Abrir menu principal
Uma garrafa de ácido acético, um solvente líquido

Solvente (do latim: solvō , "soltar, desatar, resolver"), dissolvente ou dispersante são uma substância que dissolve um soluto (um líquido quimicamente distinto, sólido ou gasoso), resultando em uma solução. São geralmente líquidos, mas também podem ser um sólido, um gás ou um fluido supercrítico. A quantidade de soluto que pode se dissolver em um volume específico de solvente varia com a temperatura. O uso mais comum para solventes orgânicos é em limpeza a seco (tetracloroetileno), como diluentes de tinta (como tolueno, terebintina), como removedores de unha e solventes de cola (acetona, acetato de metila, acetato de etila), em removedores de manchas (por exemplo, hexano, éter de petróleo), em detergentes (terpenos cítricos) e em perfumes (etanol). A água é um solvente para moléculas polares, sendo o solvente mais comum utilizado pelos seres vivos; todos os íons e proteínas em uma célula são dissolvidos em água dentro da mesma. Os solventes encontram diversas aplicações nas indústrias químicas, farmacêuticas, de petróleo e gás, inclusive em processos de síntese e purificação química.

Índice

Soluções e solvataçãoEditar

Quando uma substância é dissolvida em outra, uma solução é formada.[1] Isso se opõe à situação quando os compostos são insolúveis como areia na água. Em uma solução, todos os ingredientes são distribuídos uniformemente em um nível molecular e nenhum resíduo permanece. Uma mistura solvente-soluto consiste em uma única fase com todas as moléculas de soluto ocorrendo como solvatos (complexos solvente-soluto), ao contrário de fases contínuas separadas como em suspensões, emulsões e outros tipos de misturas de não-solução. A capacidade de um composto para ser dissolvido em outro é conhecida como solubilidade; se isso ocorre em todas as proporções, é chamado miscível .

Além de misturar, as substâncias em uma solução interagem umas com as outras no nível molecular. Quando algo é dissolvido, as moléculas do solvente se organizam em torno das moléculas do soluto. A transferência de calor está envolvida e a entropia é aumentada, tornando a solução mais termodinamicamente estável do que o soluto e o solvente separadamente. Este arranjo é mediado pelas propriedades químicas do solvente e do soluto, tais como pontes de hidrogênio, momento dipolar e polarizabilidade.[2] A solução não causa uma reação química ou mudanças na configuração química do soluto. No entanto, a solvatação se assemelha a uma reação de formação de complexos de coordenação, muitas vezes com energias consideráveis (calor de solvatação e entropia de solvatação) e, portanto, está longe de ser um processo neutro.

Classificação dos solventesEditar

Os solventes podem ser classificados em duas categorias: polares e não polares. Um caso especial é o mercúrio, cujas soluções são conhecidas como amálgamas; também existem outras soluções metálicas que são líquidas à temperatura ambiente. Geralmente, a constante dielétrica do solvente fornece uma medida aproximada da polaridade de um solvente. A forte polaridade da água é indicada por sua alta constante dielétrica de 88 (a 0°C).[3] Solventes com uma constante dielétrica inferior a 15 são geralmente considerados não polares.[4] A constante dielétrica mede a tendência do solvente de cancelar parcialmente a intensidade de campo, do campo elétrico, de uma partícula carregada imersa nela. Esta redução é então comparada com a intensidade de campo da partícula carregada no vácuo.[4] Heuristicamente, a constante dielétrica de um solvente pode ser considerada como sua capacidade de reduzir a carga interna efetiva do soluto. Geralmente, a constante dielétrica de um solvente é um preditor aceitável da capacidade do solvente para dissolver compostos iônicos comuns, tais como sais.

Outras escalas de polaridadeEditar

Constantes dielétricas não são a única medida de polaridade. Como os solventes são usados por químicos para realizar reações químicas ou observar fenômenos químicos e biológicos, são necessárias medidas mais específicas de polaridade. A maioria dessas medidas é sensível à estrutura química.

A escala mY Grunwald – Winstein mede a polaridade em termos de influência do solvente no acúmulo de carga positiva de um soluto durante uma reação química.

