Abrir menu principal

Audrey Hepburn

Atriz britânica
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página está em processo de expansão ou reestruturação durante um curto período.
Isso significa que o conteúdo está instável e pode conter erros que estão a ser corrigidos. Por isso, não convém editar desnecessariamente ou nomear para eliminação durante esse processo, para evitar conflito de edições; ao invés, exponha questionamentos na página de discussão. Caso a última edição tenha ocorrido há vários dias, retire esta marcação.
Audrey Hepburn
Hepburn em 1959
Nascimento Audrey Kathleen Ruston
4 de maio de 1929
Ixelles; Bruxelas; Bélgica
Morte 20 de janeiro de 1993 (63 anos)
Tolochenaz; Vaud; Suíça
Nacionalidade britânica
Progenitores Mãe: Ella van Heemstra
Pai: Joseph Victor Anthony Ruston
Parentesco
  • Baron Aarnoud van Heemstra
    (avô materno)
  • Emma Ferrer
    (neta)
Cônjuge
  • Mel Ferrer
    (c. 1954; div. 1968)
  • Andrea Dotti
    (c. 1969; div. 1982)
  • Robert Wolders
    (c. 1980; morte dele 1993)
Filho(s) 2
Ocupação
Causa da morte pseudomixoma peritoneal
Assinatura
Audrey Hepburn signature.svg
Página oficial
audreyhepburn.com

Audrey Hepburn (nascida Audrey Kathleen Hepburn-Ruston; Bruxelas, 4 de maio de 1929 — Tolochenaz, 20 de janeiro de 1993)[1] foi uma atriz e humanitária britânica. Nascida em Ixelles, Bruxelas, passou a infância entre a Bélgica, a Inglaterra e a Holanda. Em Amsterdã, estudou balé com Sonia Gaskell; posteriormente, em 1948, mudou-se para Londres, onde continuou suas aulas de dança. Hepburn começou a apresentar-se como corista em produções musicais de teatro do West End. Após pequenas aparições em vários filmes, ela estrelou na Broadway em 1951 na peça Gigi depois de ter sido descoberta pela romancista francesa Colette, em cujo trabalho a peça foi baseada.

Ela chegou ao estrelato depois de ter interpretado o papel principal em Roman Holiday (1953), pelo qual ganhou o BAFTA, Globo de Ouro, New York Film Critics Circle e o Oscar na categoria de Melhor Atriz, tornando-se a primeira atriz a vencer os prêmios supracitados em uma única performance. Naquele mesmo ano, Hepburn ganhou o Prêmio Tony de Melhor Atriz Principal em Peça por sua atuação em Ondine. Sua segunda indicação ao Oscar de Melhor Atriz veio com seu filme seguinte, Sabrina (1954). Ela passou a estrelar uma série de filmes naquela década, como War and Peace (1956), Funny Face (1957), Green Mansions e The Nun's Story (ambos de 1959), tendo sido nomeada ao Oscar e ao Globo de Ouro e vencido o BAFTA e New York Film Critics Circle de Melhor Atriz por este último.

Em 1961, Hepburn estrelou seu papel mais conhecido: Holly Golightly, em Breakfast at Tiffany's, pelo qual recebeu sua quarta indicação ao Oscar de Melhor Atriz e foi nomeada ao Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical. Em seguida, protagonizou Charade (1963), My Fair Lady (1964), How to Steal a Million (1966) e Wait Until Dark (1967), este lhe rendeu novamente indicações ao BAFTA, Globo de Ouro, New York Film Critics Circle e ao Oscar. A partir da década de 1970, Hepburn apareceu em menos filmes, dedicando grande parte dessa fase de sua vida à UNICEF. Ela contribuiu para a organização desde 1954, depois trabalhou em algumas das comunidades mais pobres da África, América do Sul e Ásia entre 1988 e 1992. Recebeu a Medalha Presidencial da Liberdade em reconhecimento ao seu trabalho como Embaixadora da Boa Vontade da UNICEF em dezembro de 1992. Em 20 de janeiro de 1993, aos 63 anos de idade, a atriz morreu na cidade de Tolochenaz, Suíça,[2] em virtude de um câncer de apêndice.

Em reconhecimento à sua carreira cinematográfica, ela ganhou uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood — que homenageou a sua dedicação e contribuição ao cinema mundial — e recebeu o Prêmio Lifetime Achievement do BAFTA, Prêmio Cecil B. DeMille, o Screen Actors Guild Life Achievement e o Prêmio Especial Tony. Foi a quinta artista, a terceira mulher, e continua sendo uma das 15 pessoas a conseguir ganhar as quatro principais premiações do entretenimento americano, o EGOT — acrônimo de Emmy, Grammy, Oscar e Tony.[3] Reconhecida como um ícone de cinema, estilo e moda, Hepburn foi classificada pelo American Film Institute a terceira maior atriz da Era de Ouro de Hollywood.[4]

Primeiros anos

Família e infância (1929–1938)

Audrey Hepburn, nome de nascimento: Audrey Kathleen Ruston,[5] nasceu em 4 de maio de 1929, em Ixelles, Bruxelas, Bélgica.[6] Seu pai, Joseph Victor Anthony Ruston (21 de novembro de 1889 – 16 de outubro de 1980), um britânico nascido em Auschwitz, Bohemia, Áustria-Hungria,[7][nota 1] era filho de Victor John George Ruston, de ascendência britânica e austríaca,[8] e Anna Wels, de ascendência austríaca.[9] Em 1923–24, Joseph havia sido um cônsul britânico honorário em Semarang nas Índias Orientais Holandesas,[10] e, antes de se casar com a mãe de Hepburn, ele havia se casado com Cornelia Bisschop, uma herdeira holandesa.[7][11] Apesar de ter nascido com o sobrenome Ruston, ele mais tarde canalizou seu nome para o mais "aristocrático" Hepburn-Ruston, erroneamente acreditando ser descendente de James Hepburn, terceiro marido de Mary, rainha dos escoceses.[8][11]

 
O avô de Hepburn, Aarnoud van Heemstra, era o governador da colônia holandesa do Suriname. Na foto, ele está ao lado de habitantes locais.

A mãe de Audrey, Ella van Heemstra (12 de junho de 1900 – 26 de agosto de 1984), era uma nobre holandesa filha do barão Aarnoud van Heemstra, que foi prefeito de Arnhem de 1910 a 1920 e governador do Suriname holandês de 1921 a 1928, e da baronesa Elbrig Willemine Henriette van Asbeck (1873–1939).[12] Na idade de dezenove anos, Ella casou-se com Jonkheer Hendrik Gustaf Adolf Quarles van Ufford, um executivo de petróleo que trabalhava em Batávia, nas Índias Orientais Holandesas, onde viveram posteriormente.[13] Tiveram dois filhos, Jonkheer Arnoud Robert Alexander Quarles van Ufford (1920–1979) e Jonkheer Ian Edgar Bruce Quarles van Ufford (1924–2010), antes de se divorciarem em 1925.[11][14]

Os pais de Audrey Hepburn se casaram em Batavia em setembro de 1926.[13] Na época, Ruston trabalhava para uma empresa comercial; porém, logo após o casamento, o casal se mudou para a Europa, onde ele começou a trabalhar para uma empresa de empréstimos. Depois de um ano em Londres, eles se deslocaram para Bruxelas, onde ele foi designado para abrir uma filial da empresa.[13][15] Depois de três anos viajando entre Bruxelas, Arnhem, Haia e Londres, a família estabeleceu-se Linkebeek, Bruxelas, em 1932.[13][16] A infância de Hepburn foi protegida e privilegiada.[13] Como resultado de sua formação multinacional e de viajar com a família a diferentes lugares devido ao trabalho do pai,[17][nota 2] ela aprendeu cinco idiomas: holandês e inglês de seus pais e, posteriormente, vários graus de francês, espanhol e italiano,[18] além do alemão.[19]

Em meados da década de 1930, os pais de Hepburn angariaram doações para a União Britânica de Fascistas.[13] Joseph deixou repentinamente a família em 1935 e mudou-se para Londres, onde se envolveu fortemente em atividades fascistas e nunca visitou sua filha no exterior.[20] Ela, mais tarde, disse que a partida de seu pai "foi o evento mais traumático da minha vida".[13][21] Nesse mesmo ano, ela e sua mãe mudaram-se para a propriedade da família em Arnhem. Em 1937, elas se deslocaram para Kent, na Inglaterra, onde Hepburn foi educada em uma pequena escola privada em Elham.[22][23]

Os pais de Hepburn se divorciaram oficialmente em 1938. Na década de 1960, ela teve contato com o pai depois de tê-lo localizado em Dublin por intermédio da Cruz Vermelha; embora permanecesse emocionalmente desapegada, Hepburn o apoiou financeiramente até sua morte.[24]

Experiências durante a Segunda Guerra Mundial (1939–1945)

Depois que a Grã-Bretanha declarou guerra à Alemanha em setembro de 1939, a mãe de Hepburn a transferiu para Arnhem na esperança de que, tal-qualmente acontecera na Primeira Guerra Mundial, a Holanda continuasse neutra e fosse poupada de um ataque alemão. Enquanto esteve lá, Hepburn frequentou o Conservatório de Arnhem de 1939 a 1945. Ela começou a ter aulas de balé durante seus últimos anos no internato, e continuou treinando em Arnhem sob a tutela de Winja Marova, tornando-se sua "aluna estrela".[13] Depois que os alemães invadiram a Holanda em 1940, Hepburn adotou o nome Edda van Heemstra, porque um nome de "sonoridade inglesa" era considerado perigoso durante a ocupação alemã. Sua família foi profundamente afetada pela ocupação, e Hepburn mais tarde afirmou que "se tivéssemos sabido que seríamos ocupados por cinco anos, poderíamos ter atirado em nós mesmos. Achamos que poderia acabar na próxima semana... seis meses... no ano que vem... foi assim que passamos".[13] Em agosto de 1942, seu tio, magistrado Otto van Limburg Stirum (casado com a irmã mais velha de Ella, Guilhermina), foi um dos cinco cidadãos proeminentes executados por um pelotão de fuzilamento em retaliação a uma explosão de um trem alemão, destruído pela Resistência. Duas semanas depois, o meio-irmão mais novo de Hepburn, Ian van Ulfford, completou dezoito anos e foi convocado pela Alemanha Nazista para trabalhar em uma fabrica em Berlim por quatorze horas por dia;[25] seu outro meio-irmão, Alex, escondeu-se para evitar o mesmo destino, sendo este o último encontro entre Audrey, Ella e os garotos antes do final da guerra.[13] Posteriormente, em 1945, os quatro se reuniram novamente.[26]

"Nós vimos jovens sendo colocados contra a parede e [sendo] baleados. Eles fecharam a rua e depois a abriram, e tu podias passar de novo... Não deduza nada que tenhas ouvido ou lido sobre os nazistas. É pior do que tu poderias imaginar."[13]

—Hepburn sobre a ocupação nazista dos Países Baixos

A morte de Otto van Limburg Stirum fez com que Ella, Miesje e Hepburn deixassem Arnhem e fossem morar com o avô desta última, Barão Aarnoud van Heemstra, na vizinha Velp.[13] Naquela época, Hepburn realizou apresentações de dança sem músicas, a fim de arrecadar dinheiro para a resistência holandesa.[27] Há muito tempo acreditava-se que ela havia participado da resistência holandesa;[13] contudo, em 2016, o Museu Airborne 'Hartenstein' relatou que, após uma extensa pesquisa, não encontrou evidências de tais atividades.[28] No entanto, em 2018, no livro, Dutch Girl: Audrey Hepburn and World War II, o autor Robert Matzen alegou ter encontrado provas de que Hepburn apoiava diretamente a resistência.[29] Além de outros eventos traumáticos, ela testemunhou o transporte de judeus holandeses para campos de concentração, afirmando, posteriormente: "mais de uma vez eu estava na estação vendo trens de carga transportando judeus, vendo todos esses rostos por cima do vagão. Lembro-me, muito nitidamente, de um garotinho de pé na plataforma com os pais, muito pálido, muito loiro, com um casaco grande demais para ele, e entrou no trem. Eu era uma criança observando uma criança."[30]

