Abrir menu principal

Reino Ptolemaico

(Redirecionado de Egito Ptolemaico)



Πτολεμαϊκὴ βασιλεία
Ptolemaïkḕ Basileía

Reino Ptolemaico
Vergina Sun WIPO.svg
 
Blank.png
305 a.C. – 30 a.C. Blank.png

Águia de Zeus de Egito

Águia de Zeus

Localização de Egito
Reino Ptolemaico (azul) em 300 a.C.
Continente África
Região Norte da África
Capital Alexandria
Língua oficial Grego antigo
Outros idiomas Egípcio
Demótico
Religião Religião na Grécia Antiga
Religião no Antigo Egito
Governo Monarquia
Faraó
 • 305–283 a.C. Ptolemeu I Sóter (primeiro)
 • 51–30 a.C. Cleópatra VII Filópator (última)
Período histórico Antiguidade Clássica
 • 305 a.C. Fundação
 • 12 de agosto de 30 a.C. Conquista romana
Moeda Dracma
Atualmente parte de

O Reino Ptolemaico (/ tɒlɪˈmeɪɪk/; Grego Antigo: Πτολεμαϊκὴ βασιλεία, Ptolemaïkḕ basileía)[1] era um reino Helenístico baseado no Egito. Foi governada pela Dinastia Ptolomaica, que começou com a ascensão de Ptolemeu I Sóter após a morte de Alexandre, o Grande, em 323 AC e que terminou com a morte de Cleópatra VII e a conquista Romana em 30 AC.

O Reino Ptolemaico foi fundado em 305 AC por Ptolemeu I Sóter, que se declarou Faraó do Egito e criou uma poderosa dinastia Helenística que governava uma área que ia do sul da Síria a Cirene e ao sul até a Núbia. Estudiosos também argumentam que o reino foi fundado em 304 AC por causa do uso diferente de calendários: Ptolomeu coroou-se em 304 AC no calendário Egípcio antigo,[2] mas em 305 AC no antigo calendário Macedônio; para resolver a questão, o ano 305/4 foi contado como o primeiro ano do Reino Ptolemaico nos papiros demóticos.[3] Alexandria tornou-se a capital e um importante centro da cultura e comércio gregos. Para ganhar reconhecimento pela população nativa do Egito, eles intitularam-se os sucessores dos Faraós. Os posteriores Ptolomeus assumiram tradições Egípcias ao se casarem com os seus irmãos, foram retratados em monumentos públicos em estilo e vestuário Egípcios e participaram da vida religiosa Egípcia. Os Ptolomeus estavam envolvidos em guerras civis e estrangeiras que levaram ao declínio do reino e sua anexação final por Roma. A cultura Helenística continuou a prosperar no Egito durante os períodos Romano e Bizantino até a conquista Muçulmana.

Índice

HistóriaEditar

A era do reinado Ptolemaico no Egito é um dos períodos de tempo mais bem documentados da era Helenística; uma riqueza de papiros escritos em Grego e Egípcio da época foram descobertos no Egito. [4]

AntecedentesEditar

 
Ptolomeu como Faraó do Egito, Museu Britânico, Londres

Em 332 AC, Alexandre, o Grande, Rei da Macedônia, invadiu a Aquemênida governada pelo Egito. [5] Ele visitou Mênfis e viajou para o oráculo de Ámon no Oásis de Siuá. O oráculo declarou que ele era filho de Ámon. Ele conciliou os egípcios pelo respeito que demonstrou pela sua religião, mas nomeou Macedônios para praticamente todos os postos seniores do país e fundou uma nova cidade grega, Alexandria, para ser a nova capital. A riqueza do Egito podia agora ser aproveitada para a conquista de Alexandre do resto do Império Persa. No início de 331 AC, ele estava pronto para partir e levou as suas tropas para Fenícia. Ele deixou Cleómenes como governante para controlar o Egito em sua ausência. Alexandre nunca voltou ao Egito.