A escala Z de Kosower mede a polaridade em termos da influência do solvente na absorção de UV máximos de um sal, geralmente iodeto de piridínio ou o zwitterion de piridínio.[5]

A escala do número do doador e do aceitador do doador mede a polaridade em termos de como um solvente interage com substâncias específicas, como um forte ácido de Lewis ou uma forte base de Lewis.[6]

O parâmetro Hildebrand é a raiz quadrada da densidade de energia coesiva. Pode ser usado com compostos não polares, mas não pode acomodar química complexa.

O corante de Reichardt, um corante solvatocrômico que muda de cor em resposta à polaridade, fornece uma escala de valores de ET (30). ET é a energia de transição entre o estado fundamental e o estado excitado mais baixo em kcal/mol e (30) identifica o corante. Outra escala aproximadamente correlacionada ( ET (33)) pode ser definida com o vermelho do Nilo.

A polaridade, o momento de dipolo, a polarizabilidade e a ligação de hidrogênio de um solvente determinam que tipo de compostos é capaz de dissolver e com quais outros solventes ou compostos líquidos é miscível. Geralmente, os solventes polares dissolvem melhor os compostos polares e os solventes não polares dissolvem melhor os compostos não polares. Compostos fortemente polares como açúcares (por exemplo, sacarose) ou compostos iônicos, como sais inorgânicos (por exemplo, sal de mesa) dissolvem-se apenas em solventes muito polares como a água, enquanto compostos fortemente não polares como óleos ou ceras dissolvem-se apenas em solventes orgânicos muito polares como hexano. Da mesma forma, a água e o hexano (ou vinagre e óleo vegetal) não são miscíveis entre si e se separarão rapidamente em duas camadas, mesmo depois de serem bem sacudidos.

A polaridade pode ser separada para diferentes contribuições. Por exemplo, os parâmetros de Kamlet-Taft são dipolaridade/polarizabilidade (π*), acidez de ligação de hidrogênio (α) e basicidade de ligação a hidrogênio (β). Estes podem ser calculados a partir dos deslocamentos de comprimento de onda de 3-6 diferentes solvatocrômicos no solvente, geralmente incluindo o corante de Reichardt, nitroanilina e dietilnitroanilina. Outra opção, os parâmetros de Hansen, separam a densidade de energia coesiva em dispersão, as contribuições das ligações polares e de hidrogênio.

Polar prótico e Polar apróticoEditar

Os solventes com uma constante dielétrica (mais precisamente, permissividade estática relativa) maior que 15 (isto é, polar ou polarizável) podem ser subdivididos em prótico e aprótico. Os solventes próticos solvatam ânions (solutos carregados negativamente) fortemente via ligação de hidrogênio. A água é um solvente prótico. Solventes apróticos tais como acetona ou diclorometano tendem a ter grandes momentos de dipolo (separação de cargas parciais positivas e parciais negativas dentro da mesma molécula) e solvatam espécies positivamente carregadas através de seu dipolo negativo.[7] Em reações químicas, o uso de solventes próticos polares favorece o mecanismo de reação SN1, enquanto os solventes apróticos polares favorecem o mecanismo de reação SN2. Esses solventes polares são capazes de formar ligações de hidrogênio com água para se dissolverem na água, enquanto solventes não polares não são capazes de ligações de hidrogênio fortes.

Multi componenteEditar

É a combinação de substâncias que causa a grande funcionalidade desses produtos e suas propriedades de consumo.

