Abrir menu principal

José Ivo Sartori

Político brasileiro
José Ivo Sartori
José Ivo Sartori em agosto de 2016.
38º Governador do Rio Grande do Sul
Período 1º de janeiro de 2015
até 1° de janeiro de 2019
Vice-governador José Paulo Cairoli
Antecessor Tarso Genro
Sucessor Eduardo Leite
36º Prefeito de Caxias do Sul
Período 1º de janeiro de 2005
a 1º de janeiro de 2013
Vice-prefeito Alceu Barbosa Velho (2005-2011)
Nenhum (2011-2013)
Antecessor Pepe Vargas
Sucessor Alceu Barbosa Velho
Deputado federal
pelo Rio Grande do Sul
Período 1º de fevereiro de 2003
a 1º de janeiro de 2005
Presidente da Assembleia Legislativa
do Rio Grande do Sul
Período 1º de fevereiro de 1998
a 1º de fevereiro de 1999
Antecessor João Luiz Vargas
Sucessor Paulo Odone
Secretário de Trabalho e Bem-Estar Social do Rio Grande do Sul
Período 1987 até 1988
Governador Pedro Simon
Deputado estadual
do Rio Grande do Sul
Período 1º de fevereiro de 1983
a 1º de fevereiro de 2003
Vereador de Caxias do Sul
Período 1977 até 1982
Dados pessoais
Nome completo José Ivo Sartori
Nascimento 25 de fevereiro de 1948 (71 anos)
Farroupilha, Rio Grande do Sul
Nacionalidade Brasileiro
Progenitores Mãe: Elza Josefina Dengo Sartori
Pai: Antônio Silva Sartori
Alma mater Universidade de Caxias do Sul
Cônjuge Maria Helena Sartori (desde 1976)
Partido MDB (desde 1974)
Profissão Professor, filósofo e político

José Ivo Sartori (Farroupilha, 25 de fevereiro de 1948), conhecido também por Sartori, ou mesmo José Ivo, é um professor, filósofo e político brasileiro. Filiado ao MDB, foi governador do estado do Rio Grande do Sul entre 2015 e 2019. É casado com Maria Helena Sartori, com quem tem dois filhos.[1]

Natural da Serra Gaúcha, formou-se em filosofia pela Universidade de Caxias do Sul (UCS) e foi professor universitário e de cursos pré-vestibulares.[2] Iniciou sua carreira política no movimento estudantil e entre 1972 a 1975 presidiu o Diretório acadêmico (DCE) da UCS.[1] Em seguida, filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB) e foi eleito vereador em Caxias do Sul em 1976.[1][2] Exerceu cinco mandatos consecutivos como deputado estadual e presidiu a Assembleia Legislativa entre 1998 a 1999.[3] Durante o governo de Pedro Simon, foi secretário estadual do Trabalho e Bem-Estar Social entre 1987 a 1988.[2]

Concorreu, sem sucesso, ao cargo de prefeito de Caxias do Sul em 1992 e 2000.[3] Em 2002, elegeu-se deputado federal com quase cem mil votos.[2] Em 2004, elegeu-se prefeito de Caxias no segundo turno com 52,4% dos votos.[3] Quatro anos depois, reelegeu-se no primeiro turno com 54,3% dos votos, vencendo seu antecessor, Pepe Vargas.[2]

Em 29 de junho de 2014, foi oficializada sua candidatura ao Palácio Piratini.[4] Em uma reviravolta na reta final da campanha, classificou-se para o segundo turno juntamente com o governador Tarso Genro.[5] Em 26 de outubro, venceu a eleição com 61,2% dos votos, sendo empossado o trigésimo oitavo governador do Rio Grande do Sul em 1º de janeiro de 2015.[6][7] Em 2018, concorreu à reeleição, mas foi derrotado por Eduardo Leite.[8]

Índice

Família, educação e movimento estudantilEditar

 
Sartori ainda criança, em fotografia de c. 1948-1949.
 
A família Sartori em 1986.

José Ivo Sartori nasceu na Capela de São Valentin, uma pequena localidade do interior de Farroupilha, Rio Grande do Sul, em 25 de fevereiro de 1948.[9] Descendente de italianos, é o filho mais velho de Antônio Silva Sartori, que trabalhava como borracheiro, e de Elza Josefina Dengo Sartori, uma dona de casa.[9] Além dele, o casal teve outros cinco filhos: Neuza, Janete, Luiz, Maria de Lourdes e Olmar.[10] Durante a infância, trabalhou no campo ao lado do pai e de seus irmãos.[9] Segundo relatou mais tarde, "Nós, as crianças, tínhamos de ajudar os adultos que estavam trabalhando na roça. Uma das nossas principais tarefas era levar a sporta onde eram carregados os mantimentos que seriam consumidos ao meio-dia, já que não era costume retornar para casa em meio ao trabalho."[10][nota 1]

Em 1959, a família Sartori mudou-se para um bairro mais próximo do centro de Farroupilha.[10] Em 1961, foi estudar na cidade de Antônio Prado, onde cursou o antigo ginásio na Escola São José.[9][10] Lá permaneceu durante cinco anos, época em que foi tesoureiro da primeira diretoria do Grêmio Estudantil daquela escola e participou da Juventude Estudantil Católica (JEC).[9][10] Logo após completar dezoito anos, começou a estudar para ser padre no Colégio do Carmo, em Caxias do Sul, e no Seminário Maior, de Viamão, onde iniciou o curso de filosofia em 1969.[11][12][13] Posteriormente, deixou o seminário e voltou para Caxias, onde concluiu os estudos na Universidade de Caxias do Sul (UCS).[9][13] Neste período, fez parte do movimento estudantil e presidiu o Diretório acadêmico (DCE) daquela universidade entre 1972 a 1975.[13] Como presidente do DCE, organizou eventos culturais, como uma palestra de Teotônio Vilela, e recepcionou os cantores Chico Buarque e Milton Nascimento.[13]

Após graduar-se em filosofia em 1975, passou a dar aulas desta disciplina, além de história, moral e cívica, Organização Social e Política Brasileira e educação religiosa em universidades, escolas particulares e cursos preparatórios de vestibular.[9][13] Foi sócio de Germano Rigotto, futuro governador do Rio Grande do Sul (2003-2007), de um curso pré-vestibular, chamado de "Cursão".[13][14]

Em 9 de julho de 1976, casou-se com Maria Helena, sua ex-colega no curso de filosofia da UCS.[10] Segundo José Ivo Sartori relatou, "tem gente que acha que foi a Maria Helena que me tirou do seminário. Não continuei porque foi uma opção. Eu achava que tinha uma propensão para casar e constituir família."[10] O casal teve dois filhos: Marcos, nascido em 11 de novembro de 1982, e Carolina, nascida em 2 de outubro de 1986.[10]

Carreira legislativaEditar

 
Sartori e o senador Pedro Simon, em 1986.