Após o desembarque dos Aliados no Dia D, as condições de vida pioraram, e Arnhem foi severamente danificado durante a Operação Market Garden. Durante a fome holandesa que se seguiu no inverno de 1944, os alemães bloquearam as rotas de reabastecimento de alimentos e suprimentos de combustível já limitados do povo holandês como retaliação aos ataques ferroviários que impediram a ocupação alemã. Tal como outras, a família de Hepburn comeu fez farinha de bolbos de tulipas para assar bolos e biscoitos,[31][32] o que fez com que ela desenvolvesse anemia aguda, problemas respiratórios e edema como resultado de desnutrição.[33] A família van Heemstra também foi gravemente afetada financeiramente pela ocupação, durante a qual muitas de suas propriedades, incluindo sua propriedade principal em Arnhem, foram seriamente danificadas ou destruídas.[34] Depois de várias situações extremas, em 29 de abril de 1945, aviões dos Estados Unidos iniciaram o lançamento de pára-quedas que continham artigos de máxima necessidade em Amsterdam e Rotterdam, ao passo que forças terrestres e aéreas do Canadá e Inglaterra empurravam os alemães de volta ao seu país. Em 4 de maio, décimo sexto aniversário de Hepburn, foi a data em que se concretizou a libertação da Holanda.[35]

Em 2018, a série biográfica de áudio The Secret History Of Hollywood produziu um documentário de quinze partes baseado nesse período na vida de Hepburn, intitulado Audrey: The Girl Before the Girl.[36]

Carreira

Estudos de balé e primeiros papéis de atuação (1945–1952)

Após o fim da guerra, em 1945, Hepburn mudou-se com a mãe para Amsterdã, cidade que havia sido menos deteriorada pela guerra e que sempre manteve-se como um destacado centro cultural. No entanto, o local não atraiu apenas elas: diversos outros refugiados holandeses migraram para lá, o que fez com que ficasse complicado encontrar casas para alugar ou comprar.[37] Como a fortuna da família se perdera durante a guerra, Ella, em outubro daquele ano, começou a trabalhar como zeladora de um prédio, no qual podia morar, e levou sua filha consigo, apesar de que elas não estavam sob o mesmo teto.[38] Hepburn, então, mudou-se para a casa de sua nova professora de balé Sonia Gaskell, uma das principais figuras do balé holandês, até que sua mãe encontrasse um espaço para as duas,[37] e também teve aulas com a professora russa Olga Tarasova.[39] Um mês depois, Ella conseguiu um ofício em uma loja de flores e, consequentemente, um apartamento para si e sua filha.[37]

Após ter se apresentado em diversos concertos de balé nesse intervalo de tempo, Hepburn fez sua estreia no cinema em 1948, interpretando uma aeromoça em Dutch in Seven Lessons, um filme de viagem educacional feito por Charles van der Linden e Henry Josephson.[40] Mais tarde naquele ano, ela mudou-se com a mãe para Londres depois de ter ganhado uma bolsa de estudos no Ballet Rambert, que era então localizado em Notting Hill.[41][nota 3] Ela sustentou-se com o trabalho a tempo parcial como modelo. Depois que Rambert lhe disse que, apesar de seu talento, sua estatura e constituição fraca (o resultado da desnutrição em tempo de guerra) tornariam inatingível o status de bailarina principal; Hepburn, portanto, decidiu concentrar-se em atuar.[42][43][44]

Enquanto Ella trabalhou em empregos subalternos para sustentá-las, Hepburn apareceu como corista[45] no teatro de West End no musical High Button Shoes (1948) no Hipódromo de Londres, Sauce Tartare, de Cecil Landau (1949), e Sauce Piquante (1950) no Cambridge Theatre. Durante seu trabalho teatral, ela teve aulas de elocução com o ator Felix Aylmer para desenvolver sua voz.[46] Depois de ser vista por um diretor de elenco enquanto se apresentava em Sauce Piquante, Hepburn foi registrada como atriz freelancer na Associated British Picture Corporation. Ela apareceu no programa de televisão Sunday Night Theatre, da BBC, no episódio "The Silent Village",[47] e em papéis menores nos filmes de 1951 One Wild Oat, Laughter in Paradise, Young Wives' Tale e The Lavender Hill Mob. Ela, ainda amplamente desconhecida naquele momento, foi considerada para o papel de Lygia em Quo Vadis (1951). O diretora Mervyn LeRoy queria escalá-la, mas o papel foi para a já conhecida e contratada da MGM, Deborah Kerr.[48][49]

 
A atriz (à esquerda) ao lado de Silvana Pampanini e Gregory Peck, em 1952

Ela foi escalada em seu primeiro papel cinematográfico, como uma prodigiosa bailarina, em The Secret People (1952), de Thorold Dickinson, no qual executou todas as suas próprias sequências de dança.[50] A atuação da atriz foi bem recebida, e o estúdio inseriu o nome dela acima do título do filme, ainda que em letras menores comparadas a de seus colegas de elenco Valentina Cortese e Serge Reggiani, os quais já eram conhecidos do público.[51] Mesmo que a produção não tivesse ajudado muito no público de Hepburn, o produtor e roteirista Alfred Shaughnessy apreciou seu trabalho e almejou que ela fosse contratada para seu trabalho seguinte: Brandy for the Parson.[52] Contudo, em meio a negociações, foi-lhe oferecido um pequeno papel no filme Monte Carlo Baby (francês: Nous Irons à Monte Carlo, 1952), que foi filmado em Monte Carlo. Coincidentemente, a romancista francesa Colette estava no Hotel de Paris em Monte Carlo durante as filmagens, e, após ter visto as filmagens, decidiu escalar Hepburn no papel-título na peça da Gigi, na Broadway.[53] A atriz, que inicialmente estava relatante em aceitar o papel, entrou em ensaios sem nunca ter falado no palco, e exigiu treinamento particular.[54]

Quando Gigi abriu no Fulton Theatre em 24 de novembro de 1951, a atriz recebeu elogios por sua performance, apesar das críticas de que a versão para o palco era inferior à adaptação cinematográfica francesa.[55] A revista Life chamou Hupburn de "sucesso",[55] enquanto o The New York Times declarou que "sua qualidade é tão vitoriosa e tão certa que ela é o sucesso da noite".[54] Para o Inquirer, Henry Murdoch escreveu: "Ela nos dá uma performance maravilhosamente exuberante, que faz dela uma atriz de primeiro plano".[56] Ela recebeu o Prêmio Theatre World pelo papel.[57] A peça teve 219 apresentações, fechando em 31 de maio de 1952,[57] antes de sair em turnê que começou em 13 de outubro de 1952 em Pittsburgh e visitou Cleveland, Chicago, Detroit, Washington DC e Los Angeles antes de fechar em 16 de maio de 1953 em San Francisco.[13]

Roman Holiday e estrelato (1953–1960)

 
Hepburn em um teste de cinema para Roman Holiday (1953), que também foi usado como material promocional

De volta a 1952, enquanto as negociações para Gigi ainda estava em andamento, o diretor William Wyler viajou de Los Angeles a Londres para conferir com Richard Mealand, chefe das atividades de produção da Paramount Pictures na Inglaterra e Europa, a realização de seu projeto seguinte: Roman Holiday.[58] Os produtores do filme inicialmente queriam Elizabeth Taylor para o papel; Wyler pensou em Jean Simmons enquanto via as candidatas recomendadas por Mealand; todavia, ela não poderia atuar no filme porque havia assinado contrato com a RKO. Desse modo, o chefe de produção, que se deslumbrara com a interpretação de Hepburn em The Secret People, colocou-a entre as atrizes que seriam avaliadas pelo diretor: ela foi uma das cinco escolhidas por Wyler para os testes de elenco. Ele, entretanto, iria para a Itália, e não poderia, consequentemente, dirigi-las. À vista disso, a Paramount selecionou Thorold Dickinson para Hepburn, o qual havia lhe dirigido em The Secret People. Após várias gravações, foi em uma cena específica que ele soube que a atriz seria contratada. "Naquele minuto eu soube que ela ia ganhar o papel".[59] Wyler ficou impressionado com o teste dela que a escolheu, e comentou mais tarde: "Ela tinha tudo o que eu procurava: charme, inocência e talento. Ela também era muito engraçada. Ela era absolutamente encantadora e dissemos: 'Essa é a garota!'"[60] Simmons, a quem ela nunca havia conhecido, telefonou-lhe para dizer: "Embora eu quisesse te odiar, tenho que lhe dizer que não teria feito nem a metade. Você foi maravilhosa."[49]

O estúdio ofertou dez mil dólares para a atriz, mas o agente dela, Jack Dunfee, conseguiu subir para 12 500 dólares, e ainda propôs 25 mil para um segundo trabalho.[61] No filme, Audrey interpretou a Princesa Ann, uma princesa européia que escapa das rédeas da realeza e tem uma noite louca com um jornalista americano (Gregory Peck). Originalmente, a obra deveria ter apenas o nome de Peck acima de seu título, com "Introducing Audrey Hepburn" abaixo em fonte menor. No entanto, o ator sugeriu ao diretor que ele a elevasse para um nível igual, de modo que seu nome aparecesse antes do título e em letras tão grandes quanto as dele: "Você tem que mudar isso porque ela será uma grande estrela e eu vou parecer como um grande idiota."[62]

 
Ela na edição de setembro de 1954 da revista Modern Screen

O filme foi um sucesso de bilheteria, e Hepburn ganhou aclamação da crítica por seu papel, pelo qual ganhou o Oscar de Melhor Atriz, o BAFTA de Melhor Atriz num Papel Principal e o Globo de Ouro de Melhor Atriz – Drama em 1953. Em sua resenha ao The New York Times, A. H. Weiler escreveu: "Embora ela não seja exatamente uma novata no cinema, Audrey Hepburn é uma beleza esbelta, élfica e melancólica, alternadamente régia e infantil em sua profunda apreciação por recém-descobertos, prazeres simples e amor. Embora ela bravamente sorri seu reconhecimento do fim desse caso, continua sendo uma figura lamentavelmente solitária que enfrenta um futuro abafado."[63] Peter Bradshaw, do The Guardian, elogiou o charme da atriz e afirmou que foi "perfeitamente escolhida" para o papel.[64] Naquele momento, ela foi alcunhada de "Menina de Ouro do Ano".[65] Hepburn assinou um contrato de sete filmes com a Paramount, com 12 meses entre os filmes para permitir seu tempo para o trabalho no palco.[66] Henry Luce impressionou-se com o trabalho da atriz em Roman Holiday que orientou os editores da revista Time que fizessem uma matéria de capa sobre ela para a publicação de 7 de setembro de 1953, acontecimento incomum a atrizes novatas em Hollywood,[67] e também se tornou conhecida por seu estilo pessoal.[68] Após seu sucesso em no filme, Hepburn estrelou a comédia romântica de Billy Wilder, Sabrina (1954), na qual os irmãos ricos (Humphrey Bogart e William Holden) competem pelas afeições da inocente filha de seu motorista (Hepburn). Por sua atuação, ela foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz em 1955, ao passo que ganhou o BAFTA de Melhor Atriz em um Papel Principal no mesmo ano. Bosley Crowther, do The New York Times, declarou que ela era "uma jovem dama de alcance extraordinário de expressões sensíveis e comoventes dentro de uma estrutura tão frágil e esbelta. Ela é ainda mais luminosa como a filha e a queridinha do salão dos criados do que como princesa no ano passado, e não mais do que isso pode ser dito.[69]

Hepburn também retornou ao teatro em 1954, interpretando uma ninfa da água que se apaixona por um humano na peça de fantasia Ondine na Broadway. O crítico Brooks Atkinson, do The New York Times, comentou: "Ninguém nunca duvidou de seu talento como atriz. Mas o papel de Ondine é muito complicado. [...] a senhorita Hepburn é capaz de traduzir isso para a linguagem do teatro sem artifício ou premeditação. Ela dá uma performance palpitante, feita de graça e encantamento, disciplinada por um instinto para as realidades do palco".[70] Sua atuação lhe rendeu o Tony de Melhor Performance por uma Atriz Principal no mesmo ano em que ganhou o Oscar por Roman Holiday, fazendo dela uma das três atrizes a receber um Óscar e Tony de Melhor Atriz no mesmo ano (as outras duas são Shirley Booth e Ellen Burstyn). Durante a produção, ela e seu co-estrela Mel Ferrer começaram um relacionamento e se casaram em 25 de setembro de 1954 na Suíça.[71]

 
Hepburn com William Holden no filme Sabrina

Embora ela não tenha aparecido em nenhum novo filme lançado em 1955, Hepburn recebeu o Globo de Ouro de Melhor Filme Mundial naquele ano.[72] Tendo se tornado uma das atrações de bilheteria mais populares de Hollywood, estrelou em uma série de filmes de sucesso durante o restante da década, incluindo seu papel indicado ao BAFTA e ao Globo de Ouro como Natasha Rostova em War and Peace (1956), uma adaptação do romance de Tolstoi ambientado durante as guerras napoleônicas, estrelado por Henry Fonda e seu marido Mel Ferrer. Em 1957, ela exibiu suas habilidades de dança em seu primeiro filme musical, Funny Face. No mesmo ano, estrelou outra comédia romântica, Love in the Afternoon, ao lado de Gary Cooper e Maurice Chevalier.