SolventesEditar

Nome Composição
Solvente 645 tolueno a 50%, acetato de butilo a 18%, acetato de etilo a 12%, butanol a 10%, etanol a 10%.
Solvente 646 tolueno 50%, etanol 15%, butanol 10%, acetato de butila ou amila 10%, etil cellosolve 8%, acetona 7% [8]
Solvente 647 acetato de butila ou amila 29,8%, acetato de etila 21,2%, butanol 7,7%, tolueno ou pirobenzeno 41,3% [9]
Solvente 648 acetato de butilo a 50%, etanol a 10%, butanol a 20%, tolueno a 20% [10]
Solvente 649 etil cellosolve 30%, butanol 20%, xileno 50%
Solvente 650 etil cellosolve 20%, butanol 30%, xileno 50% [11]
Solvente 651 espírito branco 90%, butanol 10%
Solvente KR-36 acetato de butilo 20%, butanol 80%
Solvente P-4 tolueno a 62%, acetona a 26%, acetato de butilo a 12%.
Solvente P-10 xileno 85%, acetona 15%.
Solvente P-12 tolueno a 60%, acetato de butilo a 30%, xileno a 10%.
Solvente P-14 ciclohexanona 50%, tolueno 50%.
Solvente P-24 solvente 50%, xileno a 35%, acetona a 15%.
Solvente P-40 tolueno a 50%, etil cellosolve a 30%, acetona a 20%.
Solvente P-219 tolueno a 34%, ciclohexanona a 33%, acetona a 33%.
Solvente P-3160 butanol a 60%, etanol a 40%.
RCC solvente xileno 90%, acetato de butilo 10%.
Solvente RML etanol a 64%, etilcelulose a 16%, tolueno a 10%, butanol a 10%.
Solvente PML-315 tolueno a 25%, xileno a 25%, acetato de butilo a 18%, etil cellosolve a 17%, butanol a 15%.
Solvente PC-1 tolueno a 60%, acetato de butilo a 30%, xileno a 10%.
Solvente PC-2 espírito branco 70%, xileno 30%.
RFG solvente etanol a 75%, butanol a 25%.
Solvente RE-1 xileno 50%, acetona 20%, butanol 15%, etanol 15%.
Solvente RE-2 Solvente 70%, etanol a 20%, acetona a 10%.
Solvente RE-3 solvente 50%, etanol 20%, acetona 20%, etil cellosolve 10%.
Solvente RE-4 solvente 50%, acetona 30%, etanol 20%.
Solvente FK-1 (? ) álcool absoluto (99,8%) 95%, acetato de etila 5%

DiluentesEditar

Nome Composição
Diluente RKB-1 butanol 50%, xileno 50%
Diluente RKB-2 butanol 95%, xileno 5%
Diluente RKB-3 xileno 90%, butanol 10%
Diluente M etanol a 65%, acetato de butilo a 30%, acetato de etilo a 5%.
Diluente P-7 ciclohexanona a 50%, etanol a 50%.
Diluente R-197 xileno 60%, acetato de butilo 20%, etil cellosolve 20%.
Mais fino de WFD tolueno a 50%, acetato de butilo (ou acetato de amilo) a 18%, butanol a 10%, etanol a 10%, acetato de etilo a 9%, acetona a 3%.

Propriedades físicasEditar

Tabela de propriedades de solventes comunsEditar

Os solventes são agrupados em solventes não polares, apróticos polares e próticos polares, com cada grupo ordenado pelo aumento da polaridade. As propriedades dos solventes que excedem as da água estão em negrito.

Solvente Fórmula Química Ponto de ebulição[12]
(°C)
Constante dielétrica[13] Densidade
(g/mL)
Momento Dipolar
(D)

Solventes Não-polaresEditar

Pentano CH3CH2CH2CH2CH3 36 1.84 0.626 0.00
Ciclopentano  

C5H10
40 1.97 0.751 0.00
Hexano CH3CH2CH2CH2CH2CH3 69 1.88 0.655 0.00
Cicloexano  

C6H12
81 2.02 0.779 0.00
Benzeno  

C6H6
80 2.3 0.879 0.00
Tolueno C6H5-CH3 111 2.38 0.867 0.36
1,4-Dioxano  

C4H8O2
101 2.3 1.033 0.45
Clorofórmio CHCl3 61 4.81 1.498 1.04
Éter etílico CH3CH2-O-CH2CH3 35 4.3 0.713 1.15
Diclorometano (DCM) CH2Cl2 40 9.1 1.3266 1.60

Solventes Polares apróticosEditar

Tetraidrofurano (THF)  

C4H8O
66 7.5 0.886 1.75
Acetato de etila  

CH3-C(=O)-O-CH2-CH3
77 6.02 0.894 1.78
Acetona  

CH3-C(=O)-CH3
56 21 0.786 2.88
Dimetilformamida (DMF)  

H-C(=O)N(CH3)2
153 38 0.944 3.82
Acetonitrila (MeCN) CH3-C≡N 82 37.5 0.786 3.92
Dimetilsulfóxido (DMSO)  