Em 1974, Sartori filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), principal partido de oposição à Ditadura militar.[9] Nas eleições municipais de 1976, foi eleito vereador de Caxias do Sul com 2.297 votos, sendo o terceiro mais votado de seu partido e o quarto entre todos os candidatos.[15] Naquele ano, o MDB também elegeu o prefeito de Caxias, Mansueto de Castro Serafini Filho.[15]

Sartori foi eleito deputado estadual em 1982, e reeleito em 1986, 1990, 1994 e 1998.[9] Em 1986, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), o sucessor do MDB.[9] Durante o governo de Pedro Simon, também do PMDB, foi Secretário estadual de Trabalho e Bem-Estar Social entre 1987 a 1988.[9] Como deputado estadual, criou o Conselho Estadual do Idoso, a Casa do Artesão Gaúcho e foi autor da lei que permitiu o parcelamento do ICMS na importação de máquinas e equipamentos sem similar de fabricação nacional.[16]

Em fevereiro de 1998, foi eleito presidente da Assembleia Legislativa, cargo que ocupou até fevereiro de 1999.[17][16] Na presidência da Assembleia, foi governador interino duas vezes.[2][18] Entre 2001 a 2002, foi vice-presidente da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (UNALE).[19] Nas eleições de 2002, elegeu-se deputado federal com 98.903 votos (1,68%).[20] Na Câmara dos Deputados, atuou como membro titular das comissões de Constituição e Justiça e na de Educação e Cultura.[19]

Eleições para prefeito de Caxias do SulEditar

Derrotas: 1992 e 2000Editar

Em 1992, candidatou-se a prefeito de Caxias do Sul pela primeira vez. Sua coligação foi formada pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e pelo Partido Popular Socialista (PPS). Sartori terminou em terceiro lugar com 34.631 votos (23,44%), sendo superado pelo prefeito eleito, Mario David Vanin (29,01%) e Pepe Vargas (26,97%).[21] Não foi realizado um segundo turno entre Vanin e Pepe porque na época Caxias não tinha duzentos mil eleitores, número necessário para que o segundo turno seja disputado.[21]

Em 2000, candidatou-se pela segunda vez ao executivo sul-caxiense. Desta vez, conseguiu o apoio do Partido Progressista Brasileiro (PPB). No primeiro turno, totalizou 43,11% dos votos válidos, classificando-se para o segundo turno com o então prefeito Pepe Vargas, do Partido dos Trabalhadores (PT), que ficou com 48,15%. Em um segundo turno disputado, Pepe venceu com 103.015 votos (50,20%), contra os 102.191 votos de Sartori (49,80%).[22]

Vitórias: 2004 e 2008Editar

2004Editar

Em 2004, voltou a ser candidato a prefeito de Caxias. Sua coligação, denominada Caxias para Todos, foi composta por cinco partidos e o candidato a vice foi Alceu Barbosa Velho.[23][24] Segundo as pesquisas de opinião, Sartori iniciou a campanha do primeiro turno na frente.[25] No entanto, a campanha governista da deputada estadual Marisa Formolo conseguiu um crescimento nas últimas pesquisas do primeiro turno, garantindo um empate técnico.[25] Em 3 de outubro, foi confirmado que seria realizado um segundo turno com Formolo, que conquistou 41% dos votos válidos, e Sartori, com 35%.[26][27] O terceiro colocado, Ruy Pauletti, obteve pouco menos de 20% dos votos e declarou apoio a Sartori no segundo turno.[24] Em 31 de outubro, foi eleito prefeito com 52,67% dos votos válidos.[23]

2008Editar

Em 7 de julho de 2008, iniciou sua campanha à reeleição.[28] Alceu Barbosa Velho foi novamente escolhido como seu candidato a vice-prefeito.[29] A coligação liderada por Sartori recebeu o mesmo nome da de 2004 e contou com o apoio formal de catorze partidos.[28] O único candidato de oposição foi Pepe Vargas, ex-prefeito que concorreu pela coligação Frente Popular, formada por quatro partidos.[30][31]

Em julho de 2008, a coligação Frente Popular ingressou na justiça com um pedido para igualar o tempo na propaganda eleitoral de rádio e televisão.[32] A coligação argumentou que o tempo da propaganda deveria ser distribuído de forma igualitária por haver apenas dois candidatos.[32] Uma liminar negou o pedido, mantendo o tempo de vinte e um minutos para Sartori e nove para Pepe.[33] Durante a campanha, um dos principais debates entre os candidatos foi a falta de água, que atingiu diversos bairros naquele ano.[29][34] Todas as pesquisas de opinião pública indicaram proximidade entre Sartori e Pepe.[32] Em 5 de outubro, foi reeleito com 54,35% dos votos válidos.[29][35]

Prefeito de Caxias do SulEditar

Em 1º de janeiro de 2005, foi empossado o trigésimo quarto prefeito de Caxias do Sul.[36] Sua reeleição em 2008 garantiu-lhe o direito a um segundo mandato, de 1º de janeiro de 2009 até 1º de janeiro de 2013.[36] Na eleição municipal de 2012, conseguiu eleger o sucessor, seu ex vice-prefeito e então deputado estadual Alceu Barbosa Velho, que foi eleito em primeiro turno.[37]

Principais iniciativasEditar

Em agosto de 2007, a coleta seletiva de lixo, que existia desde 1991, foi mecanizada.[38] Com isso, Caxias do Sul tornou-se a primeira cidade do país a implantar este tipo de coleta.[39] Até maio de 2012, a coleta mecanizada atingia 35% da cidade e a quantidade de lixo reciclável coletado foi triplicado, chegando a um quarto do lixo produzido.[38] Em parceria com associações de reciclagem, a prefeitura oferecia um incentivo para quem colaborasse.[39] Neste sentido, foi criado em 2006 o programa "Troca Solidária", que troca lixo reciclável por alimentos.[40][41] Estas iniciativas ajudaram a reduzir a quantidade de lixo nas ruas.[42]

Ainda em 2007, foi criado a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes e Violência Escolar (CIPAVE), que abrangia todas as escolas municipais.[43] Entre os objetivos do CIPAVE, estão a conservação do patrimônio público, a atuação permanente em campanhas educativas, a prevenção de acidentes e primeiros socorros e a diminuição da violência escolar.[44]

Com o objetivo de ligar as comunidades rurais com a área urbana, foi criado o Programa de Asfaltamento do Interior (PAI).[45] Durante suas duas gestões, foram entregues 170 quilômetros de asfalto.[45] O PAI foi financiado com recursos próprios da prefeitura e empréstimos com a Corporação Andina de Fomento (CAF) e o Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES).[45]

Sistema MarrecasEditar

Em 2009, as obras do Sistema de Abastecimento de Água Marrecas foram iniciadas. O Marrecas é considerada a maior obra do governo Sartori e tem como objetivo garantir o abastecimento de água para 250 000 habitantes pelos próximos vinte anos.[46] Os estudos para a construção deste sistema iniciaram em 1966 e sua capacidade foi estimada em 33 bilhões de litros de água.[47] Os gastos totais foram orçados inicialmente em R$ 130 milhões, mas as obras acabaram custando R$ 250 milhões.[48][49] Segundo dados de dezembro de 2012, o governo federal arcou com R$ 150 milhões e o município destinou R$ 100 milhões de recursos próprios.[50][51]

