Abrir menu principal

Stephen Hawking
CH CBE FRS
Hawking na NASA, década de 1980
Nome completo Stephen William Hawking
Nascimento 8 de janeiro de 1942[1]
Oxford, Oxfordshire
Morte 14 de março de 2018 (76 anos)
Cambridge, Cambridgeshire
Nacionalidade inglês
britânico
Cônjuge Jane Hawking (1965–1991)
Elaine Mason (1995–2006)
Alma mater Universidade de Oxford
Universidade de Cambridge
Ocupação físico teórico
Principais trabalhos Radiação Hawking
Teoremas de singularidade
Uma Breve História do Tempo
Prêmios Ver Prêmios, títulos e medalhas
Religião nenhuma (ateu)[2]
Assinatura
Hawkingsig.svg
Orientador(es) Dennis William Sciama[3]
Orientado(s)

Stephen William Hawking (IPA['stivən 'hɔkɪŋ]) (Oxford, 8 de janeiro de 1942Cambridge, 14 de março de 2018)[4] foi um físico teórico e cosmólogo britânico reconhecido internacionalmente por sua contribuição à ciência, sendo um dos mais renomados cientistas do século.[5][6] Doutor em cosmologia, foi professor lucasiano emérito na Universidade de Cambridge,[7] um posto que foi ocupado por Isaac Newton, Paul Dirac e Charles Babbage. Foi, pouco antes de falecer, diretor de pesquisa do Departamento de Matemática Aplicada e Física Teórica (DAMTP) e fundador do Centro de Cosmologia Teórica (CTC) da Universidade de Cambridge.[8]

Seus trabalhos científicos incluem um teorema sobre a singularidade gravitacional no âmbito da relatividade geral (em colaboração com Roger Penrose) e a previsão teórica de que os buracos negros emitem radiação, frequentemente chamada de Radiação Hawking. Hawking foi o primeiro cientista a estabelecer uma teoria da cosmologia explicada pela união da teoria geral da relatividade e da mecânica quântica. Ele foi um defensor fervoroso da interpretação de muitos mundos na mecânica quântica.[9][10]

Hawking alcançou sucesso comercial com vários trabalhos nos quais ele discute suas próprias teorias e cosmologia em geral. Seu livro Uma Breve História do Tempo permaneceu na lista de mais vendidos do The Sunday Times durante 237 semanas. Em 2002, Hawking ficou em 25º lugar na pesquisa da BBC sobre os 100 Maiores Britânicos de todos os tempos. Em 1963, Hawking foi diagnosticado com uma forma de início precoce da doença neuronal motora (MND; também conhecida como esclerose lateral amiotrófica "ALS" ou doença de Lou Gehrig) que o paralisou gradualmente ao longo das décadas.[11][4] Mesmo após a perda de sua capacidade de falar, ele ainda era capaz de se comunicar por meio de um dispositivo gerador de fala, inicialmente através do uso de um interruptor de mão e, mais tarde, usando um único músculo da bochecha. Ele morreu no 14 de março de 2018, aos 76 anos de idade, depois de lutar contra essa doença durante mais de 50 anos.[12][13]

Índice

Biografia

Stephen William Hawking (IPA['stivən 'hɔkɪŋ]) nasceu exatamente no aniversário de 300 anos da morte de Galileu. Seus pais eram Frank Hawking, um biólogo pesquisador que trabalhava como parasitólogo no Instituto Nacional de Pesquisa Médica de Londres, e Isabel Hawking. Teve duas irmãs mais novas, Philippa e Mary, e um irmão adotivo, Edward. Hawking sempre foi interessado por ciência. Em sua infância, quando ainda morava em St Albans, estudou na St Albans High School for Girls (garotos de até 10 anos eram educados em escolas para garotas) entre 1950 e 1953 - ele foi um bom aluno, mas não era considerado excepcional.[carece de fontes?]

