Abrir menu principal

Grande Prêmio da Grã-Bretanha de 2012

Grande Prêmio da Inglaterra de F-1 2012
Circuit Silverstone 2011.svg
Grande Prêmio da Grã-Bretanha de 2012.
Detalhes da corrida
Data 8 de julho de 2012
Nome oficial 2012 Formula One Santander British Grand Prix[1]
Local Circuito de Silverstone, Silverstone, Inglaterra
Total 52 voltas / 306.227 km
Pole
Piloto
Espanha Fernando Alonso Ferrari
Tempo 1:51.746
Volta mais rápida
Piloto
Finlândia Kimi Räikkönen Lotus-Renault
Tempo 1:34.661 (na volta 50)
Pódio
Primeiro
Austrália Mark Webber Red Bull-Renault
Segundo
Espanha Fernando Alonso Ferrari
Terceiro
Alemanha Sebastian Vettel Red Bull-Renault

O Grande Prêmio da Grã-Bretanha de 2012 foi a nona corrida da temporada de 2012 da Fórmula 1.[2] A prova foi disputada no dia 8 de julho no Circuito de Silverstone, em Silverstone, Northamptonshire.

RelatórioEditar

ClassificatórioEditar

Q1

O treino teve início debaixo de chuva e antes do sinal verde ser aceso os carros já estavam congestionados esperando a abertura dos boxes. Kobayashi, que era o primeiro da fila, foi o primeiro a marcar tempo. Alguns pilotos escapavam da pista e passeavam na grama, outros se tocavam ou dividiam curvas com muito cuidado, já que os carros chegavam a aquaplanar em plena reta. A previsão das equipes era de que a pista iria piorar, porém até a chuva aumentar a pista melhorou, o que fez com que os tempos baixassem a cada volta e que vários pilotos ocupassem em algum momento a primeira posição. Massa, Hamilton, Di Resta, Hulkenberg e Maldonado foram alguns. No final da sessão o inglês Button estava em 18º quando o cronômetro estava prestes a ser zerado. Uma troca de pneus fez com que seu ritmo melhorasse bastante, entretanto quando ia cruzar a linha de chegada pela última vez para garantir sua passagem para o Q2, encontrou uma bandeira amarela devido a uma rodada do alemão Glock. Com isso ele acabou reduzindo e foi eliminado ainda no Q1.[3]

O alemão Vettel da Red Bull Racing foi o mais veloz no Q1 com o tempo de 1m46s279mil, com Webber em segundo.[3]

Q2

A segunda parte do treino teve início com mais chuva na pista. A situação dos pilotos era complicada, a maioria foi para a pista com pneus para chuva extrema. A exceção foram os carros da Williams e da Ferrari, que erroneamente tentaram usar pneus intermediários, uma tentativa que falhou e fez com que os pilotos tivessem que parar novamente nos boxes para trocá-los. Com a piora da pista, Maldonado, Senna, Alonso e Massa tiveram problemas e não conseguiram aproximar-se dos dez primeiros.[3]

Faltando 6 minutos para o final da sessão a chuva aumentou e alguns pilotos começaram a escapar da pista, entre eles Massa e Alonso, sendo que o espanhol quase bateu no muro de proteção. Com isso, para segurança, a bandeira vermelha foi acionada e a classificação foi paralisada. Após 92 minutos de paralisação a pista foi liberada e com situação melhor. Alguns pilotos, como Rosberg, ainda escapavam, porém todos estavam mais velozes e baixando os tempos que já haviam sido feitos. Mais uma vez a primeira posição passou por vários pilotos.[3]

Com cronômetro já zerado, Hamilton empolgou a torcida marcando o melhor tempo, com Alonso e Senna fora do Q1. Grosjean, que era o quinto, acabou na brita, o que atrapalhou alguns outros carros, pois foi dada a bandeira amarela naquele setor da pista. Alonso, na última volta bateu na trave com o nono posto e com Vettel em décimo. Hamilton se manteve na liderança no fim do treino com 1m55s799mil e foi para o Q3 na frente. Massa também garantiu o sexto lugar, assim como Alonso, o nono. Fora do Q3 ficaram Di Resta, Kobayashi, Rosberg, Ricciardo, Senna, Vergne e Perez, que era o líder antes da paralisação.[3]