CH3-S(=O)-CH3
189 46.7 1.092 3.96
Nitrometano CH3-NO2 100–103 35.87 1.1371 3.56
Carbonato de propileno C4H6O3 240 64.0 1.205 4.9

Solventes Polares PróticosEditar

Ácido fórmico  

H-C(=O)OH
101 58 1.21 1.41
n-Butanol CH3CH2CH2CH2OH 118 18 0.810 1.63
Álcool isopropílico (IPA)  

CH3-CH(-OH)-CH3
82 18 0.785 1.66
n-Propanol CH3CH2CH2OH 97 20 0.803 1.68
Etanol CH3CH2OH 79 24.55 0.789 1.69
Metanol CH3OH 65 33 0.791 1.70
Ácido acético  

CH3-C(=O)OH
118 6.2 1.049 1.74
Água  

H-O-H
100 80 1.000 1.85

Valores dos parâmetros de solubilidade de HansenEditar

Os valores dos parâmetros de solubilidade de Hansen[14][15] são baseados em ligações de dispersão (δD), ligações polares (δP) e pontes de hidrogênio (δH). Estes contêm informações sobre interações inter-moleculares com outros solventes e também com polímeros, pigmentos, nanopartículas, etc. Isto permite formulações racionais, sabendo, por exemplo, que existe uma boa combinação de HSP entre um solvente e um polímero. Substituições racionais também podem ser feitas para "bons" solventes (eficazes na dissolução do soluto) que são "ruins" (caros ou perigosos para a saúde ou para o meio ambiente). A tabela a seguir mostra que as intuições de "não polar", "polar aprótico" e "polar prótico" são colocadas numericamente - as moléculas "polares" têm níveis mais altos de δP e os solventes próticos têm níveis mais altos de δH. Como os valores numéricos são usados, as comparações podem ser feitas de forma racional, comparando números. Por exemplo, o acetonitrilo é muito mais polar do que a acetona, mas exibe um pouco menos de ligação de hidrogênio.

Solvente Fórmula química δD Dispersão δP Polar δH Ligação de Hidrogênio

Solventes não-polaresEditar

Hexano CH3CH2CH2CH2CH2CH3 14.9 0.0 0.0
Benzeno C6H6 18.4 0.0 2.0
Tolueno C6H5-CH3 18.0 1.4 2.0
Éter dietílico CH3CH2-O-CH2CH3 14.5 2.9 4.6
Clorofórmio CHCl3 17.8 3.1 5.7
1,4-Dioxano /-CH2-CH2-O-CH2-CH2-O-\ 17.5 1.8 9.0

Solventes Polares ApróticosEditar

Acetato de etila CH3-C(=O)-O-CH2-CH3 15.8 5.3 7.2
Tetraidrofurano (THF) /-CH2-CH2-O-CH2-CH2-\ 16.8 5.7 8.0
Diclorometaneo CH2Cl2 17.0 7.3 7.1
Acetona CH3-C(=O)-CH3 15.5 10.4 7.0
Acetonitrila (MeCN) CH3-C≡N 15.3 18.0 6.1
Dimetilformamida (DMF) H-C(=O)N(CH3)2 17.4 13.7 11.3
Dimetilsulfóxido (DMSO) CH3-S(=O)-CH3 18.4 16.4 10.2

Solventes Polares PróticosEditar

Ácido Acético CH3-C(=O)OH 14.5 8.0 13.5
n-Butanol CH3CH2CH2CH2OH 16.0 5.7 15.8
Isopropanol CH3-CH(-OH)-CH3 15.8 6.1 16.4
n-Propanol CH3CH2CH2OH 16.0 6.8 17.4
Etanol CH3CH2OH 15.8 8.8 19.4
Metanol CH3OH 14.7 12.3 22.3
Ácido Fórmico H-C(=O)OH 14.6 10.0 14.0
Água H-O-H 15.5 16.0 42.3

Se, por razões ambientais ou outras, for necessário um solvente ou mistura de solventes para substituir outro de solvência equivalente, a substituição pode ser feita com base nos parâmetros de solubilidade de Hansen de cada um. Os valores das misturas são tomados como as médias ponderadas dos valores dos solventes puros. Isso pode ser calculado por tentativa e erro, uma planilha de valores ou software HSP.[14][15] Uma mistura 1:1 de tolueno e 1,4-dioxano tem valores de δD, δP e δH de 17,8, 1,6 e 5,5, comparáveis aos de clorofórmio a 17,8, 3,1 e 5,7, respectivamente. Devido aos riscos para a saúde associados ao próprio tolueno, outras misturas de solventes podem ser encontradas usando um conjunto de dados HSP completo.