Entrou, em 1959, na University College, Oxford, onde pretendia estudar matemática, conflitando com seu pai, que gostaria que Stephen estudasse medicina. Como não pôde, por não estar disponível em tal universidade, optou então por física, formando-se três anos depois (1962). Seus principais interesses eram termodinâmica, relatividade e mecânica quântica. Obteve o doutorado na Trinity Hall em Cambridge em 1966, de onde era um membro honorário. Depois de obter doutorado, passou a ser pesquisador e, mais tarde, professor no Gonville and Caius College. Depois de abandonar o Instituto de Astronomia em 1973, Stephen entrou para o Departamento de Matemática Aplicada e Física Teórica tendo, entre 1979 e 2009, ano em que atingiu a idade limite para o cargo, ocupado o posto de professor lucasiano de Matemática, cátedra que fora de Newton, tendo sido professor lucasiano emérito da Universidade de Cambridge.[14]

 
Hawking em 5 de maio de 2006, durante a conferência de imprensa na Bibliothèque Nationale de France para inaugurar o Laboratório de Astronomia e Partículas em Paris e para lançar a versão em francês do seu trabalho "God Created the Integers".

Casou pela primeira vez em julho de 1965 com Jane Hawking, separando-se em 1991. Casou depois com sua enfermeira Elaine Mason em 16 de setembro de 1995, da qual se divorciou em 2006. Hawking continuou combinando a vida em família (seus três filhos e três netos) e sua investigação em física teórica junto com um extenso programa de viagens e conferências.[carece de fontes?]

Hawking era portador de esclerose lateral amiotrófica (ELA),[15] uma doença neurodegenerativa que paralisa progressivamente os músculos do corpo, mas que mais frequentemente não afeta as funções cognitivas. A ELA ainda não possui cura. A doença foi detectada quando tinha 21 anos. Em 1985 Hawking teve que submeter-se a uma traqueostomia após ter contraído pneumonia visitando o CERN na Suíça e, desde então, utilizava um sintetizador de voz para se comunicar. Gradualmente, foi perdendo o movimento dos braços e pernas, assim como do resto da musculatura voluntária, incluindo a força para manter a cabeça erguida, de modo que sua mobilidade era praticamente nula. Em 2005 Hawking usava os músculos da bochecha para controlar o sintetizador, e em 2009 já não podia mais controlar a cadeira de rodas elétrica. Desde então outros grupos de cientistas estudaram formas de evitar que Hawking sofresse de síndrome do encarceramento, cogitando traduzir os pensamentos ou expressões de Hawking em fala.[16][17][18] A versão mais recente, desenvolvida pela Intel e cedida a Hawking em 2013, rastreava o movimento dos olhos do cientista para gerar palavras, embora o cientista tenha afirmado em seu site oficial que preferia usar o "cheek tracking" (rastreamento da bochecha) para utilizar a interface ACAT (Sistema desenvolvido pela Intel). "No entanto, embora eles funcionem bem para outras pessoas, eu ainda acho que o interruptor na minha bochecha é mais fácil e menos cansativo de usar".[19]

Em 9 de janeiro de 1986, foi nomeado pelo papa João Paulo II membro da Pontifícia Academia das Ciências.[carece de fontes?]

Em 2015, em Londres, Drake, Martin Rees e o empresário russo Yuri Milner, juntamente com Stephen Hawking, anunciaram[20] suas intenções de fornecer US$ 100 milhões em financiamento ao longo da próxima década para os melhores pesquisadores do SETI, através do projeto Breakthrough Listen, que permitiria que novos levantamentos de dados rádio-ópticos pudessem ocorrer usando os mais avançados telescópios.[21] Em dezembro de 2017, Hawking processou o governo britânico por querer privatizar o Serviço Nacional de Saúde.[22][23]

Stephen Hawking morreu na sua casa em Cambridge em 14 de março de 2018, aos 76 anos, devido a complicações da sua doença degenerativa.[4][24][25][26]

Aparições na Cultura Popular

Participações em filmes, séries e programas de TV

Em 1993 participou em um episódio da série Star Trek: The Next Generation em uma cena em que é um holograma, conjuntamente com Newton e Einstein, jogando cartas com o personagem Data.[27][28][29]

Fez algumas participações em The Simpsons, Futurama, Dexter's Laboratory, The Fairly OddParents, Family Guy e na tira de jornal Dilbert. Recentemente fez uma participação em uma propaganda do Discovery Channel chamada Eu amo o Mundo, onde ele disse "Boom De Ya Da".[carece de fontes?]

Em 2012, participou de um episódio da série The Big Bang Theory, onde conversava com Sheldon Cooper. Neste episódio, Sheldon Cooper cometeu um erro básico de aritmética e desmaiou na frente de Stephen. No mesmo ano, Hawking leu um discurso durante a cerimônia de abertura dos Jogos Paralímpicos de Verão de 2012 em Londres.[30]

Músicas

Em 1994, Hawking apareceu na propaganda de uma empresa de seguros. Uma frase citada por ele no anúncio ("As maiores realizações da humanidade surgiram de conversas, e os maiores fracassos de não se conversar. Isso não precisa ser assim.") inspirou David Gilmour, da banda britânica Pink Floyd, que sampleou a voz sintetizada do físico na canção "Keep Talking" do álbum The Division Bell.[31]

Vinte anos depois, o álbum feito a partir das sobras de estúdio de The Division Bell, The Endless River, usa um sample de Hawking gravado para um comercial na faixa "Talkin' Hawkin'".[32]

Em 2012, Hawkings teve uma de suas falas sampleadas na canção "Entry of the Flame", presente no álbum Enlightenment: Music for the opening ceremony, que é o álbum oficial dos Jogos Paralímpicos de Verão de 2012, que foram realizados em Londres.[33]

Em 2015, mais uma vez sua voz sintetizada foi sampleada na canção "Galaxy Song", presente no álbum "Stephen Hawking Sings Monty Python".[34]

Em 2019, em uma homenagem póstuma, o guitarrista Brian May usou a voz sintetizada do Hawking na canção "New Horizons".[35]

Críticas

Apesar de ter sido um físico conhecido e renomado, muitos físicos criticaram Hawking, argumentando que ele agia mais como um astro pop do que como um físico.

Em 2004, ao ter anunciado que havia solucionado o paradoxo da informação, Hawking chamou a atenção de físicos do mundo inteiro, porém não apresentou na altura cálculos que comprovassem isso. Apenas em 2005, o fez.[36] Dez anos depois, chegou a dizer que os buracos negros não existem, apesar de ser consenso entre os físicos que eles existem, porém novamente ele disse sem nenhuma comprovação matemática. Novamente em 2014, ele alertou a humanidade que a manipulação de Bóson de Higgs poderia levar à destruição do universo, mas a comunidade científica não deu apoio a essa tese. Hawking chegou, inclusive, a apostar com um físico da Universidade de Michigan que o Bóson de Higgs não existia. Peter Higgs, que fez a descoberta do Bóson de Higgs, disse que era difícil discutir com Hawking por causa de seu status de celebridade. Mario Novello disse que atualmente a ciência se tornou midiática e Hawking atuava como uma celebridade.[37]

Morte

Hawking morreu em sua casa em Cambridge, Inglaterra, no começo da manhã de 14 de março de 2018, com a idade de 76 anos.[38][12][39] Sua família anunciou que ele morreu em paz.[40][41] Ele foi elogiado por figurar na ciência, entretenimento, política e outras áreas.[42][43][44][45] A bandeira do Gonville and Caius College de Cambridge ficou hasteada em meio mastro e um livro de condolências foi assinado por estudantes e visitantes.[46][47][48]

Hawking nasceu no ano do aniversário de 300 anos da morte de Galileo Galilei e morreu no dia do 139º aniversário do nascimento de Albert Einstein.[49] Seu funeral privado ocorreu as 14:00 horas da tarde de 31 de março de 2018,[50] na Great St Mary's Church, Cambridge.[51][52] Dentre os convidados para o funeral estavam Eddie Redmayne, Felicity Jones e o guitarrista do Queen e astrofísico Brian May.[53] Seguindo sua cremação, suas cinzas foram depositadas na Abadia de Westminster em 15 de junho de 2018, durante uma cerimônia de ação de graças. Suas cinzas foram colocadas na nave da abadia, ao lado da sepultura de Sir Isaac Newton e próximo da sepultura de Charles Darwin.[53][54][55] Hawking pediu, pelo menos quinze anos antes de sua morte, que a equação da entropia de Bekenstein–Hawking fosse seu epitáfio.[56][57]

Cinebiografias

A vida de Stephen Hawking já foi contada em dois documentários e dois filmes.[carece de fontes?]

Os documentários foram A Brief History of Time [58](1991), em que Errol Morris usou o livro homônimo como base para relatar a vida do cientista, e Hawking (2013), narrado pelo próprio Hawking.[59]

Em 2004, o filme televisivo Hawking foi lançado pela BBC Two. Dirigido por Philip Martin, o filme estrela Benedict Cumberbatch como Hawking, focando em seu período na Universidade de Cambridge.[carece de fontes?]

Outra biografia mais abrangente foi lançada nos cinemas em 2014, The Theory of Everything (No Brasil e em Portugal A Teoria de Tudo), baseado no livro de memórias de Jane Hawking, Travelling to Infinity: My Life with Stephen. Dirigido por James Marsh e estrelando Eddie Redmayne como Hawking e Felicity Jones como Wilde, o filme começa com Hawking conhecendo a futura esposa em Cambridge e vai mostrando as dificuldades da vida do casal enquanto Hawking alcançava a fama com suas teorias e tinha seu corpo definhado por uma doença motora degenerativa.[60] Após assistir uma versão finalizada do filme, Hawking aprovou a biografia e permitiu aos cineastas usarem sua voz sintetizada e protegida por direitos autorais na versão final.[61] A interpretação de Hawking por Redmayne garantiu-lhe o Oscar de melhor ator.[62]

Ateísmo

Hawking se descrevia como ateu.[63][64][65][66][67] Em algumas ocasiões, usou a palavra "Deus" em seus livros e discursos, mas, segundo ele próprio, no sentido metafórico e relativo. Sua ex-esposa Jane afirmou que, durante o processo de divórcio, ele se descreveu como ateu. Hawking declarou que não era religioso no sentido comum, e que acreditava que "o universo é governado pelas leis da ciência.[68] Hawking comparou a ciência e a religião durante uma entrevista, dizendo "há uma diferença fundamental entre a religião, que se baseia na autoridade, e a ciência, que se baseia na observação e na razão. A ciência vai ganhar porque ela funciona".

Em alguns trechos de seus livros, Hawking também parece seguir uma linha de pensamento similar à de Einstein e Espinoza, no que tange à admiração e o deslumbre pela ordem e complexidade presentes no universo, ainda que nunca tenha referido a si próprio como panteísta.[69][70][71] No livro "Uma breve história do tempo" ele cita que "tanto quanto o Universo teve um princípio, nós poderíamos supor que tenha um Criador". Ainda nesse livro, ele diz que "no entanto, se nós descobrirmos uma teoria completa, então nós conheceríamos a mente de Deus".[72]

Porém, em seu mais recente e polêmico livro "The Grand Design", Stephen Hawking mudou suas antigas declarações sobre a ideia de um criador[73] e afirma que "Deus não tem mais lugar nas teorias sobre criação do universo, devido a uma série de avanços no campo da física". No livro, afirma que "Por haver uma lei como a gravidade, o universo pode e irá criar a ele mesmo do nada. A criação espontânea é a razão pela qual algo existe ao invés de não existir nada, é a razão pela qual o universo existe, pela qual nós existimos", dizendo que o Big Bang foi simplesmente uma consequência da lei da gravidade. Hawking também cita a descoberta, feita em 1992, de um planeta que orbita uma estrela fora do Sistema Solar, como um marco contra a crença de Isaac Newton de que o universo não poderia ter surgido do caos.[carece de fontes?]

Em sua última obra Brief Answers to the Big Questions, publicada em 2018, Hawking escreve "Não há Deus. Ninguém dirige o universo. Durante séculos, acreditava-se que pessoas com deficiência como eu estavam vivendo sob uma maldição que foi infligida por Deus. Eu prefiro pensar que tudo pode ser explicado de outra maneira, pelas leis da natureza".[74]

Obra

 
O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fala com Stephen Hawking na Sala Azul da Casa Branca antes de uma cerimônia de apresentação em 12 de agosto de 2009.

Os principais campos de pesquisa de Hawking foram cosmologia teórica e gravidade quântica. Em 1971, em colaboração com Roger Penrose, provou o primeiro de muitos teoremas de singularidade; tais teoremas fornecem um conjunto de condições suficientes para a existência de uma singularidade no espaço-tempo. Este trabalho demonstra que, longe de serem curiosidades matemáticas que aparecem apenas em casos especiais, singularidades são uma característica genérica da relatividade geral.[carece de fontes?]

Hawking também sugeriu que, após o Big Bang, primordiais ou miniburacos negros foram formados. Com Bardeen e Carter, ele propôs as quatro leis da mecânica de buraco negro, fazendo uma analogia com termodinâmica. Em 1974 calculou que buracos negros deveriam, termicamente, criar ou emitir partículas subatômicas, conhecidas como radiação Hawking, além disso, também demonstrou a possível existência de miniburacos negros. Hawking também participou dos primeiros desenvolvimentos da teoria da inflação cósmica no início da década de 1980 com outros físicos como Alan Guth, Andrei Linde e Paul Steinhardt, teoria que tinha como proposta a solução dos principais problemas do modelo padrão do Big Bang.[carece de fontes?]

Hawking escreveu diversos livros que ajudaram a divulgar complexas teorias cosmológicas em linguagem fácil para leigos. O primeiro foi Uma Breve História do Tempo, escrito entre 1982 e 1984 e vendendo mais de 10 milhões de cópias. Obras seguintes incluem O Universo numa Casca de Noz (2001), Uma Nova História do Tempo (2005, versão atualizada de sua estreia co-escrita com Leonard Mlodinow) e God Created the Integers (2006). Em parceria com sua filha Lucy, Hawking também escreveu livros infantis sobre o universo com George e o Segredo do Universo (2007) e suas duas continuações.[75]

O asteróide 7672 Hawking foi nomeado em sua homenagem.[76]

Livros

Prêmios, títulos e medalhas

Ver também

Referências

  1. «Birthdays: Jan 10»  The Times, 8 de janeiro de 2010. Visitado em 9-1-2010
  2. «El ateísmo de Hawking, nuevo motivo de debate entre ciencia y religión». El Mundo (Espanha). 21 de setembro de 2014. Consultado em 22 de Setembro de 2014. Não há nenhum deus. Sou ateu. A religião crê nos milagres, mas estes não são compatíveis com a Ciência. 
  3. Stephen Hawking (em inglês) no Mathematics Genealogy Project
  4. a b c «Morre aos 76 anos o físico inglês Stephen Hawking». G1. 14 de março de 2018  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":0" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  5. «Stephen Hawking». royalsociety.org. Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  6. «Stephen Hawking». pbs.org 
  7. De acordo com Stephen Hawking's Universe, PBS.
  8. «Stephen at Cambridge - Stephen Hawking». www.hawking.org.uk. Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  9. Gardner, Martin (September/October 2001). "Multiverses and Blackberries". "Notes of a Fringe-Watcher". Skeptical Inquirer. Volume 25, No. 5.
  10. Price, Michael Clive (February 1995). "THE EVERETT FAQ" Arquivado em 20 de abril de 2016[Erro data trocada] no Wayback Machine.. Department of Physics, Washington University in St. Louis. Retrieved 17 December 2014.
  11. «Mind over matter: How Stephen Hawking defied Motor Neurone Disease for 50 years». The Independent. 26 de novembro de 2015 
  12. a b Overbye, Dennis (14 de março de 2018). «Stephen Hawking Dies at 76; His Mind Roamed the Cosmos». The New York Times. Consultado em 14 de março de 2018 
  13. Henry, David (14 de março de 2018). «Stephen Hawking, physicist who reshaped cosmology, passes away at 76». The Economic Times. Consultado em 15 de março de 2018 
  14. «Stephen Hawking to retire as Cambridge's Professor of Mathematics» (em inglês). The Telegraph - UK News. 23 de outubro de 2008. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  15. «Revista Vigor»  Stephen Hawking ataca George W. Bush e defende pesquisas com embriões e Notícias do Instituto Paulo Gontijo
  16. de Lange, Catherine (30 de dezembro de 2011). «The man who saves Stephen Hawking's voice». New Scientist. Consultado em 18 de junho de 2012 
  17. Boyle, Alan (25 de junho de 2012). «How researchers hacked into Stephen Hawking's brain». NBC News. Consultado em 29 de setembro de 2012 
  18. «Start-up attempts to convert Prof Hawking's brainwaves into speech». BBC. 7 de julho de 2012. Consultado em 29 de setembro de 2012 
  19. «Stephen Hawking's new speech system is free and open-source (Wired UK)». Wired UK. plus.google.com/109241291965523079329. Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  20. «Milner Hawkings on Livestream». livestream.com. Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  21. «Stephen Hawking and Yuri Milner Announce $100M Initiative to Seek ET»  por Lee Billings em 20 de julho de 2015
  22. Urgent Legal Action for Our NHS - Round 2
  23. «Professor Stephen Hawking - Talk NHS Keynote Lecture - RSM Videos». videos.rsm.ac.uk 
  24. Fernando Cymbaluk (14 de março de 2018). «Morre Stephen Hawking, o gênio do universo "em uma casca de noz", aos 76 anos». UOL Notícias Internacional. Consultado em 14 de março de 2018. Cópia arquivada em 14 de março de 2018 
  25. «Morre o físico Stephen Hawking aos 76 anos no Reino Unido». Folha de S.Paulo. 14 de março de 2018 
  26. Sample, Ian (14 de março de 2018). «Stephen Hawking, modern cosmology's brightest star, dies at age 76». the Guardian (em inglês). Consultado em 14 de março de 2018 
  27. Ferguson 2011, pp. 177–78.
  28. Larsen 2005, pp. 93–94.
  29. Okuda & Okuda 1999, p. 380.
  30. «'Look to the stars': Stephen Hawking helps open London 2012 Paralympics Games with a (big) bang» (em inglês). National Post. Consultado em 1 de setembro de 2012 
  31. oglobo.globo.com/ No cinema, na música e na TV, veja Stephen Hawking na cultura popular
  32. Michaels, Sean. «Stephen Hawking sampled on Pink Floyd's The Endless River». the Guardian. Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  33. classicfm.com/ Paralympic Opening Ceremony Soundtrack: Track-By-Track
  34. edition.cnn.com/ Stephen Hawking sings Monty Python's "Galaxy Song"
  35. g1.globo.com/ Brian May, do Queen, lança 1ª música solo em 20 anos com tributo a sonda espacial; ouça e veja análise do G1
  36. Hawking, S. W. (2005). «Information loss in black holes». Physical Review D. 72 (8). doi:10.1103/physrevd.72.084013 
  37. «Para físicos, Hawking tem agido mais como astro pop do que como cientista - 09/02/2015 - Ciência - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 25 de junho de 2016 
  38. Rees, Martin (14 de março de 2018). «Stephen Hawking (1942–2018)» (em inglês). doi:10.1038/d41586-018-02839-9. Consultado em 15 de março de 2018 
  39. Penrose, Roger (14 de março de 2018). «'Mind over matter': Stephen Hawking». The Guardian. Consultado em 14 de março de 2018 
  40. Allen, Karma (14 de março de 2018). «Stephen Hawking, author of 'A Brief History of Time,' dies at 76». ABC News. Consultado em 14 de março de 2018 
  41. Barr, Robert. «Physicist Stephen Hawking dies after living with ALS for 50-plus years». SFGate. Consultado em 14 de março de 2018 
  42. Overbye, Dennis (14 de março de 2018). «Stephen Hawking's Beautiful Mind». The New York Times. Consultado em 15 de março de 2018 
  43. Predefinição:Cite new
  44. Brown, Benjamin. «'We lost a great one today': World reacts to Stephen Hawking's death on social media». Fox News. Consultado em 14 de março de 2018 
  45. «Stephen Hawking: Tributes pour in for 'inspirational' physicist». BBC News. 14 de março de 2018. Consultado em 14 de março de 2018 
  46. Marsh, Sarah (14 de março de 2018). «Cambridge colleagues pay tribute to 'inspirational' Hawking». The Guardian. Consultado em 14 de março de 2018 
  47. «Queue of people sign book of condolence at Stephen Hawking's former college». BT News. Press Association. 14 de março de 2018. Consultado em 14 de março de 2018 
  48. Overbye, Dennis (15 de março de 2018). «Stephen Hawking Taught Us a Lot About How to Live». The New York Times. Consultado em 15 de março de 2018 
  49. Larsen 2005, p. 51.
  50. Larsen, Kristine (2005). Stephen Hawking: a biography. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-313-32392-8 
  51. Elliott, Chris (31 de março de 2018). «The day Cambridge said goodbye to Stephen Hawking - one of our city's greatest ever academics». Cambridge News. Consultado em 8 de abril de 2018 
  52. The Associated Press (31 de março de 2018). «At Stephen Hawking Funeral, Eddie Redmayne and Astronomer Royal Give Readings». The New York Times. Consultado em 8 de abril de 2018 
  53. a b Prof Stephen Hawking funeral: Legacy 'will live forever'. BBC News. Publicado em 31 de março de 2018. Acessado em 8 de abril de 2018.
  54. Shirbon, Estelle (20 de março de 2018). «Stephen Hawking to Join Newton, Darwin in Final Resting Place». London: Reuters. Consultado em 8 de abril de 2018 
  55. Westminster Abbey » Professor Stephen Hawking to be honoured at the Abbey
  56. Roger Highfield (20 de fevereiro de 2002), «A simple formula that will make a fitting epitaph», Telegraph Media Group 
  57. Clark, Stuart (2016), The Unknown Universe, ISBN 978-1-68177-153-3, Pegasus 
  58. Morris, Errol. «A Brief History of Time: Synopsis» (em inglês). Errol Morris. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  59. Wollaston, Sam (9 de dezembro de 2013). «Stephen Hawking: A Brief History of Mine – TV review» (em inglês). The Guardian. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  60. «A Teoria de Tudo» 
  61. «Stephen Hawking Gave Filmmakers A Priceless Gift After Watching The New Movie About His Life». Business Insider. Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  62. «The 87th Academy Awards (2015)». Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Consultado em 28 de fevereiro de 2015 
  63. «'I'm an Atheist': Stephen Hawking on God and Space Travel». Consultado em 17 de julho de 2015 
  64. «Stephen Hawking makes it clear: There is no God». Consultado em 17 de julho de 2015 
  65. «Celeb Atheist: Stephen Hawking». Consultado em 17 de julho de 2015 
  66. Boyett, Jason. "Stephen Hawking says there's no creator God; the twitterverse reacts", The Washington Post, September 3, 2010, Retrieved April 25, 2011.
  67. Giberson, Karl; Artigas, Mariano (2012). Oráculos de la ciencia: Científicos famosos contra Dios y la religión (em espanhol). Madri: Encuentro. ISBN 9788499209920 
  68. «Stephen Hawking feared race of 'superhumans' able to manipulate their own DNA». Citação: "Se você quiser, pode chamar as leis de 'ciência de Deus', mas não seria um Deus pessoal que você encontraria e pudesse lhe colocar as questões". Washington Post 
  69. Embora tenha, por vezes, citado "Deus" em sentido metafórico e relativo como o faz Hawking — a exemplo na famosa frase "Deus não joga dados com o universo", oriunda dos acirrados debates que travou acerca dos fundamentos da mecânica quântica —, Einstein era agnóstico panteísta. Em uma carta recentemente leiloada pela casa de leilões Bloomsbury Auctions, apresentou contundentes críticas aos sistemas religiosos historicamente estruturados. A conexão de sua admiração de Einstein com a crença em "Deus" foi sempre feita — em casos onde Einstein é apresentado como teísta — pelos próprios teístas, visando estes a embasar seus propósitos, nunca pelo próprio Einstein em si. Mais informações sobre a irreligiosidade e o agnosticismo de Einstein em Albert Einstein: Deus e religião.
  70. «BBCBrasil.com | Reporter BBC | Carta que revela desdém de Einstein por religião vai a leilão». www.bbc.co.uk. Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  71. «www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u402056.shtml». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  72. Sample, Ian (15 de maio de 2011). «Stephen Hawking: 'There is no heaven; it's a fairy story'» (em inglês). The Guardian. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  73. «Terra notícias»  (página da notícia visitada em 02/09/2010)
  74. «There is no GOD». CNN 
  75. «Books» (em inglês). Stephen Hawking Official Website. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  76. Chamberlin, Alan. «JPL Small-Body Database Browser». ssd.jpl.nasa.gov 
  77. https://www.hodder.co.uk/books/detail.page?isbn=9781473695986
  78. «Julius Edgar Lilienfeld Prize». American Physical Society. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  79. «Oldest, space-travelled, science prize awarded to Hawking» (em inglês). University of Cambridge. 24 de agosto de 2006. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  80. MacAskill, Ewen (13 de agosto de 2009). «Obama presents presidential medal of freedom to 16 recipients» (em inglês). The Guardian. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  81. «2013 Fundamental Physics Prize Awarded To Alexander Polyakov» (em inglês). Breakthrough Prize. 21 de março de 2013. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  82. Stephen Hawking, Profesor Honorario en Canarias
  83. Director del IAC recuerda a brillante científico y a un luchador por la vida

Ligações externas