Em 22 de dezembro de 2012, o Sistema Marrecas foi inaugurado com a presença da presidente Dilma Rousseff e do governador Tarso Genro.[52] No entanto, começou a funcionar apenas em setembro de 2014, já na administração do prefeito Alceu Barbosa Velho.[48] O Sistema Marrecas é uma das obras mais polêmicas dos últimos anos na cidade, uma vez que já foi inaugurada várias vezes em solenidades oficiais, mas ainda apresenta dificuldades para funcionar adequadamente.[53][54]

Greve dos médicosEditar

Um movimento grevista de médicos ligados ao Sistema Único de Saúde (SUS) iniciou em abril de 2010. Três dias após o início desta paralisação, a prefeitura conseguiu uma liminar na Justiça, suspendendo a interrupção dos trabalhos.[55] Em setembro de 2010, iniciou-se uma nova paralisação, que afetou pouco mais de vinte mil pessoas naquele mês.[56] Os médicos reivindicavam a adoção do piso nacional da categoria, a discussão do plano de carreira e da jornada de trabalho.[57][58] A prefeitura considerava o aumento salarial, a principal reivindicação, um "absurdo e fora de contexto".[59]

Em 3 de outubro de 2011, o Movimento Vivo em Defesa da Saúde Pública encaminhou a Câmara de Vereadores um pedido de impeachment de Sartori. O pedido baseou-se na acusação de crime de responsabilidade e improbidade devido a sua atuação na greve dos médicos.[60] Um dia depois de protocolado, o pedido foi rejeitado pelos vereadores por unanimidade.[61] Em dezembro de 2011, um acordo com o Sindicato dos Médicos garantiu a suspensão da paralisação até o final de seu governo.[55]

Opinião públicaEditar

Em agosto de 2008, um levantamento da Fato Pesquisa Social, realizado com oitocentos eleitores, indicou que 89,8% consideravam sua gestão como "ótimo ou boa" e 3,9% como "ruim ou péssima".[62] Em setembro de 2012, uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE) revelou que 75% dos entrevistados aprovaram a gestão, 18% desaprovaram e 7% não sabiam ou não responderam.[63] Ainda de acordo com o IBOPE, 62% consideraram o governo Sartori como "ótimo ou bom", 27% como "regular" e 7% como "ruim ou péssimo".[63]

Eleições estaduais de 2014Editar

 
Comemoração da vitória de Sartori em Porto Alegre.

Sartori estava sendo cotado para concorrer ao governo do Rio Grande do Sul nas eleições de 2014 desde outubro de 2012.[64] Em 29 de junho de 2014, foi oficializado candidato do PMDB ao governo do Estado pela coligação O Novo Caminho para o Rio Grande, composta também por outros sete partidos.[65] O ex-presidente da Federasul, José Paulo Cairoli, foi escolhido candidato a vice-governador.[66] Na disputa presidencial, a coligação de Sartori declarou apoio ao candidato Eduardo Campos (PSB). Com a morte deste, e a ascensão de Marina Silva, a coligação manteve o apoio ao PSB, apesar de divergências entre Marina e a coligação.[67]

Nas primeiras pesquisas de opinião, tinha menos de 6% da preferência do eleitorado.[68] Nas últimas semanas do primeiro turno passou a crescer nas pesquisas, empatando com a senadora Ana Amélia Lemos (PP) na última pesquisa realizada pelo IBOPE.[69] De acordo com analistas, o crescimento de Sartori ocorreu devido a soma de alguns fatores, entre os quais estão: Ana Amélia sofreu diversos ataques de seus adversários e não conseguiu respondê-los, enquanto Sartori passou a campanha do primeiro turno praticamente sem ser atacado;[70] a grande estrutura partidária do PMDB-RS; a mobilização da militância; a ideia de se apresentar como uma alternativa menos belicosa que Tarso Genro (PT) e Ana Amélia; uma opção ao chamado voto antipetista; o uso das redes sociais;[71] além de outros motivos.[72]

Em 6 de outubro, foi o candidato mais votado com 40,4% dos votos válidos, classificando-se para o segundo turno com Tarso, que ficou com 32,5%.[73] No segundo turno, recebeu o apoio da terceira colocada, Ana Amélia, e declarou apoio formal ao candidato a presidente Aécio Neves (PSDB).[74][75] Em 20 de outubro, uma declaração sobre o piso do magistério causou polêmica e se tornou destaque nacional, sendo criticada por professores e por Tarso na propaganda eleitoral.[76][77] No entanto, Sartori manteve uma liderança de 15-20% em relação a Tarso nas pesquisas de intenção de votos.[78][79] Em 26 de outubro, foi eleito governador com 3.859.611 votos (61,79%), vencendo em mais de 90% dos municípios.[80][81] A votação de Sartori foi a mais expressiva de um candidato a governador do Rio Grande do Sul desde que o segundo turno foi instituído, em 1990.[82]

Governador do Rio Grande do SulEditar

 
Sartori discursando em sua cerimônia de posse como governador, em 2015.

Sartori foi empossado como o 38º governador do Rio Grande do Sul em 1º de janeiro de 2015.[83] Após afirmar em seu discurso de posse que faria medidas "duras" e "difíceis" para resolver a situação financeira do Estado,[84][85] assinou alguns decretos que cortaram despesas, o que incluiu a suspensão de concursos públicos e nomeações durante seis meses.[86][87][88] A nomeação da primeira-dama e deputada estadual Maria Helena como secretária estadual foi polêmica, especialmente por gerar acusações de nepotismo.[89][90]

Com uma base governista composta por 60% dos deputados, inicialmente composta desde o PDT ao PSDB,[91] conseguiu ao longo do primeiro ano de governo a aprovação de quase todos os projetos de leis formulados pelo executivo e que visavam reorganizar a estrutura do estado e cortar gastos.[92][93] Entretanto, alguns projetos de lei, como os de aumentos de impostos, obtiveram votações apertadas, sendo que a do aumento do ICMS foi aprovado por 27 a 26.[94][95] Até julho de 2018, o governo conseguiu a aprovação de 86% dos projetos submetidos ao legislativo, com apenas dois sendo rejeitados.[96] Ao final do governo, o vice-governador Cairoli criticou a relação do governo com os deputados, alegando que, para a aprovação das iniciativas de Sartori, "se negociava estágios."[97]

O governador Sartori anunciando o parcelamento de salários dos servidores, em 31 de julho de 2015.