Ponto de ebuliçãoEditar

Solvente Ponto de ebulição (°C) [12]
dicloreto de etileno 83,48
piridina 115,25
metil isobutil cetona 116,5
cloreto de metileno 39,75
isooctano 99,24
dissulfeto de carbono 46,3
tetracloreto de carbono 76,75
o-xileno 144,42

O ponto de ebulição é uma propriedade importante porque determina a velocidade de evaporação. Pequenas quantidades de solventes de baixo ponto de ebulição como éter dietílico, diclorometano ou acetona evaporam em segundos à temperatura ambiente, enquanto solventes de alto ponto de ebulição como água ou dimetilsulfóxido precisam de temperaturas mais altas, um fluxo de ar ou a aplicação de vácuo para evaporação rápida.

  • Caldeiras baixas: ponto de ebulição abaixo de 100 °C (ponto de ebulição da água)
  • Caldeiras médias: entre 100 °C e 150 °C
  • Caldeiras altas: acima de 150 °C

DensidadeEditar

A maioria dos solventes orgânicos tem uma densidade menor que a da água, o que significa que eles são mais leves e formam uma camada no topo da água. As exceções importantes são a maioria dos solventes halogenados como o diclorometano ou o clorofórmio que afundarão no recipiente, deixando a água como camada superior. Isso é crucial para lembrar ao particionar compostos entre solventes e água em um funil de separação durante a síntese química.

Muitas vezes, a gravidade específica é citada no lugar da densidade. Gravidade específica é definida como a densidade do solvente dividida pela densidade da água na mesma temperatura. Como tal, a gravidade específica é um valor sem unidade. Ele comunica prontamente se um solvente insolúvel em água irá flutuar (SG < 1,0) ou afundar (SG > 1,0) quando misturado com água.

Solventes Gravidade Específica[16]
Pentano 0.626
Éter de Petróleo 0.656
Hexano 0.659
Heptano 0.684
Diethyl amine 0.707
Diethyl ether 0.713
Triethyl amine 0.728
Tert-butyl methyl ether 0.741
Cyclohexane 0.779
Tert-butyl alcohol 0.781
Isopropanol 0.785
Acetonitrile 0.786
Ethanol 0.789
Acetone 0.790
Methanol 0.791
Methyl isobutyl ketone 0.798
Isobutyl alcohol 0.802
1-Propanol 0.803
Methyl ethyl ketone 0.805
2-Butanol 0.808
Isoamyl alcohol 0.809
1-Butanol 0.810
Diethyl ketone 0.814
1-Octanol 0.826
p-Xylene 0.861
m-Xylene 0.864
Toluene 0.867
Dimethoxyethane 0.868
Benzene 0.879
Butyl acetate 0.882
1-Chlorobutane 0.886
Tetrahydrofuran 0.889
Ethyl acetate 0.895
o-Xylene 0.897
Hexamethylphosphorus triamide 0.898
2-Ethoxyethyl ether 0.909
N,N-Dimethylacetamide 0.937
Diethylene glycol dimethyl ether 0.943
N,N-Dimethylformamide 0.944
2-Methoxyethanol 0.965
Pyridine 0.982
Propanoic acid 0.993
Water 1.000
2-Methoxyethyl acetate 1.009
Benzonitrile 1.01
1-Methyl-2-pyrrolidinone 1.028
Hexamethylphosphoramide 1.03
1,4-Dioxane 1.033
Acetic acid 1.049
Acetic anhydride 1.08
Dimethyl sulfoxide 1.092
Chlorobenzene 1.1066
Deuterium oxide 1.107
Ethylene glycol 1.115
Diethylene glycol 1.118
Propylene carbonate 1.21
Formic acid 1.22
1,2-Dichloroethane 1.245
Glycerin 1.261
Carbon disulfide 1.263
1,2-Dichlorobenzene 1.306
Methylene chloride 1.325
Nitromethane 1.382
2,2,2-Trifluoroethanol 1.393
Chloroform 1.498
1,1,2-Trichlorotrifluoroethane 1.575
Carbon tetrachloride 1.594
Tetrachloroethylene 1.623