EstabelecimentoEditar

Após a morte de Alexandre na Babilónia em 323 AC,[6] uma crise de sucessão eclodiu entre os seus generais. Inicialmente, Pérdicas governou o império como regente para o meio-irmão de Alexandre, Arrideu, que se tornou Filipe III da Macedónia, e depois como regente de Filipe III e Alexandre IV da Macedónia filho de Alexandre, que não era nascido na época da morte de seu pai. Pérdicas nomeou Ptolemeu, um dos companheiros mais próximos de Alexandre, para ser governador do Egito. Ptolemeu governou o Egito a partir de 323 AC, nominalmente em nome dos reis conjuntos Filipe III e Alexandre IV. No entanto, quando o império de Alexandre, o Grande, se desintegrou, Ptolomeu logo se estabeleceu como governante por direito próprio. Ptolemeu defendeu com sucesso o Egito contra uma invasão de Pérdicas em 321 AC e consolidou a sua posição no Egito e nas áreas circunvizinhas durante as Guerras dos Diádocos (322–301 AC). Em 305 AC, Ptolemeu conquistou o título de Rei. Como Ptolemeu I Sóter ("Salvador"), ele fundou a Dinastia Ptolemaica que governaria o Egito por quase 300 anos.

Todos os governantes masculinos da dinastia levaram o nome Ptolomeu, enquanto princesas e rainhas preferiam os nomes Cleópatra, Arsinoe e Berenice. Como os reis Ptolemaicos adotaram o costume Egípcio de casar com as suas irmãs, muitos dos reis governaram conjuntamente com as suas esposas, que também eram da casa real. Esse costume tornou a política Ptolemaica confusamente incestuosa, e os Ptolomeus posteriores eram cada vez mais débeis. As únicas rainhas Ptolomaicas que governaram oficialmente sozinhas foram Berenice III e Berenice IV. Cleópatra V co-governou, mas foi com outra mulher, Berenice IV. Cleópatra VII oficialmente co-governou com Ptolemeu XIII Téo Filópator, Ptolemeu XIV e Ptolemeu XV, mas efetivamente governou o Egito sozinha.

 
Um busto representando o Rei Ptolemeu II Filadelfo 309–246 AC

Os primeiros Ptolemeus não perturbaram a religião nem os costumes dos Egípcios. Eles construíram magníficos novos templos para os deuses Egípcios e logo adotaram a exibição externa dos Faraós da antiguidade. Durante o reinado de Ptolemeu II e III milhares de veteranos Macedónios foram recompensados com concessões de terras agrícolas, e os Macedónios foram colocados em colónias e guarnições ou estabeleceram-se nas aldeias em todo o país. O Alto Egito, mais distante do centro do governo, foi menos afetado, embora Ptolomeu I tenha estabelecido a colónia Grega Ptolemaida Hérmia como sua capital. Mas, dentro de um século, a influência Grega espalhou-se pelo país e os casamentos mistos produziram uma grande classe educada Greco-Egípcia. No entanto, os Gregos sempre permaneceram como uma minoria privilegiada no Egito Ptolemaico. Eles viviam sob a lei Grega, recebiam educação Grega, eram julgados em tribunais Gregos e eram cidadãos de cidades Gregas.

AscensãoEditar

Ptolemeu IEditar

 Ver artigo principal: Ptolemeu I

A primeira parte do reinado de Ptolemeu I foi dominada pelas Guerras dos Diádocos entre os vários os vários estados sucessores do império de Alexandre. Seu primeiro objetivo era manter sua posição no Egito de forma segura e, segundo aumentar o seu domínio. Em poucos anos, ele ganhou o controle da Líbia, Cele-Síria (incluindo a Judeia) e o Chipre. Quando Antígono, governante da Síria, tentou reunir o império de Alexandre, Ptolomeu juntou-se à coalizão contra ele. Em 312 AC, aliado a Seleuco, o soberano da Babilónia, ele derrotou Demétrio, filho de Antígono, na batalha de Gaza.

Em 311 AC, uma paz foi concluída entre os combatentes, mas em 309 AC a guerra começou novamente, e Ptolemeu ocupou Corinto e outras partes da Grécia, embora tenha perdido o Chipre após uma batalha no mar em 306 AC. Antígono então tentou invadir o Egito, mas Ptolemeu segurou a fronteira contra ele. Quando a coalizão foi renovada contra Antígono em 302 AC, Ptolomeu juntou-se a ela, mas nem ele nem o seu exército estavam presentes quando Antígono foi derrotado e morto em Ipso. Em vez disso, ele aproveitou a oportunidade para garantir a Cele-Síria e a Palestina, em violação do acordo que a designou para Seleuco, estabelecendo assim o cenário para as futuras Guerras Sírias. [7] Depois disso, Ptolomeu tentou ficar fora das guerras em terra, mas ele retomou Chipre em 295 AC.

