Fernando Torres (ator)

1929-2008 ator brasileiro de teatro, novelas, televisão e cinema
Fernando Torres
O ator, em cena do filme O Descarte (1973)
Nome completo Fernando Monteiro Torres
Nascimento 14 de novembro de 1927
Guaçuí, ES
Nacionalidade brasileiro
Morte 4 de setembro de 2008 (80 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Ocupação Ator, diretor e produtor
Cônjuge Fernanda Montenegro (1952–2008)

Fernando Monteiro Torres (Guaçuí, 14 de novembro de 1927Rio de Janeiro, 4 de setembro de 2008) foi um ator, diretor e produtor brasileiro de teatro, cinema e televisão. Torres era casado desde 1952 com a atriz Fernanda Montenegro, com quem teve dois filhos: O cineasta Cláudio Torres e a atriz Fernanda Torres.[1]

BiografiaEditar

Fernando Torres era filho de uma família tradicional e histórica para a pequena Guaçuí. Seu pai Manuel Monteiro Torres foi o primeiro prefeito da cidade, sendo uma personagem importante para a história do município. Hoje na sede da prefeitura de Guaçuí é possível ver uma foto da família do primeiro prefeito, na qual Fernando Torres aparece ainda criança.

Fernando Monteiro Torres era formado em medicina, mas, desde cedo, sua grande paixão foi o teatro, onde atuou, produziu e dirigiu diversas peças, além de ter participado de dezenove filmes e várias novelas. Na TV brilhou ao interpretar o médico aposentado Plínio Miranda na novela Baila Comigo, de Manoel Carlos e o sábio e misterioso Tio Romão da novela Amor com Amor se Paga, de Ivani Ribeiro. Sua última participação foi em Laços de Família, escrita pelo antigo amigo Manoel Carlos, vivendo Aléssio Lacerda, pai de Helena (Vera Fischer) e Íris (Deborah Secco), que falece no início da trama, em cenas emocionantes.

Iniciou sua carreira de ator teatral aos 22 anos, com a peça A Dama da Madrugada (La dama del alba), de Alejandro Casona. Como diretor, sua primeira montagem foi Quartos Separados (1958), com o Teatro Brasileiro de Comédia.

Em 1959 fundou o Teatro dos Sete, juntamente com Fernanda Montenegro, Sérgio Britto, Ítalo Rossi e Gianni Ratto. Em 1961 foi premiado como diretor revelação por sua montagem de O Beijo no Asfalto, de Nelson Rodrigues. O teatro municipal da cidade de Guaçuí no Espírito Santo leva o nome de Fernando Torres em homenagem ao filho mais ilustre do município, tendo em seu salão principal as assinaturas de Fernando Torres e Fernanda Montenegro. A cidade de São Paulo também conta com um Teatro Fernando Torres que se localiza no bairro do Tatuapé.

Morreu em sua casa, no Rio de Janeiro, na tarde do dia 4 de setembro de 2008, vítima de enfisema pulmonar.

Em 2017, foi homenageado com a inauguração de um largo com seu nome no bairro de Ipanema.[2]

CarreiraEditar

TelevisãoEditar

Como ator
Ano Título Papel
1963 A Morta Sem Espelho
1963 Pouco Amor Não É Amor
1964 Vitória
1969 Dez Vidas Cláudio Manoel da Costa
1970 A Gordinha Paulo Torres (PT)
1970 Simplesmente Maria
1981 Baila Comigo Plínio Miranda
1981 Terras do Sem-Fim Carlos Zude
1982 Sétimo Sentido Harold Bergman
1983 Louco Amor Alfredo
1984 Amor Com Amor se Paga Tio Romão
1997 Zazá como Brigadeiro
2000 Laços de Família Aléssio Lacerda
Como diretor
Ano Título
1963 A Morte sem Espelho
1963 Pouco Amor não É Amor
1964 Coração
1964 O Desconhecido
1965 Paixão de Outono
1968 Ana
1971 Minha Doce Namorada (telenovela)

CinemaEditar

Como ator
Ano Título Papel
1949 A Mulher de Longe de Lúcio Cardoso
1951 La Duquesa del Tepetate
1953 Estrella sin luz
1966 Engraçadinha Depois dos Trinta de J. B. Tanko
1967 Em Busca do Tesouro
1967 Jerry - a grande parada
1969 A Penúltima Donzela
1969 Golias Contra o Homem das Bolinhas
1971 Matei Por Amor
1972 Eu Transo...Ela Transa
1972 Os Inconfidentes
1973 O Descarte
1973 Missa do Galo Marido[3]
1976 Marília e Marina
1978 Tudo Bem de Arnaldo Jabor
1983 Inocência
1985 O Beijo da Mulher Aranha
1994 Veja Esta Canção de Cacá Diegues
1997 A Ostra e o Vento de Walter Lima Jr.
1998 Ação Entre Amigos
2004 Redentor

Referências

Ligações externasEditar