O governo parcelou os salários de seus servidores pela primeira vez em julho de 2015, causando greves dos servidores.[98][99][100] Os parcelamentos continuaram ocorrendo até o final do governo.[101][102][103] Também devido a crise financeira, o estado deixou de pagar em dia parcelas de sua dívida com a União no ano de 2015, gerando ao longo daquele ano bloqueios de suas contas pelo Tesouro Nacional.[104] Ainda em 2015, sancionou a criação da previdência complementar, estabelecendo o teto do INSS para o pagamento de aposentadorias e pensões, e a Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual, que impôs regras para o crescimento do gasto público, tornando o Rio Grande do Sul o primeiro estado a aprovar uma legislação própria de responsabilidade fiscal.[105][106][107]

No final de 2016, Sartori enviou à Assembleia um pacote de ajuste fiscal propondo a extinção de onze órgãos, a demissão de pouco mais de mil servidores e a diminuição do número de secretarias para 17, prevendo a extinção de órgãos como a Fundação Zoobotânica e a privatização da CEEE e a Sulgás.[108] O projeto recebeu oposição de servidores e partidos de esquerda e,[109][110] embora em sua maior parte tenha sido aprovado,[111] medidas judiciais (mais tarde revistas) impediram a extinção de algumas fundações.[112][113] Sartori não conseguiu, ainda, o aval para a realização de plebiscito, que ocorreria juntamente com as eleições de 2018, para a privatização de estatais (como a CEEE, CRM e Sulgás), uma exigência constitucional.[114]

 
Sartori cumprimentando o presidente Michel Temer, em agosto de 2017.

A contenção dos gastos também atingiu a segurança pública, que entrou em colapso nos primeiros anos do governo Sartori.[115][116][117] As ocorrências incluíam desde latrocínios em bairros nobres de Porto Alegre a ataques contra ônibus. O latrocínio de uma mulher em um bairro nobre da capital foi considerada a "gota d'água", levando o governador a rever a política para a segurança pública: demitiu Wantuir Jacini, trocando-o por Cezar Schirmer, que ganhou a autorização de Sartori para se sobrepor à equipe econômica e destinar mais verbas para a área, além da convocação da Força Nacional de Segurança Pública e a contratação mais de três mil policiais militares, apesar de o efetivo da Brigada Militar ter registrado seu menor efetivo em décadas.[118][119][120][121][122] As ações do governo resultaram na diminuição da criminalidade no estado; posteriormente, Sartori classificou a crise da segurança como o ponto mais difícil de seu governo e a "superação na segurança" como a melhor parte.[118][123][124][125]

Sartori iniciou 2017 negociando com o governo federal o ingresso do estado no Regime de Recuperação Fiscal, que permitiria o congelamento do pagamento da dívida com a União por três anos e a obtenção de empréstimos. O acordo previa que o governo estadual deveria realizar cortes nos gastos com a máquina pública.[126] As negociações não avançaram por conta das dificuldades do governo Sartori em comprovar que o estado comprometia 70% da receita com o pagamento dos servidores e a privatização do Banrisul, uma exigência do governo federal não admitida pelo governador.[127][128][129] O governo estadual não pagava as parcelas da dívida desde agosto de 2017, usando o dinheiro para pagar os salários dos servidores. O Supremo Tribunal Federal concedeu liminar suspendendo os pagamentos, a qual foi parcialmente revogada em dezembro de 2018, autorizando a União a executar contragarantias de empréstimos, mas impedindo-a de bloquear as contas do estado.[130][131][132] O Rio Grande do Sul terminou 2018 com um déficit de R$ 2,7 bilhões, inferior ao déficit de R$ 5,6 bilhões quando Sartori assumiu o governo.[133]

Eleições estaduais de 2018Editar

 
Propaganda da campanha de Sartori à reeleição em 2018.

Sartori não queria concorrer à reeleição na eleição de 2018, mas acabou disputando novamente o governo estadual a pedido do MDB.[134][135][136][137] O governador contava, segundo pesquisa do instituto Paraná Pesquisas em junho de 2018, com uma avaliação negativa de 55,8% dos eleitores, contra 39,6% de aprovação, e tinha em Eduardo Leite (PSDB), Miguel Rossetto (PT) e Jairo Jorge (PDT) seus concorrentes mais fortes.[138] Sartori desejava montar uma chapa que tivesse Leite como seu candidato a vice-governador, com as duas vagas ao Senado sendo preenchidas por Ana Amélia (PP) e Beto Albuquerque (PSB).[139][140] Leite decidiu pela candidatura própria e Ana Amélia foi candidata a vice-presidente de Geraldo Alckmin (PSDB), levando o PP a apoiar Leite.[141][142] Ainda assim, Sartori garantiu a maior coligação da eleição estadual, com apoio de nove partidos (incluindo PSD, PSB e PR); Cairoli voltou a ser candidato a vice-governador, enquanto Albuquerque e José Fogaça foram os candidatos ao Senado pela coligação do governador.[143][144][145][146] Na eleição presidencial, apoiou seu partidário Henrique Meirelles.[147][148]

Em 7 de outubro, Leite e Sartori avançaram para o segundo turno; Leite recebeu 35,9% e Sartori, 31,1%.[149] Um dia depois, Sartori declarou apoio à candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), também apoiado por Leite que, embora inicialmente hesitante, decidiu por um apoio crítico.[150][151] Sartori recebeu e explorou o apoio do candidato a vice de Bolsonaro, Hamilton Mourão, e do PSL, adotando a expressão "Sartonaro."[152][153][154] Apresentando propostas semelhantes, Sartori pregou dar continuidade às mudanças implementadas, usando como slogan "o gringo tá certo", enquanto Leite defendia dar um ritmo mais acelerado para a resolução dos problemas do estado.[155][156][157] As pesquisas no início do segundo turno indicavam o tucano com uma vantagem folgada, mas, à medida que o dia da eleição se aproximava, a diferença entre ambos diminuiu, chegando a estarem em empate técnico na boca de urna do Ibope.[158][159][160] Em 28 de outubro, Leite foi eleito governador com 53,62% dos votos válidos.[161] De acordo com o GaúchaZH, o apoio irrestrito de Sartori a Bolsonaro foi um fator que beneficiou Leite, que derrotou o governador nos redutos petistas. O jornal também acrescentou como motivos para a derrota de Sartori a má relação com os servidores e os desgastes sofridos com a crise financeira.[162][163] Deste modo, o Rio Grande do Sul manteve seu histórico de não reeleger governadores.[164]

Histórico eleitoralEditar

A tabela abaixo revela o desempenho de Sartori em todas as eleições que disputou. De 1976 a 2018, Sartori concorreu em treze eleições, ganhando dez e perdendo duas eleições à prefeitura de Caxias do Sul (1992 e 2000) e uma ao governo do Rio Grande do Sul (2018).