Sentindo que o reino estava agora seguro, Ptolemeu compartilhou o governo com o seu filho Ptolemeu II da Rainha Berenice em 285 AC. Ele então pode ter dedicado sua aposentadoria a escrever uma história das campanhas de Alexandre - que infelizmente foi perdida, mas foi a principal fonte para o trabalho posterior de Arriano. Ptolemeu I morreu em 283 AC com 84 anos de idade. Ele deixou um reino estável e bem governado para seu filho.

Ptolemeu IIEditar

 Ver artigo principal: Ptolemeu II

Ptolemeu II Filadelfo, que sucedeu seu pai como Rei do Egito em 283 AC,[8] era um rei pacífico e culto, e nenhum grande guerreiro. Ele não precisava ser, porque seu pai havia deixado o Egito forte e próspero. Três anos de campanha no início de seu reinado (chamada de Primeira Guerra Síria) deixaram Ptolemeu como mestre do Mediterrâneo oriental, controlando as ilhas do Mar Egeu (a Liga Nesiotica) e os distritos costeiros da Cilícia, Panfília, Lícia e Cária. No entanto, alguns desses territórios foram perdidos perto do final do seu reinado, como resultado da Segunda Guerra Síria. Em 270 AC, Ptolemeu II derrotou o Reino de Cuxe em guerra, conquistando para os Ptolemeus livre acesso ao território Cuxita e controle de importantes áreas de mineração de ouro ao sul do Egito conhecidas como Dodekasoinos.[9] Como resultado, os Ptolemeus estabeleceram estações de caça e portos tão ao sul quanto o Porto Sudão, de onde grupos de busca contendo centenas de homens procuravam por elefantes de guerra.[9] A cultura Helenística iria adquirir uma influência importante em Cuxe neste momento.[9]

A primeira esposa de Ptolemeu, Arsínoe I, filha de Lisímaco, era a mãe dos seus filhos legítimos. Depois de seu repúdio, ele seguiu o costume egípcio e casou-se com a sua irmã, Arsínoe II, iniciando uma prática que, embora agradasse à população egípcia, teria sérias consequências em reinos posteriores. O esplendor material e literário da corte Alexandrina estava no auge sob Ptolemeu II. Calímaco, guardião da Biblioteca de Alexandria, Teócrito e uma série de outros poetas, glorificaram a família Ptolemaica. O próprio Ptolemeu estava ansioso por aumentar a biblioteca e patrocinar a pesquisa científica. Ele gastou prodigamente em tornar Alexandria a capital económica, artística e intelectual do mundo Helenístico. É às academias e bibliotecas de Alexandria que devemos a preservação de tanto património literário Grego.

Ptolemeu IIIEditar

 Ver artigo principal: Ptolemeu III
 
Moeda descrevendo o Rei Ptolemeu III. Egito Ptolemaico.

Ptolemeu III Evérgeta ("o benfeitor") sucedeu a seu pai em 246 AC. Abandonou a política de seus antecessores de se manterem fora das guerras dos outros reinos sucessores Macedónios e mergulhou na Terceira Guerra Síria com os Selêucidas da Síria, quando sua irmã, a Rainha Berenice, e seu filho foram assassinados numa disputa dinástica. Ptolomeu marchou triunfalmente para o coração do reino Selêucida, até á Babilónia, enquanto as suas frotas no mar Egeu fizeram novas conquistas ao norte da Trácia.

Esta vitória marcou o apogeu do poder Ptolemaico. Seleuco II Calínico manteve o seu trono, mas as frotas egípcias controlavam a maior parte das costas da Ásia Menor e da Grécia. Depois desse triunfo, Ptolemeu não mais participou ativamente na guerra, embora apoiasse os inimigos da Macedónia na política Grega. A sua política interna diferia da de seu pai, na medida em que ele patrocinava a religião nativa do Egito de maneira mais liberal: ele deixava traços maiores entre os monumentos egípcios. Este seu reinado marca a gradual "Egípicização" dos Ptolemeus.

DeclínioEditar

 
Império Ptolemaico em 200 AC. Também mostrando poderes vizinhos.