SegurançaEditar

FogoEditar

A maioria dos solventes orgânicos é inflamável ou altamente inflamável, dependendo da sua volatilidade. Exceções são alguns solventes clorados, como diclorometano e clorofórmio. Misturas de vapores de solventes e ar podem explodir. Os vapores de solventes são mais pesados que o ar; eles afundarão e poderão percorrer grandes distâncias quase sem diluição. Os vapores de solventes também podem ser encontrados em tambores e latas supostamente vazios, o que representa um perigo de incêndio; portanto, os recipientes vazios de solventes voláteis devem ser armazenados abertos e de cabeça para baixo.

Tanto o éter dietílico como o dissulfureto de carbono têm temperaturas de autoignição excepcionalmente baixas, o que aumenta consideravelmente o risco de incêndio associado a estes solventes. A temperatura de autoignição do dissulfeto de carbono está abaixo de 100 °C (212 °F), então objetos como tubulações de vapor, lâmpadas, placas de aquecimento e queimadores de bunsen, recentemente extintos, são capazes de incendiar seus vapores.

Além disso, alguns solventes, como o metanol, podem queimar com uma chama muito quente, que pode ser quase invisível sob algumas condições de iluminação.[17][18] Isso pode atrasar ou impedir o reconhecimento oportuno do perigo de um incêndio, até que as chamas se espalhem para outros materiais.

Formação de peróxidos explosivosEditar

Éteres como éter dietílico e tetrahidrofurano (THF) podem formar peróxidos orgânicos altamente explosivos quando expostos ao oxigênio e à luz. Normalmente, é mais provável que o THF forme peróxidos do que o éter dietílico. Um dos solventes mais suscetíveis é o éter diisopropílico, mas todos os éteres são considerados fontes potenciais de peróxido.

O heteroátomo (oxigênio) estabiliza a formação de um radical livre que é formado pela abstração de um átomo de hidrogênio por outro radical livre. O radical livre centrado em carbono assim formado é capaz de reagir com uma molécula de oxigênio para formar um composto de peróxido. O processo de formação de peróxido é grandemente acelerado pela exposição a níveis baixos de luz, mas pode prosseguir lentamente mesmo em condições escuras.

A menos que seja usado um dessecante que possa destruir os peróxidos, eles se concentrarão durante a destilação, devido ao seu ponto de ebulição mais alto. Quando se formaram peróxidos suficientes, eles podem formar um precipitado sólido cristalino, sensível ao choque, na boca de um recipiente ou garrafa. Pequenos distúrbios mecânicos, como raspar o interior de um vaso ou o deslocamento de um depósito, simplesmente torcendo a tampa, podem fornecer energia suficiente para o peróxido explodir ou detonar. A formação de peróxidos não é um problema significativo quando solventes frescos são usados rapidamente; eles são mais um problema em laboratórios que podem levar anos para terminar uma única garrafa. Os usuários de baixo volume devem adquirir apenas pequenas quantidades de solventes propensos ao peróxido e descartar solventes antigos em uma programação periódica regular.

Para evitar a formação explosiva de peróxidos, os éteres devem ser armazenados em um recipiente rígido, longe da luz, porque tanto a luz quanto o ar podem estimular a formação de peróxidos.[19]

Um número de testes pode ser usado para detectar a presença de um peróxido em um éter; uma é usar uma combinação de sulfato de ferro (II) e tiocianato de potássio. O peróxido é capaz de oxidar o íon Fe2+ a um íon Fe3+ , que então forma um complexo de coordenação vermelho-escuro com o tiocianato.

Os peróxidos podem ser removidos lavando com sulfato de ferro (II) ácido, filtrando através de alumina ou destilando de sódio / benzofenona. O alumínio não destrói os peróxidos, apenas os retém e deve ser descartado adequadamente. A vantagem de usar sódio / benzofenona é que a umidade e o oxigênio são removidos também.