Notas

  1. Sporta é uma sacola artesanal em palha feita pelos imigrantes italianos.[10]

Referências

  1. a b c «Conheça um pouco mais sobre a biografia de José Ivo Sartori, o novo governador do Rio Grande do Sul». Caxias AM. 26 de outubro de 2014. Consultado em 10 de abril de 2015 
  2. a b c d e f «A trajetória de José Ivo Sartori em cinco momentos». Zero Hora. 4 de agosto de 2014. Consultado em 10 de abril de 2015 
  3. a b c «José Ivo Sartori é o novo Governador do RS». Band. 26 de outubro de 2014. Consultado em 10 de abril de 2015. Arquivado do original em 16 de abril de 2015 
  4. «PMDB oficializa candidatura de José Ivo Sartori ao governo do RS». G1. 29 de junho de 2014. Consultado em 10 de abril de 2015 
  5. Flavia Bemfica (6 de outubro de 2014). «Conjunto de fatores explica reviravolta na eleição no RS». Terra. Consultado em 10 de abril de 2015 
  6. Flavia Bemfica (26 de outubro de 2014). «RS: José Ivo Sartori é eleito governador com 61,2% dos votos». Terra. Consultado em 10 de abril de 2015 
  7. Caetanno Freitas e Estêvão Pires (1º de janeiro de 2015). «José Ivo Sartori toma posse e fala em 'medidas duras' contra crise no RS». G1. Consultado em 10 de abril de 2015 
  8. Carlos Rollsing (28 de outubro de 2018). «O que contribuiu para a derrota de Sartori na eleição para governador do RS». GaúchaZH. Consultado em 2 de março de 2019 
  9. a b c d e f g h i j k «Perfil: José Ivo Sartori». Folha de Quaraí. 28–29 de outubro de 2014. Consultado em 11 de abril de 2015. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015 
  10. a b c d e f g h i «Jeito gringo de ser de Sartori foi moldado no interior». Pioneiro. 26 de outubro de 2014. Consultado em 11 de abril de 2015 
  11. «Um pouco da história de José Ivo Sartori». Grupo Solaris. 5 de outubro de 2014. Consultado em 11 de abril de 2015. Arquivado do original em 11 de abril de 2015 
  12. Glauber Fernandes (28 de outubro de 2014). «Mãe de Sartori queria que filho fosse padre». Band. Consultado em 11 de abril de 2015 
  13. a b c d e f Adélia Porto (26 de outubro de 2014). «Sartori, o gringo que queria ser padre e está na política há 40 anos». Sul21. Consultado em 11 de abril de 2015 
  14. Rodrigo Lopes (24 de setembro de 2014). «Um gringo durão, mas piadista: a trajetória de José Ivo Sartori». Zero Hora. Consultado em 11 de abril de 2015 
  15. a b c «Resultado da eleição -Formulário» (PDF). Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em 11 de abril de 2015. Arquivado do original (PDF) em 18 de abril de 2015 
  16. a b «Deputado José Ivo Sartori». Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. Consultado em 11 de abril de 2015 
  17. «Presidentes do Parlamento (em ordem cronológica)». Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. Consultado em 11 de abril de 2015 
  18. «Nova Mesa da Assembléia é empossada em Sessão Solene». Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. 3 de fevereiro de 1998. Consultado em 3 de março de 2019 
  19. a b «José Ivo Sartori - PMDB/RS». Câmara dos Deputados do Brasil. Consultado em 11 de abril de 2015 
  20. «Resultado da eleição de 2002». Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em 11 de abril de 2015 
  21. a b c «Caxias do Sul». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 11 de abril de 2015. Arquivado do original em 19 de abril de 2015 
  22. a b «Resultado do 2º Turno das eleições municipais 2000». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 11 de abril de 2015. Arquivado do original em 19 de abril de 2015 
  23. a b «RS/Caxias do Sul - Eleito». Uol. Consultado em 11 de abril de 2015 
  24. a b «Sartori é o novo prefeito de Caxias do Sul, no RS». Terra. 31 de outubro de 2014. Consultado em 11 de abril de 2015 
  25. a b «Sartori derrota Marisa na disputa pela Prefeitura». Gazeta do Sul. 1º de novembro de 2004. Consultado em 11 de abril de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  26. «Placar RS/ Caxias Do Sul». Uol. Consultado em 11 de abril de 2015 
  27. «RS/Caxias do Sul - 2º turno». Uol. Consultado em 11 de abril de 2015 
  28. a b Vania Espeiorin (7 de julho de 2008). «Sartori dá largada na campanha em Caxias do Sul». Click RBS. Consultado em 28 de abril de 2015 
  29. a b c Vania Espeiorin (27 de junho de 2008). «Alceu Barbosa Velho é confirmado vice na disputa à prefeitura de Caxias». Click RBS. Consultado em 28 de abril de 2015 
  30. Flávio Ilha (5 de outubro de 2008). «Com apenas dois candidatos na disputa, Sartori vence Pepe Vargas em Caxias do Sul». Uol. Consultado em 28 de abril de 2015 
  31. Vania Espeiorin (20 de junho de 2008). «Oposição apresenta pré-candidatos à prefeitura de Caxias». Uol. Consultado em 28 de abril de 2015 
  32. a b c Vania Espeiorin (9 de julho de 2008). «PT pede na Justiça igualdade de tempo de propaganda em Caxias». Uol. Consultado em 28 de abril de 2015 
  33. Roberto Carlos Dias (15 de julho de 2008). «Justiça nega pedido de igualdade de tempo na propaganda eleitoral em Caxias». Click RBS. Consultado em 28 de abril de 2015 
  34. «Falta de água vira tema de debate em Caxias do Sul». G1. 11 de agosto de 2008. Consultado em 28 de abril de 2015 [ligação inativa] 
  35. «José Ivo Sartori é reeleito em Caxias do Sul». Click RBS. 5 de outubro de 2008. Consultado em 28 de abril de 2015 
  36. a b «Galeria de Ex-Prefeitos». Prefeitura de Caxias do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. Arquivado do original em 10 de março de 2015 
  37. «Alceu Barbosa (PDT) é eleito prefeito de Caxias do Sul (RS)». Uol. 7 de outubro de 2012. Consultado em 29 de abril de 2015 
  38. a b «Coleta mecanizada melhora destinação do lixo em cidade do RS». G1. 28 de maio de 2012. Consultado em 23 de abril de 2015 
  39. a b Clarisse de Freitas (15 de setembro de 2011). «Porto Alegre aprova a coleta mecanizada de Lixo». Jornal do Comércio. Consultado em 23 de abril de 2015 
  40. André Fiedle (21 de junho de 2014). «Programa Troca Solidária, de Caxias do Sul, completa cinco anos». Gaúcha. Consultado em 23 de abril de 2015 
  41. «Caxias: programa troca lixo por alimento». SerraNossa. 6 de dezembro de 2011. Consultado em 23 de abril de 2015. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015 
  42. «Caxias do Sul, no RS, troca lixo por comida». G1. 28 de maio de 2014. Consultado em 23 de abril de 2015 
  43. «PF doa ônibus para Cipave em Caxias». Pioneiro. 20 de novembro de 2009. Consultado em 29 de abril de 2015 
  44. «Goularte reúne secretários de 10 municípios gaúchos para intercâmbio nas questões de Segurança Pública». Click Soledade. 28 de julho de 2009. Consultado em 29 de abril de 2015 
  45. a b c «'Está tudo asfaltado'». Lattualita. 26 de novembro de 2012. Consultado em 29 de abril de 2015 
  46. «Conheça o Sistema Marrecas, que vai garantir o abastecimento de água em Caxias do Sul pelos próximos 20 anos». Pioneiro. Consultado em 23 de abril de 2015 