Ptolemeu IVEditar

 Ver artigo principal: Ptolemeu IV

Em 221 AC, Ptolemeu III morreu e foi sucedido por seu filho Ptolemeu IV Filópator, um rei fraco e corrupto sob o qual começou o declínio do reino Ptolemaico. O seu reinado foi inaugurado pelo assassinato de sua mãe, e ele estava sempre sob a influência de favoritos reais, homens e mulheres, que controlavam o governo. No entanto, seus ministros foram capazes de fazer sérios preparativos para enfrentar os ataques de Antíoco III, o Grande, em Cele-Síria, e a grande vitória Egípcia de Ráfia em 217 AC garantiu o reino. Um sinal da fraqueza doméstica de seu reinado foram as rebeliões de nativos egípcios que levaram mais de metade do país por mais de 20 anos. Filópator era dedicado às religiões orgiásticas e à literatura. Ele casou-se com sua irmã Arsínoe, mas foi governado pela sua amante Agathoclea.

Ptolemeu V e Ptolemeu VIEditar

 Ver artigos principais: Ptolemeu V e Ptolemeu VI
 
Um mosaico de Tmuis (Mendes), Egito, criado pela artista Helenística Sophilos (assinatura) em cerca de 200 AC, agora no Museu Greco-Romano em Alexandria, Egito, a mulher representada é a Rainha Ptolemaica Berenice II (que governou juntamente com o seu marido Ptolemeu III) como a personificação de Alexandria, com a sua coroa mostrando a proa de um navio, enquanto ela ostenta um broche em forma de âncora nas suas vestes, símbolos da habilidade naval e sucessos no Mar Mediterrâneo do Império Ptolemaico.[10]

Ptolemeu V Epifânio, filho de Filópator e Arsínoe, era uma criança quando chegou ao trono, e uma série de regentes correram o reino. Antíoco III do Império Selêucida e Filipe V da Macedônia fizeram um pacto para apreender as posses Ptolemaicas. Filipe apreendeu várias ilhas e lugares em Cária e Trácia, enquanto a batalha de Panium em 200 AC transferiu a Cele-Síria do controle Ptolemaico para o Selêucida. Depois dessa derrota, o Egito formou uma aliança com o poder crescente no Mediterrâneo, Roma. Assim que atingiu a idade adulta, Epifânio tornou-se um tirano, antes de sua morte prematura em 180 AC. Ele foi sucedido pelo seu filho Ptolemeu VI Filómetor.

Em 170 aC, Antíoco IV Epifânio invadiu o Egito e depôs Filómetor. Em algumas versões da Bíblia, o livro I Macabeus 1: 16-19, traduz a passagem como:

Agora, quando o reino foi estabelecido antes de Antíoco, ele pensou em reinar sobre o Egito para que ele pudesse ter o domínio de dois reinos. Por isso entrou no Egito com uma grande multidão, com carros e elefantes, e cavaleiros e uma grande marinha, e fez guerra contra Ptolomeu, rei do Egito; mas Ptolomeu teve medo dele e fugiu; e muitos foram feridos até a morte. Assim tomaram as cidades fortes na terra do Egito e ele tomou os despojos das mesmas.

O irmão mais novo de Filómetor (mais tarde Ptolemeu VIII Evérgeta II) foi instado como um rei marioneta. Quando Antíoco se retirou, os irmãos concordaram em reinar conjuntamente com a sua irmã Cleópatra II. Eles logo se desentenderam, porém, e brigas entre os dois irmãos permitiram que Roma interferisse e aumentasse a sua influência no Egito. Filómetor finalmente recuperou o trono. Em 145 AC, ele foi morto na Batalha de Antioquia.

Ptolemeus posterioresEditar

Filómetor foi sucedido por outro bebê, o seu filho Ptolemeu VII Novo Filópator. Mas Evérgeta logo retornou, matou o seu jovem sobrinho, tomou o trono e como Ptolemeu VIII logo se mostrou um tirano cruel. Em sua morte em 116 AC, ele deixou o reino para a sua esposa Cleópatra III e o seu filho Ptolemeu IX Sóter II. O jovem rei foi expulso por sua mãe em 107 AC, que reinou em conjunto com o filho mais novo de Evérgeta, Ptolemeu X Alexandre I. Em 88 AC, Ptolemeu IX voltou ao trono e manteve-o até á sua morte em 80 AC. Ele foi sucedido por Ptolemeu XI Alexandre II, filho de Ptolemeu X. Ele foi linchado pela turba Alexandrina depois de assassinar a sua madrasta, que também era sua prima, tia e esposa. Essas sórdidas disputas dinásticas deixaram o Egito tão enfraquecido que o país tornou-se um protetorado de fato de Roma, que absorveu a maior parte do mundo Grego. | Ptolemeu XI foi sucedido por um filho de Ptolomeu IX, Ptolemeu XII Novo Dionísio, apelidado de Auleta, o tocador de flauta. Por essa altura, Roma era o árbitro dos assuntos Egípcios e anexava a Líbia e o Chipre. Em 58 AC, Auleta foi expulso pela turba Alexandrina, mas os romanos restauraram-no ao poder três anos depois. Ele morreu em 51 AC, deixando o reino para o seu filho de dez anos de idade, Ptolemeu XIII Téo Filópator, que reinou em conjunto com a sua irmã e esposa de 17 anos, Cleópatra VII.