Q3

A última sessão da classificação teve maior utilização dos pneus intermediários, que só não tiveram adesão de Schumacher e Raikkonen, que mantiveram o composto para chuva extrema. Novamente a pista melhorava a cada volta, e quem ditava o ritmo eram os dois carros da Ferrari, com Alonso e Massa se alternando na liderança. O brasileiro mostrou gana para brigar pela posição de honra, perdendo posições no final. Webber, Schumacher e Vettel marcaram bons tempos no final e jogaram Massa para quinto, porém ninguém foi mais veloz que o espanhol Alonso, que marcou 1m51s746mil na última de suas voltas e garantiu a primeira posição no grid de largada para a corrida. A Ferrari não marcava uma pole position a 31 corridas.[3]

Punições

Hulkenberg e Pic perderam cinco posições por trocar o câmbio antes do classificatório. Kobayashi perdeu cinco posições no grid de largada por causar um acidente com Massa na corrida anterior, e Vergne perdeu cinco por causar um acidente com Kovalainen na mesma corrida. Pic não classificou-se para prova por exceder o tempo da regra dos 107%, entretanto os comissários permitiram que ele largasse por ter marcado tempos abaixo dos 107% nos treinos livres.[4][5]

 
Grid de largada.

ProvaEditar

 
Webber venceu a prova.

Cerca de vinte minutos antes da largada o russo Petrov deixou os boxes e, momentos depois, seu motor começou a soltar fumaça. O piloto recolheu o carro de volta aos boxes, entretanto os mecânicos não foram capazes de consertar a falha no motor antes da corrida. Petrov não largou.[6]

A prova teve início no horário correto e sem a presença da chuva, como era esperado. Na largada Alonso, com pneus duros, defendeu bem a liderança realizando uma manobra extremamente brusca para cima de Webber, com pneus macios. O espanhol manteve a liderança e ampliou a vantagem nas voltas subsequentes. Um pouco atrás Massa ganhou posição de Vettel, se defendeu de Raikkonen e tentou ultrapassar Schumacher para ser terceiro na 11ª volta depois de muita disputa. Senna também largou bem, saindo de 13º para 8º, embora tenha caído para 10º algumas voltas depois.[7]

A partir desse momento a corrida se tornou cerebral. Alonso guardava seus pneus macios para o final da prova, o que claramente não era uma boa alternativa. Ele teria de abrir grande vantagem para Webber nos dois pit stops que faria. Alonso parou nas voltas 14 e 38, Webber na 15 e na 34, com a diferença que partiria para a última janela com pneus duros. Na segunda posição Schumacher perdeu rendimento em pista seca e acabou perdendo algumas posições, enquanto Vettel ultrapassou Massa nos boxes e firmou-se em terceiro.[7]

Hamilton assumiu a liderança quando ainda não havia parado nos boxes, mas foi ultrapassado por Alonso. Perez e Maldonado pararam nos boxes juntos e, quando o mexicano foi tentar passar na volta para a pista, por fora, foi tocado pelo venezuelano da Williams. Os dois rodaram e Perez abandonou a prova muito bravo.[7]

O brasileiro Senna travou um duelo com Hulkenberg e Button no final da prova. Hulkenberg era o nono, Senna o décimo e Button o décimo-primeiro, quando na penúltima volta, em uma manobra que durou três curvas, Senna garantiu a melhor posição entre os três. Tentando se recuperar, Hulkenberg ainda escapou da pista e abriu caminho para Button pontuar.[7]

Na 38ª volta Kobayashi entrou nos boxes para fazer o seu pit stop, o japonês perdeu o ponto de freada e atropelou três mecânicos da Sauber. Apenas um deles se feriu, com um corte na perna, porém sem gravidade.

