Abrir menu principal

Wikipédia β

Intervenção militar da Rússia na Ucrânia (2014–presente)

(Redirecionado de Intervenção militar da Rússia na Ucrânia (2014-presente))
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção se refere ou tem relação com um conflito armado recente ou ainda em curso.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (Editado pela última vez em 26 de novembro de 2017.)
Warfare current.svg

A intervenção militar russa na Ucrânia refere-se as diversas incursões militares da Rússia em território ucraniano, iniciada em 24 de fevereiro de 2014 quando as Forças Especiais Russas[36][37] desembarcaram[38] na península da Crimeia, no sul da Ucrânia, e tomaram controle da região da Crimeia.[39]

Intervenção militar da Rússia na Ucrânia em 2014
2014 Russo-ukrainian-conflict map.svg
A zona de conflito, mostrando em amarelo os territórios controlados pelo governo da Ucrânia e em vermelho claro as áreas nas mãos de separatistas ou de forças russas.
Data 27 de fevereiro de 2014 (de facto)[1] – presente
Local República da Crimeia, Oblast de Kherson, Bacia do Donets, Ucrânia[2]
Desfecho
Status Em andamento
  • A Rússia assume o controle militar virtual da Crimeia;[3]
  • Operações secretas realizadas pelas forças armadas russas, autodenominadas "forças de autodefesa da Crimeia", sem a utilização de quaisquer identificações ou insígnias;
  • Fronteiras russo-ucranianas são patrulhadas pelo exército russo até 4 de março;[4]
  • Tropas russas entram no oblast de Kherson em 8 de março de 2014;[2]
  • Ucrânia fecha a fronteira com a região pró-russa da Transnístria em 15 de março;[5]
  • Tropas militares russas invadem a região da Bacia do Donets, intervindo em favor dos separatistas. Contudo, Moscou negou qualquer tipo de intervenção no conflito;[6]
Combatentes
 Rússia
Flag of Crimea.svg Crimeia
Flag of Novorussia.svg Nova Rússia[7]
 Ucrânia[11]
Principais líderes
Vladimir Putin
Sergey Shoygu
Valery Gerasimov
Igor Sergun
Aleksandr Vitko
Sergey Aksyonov
Oleksandr Turtchynov
Ihor Tenyukh
Mykhailo Kutsyn
Serhiy Hayduk
Denis Berezovsky
(desertou)
Unidades
Medium emblem of the Armed Forces of the Russian Federation (27.01.1997-present).svg Forças Armadas Russas:[18][19]
Russian 76th Airborne Division patch.svg 76ª Divisão Aérea
Russian 31st Airborne Brigade patch.svg 31ª Brigada Aérea
18ª Brigada Mecanizada

Sleeve Insignia of the Russian Baltic Fleet.svg Frota Báltica[20]
Sleeve Insignia of the Russian Northern Fleet.svg Frota do Norte
Sleeve Insignia of the Russian Black Sea Fleet.svg Frota do Mar Negro:

Emblem of the GRU.svg Operadores da DGI

Emblem of the Ukrainian Armed Forces.svg Forças Armadas da Ucrânia:
Emblem of the Ukrainian Navy.svg Marinha da Ucrânia
  • 36ª Brigada de Defesa Costeira[21]

Emblem of the State Border Guard Service of Ukraine.svg Guarda Costeira da Ucrânia
Геральдичний знак - емблема МВС України.svg Polícia da Ucrânia
Емблема внутрішніх військ МВС України.svg Tropas Internas
Emblem of the National Guard of Ukraine.svgGuarda Nacional da Ucrânia

Forças
Tropas da Crimeia: 25.000–30.000[22][23]
  • Frota do Mar Negro: 11.000 (incluindo a Fuzileiros Navais)
  • 4 esquadrões de caças aéreos (18 aviões cada)

Reforços: entre 16.000[21][24][25][26] e 42.000[27] soldados

Tropas no leste:
+ 42 000 militares russos[28] (supostamente)

Guarnição da Crimeia:
~ 14.500 soldados[29]
10 navios de guerra

Exército no leste:
70 000 militares[30] (mobilizados)
Vítimas
Crimeia:
1 miliciano pró-Rússia morto[31]
1 equipe de inteligência militar capturada[32]

Donbass:
400 - 500 soldados russos mortos[33]
+ 12 capturados[34]
2 423 mortos[35]
6 331 feridos[35]
Militares russos guardam uma antiga base militar ucraniana em Perevalne, durante a crise na Crimeia, em 2014.

Os componentes da agressão armada russa contra a Ucrânia em 2014-2017 são:[40]

As autoridades russas desmentiram que as tropas pertenciam às forças armadas russas.[41] A região entrou numa grave crise como resultado da incerteza gerada pela Revolução Ucraniana de 2014, e a aparente captura da península pela Rússia. A infiltração destas tropas russas[42] na Crimeia foi vista como uma severa violação da lei internacional pelos Estados Unidos, seus aliados da OTAN e boa parte da comunidade internacional, porém foi bem-vinda por uma grande proporção da população local.[42][43]

A península da Crimeia é uma ligação estratégica para a Rússia com o Mar Mediterrâneo, o Mar Negro e os Bálcãs.[44] O governo russo alega que seu envolvimento na crise da região visa proteger os cidadãos de etnia russa contra abusos cometidos pelas autoridades ucranianas.[nota 1][46][47] A Rússia não reconhece o governo interino recém-instaurado na Ucrânia, e considera o presidente afastado, Viktor Yanukovytch, o único líder legítimo do país.[nota 2] Segundo o governo russo, Yanukovytch teria pedido à Rússia que interviesse militarmente na Ucrânia para manter a paz e a ordem na região.[47][48] O Kremlin ainda alega que suas forças armadas não estariam envolvidas no conflito, e asseguraram que a utilização da força visando uma intervenção humanitária ainda não havia ocorrido.[49]

A resposta ucraniana, até agora, tem sido silenciosa, à medida em que seus líderes procuram situações diplomáticas, e a reação militar de sua parte limitou-se à mobilização das suas forças armadas e de seus reservistas. A Rússia, no entanto, garantiu que suas tropas permanecerão na região até que a situação política seja "normalizada".[50] Internamente, a Crimeia realizou um referendo em 16 de março de 2014 perguntando à população se a região deveria fazer parte da Federação Russa ou continuar a fazer parte da Ucrânia, embora voltando a ter a autonomia que tinha em 1992.[51] As duas opções do referendo implicavam alguma forma de controle russo da península.[52] A sequência de eventos deixou em estado de alerta os tártaros da Crimeia, grupo étnico que já foi deportado em massa para a Ásia Central em 1944, sob ordens de Josef Stalin.[53][54]

Internacionalmente, os Estados Unidos,[55] o Reino Unido,[56] a França,[57] a Alemanha,[58] a Itália,[59] a Polônia,[60] o Canadá,[61] o Japão,[15] a Coreia do Sul,[17] a Geórgia,[14] a Moldávia,[16] a Turquia,[62] a Austrália[13] e a União Europeia condenaram a Rússia, acusando-a de violar o direito internacional e a soberania da Ucrânia.[63] Embora inicialmente a China não tenha apoiado nem criticado a Rússia, ao mesmo tempo em que defendia a integridade territorial da Ucrânia,[64][65] seu governo declarou posteriormente que "não desejava" sanções contra a Rússia.[66] O governo da Índia declarou que considera que a Rússia tenha interesses legítimos na Crimeia;[67] o presidente russo Vladimir Putin convocou o primeiro-ministro da Índia para explicar a situação, e o primeiro-ministro Manmohan Singh "enfatizou a posição consistente que a Índia tem em relação a questões que envolvam a unidade e a integridade territorial dos países".[68]

Putin, em seu discurso numa sessão bicameral da Duma, às vésperas da anexação da Crimeia, agradeceu à China e à Índia pelo seu apoio à posição russa. Em suas palavras, "estamos gratos a todos que compreenderam nossos atos na Crimeia; estamos gratos ao povo da China, cujos líderes sempre consideraram a situação na Ucrânia e Crimeia levando em conta todo o contexto político e histórico, e apreciamos enormemente a discrição e a objetividade da Índia."[69] O governo russo ainda negou acusações de uma intervenção militar na Crimeia; nas palavras do próprio Vladimir Putin, o mundo não "ouviu falar de qualquer intervenção na qual um único tiro tenha sido disparado"[70][71]

Já no leste da Ucrânia, onde um violento conflito separatista está em andamento, o exército russo é acusado de intervir em favor dos rebeldes.[6] Na região de Donbas, insurgentes haviam começado, em abril de 2014, uma rebelião para tentar separar os oblasts de Donetsk e Lugansk do resto do país, mas enfrentaram resistência do governo ucraniano. Então, frente as ofensivas perpetradas por forças leais a Kiev, o presidente russo, Vladimir Putin teria iniciado, primeiro uma invasão sorrateira e depois ações mais diretas para apoiar os separatistas no leste.[72] No começo de setembro, ambos os lados do conflito chegaram a um acordo de cessar-fogo. Segundo o presidente ucraniano, Petro Poroshenko, boa parte das tropas russas já haviam se retirado do país, ao fim do mesmo mês.[73]

