia da Rocha, sendo o transporte feito de comboio até à estação de Portimão; quando os excursionistas chegavam à estação, eram recebidos com vários festejos.[23] A frequência destas excursões aumentou consideravelmente após 1934.[23] Em 1945, o edifício principal da estação foi decorado, para comemorar o fim da Segunda Guerra Mundial.[24]

Até à construção do Jardim de Sárrea Prado, em 1947, os terrenos em redor da estação constituíam um espaço alagadiço e insalubre.[24] Durante o século XX, esta estação foi utilizada para embarcar cortiça, em grandes quantidades.[25] Junto à estação existiam dois depósitos de petróleo, abastecidos pelos comboios, onde os vendedores ambulantes iam buscar este combustível, para o distribuírem.[24]

 
Antigos armazéns da estação, em 2015.

Século XXIEditar

Durante a Festa do Basquetebol Juvenil em Portimão, em Março de 2008, várias equipas desembarcaram na estação de Portimão. [26] Nesse ano, a autarquia de Portimão estava a planear a substituição da estação por uma nova gare rodo-ferroviária, que resolvesse os problemas de funcionalidade e conforto, especialmente em termos da altura das plataformas, que dificultavam o acesso a pessoas de mobilidade reduzida.[27]

 
Comboio especial do Basquetebol em Portimão, em 2008.

Em Outubro de 2009, a empresa Comboios de Portugal disponibilizou transporte gratuito de todas as estações e apeadeiros no Algarve até Portimão, para participarem na mamaratona, um evento desportivo de beneficência.[28]

Ver tambémEditar

Referências

  1. (I.E.T. 50/56) 56.º Aditamento à Instrução de Exploração Técnica N.º 50 : Rede Ferroviária Nacional. IMTT, 2011.10.20
  2. a b Diretório da Rede 2021. IP: 2019.12.09
  3. Instrução de exploração técnica nº 2 : Índice dos textos regulamentares em vigor. IMTT, 2012.11.06
  4. Instrução de Exploração Técnica N.º 50. INTF («Entrada em vigor 11 de Dezembro de 2005»): p.5
  5. «Portimão». Comboios de Portugal. Consultado em 27 de Julho de 2016 
  6. «Portimão - Linha do Algarve». Infraestruturas de Portugal. Consultado em 27 de Julho de 2016 
  7. Página oficial (C.P.)
  8. OpenStreetMaps / FissGIS. «Cálculo de distância pedonal». Consultado em 7 de abril de 2022 
  9. «Classificação de Estações e Apeadeiros de acordo com a sua utilização». Directório da Rede Ferroviária Portuguesa 2005. Rede Ferroviária Nacional. 13 de Outubro de 2004. p. 81-83 
  10. «Linhas de Circulação e Plataformas de Embarque». Directório da Rede 2010. Rede Ferroviária Nacional. 22 de Janeiro de 2009. p. 67-90 
  11. «Linhas de Circulação e Plataformas de Embarque». Directório da Rede 2012. Rede Ferroviária Nacional. 6 de Janeiro de 2011. p. 71-85 
  12. a b c d e VENTURA, 1993:92
  13. SANTOS, 1997:181
  14. a b c «Silves a Portimão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 16 (361). 1 de Janeiro de 1903. p. 3-4. Consultado em 18 de Julho de 2012 
  15. a b c TORRES, Carlos Manitto (1 de Fevereiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1683). p. 76-78. Consultado em 7 de Fevereiro de 2014 
  16. VASQUES, José. «A Meia Praia». Centro de Estudos Marítimos e Arqueológicos de Lagos. Consultado em 26 de Fevereiro de 2010. Arquivado do original em 5 de setembro de 2014 
  17. a b c CABRITA, Aurélio (13 de Setembro de 2007). «Recordar a Inauguração do Ramal de Caminho de ferro de Silves a Portimão». Barlavento Online. Consultado em 21 de Fevereiro de 2010. Arquivado do original em 21 de dezembro de 2009 
  18. «Thermas Portuguesas: As Caldas de Monchique». Revista de Turismo. Ano III (70). Lisboa. 20 de Maio de 1919. p. 173-174. Consultado em 25 de Janeiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  19. DUARTE, 2003:182
  20. «Conselho Superior de Caminhos de Ferro» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 46 (1113). 1 de Maio de 1934. p. 248. Consultado em 24 de Abril de 2013 
  21. Jerónimo Pizarro: “Sobre a primeira gazetilha de Álvaro de CamposPessoa Plural 1: 320-334. ISSN 2212-4179
  22. Alice Áurea Penteado Martha: “Fernando Pessoa e Cecília Meireles: o encontro entre poesia e criançaEspéculo : Revista de estudios literarios (Universidad Complutense de Madrid) 30
  23. a b DUARTE, 2003:177
  24. a b c VENTURA, 1993:93
  25. CAVACO, 1976:369
  26. PIRES, Edgar (25 de Março de 2008). «Festa do Basquetebol juvenil em Portimão». Região Sul. Consultado em 28 de Fevereiro de 2010. Arquivado do original em 21 de fevereiro de 2014 
  27. «Relatório de Análise e Diagnóstico – Município de Portimão» (PDF). Lisboa: Laboratório Nacional de Engenharia Civil. Fevereiro de 2008. Consultado em 27 de Julho de 2016. Arquivado do original (PDF) em 4 de outubro de 2009 
  28. «Esperadas 2500 pessoas na Mamamaratona 9 na Zona Ribeirinha de Portimão». Região Sul. 15 de Outubro de 2009. Consultado em 26 de Fevereiro de 2010. Arquivado do original em 25 de setembro de 2013 
 
Pormenor dos azulejos da estação.

BibliografiaEditar

  • CAVACO, Carminda (1976). O Algarve Oriental: As Vilas, O Campo e o Mar. II. Faro: Gabinete de Planeamento da Região do Algarve. 492 páginas 
  • DUARTE, Maria (2003). Portimão: Industriais Conserveiros na Primeira Metade do Século XX. Lisboa: Edições Colibri. 232 páginas 
  • SANTOS, Luís (1997). Faro: um Olhar sobre o Passado Recente (Segunda Metade do Século XIX). Faro: Câmara Municipal. 201 páginas 
  • VENTURA, Maria da Graça Mateus; MARQUES, Maria da Graça Maia (1993). Portimão. Lisboa: Editorial Presença. 130 páginas. ISBN 972-23-1710-5 
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre a Estação de Portimão

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.