  47. «Sistema Marrecas» (PDF). Pioneiro. Consultado em 23 de abril de 2015 
  48. a b «Sistema Marrecas começa a funcionar neste sábado, em Caxias do Sul». Pioneiro. 12 de setembro de 2014. Consultado em 23 de abril de 2015 
  49. «Iniciam as obras da adutora de água bruta do Sistema Marrecas». TV Soluções. 13 de julho de 2009. Consultado em 23 de abril de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  50. «Quase dois após inauguração, Sistema Marrecas entra em funcionamento neste sábado». Finger. 12 de setembro de 2014. Consultado em 23 de abril de 2015 
  51. Eduardo Kopp (22 de dezembro de 2012). «Dilma Rousseff inaugura sistema Marrecas». Serra Nossa. Consultado em 23 de abril de 2015. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015 
  52. Cristiane Barcelos (22 de dezembro de 2014). «Inaugurado há dois anos em Caxias do Sul, Sistema Marrecas deve abastecer oito mil casas ainda em 2014». Pioneiro. Consultado em 23 de abril de 2015 
  53. «Sistema Marrecas está parado de novo em Caxias do Sul». Gazeta Caxias. Consultado em 23 de abril de 2015 [ligação inativa] 
  54. Cristiane Barcelos e Adriano Duarte (2 de março de 2015). «Sistema Marrecas está parado em Caxias do Sul». Pioneiro. Consultado em 23 de abril de 2015 
  55. a b «Acordo suspende greve dos médicos em Caxias do Sul». Federação Nacional dos Médicos. 6 de janeiro de 2012. Consultado em 23 de abril de 2015 [ligação inativa] 
  56. Jiliana Bublitz (18 de outubro de 2014). «Acertos e escorregões de Tarso e Sartori no Dia do Candidato». Zero Hora. Consultado em 23 de abril de 2015 
  57. «Condução da prefeitura na greve dos médicos gera debate». Câmara de Vereadores de Caxias do Sul. 26 de junho de 2011. Consultado em 23 de abril de 2015. Arquivado do original em 4 de dezembro de 2011 
  58. Babiana Mugnol (27 de dezembro de 2011). «Greve dos médicos em Caxias do Sul acaba depois de oito meses». Pioneiro. Consultado em 23 de abril de 2015 
  59. Greice Scotton (13 de maio de 2011). «Greve dos Médicos em Caxias do Sul perto do fim». Serra Nossa. Consultado em 23 de abril de 2015 [ligação inativa] 
  60. Juliana Bevilaqua (3 de outubro de 2011). «Denúncia contra prefeito de Caxias do Sul está na Câmara de Vereadores». Pioneiro. Consultado em 23 de abril de 2015 
  61. «Câmara reprova texto que pede o Impeachment do Prefeito de Caxias». Rede Sul. 4 de outubro de 2011. Consultado em 23 de abril de 2015 
  62. «Governo Sartori tem 89,8% de aprovação pela Fato Pesquisa». Click RBS. 25 de agosto de 2008. Consultado em 29 de abril de 2015 
  63. a b «Pesquisa do Ibope mostra aprovação de 75% da administração do prefeito José Ivo Sartori, em Caxias do Sul». Pioneiro. 4 de setembro de 2012. Consultado em 29 de abril de 2015 
  64. «José Ivo Sartori diz que o tempo como prefeito de Caxias do Sul passou rápido». Pioneiro. 20 de outubro de 2012. Consultado em 12 de abril de 2015 
  65. Amilton Belmonte (7 de outubro de 2014). «Tarso e Sartori estão de olho nas alianças para o segundo turno». Diário de Canoas. Consultado em 13 de abril de 2015 
  66. «Convenção do PMDB gaúcho oficializa candidatura de José Ivo Sartori ao Piratini e apoio a Eduardo Campos». Sul 21. 29 de junho de 2014. Consultado em 13 de abril de 2015 
  67. Carlos Rollsing (21 de agosto de 2014). «Sartori decide manter apoio dado à chapa do PSB». Zero Hora. Consultado em 13 de abril de 2015 
  68. «Pesquisa Methodus: Ana Amélia lidera intenções de voto ao governo do Estado». Zero Hora. 5 de dezembro de 2013. Consultado em 12 de abril de 2015 
  69. Itamar Melo (6 de outubro de 2014). «Sartori: braços abertos ao segundo turno». Zero Hora. Consultado em 13 de abril de 2015 
  70. «Saiba por que Sartori e Tarso disputarão o segundo turno no Rio Grande do Sul». Zero Hora. 6 de outubro de 2014. Consultado em 13 de abril de 2015 
  71. Diego Guichard (27 de outubro de 2014). «Campanha nas redes sociais vira trunfo para crescimento de Sartori». G1. Consultado em 13 de abril de 2015 
  72. Flavia Bemfica (6 de outubro de 2014). «Conjunto de fatores explica reviravolta na eleição no RS». Terra. Consultado em 13 de abril de 2015 
  73. «Eleições 2014: Sartori e Genro estão no segundo turno no RS». EBC. 5 de outubro de 2014. Consultado em 13 de abril de 2015 
  74. Flavia Bemfica (9 de outubro de 2014). «RS: candidato Ivo Sartori confirma apoio a Aécio Neves». Terra. Consultado em 14 de abril de 2015 
  75. Lucas Azevedo (7 de outubro de 2014). «PP de Ana Amélia e PSDB anunciam apoio a Sartori no Rio Grande do Sul». UOL. Consultado em 14 de abril de 2015 
  76. «Sartori (PMDB) vence e mantém tradição de "cemitério de governadores" do RS». Uol. 26 de outubro de 2014. Consultado em 13 de abril de 2015 
  77. «Declaração de candidato revolta professores no RS». Brasil 247. 21 de outubro de 2014. Consultado em 13 de abril de 2015 
  78. «Com 60%, José Ivo Sartori abre vantagem de 20 pontos sobre Tarso Genro no Ibope». Ig. 17 de outubro de 2014. Consultado em 13 de abril de 2015 
  79. «Ibope: Sartori aparece com 52%, Tarso tem 34%». Zero Hora. 17 de outubro de 2014. Consultado em 13 de abril de 2015 
  80. «José Ivo Sartori, do PMDB, é eleito governador do Rio Grande do Sul». G1. 26 de outubro de 2014. Consultado em 13 de abril de 2015 
  81. Marcelo Gonzatto (26 de outubro de 2014). «Veja mapa: Sartori venceu em 93% dos municípios». Zero Hora. Consultado em 13 de abril de 2015 
  82. Jogelci Do Carmo. «Sartori é eleito o novo governador do RS com a maior vantagem da história do 2º turno». O Alto Uruguai. Consultado em 30 de abril de 2015 
  83. Kelly Matos (1º de janeiro de 2015). «José Ivo Sartori toma posse nesta quinta como novo governador do RS». Gaúcha. Consultado em 29 de abril de 2015 
  84. Daniel Favero (1º de janeiro de 2015). «Sartori toma posse com cortes de gastos e protesto no RS». Terra. Consultado em 29 de abril de 2015 
  85. Felipe Bachtold (1º de janeiro de 2015). «Governador do RS inicia 2015 com quebra-cabeça para acomodar aliados». Folha de S.Paulo. Consultado em 29 de abril de 2015 
  86. Kelly Matos (5 de janeiro de 2015). «Piratini publica decreto que congela concursos e nomeações por 6 meses». Zero Hora. Consultado em 29 de abril de 2015 
  87. «Sartori sobre 100 dias de gestão: "trabalho e austeridade"». Brasil 217. 10 de abril de 2015. Consultado em 29 de abril de 2015 
  88. «José Ivo Sartori suspende pagamentos de dívidas da gestão anterior». Dário de Pernambuco. 2 de janeiro de 2015. Consultado em 29 de abril de 2015 
  89. Taline Oppitz (19 de fevereiro de 2015). «Nomeação de primeira-dama gera nova polêmica». Correio do Povo. Consultado em 3 de março de 2019 
  90. Pedro Garcia (25 de março de 2017). «Parente de vereador com cargo: pode ou não?». Gaz. Consultado em 3 de março de 2019 