Em 2015, com os combates no leste da Ucrânia se intensificando, denúncias cada vez mais veementes apontavam que a presença militar russa no país aumentou, além de seu apoio aos separatistas. Putin foi acusado pelo ocidente de tentar desestabilizar a Ucrânia e de tentar anexar o leste daquela nação pela força.[74]

Índice

NotasEditar

  1. Radyuhin (2014) "President Vladimir Putin, who is Commander-in-Chief of the Russian armed forces, asked Parliament for permission to use the Russian armed forces to "protect" Russian civilians and military in Ukraine."[45]
  2. Walker (2014) "Putin also insisted that ousted Ukrainian leader, Viktor Yanukovych, was the legitimate leader of Ukraine and that the "so-called" acting president had no authority and the new government in Kiev illegal."[46]

Referências

  1. «Armed men seize Crimea parliament». The Guardian (em inglês). 27 de fevereiro de 2014. Consultado em 1 de março de 2014 
  2. a b «Russian Military Forces Come Into Chonhar Village, Kherson Region». Ukrainian News. 8 de março de 2014 
  3. «Ukraine Puts Troops on High Alert, Threatening War». The New York Times (em inglês). 2 de março de 2014 
  4. «Ukraine revolt was anti-constitutional coup, Putin says». CBC. Consultado em 4 de março de 2014 
  5. «Ukraine blocks access to exit from Transdniestria for Russian citizens». Itar-Tass. 15 de março de 2014 
  6. a b «"Ukraine crisis: 'Russia has launched a great war'"»  Página acessada em 25 de setembro de 2014
  7. «"Entenda o conflito envolvendo Ucrânia e Rússia"»  Página acessada em 25 de setembro de 2014.
  8. «Cuba slams foreign interference in Venezuela, Ukraine». The Global Times. 7 de março de 2014. Consultado em 18 de março de 2014 
  9. «Syria's Assad expresses support for Putin on Ukraine». Euronews. 6 de março de 2014. Consultado em 18 de março de 2014 
  10. «Gobierno venezolano repudia el "golpe de Estado de extremistas" en Ucrania». El Universal. 7 de março de 2014. Consultado em 18 de março de 2014 
  11. by: Network writers, agencies (27 de fevereiro de 2014). «Russian troop invasion encircles Crimea's capital as Ukraine PM declares the nation to be on 'brink of disaster'». News.com.au. Consultado em 3 de março de 2014 
  12. «EU prepares Russia sanctions, NATO sends planes to monitor Ukraine». Deutsche Welle. 11 de março de 2014. Consultado em 17 de março de 2014 
  13. a b «Australia imposes sanctions on Russia after it 'steals' Crimea from Ukraine». The Guardian. 19 de março de 2014 
  14. a b «Georgian President Condemns 'Illegal Referendum' in Crimea». Civil Georgia. 17 de março de 2014. Consultado em 18 de março de 2014 
  15. a b «Japan announces steps to punish Russia over Ukraine crisis». Kyodo News. 18 de março de 2014 
  16. a b Alexander Tanas (18 de março de 2014). «Moldova tells Russia: don't eye annexation here». Reuters. Consultado em 20 de março de 2014 
  17. a b «Seoul refuses to recognize Russia's Crimea annexation». The Korea Herald. 19 de março de 2014. Consultado em 20 de março de 2014 
  18. «General Staff of the Ukrainian Armed Forces: in Crimea – not just soldiers from units of Black Sea Fleet». Ukrayinska Pravda. 4 de março de 2014 
  19. «In Crimea, Russian soldiers are not only part of the Black Sea Fleet, says the General Staff of AF of Ukraine». Interfax-Ukraine. 4 de março de 2014 
  20. «Russia redeploys ships of Baltic and Northern fleets to Sevastopol, violates agreement with Ukraine». Ukrinform. 3 de março de 2014 
  21. a b Weiss, Michael (3 de janeiro de 2014). «Russia Stages a Coup in Crimea». The Daily Beast 
  22. «Ukraine looks for 'sign of hope' from Russia over Crimea». CNN 
  23. «In Crimea are already 30 thousand of Russian military – part of Sevastopol fleet base which was agreed by the legitimate government of Ukraine and Russian which states that Russia is allowed to keep the military base till 2045». Ukrayinska Pravda. 7 de março de 2014 
  24. «An eerie mood on the ground in Crimea». CNN 
  25. Dearden, Lizzie (1 de março de 2014). «Ukraine crisis: Putin asks Russian parliament's permission for military intervention in Crimea». The Independent 
  26. «Russia illegally increased the number of its troops in Ukraine up to 16 thousand – acting Defense Minister». Interfax-Ukraine. 3 de março de 2014 
  27. «Insider's view: Moscow is in control of Crimea in Ukraine». Daily News. Nova York. 3 de março de 2014. Consultado em 6 de março de 2014 
  28. "Insider’s view: Moscow is in control of Crimea in Ukraine". NY Daily News. Página acessada em 14 de março de 2015.
  29. «Ukraine must focus on where its assets are stationed, experts say». The Guardian. 3 de março de 2014 
  30. «"PM Yatseniuk: Some 50,000 military participate in ATO"»  Página acessada em 25 de setembro de de 2014.
  31. «1 Ukrainian serviceman, 1 fighter reported killed in storming of Crimean facility». The Associated Press. 18 de março de 2014 
  32. «SBU detains Russian spies in Kherson region». Kyiv Post. 12 de março de 2014 
  33. «"Nuland Claims 400-500 Russian Soldiers Killed in Eastern Ukraine"»  Página acessada em 20 de junho de 2015.
  34. «"Russian soldiers detained in Ukraine; leaders meet in Minsk"»  Página acessada em 25 de setembro de 2014.
  35. a b «"At least 2,053 soldiers killed in Russia's war against Ukraine"»  Página acessada em 20 de junho de 2015.
  36. «Russian special forces on Crimea frontline». The Financial Express (em inglês). 5 de março de 2014. Consultado em 5 de março de 2014 
  37. «Russian special forces on Crimea frontline: experts». Gulf News (em inglês). 4 de março de 2014. Consultado em 4 de março de 2014 
  38. Harress, Christopher (24 de fevereiro de 2014). «Russian Ships Arrive On Ukraine's Crimean Coast As Fears Mount Over Russian Invasion In the Region». International Business Times (em inglês). Consultado em 21 de março de 2014 
  39. Sullivan, Tim (1 de março de 2014). «Russian troops take over Ukraine's Crimea region» (em inglês). Associated Press. Consultado em 21 de março de 2014 
  40. Василенко В. А. Російсько-українська війна 2014 року: причини, перебіг та політико-правові оцінки / [Володимир Василенко] // Український. Тиждень, 2014. — № 42. — С. 28-42.
  41. Chappell, Bill (4 de março de 2014). «Putin Says Those Aren't Russian Forces in Crimea» (em inglês). NPR. Consultado em 5 de março de 2014 
  42. a b John Simpson (19 de março de 2014). «Russia's Crimea plan detailed, secret and successful» (em inglês). Consultado em 21 de março de 2014 
  43. Deeks, Ashley (2 de março de 2014). «Here's What International Law Says About Russia's Intervention in Ukraine». New Republic (em inglês). Consultado em 17 de março de 2014 
  44. Beardsley, Steven (4 de março de 2014). «Black Sea port in Ukraine still key to Russia's naval interests». Stars and Stripes. Consultado em 4 de março de 2014 
  45. Radyuhin, Vladimir (1 de março de 2014). «Russian Parliament approves use of army in Ukraine». The Hindu. Consultado em 3 de março de 2014 
  46. a b Walker, Shaun (4 de março de 2014). «Russian takeover of Crimea will not descend into war, says Vladimir Putin». The Guardian. Consultado em 4 de março de 2014 
  47. a b Yoon, Sangwon; Krasnolutska, Daryna e Choursina, Kateryna (4 de março de 2014). «Russia Stays in Ukraine as Putin Channels Yanukovych Request». Bloomberg News. Consultado em 5 de março de 2004 
  48. Borger, Julian (4 de março de 2014). «Putin offers Ukraine olive branches delivered by Russian tanks». The Guardian. Consultado em 5 de março de 2014 
  49. «Analysis: Why Russia's Crimea move fails legal test». BBC News. 7 de março de 2014. President Vladimir Putin ... indicated that the use of force for humanitarian purposes or in defence of Russian assets had not yet occurred. It might become necessary in the future ... For now, Russia claims - unpersuasively - that its regular forces are not involved in the present stand-off, and that it does not control the local militias supposedly responsible for it. 
  50. «Ukraine crisis: Russia vows troops will stay». BBC News. 3 de março de 2014. Consultado em 3 de março de 2014 
  51. «Ukraine crisis: Crimea MPs vote to join Russia». BBC News. 6 de março de 2014. Consultado em 6 de março de 2014 
  52. Richard Balmforth e Mike Collett-White (15 de março de 2013). «Crimea to vote on joining Russia, Moscow wields UN veto» (em inglês). Reuters 
  53. Loiko, Sergei (6 de março de 2014). «Crimea occupation stirs dark memories for Tatars». Los Angeles Times. Consultado em 8 de março de 2014 
  54. Wilson, Andrew (5 de março de 2014). «Tatar Sunni Muslims pose a threat to Russia's occupation of Crimea». The Guardian. Consultado em 8 de março de 2014 
  55. «Obama: Russia 'On The Wrong Side Of History' On Ukraine». Huffington Post 
  56. «Ukraine crisis: Russia faces 'costs and consequences', warns William Hague». The Daily Telegraph. 3 de março de 2014 
  57. «UK and France pull out of G8 preparatory talks over Ukraine crisis». The Guardian. 2 de março de 2014. Consultado em 4 de março de 2014 
  58. «Ukraine crisis: Vladimir Putin has lost the plot, says German chancellor». The Guardian. 3 de março de 2014 
  59. Jones, Gavin (2 de março de 2014). «Italy appeals to Russia to negotiate, not invade Ukraine». Reuters. Consultado em 4 de março de 2014 
  60. Waterfield, Bruno (3 de março de 2014). «Ukraine crisis: EU gives Russia 48-hour deadline to return troops to barracks in Crimea». The Daily Telegraph 
  61. «Statement by the Prime Minister of Canada on the situation in Ukraine | Prime Minister of Canada». Pm.gc.ca. 1 de março de 2014 
  62. «No: 86, 17 de março de 2014, Press Release Regarding the Referendum held in Crimea». Ministério das Relações Exteriores da Turquia. 17 de março de 2014. Consultado em 18 de março de 2014 
  63. «EU leaders to hold summit on Ukraine on Thursday». Yahoo! News. 3 de março de 2014 
  64. FlorCruz, Jaime (6 de março de 2014). «Russia may find ally in China – albeit a passive one for now». CNN. Consultado em 5 de março de 2014 
  65. Economy, Elizabeth (6 de março de 2014). «China's Soft 'Nyet' To Russia's Ukraine Intervention». Forbes. Consultado em 5 de março de 2014 
  66. http://www.reuters.com/article/2014/03/13/us-ukraine-crisis-china-idUSBREA2C0PB20140313
  67. «Russian interests in Ukraine's Crimea 'legitimate', India says»  The Times of India Retrieved 8 de março de 2014
  68. Bagchi, Indrani (19 de março de 2014). «Putin calls up PM to explain Ukraine move». The Times of India 
  69. http://eng.kremlin.ru/news/6889
  70. «Putin signs treaty to annex Crimea as Ukraine authorises use of force». The Guardian. 18 de março de 2014 
  71. «Discurso do Presidente da Federação Russa» (em russo). Site oficial do Kremlin. 18 de março de 2014 
  72. «"Ukraine accuses Russia of opening new front before leaders' meeting"»  Página acessada em 25 de setembro de de 2014.
  73. «"Presidente da Ucrânia diz que Rússia retirou maior parte de tropa do leste"»  Página acessada em 25 de setembro de de 2014.
  74. «"U.N. finds growing signs of Russian involvement in Ukraine war"»  Página acessada em 20 de junho de 2015.

BibliografiaEditar

  • Bremmer, Ian (1994). «The Politics of Ethnicity: Russians in the New Ukraine». Europe-Asia Studies. 46 (2): 261–283. doi:10.1080/09668139408412161 
  • Hagendoorn, A.; Linssen, H. e Tumanov, S. V. (2001). Intergroup Relations in States of the former Soviet Union: The Perception of Russians. Nova York: Taylor & Francis. ISBN 1-84169-231-X 
  • Legvold, Robert (2013). Russian Foreign Policy in the Twenty-first Century and the Shadow of the Past. Nova York: Columbia University Press. ISBN 978-0-231-51217-6 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Intervenção militar da Rússia na Ucrânia (2014–presente)