Anos finais do impérioEditar

CleópatraEditar

 Ver artigo principal: Cleópatra VII
 
Moeda de Cleópatra VII, com a sua efígie[11]

Cleópatra VII ascendeu ao trono Egípcio aos dezoito anos após a morte de seu pai, Ptolemeu XII Novo Dionísio. Ela reinou como rainha "filopadora" e faraó com vários co-regentes masculinos de 51 a 30 AC, quando morreu aos 39 anos de idade.

O fim do poder dos Ptolemeus coincidiu com a ascensão do Império Romano. Tendo pouca escolha, e testemunhando uma cidade após outra caindo para a Macedônia e para o império Selêucida, os Ptolemeus escolheram aliar-se aos romanos, um pacto que durou mais de 150 anos. Durante o governo dos Ptolomeus posteriores, Roma ganhou mais e mais poder sobre o Egito, e acabou por ser declarado guardião da Dinastia Ptolemaica. O pai de Cleópatra, Ptolemeu XII, pagou vastas somas de riqueza e recursos egípcios em homenagem aos romanos para garantir o seu trono. Após a sua morte, Cleópatra e seu irmão mais novo herdaram o trono, mas o seu relacionamento logo se degenerou. Cleópatra foi destituída de autoridade e título pelos conselheiros de Ptolemeu XIII. Fugindo para o exílio, ela tentaria levantar um exército para recuperar o trono.

 
Ptolemeu XII, pai de Cleópatra VII como Faraó. Descoberto no Templo do Crocodilo, Faium

Júlio César deixou Roma para Alexandria em 48 AC, a fim de acabar com a iminente guerra civil, pois a guerra no Egito, que era um dos maiores fornecedores de grãos e outros bens caros para Roma, teria um efeito prejudicial no comércio. Durante a sua estada no palácio Alexandrino, ele recebeu Cleópatra de 22 anos, supostamente levada a ele em segredo envolta num tapete. Ela contou com o apoio de César para alienar Ptolemeu XIII. Com a chegada dos reforços romanos, e após as batalhas em Alexandria, Ptolemeu XIII foi derrotado na Batalha do Nilo. Mais tarde, ele afogou-se no rio, embora as circunstâncias da sua morte não sejam claras.

 
Relevo da Rainha Ptolemaica Cleópatra VII e Cesarião, Templo de Dendera., Egito.

No verão de 47 AC, tendo se casado com o seu irmão mais novo Ptolemeu XIV, Cleópatra embarcou com César para uma viagem de dois meses ao longo do Nilo. Juntos, eles visitaram Dendera, onde Cleópatra estava sendo adorada como faraó, uma honra para além do alcance de César. Eles tornaram-se amantes, e ela lhe deu um filho, Cesarião. Em 45 AC, Cleópatra e Cesarião deixaram Alexandria para Roma, onde ficaram num um palácio construído por César em sua honra.

Em 44 AC, César foi assassinado em Roma por vários Senadores. Com a sua morte, Roma dividiu-se entre os partidários de Marco Antônio e Otávio. Quando Marco Antônio parecia ir prevalecer, Cleópatra o apoiou e, pouco depois, eles também se tornaram amantes e acabaram-se casando no Egito (embora o casamento deles nunca tenha sido reconhecido pela lei romana, já que Antônio era casado com uma Romana). A sua união produziu três filhos; os gémeos Cleópatra Selene e Alexandre Hélio, e outro filho, Ptolemeu Filadelfo.

A aliança de Marco Antônio com Cleópatra irritou ainda mais Roma. Marcada como uma feiticeira sedenta de poder pelos romanos, ela foi acusada de seduzir Antônio para promover a sua conquista de Roma. Mais indignação se seguiu à cerimonia das doações de Alexandria no outono de 34 AC, em que Tarso, Cirene, Creta, Chipre e Israel foram dados como monarquias clientes aos filhos de Antônio por Cleópatra. Em seu testamento, Antônio expressou o seu desejo de ser enterrado em Alexandria, em vez de ser levado para Roma no caso de sua morte, que Otávio usou contra Antônio, semeando mais dissensão na população Romana.

   
Esquerda: Busto de Cleópatra VII no Altes Museum, Antigüidades Clássicas , arte Romana, 1ª século AC
Direita: Busto de Cleópatra VII, datado 40-30 AC, Museus Vaticanos, mostrando-lhe com um penteado "melão" e uma coroa real Helenística usada sobre a cabeça dela

Otávio foi rápido em declarar guerra a Antônio e Cleópatra, enquanto a opinião pública sobre Antônio estava baixa. As suas forças navais encontraram-se em Áccio, onde as forças de Marco Vipsânio Agripa derrotaram a marinha de Cleópatra e Antônio. Otávio esperou um ano antes de reivindicar o Egito como uma província romana. Ele chegou a Alexandria e derrotou facilmente as forças remanescentes de Marco Antônio fora da cidade. Enfrentando a morte certa nas mãos de Otávio, Antônio tentou suicidar-se caindo em sua própria espada. Ele sobreviveu brevemente, no entanto, e foi levado para Cleópatra, que havia se barricado em seu mausoléu, onde morreu logo depois.

Sabendo que ela seria levada para Roma para desfilar no triunfo de Otávio (e provavelmente executada depois), Cleópatra e as suas servas suicidaram-se em 12 de Agosto de 30 AC. A lenda e numerosas fontes antigas afirmam que ela morreu por causa da picada venenosa de uma áspide, embora outros afirmem que ela usou veneno, ou que Otávio ordenou a sua própria morte.

Cesarião, o seu filho com Júlio César, sucedeu nominalmente Cleópatra até á sua captura e suposta execução nas semanas após a morte de sua mãe. Os filhos de Cleópatra e de Antônio foram poupados por Otávio e entregues á sua irmã (e esposa romana de Antônio), Octávia, para serem criados em sua casa. A sua filha Cleópatra Selene acabou por se casar por meio de arranjo por Otávio na linhagem real mauritana. Através da sua descendência, a linha Ptolemaica casou-se novamente com a nobreza Romana.

Com as mortes de Cleópatra e Cesarião, a dinastia dos Ptolemeus e a totalidade do Egito faraónico chegaram ao fim. Alexandria permaneceu capital do país, mas o próprio Egito tornou-se uma província Romana.

Administração RomanaEditar

 
Busto de um Nobre Romano, c. 30 AC– 50 AD, 54.51, Brooklyn Museum
 Ver artigo principal: Egito romano

Em 30 AC, após a morte de Cleópatra VII, o Império Romano declarou que o Egito era uma província (Aegyptus), e que deveria ser governado por um prefeito selecionado pelo Imperador da classe Equestre e não por um governador da ordem Senatorial, para evitar a interferência do Senado Romano. O principal interesse Romano no Egito era sempre a entrega confiável de grãos à cidade de Roma. Para esse fim, a administração romana não fez nenhuma mudança no sistema de governo Ptolemaico, embora os Romanos tenham substituído os Gregos nos mais altos cargos. Mas os Gregos continuaram a ocupar a maioria dos escritórios administrativos e o Grego continuou a ser a língua do governo, exceto nos níveis mais altos. Ao contrário dos Gregos, os Romanos não se estabeleceram no Egito em grande número. A cultura, a educação e a vida cívica permaneceram em grande parte Gregas durante todo o período romano. Os Romanos, como os Ptolemeus, respeitavam e protegiam a religião e os costumes Egípcios, embora o culto do estado Romano e do Imperador fosse gradualmente introduzido.

Por volta de 25 AC, o geógrafo, filósofo e historiador Grego Estrabão subiu o Nilo até chegar a Filas, após o qual há pouco registro de seus procedimentos até 17 DC.[12]

De acordo com um estudo de 2017 em Nature Communications, as erupções vulcânicas impactaram o Nilo de maneira a impactar negativamente a produção agrícola e, assim, provocar a revolta no Egito Ptolemaico...[13]

Veja tambémEditar

CitaçõesEditar

  1. Diodorus Siculus, Bibliotheca historica, 18.21.9
  2. Robins, Gay (2008). The Art of Ancient Egypt (Revised Edition). Estados Unidos: Harvard University Press. 10 páginas. ISBN 978-0674030657 
  3. Hölbl, Günther (2001). A History of the Ptolemaic Empire. GB, EUA, Canada: Routledge. 22 páginas. ISBN 978-0-415-23489-4 
  4. Lewis, Naphtali (1986). Greeks in Ptolemaic Egypt: Case Studies in the Social History of the Hellenistic World. Oxford: Clarendon Press. pp. 5. ISBN 0-19-814867-4.
  5. Department of Ancient Near Eastern Art. "The Achaemenid Persian Empire (550–330 B.C.)". In Heilbrunn Timeline of Art History. New York: The Metropolitan Museum of Art, 2000–. http://www.metmuseum.org/toah/hd/acha/hd_acha.htm (Outubro de 2004) Fonte: The Achaemenid Persian Empire (550–330 B.C.) | Thematic Essay | Heilbrunn Timeline of Art History | The Metropolitan Museum of Art
  6. Hemingway, Colette, and Seán Hemingway. "The Rise of Macedonia and the Conquests of Alexander the Great". In Heilbrunn Timeline of Art History. New York: The Metropolitan Museum of Art, 2000–. http://www.metmuseum.org/toah/hd/alex/hd_alex.htm (October 2004) Source: The Rise of Macedonia and the Conquests of Alexander the Great | Thematic Essay | Heilbrunn Timeline of Art History | The Metropolitan Museum of Art
  7. Grabbe, L. L. (2008). A History of the Jews and Judaism in the Second Temple Period. Volume 2 – The Coming of the Greeks: The Early Hellenistic Period (335 – 175 BC). [S.l.]: T&T Clark. ISBN 978-0-567-03396-3 
  8. Ptolemy II Philadelphus [308-246 BC. Mahlon H. Smith. Retrieved 2010-06-13.
  9. a b c Burstein (2007), p. 7
  10. Fletcher 2008, pp. 246–247, image plates and captions
  11. Cleopatra: A Life
  12. http://penelope.uchicago.edu/Thayer/e/roman/texts/strabo/17a3*.html
  13. Manning, Joseph G.; Ludlow, Francis; Stine, Alexander R.; Boos, William R.; Sigl, Michael; Marlon, Jennifer R. (17 de outubro de 2017). «Volcanic suppression of Nile summer flooding triggers revolt and constrains interstate conflict in ancient Egypt». Nature Communications (em inglês). 8 (1). ISSN 2041-1723. doi:10.1038/s41467-017-00957-y 

ReferênciasEditar

Leitura adicionalEditar

  • Bingen, Jean. Hellenistic Egypt. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2007 (hardcover, ISBN 0-7486-1578-4; paperback, ISBN 0-7486-1579-2). Hellenistic Egypt: Monarchy, Society, Economy, Culture. Berkeley: University of California Press, 2007 (hardcover, ISBN 0-520-25141-5; paperback, ISBN 0-520-25142-3).
  • Bowman, Alan Keir. 1996. Egypt After the Pharaohs: 332 BC–AD 642; From Alexander to the Arab Conquest. 2nd ed. Berkeley: University of California Press
  • Chauveau, Michel. 2000. Egypt in the Age of Cleopatra: History and Society under the Ptolemies. Translated by David Lorton. Ithaca: Cornell University Press
  • Ellis, Simon P. 1992. Graeco-Roman Egypt. Shire Egyptology 17, ser. ed. Barbara G. Adams. Aylesbury: Shire Publications, ltd.
  • Hölbl, Günther. 2001. A History of the Ptolemaic Empire. Translated by Tina Saavedra. London: Routledge Ltd.
  • Lloyd, Alan Brian. 2000. "The Ptolemaic Period (332–30 BC)". In The Oxford History of Ancient Egypt, edited by Ian Shaw. Oxford and New York: Oxford University Press. 395–421
  • Susan Stephens, Seeing Double. Intercultural Poetics in Ptolemaic Alexandria (Berkeley, 2002).
  • A. Lampela, Rome and the Ptolemies of Egypt. The development of their political relations 273-80 B.C. (Helsinki, 1998).
  • J. G. Manning, The Last Pharaohs: Egypt Under the Ptolemies, 305-30 BC (Princeton, 2009).

Links externosEditar