Hepburn interpretou a Irmã Luke em The Nun's Story (1959), que se concentra na luta do personagem para ter sucesso como freira, ao lado de Peter Finch. O papel produziu uma terceira indicação ao Oscar de Hepburn e lhe rendeu um segundo prêmio BAFTA. Uma crítica na Variety dizia: "Hepburn tem seu papel mais exigente no cinema, e ela faz seu melhor desempenho", enquanto Films in Review afirmou que sua performance "silenciará para sempre aqueles que a consideraram menos atriz do que um símbolo da criança/mulher sofisticada. Seu retrato da irmã Luke é uma das grandes atuações da tela."[73] Alegadamente, ela passou horas em conventos e com os membros da Igreja para trazer a verdade ao seu personagem, afirmando que ela "deu mais tempo, energia e pensei nisso do que em qualquer uma das minhas performances anteriores".[74]

Seguindo The Nun's Story, Hepburn recebeu uma recepção morna para estrelar com Anthony Perkins na aventura romântica Green Mansions (1959), em que ela interpretou Rima, uma garota da selva que se apaixona por um viajante venezuelano,[75] e The Unforgiven (1960), seu único filme ocidental, no qual ela apareceu ao lado de Burt Lancaster e Lillian Gish em uma história de racismo contra um grupo de nativos americanos.

Breakfast at Tiffany's e sucesso contínuo (1961–67)

 
Hepburn como Holly Golightly

Enquanto Hepburn estava gravida, Alfred Hitchcock ofereceu-lhe um papel em seu novo filme, No Bail for the Judge, cujo enredo gira em torno de uma advogada que precisa defender o próprio pai, um juiz, acusado de ter matado uma prostituta. A atriz, que já almejava trabalhar com o cineasta, deixou o projeto, em parte por causa de uma cena em que quase seria estuprada, mas principalmente devido à gravidez (ela sofreu um aborto espontâneo durante as filmagens de The Unforgiven e deu à luz o filho Sean Ferrer em julho de 1960); a produção nunca aconteceu. Hitchcock não gostou de ela ter-se desligado do filme e partiu para seu trabalho seguinte, Psycho (1960), o qual se tornou a maior bilheteria de sua carreira. À vista disso, a Paramount pressionou a atriz, assegurando que, se ela não tinha interesse em trabalhar em um filme do diretor, deveria escolher outro projeto, uma vez que o estúdio já lhe havia dado muita flexibilidade desde Funny Face, que foi ter-lhe autorizado a trabalhar em quatro filmes de outros estúdios. Por conseguinte, dentre os inúmeros roteiros que lhe foram apresentados, Hepburn interessou-se por Breakfast at Tiffany's, uma novela de Truman Capote publicada em 1958. Inicialmente, o autor que Marilyn Monroe estrelasse a adaptação cinematográfica; no entanto, os produtores Martin Jurow e Richard Shepherd não conseguiram entrar em acordo com o 20th Century-Fox, estúdio com o qual ela havia contrato.[76][77]

Hepburn, a princípio, pensou que esse "não era exatamente um papel para ela", posto que não sabia se conseguiria interpretar Holly Golightly, uma personagem extrovertida que se sustenta como garota de programa; todavia, seu então marido, Mel Ferrer, disse-lhe que devia expandir seu talento com um papel que fugisse do esteriótipo de ingênua, o qual ela já estava habituada a fazer.[77] Após a atriz ter aceitado atuar no filme, a produção teve que aguardar até o nascimento de Sean Hepburn Ferrer, que nasceu em 17 de julho de 1960. Em outubro, as filmagens se iniciaram, sob a direção de Blake Edwards, e Hepburn teve de dividir seu tempo entre locações em Nova Iorque e nos estúdios da Paramount em Hollywood. Após seu lançamento, em 1961, o filme tornou-se um sucesso de público e de crítica, e a interpretação da atriz foi amplamente elogiada.[78] A despeito de Capote ter descrito a película como "um asqueroso presente para Audrey Hepburn", ele declarou que ela "fez um excelente trabalho".[79] "Srta. Hepburn é responsável em grande parte pela credibilidade de sua complexa personagem e dá um desempenho exitoso".[80] Jana Monji, em sua resenha ao site Rogerebert.com, de Roger Ebert, escreveu: "Em Breakfast at Tiffany's ela é [...] incrivelmente estilosa para alguém que não pode economizar dinheiro. Como musa da Givenchi, Hepburn incorporou a queridinha gamine. Ela representou um tipo diferente do sexy. Ela não era o tipo de pin-up que Hollywood regularmente fazia e continuava a fazer, agora com a ajuda de silicone."[81] A personagem é considerada uma dos mais conhecidas no cinema americano e um papel definidor para Hepburn.[82] O vestido que ela usa durante os créditos de abertura é considerado um ícone do século XX e talvez o mais famoso "vestidinho preto" de todos os tempos.[83][84][85][86] Hepburn afirmou que o papel foi "o mais jazzístico da minha carreira"[87] ainda admitiu: "Eu sou uma introvertida. Interpretar a garota extrovertida foi a coisa mais difícil que eu já fiz."[88] Ela foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz e ao Globo de Ouro de Melhor atriz – comédia ou musical e ganhou, pela segunda vez, o David di Donatello de Melhor Atriz Estrangeira,[89] o primeiro fora por The Nun's Story. Na época, Hepburn foi a segunda atriz mais bem paga de Hollywood, só ficando atrás de Elizabeth Taylor.[90]

No mesmo ano, Hepburn também estrelou The Children's Hour (1961), de William Wyler, no qual ela e Shirley MacLaine interpretaram professores cujas vidas se tornam problemáticas depois que um estudante as acusa de serem lésbicas.[82] Devido aos costumes sociais da época, o filme e a performance de Hepburn foram amplamente ignorados, tanto criticamente quanto comercialmente. Bosley Crowther, do The New York Times, opinou que o filme "não está muito bem representado", com exceção de Hepburn, que "dá a impressão de ser sensível e puro" de seu "tema silencioso",[91] enquanto a revista Variety também elogiava a "sensibilidade suave, a projeção [sic] e a subavaliação emocional de Hepburn", acrescentando que Hepburn e MacLaine "se complementam lindamente".[92]

 
Cary Grant com Hepburn em Charade

Hepburn apareceu ao lado de Cary Grant em Charade (1963), em que interpretou uma jovem viúva perseguida por uma gangue que procura uma fortuna roubada por seu marido antes de ele ter morrido. Grant, de 58 anos, que já havia rejeitado os papéis principais em Roman Holiday e Sabrina, estava sensível sobre sua diferença de idade com ela, de 34 anos, e desconfortável com a interação romântica. Para satisfazer suas preocupações, os cineastas concordaram em mudar o roteiro para que a personagem de Hepburn perseguisse romanticamente a dele.[93] O filme acabou por ser uma experiência positiva para ele, que disse: "Tudo que eu quero para o Natal é outra foto com Audrey Hepburn."[94] O papel rendeu a atriz seu terceiro e último BAFTA competitivo, e outra indicação ao Globo de Ouro. O crítico Michael Newton, para The Guardian, elogiou o par: "... [Em] Charade, um filme que unifica dois estilos de atuação altamente compatíveis, há a presença irônica de Grant, interpretando a si mesmo [...] Depois, há a seriedade sincera de Hepburn, combinada com sua genialidade como comediante, presente em sua capacidade de transformar em um momento de seriedade instantânea em brincadeira", e completou: "É triste que Hepburn e Grant tenham demorado tanto para fazer um filme juntos, e que nunca fizeram outro. Eles teriam feito um bom par em uma refilmagem de Notorious, de Hitchcock."[95] Bosley Crowther, por outro lado, foi menos gentil com o seu desempenho, afirmando que, "ela está alegremente comprometida com um clima de como-você-pode-ser-louco em um sortimento obviamente reconfortante de roupas caras da Givenchy."[96]

Hepburn retornou com seu colega de elenco de Sabrina, William Holden, na comédia Paris When It Sizzles (1964), em que representou a jovem assistente de um roteirista de Hollywood, que ajuda seu escritor a expressar suas fantasias de tramas possíveis. A produção do filme sofreu vários problemas. O ator tentou, sem sucesso, reacender um romance com a atriz, e o alcoolismo dele estava começando a afetar seu trabalho. Depois que as filmagens principais começaram, ela exigiu a demissão do diretor de fotografia Claude Renoir.[97] Supersticiosa, também insistiu no camarim 55, porque esse era o seu número da sorte, e exigia que Hubert de Givenchy, seu designer de longa data, recebesse um crédito no filme por seu perfume.[97] Apelidado de "marshmallow-weight hokum" pela Variety após seu lançamento em abril,[98] o filme foi "grandemente criticado",[97] embora os críticos fossem mais gentis com o desempenho de Hepburn, descrevendo-a como "uma criatura refrescantemente individual em uma era da curva exagerada".[98]

 
Hepburn com o diretor de fotografia Harry Stradling Jr. no set de My Fair Lady

O segundo filme estrelado por ela em 1964 foi My Fair Lady, dirigido por George Cukor e lançado em novembro daquele ano. No entanto, a escalação de Hepburn no papel da florista do Cockney, Eliza Doolittle, gerou controvérsia. Julie Andrews, que havia originado o papel, não recebeu a oferta porque o produtor Jack L. Warner achava que Hepburn ou Elizabeth Taylor eram mais "lucrativas". Hepburn inicialmente pediu a Warner para dar o papel a Andrews, mas acabou sendo escalada. Mais uma fricção foi criada quando, Hepburn não tenha cantado em Funny Face e tivesse uma longa preparação vocal para o papel em My Fair Lady, seus vocais foram dublados por Marni Nixon, cuja voz era considerada mais adequada ao papel.[99][100] Hepburn estava inicialmente chateada e saiu do set quando informada.[nota 4]

A imprensa continuou com a rivalidade entre Hepburn e Andrews quando esta ganhou um Oscar por Mary Poppins na 37.ª cerimônia do Academy Awards (1964), ao passo que aquela nem sequer havia sido indicada, apesar do acúmulo de oito de doze possíveis prêmios em My Fair Lady. Independentemente disso, os críticos aplaudiram muito o desempenho "requintado" de Hepburn.[100] Crowther escreveu, "a coisa mais feliz sobre [My Fair Lady] é que Audrey Hepburn justifica soberbamente a decisão de Jack Warner de fazê-la interpretar o papel principal."[99] Gene Ringgold do Soundstage também comentou que "Hepburn é magnífica. Ela é Eliza para as idades",[101] enquanto acrescentava: "Todos concordaram que, se Julie Andrews não participasse do filme, Audrey Hepburn seria a escolha perfeita."[101]

No transcorrer da década, Hepburn apareceu em uma variedade de gêneros, incluindo a comédia How to Steal a Million (1966), na qual interpretou a filha de um famoso colecionador de arte, cuja coleção consiste inteiramente de falsificações. Temendo a exposição de seu pai, ela decide roubar a estátua original do museu em que a escultura falsificada iria ser apresentada, contando com a ajuda de um homem interpretado por Peter O'Toole.

Depois, em 1967, a atriz apareceu em dois filmes. O primeiro foi Two for the Road, um drama britânico não linear e inovador que traça o curso do casamento conturbado de um casal. O diretor Stanley Donen disse que Hepburn era livre e feliz, e ele creditou isso para Albert Finney.[102] Pelo papel, foi indicada ao Globo de Ouro de Melhor Atriz – Comédia ou Musical.[103] O segundo foi Wait Until Dark, um suspense no qual Hepburn demonstrou seu alcance de atuação fazendo o papel de uma mulher cega aterrorizada. Filmado à beira de seu divórcio, foi um trabalho difícil para ela, já que o marido Mel Ferrer foi seu produtor. Ela perdeu quinze libras sob o estresse, mas encontrou consolo no seu colega de cena Richard Crenna e no diretor Terence Young. A atriz ganhou suas últimas indicações competitiva ao Oscar de Melhor Atriz (sendo esta a quinta),[104] ao Globo de Ouro de Melhor Atriz – Drama,[103] ao New York Film Critics Circle de Melhor Atriz, e ganhou o Laurel de Ouro por Melhor Atuação Dramática Feminina nos Prêmios Laurel.[105] Bosley Crowther afirmou: "Hepburn desempenha o papel pungente, a rapidez com que ela muda e a habilidade com que ela manifesta o terror atrai simpatia e ansiedade para ela e lhe dá solidez genuína nas cenas finais."[106] Roger Ebert a descreveu como "muito singela e confiante";[107] a revista Time publicou: "[...] o desempenho honesto e livre de fingimento da atriz ajuda a suspensão de descrença da plateia" e ela é "imensamente ajudada por: Jack Weston, Richard Crenna e Alan Arkin".[108] Hepburn foi proclamada como a maior bilheteria feminina do ano de 1967.[109]

Projetos de semi-aposentadoria e final (1968–1993)

De 1968 em diante, Hepburn escolheu dedicar mais tempo à sua família e agiu apenas ocasionalmente nas décadas seguintes. Ela tentou um retorno em 1976, interpretando Maid Marian no filme Robin and Marian, com Sean Connery co-estrelando como Robin Hood. Roger Ebert elogiou a química de Hepburn com Connery, escrevendo que ambos "parecem ter chegado a um entendimento tácito entre si sobre seus personagens. Eles brilham. Eles realmente parecem apaixonados. E eles se projetam como pessoas maravilhosamente complexas, carinhosas e afetuosas; a passagem de 20 anos lhes deu graça e sabedoria."[110]

 
A atriz (à direita) no set do filme Always, em 1989

Em 1979, Hepburn reuniu-se com o diretor Terence Young na produção de Bloodline, o filme foi um fracasso crítico e de bilheteria. O último papel de protagonista de Hepburn em um longa-metragem foi contracenando com Gazzara na comédia They All Laughed (1981), dirigida por Peter Bogdanovich. O filme foi ofuscado pelo assassinato de uma de suas estrelas, Dorothy Stratten, e recebeu apenas um lançamento limitado. Seis anos depois, Hepburn co-estrelou com Robert Wagner em um filme feito para televisão, Love Among Thieves (1987).

Depois de terminar seu último papel em 1988, Hepburn fez uma aparição como um anjo em Always, de Steven Spielberg, completou apenas mais dois projetos relacionados ao entretenimento, ambos aclamados pela crítica. Gardens of the World with Audrey Hepburn, foi uma série de documentários da PBS, filmada em sete países na primavera e no verão de 1990. Um especial de uma hora o precedeu em março de 1991, e a série em si começou a ser veiculada no dia seguinte à sua morte, 21 de janeiro de 1993. Para o episódio de estreia, Hepburn recebeu postumamente o Emmy de 1993 por Melhor Performance Individual num Programa Informativo. O outro projeto foi um álbum falado, Audrey Hepburn's Enchanted Tales, que apresenta leituras de histórias infantis clássicas e foi gravado em 1992. O álbum ganhou um Grammy póstumo para Melhor Álbum Falado para Crianças.[111]

Trabalho humanitário

Embaixadora da UNICEF

Na década de 1950, Hepburn narrou dois programas de rádio para a UNICEF, recontando histórias de guerra para crianças.[112] Em 1989, foi nomeada Embaixadora da Boa Vontade da UNICEF. Em sua nomeação, ela declarou que estava agradecida por receber ajuda internacional após suportar a ocupação alemã quando criança, e queria mostrar sua gratidão à organização.[113]

1988–89

A primeira missão de Hepburn para a UNICEF foi à Etiópia em 1988. Ela visitou um orfanato em Mek'ele que abrigava 500 crianças famintas e mandou a UNICEF enviar comida. Da viagem, ela disse,

"Eu tenho um coração partido. Eu me sinto desesperadora. Não suporto a ideia de que dois milhões de pessoas estão em perigo iminente de morrer de fome, muitas delas crianças, [e] não porque não há toneladas de comida no porto de Shoa, no norte. Que não pode ser distribuído. Na primavera passada, trabalhadores da Cruz Vermelha e da UNICEF foram expulsos das províncias do norte por causa de duas guerras civis simultâneas... Entrei em um país rebelde e vi mães e seus filhos que haviam caminhado por dez dias, até três semanas, à procura de comida, acomodando-se no chão do deserto em acampamentos improvisados onde poderiam morrer. Horrível. Essa imagem é demais para mim. O 'Terceiro Mundo' é um termo do qual não gosto muito, porque somos todos um só mundo. Eu quero que as pessoas saibam que a maior parte da humanidade está sofrendo."[114]
 
O então presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan, com Hepburn e Robert Wolders, em 1981

Em agosto de 1988, Hepburn foi à Turquia em uma campanha de imunização. Ela chamou a Turquia de "o mais belo exemplo" das capacidades da UNICEF. Da viagem, ela disse: "O exército nos deu seus caminhões, os peixeiros deram suas carroças para as vacinas, e uma vez que a data foi marcada, levou dez dias para vacinar todo o país. Nada mal."[115] Em outubro, Hepburn foi para a América do Sul. De suas experiências na Venezuela e no Equador, Hepburn disse ao Congresso dos Estados Unidos, "Vi pequenas comunidades de montanha, favelas que receberem sistemas de água pela primeira vez por algum milagre – e o milagre é a UNICEF. Eu vi meninos construindo sua própria escola com tijolos e cimento fornecidos pela UNICEF."[13]

Hepburn percorreu a América Central em fevereiro de 1989 e se reuniu com líderes em Honduras, El Salvador e Guatemala. Em abril, ela visitou o Sudão com os Wolders como parte de uma missão chamada "Operation Lifeline." Por causa da guerra civil, os alimentos das agências de ajuda haviam sido cortados. A missão era transportar comida para o sul do Sudão. Hepburn disse: "Eu vi apenas uma verdade gritante: Estes não são desastres naturais, mas tragédias provocadas pelo homem, para os quais existe apenas uma solução humana – a paz."[115] Em outubro de 1989, Hepburn e Wolders foram para Bangladesh. John Isaac, um fotógrafo da ONU, disse: "Muitas vezes as crianças teriam moscas por toda parte, mas ela apenas as abraçava. Eu nunca tinha visto isso. Outras pessoas tinham uma certa hesitação, mas ela simplesmente as agarrava. As crianças simplesmente subiam para segurar a mão dela, tocá-la – ela era como um flautista."[13]

1990–92

Em outubro de 1990, Hepburn foi ao Vietnã, em um esforço para colaborar com o governo para programas nacionais de imunização e de água potável apoiados pela UNICEF. Em setembro de 1992, quatro meses antes de sua morte, Hepburn foi para a Somália. Chamada de "apocalíptica", ela disse: "Eu entrei em um pesadelo. Eu vi fome na Etiópia e Bangladesh, mas eu não vi nada assim – muito pior do que eu poderia imaginar. Eu não estava preparada para isso."[115][116]

Reconhecimento

Em 1992, a Casa Branca anunciou que Hepburn havia sido elegida para receber pelo então presidente americano, George H. W. Bush, a Medalha Presidencial da Liberdade, em reconhecimento ao seu trabalho em benefício da UNICEF; todavia, a atriz não pôde comparecer à cerimônia, por isso, sua medalha de ouro foi-lhe entregue pessoalmente pelo embaixador dos Estados Unidos na Suíça.[117] Em janeiro do ano seguinte, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas divulgou que Hepburn receberia o Prêmio Humanitário Jean Hersholt, por sua contribuição à humanidade, o qual lhe foi concedido postumamente.[118][119] Um edital do New York Times prestou-lhe homenagem e a descreveu como "uma apaixonada embaixadora da Unicef".[120]

Em 2002, na Sessão Especial das Nações Unidas sobre Crianças, a UNICEF homenageou o legado de trabalho humanitário de Hepburn ao inaugurar uma estátua, "The Spirit of Audrey", na sede da UNICEF em Nova Iorque. Seu serviço para crianças também é reconhecido através do Fundo dos Estados Unidos para a Sociedade Audrey Hepburn da UNICEF.[121][122]

Vida pessoal

Casamentos, relacionamentos e filhos

Hepburn com o primeiro marido, Mel Ferrer, em 1957
Hepburn e Andrea Dotti, em 1967

Em 1952, Hepburn ficou noiva de James Hanson,[123] quem ela conhecia desde seus primeiros dias em Londres. Ela o chamou de "amor à primeira vista"; mas, depois de ter seu vestido de noiva ajustado e a data marcada, ela decidiu que o casamento não funcionaria porque as exigências de suas carreiras mantê-los-iam afastados na maior parte do tempo.[124] Hepburn fez uma declaração pública sobre sua decisão, dizendo: "Quando eu me casar, quero ser realmente casada".[125] No início dos anos 50, também namorou o futuro produtor de Hair, Michael Butler.[126]

Em um coquetel oferecido pelo amigo mútuo Gregory Peck, Hepburn conheceu o ator americano Mel Ferrer e sugeriu que eles estrelassem juntos em uma peça.[127] A reunião levou-os a colaborar em Ondine, durante o qual eles começaram um relacionamento. Oito meses depois, em 25 de setembro de 1954, eles se casaram em Bürgenstock, na Suíça,[128] enquanto se preparavam para estrelar juntos no filme War and Peace (1955).

Hepburn teve dois abortos, um em março de 1955,[129] e outro em 1959, depois que ela caiu de um cavalo durante as filmagens de The Unforgiven (1960). Quando engravidou pela terceira vez, ela tirou um ano de folga para evitar aborto; seu filho, Sean Hepburn Ferrer, nasceu em 17 de julho de 1960. Ela teve mais dois abortos em 1965 e 1967.[130]

Apesar da insistência das colunas de fofocas de que o casamento não duraria, Hepburn afirmou que ela e Ferrer eram inseparáveis e felizes juntos, embora admitisse que ele tinha um mau humor.[131] Havia rumores de que Ferrer era muito controlador, e havia sido referido por outros como sendo seu "Svengali" – uma acusação de que Hepburn riu.[132] William Holden foi citado dizendo: "Acho que Audrey permite que Mel pense que ele a influencia". Após um casamento de 14 anos, o casal se divorciou em 1968.[133]

Hepburn conheceu seu segundo marido, o psiquiatra italiano Andrea Dotti, em um cruzeiro no Mediterrâneo com amigos em junho de 1968. Ela acreditava que teria mais filhos e possivelmente deixaria de trabalhar. Eles se casaram em 18 de janeiro de 1969; seu filho, Luca Dotti, nasceu em 8 de fevereiro de 1970. Enquanto estava grávida de Luca em 1969, Hepburn foi mais cuidadosa, descansando por meses antes de ter o parto por cesariana. Ela queria ter um terceiro filho, mas teve outro aborto em 1974.[134] Dotti foi infiel e teve um relacionamento amoroso com o ator Ben Gazzara durante as filmagens do filme Bloodline, de 1979.[135] O casamento de Dotti e Hepburn durou treze anos e foi dissolvido em 1982.[136] De 1980 até sua morte, Hepburn estava em um relacionamento com o ator holandês Robert Wolders, o viúvo da atriz Merle Oberon. Ela conheceu Wolders através de um amigo durante os últimos anos de seu segundo casamento. Em 1989, ela chamou os nove anos que passara com ele os anos mais felizes de sua vida e declarou que os considerava casados, mas não oficialmente.[137]

Doença e morte

Ao retornar da Somália para a Suíça no final de setembro de 1992, Hepburn começou a sofrer de dor abdominal. Embora os exames médicos iniciais na Suíça tivessem resultados inconclusivos, uma laparoscopia realizada no Centro Médico Cedars-Sinai, em Los Angeles, no início de novembro, revelou uma forma rara de câncer abdominal pertencente a um grupo de câncer conhecido como pseudomixoma peritoneal.[138] Tendo crescido lentamente ao longo de vários anos, o câncer havia metastizado como uma fina camada sobre o intestino delgado. Após a cirurgia, ela começou a quimioterapia.[139]

 
A sepultura dela, em Tolochenaz, Suíça

Hepburn e sua família voltaram para a Suíça para comemorar seu último Natal. Como ainda estava se recuperando de uma cirurgia, ela não poderia voar em aviões comerciais. Seu amigo de longa data, o estilista Hubert de Givenchy, organizou para a socialite Rachel Lambert "Bunny" Mellon enviar seu jato Gulfstream, cheio de flores, para levar Hepburn de Los Angeles a Genebra. Ela passou seus últimos dias em cuidados paliativos em sua casa em Tolochenaz, Vaud e ocasionalmente estava bem o suficiente para fazer caminhadas em seu jardim, mas gradualmente se tornou mais confinada ao repouso.[117]

Na noite de 20 de janeiro de 1993, Hepburn morreu em seu sono em casa. Após sua morte, Gregory Peck foi à câmera e recitou seu poema favorito, "Unending Love", de Rabindranath Tagore.[140] Os serviços funerários foram realizados na igreja de Tolochenaz em 24 de janeiro de 1993. Maurice Eindiguer, o mesmo pastor que casou Hepburn e Mel Ferrer e batizou seu filho Sean em 1960, presidiu seu funeral, enquanto o príncipe Sadruddin Aga Khan da UNICEF fez um elogio. Muitos membros da família e amigos participaram do funeral, incluindo seus filhos, o parceiro Robert Wolders, o meio-irmão Ian Quarles van Ufford, os ex-maridos Andrea Dotti e Mel Ferrer, Hubert de Givenchy, executivos da UNICEF e os outros atores Alain Delon e Roger Moore.[141] Arranjos de flores foram enviados ao funeral por Gregory Peck, Elizabeth Taylor e a família real holandesa.[142] Mais tarde, no mesmo dia, Hepburn foi enterrada no Cemitério Tolochenaz.[143]

Em seu testamento, ela nomeou seus dois filhos como herdeiros iguais para sua propriedade, sujeitos a vários legados de suas jóias mais preciosas para sua família e amigos mais próximos. Para Robert Wolders, seu companheiro de longa data, ela deixou dois candelabros de prata que valiam cerca de 500 CHF (francos suíços) na época (1993). Hubert de Givenchy foi nomeado executor de sua propriedade, junto com seus dois advogados suíços.[144]

Estilo de atuação e reconhecimento

Hepburn é amplamente considerada uma das atrizes de tela mais talentosas e amadas de sua geração,[145] e um dos britânicos mais famosos e bem-sucedidos em Hollywood. Ela foi apelidada de "a queridinha do mundo" pela revista Life no início de sua carreira, "e é isso que ela permanece. Um quarto de século após sua morte, sua reputação não diminuiu nem um pouco", afirmou o crítico Geoffrey Macnab, em 2018. Diversos críticos elogiaram sua capacidade de atuar em comédias.[145][146]

"Quando Hepburn entrou na semi-aposentadoria no auge de sua carreira, em 1967, ela apenas aumentou sua mística. Era uma mulher graciosa, mas vigiada, amiga de todos, mas perto de poucos. No final, Hepburn ajudou a facilitar a transição entre o conservadorismo antigo de Hollywood e a era mais livre que começou logo quando ela se afastou. E deixou para trás uma série de filmes que dizem algo sobre o que a cultura popular pensava das mulheres em meados do século XX e revelam como Hepburn conseguiu explorar esses sentimentos para seus próprios fins. Apesar de todas as falhas em sua filmografia, a atriz encontrava exatamente o papel certo e estrelava um filme clássico."

— Noel Murray a falar sobre a carreira da atriz.[147]

No entanto, nem todos os comentários no que concerne à sua atuação foram totalmente positivos. Em 2010, sobre o papel de Hepburn em My Fair Lady, a atriz Emma Thompson a chamou de "um twee fantasticamente" e afirmou que ela "não sabia cantar e nem atuar".[145] Noel Murray, do The Dissolve, publicou algo quase semelhante, mas reconheceu as qualidades dela. "Sua voz era doce, mas leve, e seu alcance como atriz era limitado. Mas Hepburn tinha 'qualidade de estrela' no sentido clássico, pois era bonita, elegante e fácil de gostar."[147] Macnab, embora não fosse de encontro ao que Thompson havia declarado, ressaltou: "no entanto, [isso] não diminuiu seu impacto na tela nem um pouco. Ela sempre foi precisa em seus gestos. Sua voz tinha uma qualidade um pouco rouca, o que aumentava seu charme. Ela era muitas vezes paqueradora, mas de uma maneira divertida. [...] Hepburn tinha uma qualidade que os cineastas imediatamente apreciavam. Produtores britânicos e americanos brigaram por ela. [...] Ela pode ter sido limitada como atriz, mas ela desempenhou uma variedade extraordinária de papéis. [...] Tinha um talento para a comédia."[145] O crítico Alex Cox, por outro lado, em sua resenha ao The Independent, a definiu como uma "ótima atriz".[146]

Ao longo de sua carreira, Hepburn participou de diferentes gêneros de filmes, como comédia, drama, romance e suspense,e interpretou diversos tipos de personagens, desde a inocente ou a princesa, ou a jovem voluntariosa que precisava de um homem mais velho para salvá-la de si mesma,[147] além de papéis como freira, ingênua, florista, viúva e mulher fatal.[145]

Legado

 
Figura de cera de Audrey Hepburn no Madame Tussauds Vienna

O legado de Audrey Hepburn perdura muito depois de sua morte.Ela tem sido objeto de muitas biografias desde a sua morte, incluindo a dramatização sobre a sua vida, intitulada The Audrey Hepburn Story (2000), na qual estrelaram Jennifer Love Hewitt e Emmy Rossum como Hepburn mais velha e mais jovem, respectivamente.[148] O American Film Institute a nomeou em terceiro lugar dentre as Maiores Estrelas Femininas de Todos os Tempos. Em janeiro de 2009, foi incluídas na lista do The Times das 10 melhores atrizes britânicas de todos os tempos.[149] A revista Premiere definiu sua atuação como Holly Golightly a 32.ª das 100 melhores performances no cinema de todos os tempos;[150] a personagem alcançou a mesma classificação dos 100 melhores personagens do cinema de todos os tempos.[151]

Sean Ferrer fundou o Audrey Hepburn Children's Fund[152] em memória de sua mãe logo após sua morte. O fundo dos Estados Unidos para o UNICEF também fundou a Audrey Hepburn Society:[153] presidido por Luca Dotti, celebra os maiores doadores da UNICEF e arrecadou quase 100,000,000 de dólares até hoje. Dotti também se tornou patrono da instituição de caridade Pseudomyxoma Survivor, dedicada a fornecer apoio aos pacientes do raro câncer de que Hepburn sofria, pseudomixoma peritoneal,[154] e o embaixador da doença rara desde 2014 e para 2015 em nome da European Organisation for Rare Diseases.[155]

O cineasta Billy Wilder comentou: "Ela é uma coisinha fina, mas você realmente está na presença de alguém quando vê aquela garota. Desde [Greta] Garbo não houve nada parecido, com a possível exceção de [Ingrid] Bergman." Em sua publicação ao The Independent, em 1993, o autor David Shipman complementou: "Minha geração conhecia Bergman. Garbo que nunca tínhamos visto. Fotos antigas não eram fáceis de encontrar na década de 1950. Os cinéfilos mais velhos falavam saudosamente de Jean Arthur, Carole Lombard, Margaret Sullavan e outras musas. Desde o momento em que Audrey Hepburn apareceu em Roman Holiday (1953), sabíamos que tínhamos uma."[49]

Na mídia e imagem pública

Estilo

Figurino de Hepburn usado em Breakfast at Tiffany's
Vistido usado por ela em My Fair Lady

Adicionada à International Best Dressed List em 1961, Hepburn era associada a um estilo minimalista, geralmente usando roupas com silhuetas simples, que enfatizavam seu corpo esbelto, cores monocromáticas e acessórios ocasionais de instrução.[156] No final dos anos 1950, ela popularizou leggings pretos simples.[157] A acadêmica Rachel Moseley descreve a combinação de "calça preta esbelta, sapatilhas estilo balé e uma camisa preta fina" como uma de suas aparências ao lado de pequenos vestidos pretos, notando que esse estilo era novo na época em que as mulheres ainda usavam saias e saltos altos com mais frequência do que calças e sapatos baixos.[158]

Hepburn foi particularmente associada ao estilista francês Hubert de Givenchy, que foi contratado pela primeira vez para projetar seu figurino para seu segundo filme de Hollywood, Sabrina (1954), quando ela ainda era desconhecida como atriz de cinema e ele um jovem costureiro apenas começando a carreira.[159] Embora inicialmente decepcionado com o fato de a "senhorita Hepburn" não ser Katharine Hepburn como ele pensara erroneamente, Givenchy e Audrey formaram uma amizade ao longo da vida.[159][160] Ela tornou-se sua musa,[159][160] e os dois se tornaram tão intimamente associados uns com os outros que a acadêmica Jayne Sheridan declarou: "poderíamos perguntar 'Audrey Hepburn criou a Givenchy ou foi o contrário?'".[161]

Além de Sabrina, Givenchy projetou suas roupas para Love in the Afternoon (1957), Breakfast at Tiffany's (1961), Funny Face (1957), Charade (1963), Paris When It Sizzles (1964) e How to Steal a Million (1966), bem como a vestiu fora do cinema. De acordo com Moseley, a moda desempenha um papel excepcionalmente central em muitos dos filmes de Hepburn, afirmando que "a fantasia não está ligada ao personagem, funcionando 'silenciosamente' na cena, mas como 'moda' se torna uma atração na estética em si mesmo".[162] A própria Hepburn afirmou que Givenchy "deu-me uma olhada, uma espécie, uma silhueta. Ele sempre foi o melhor e ficou o melhor. Porque ele manteve o estilo de reposição que eu amo. O que é mais bonito que uma simples bainha de maneira extraordinária em um tecido especial e apenas dois brincos?"[163] Ela também se tornou o rosto do primeiro perfume de Givenchy, L'Interdit, em 1957.[164] Além de sua parceria com Givenchy, Hepburn recebeu o crédito por impulsionar as vendas de capas da Burberry quando ela usou uma delas em Breakfast at Tiffany's e foi associada à marca de calçados italiana Tod's.[165]

Em sua vida particular, a atriz preferia usar roupas casuais e confortáveis, ao contrário da alta-costura que usava nas tela e em eventos públicos.[166] Apesar de ser admirada por sua beleza, ela nunca se considerou atraente, afirmando em uma entrevista de 1959 que "você pode até dizer que eu me odiava em certos períodos. Eu estava muito gorda, ou talvez muito alta, ou talvez simplesmente feia demais ... você pode dizer que minha definição se origina de sentimentos subjacentes de insegurança e inferioridade. Eu não poderia conquistar esses sentimentos agindo de forma indecisa. Descobri que a única maneira de tirar o melhor deles era adotando uma direção vigorosa e concentrada." [167] Em 1989, afirmou que "meu visual é atingível ... As mulheres podem se parecer com Audrey Hepburn tirando os cabelos, comprando os óculos grandes e os pequenos vestidos sem mangas."[156]

"Quando penso em Audrey, sua nobreza de coração e fantasia, sempre me emociono. Ela tinha qualidades muito raras, e eu invejava seu estilo e gosto. Eu me sentia estranha e desajeitada quando estava em sua companhia. Eu lhe disse sobre isso. Ela me disse para não me preocupar, que ela me ensinaria a me vestir se eu a ensinasse a jurar. Nós nunca fizemos isso! " — Shirley MacLaine.[168]

Aparência e o Padrão Audrey Hepburn de Beleza

 
Hepburn com um estilo de cabelo curto e usando uma de suas aparências: gola alta preta, calças pretas finas e sapatilhas de balé

A imagem pública de Hepburn está fortemente ligada à sua beleza e ao seu carisma; ela tem sido descrita pela imprensa como um símbolo sexual,[169] embora nunca concordou com essa distinção.[170] Era conhecida por suas escolhas de moda e aparência distinta, o que levou o jornalista Mark Tungate descrevê-la como uma "marca reconhecível".[171] Quando ela chegou ao estrelato pela primeira vez em Roman Holiday (1953), era vista como um ideal feminino alternativo que atraía mais as mulheres do que os homens, em comparação com a curvilínea e mais sexual Grace Kelly e Elizabeth Taylor.[172][173] Com seu estilo de cabelo curto, sobrancelhas grossas, corpo magro e aparência "gamine", ela apresentou um olhar que as mulheres jovens acharam mais fácil de imitar do que as de estrelas de cinema sexuais.[158] Peter Bradshaw observou "que talvez sua excelente postura em Roman Holiday tenha encorajado Kelly, três anos depois, a enfrentar uma circunstância similar sendo a Princesa Grace".[64] Em 1954, o fotógrafo de moda Cecil Beaton declarou a Hepburn a "incorporação pública de nosso novo ideal feminino" na Vogue, e escreveu que "Ninguém nunca se pareceu com ela antes da Segunda Guerra Mundial ... No entanto, reconhecemos a correção dessa aparência em relação às nossas necessidades históricas. A prova é que milhares de imitações apareceram."[173] A revista e sua versão britânica relataram frequentemente seu estilo ao longo da década seguinte.[174] Juntamente com a modelo Twiggy, Hepburn foi citada como uma das principais figuras públicas que fez com que fosse muito magro na moda.[158]

A despeito de ser sinônimo de beleza na atualidade, o biotipo de Hepburn não era um padrão dos anos 50. Contudo, quando a atriz conheceu Colette no encontro que resultou na primeira experiência como protagonista da atriz como Gigi, esta deixou a autora fascinada, embora seu padrão físico provocasse estranhamento tanto para ela, quanto para as pessoas naquela época. "Suas pernas eram compridas demais, a cintura muito fina, os pés muito grandes, assim como os olhos, o nariz e as duas narinas enormes. Quando ela sorria (e ela sorria sempre), revelava uma boca que engolia o rosto e uma fileira de dentes tortos que não ficaria muito bem em close-ups. Sem dúvida, ela não era o que se poderia chamar de atraente. Engraçadinha talvez, encantadora com certeza, mas, com um mínimo de maquiagem e o busto menor que dois punhos, dificilmente era desejável. A pobre menina tinha até o rosto meio redondo", relatou o autor Sam Wasson.[175]

 
Hepburn fotografada por Bud Fraker em 1953

Vista como um simbolo de beleza aposto a Marilyn Monroe, Hepburn teve seu nome comparado ao desta última em diversas matérias da época. A revista Photoplay Exclusive publicou: "Pelos padrões de Hollywood – e não se deve nunca, nunca, minimizar os padrões de Hollywood! – Audrey Hepburn é sem peito, quadril delgado, e completamente des-Marilyn Monroe-zada (...). E ainda, padrões ou não de Hollywood, Audrey Hepburn é a coisa mais sensacional que aconteceu para o capital do filme desde Marilyn Monroe!".[176] A estilista Edith Head, por outro lado, ressaltou que um bom corpo de modelo devia medir 34-22-34 (busto, cintura e quadris, nessa ordem), o que era raro de se encontrar em atrizes de cinema, as quais possuíam, em geral, 38 ou 39 de busto e tendiam a "ser baixas e não necessariamente simétricas. Hepburn, por sua vez, "tinha a figura perfeita para uma modelo: muito esbelta e alta, com pouco mais de 1,70m. Ela usava enchimentos no busto: acentuava sua magreza e tinha o gosto esmerado que é tão caro aos estilistas."[177] Embora o nome de Marilyn Monroe é utilizado como um princípio de beleza, as associações feitas entre ambas não tinham por objetivo igualá-las, porém diferenciá-las. "(...) ela não é o estereótipo loiro de beleza. Mas sabem que, mesmo assim, ela é bonita. Essa é a qualidade única que a põe no topo da lista todos os anos até hoje", afirmou Selina Lin em seu documentário Audrey: o ícone do estilo.[178]

A influência de Hepburn como ícone de estilo continua várias décadas após o auge de sua carreira nas décadas de 1950 e 1960. Moseley observa que, especialmente após sua morte, em 1993, ela se tornou cada vez mais admirada, com revistas recomendando frequentemente aos leitores sobre como fazer com que seu visual e estilistas utilizassem-na como inspiração.[179][158] Sua imagem é amplamente utilizada em campanhas publicitárias em todo o mundo. No Japão, uma série de comerciais usou clipes coloridos e digitalmente melhorados dela em Roman Holiday para anunciar o chá preto da Kirin Company.[180] Nos Estados Unidos, Hepburn apareceu em um comercial da Gap de 2006 que usava clipes de sua dança de Funny Face, com "Back in Black" do AC/DC, com o slogan "It's Back – The Skinny Black Pant".[181][182] Para comemorar sua campanha "Keep it Simple", a Gap fez uma doação considerável para o Audrey Hepburn Children's Fund.[183] Em 2012, Hepburn estava entre os ícones culturais britânicos selecionados pelo artista Sir Peter Blake para aparecer em uma nova versão de sua obra mais famosa – o Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band dos Beatles, para celebrar as figuras culturais britânicas de sua vida que ele mais admira.[184] Em 2013, umas imagens geradas por computador de Hepburn foi usada em um anúncio de televisão para a barra de chocolate britânica Galaxy.[185][186] Em 4 de maio de 2014, o Google apresentou um doodle em sua página inicial no que seria o 85.º aniversário de Hepburn.[187]

Em 1990, a revista People a nomeou como uma das cinquenta pessoas mais bonitas do mundo.[188] Na publicação das 100 Mulheres Mais Sensuais do mundo, realizada pela FHM, em 1995, dois após a morte da atriz, ela ficou na 35.ª posição.[189] Na quele mesmo ano, a revista Empire a classificou no oitavo lugar na lista das "100 Estrelas de Cinema Mais Sensuais de Sempre"; dois anos depois, ficou em cinquentésimo do "Top 100 Estrelas de Cinema".[188] O site online Filmsite.org inseriu-a dentre as 100 maiores estrelas de cinema;[190] ela entrou na publicação de mesmo conteúdo realizada pela Entertainment Weekly, da qual foi capa.[191] Em 2000, a atriz voltou a aparecer na editoração da People, desta vez, entre as pessoas mais bem vestidas de todos os tempos.[192]

Em 2004, após a empresa Evian ter realizado um pesquisa com editores de moda e beleza, maquiadores, agências de modelos e fotógrafos, Hepburn foi nomeada a "mulher mais bonita de todos os tempos". Nas palavras da diretora de beleza da Elle, Rosie Green, "Audrey Hepburn é a personificação da beleza natural. Ela tem um encanto raro e uma beleza interior que irradia quando sorri. Sua pele parece saudável em todos os seus filmes e sua personalidade realmente brilha como alguém afetuoso e animado."[193] A rede de televisão QVC a listou em primeiro lugar dentre as "mulheres mais bonitas do século 20".[194] Em um estudo feito com quase dois mil fãs de cinema e publicado no Reino Unido, em 2009, Hepburn foi eleita "A atriz mais bonita da história do cinema de Hollywood". A editora de beleza da revista Vogue inglesa, Nicola Moulton, explicou a escolha de Audrey por "seu corpo e por seus olhos amendoados" e por ter "uma beleza atemporal". "Ela tinha uma beleza cinematográfica que era incrível nos movimentos de cena, não só em fotos".[195] Em 2015, foi votada "a britânica mais elegante de todos os tempos" em uma pesquisa encomendada pela Samsung.[196] Seus figurinos de filmes já levantaram grandes somas de dinheiro em leilões: um dos três Vestidos Givenchy preto, desenhado por Givenchy para Breakfast at Tiffany's, foi vendido pela Christie's por uma quantia recorde de 467,200 de libra, em 2006; no entanto, não foi aquele usado pela atriz no filme.[197][nota 5] O crítico Richard Corliss, para a Times, definiu que há uma "era pós-Audrey" e que, mesmo nos anos 50, uma década com estrelas do cinema como Vivien Leigh, Claire Bloom, Grace Kelly e Jean Simmons, Hepburn foi um anacronismo glorioso. "Ela representava uma aristocracia moral e emocional que não existe mais — se é que existia, fora de suas fotos."[201]

Ela exerceu e continua a exercer influência na moda,[202][203] e sobre outras personalidades, como Maria Callas, Keira Knightley,[204] ou até mesmo personagens de desenhos animados, como a Princesa Aurora em A Bela Adormecida (1959).[205] Desde sua primeira colaboração com Givenchy, o estilo de Hepburn revolucionou a imagem das mulheres na moda. "Todas as mulheres queriam ser Audrey Hepburn"; por uma década, foi imitada; até o corte de cabelo e a maneira como ela falava e se portava.[206] Além disso, diversas outras atrizes e artistas foram comparadas a ela, dentre elas: Angelina Jolie,[207] Carey Mulligan,[208] Emma Watson,[209] Lily Collins[210] e Natalie Portman, que foi descrita pelo ator Jake Gyllenhaal como "a Audrey Hepburn de nossa geração". "Ela é elegante, graciosa, tem incríveis sobrancelhas… é talentosa, bem pequena, divertida, esperta, dedicada e muito gentil".[211][212] Outras, como Anne Hathaway, Freida Pinto, Leighton Meester, Mila Kunis, Olivia Wilde, Rachel Bilson, Sandra Bullock, Taylor Swift e Zooey Deschanel, citaram-na como inspiração.[213]

Que peso de mulher ela ergueu! Ali estava a prova de que beleza não tem de ser sinonimo de idiotice. Graças aos primeiros olhares para Audrey Hepburn em Roman Holiday, meia geração de mulheres jovens parou de colocar enchimento nos sutiãs e de vacilar sobre saltos altos finos.
 
Edital do New York Times sobre Hepburn[120].

Filmografia e papéis no teatro

 
Estrela da atriz na Calçada da Fama

Ela iniciou sua carreira no papel de uma aeromoça em Dutch in Seven Lessons (1948). No mesmo ano, atuou na peça britânica High Button Shoes e, no ano seguinte, em Sauce Tartare. Dois anos mais tarde, Hepburn teve sua estreia na Broadway como personagem-título da peça Gigi. Em Hollywood, sua primeira atuação foi como Princesa Ann em Roman Holiday, dirigido por William Wyler, no qual contracenou com Gregory Peck. O filme, lançado em 1953, é considerado o divisor de águas na carreira da atriz e foi o que a lançou ao estrelato,[214][215] Em 1954, ela interpretou a filha de um motorista envolvida num triângulo amoroso no filme Sabrina, atuando com Humphrey Bogart e William Holden.[216] Naquele mesmo ano, Hepburn venceu o Prêmio Tony de Melhor Atriz por ter protagonizado a peça Ondine. Sua atuação seguinte, em 1956, foi como Natasha Rostova em Guerra e Paz, na adaptação do romance homônimo de Leo Tolstoy. No ano posterior, estrelou Love in the Afternoon, ao lado de Gary Cooper e Maurice Chevalier, e Funny Face, ao lado de Fred Astaire.

Contudo, foi em 1961 que Hepburn interpretou sua personagem mais conhecida: Holly Golightly, na comédia romântica Breakfast at Tiffany's; ainda no mesmo ano, representou uma professor acusada de lesbianismo no drama The Children's Hour, ao lado de Shirley MacLaine.[217] Dois anos mais tarde, contracenou com Cary Grant em Charade. Nos anos seguintes, a atriz autou em Paris When It Sizzles, My Fair Lady e Wait Until Dark.[218] Após um longo hiato na carreira artística, Hepburn voltou às telas como Lady Marian em Robin and Marian (1976), ao lado de Sean Connery. A última aparição dela no cinema foi em Always (1989), de Steven Spielberg; sendo sua última e final aparição em cena foi em 1993 como apresentadora do documentário Gardens of the World with Audrey Hepburn, pela qual recebeu postumamente o Prêmio Emmy de Performance Individual - Programa Informativo.

Prêmios, honras, indicações e reconhecimentos

Ela é uma das poucas poucas pessoas que venceram o Emmy, Grammy, Oscar e Tony, e ganhou um recorde de três BAFTAs de Melhor Atriz Principal. Em seus últimos anos, ela manteve-se com uma presença notável no mundo do cinema. Recebeu uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood,[219] foi homenageada pela Film Society of Lincoln Center em 1991 e frequentemente apresentava cerimônias do Oscar. Hepburn recebeu o prêmio BAFTA Lifetime Achievement em 1992. Ela recebeu inúmeros prêmios póstumas, incluindo o Prêmio Humanitário Jean Hersholt de 1993 e os Grammy e Emmy Awards.

 
Hepburn a segurar seu Oscar

Ver também

Notas e referências

Notas

  1. Na certidão de nascimento de Hepburn, o pai dela teria nascido em Londres. Isto foi corrigido em 1952 por sua mãe para "nascido em Onzic, Bohemia". Onzic é uma leitura errada do Ouzic (alemão Auschiz), agora Úžice na República Checa.
  2. Walker escreve que não está claro para que tipo de empresa ele trabalhava; Ele foi listado como um "consultor financeiro" em um diretório de negócios holandês, e a família viajava com frequência entre os três países.[17]
  3. Ela já tinha recebido a bolsa em 1945, mas teve que recusar devido a "alguma incerteza em relação ao seu status nacional".[34]
  4. No geral, cerca de 90% de seu canto foi dublado apesar de ter sido prometido que a maioria de seus vocais seriam usados. A voz de Hepburn permanece em "I Could Have Danced All Night", no primeiro verso de "Just You Wait", e em toda a sua reprise, além de cantar em partes de "The Rain in Spain" no final do filme. Quando perguntada sobre a dublagem de uma atriz com tons vocais tão distintos, Hepburn franziu a testa e disse: "Você poderia dizer, não poderia? E havia Rex, gravando todas as músicas dele como ele agia... da próxima vez —" Ela mordeu o lábio para evitar que ela dissesse mais.[88] Mais tarde, ela admitiu que nunca teria aceitado o papel, sabendo que Warner pretendia ter quase todo o seu canto dublado.
  5. Este foi o maior preço pago por um vestido de um filme,[198] até que foi ultrapassado pelos 4,6 milhões de dólares pagos em junho de 2011 pelo "subway dress" de Marilyn Monroe de The Seven Year Itch.[199] Dos dois vestidos que Hepburn usava no cinema, um é guardado nos arquivos de Givenchy, enquanto o outro é exibido no Museu del Traje, em Madri.[200] Um leilão subsequente de Londres do guarda-roupa de filmes de Hepburn em dezembro de 2009 arrecadou £270,200, incluindo £60,200 para o vestido de festa preto Chantilly de How to Steal a Million.

Referências

  1. «Audrey Hepburn:Biography». Internet Movie Database (em inglês). Imdb.com. Consultado em 6 de fevereiro de 2012 
  2. «Audrey Hepburn» (em inglês). Pitt.com. Consultado em 20 de fevereiro de 2012 
  3. «Who Has an EGOT?» (em inglês). AOL. Consultado em 6 de fevereiro de 2012 
  4. «100 Years… 100 Stars: AFI» (em inglês). AFI.com. Consultado em 6 de fevereiro de 2012 
  5. Walker 1997, p. 9.
  6. Spoto 2006, p. 10.
  7. a b "Hepburn, Audrey". Oxford Dictionary of National Biography. Oxford University Press.
  8. a b Walker 1997, p. 6.
  9. «Anna Juliana Franziska Karolina Wels, born in Slovakia». Pitt.edu. Consultado em 4 de maio de 2013 
  10. Walker 1997, p. 7-8.
  11. a b c Spoto 2006, p. 3.
  12. Segers, Yop. «'Heemstra, Aarnoud Jan Anne Aleid baron van (1871–1957)',». Historici.nl. Consultado em 23 de outubro de 2013 
  13. a b c d e f g h i j k l m n o p Paris 2001.
  14. «Ian van Ufford Quarles Obituary». The Times. 29 de maio de 2010. Consultado em 31 de maio de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2016 
  15. Gitlin 2009, p. 3.
  16. vrijdag 6 mei 2011, 07u26. «De vijf hoeken van de wereld: Amerika in Elsene». brusselnieuws.be. Consultado em 14 de março de 2012 
  17. a b Walker 1997, p. 8.
  18. «Audrey Hepburn Speaking 5 languages». Youtube. Blender. Consultado em 15 de setembro de 2019 
  19. «Audrey Hepburn speaking French, Spanish and Italian». Global Graduates. Consultado em 15 de setembro de 2019 
  20. Walker 1997, pp. 15–16.
  21. Walker 1997, p. 14.
  22. «Famous and Notable People 'In and Around' the Elham Valley». Elham.co.uk. Consultado em 4 de setembro de 2009 
  23. Walker 1997, pp. 17–19.
  24. Klein, Edward (5 de março de 1989). «You Can't Love Without the Fear of Losing». Parade: 4–6 
    «página de 1 de 3». Consultado em 5 de maio de 2014. Arquivado do original em 4 de janeiro de 2011 
    «página de 2 de 3». Consultado em 5 de maio de 2014. Arquivado do original em 12 de agosto de 2011 
    «página de 3 de 3». Consultado em 5 de maio de 2014. Arquivado do original em 4 de janeiro de 2011 
  25. Harris 1995, p. 31.
  26. Harris 1995, p. 46.
  27. Cronin, Emily (20 de agosto de 2017). «Couture, pearls and a Breakfast at Tiffany's script: inside the private collection of Audrey Hepburn». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235. Consultado em 20 de setembro de 2017 
  28. Mythe ontkracht: Audrey Hepburn werkte niet voor het verzet, NOS.nl, 17 de novembro de 2016 (em neerlandês)
  29. Johnson, Richard (29 de outubro de 2018). «Audrey Hepburn reportedly helped resist Nazis in Holland during WWII». Fox News (em inglês). Consultado em 30 de outubro de 2018 
  30. Woodward 2012, p. 36.
  31. Tichner, Martha (26 de novembro de 2006). «Audrey Hepburn». CBS Sunday Morning 
  32. James, Caryn (1993). «Audrey Hepburn, actress, Is Dead at 63». The New York Times. Consultado em 26 de novembro de 2006. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2007 
  33. Woodward 2012, pp. 45–46.
  34. a b Woodward 2012, p. 52.
  35. Harris 1995, p. 43.
  36. Audiobooks & Original Audio Shows - Get More from Audible (em inglês). [S.l.: s.n.] 
  37. a b c Harris 1995, p. 47.
  38. Woodward 2012, p. 53.
  39. Woodward 2012, pp. 52–53.
  40. Vermilye 1995, p. 67.
  41. Woodward 2012, p. 54.
  42. Telegraph, 4 de maio de 2014, 'I suppose I ended Hepburn's career'
  43. «Audrey Hepburn's Son Remembers Her Life». Larry King Live. 24 de dezembro de 2003. CNN 
  44. «Princess Apparent». Time. 7 de setembro de 1953 
  45. Nichols, Mark Audrey Hepburn Goes Back to the Bar, Coronet, Novembro de 1956
  46. Walker 1997, p. 55.
  47. «The Silent Village (1951)». BFI (em inglês). Consultado em 4 de outubro de 2017 
  48. Spoto, Donald (2006). Enchantment : the life of Audrey Hepburn. London: Hutchinson. p. 48. ISBN 9780091796556. OCLC 64311239 
  49. a b c Shipman, David (8 de junho de 2019). «A Life in Focus: Audrey Hepburn, the Breakfast at Tiffany's star whose elegance never faded». The Independent (em inglês). Consultado em 30 de setembro de 2019 
  50. Woodward 2012, p. 94.
  51. Harris 1995, p. 66.
  52. Harris 1995, p. 67.
  53. Thurman 1999, p. 483.
  54. a b «History Lesson! Learn How Colette, Audrey Hepburn, Leslie Caron & Vanessa Hudgens Transformed Gigi». Broadway.com. Consultado em 17 de setembro de 2015 
  55. a b «Audrey Is a Hit». Life. 10 de dezembro de 1951. Consultado em 22 de abril de 2016 
  56. Harris 1995, p. 80.
  57. a b Gigi (em inglês) no Internet Broadway Database
  58. Harris 1995, p. 72.
  59. Harris 1995, p. 73.
  60. Paris 2001, p. 72.
  61. Harris 1995, p. 74.
  62. Fishgall 2002, p. 173.
  63. Weiler, A. W. (28 de agosto de 1953). «'Roman Holiday' at Music Hall Is Modern Fairy Tale Starring Peck and Audrey Hepburn». The New York Times. Consultado em 14 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 11 de agosto de 2011 
  64. a b Bradshaw, Peter (18 de julho de 2013). «Roman Holiday». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  65. Harris 1995, p. 97.
  66. Connolly, Mike. Who Needs Beauty!, Photoplay, Janeiro de 1954
  67. Harris 1995, p. 96.
  68. «Audrey Hepburn: Behind the sparkle of rhinestones, a diamond's glow». Time. 7 de setembro de 1953. Consultado em 28 de maio de 2009. Cópia arquivada em 12 de maio de 2009 
  69. Crowther, Bosley (23 de setembro de 1954). «Screen: 'Sabrina' Bows at Criterion; Billy Wilder Produces and Directs Comedy». The New York Times 
  70. Harris 1995, p. 107.
  71. «Mel Ferrer». The Daily Telegraph (em inglês). Consultado em 27 de abril de 2017 
  72. «Hepburn's Golden Globe nominations and awards». Golden Globes. 14 de janeiro de 2010. Consultado em 10 de março de 2010. Cópia arquivada em 8 de abril de 2010 
  73. «Filmography: The Nun's Story». audrey1.com. Consultado em 14 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2006 
  74. «Audrey Hepburn plays Sister Luke». audreyhepburnlibrary.com [expired domain]. 1959. Consultado em 5 de maio de 2014. Arquivado do original em 27 de julho de 2011 
  75. Crowther, Bosley (20 de março de 1959). «Delicate Enchantment of 'Green Mansions'; Audrey Hepburn Stars in Role of Rima». The New York Times 
  76. Harris 1995, p. 179.
  77. a b Harris 1995, p. 180.
  78. Harris 1995, p. 184.
  79. Capote & Inge.
  80. «'Breakfast at Tiffany's': THR's 1961 Review». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 25 de agosto de 2019 
  81. Monji, Jana. «A little black dress makes the world go round | Far Flungers». Rogerebert.com (em inglês). Consultado em 25 de agosto de 2019 
  82. a b «Audrey Hepburn: Style icon». BBC News. 4 de maio de 2004 
  83. «The Most Famous Dresses Ever». Glamour. Abril de 2007. Consultado em 16 de maio de 2011 
  84. «Audrey Hepburn dress». Hello Magazine. 6 de dezembro de 2006 
  85. «Audrey Hepburn's little black dress tops fashion list». The Independent. UK. 17 de maio de 2010. Consultado em 16 de maio de 2011 
  86. Steele 2010, p. 483.
  87. Kane, Chris. Breakfast at Tiffany's, Screen Stories, Dezembro de 1961
  88. a b Archer, Eugene. With A Little Bit Of Luck And Plenty Of Talent, The New York Times, 1 de novembro de 1964
  89. «Scollature spaziali - David di Donatello 1962». Istituto Luce Cinecittà. Consultado em 25 de agosto de 2019 
  90. Alexander, Leonardo. «Bonequinha de Luxo». Cinema em Cena (em inglês). Consultado em 25 de agosto de 2019 
  91. Crowther, Bosley (15 de março de 1962). «The Screen: New 'Children's Hour': Another Film Version of Play Arrives Shirley MacLaine and Audrey Hepburn Star». The New York Times 
  92. «The Children's Hour». Variety. 31 de dezembro de 1960 
  93. Eastman 1989, pp. 57–58.
  94. How Awful About Audrey!, Motion Picture, Maio de 1964
  95. Newton, Michael (13 de dezembro de 2013). «Charade: The last sparkle of Hollywood». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  96. Crowther, Bosley (6 de dezembro de 1963). «Screen: Audrey Hepburn and Grant in 'Charade': Comedy-Melodrama Is at the Music Hall Production Abounds in Ghoulish Humor». The New York Times 
  97. a b c Eleanor Quin. «Paris When It Sizzles: Overview Article». Turner Classic Movies. Consultado em 27 de maio de 2009 
  98. a b «Paris When It Sizzles». Variety. 1 de janeiro de 1964. Consultado em 28 de maio de 2009 
  99. a b Crowther, Bosley (22 de outubro de 1964). «Screen: Lots of Chocolates for Miss Eliza Doolittle: 'My Fair Lady' Bows at the Criterion». The New York Times 
  100. a b «Audrey Hepburn obituary». The Daily Telegraph. London. 22 de janeiro de 1993 
  101. a b Ringgold, Gene. My Fair Lady – the finest of them all!, Soundstage, Dezembro de 1964
  102. Behind Audrey Hepburn and Mel Ferrer's Breakup, Screenland, Dezembro de 1967
  103. a b «25th Golden Globes Awards (1968) - Movies from 1967». FilmAffinity (em inglês). Consultado em 15 de setembro de 2019 
  104. «The 40th Academy Awards | 1968». Academy of Motion Picture Arts and Sciences (em inglês). Consultado em 15 de setembro de 2019 
  105. Heatley, Michael (1 de maio de 2017). Audrey Hepburn: In Words and Pictures (em inglês). [S.l.]: Book Sales. p. 188. ISBN 9780760358801 
  106. Crowther, Bosley (27 de outubro de 1967). «The Screen: Audrey Hepburn Stars in 'Wait Until Dark'». The New York Times 
  107. Ebert, Roger. «Wait Until Dark Movie Review & Film Summary (1968)». Rogerebert.com (em inglês). Consultado em 15 de setembro de 2019 
  108. «Cinema: The Return of the Helpless Girl -- Printout --». TIME. Consultado em 15 de setembro de 2019 
  109. Harris 1995, p. 238.
  110. Chicago Sun-Times review by Roger Ebert , 21 de abril de 1976
  111. «Hundreds Nominated For Grammys». Deseret News. Deseret News Publishing Company. 10 de janeiro de 1994. p. 6. Consultado em 15 de setembro de 2019 
  112. «Classics | United Nations Audiovisual Library». www.unmultimedia.org (em inglês). Consultado em 27 de abril de 2017 
  113. «Audrey Hepburn». UNICEF (em inglês). Consultado em 27 de abril de 2017 
  114. «Audrey Hepburn – Ambassador of Children». audrey1.com. Consultado em 14 de janeiro de 2008 
  115. a b c «Audrey Hepburn's UNICEF Field Missions». Consultado em 22 de dezembro de 2013 
  116. «The Din of Silence». Newsweek. 12 de outubro de 1992 
  117. a b Harris 1995, p. 295.
  118. «Was Audrey Hepburn, the Queen of Polyglotism?». news.biharprabha.com. Consultado em 3 de maio de 2014 
  119. Paris 1996, p. 91.
  120. a b Harris 1995, p. 296.
  121. «Audrey Hepburn's work for the world's children honoured». unicef.org. Consultado em 8 de maio de 2013 
  122. «U.N. Hosts Special Session on Children's Rights». cnn.com. 7 de fevereiro de 2001. Consultado em 8 de maio de 2013 
  123. Woodward 2012, p. 131.
  124. Hyams, Joe. Why Audrey Hepburn Was Afraid Of Marriage, Filmland, Janeiro de 1954
  125. Woodward 2012, p. 132.
  126. Kogan, Rick; The Aging of Aquarius, Chicago Tribune, 6/30/96, michaelbutler.com.
  127. Walter 1997.
  128. «Audrey Hepburn puts an end to "will she" or "won't she" rumors by marrying Mel Ferrer!». audreyhepburnlibrary.com [expired domain]. 1954. Consultado em 5 de maio de 2014. Arquivado do original em 6 de dezembro de 2010 
  129. Audrey Hepburn Timeline 1950–1959
  130. «Audrey Hepburn Timeline 1960–1969». audrey1.org. Consultado em 5 de julho de 2015 
  131. Stone, David. 'My Husband Mel', Everybodys, 10 de março de 1956
  132. Behind Audrey Hepburn and Mel Ferrer's Breakup, Screenland, Dezembro de 1967
  133. «Mel Ferrer obituary». Daily Telegraph. 4 de junho de 2008. Consultado em 3 de maio de 2017 
  134. «An Audrey Hepburn Biography: 1955–1975». audrey1.com. Consultado em 14 de janeiro de 2008 
  135. Genzlinger, Neil (3 de fevereiro de 2012). «Ben Gazzara, Actor of Stage and Screen, Dies at 81». The New York Times 
  136. «Audrey Hepburn obituary». Daily Telegraph. 22 de janeiro de 1993. Consultado em 3 de maio de 2017 
  137. Heatley, Michael (2017). Audrey Hepburn: In words and pictures. [S.l.]: Book Sales. p. 166. ISBN 0-7858-3534-2 
  138. Paris 1996, p. 361.
  139. «Selim Jocelyn, ""The Fairest of All", CR Magazine, Fall 2009». Crmagazine.org. Consultado em 10 de março de 2010. Cópia arquivada em 19 de abril de 2010 
  140. «Two favorite poems of Audrey Hepburn». audrey1.com. Consultado em 14 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2007 
  141. Binder, David (25 de janeiro de 1993). «Hepburn's Role As Ambassador Is Paid Tribute». The New York Times 
  142. «A Gentle Goodbye -Surrounded by the Men She Loved, the Star Was Laid to Rest on a Swiss Hilltop». People. 1 de janeiro de 1993 
  143. News Service, N.Y. Times. (25 de janeiro de 1993). "Hepburn buried in Switzerland". Record-Journal. p. 10.
  144. Ruiz, Karen (15 de dezembro de 2017). «EXCLUSIVE: Audrey Hepburn's will revealed!» 
  145. a b c d e Macnab, Geoffrey (18 de maio 2018). «25 years after her death, we're still obsessed with Audrey Hepburn». The Independent (em inglês) 
  146. a b Cox, Alex (20 de janeiro de 2011). «Audrey Hepburn: an iconic problem». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  147. a b c Murray, Noel. «The elegant, rare career of Audrey Hepburn». The Dissolve. Consultado em 30 de setembro de 2019 
  148. Tynan, William (27 de março de 2000). «The Audrey Hepburn Story». TIME. Consultado em 10 de março de 2010 
  149. Christopher, James (12 de janeiro de 2009). «The best British film actresses of all time». The Times. London. Consultado em 4 de maio de 2010 
  150. «100 Greatest Movie Performances of All Time». Filmsite.org. Consultado em 15 de setembro de 2019 
  151. «100 Greatest Movie Characters of All Time». Filmsite.org. Consultado em 15 de setembro de 2019 
  152. AHCF. «Audrey Hepburn Children's Fund – Photographs – video – donations – woman accessories – bag». audreyhepburn.com. Consultado em 17 de setembro de 2015 
  153. «Audrey Hepburn® Society Chair». UNICEF USA. Consultado em 17 de setembro de 2015 
  154. «Sean Hepburn Ferrer – Pseudomyxoma Survivor». Pseudomyxoma Survivor. Consultado em 5 de julho de 2015 
  155. «Rare Disease Day ® 2015 – Sean Hepburn Ferrer, special ambassador of Rare Disease Day 2014». Rare Disease Day – 28 de fevereiro de 2015. Consultado em 5 de julho de 2015 
  156. a b Lane, Megan (7 de abril de 2006). «Audrey Hepburn: Why the fuss?». BBC News. BBC 
  157. Naomi Harriet (19 de agosto de 2016). «80s Fashion Trends, Reborn!s». La Rue Moderne. Consultado em 23 de setembro de 2016. Arquivado do original em 21 de agosto de 2016 
  158. a b c d Moseley, Rachel (7 de março de 2004). «Audrey Hepburn – everybody's fashion icon». The Guardian. Consultado em 23 de abril de 2016 
  159. a b c Collins, Amy Fine (3 de fevereiro de 2014). «When Hubert Met Audrey». Vanity Fair. Consultado em 23 de abril de 2016 
  160. a b Zarrella, Katharine K. «Hubert de Givenchy & Audrey Hepburn». V Magazine. Consultado em 23 de abril de 2016. Arquivado do original em 10 de maio de 2015 
  161. Sheridan 2010, p. 94.
  162. Moseley 2002, p. 39.
  163. Regard sur Audrey Hepburn, Regard Magazine n° 4, Paris, Janeiro de 1993.
  164. Haria, Sonia (4 de agosto de 2012). «Beauty Icon: Givenchy's L'Interdit». The Daily Telegraph. Consultado em 23 de abril de 2016 
  165. Sheridan 2010, pp. 92–95.
  166. «Hepburn revival feeding false image?». The Age. Melbourne, Austrália. 2 de outubro de 2006 
  167. Harris, Eleanor. Audrey Hepburn, Good Housekeeping, Agosto de 1959
  168. MacLaine, Shirley, 1934- (1996). Les stars de ma vie. Paris: Presses de la Cité. ISBN 2258041899. OCLC 319750686 
  169. «The Evolution of Sex Symbols». Jacksonville.com. 26 de julho de 2014. Consultado em 15 de setembro de 2019 
  170. «Audrey Hepburn». The Telegraph (em inglês). 22 de janeiro de 1993. ISSN 0307-1235 
  171. Sheridan 2010, p. 95.
  172. Billson, Anne (29 de dezembro de 2014). «Audrey Hepburn: a new kind of movie star». The Daily Telegraph. London 
  173. a b Hill 2004, p. 78.
  174. Sheridan 2010, p. 93.
  175. Wasson 2011, p. 30.
  176. Photoplay Exclusive, 1954, p. 48
  177. Harris 1995, p. 85-86.
  178. Mangorra 2015, p. 21.
  179. Moseley 2002, pp. 1–10.
  180. Yipu 2004, p. 78.
  181. Glaister, Dan (26 de setembro de 2006). «Hepburn gives posthumous boost to Gap». The Guardian. Consultado em 15 de setembro de 2019 
  182. Miller, Danny (15 de setembro de 2006). «Audrey Hepburn: Dead is the New Alive». HuffPost (em inglês). Consultado em 15 de setembro de 2019 
  183. «New Gap marketing campaign featuring original film footage of Audrey Hepburn helps Gap "Keeps it Simple" this Fall – WBOC-TV 16». Web.archive.org. 28 de setembro de 2007. Consultado em 6 de setembro de 2010. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2007 
  184. «New faces on Sgt Pepper album cover for artist Peter Blake's 80th birthday». The Guardian. 5 de outubro de 2016 
  185. Usborne, Simon (24 de fevereiro de 2013). «Audrey Hepburn advertise Galaxy chocolate bars? Over her dead body!». The Independent. Londres. Consultado em 28 de fevereiro de 2013 
  186. «Audrey Hepburn digitaly reborn for Galaxy». 1 de março de 2013. Consultado em 18 de novembro de 2014 
  187. Grossman, Samantha (4 de maio de 2014). «Google Doodle Pays Tribute to Audrey Hepburn». Time. Consultado em 9 de março de 2017 
  188. a b Palmer, Ann, 1931-. Letters to the dead : things I wish I'd said Second edition ed. [Terrace] British Columbia: [s.n.] p. 74. ISBN 9781771431262. OCLC 881553194. Consultado em 15 de setembro de 2019 
  189. «AmIAnnoying.com - FHM's 100 Sexiest Women [1995]». Amiannoying.com. Consultado em 15 de setembro de 2019 
  190. «100 Greatest Film Stars». Filmsite.org. Consultado em 15 de setembro de 2019 
  191. The 100 greatest stars of all time. New York: Entertainment Weekly Books. 1997. ISBN 1883013178. OCLC 38007729 
  192. «The Best and Worst Dressed People of All Time». People (em inglês). 18 de setembro de 2000. Consultado em 15 de setembro de 2019 
  193. «Audrey Hepburn tops beauty poll». BBC NEWS. 31 de maio de 2004 
  194. «Audrey Hepburn tops beauties poll». The Independent (em inglês). 1 de julho de 2010. Consultado em 15 de setembro de 2019 
  195. Singh, Anita (10 de fevereiro de 2009). «Audrey Hepburn beats Angelina Jolie to title of ultimate Hollywood beauty». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235 
  196. Sharkey, Linda (27 de abril de 2015). «Audrey Hepburn is officially Britain's style icon – 22 years after her death». The Independent. Consultado em 23 de abril de 2016 
  197. Christie's online catalog.
  198. Dahl, Melissa (11 de dezembro de 2006). «Stylebook: Hepburn gown fetches record price». Pittsburgh Post-Gazette. Consultado em 1 de janeiro de 2010 
  199. «Marilyn Monroe "subway" dress sells for $4.6 million». Reuters. 19 de junho de 2011. Consultado em 29 de junho de 2011 
  200. «Auction Frenzy over Hepburn dress». BBC NEWS. 5 de dezembro de 2006 
  201. Corliss, Richard (20 de janeiro de 2007). «Audrey Hepburn: Still the Fairest Lady». Time (em inglês). ISSN 0040-781X 
  202. Blackman 2012, p. 220.
  203. Reed, Paula, (2012). Fifty fashion looks that changed the 1960s. London: Conran Octopus. ISBN 9781840916041. OCLC 797980972 
  204. Elley, Derek (12 de setembro de 2005). «Pride & Prejudice». Variety (em inglês). Consultado em 28 de setembro de 2019 
  205. «Audrey Hepburn: Disney's Sleeping Beauty». Lisa's History Room (em inglês). 15 de abril de 2009. Consultado em 28 de setembro de 2019 
  206. Blackman 2012, p. 371.
  207. Patterson, John (4 de dezembro de 2010). «Is Angelina Jolie the new Audrey Hepburn or Elizabeth Taylor?». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  208. «Carey Mulligan - 'the new Audrey Hepburn'» (em inglês). 2 de fevereiro de 2010. ISSN 0307-1235 
  209. «Women in Film: Inspired by the Classics: Audrey Hepburn & Emma Watson». That Moment In (em inglês). 11 de dezembro de 2015. Consultado em 28 de setembro de 2019 
  210. «Actress Lily Collins has been compared to Audrey Hepburn». Star2.com (em inglês). 28 de setembro de 2016. Consultado em 28 de setembro de 2019 
  211. d'Estries, Michael. «8 celebrities who might just be immortal». From the Grapevine (em inglês). Consultado em 28 de setembro de 2019 
  212. «Jake Gyllenhaal compara Natalie Portman a Audrey Hepburn». CineZen Cultural. 11 de janeiro de 2011. Consultado em 28 de setembro de 2019 
  213. Gavilanes, Grace. «9 Stars Who Are Inspired By Audrey Hepburn». InStyle (em inglês). Consultado em 28 de setembro de 2019 
  214. «Audrey Hepburn's Fashionable Life in Rome». Vanity Fair. Maio de 2013 
  215. Buchanan, Rose Troup (4 de maio de 2014). «Audrey Hepburn 85th birthday celebrated with Google Doodle». The Independent 
  216. Crowther, Bosley (23 de setembro de 2014). «Sabrina (1954) Screen: 'Sabrina' Bows at Criterion; Billy Wilder Produces and Directs Comedy». The New York Times 
  217. Ryan, Pat (15 de março de 2013). «Forever a Gamine at Tiffany's». The New York Times 
  218. Caryn, James (21 de janeiro de 1993). «Audrey Hepburn, Actress, Is Dead at 63». The New York Times 
  219. «Audrey Hepburn». Hollywood Walk of Fame (em inglês). Walkoffame.com. Consultado em 10 de fevereiro de 2012 

Bibliografia

Obras citadas

Ligações externas