  91. «Com 33 parlamentares aliados, governo tem maioria de deputados na Assembleia». Águas Claras. 6 de fevereiro de 2015. Consultado em 30 de abril de 2015 
  92. «ASSEMBLEIA DO RS APROVA AJUSTE FISCAL DE SARTORI». Sul 21. BRASIL 247. 29 de dezembro de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  93. «Conheça as fases do ajuste fiscal de Sartori». Zero Hora. 30 de dezembro de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  94. «Veja como cada deputado votou na proposta de aumento do ICMS no RS». G1. 23 de setembro de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  95. Eduardo Matos (23 de setembro de 2015). «Em votação apertada, Assembleia aprova aumento de impostos no RS». Rádio Gaúcha. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  96. Débora Ely (31 de julho de 2018). «Sartori conseguiu aprovação de 86% dos projetos enviados pelo governo à Assembleia». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  97. Gabriel Jacobsen (3 de dezembro de 2018). «Cairoli critica Assembleia e sugere que governo negociou até cargos de estágio em troca de apoio». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  98. «Servidores estaduais do RS realizarão greve geral na próxima semana». G1. 28 de agosto de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  99. «Professores da rede estadual do RS decidem suspender greve». G1. 11 de setembro de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  100. Mauricio Tonetto (11 de setembro de 2015). «Greve na segurança pública termina, mas atendimento segue restrito». Zero Hora. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  101. «Governo anuncia pagamento em 4 parcelas dos salários dos servidores». G1. 31 de agosto de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  102. «Governo do RS diz que irá 'contar os centavos' para pagar salários». G1. 27 de outubro de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  103. Gabriel Jacobsen (12 de dezembro de 2018). «Sartori sanciona parcelamento do 13º, mas empréstimo ainda não está disponível». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  104. «Pelo quarto mês seguido, União bloqueia contas do governo do RS». G1. 3 de novembro de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  105. «Governo sanciona quatro leis do Ajuste Fiscal Gaúcho». Governo do Rio Grande do Sul. 16 de outubro de 2015. Consultado em 3 de março de 2019 
  106. «Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual é sancionada pelo governador Sartori». Governo do Rio Grande do Sul. 15 de janeiro de 2016. Consultado em 3 de março de 2019 
  107. «Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual é sancionada por Sartori». Correio do Povo. 15 de janeiro de 2016. Consultado em 3 de março de 2019 
  108. «Pacote de Sartori extingue 11 órgãos e deixa governo com 17 secretarias». G1. 21 de novembro de 2016. Consultado em 3 de março de 2019 
  109. «Votação de pacote de Sartori tem confronto entre BM e servidores». Jornal do Comércio. 19 de dezembro de 2016. Consultado em 3 de março de 2019 
  110. «Oposição no Sul avalia que ajuste fiscal de Sartori perde fôlego». Vermelho. 22 de dezembro de 2016. Consultado em 3 de março de 2019 
  111. «Pacote de Sartori: quais projetos foram votados e quais ainda passarão pela Assembleia». GaúchaZH. 23 de dezembro de 2016. Consultado em 3 de março de 2019 
  112. «Justiça suspende extinção da Cientec e da Fundação Zoobotânica». GaúchaZH. 11 de abril de 2018. Consultado em 3 de março de 2019 
  113. Isabella Sander e Juliano Tatsch (27 de fevereiro de 2019). «Justiça mantém extinção da Fundação Zoobotânica». Jornal do Comércio. Consultado em 3 de março de 2019 
  114. Fábio Schaffner e Gabriel Jacobsen (5 de junho de 2018). «Assembleia rejeita reabertura de prazo e enterra plebiscito sobre venda de estatais». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  115. José Luís Costa (26 de agosto de 2016). «As razões do colapso na segurança pública no Rio Grande do Sul». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  116. Eduardo Gonçalves (24 de setembro de 2016). «Segurança pública do RS entrou em colapso, diz especialista». Veja. Consultado em 3 de março de 2019 
  117. Paula Sperb (14 de dezembro de 2017). «Insegurança: gaúchos têm medo de morrer e até de ficar em casa». Veja. Consultado em 3 de março de 2019 
  118. a b Eduardo Torres (25 de agosto de 2017). «Um ano depois da "gota d'água": morte de Cristine virou símbolo da insegurança no RS». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  119. Débora Ely (25 de agosto de 2017). «Cezar Schirmer: de dúvida a secretário mais influente de Sartori». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  120. Flávio Pereira (22 de setembro de 2018). «Sartori contrata dois mil PMs para atuarem no próximo governo». O Sul. Consultado em 3 de março de 2019 
  121. Larissa Guerra (3 de abril de 2017). «Governo do RS anuncia que irá chamar 1.183 policiais». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  122. Carlos Ismael Moreira (14 de setembro de 2015). «Efetivo da BM é o menor em 33 anos». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  123. Matheus Closs (9 de janeiro de 2018). «Cai criminalidade no Rio Grande do Sul em 2018». Jornal do Comércio. Consultado em 3 de março de 2019 
  124. Débora Cadermartori (21 de novembro de 2018). «Sartori revela o momento mais difícil de seu governo». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  125. «Sartori faz balanço do governo: "O melhor foi a superação na segurança"». GaúchaZH. 21 de dezembro de 2018. Consultado em 3 de março de 2019 
  126. «SARTORI E O RS». GaúchaZH. 2017. Consultado em 3 de março de 2019 
  127. Juliana Bublitz (30 de novembro de 2018). «A 33 dias da eleição, União exigiu do Piratini a venda do Banrisul». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  128. «"A privatização do Banrisul nunca fez parte das negociações com o governo federal", diz Sartori». GaúchaZH. 28 de novembro de 2018. Consultado em 3 de março de 2019 
  129. Fábio Schaffner (21 de dezembro de 2018). «O governo Sartori em 12 atos: dos salários atrasados ao acordo emperrado com a União». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  130. Mateus Ferraz (3 de agosto de 2017). «STF concede liminar e suspende pagamento da dívida gaúcha com a União». GaúchaZH. Consultado em 6 de março de 2019 
  131. «STF revoga parcialmente liminar, mas União segue impedida de bloquear contas do RS». G1. 13 de dezembro de 2018. Consultado em 6 de março de 2019 
  132. «Governo do RS anuncia que não irá pagar parcela da dívida com a União». Correio do Povo. 31 de julho de 2017. Consultado em 5 de março de 2019 
  133. Juliana Bublitz (5 de novembro de 2018). «Finanças do RS: confira a evolução do déficit do Estado no governo Sartori». GaúchaZH. Consultado em 5 de março de 2019 
  134. Sergio Araújo (29 de março de 2018). «Sartori não quer, mas vai ter que concorrer». Sul21. Consultado em 3 de março de 2019 
  135. Luiz Sérgio Dibe (6 de abril de 2018). «Sartori admite pela primeira vez concorrer à reeleição ao Piratini». Correio do Povo. Consultado em 3 de março de 2019 
  136. Débora Cadermartori (25 de maio de 2018). «"Não vou fugir da raia, mesmo contrariando minha vontade pessoal", diz Sartori sobre reeleição». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  137. Débora Cadermartori (5 de agosto de 2018). «MDB confirma candidatura de Sartori à reeleição». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  138. Douglas Rodrigues (12 de junho de 2018). «Sartori lidera disputa para o governo do Rio Grande do Sul, diz pesquisa». Poder360. Consultado em 27 de julho de 2018 
  139. Juliana Bublitz (20 de julho de 2018). «Saiba quem são os pré-candidatos a governador do RS em 2018». Gaúcha ZH. Consultado em 27 de julho de 2018 
  140. Flávia Bemfica (31 de julho de 2017). «PMDB articula apoio de PSDB, PP e PSB a Sartori em 2018». Correio do Povo. Consultado em 27 de julho de 2018 
  141. Flávia Bemfica (8 de março de 2018). «Eduardo Leite reitera candidatura: "Marchezan não determina destino do PSDB no RS"». Correio do Povo. Consultado em 27 de julho de 2018 
  142. Carlos Rollsing (8 de outubro de 2018). «Depois de aposta fracassada em Alckmin, Ana Amélia tem futuro político incerto». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  143. Rosane de Oliveira (29 de julho de 2018). «PR fecha com Sartori e garante ao governador a maior coligação da eleição». Gaúcha ZH. Consultado em 31 de julho de 2018 
  144. «PSD confirma Cairoli vice de Sartori para o Governo do Estado». Pioneiro. 29 de julho de 2018. Consultado em 31 de julho de 2018 
  145. Rosane de Oliveira (14 de junho de 2018). «PSB aprova apoio à reeleição de Sartori e indica Beto Albuquerque para o Senado». Gaúcha ZH. Consultado em 27 de julho de 2018 
  146. Filipe Strazzer (30 de julho de 2018). «MDB gaúcho define pré-candidato ao Senado para as eleições 2018». Terra. Consultado em 31 de julho de 2018 
  147. André Tajes (24 de agosto de 2018). «"Eu não vivo dessas contradições", diz Sartori ao subir no palanque com Meirelles, em Caxias». Pioneiro. Consultado em 3 de março de 2019 
  148. Rosilene Pozza (24 de agosto de 2018). «Mirante: MDB nacional e gaúcho juntos e misturados». Pioneiro. Consultado em 3 de março de 2019 
  149. «Mapa da apuração por estado: Rio Grande do Sul». G1. 7 de outubro de 2018. Consultado em 27 de outubro de 2018 
  150. Rosilene Pozza (8 de outubro de 2018). «Sartori declara voto em Jair Bolsonaro; MDB descarta aceno a petistas no RS». Sul21. Consultado em 3 de março de 2019 
  151. Fábio Schaffner (10 de outubro de 2018). «Eduardo Leite decide declarar voto em Bolsonaro». GaúchaZH. Consultado em 2 de novembro de 2018 
  152. Fábio Schaffner (18 de outubro de 2018). «PSL e DEM anunciam apoio a Sartori no segundo turno». GaúchaZH. Consultado em 2 de novembro de 2018 
  153. Humberto Trezzi (24 de outubro de 2018). «General Mourão visita Viamão e promete conclusão de obras federais no RS». GaúchaZH. Consultado em 2 de novembro de 2018 
  154. Rosane de Oliveira (21 de outubro de 2018). «Sartori funde imagem com Bolsonaro e adota a marca Sartonaro na propaganda». GaúchaZH. Consultado em 2 de novembro de 2018 
  155. Fábio Schaffner (28 de outubro de 2018). «Juventude e dinamismo: por que Eduardo Leite foi eleito governador do RS». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  156. Luís Eduardo Gomes (17 de outubro de 2018). «Na Federasul, Sartori e Leite defendem o mesmo lado da moeda: do empresariado». Sul21. Consultado em 3 de março de 2019 
  157. Débora Cademartori (30 de agosto de 2018). «Sartori alfineta concorrentes em propaganda eleitoral que vai ao ar nesta sexta-feira; assista». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  158. «Ibope: Leite lidera com 59%, contra 41 % de Sartori no RS». O Globo. 17 de outubro de 2018. Consultado em 3 de março de 2019 
  159. Rosane de Oliveira (27 de outubro de 2018). «Diferença diminui, mas Ibope indica vitória de Eduardo Leite». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  160. «Leite tem 52% e Sartori, 48%, indica boca de urna Ibope no RS». Uol. 28 de outubro de 2018. Consultado em 3 de março de 2019 
  161. «Eduardo Leite é eleito: veja o resultado das eleições no Rio Grande do Sul». O Estado de S. Paulo. 28 de outubro de 2018. Consultado em 3 de março de 2019 
  162. Marcel Hartmann (29 de outubro de 2018). «Eduardo Leite avança em eleitorado petista e vence em 65,4% dos municípios do RS». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  163. Carlos Rollsing (28 de outubro de 2018). «O que contribuiu para a derrota de Sartori na eleição para governador do RS». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  164. Gustavo Foster (28 de outubro de 2018). «Por que o Rio Grande do Sul nunca reelege governadores». GaúchaZH. Consultado em 3 de março de 2019 
  165. «Eleições de 15 de novembro de 1982» (PDF). Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015 [ligação inativa]
  166. «Eleições de 15 de novembro de 1986» (PDF). Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. Arquivado do original (PDF) em 29 de outubro de 2013 
  167. «Resultados da eleição gerla de 1990». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  168. «Eleições 1994: Deputado estadual». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  169. «Acompanhamento da apuração das eleições de 1998». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  170. «Eleições municipais de 2000: Caxias do Sul». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  171. «Eleições 2002: Deputado federal». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. Arquivado do original em 25 de maio de 2014 
  172. «Caxias do Sul: Prefeito (Resultado Final)». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. Arquivado do original em 4 de março de 2016 
  173. «Caxias do Sul: Prefeito (Resultado Final)». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. Arquivado do original em 21 de dezembro de 2014 
  174. «Eleições 2008: Caxias do Sul». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. Arquivado do original em 4 de março de 2016 
  175. «Eleições 2014: 1º turno». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. Arquivado do original em 24 de dezembro de 2014 
  176. «Eleições 2014: 2º turno». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015 [ligação inativa]
  177. «Eleições 2018: apuração: Rio Grande do Sul». Uol. 7 de outubro de 2018. Consultado em 3 de março de 2019 
  178. «Eleições 2018: apuração: Rio Grande do Sul». Uol. 28 de outubro de 2018. Consultado em 3 de março de 2019 

Ligações externasEditar