Massa e Grosjean eram os pilotos mais rápidos na pista na parte final da prova. Alonso fez sua última parada na volta 38 e ainda voltou na liderança. Mas, seus pneus macios não eram a melhor escolha e Webber era 1 segundo mais rápido por volta, até que na volta 48, faltando 4 para o fim, o espanhol perdeu a posição para o australiano. A última batalha da prova foi entre Raikkonen e Massa, entretanto Massa se defendeu bem das tentativas de Raikkonen na última volta e garantiu o quarto lugar. Webber cruzou a linha de chegada em primeiro seguido por Alonso e Vettel, respectivamente. Foi a segunda vitória de Webber em uma temporada bem equilibrada.[7]

 
Resultado da corrida.

ResultadosEditar

Treino classificatórioEditar

Pos Piloto Equipe Q1 Q2 Q3 Voltas
1 5   Fernando Alonso Ferrari 1:46.515 1:56.921 1:51.746 25
2 2   Mark Webber Red Bull Racing-Renault 1:47.276 1:55.898 1:51.793 23
3 7   Michael Schumacher Mercedes 1:46.571 1:55.799 1:52.020 22
4 1   Sebastian Vettel Red Bull Racing-Renault 1:46.279 1:56.931 1:52.199 23
5 6   Felipe Massa Ferrari 1:47.401 1:56.388 1:53.065 24
6 9   Kimi Räikkönen Lotus-Renault 1:47.309 1:56.469 1:53.290 24
7 8   Pastor Maldonado Williams-Renault 1:46.449 1:56.802 1:53.539 25
8 4   Lewis Hamilton McLaren-Mercedes 1:47.433 1:54.897 1:53.543 25
9 10   Romain Grosjean Lotus-Renault 1:47.043 1:56.388 S/ tempo 20
10 11   Paul di Resta Force India-Mercedes 1:47.582 1:57.009 19
11 8   Nico Rosberg Mercedes 1:47.724 1:57.108 17
12 16   Daniel Ricciardo Toro Rosso-Ferrari 1:47.266 1:57.132 18
13 19   Bruno Senna Williams-Renault 1:47.105 1:57.426 19
14 12   Nico Hulkenberg1 Force India-Mercedes 1:46.334 1:55.556 1:54.382 22
15 15   Sergio Pérez Sauber-Ferrari 1:46.494 1:57.895 19
16 3   Jenson Button McLaren-Mercedes 1:48.044 12
17 14   Kamui Kobayashi2 Sauber-Ferrari 1:46.649 1:57.071 18
18 21   Vitaly Petrov Caterham-Renault 1:49.027 10
19 20   Heikki Kovalainen Caterham-Renault 1:49.477 10
20 24   Timo Glock Marussia-Cosworth 1:51.618 10
21 22   Pedro de la Rosa Hispania-Cosworth 1:52.742 11
22 23   Narain Karthikeyan Hispania-Cosworth 1:53.040 10
23 17   Jean-Éric Vergne3 Toro Rosso-Ferrari 1:47.705 1:57.719 18
107% tempo:1:53.718
DNQ 25   Charles Pic1 4 Marussia-Cosworth 1:54.143 10
Fonte:[5]
  • ↑1 Hulkenberg e Pic perderam cinco posições por trocar o câmbio antes do classificatório[4]
  • ↑2 Kobayashi perdeu cinco posições no grid de largada por causar um acidente com Massa na corrida anterior[4]
  • ↑3 Vergne perdeu cinco posições no grid de largada por causar um acidente com Kovalainen na corrida anterior[4]
  • ↑4 Pic não classificou-se para prova por exceder o tempo da regra dos 107%, entretanto os comissários permitiram que ele largasse por ter marcado tempos abaixo dos 107% nos treinos livres[5]

CorridaEditar

Pos. Nu. Piloto Construtor Voltas Tempo/Retirado Grid Pontos
1 2   Mark Webber Red Bull-Renault 52 1:25:11.288 2 25
2 5   Fernando Alonso Ferrari 52 +3.060 1 18
3 1   Sebastian Vettel Red Bull-Renault 52 +4.836 4 15
4 6   Felipe Massa Ferrari 52 +9.519 5 12
5 9   Kimi Räikkönen Lotus-Renault 52 +10.314 6 10
6 10   Romain Grosjean Lotus-Renault 52 +17.101 9 8
7 7   Michael Schumacher Mercedes 52 +29.153 3 6
8 4   Lewis Hamilton McLaren-Mercedes 52 +36.463 8 4
9 19   Bruno Senna Williams-Renault 52 +43.347 13 2
10 3   Jenson Button McLaren-Mercedes 52 +44.444 16 1
11 14   Kamui Kobayashi Sauber-Ferrari 52 +45.370 17
12 12   Nico Hülkenberg Force India-Mercedes 52 +47.856 14
13 16   Daniel Ricciardo Toro Rosso-Ferrari 52 +51.241 12
14 17   Jean-Éric Vergne Toro Rosso-Ferrari 52 +53.313 23
15 8   Nico Rosberg Mercedes 52 +57.394 11
16 18   Pastor Maldonado Williams-Renault 51 +1 Volta 7
17 20   Heikki Kovalainen Caterham-Renault 51 +1 Volta 19
18 24   Timo Glock Marussia-Cosworth 51 +1 Volta 20
19 25   Charles Pic Marussia-Cosworth 51 +1 Volta 24
20 22   Pedro de la Rosa HRT-Cosworth 50 +2 Voltas 21
21 23   Narain Karthikeyan HRT-Cosworth 50 +2 Voltas 22
Ret 15   Sergio Pérez Sauber-Ferrari 11 Colisão 15
Ret 11   Paul di Resta Force India-Mercedes 2 Colisão 10
DNS 21   Vitaly Petrov Caterham-Renault 0 Motor 18
Fonte:[8]

CuriosidadeEditar

Tabela do campeonato após a corridaEditar

Observe que somente as cinco primeiras posições estão incluídas na tabela.

Referências

  1. «2012 Formula One Santander British Grand Prix». Formula1.com. Formula One Management. Consultado em 25 de junho de 2012 
  2. «Calendário da F1 de 2012 confirmado». Autosport. 31 de agosto de 2011. Consultado em 22 de março de 2012 [ligação inativa]
  3. a b c d e f Carlos Eduardo Garcia. «Depois de 31 corridas, Ferrari é pole com Alonso» (shtml). Quatro Rodas. Consultado em 7 de julho de 2012 
  4. a b c d «Hulkenberg e Pic são punidos por troca de câmbio» (html). Gazeta Esportiva. 7 de julho de 2012. Consultado em 8 de julho de 2012 
  5. a b c «2012 FORMULA 1 SANTANDER BRITISH GRAND PRIX» (em inglês). The Formula 1 Official Web Site. Consultado em 7 de julho de 2012 
  6. «Engine Failure Puts Petrov Out of British GP» (html) (em inglês). RIA Novosti. 8 de julho de 2012. Consultado em 8 de julho de 2012 
  7. a b c d e Carlos Eduardo Garcia (8 de julho de 2012). «Webber vence na base da estratégia; Massa é 4º e Senna é 9º» (shtml). Quatro Rodas. Consultado em 8 de julho de 2012 
  8. Beer, Matt (8 de julho de 2012). «Mark Webber charges to superb British Grand Prix victory». Autosport.com. Haymarket Publications. Consultado em 8 de julho de 2012 
  9. a b «Europe 2012» (em francês). Stats F1. 8 de julho de 2012 

Ver tambémEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Grande Prêmio da Grã-Bretanha de 2012
Prova Anterior:
GP da Europa de 2012
Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1
Temporada 2012
Próxima Prova:
GP da Alemanha de 2012

Prova Anterior:
GP da Grã-Bretanha de 2011
Grande Prêmio da Grã-Bretanha Próxima Prova:
GP da Grã-Bretanha de 2013