Idi Amin

Idi Amin Dada (Koboko, c. 1925Jidá, 16 de agosto de 2003) foi um militar ugandense, que serviu como presidente de Uganda de 1971 até 1979. Ele é considerado um dos ditadores mais brutais e despotas da história.[2]

Idi Amin
Amin, em 1975, antes de discursar perante a Assembleia Geral das Nações Unidas.
Presidente de Uganda
Período 25 de janeiro de 1971
a 11 de abril de 1979
Vice-presidente Mustafa Adrisi (1977–1978)
Antecessor(a) Milton Obote
Sucessor(a) Yusuf Lule
Dados pessoais
Nome completo Idi Amin Dada
Nascimento c. 1925
Koboko, Uganda
Morte 16 de agosto de 2003 (77–78 anos)
Jidá, Meca, Arábia Saudita
Progenitores Mãe: Assa Aatte
Pai: Andreas Nyabire
Esposas Malyamu (1966–1974)
Kay (1966–1974)
Nora (1967–1974)
Nalongo Madina (1972–2003)
Sarah Kyolaba (1975–2003)
Filhos 43 (estimado)[1]
Religião Islamismo
Serviço militar
Lealdade  Reino Unido (1946–1962)
 Uganda (1962–1979)
Serviço/ramo Exército Britânico (1946–1962)
Exército Ugandense (1962–1979)
Anos de serviço 1946–1979
Graduação Tenente (Reino Unido)
Marechal de campo (Uganda)
Unidade King's African Rifles (1946–1962)
Conflitos Revolta dos Mau-Mau
Golpe de Estado em Uganda
Guerra Uganda-Tanzânia

Idi Amin nasceu em Koboko, de um pai da tribo kakwa e uma mãe lubara. Em 1946, aos vinte anos, juntou-se ao King's African Rifles (KAR) do exército colonial britânico, como cozinheiro. Ele foi ascendendo as patentes, até chegar a tenente, lutando ao lado dos britânicos contra rebeldes somalis, na Guerra de Shifta e, depois, na Revolta dos Mau-Mau, no Quênia. Quando Uganda ganhou sua independência do Reino Unido, em 1962, Amin permaneceu nas forças armadas, chegando à posição de major e, depois, foi apontado como general e comandante do exército ugandense, em 1965. Em 1971, quando ele soube que o presidente Milton Obote estava planejando prendê-lo, por desviar fundos do exército, Amin lançou um golpe de estado e se declarou presidente.

Durante seus anos no poder, Amin deixou de ser um governante pró-Ocidente, que contava com um apoio considerável de Israel e do Reino Unido, para ser tornar um líder aliado a Muammar Gaddafi da Líbia, a Mobutu Sese Seko do Zaire, à União Soviética e à Alemanha Oriental.[3][4][5] Em 1975, Amin tornou-se presidente da Organização da Unidade Africana (OUA), um grupo Pan-africano, criado para promover a solidariedade entre os Estados africanos.[6] Uganda chegou a ser membro da Comissão das Nações Unidas para os Direitos Humanos, de 1977 a 1979.[7] O Reino Unido rompeu relações diplomáticas com Uganda, em 1977, e Amin declarou então que ele havia derrotado os britânicos, adicionando "CBE" ("Conqueror of the British Empire", ou "Conquistador do Império Britânico") ao seu título oficial.[8]

À medida que o governo de Amin avançava até o final da década de 1970, houve um aumento da agitação contra sua perseguição a certos grupos étnicos e dissidentes políticos, juntamente com a péssima posição internacional de Uganda, devido ao apoio de Amin aos sequestradores terroristas na Operação Entebbe. Em 1978, Amin tentou então conquistar a região da Kagera, no norte da Tanzânia, mas o presidente tanzaniano Julius Nyerere mobilizou suas tropas e invadiu Uganda; o exército da Tanzânia, apoiado por rebeldes ugandenses, eventualmente tomaram Kampala, em 11 de abril de 1979, removendo Amin do poder. O ditador ugandense partiu então para o exílio, primeiro para a Líbia, depois para o Iraque e, finalmente, para a Arábia Saudita, onde passaria o resto de sua vida, falecendo em 16 de agosto de 2003.[9]

O regime de Amin foi caracterizado por constantes abusos de direitos humanos, incluindo repressão política, perseguição étnica e execuções extrajudiciais, além de nepotismo, corrupção e má gestão econômica. Observadores internacionais e grupos de direitos humanos estimam que entre 100 000[10] e 500 000 pessoas foram assassinadas, durante o regime de Amin.[8]

Infância, carreira militar e chegada ao poderEditar

Primeiros anosEditar

Amin nunca escreveu uma autobiografia e nunca autorizou um relato oficial por escrito de sua vida. Existem discrepâncias em relação a quando e onde ele nasceu. A maioria das fontes biográficas afirma que ele nasceu ou em Koboko ou em Kampala por volta de 1925.[11] Outras fontes não confirmadas indicam o ano de nascimento de Amin desde 1923 até 1928. O seu filho, Hussein, afirmou que seu pai nasceu em Kampala em 1928.[12]

De acordo com Fred Guweddeko, um pesquisador da Universidade Makerere, Amin era filho de Andreas Nyabire (1889–1976). Nyabire, era membro do povo Kakwa, que se converteu do catolicismo para o islã em 1910 e então mudou seu nome para Amin Dada e deu seu nome para seu primeiro filho. Idi Amin foi abandonado por seu pai quando era muito jovem e cresceu numa cidade rual com a família de sua mãe no noroeste de Uganda. Guweddeko afirma que a mãe de Amin se chamava Assa Aatte (1904–1970), da etnia Lubara e uma fitoterapeuta tradicional que tratava membros da família real de Buganda, entre outros.[13] Algumas fontes também descreveram Amin como sendo de origem Kakwa-núbio.[14][15][16]

Amin entrou numa escola islâmica em Bombo, no distrito de Luweero, em 1941. Depois de alguns anos, ele deixou a escola com apenas uma educação em língua inglesa na quarta série e teve alguns pequenos empregos antes de ser recrutado para o exército colonial britânico por um oficial.[13]

Exército colonial britânicoEditar

Amin se juntou ao King's African Rifles (KAR), o exército colonial britânico, em 1946, como assistente de cozinheiro, recebendo treinamento militar até 1947.[8][17] Mais tarde na vida, ele falsamente afirmou ter servido na Campanha da Birmânia durante a Segunda Guerra Mundial.[8][18][19] Ele foi transferido para o Quênia para serviço de infantaria como soldado em 1947, servindo no 21º Batalhão do KAR, em Gilgil, no oeste do Quênia britânico, até 1949. Naquele ano, sua unidade foi enviada ao norte do Quênia para lutar contra os rebeldes somalis na Guerra de Shifta. Em 1952, sua brigada foi levada para lutar contra a Revolta dos Mau-Mau. Ele foi promovido a cabo no mesmo ano e depois a sargento em 1953.[13]

Em 1959, Amin foi promovido a afande de segunda classe,[20] a classificação mais alta possível para um africano negro no período colonial no exército britânico na época. Amin retornou para Uganda no mesmo ano e foi promovido a tenente em 15 de julho de 1961, tornando-se um dos primeiros dois ugandeses a se tornarem oficiais comissionados.[20] Segundo o pesquisador Holger Bernt Hansen, a perspectiva, o comportamento e as estratégias de comunicação de Amin foram fortemente influenciados por suas experiências no exército colonial. Isso inclui seu estilo de liderança direta e prática, que acabaria por contribuir para sua popularidade entre certas partes da sociedade de Uganda.[21]

Comando do exército ugandenseEditar

Em 1962, após a independência de Uganda do Reino Unido, Amin foi promovido a capitão e então, em 1963, foi para major. Ele foi apontado segundo em comando no exército em 1964 e, no ano seguinte, se tornou comandante do exército ugandense.[13] Em 1970, Amin foi oficialmente promovido a comandante-em-chefe das forças armadas.[22]

Amin foi um atleta durante seu tempo no exército britânico e ugandês. Com 1,93m de altura e bastante musculoso, ele foi o campeão de boxe meio-pesado de Uganda de 1951 a 1960, bem como um bom nadador. Amin também foi um bom jogador de rúgbi,[23][24] embora um dos oficiais tivesse descrito ele assim: "Idi Amin é um tipo esplêndido e um bom jogador [de rúgbi], mas virtualmente apenas osso do pescoço pra cima e precisa que as coisas sejam explicadas em palavras de uma letra só".[24][25] Na década de 1950, ele jogou pelo time Nile RFC.[26]

 
Amin (centro-esquerda) como chefe do estado-maior do exército durante uma visita do Primeiro-ministro israelense Levi Eshkol (centro) em 1966

Em 1965, o Primeiro-ministro Milton Obote e Amin foram implicados em um acordo para contrabandear marfim e ouro para Uganda da República Democrática do Congo. O acordo, mais tarde alegado pelo General Nicholas Olenga, um associado do ex líder congolês Patrice Lumumba, fazia parte de um acordo para ajudar as tropas que se opunham ao governo congolês a negociar marfim e ouro para o fornecimento de armas contrabandeadas secretamente para eles por Amin. Em 1966, o Parlamento da Uganda exigiu uma investigação. Obote impôs uma nova constituição abolindo a presidência cerimonial detida pelo Cabaca (rei) Mutesa II de Buganda e se declarou presidente executivo. Ele então promoveu Amin de coronel para comandante. Amin liderou tropas num ataque contra o palácio real e forçou Mutesa ao exílio no Reino Unido, onde ele permaneceu até sua morte em 1969.[27][28]

Amin começou a recrutar para o exército membros das tribos Kakwa, Lubara, sudaneses do sul e outros grupos étnicos do Nilo Ocidental na fronteira com o Sudão do Sul. Os sudaneses do sul que residiam em Uganda desde o início do século XX, vinham do Sudão para servir ao exército colonial. Muitos grupos étnicos africanos no norte de Uganda habitavam Uganda e o Sudão do Sul; foi alegado na época que o exército de Amin consistia principalmente de soldados sul-sudaneses.[29]

Tomada do poderEditar

 Ver artigo principal: Golpe de Estado em Uganda em 1971
 
Milton Obote, o segundo presidente de Uganda, foi derrubado em um gole de estado liderado por Amin em 1971

Com o passar dos anos, uma rixa começou a surgir entre o general Amin e o presidente Obote, especialmente com o fato de que Amin estaria reconstruindo o exército ugandense com grupos étnicos do Nilo Ocidental, de onde ele descendia. Outro ponto de contenda foi o apoio do general a operações na rebelião no Sudão do Sul e sua falta de interesse na questão do atentado contra a vida de Obote em 1969. Em outubro de 1970, Obote assumiu o comando das forças armadas, rebaixando Amin de seu posto de comandante de todas as forças armadas para apenas a de líder do Exército de Uganda.[22]

Após receber informações de que Obote planejava prende-lo por desviar fundos do exército, Amin decidiu remover o governo e deu um golpe de estado em 25 de janeiro de 1971, enquanto Obote estava fora do país atendendo uma reunião de líderes da Commonwealth em Singapura. Tropas leais a Amin assumiram o controle do Aeroporto Internacional de Entebbe e tomaram a capital Kampala. Os soldados cercaram a residência de Obote e bloquearam as principais estradas e rodovias. Em uma transmissão na Rádio Uganda, Amin acusou o governo de Obote de corrupção e tratamento preferencial da região de Lango. Multidões aplaudindo foram relatadas nas ruas de Kampala após essa transmissão.[30] Amin se apresentou para o povo como um soldado e não um político, declarando que um governo militar havia sido estabelecido mas seria temporário, perdurando até que novas eleições livres fossem convocadas quando a situação na nação fosse normalizada. Ele ainda prometeu libertar todos os presos políticos.[31] Inicialmente, Amin cumpriu parte dessas promessas, libertando vários prisioneiros e dando discursos de reconciliação. Nesse ponto, ele chegou até a participar de um funeral de estado ao falecido rei Edward Mutesa e lá ele prometeu retornar o país a democracia, algo que ele nunca o faria.[32]

PresidênciaEditar

 Ver artigo principal: Segunda República de Uganda

Estabelecimento do regime militarEditar

Em 2 de fevereiro de 1971, uma semana após assumir o poder, Amin se declarou Presidente de Uganda, comandante-em-chefe das forças armadas, chefe do estado-maior do exército e chefe da força aérea. Ele suspendeu várias provisões da constituição ugandense e logo instituiu um Conselho Consultivo de Defesa composto por oficiais militares, tendo ele mesmo como seu líder. Amin colocou tribunais militares acima das leis e cortes civis, apontando militares para posições no governo e para empresas e agências estatais, e informou o recém-empossado gabinete de ministros civis que eles estariam sujeitos a cortesia militar.[22][33] Amin logo passou a governar por decreto, que não podiam ser revertidos por nenhum remédio legal.[34][35]

Amin mudou o nome do palácio presidencial em Kampala de Casa do Governo para "O Posto de Comando". Ele dissolveu a Unidade de Serviços Gerais (GSU), uma agência de inteligência criada pelo governo anterior, e a substituiu pelo Departamento de Pesquisa Estatal (SRB), que virou sua polícia secreta. O quartel-general do SRB ficava nos subúrbios de Kampala, em Nakasero, se tornando um antro de torturas e execuções sumárias pelos próximos anos.[36] Outras agências usadas para perseguir dissidentes incluíam a polícia militar e a Unidade de Segurança Pública (PSU).[36]

Obote buscou exílio na Tanzânia, tendo recebido refúgio lá pelo Presidente Julius Nyerere. Obote foi acompanhado por 20 000 refugiados ugandenses que fugiam do regime de Amin. Os exilados tentaram, mas não conseguiram, reconquistar Uganda em 1972, através de uma tentativa de golpe de estado mal organizada.[37]

Perseguição política e de grupos étnicosEditar

Amin retaliou contra a tentativa de invasão pelos exilados de Uganda em 1972 ao expurgar do exército ugandense os apoiadores de Obote, predominantemente aqueles de origem étnica Acholi e Lango.[38] Em julho de 1971, soldados Lango e Acholi foram massacrados nos quartéis de Jinja e Mbarara.[39] Só no começo de 1972, em torno de cinco mil militares de origem Acholi ou Lango foram assassinados, junto com quase dez mil civis.[40] Entre as vítimas logo passou a incluir membros de outros grupos étnicos, líderes religiosos, jornalistas, artistas, burocratas seniores, juízes, advogados, estudantes e intelectuais, suspeitos de crimes e cidadãos estrangeiros. Nesse clima de violência, muitas outras pessoas foram mortas por motivos criminosos ou simplesmente aleatoriamente. Os corpos eram frequentemente despejados no rio Nilo.[41]

A matança, motivada por fatores étnicos, políticos e financeiros, continuou durante os oito anos de Amin no poder.[40] O número exato de pessoas mortas é desconhecido. A Comissão Internacional de Juristas estima que o número de fatalidades gire em torno de 300 000 pessoas. Uma outra estimativa compilada por organizações de exilados com a ajuda da Amnesty International coloca o número em pelo menos 500 000 mortos.[8]

Entre as pessoas mortas mais proeminentes estavam Benedicto Kiwanuka, um ex primeiro-ministro e chefe de justiça; Janani Luwum, um arcebispo anglicano; Joseph Mubiru, o antigo governador do banco central de Uganda; Frank Kalimuzo, o ex vice-reitor da Universidade de Makerere; Byron Kawadwa, um dramaturgo proeminente; e dois dos ministros do próprio Amin, Erinayo Wilson Oryema e Charles Oboth Ofumbi.[42]

"Estamos determinados a fazer do ugandense comum o senhor de seu próprio destino e, acima de tudo, a fazer com que ele desfrute das riquezas de seu país. Nossa política deliberada é transferir o controle econômico de Uganda para as mãos dos ugandeses, pela primeira vez na história de nosso país."

 Discurso de Idi Amin sobre a perseguição às minorias.[43]

Amin recrutou seus seguidores de seu próprio grupo étnico, os Kakwas, junto com os sudaneses do sul. Em 1977, esses três grupos formavam 60% dos vinte e dois principais generais e 75% do gabinete do presidente. Da mesma forma, muçulmanos formavam 80% desses grupos, embora representassem apenas 5% da população. Isso ajuda a explicar por que Amin sobreviveu a oito tentativas de golpe.[44] O exército ugandense cresceu de 10 000 homens para 25 000 até 1978. As forças armadas de Amin eram basicamente uma força mercenária. Metade dos soldados eram sudaneses do sul e outros 26% eram congoleses, com apenas 24% sendo ugandeses, principalmente muçulmanos e Kakwas.[45]

 
Refugiados ugandenses de origem indiana chegando nos Países Baixos, em 1972

Em agosto de 1972, Amin declarou o que ele chamou de "guerra econômica", um conjunto de políticas que incluiu a expropriação de propriedades pertencentes a asiáticos e europeus. Havia em Uganda mais de 80 000 asiáticos, sendo a maioria esmagadora de origem do subcontinente indiano e que nasceram no país, cujo os ancestrais vieram para Uganda em busca de prosperidade quando a Índia ainda era uma colônia britânica.[46] Muitos eram donos de negócios bem estabelecidos, incluindo empresas de grande escala, que formavam a espinha dorsal da economia de Uganda.[47][48][49]

Em 4 de agosto de 1972, Amin assinou um decreto que formalmente ordenou a expulsão do país de mais de 50 000 asiáticos que possuíam passaporte britânico. Isso foi posteriormente alterado para incluir todos os 60 000 asiáticos que não eram cidadãos de Uganda. Cerca de 30 000 ugandenses de origem asiática emigraram para o Reino Unido. Outros fugiram para os demais países da Commonwealth, como Austrália, África do Sul, Canadá e Fiji ou ainda para Índia, Quênia, Paquistão, Suécia, Tanzânia e Estados Unidos.[47][48][49] Amin expropriou empresas e propriedades pertencentes a asiáticos e europeus e as entregou a seus apoiadores. Sem seus donos originários ou proprietários experientes, os negócios foram mal administrados e muitos setores entraram em colapso por falta de conhecimento operacional e manutenção. Isso foi desastroso para a economia já em declínio de Uganda.[33]

Em 1975, Emmanuel Blayo Wakhweya, o ministro das finanças e membro de gabinete mais antigo de Idi Amin na época, desertou e fugiu para Londres.[50] Esta importante deserção ajudou Henry Kyemba, o ministro da saúde de Amin e ex-funcionário do primeiro gabinete de Obote, a decidir por também desertar em 1977, fugindo para a Inglaterra. Kyemba escreveu e publicou A State of Blood ("Um Estado de Sangue"), a primeira exposição interna do governo de Amin.[51]

Em 25 de junho de 1976, o Conselho de Defesa declarou Amin presidente vitalício.[52]

Relações internacionaisEditar

 Ver artigo principal: Relações exteriores de Uganda
 
Idi Amin durante a posse de William Tolbert, o presidente da Libéria, em 1976.

Inicialmente, Amin foi apoiado por potências ocidentais, como Israel, Alemanha Ocidental e, em particular, o Reino Unido. Durante a década de 1960, Obote se moveu para a esquerda política, publicando um manifesto chamado Common Man's Charter, e pregou a nacionalização de oitenta empresas britânicas. Isso deixou o Ocidente preocupado com a possibilidade dele representar uma ameaça aos interesses capitalistas ocidentais na África e fazer da Uganda um aliado da União Soviética. Amin, que havia servido no King's African Rifles e tomado parte na repressão de movimentos anticoloniais (como a Revolta dos Mau-Mau) antes da independência de Uganda, era reconhecido pelos britânicos como "intensamente leal à Grã-Bretanha". Isso o tornou uma escolha óbvia como sucessor de Obote. Embora alguns tenham afirmado que Amin estava sendo preparado para o poder já em 1966, o planejamento dos britânicos e outras potências ocidentais começou para valer em 1969, após Obote começar seu programa de nacionalização.[53]

Após a expulsão dos asiáticos de Uganda em 1972, a maioria dos quais eram descendentes de indianos, o governo da Índia cortou relações diplomáticas com Uganda. Nesse mesmo ano, como parte de sua "guerra econômica", Amin rompeu relações com o Reino Unido e anunciou a nacionalização de todos os negócios em mãos dos britânicos em território ugandense.[54]

Naquele ano, as relações com Israel azedaram. Embora os israelenses fossem um grande fornecedor de armas para Uganda no começo, em 1972 Amin expulsou conselheiros militares israelenses e se voltou para Muammar Gaddafi da Líbia e para a União Soviética por apoio.[38] Amin então se tornou um grande crítico de Israel.[55] Em retorno, Gaddafi enviou apoio financeiro para Amin.[56] Em 1974, em um documentário francês chamado General Idi Amin Dada: A Self Portrait, Amin discutiu planos de guerra com Israel, usando paraquedistas, bombardeiros e esquadrões suicidas.[18]

A União Soviética se tornou o maior fornecedor de armas de Amin.[4] A Alemanha Oriental se envolveu com a Unidade de Serviços Gerais e no Departamento de Pesquisa do Estado, as duas agências mais conhecidas pelo reinado de terror de Amin. Mais tarde, durante a invasão da Tanzânia em Uganda em 1979, a Alemanha Oriental tentou remover as evidências de seu envolvimento com essas agências.[5]

Em 1973, o embaixador estadunidense Thomas Patrick Melady recomendou que os Estados Unidos reduzissem sua presença em Uganda. Melady descreveu o regime de Amin como "racista, errático, imprevisível, brutal, inepto, belicoso, irracional, ridículo e militarístico".[57]

 
Idi Amin, em visita ao Zaire, se encontrando com o presidente Mobutu durante a Primeira Guerra de Shaba, em 1977.

Em junho de 1976, Amin permitiu que um voo da Air France indo de Tel Aviv até Paris, que havia sido sequestrado por militantes da Frente Popular para a Libertação da Palestina – Operações Externas (PFLP-EO) e dois membros da Revolutionäre Zellen alemão, pousasse no Aeroporto de Entebbe. Os sequestradores foram acompanhados por mais três cúmplices. Amin tomou interesse pessoal no caso e utilizou a atenção midiática do sequestro como palanque. Foi negociado então que os 156 passageiros não judeus que não tinham passaporte israelense seriam libertados e levados, em segurança, para a França. Os outros 83 judeus e cidadãos israelenses ficaram para trás, junto com cerca de vinte não judeus que se recusaram a abandonar os outros (entre os quais estavam o capitão e a tripulação do jato sequestrado da Air France).[58] Na operação de resgate israelense subsequente, com o codinome Operação Thunderbolt (popularmente conhecida como "Operação Entebbe"), na virada da noite de 3 para 4 de julho de 1976, um grupo de Comandos israelenses atacaram o aeroporto de Entebbe e tomaram o local, libertando quase todos os reféns. Três dos reféns foram mortos no resgate e outros dez terminaram feridos; os sete sequestradores, cerca de 45 soldados ugandenses e um militar israelense (Yoni Netanyahu, o comandante da unidade) morreram. Netanyahu era o irmão mais velho de Benjamin Netanyahu, que viria a ser primeiro-ministro de Israel vinte anos mais tarde. Uma quarta refém, Dora Bloch de 75 anos, uma inglesa judia que havia sido levada para o Hospital Mulago, em Kampala, antes da operação, foi morta pelos homens de Amin como represália. O incidente azedou ainda mais as relações internacionais de Uganda, levando o Reino Unido a fechar sua embaixada no país.[59] Em retaliação pela ajuda do Quênia na operação, Amin também ordenou a morte de centenas de quenianos que viviam em Uganda.[60]

O regime de Amin aumentou exponencialmente os gastos militares e alistaram milhares de homens para o serviço, o que levantou preocupações no Quênia. No começo de junho de 1975, autoridades quenianas apreenderam um grande comboio de armas de fabricação soviética "a caminho" para Uganda no porto de Mombaça. Tensões entre Uganda e Quênia atingiu seu clímax em fevereiro de 1976, quando Amin anunciou que iria investigar a possibilidade de que partes do sul do Sudão e oeste e centro do Quênia, até dentro de uma área de 32 km de Nairóbi, eram historicamente uma parte da Uganda colonial. O governo queniano respondeu com uma declaração severa de que o Quênia não abriria mão de "uma única polegada de território". Amin recuou depois que o exército queniano mobilizou tropas e blindados de transporte na fronteira entre os dois países.[61] As relações de Amin com Ruanda também eram tensas e, durante seu governo, ele prejudicou repetidamente a economia de Uganda ao negar o trânsito de veículos comerciais para Mombaça e fez várias ameaças de bombardear Kigali.[62]

Deposição e exílioEditar

 Ver artigo principal: Guerra Uganda-Tanzânia

Em janeiro de 1977, Amin apontou o general Mustafa Adrisi como vice-presidente de Uganda.[63][64] Naquele ano, uma rixa dentro do exército ugandense se desenvolveu entre apoiadores de Amin e soldados leais a Adrisi, que detinha um poder significativo no governo e queria expurgar os estrangeiros, principalmente sudaneses, do exército.[65] Até 1978, o número de apoiadores e associados próximos de Amin diminuiu significativamente e ele enfrentou uma crescente dissidência por parte da população em Uganda, à medida que a economia e a infraestrutura entravam em colapso como resultado de anos de negligência e abuso. Após os assassinatos do bispo Luwum e dos ministros Oryema e Oboth Ofumbi em 1977, vários ministros e aliados de Amin desertaram ou fugiram para o exílio.[66] No começo de 1978, Adrisi foi gravemente ferido em um acidente de carro e voou para o Cairo para receber tratamento médico. Enquanto ele estava lá, Amin o destituiu de seus cargos como Ministro da Defesa e Ministro do Interior e o denunciou por aposentar altos funcionários da prisão sem seu conhecimento. Amin então expurgou vários funcionários de alto escalão de seu governo[67] e tomou pessoalmente o controle de múltiplos ministérios. Essas mudanças causaram uma intensa agitação política e irritou especialmente os seguidores de Adrisi, que acreditavam que o acidente de carro foi uma tentativa fracassada de assassinato.[68]

Em novembro de 1978, tropas leais a Adrisi se amotinaram. Amin enviou soldados para enfrenta-los, mas a maioria fugiu em direção a Tanzânia.[33] Consequentemente, combates eclodiram ao longo da fronteira entre Uganda e Tanzânia, com o exército ugandense lançando uma invasão ao território tanzaniano sob circunstâncias não muito claras.[69] De acordo com vários especialistas e políticos, Amin ordenou diretamente a invasão na tentativa de distrair os militares e o público de Uganda dos problemas internos da nação.[70][71] Outros relatos sugerem, no entanto, que Amin havia perdido o controle de partes do Exército de Uganda, com as tropas invasoras agindo sem suas ordens, com Amin sancionando a ação apenas após o fato a fim de manter a ideia de que ele ainda estava no controle.[72][73] Em qualquer caso, Amin acusou o presidente da Tanzânia, Julius Nyerere, de incitar a guerra contra Uganda após o início das hostilidades e proclamou a anexação de uma seção da região da Kagera quando a invasão ugandense provou ser inicialmente bem-sucedida.[33][37]

 
Amim, em Entebbe, com uniforme militar.

Em janeiro de 1979, o presidente Nyerere mobilizou as Forças Armadas da Tanzânia e contra-atacou, com vários grupos rebeldes de exilados de Uganda se unindo a ofensiva, como o Exército de Libertação Nacional de Uganda (UNLA). Despreparadas, as forças de Amin recuaram progressivamente, apesar da ajuda militar vinda da Líbia de Muammar Gaddafi[17] e da Organização para a Libertação da Palestina (a OLP).[74] Idi Amin supostamente viajou para outros países, como Arábia Saudita e Iraque, e pediu ajuda, recrutando mercenários e outras formas de apoio.[75][76] Amin fez poucas aparições públicas nos últimos meses de seu governo, mas falava com frequência no rádio e na televisão.[77] Após uma grande derrota na Batalha de Lukaya, partes do comando do Exército de Uganda supostamente incitaram Amin a renunciar. Ele raivosamente recusou e declarou: "Se vocês não querem lutar, eu lutarei sozinho." Consequentemente, ele demitiu o seu chefe de gabinete, o major-general Yusuf Gowon.[78][79] Contudo, Amin acabou sendo forçado a fugir da capital de Uganda em um helicóptero, em 11 de abril de 1979, quando tropas da Tanzânia e rebeldes tomaram Kampala.[17] Depois de uma breve tentativa de reunir alguns remanescentes do seu exército no leste de Uganda,[80][81] que supostamente incluiu Amin proclamando a cidade de Jinja como a nova capital,[82] o ditador acabou fugindo para o exílio. Amin primeiro escapou para a Líbia, onde ficou até 1980. Ao saber de sua deposição, muitos ugandenses comemoraram nas ruas, com vários carros do exército anunciando com alto-falantes frases como "Volta à sanidade", "O ditador fascista está liquidado" e "Viva Nyrere". O exílio de Amin na Líbia foi curto e ele logo foi expulso por Muammar Gaddafi. Amin então seguiu para a Arábia Saudita, onde a família real local lhe deu santuário, em nome da caridade islâmica, e pagaram a ele um subsídio generoso em troca de sua promessa de ficar fora da política.[17] Amin viveu por vários anos nos dois últimos andares do Hotel Novotel, em Jeddah. O jornalista inglês Brian Barron, que cobriu a Guerra Uganda-Tanzânia para a BBC como correspondendo na África, realizou, em 1980, a primeira entrevista com Amin desde sua deposição.[83] Enquanto no exílio, Amin financiou os remanescentes do seu exército que lutavam na Guerra Civil de Uganda.[84] Embora ele continuasse a ser uma figura controversa, alguns dos ex-seguidores de Amin, bem como vários grupos rebeldes, continuaram a lutar em seu nome por décadas,[85] e ocasionalmente defendiam sua anistia[86] e alguns até pregavam sua restauração como presidente do país.[87] Durante as entrevistas que deu no seu exílio na Arábia Saudita, Amin afirmou que Uganda precisava dele e nunca expressou remorso pela natureza brutal de seu regime.[88]

Em 1989, Amin deixou seu exílio sem autorização do governo da Arábia Saudita e voou ao lado de um de seus filhos para o Zaire. Lá, ele pretendia mobilizar uma força rebelde para reconquistar Uganda[89][90] que naquele momento estava vivendo outra guerra civil.[91] O resto de sua família ficou para trás em Jeddah.[90] Apesar de usar um passaporte zairense falso, Amin foi facilmente reconhecido ao chegar de um voo da Air Zaïre no Aeroporto de N'djili e acabou prontamente preso pelas forças de segurança do Zaire. O governo zairense reagiu desfavoravelmente à chegada de Amin e tentaram expulsá-lo do país rapidamente.[92] De início, as autoridades sauditas se recusaram a recebe-lo de volta,[89][90] já que seu governo ficou profundamente ofendido por ele ter "abusado de sua hospitalidade" ao sair sem permissão.[93] O governo do Zaire não queria extraditar Amin para Uganda, onde o ex-presidente enfrentava acusações de assassinato, mas tão pouco queriam mantê-lo em seu país, prejudicando assim as relações internacionais. Como resultado, Amin foi inicialmente expulso para o Senegal de onde deveria ser enviado para a Arábia Saudita, mas o governo senegalês o mandou de volta ao Zaire quando a Arábia Saudita continuou a recusar o visto de Amin.[90][93] Após um apelo feito pelo rei marroquino Hassan II, a liderança saudita finalmente cedeu e permitiu que Amin retornasse.[89][93] Em troca, Amin teve que prometer novamente nunca mais participar de atividades políticas ou militares ou dar entrevistas. Consequentemente, ele passou o resto de sua vida de forma pacífica e silenciosa na Arábia Saudita.[89]

Nos últimos anos de sua vida, Amin supostamente adotou uma dieta fruitária.[94] Seu consumo diário de laranjas rendeu-lhe o apelido de "Dr. Jaffa" entre os sauditas.[95][96]

Doença e morteEditar

Em 19 de julho de 2003, a quarta esposa de Amin, Nalongo Madina, reportou que o ex-presidente estava em coma e próximo da morte, internado no Hospital Especializado e Centro de Pesquisa Rei Faisal em Jeddah, na Arábia Saudita, acomedito com insuficiência renal. Nalongo implorou ao presidente de Uganda, Yoweri Museveni, que fosse permitido ao marido retornar a Uganda para passar os últimos dias de sua vida em sua terra natal. Museveni respondeu dizendo que se Amin retornasse ele teria que "responder por seus pecados no momento em que fosse trazido de volta".[97] A família de Amin então decidiu desligar o suporte de vida e Amin consequentemente morreu no hospital, em 16 de agosto de 2003. Ele foi enterrado no cemitério de Ruwais em Jeddah em uma cova simples, sem qualquer cerimônia.[98]

Após a morte de Amin, David Owen revelou que durante seu mandato como Secretário de Relações Exteriores britânico (1977 a 1979), ele propôs assassinar Idi Amin. Owen defendeu esta ação, argumentando: "Não tenho vergonha de pensar nisso, porque seu regime desce na escala de Pol Pot como um dos piores de todos os regimes africanos".[99]

FamíliaEditar

 
A antiga mansão de Amin nas margens do lago Vitória.

Um polígamo, Idi Amin se casou com seis mulheres, sendo que ele se divorciou de três delas. Ele se casou com sua primeira e segunda esposas, Malyamu e Kay, em 1966. Em 1967, ele se casou com Nora e depois com Nalongo Madina, em 1972. Em 26 de março de 1974, ele anunciou que estava se divorciando das esposas Malyamu, Nora e Kay.[100][101] Malyamu foi presa em Tororo, próximo a fronteira queniana, em abril de 1974 e foi acusada de tentar contrabandear um pedaço de tecido para o Quênia.[100][102] Em 1974, Kay Amin morreu sob circunstâncias desconhecidas, com seu corpo sendo encontrado desmembrado.[103] Já Nora fugiu para o Zaire em 1979; o que aconteceu com ela posteriormente não é conhecido.[102]

Em 1993, Amin estava vivendo com nove de seus filhos e uma de suas esposas, Mama a Chumaru, a mãe dos seus quatro filhos mais novos. Seu último filho nascido foi, na verdade uma menina, Iman, nascida em 1992.[104] De acordo com o jornal ugandense The Monitor, Amin se casou novamente antes de falecer em 2003.[102]

Amin teve pelo menos 60 filhos ao longo da vida.[105] Até 2003, Taban Amin (nascido em 1955),[106] o filho mais velho de Idi Amin, era o líder do Frente do Banco do Nilo Ocidental (WNBF), um grupo rebelde que se opunha ao governo de Yoweri Museveni. Em 2005, foi oferecido a ele anistia pelo presidente Museveni e, em 2006, Taban foi apontado como vice-diretor geral da Organização de Segurança Interna de Uganda.[107] Outro filho do ex-presidente, Haji Ali Amin, concorreu as eleições para prefeito na cidade de Njeru, em 2002, mas perdeu.[108] Em 2007, o filme vencedor do Óscar O Último Rei da Escócia levou um dos seus filhos, Jaffar Amin (nascido em 1967),[109] a falar em defesa de seu pai. Jaffar disse que estava escrevendo um livro para tentar reabilitar a reputação de seu pai.[110]

Comportamento errático, títulos autoconcedidos e representação na mídiaEditar

 
uma caricatura de Amin, feita em 1977, por Edmund S. Valtman.

Com o passar dos anos, o comportamento de Amin tornou-se mais errático, imprevisível, megalomaníaco e estridente. Depois que o Reino Unido rompeu todas as relações diplomáticas com seu regime em 1977, Amin declarou que ele havia derrotado os Britânicos e ele conferiu a si mesmo a decoração de CBE ("Conqueror of the British Empire", ou "Conquistador do Império Britânico"). Seu título autoconcedido completo acabou se tornando: "Vossa Excelência, Presidente Vitalício, Marechal de Campo Al Hadji Doutor Idi Amin Dada, VC, DSO, MC, CBE, Senhor de todas as feras da terra e peixes dos mares e conquistador do Império Britânico na África em geral e em Uganda em particular", além de sua afirmação oficialmente declarada de ser o não coroado Rei da Escócia.[111] Ele nunca recebeu a Ordem de Serviço Distinto (DSO) ou a Cruz Militar (MC). Ele conferiu a si mesmo um doutorado em direito da Universidade de Makerere, além da Cruz Vitoriosa (VC), uma medalha feita para emular a Cruz Vitória dos britânicos.[6][112]

Amin tornou-se objeto vários de rumores, incluindo uma crença generalizada de que ele era um canibal.[113] Amin supostamente também se gabou de manter as cabeças decapitadas de inimigos políticos em seu congelador, embora tenha dito que a carne humana geralmente era "salgada demais" para seu gosto.[114] Alguns dos rumores, como a mutilação de uma de suas esposas, foram espalhados e popularizados pelo filme Rise and Fall of Idi Amin, de 1980, e são também aludidas em The Last King of Scotland, de 2006, um filme que deu ao ator Forest Whitaker o Óscar de melhor ator por sua interpretação de Amin.[115]

Durante o tempo que esteve no poder, a mídia popular fora de Uganda muitas vezes retratava Amin como uma figura essencialmente cômica e excêntrica. Julius Harris enfatizou o lado supostamente meio palhaço de Amin em Victory at Entebbe, enquanto Yaphet Kotto atraiu mais elogios por projetar a natureza sinistra de Amin em Raid on Entebbe. Em uma avaliação, em 1977, típica da época, a revista Time descreveu o ditador como um "assassino e palhaço, bobão de grande coração".[116] A série de comédia americana Saturday Night Live fez quatro sketches de Amin entre 1976 e 1979, incluindo um em que ele era um hóspede mal-comportado no exílio, e outro em que ele era um porta-voz contra doença venérea.[117] Em 1979, o radialista Don Imus fez várias ligações no ar na tentativa de falar com Amin e, mais tarde, divulgou uma entrevista falsa com ele que foi considerada "muito suja".[118]

A mídia estrangeira foi frequentemente criticada por exilados e desertores de Uganda por enfatizar as excentricidades e o gosto de Amin por excesso, enquanto minimizava ou desculpava seu comportamento assassino.[119] Alguns comentaristas até sugeriram que Amin cultivou deliberadamente sua reputação excêntrica na mídia internacional como um bufão facilmente parodiado, a fim de desarmar a preocupação mundial sobre sua administração de Uganda.[120]

LegadoEditar

A historiadora Alicia Decker escreveu que "a cultura do militarismo profundamente enraizada em Uganda é, sem dúvida, o legado mais duradouro de Amin."[121] Sua reputação em Uganda tem sido revista ao longo das décadas após o fim do seu governo de maneiras mais complexas do que na comunidade internacional. Alguns ugandeses o elogiaram como um "patriota" e apoiaram sua decisão de expulsar os asiáticos do país.[122] No momento de sua morte, ele era particularmente bem visto no noroeste de Uganda.[123] Um dos filhos de Amin, Jaffar Remo, criticou a percepção pública negativa de seu pai e convocou uma comissão para investigar a veracidade dos abusos cometidos sob seu governo.[124]

O governo de Amin ficou caracterizado por constantes denúncias de violação e abusos de direitos humanos, conforme relatório da Comissão Internacional de Juristas.[125] Porém, alguns, como o professor e acadêmico queniano Ali Mazrui, afirmam que, apesar de ser conhecido por uma ampla brutalidade em Uganda, o governo de Amin "ensinou para os africanos e o Terceiro Mundo a luta contra o controle econômico de um país pelos estrangeiros", a autenticidade cultural, a luta contra as estruturas de poder dominadas pelo norte e o alavancar de ideais liberais ocidentais e nacionalistas.[126]

Referências

  1. «Return of Idi Amin's son casts a shadow over Ugandan election». The Guardian. Consultado em 19 de julho de 2019 
  2. Boddy-Evans, Alistair. «Biography of Idi Amin, Brutal Dictator of Uganda». ThoughtCo (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2019. Cópia arquivada em 16 de julho de 2019 
  3. Roland Anthony Oliver, Anthony Atmore. Africa Since 1800. [S.l.: s.n.] p. 272 
  4. a b Dale C. Tatum. Who influenced whom?. [S.l.: s.n.] p. 177 
  5. a b Gareth M. Winrow. The Foreign Policy of the GDR in Africa, p. 141.
  6. a b «Idi Amin: A Byword for Brutality». News24. 21 de julho de 2003. Consultado em 13 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 5 de junho de 2008 
  7. Gershowitz, Suzanne (20 de março de 2007). «The Last King of Scotland, Idi Amin, and the United Nations». Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 6 de junho de 2009 
  8. a b c d e Keatley, Patrick (18 de agosto de 2003). «Idi Amin». The Guardian. Consultado em 16 de março de 2020. Cópia arquivada em 27 de julho de 2013 
  9. «Dictator Idi Amin dies». 16 de agosto de 2003. Consultado em 10 de maio de 2020. Cópia arquivada em 9 de março de 2021 – via news.bbc.co.uk 
  10. Ullman, Richard H. (Abril de 1978). «Human Rights and Economic Power: The United States Versus Idi Amin». Foreign Affairs. 56 (3): 529–543. JSTOR 20039917. doi:10.2307/20039917. Consultado em 24 de outubro de 2018. Cópia arquivada em 18 de abril de 2015 
  11. O'Kadameri, Billie (1 de setembro de 2003). «Separate fact from fiction in Amin stories». The Monitor. Consultado em 8 de maio de 2010. Cópia arquivada em 1 de outubro de 2012 
  12. Elliott, Chris (30 de novembro de 2014). «Idi Amin's son complains about the Guardian's obituary notice». The Guardian. Consultado em 1 de dezembro de 2014. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2014 
  13. a b c d Guweddeko, Fred (12 de junho de 2007). «Rejected then taken in by dad; a timeline». The Monitor. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 12 de junho de 2007 
  14. Hansen 2013, p. 85.
  15. Leopold 2005, p. 60.
  16. Nugent 2012, pp. 233–234.
  17. a b c d «Idi Amin». Encyclopædia Britannica. 19 de dezembro de 2008. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 14 de março de 2007 
  18. a b General Idi Amin Dada: A Self Portrait. Le Figaro Films. 1974. ISBN 0-7800-2507-5 
  19. Bay, Austin (20 de agosto de 2003). «Why Didn't Amin Rot and Die in Jail?». Strategy Page. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2010 
  20. a b «No. 42461». The London Gazette (Supplement). 15 de setembro de 1961. p. 6682 
  21. Hansen 1977, p. 94.
  22. a b c «General Idi Amin overthrows Ugandan government». British Council. 2 de fevereiro de 1971. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 25 de fevereiro de 2007 
  23. Bridgland, Fred (16 de agosto de 2003). «Idi Amin». Scotsman. Edinburgh. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 18 de setembro de 2011 
  24. a b Cain, Nick and Growden, Greg "Chapter 21: Ten Peculiar Facts about Rugby" in Rugby Union for Dummies (2nd Edition), p294 (pub: John Wiley & Sons, Chichester, Inglaterra) ISBN 9780470035375
  25. Johnston, Ian (17 de agosto de 2003). «Death of a despot, buffoon and killer». Scotsmanb. Edinburgh. Consultado em 24 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2011 
  26. Cotton, p111
  27. «Country Studies: Uganda: Independence: The Early Years». Federal Research Division. United States Library of Congress. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 25 de junho de 2012 
  28. «Idi Amin Dada Biography». Encyclopedia of World Biography. Thomson Gale. 2005. Consultado em 20 de março de 2016. Cópia arquivada em 19 de maio de 2011 
  29. Nantulya, Paul (2001). «Exclusion, Identity and Armed Conflict: A Historical Survey of the Politics of Confrontation in Uganda with Specific Reference to the Independence Era» (PDF). Cópia arquivada (PDF) em 4 de outubro de 2006 
  30. «On this day: 25 January 1971: Idi Amin ousts Ugandan president». BBC. 25 de janeiro de 1971. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2011 
  31. Fairhall, John (26 de janeiro de 1971). «Curfew in Uganda after military coup topples Obote». The Guardian. London. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2014 
  32. Mbabaali, Jude. «The Role of Opposition Parties in a Democracy: The Experience of the Democratic Party of Uganda» (PDF). Regional Conference on Political Parties and Democratisation in East Africa. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada (PDF) em 8 de outubro de 2011 
  33. a b c d «Country Studies: Uganda: Military Rule Under Amin». Federal Research Division. United States Library of Congress. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 25 de junho de 2012 
  34. Mugabe, Faustin (26 de maio de 2019). «12 executed as Amin introduces trial of civilians in military». Daily Monitor. Consultado em 3 de março de 2020. Cópia arquivada em 25 de julho de 2021 
  35. Krcmaric, Daniel (2015). «Chapter 6: Case Studies». In: Downes, Alexander; Wibbels, Erik; Balcells, Laia; Feaver, Peter. The Justice Dilemma: International Criminal Accountability, Mass Atrocities, and Civil Conflict (PDF) (PhD) (em inglês). Durham, United States: Department of Political Science, Graduate School of Duke University. pp. 121–129. Consultado em 3 de junho de 2021 – via DukeSpace (Duke University Libraries) 
  36. a b «Country Studies: Uganda: Post-Independence Security Services». Federal Research Division. United States Library of Congress. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 25 de junho de 2012 
  37. a b «An Idi-otic Invasion». Time. 13 de novembro de 1978. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  38. a b Tall, Mamadou (1982). «Notes on the Civil and Political Strife in Uganda». Issue: A Journal of Opinion, Vol. 12, No. 1/2. A Journal of Opinion. 12 (1/2): 41–44. JSTOR 1166537. doi:10.2307/1166537 
  39. Lautze, Sue. Research on Violent Institutions in Unstable Environments: The livelihoods systems of Ugandan army soldiers and their families in a war zone (PDF) (Tese). Hertford College, Oxford University. Cópia arquivada (PDF) em 10 de julho de 2007 
  40. a b Moore, Charles (17 de setembro de 2003). «Obituary: Idi Amin». Daily Telegraph. Londres. Consultado em 31 de julho de 2018. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2007 
  41. «Disappearances and Political Killings: Human Rights Crisis of the 1990s: A Manual for Action» (PDF). Amnesty International. Cópia arquivada (PDF) em 28 de novembro de 2007 
  42. «Special report: Who were Amin's victims?». The Daily Monitor. 13 de junho de 2007. Cópia arquivada em 13 de junho de 2007 
  43. Jørgensen, Jan Jelmert (1981). Uganda: A Modern History. [S.l.]: Taylor & Francis. pp. 288–290. ISBN 978-0-85664-643-0 
  44. Stefan Lindemann, The ethnic politics of coup avoidance, página 20.
  45. Andrew Mambo e Julian Schofield, "Military Diversion in the 1978 Uganda-Tanzania War", página 12.
  46. «Idi Amin had targeted Indians in 70s». The Times of India. 15 de abril de 2007. Cópia arquivada em 24 de março de 2012 
  47. a b Luganda, Patrick (29 de julho de 2003). «Amin's Economic War Left Uganda on Crutches». New Vision. Kampala 
  48. a b «On this day: 7 August 1972: Asians given 90 days to leave Uganda». BBC. 7 de agosto de 1972. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 13 de julho de 2012 
  49. a b «Flight of the Asians». Time. 11 de setembro de 1972. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2011 
  50. «Uganda Minister Named». The New York Times. 21 de julho de 1976. Consultado em 28 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2018 
  51. A STATE OF BLOOD: The Inside Story of Idi Amin by Henry Kyemha | Kirkus Reviews (em inglês). [S.l.: s.n.] Consultado em 17 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2018 
  52. «Magembe book tells how Amin was declared 'Life President of Uganda'». The Observer. 10 de abril de 2021. Consultado em 19 de abril de 2021 
  53. «The Making of Idi Amin». New African. 1979. Consultado em 23 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2015 
  54. Baltrop, Paul (17 de dezembro de 2014). A Biographical Encyclopedia of Contemporary Genocide: Portraits of Evil and Good. online: ABC-CLIO. 17 páginas. ISBN 978-0-313-38678-7. Consultado em 27 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 18 de abril de 2017 
  55. Jamison, M. Idi Amin and Uganda: An Annotated Bibliography, Greenwood Press, 1992, pp. 155–56
  56. Idi Amin, Benoni Turyahikayo-Rugyema (1998). Idi Amin speaks: an annotated selection of his speeches. [S.l.: s.n.] 
  57. «240. Telegram 1 From the Embassy in Uganda to the Department of State, 2 de janeiro de 1973, 0700Z». Office of the Historian. United States Department of State. E–6. 2 de janeiro de 1973. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2009 
  58. «On this day: 7 de julho de 1976: British grandmother missing in Uganda». BBC. 7 de julho de 1976. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2012 
  59. «On this day: 7 July 1976: British grandmother missing in Uganda». BBC. 7 de julho de 1976. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2012 
  60. «On this day: 4 July 1976: Israelis rescue Entebbe hostages». BBC. 4 de julho de 1976. Consultado em 8 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 8 de março de 2020 
  61. «'Dada' always rubbed Kenya the wrong way». Sunday Nation. 17 de agosto de 2003. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2008 
  62. Singh 2012, p. 58.
  63. «Uganda : Vice-President Appointed». Africa Research Bulletin. Janeiro de 1977. p. 4284 
  64. «Amin names No. 2 six years after coup». The Vancouver Sun. Reuters. 26 de janeiro de 1977. p. 18. Consultado em 15 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2019 
  65. Avirgan & Honey 1983, p. 49.
  66. Mubangizi, Michael (16 de fevereiro de 2006). Tumusiime, James; Katunzi, Pius Muteekani; Bulime, Bob, eds. «Not even an archbishop was spared». The Weekly Observer (em inglês). Kampala, Uganda: Observer Media Ltd. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2007 
  67. Avirgan & Honey 1983, pp. 49–50.
  68. «Uganda : Idi Amin cracks down on ministers». To the Point International. 5. 1978. p. 26 
  69. Roberts 2017, p. 156.
  70. Avirgan & Honey 1983, p. 52.
  71. Lubega, Henry (30 de maio de 2014). «Amin's former top soldier reveals why TPDF won». The Citizen. Consultado em 14 de outubro de 2018. Cópia arquivada em 14 de outubro de 2018 
  72. Mambo & Schofield 2007, pp. 312–313.
  73. Mugabe, Faustin (20 de dezembro de 2015). «How bar fight sparked the 1979 Uganda – Tanzania war». Daily Monitor. Consultado em 13 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 3 de outubro de 2018 
  74. Avirgan & Honey 1983, p. 90.
  75. Darnton, John (7 de março de 1979). «Both Uganda and Tanzania Seek Arab Aid in Winning Their War». The New York Times. p. 3. Consultado em 19 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2021 
  76. Brittain, Victoria (24 de abril de 1979). «Amin Reported To Seek Arms From Baghdad». The Washington Post. Consultado em 16 de março de 2021 
  77. «Amin's final public appearances». Daily Monitor. 23 de abril de 2016. Consultado em 19 de abril de 2021 
  78. John Daimon (6 de abril de 1979). «Libyan Troops Supporting Amin Said to Flee Kampala, Leaving It Defenseless». The New York Times. p. 9. Consultado em 21 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2019 
  79. Rice 2003, p. 12.
  80. Cooper & Fontanellaz 2015, p. 37.
  81. Mugabe, Faustin (8 de maio de 2016). «How Amin escaped from Kampala». Daily Monitor. Consultado em 19 de março de 2019. Cópia arquivada em 28 de abril de 2019 
  82. Kapo, Nelson Bwire (14 de abril de 2019). Baguma, Rogers, ed. «Amin escapes from Kampala on day of overthrow, 'captures' power again from Soroti». Nile Post. Kampala, Uganda: Nile Post Uganda Ltd (Next Media Services). Consultado em 5 de março de 2020. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2020 
  83. Barron, Brian (16 de agosto de 2003). «The Idi Amin I knew». BBC News (em inglês). Londres. Consultado em 16 de setembro de 2009. Cópia arquivada em 2 de março de 2009 
  84. Avirgan & Honey 1983, p. 224.
  85. Cooper & Fontanellaz 2015, p. 39.
  86. United Press International (12 de agosto de 1985). Merida, Kevin; Kraft, Scott; Yoshino, Kimi; Grad, Shelby; Hilton, Shani O.; Turner, Julia; King, Amy; Canalis, John; Jennings, Angel; Matsui, Loree; Chan, Sewell; Tang, Terry; Victorio, Lora; Chu, Henry; Watson, Dan; Perez, Jessica; Barajas, Victor; Angius, James; Soong-Shiong, Patrick, eds. «Amin's Generals Seek Amnesty for Him». Los Angeles Times. Los Angeles: Los Angeles Times Communications LLC (Nant Capital). United Press International (UPI). ISSN 0458-3035. OCLC 3638237. Consultado em 7 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 24 de julho de 2021 
  87. Day 2011, p. 452.
  88. «Idi Amin, ex-dictator of Uganda, dies». USA Today. Associated Press. 16 de agosto de 2003. Consultado em 24 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 7 de julho de 2014 
  89. a b c d Wiedemann, Erich (22 de maio de 2007). «Aufbruch und Absturz. Ein Monster als Clown» [Asceção e queda. Um monstro tanto palhaço]. Spiegel (em alemão). Consultado em 9 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 8 de agosto de 2020 
  90. a b c d Wormser, Andy; Doyle, Brian; Smith, Jason; Akhgar, Hamed; Disque, Eric; Higdon, Rob; Prangley, Anthony; Gonzalez-Conde, Jose Michael; Peters, Natalie; Avner, Phil; Landis, Zach; Hopman, Brian; Pruitt, Gary; Swartz, Steven R., eds. (20 de janeiro de 1989). «Idi Amin's Whereabouts Still Unknown». The Associated Press (AP) (em inglês). Manama, Bahrain. The Associated Press (AP). Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  91. Cooper & Fontanellaz 2015, pp. 51–60.
  92. «Former Dictator Idi Amin to be Expelled From Zaire». AP News. 5 de janeiro de 1989. Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  93. a b c Shaw, Angus (19 de janeiro de 1989). Wormser, Andy; Doyle, Brian; Smith, Jason; Akhgar, Hamed; Disque, Eric; Higdon, Rob; Prangley, Anthony; Gonzalez-Conde, Jose Michael; Peters, Natalie; Avner, Phil; Landis, Zach; Hopman, Brian; Pruitt, Gary; Swartz, Steven R., eds. «Out of Africa: Idi Amin Apparently Returning to Exile Home». AP News (em inglês). Harare, Zimbabwe. The Associated Press (AP) 
  94. Arad, Roy (15 de abril de 2014). Benn, Aluf; Schauberg, M. DuMont; Schocken, Amos; Solomon, Avi; Bronstein, Aviva; Nitzan, Yaniv; Vissan, Yossi; Guy, Guy; Guez, Rami, eds. «Beyond vegan: Israel's fruitarians like it raw». Haaretz (em inglês). Tel Aviv, Israel: Haaretz Group (Haaretz Daily Newspaper Ltd.). Consultado em 17 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2021 
  95. Goline, Adam Leith (2013) The Fruit Hunters: A Story of Nature, Adventure, Commerce and Obsession New York: Scribner ISBN 9781476704999.
  96. Smith, Joan (28 de agosto de 1999). Marley, David; Hubbard, Chloe; McInerney, Lucie; Taylor, Linda; Owens, Michael; Best, Richard; Alabaster, Olivia; Fox, Gemma; Holdaway, Jo; Hanbury, Sophie; Broughton, Christian; Leonard, Zach; Morley, Andrew, eds. «How sex turned into torture». The Independent (em inglês). Londres: Independent Digital News & Media Limited. ISSN 0951-9467. OCLC 185201487. Consultado em 18 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2021 
  97. «Idi Amin back in media spotlight». BBC. 25 de julho de 2003. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 24 de junho de 2011 
  98. «Idi Amin, ex-dictator of Uganda, dies». USA Today. 16 de agosto de 2003. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2010 
  99. Wooldridge, Mike; Owen, David (16 de agosto de 2003). Unsworth, Fran; Hockaday, Mary; Edwards, Huw; Naja, Nielsen; Jordan, Sula; Darcey, Mary; Lee, Ralph; Munro, Jonathan; Runcie, Ellie; Pembrooke, Robin, eds. «UK considered killing Idi Amin». BBC News (em inglês). Londres: British Broadcasting Corporation (BBC). Cópia arquivada em 17 de novembro de 2006 
  100. a b «Reign of Terror: The life and loves of a tyrant». Daily Nation. 20 de agosto de 2003. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2008 
  101. Kavuma, Richard (18 de junho de 2007). «Special Report: Big Daddy and his women». The Monitor. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 18 de junho de 2007 
  102. a b c Kibirige, David (17 de agosto de 2003). «Idi Amin is dead». The Monitor. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 10 de junho de 2007 
  103. «Kay Amin». Biography (US). A&E Networks. Consultado em 20 de julho de 2016. Cópia arquivada em 25 de julho de 2016 
  104. Foden, Giles (4 de agosto de 2007). «Not quite a chip off the old block». The Guardian. London. Consultado em 11 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 10 de maio de 2017 
  105. Draku, Franklin. «Amin: Showy man-about-town and father of 60 children». Daily Monitor. Consultado em 19 de abril de 2021 
  106. «Son of Idi Amin threatens to sue 'Last King Of Scotland' producers». Jet. Johnson Publishing Company. 9 de outubro de 2006. p. 35 
  107. Mcconnell, Tristan (12 de fevereiro de 2006). «Return of Idi Amin's son casts a shadow over Ugandan election». The Daily Telegraph. Londres. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 5 de março de 2012 
  108. «Amin's son runs for mayor». BBC. 3 de janeiro de 2002. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2011 
  109. «Idi Amin's son lashes out over 'Last King'». USA Today. 22 de fevereiro de 2007. Consultado em 1 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 25 de junho de 2012 
  110. «Idi Amin's son lashes out over 'Last King'». USA Today. Associated Press. 22 de fevereiro de 2007. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 19 de setembro de 2009 
  111. Appiah, Anthony; Henry Louis Gates (1999). Africana: The Encyclopedia of the African and African American Experience. [S.l.: s.n.] ISBN 9780465000715 
  112. Lloyd, Lorna (2007) p.239
  113. Orizio, Riccardo (21 de agosto de 2003). «Idi Amin's Exile Dream». The New York Times. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 18 de maio de 2009 
  114. «Ghost Stories: Idi Amin's torture chambers – IWMF». International Women's Media Foundation. 27 de dezembro de 2016. Consultado em 6 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 16 de julho de 2019 
  115. Serugo, Moses (28 de maio de 2007). «Special Report: The myths surrounding Idi Amin». The Monitor. Cópia arquivada em 28 de maio de 2007 
  116. «Amin:The Wild Man of Africa». Time. 28 de fevereiro de 1977. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 9 de março de 2017 
  117. [1] Arquivado 2013-12-14 no Wayback Machine
  118. «Columbia Daily Spectator 1 October 1980 — Columbia Spectator». spectatorarchive.library.columbia.edu 
  119. Kibazo, Joel (13 de janeiro de 2007). «A Brute, Not a Buffoon». The Guardian. London. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2013 
  120. «Idi Amin». The Telegraph. London. 18 de agosto de 2003. Consultado em 4 de abril de 2018. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2018 
  121. Decker 2014, Conclusion: Gendered Legacies of Amin's Militarism.
  122. Reid 2017, pp. 69–70.
  123. «Bloody tyrant, now a good sort; Amin's legacy in Uganda». The Economist. 368 (8338). 23 de agosto de 2003. p. 46 
  124. Eichner, Itamar (4 de julho de 2016). «Idi Amin's son: 'My dream is to meet with Entebbe victims' families to apologize'». ynetnews.com. Consultado em 24 de julho de 2021. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2019 
  125. «Relatório Anual 1971-1977-1978» (PDF). Comissão Internacional de Juristas. Página 11 
  126. «Entre o desenvolvimento e a decadência: Anarquia, tirania e progresso sob Idi Amin» 

BibliografiaEditar