ReciclagemEditar

Há empresas que atuam na reciclagem de solventes, porém as mesmas devem possuir Licença Ambiental para dispor/reciclar, transportar ou armazenar os resíduos industriais.[20] As indústrias químicas para desenvolver a atividade de recuperação e refino de solventes, óleos minerais, vegetais e animais estão sujeitas ao licenciamento ambiental.[21] A conversão de resíduos em matérias-primas pode gerar inúmeras oportunidades de negócios e empregos para a indústria.[22]

Efeitos na saúdeEditar

Os riscos gerais à saúde associados à exposição a solventes incluem toxicidade para o sistema nervoso, danos reprodutivos, danos no fígado e nos rins, problemas respiratórios, câncer e dermatite.[23]

Exposição agudaEditar

Muitos solventes podem levar a uma perda súbita de consciência se inalados em grandes quantidades. Solventes como éter dietílico e clorofórmio têm sido usados na medicina como anestésicos, sedativos e hipnóticos por um longo tempo. O etanol (álcool de cereais) é uma droga psicoativa amplamente usada e abusada. O éter dietílico, o clorofórmio e muitos outros solventes, por exemplo, da gasolina ou colas, são utilizados na inalação de cola, frequentemente com efeitos prejudiciais à saúde a longo prazo, como neurotoxicidade ou câncer. A substituição fraudulenta do 1,5-pentanodiol pelo 1,4-butanodiol psicoactivo por um subcontratante causou o recall do produto Bindeez.[24] Se ingeridos, os chamados álcoois tóxicos (que não o etanol), como metanol, propanol e etilenoglicol, são metabolizados em aldeídos e ácidos tóxicos, que causam acidose metabólica potencialmente fatal.[25] O metanol solvente comumente disponível para álcool pode causar cegueira permanente ou morte se ingerido. O solvente 2-butoxietanol, usado em fluidos fraturados, pode causar hipotensão e acidose metabólica.[26]

Exposição crônicaEditar

Alguns solventes, incluindo clorofórmio e benzeno, um ingrediente comum na gasolina, são conhecidos por serem carcinogênicos, enquanto muitos outros são considerados pela Organização Mundial da Saúde como carcinogênicos prováveis. Os solventes podem danificar órgãos internos como o fígado, os rins, o sistema nervoso ou o cérebro. Os efeitos cumulativos da exposição prolongada ou repetida a solventes são chamados de encefalopatia induzida por solvente crônico (ESC).

A exposição crônica a solventes orgânicos no ambiente de trabalho pode produzir uma série de efeitos neuropsiquiátricos adversos. Por exemplo, a exposição ocupacional a solventes orgânicos tem sido associada a um maior número de pintores que sofrem de alcoolismo.[27] O etanol tem um efeito sinérgico quando tomado em combinação com muitos solventes; por exemplo, uma combinação de tolueno / benzeno e etanol causa maior náusea / vômito do que qualquer substância sozinha.

Muitos solventes são conhecidos ou suspeitos de serem cataratogênicos, aumentando muito o risco de desenvolver catarata no cristalino.[28] A exposição a solventes também foi associada a danos neurotóxicos causando perda auditiva[29][30] e perda de visão de cores.[31]

Contaminação ambientalEditar

Um dos principais caminhos para induzir efeitos à saúde advém de derramamentos ou vazamentos de solventes que atingem o solo subjacente. Como os solventes migram prontamente distâncias substanciais, a criação de contaminação generalizada do solo não é incomum; isto é particularmente um risco para a saúde se os aquíferos forem afetados. A intrusão de vapor pode ocorrer em locais com ampla contaminação de solvente na subsuperfície.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Tinoco, Ignacio; Sauer, Kenneth e Wang, James C. (2002) Química Física Prentice Hall p. 134
  2. Lowery e Richardson, pp. 181-183
  3. «Dielectric Constant of Water from 0° to 100°C» (PDF). Journal of Research of the National Bureau of Standards. 56. doi:10.6028/jres.056.001 
  4. a b Lowery e Richardson, p. 177
  5. Kosower, EM (1969) "Uma introdução à química orgânica orgânica" Wiley: New York, p. 293
  6. «Solvent effects on the reactivities of organometallic compounds». Coord. Chem. Rev. 18. doi:10.1016/S0010-8545(00)82045-7 
  7. Lowery e Richardson, p. 183
  8. dcpt.ru Solvent 646 Caraterísticas (ru)
  9. dcpt.ru Solvent 647 Caracteristicas (ru)
  10. «Características do dcpt.ru Solvent 648 (ru)». Consultado em 7 de março de 2019. Arquivado do original em 17 de maio de 2017 
  11. Características do dcpt.ru Solvent 650 (ru)
  12. a b Solvent Properties – Boiling Point Arquivado em 14 de junho de 2011[Erro data trocada] no Wayback Machine.. Xydatasource.com. Retrieved on 2013-01-26.
  13. Dielectric Constant Arquivado em 4 de julho de 2010[Erro data trocada] no Wayback Machine.. Macro.lsu.edu. Retrieved on 2013-01-26.
  14. a b Abbott, Steven and Hansen, Charles M. (2008) Hansen Hansen Solubility Parameters in Practice Arquivado em 29 de julho de 2016[Erro data trocada] no Wayback Machine., ISBN 0-9551220-2-3
  15. a b Hansen, Charles M. (2007) Hansen solubility parameters: a user's handbook Arquivado em 25 de junho de 2016[Erro data trocada] no Wayback Machine. CRC Press, ISBN 0-8493-7248-8
  16. Selected solvent properties – Specific Gravity Arquivado em 14 de junho de 2011[Erro data trocada] no Wayback Machine.. Xydatasource.com. Retrieved on 2013-01-26.
  17. «Safety Related Additives for Methanol Fuel» 
  18. «Concerning the Luminosity of Methanol-Hydrocarbon Diffusion Flames». Combustion Science and Technology. 43. ISSN 0010-2202. doi:10.1080/00102208508947000 
  19. «Peroxides and Ethers | Environmental Health, Safety and Risk Management». www.uaf.edu (em inglês) 
  20. Boletim Informativo Bolsa de Reciclagem, n. 29, ano 5, nov.-dez., 2006. Sistema FIEP. Publicação bimestral. www.bolsafiep.com.br
  21. IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Perguntas frequentes. Licenciamento Ambiental. Disponível em: http://www.ibama.gov.br/perguntas-frequentes/licenciamento-ambiental
  22. Sistema Integrado de Bolsa de Resíduos. Disponível em: http://www.sibr.com.br/sibr/index_cni.jsp
  23. U.S. Department of Labor > Occupational Safety & Health Administration > Solvents Arquivado em 15 de março de 2016[Erro data trocada] no Wayback Machine.. osha.gov
  24. «Recall ordered for toy that turns into drug - National - theage.com.au». www.theage.com.au (em inglês) 
  25. J.A. Kraut, M.E. Mullins Toxic Alcohols - Review N Engl J Med 2018;378:270-280Predefinição:Subscription
  26. «Fomepizole fails to prevent progression of acidosis in 2-Butoxyethanol and ethanol coingestion». Clinical Toxicology. 48. PMID 20560787. doi:10.3109/15563650.2010.492350 
  27. «Diagnoses of alcohol abuse and other neuropsychiatric disorders among house painters compared with house carpenters». Br J Ind Med. 49. PMC 1012122 . PMID 1606027. doi:10.1136/oem.49.6.409 
  28. «Lens changes in car painters exposed to a mixture of organic solvents». Albrecht von Graefes Archiv für klinische und experimentelle Ophthalmologie. 200. PMID 1086605. doi:10.1007/bf00414364 
  29. «Chemical exposure and hearing loss». Disease-a-Month. 59. PMC 4693596 . PMID 23507352. doi:10.1016/j.disamonth.2013.01.003 
  30. «Occupational exposure to chemicals and hearing impairment. The Nordic Expert Group for Criteria Documentation of Health Risks from Chemicals.» (PDF). Arbete och Hälsa. 44 
  31. «Solvent related colour vision loss: An indicator of neural damage?». International Archives of Occupational and Environmental Health. 59. PMID 3497110. doi:10.1007/bf00405275 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar