Abrir menu principal

Eleições estaduais em Santa Catarina em 1982

As eleições estaduais em Santa Catarina em 1982 ocorreram em 15 de novembro como parte das eleições gerais em 23 estados do Brasil e nos territórios federais do Amapá e Roraima.[nota 1] Foram eleitos o governador Esperidião Amin, o vice-governador Victor Fontana, o senador Jorge Bornhausen, 16 deputados federais e 40 estaduais. Foi a primeira eleição direta para o governo estadual desde a vitória de Ivo Silveira em 1965 e não vigoravam os dois turnos em eleições majoritárias.[1]

1978 Brasil 1986
Eleições estaduais em  Santa Catarina em 1982
15 de novembro de 1982
(Turno único)
Esperidião Amin.jpg Male portrait placeholder cropped.jpg
Candidato Esperidião Amin Jaison Barreto
Partido PDS PMDB
Natural de Florianópolis, SC Laguna, SC
Vice Victor Fontana João Linhares
Votos 838.150 825.500
Porcentagem 49,97% 49,21%


Brasão de Santa Catarina.svg
Governador de Santa Catarina

Por conta de uma polarização onde PDS e PMDB conquistaram mais de 99% dos votos estes partidos esperaram até os derradeiros momentos da apuração para conhecer o resultado e nisso o governo ficou com o advogado e administrador Esperidião Amin (PDS) que começou a sua vida política na ARENA e ocupou a prefeitura de Florianópolis por nomeação do governador Antônio Carlos Konder Reis e elegeu-se deputado federal em 1978. O principal adversário de Esperidião Amin foi o médico e senador Jaison Barreto que passou pelo PTB e MDB. Também disputaram o governo: Eurides Mescolotto (PT), Lígia Doutel de Andrade (PDT) e Osmar Cunha (PTB), sendo que os dois últimos foram cassados através do Ato Institucional Número Cinco quando eram deputados federais.

Nos demais casos o PDS elegeu o ex-governador Jorge Bornhausen para o Senado Federal e dividiu com o PMDB a composição das bancadas proporcionais.

Paralela à disputa estadual foram eleitos prefeitos, vice-prefeitos e vereadores em 198 municípios sendo que em Florianópolis e em outros seis[nota 2] foram eleitos apenas vereadores, pois durante o Regime Militar de 1964 as capitais de estado, áreas de segurança nacional e instâncias hidrominerais tinham seus prefeitos escolhidos indiretamente.

Com a chegada da Nova República em 15 de março de 1985 o grupo vitorioso na eleição catarinense se separou com Esperidião Amin no PDS e Jorge Bornhausen no PFL. A partir disso abriu-se um período de domínio do PMDB, vitorioso nos sete municípios onde houve eleições para prefeito em 1985 e nas eleições de 1986.

Índice

Resultado da eleição para governadorEditar

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina houve 121.927 votos em branco (6,66%) e 32.578 votos nulos (1,78%), calculados sobre o comparecimento de 1.831.811 eleitores.[2]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Esperidião Amin
PDS
Victor Fontana
PDS
1
PDS (sem coligação)
838.150
49,97%
Jaison Barreto
PMDB
João Linhares
PMDB
5
PMDB (sem coligação)
825.500
49,21%
Eurides Mescolotto
PT
Vitório Sistherenn
PT
3
PT (sem coligação)
6.803
0,41%
Lígia Doutel de Andrade
PDT
Sílvio Rangel de Figueiredo
PDT
2
PDT (sem coligação)
4.752
0,27%
Osmar Cunha
PTB
Ary Schubert
PTB
4
PTB (sem coligação)
2.281
0,14%
  Eleito

Resultado da eleição para senadorEditar

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina houve 149.943 votos em branco (8,19%) e 37.314 votos nulos (2,04%), calculados sobre o comparecimento de 1.831.811 eleitores.[1][2]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Jorge Bornhausen
PDS
Ivan Bonato
João Bittencourt
PDS
10
PDS (sem coligação)
816.386
49,64%
Pedro Ivo Campos
PMDB
Paulo Macarini
Rony Zaniboni
PMDB
50
PMDB (sem coligação)
814.947
49,56%
Valmir Martins
PT
Valdemiro Jochen
Paulo Bagatoli
PT
30
PT (sem coligação)
6.719
0,41%
Acácio Bernardes
PDT
Ana Borges dos Reis
José Ritter
PDT
20
PDT (sem coligação)
4.346
0,26%
João Caznok Filho
PTB
Aristides João Geraldo Thomaz
Ricardo Luiz Paludo
PTB
40
PTB (sem coligação)
2.156
0,13%
  Eleito

Deputados federais eleitosEditar

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[3][4]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Luiz Henrique da Silveira PMDB 121.434 6,62% Blumenau   Santa Catarina
Vilson Kleinübing[nota 3] PDS 106.388 5,80% Montenegro   Rio Grande do Sul
Renato Viana PMDB 99.167 5,41% Blumenau   Santa Catarina
Nelson Morro PDS 94.647 5,16% Indaial   Santa Catarina
Walmor de Luca PMDB 73.853 4,03% Criciúma   Santa Catarina
João Paganella PDS 73.242 3,99% Esmeralda   Rio Grande do Sul
Casildo Maldaner PMDB 72.380 3,95% Carazinho   Rio Grande do Sul
Odilon Salmoria PMDB 72.319 3,94% Videira   Santa Catarina
Artenir Werner[nota 4] PDS 67.139 3,66% Rio do Sul   Santa Catarina
Ademar Ghisi[nota 5] PDS 66.859 3,64% Tubarão   Santa Catarina
Dirceu Carneiro PMDB 64.609 3,52% Curitibanos   Santa Catarina
Epitácio Bittencourt PDS 61.896 3,37% Imaruí   Santa Catarina
Ivo Vanderlinde PMDB 60.377 3,29% Braço do Norte   Santa Catarina
Pedro Colin PDS 58.738 3,20% Porto Alegre   Rio Grande do Sul
Nelson Wedekin PMDB 49.933 2,72% Mondaí   Santa Catarina
Paulo Melro PDS 44.702 2,44% Blumenau   Santa Catarina

Deputados estaduais eleitosEditar

Na disputa pelas quarenta cadeiras da Assembleia Legislativa de Santa Catarina o PDS superou o PMDB por vinte e um a dezenove.[1]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Nagib Zattar PDS 35.593 Joinville   Santa Catarina
Edison Andrino[nota 6] PMDB 35.502 Florianópolis   Santa Catarina
Cláudio Ávila[nota 7] PDS 35.452 Florianópolis   Santa Catarina
Francisco Küster PMDB 31.753 São Joaquim   Santa Catarina
Francisco de Assis Filho PDS 30.339 Florianópolis   Santa Catarina
João Manoel de Borba Neto PMDB 29.951 Blumenau   Santa Catarina
Gentil Archer PMDB 29.605 Nova Trento   Santa Catarina
Iraí Zílio PMDB 27.503 Catanduvas   Santa Catarina
Dércio Knop PMDB 27.083 Palmeira das Missões   Rio Grande do Sul
Ivan Ranzolin PDS 26.864 Lages   Santa Catarina
João Norberto Coelho Neto PMDB 25.976 Barra Velha   Santa Catarina
Aldo Andrade PDS 25.756 Lages   Santa Catarina
Ruberval Pilotto PDS 25.433 Urussanga   Santa Catarina
Heitor Sché PDS 24.949 Rio do Sul   Santa Catarina
Pedro Bittencourt PDS 24.880 Florianópolis   Santa Catarina
Jarvis Gaidzinski PDS 24.404 Criciúma   Santa Catarina
Martinho Ghizzo PMDB 24.079 Tubarão   Santa Catarina
Amilcar Gazaniga PDS 23.871 Itajaí   Santa Catarina
Antônio Henrique Bulcão Viana PDS 23.064 Florianópolis   Santa Catarina
Roland Dornbusch PMDB 23.301 Jaraguá do Sul   Santa Catarina
Neuto de Conto PMDB 23.122 Encantado   Rio Grande do Sul
Otávio Santos PDS 22.967 Paulo Lopes   Santa Catarina
Jorge Silva PMDB 22.838 Lages   Santa Catarina
Roberto Mota PMDB 22.790 Criciúma   Santa Catarina
Cid Pedroso PMDB 22.766 Campos Novos   Santa Catarina
Geovah Amarante PMDB 22.161 São Francisco do Sul   Santa Catarina
Admir Bortolini PMDB 22.082 Concórdia   Santa Catarina
Stélio Boabaid PMDB 22.068 Rosário   Maranhão
Jair Girardi PMDB 21.825 Rio do Oeste   Santa Catarina
Álvaro Correia PMDB 21.737 Itajaí   Santa Catarina
Neudy Massolini PDS 21.486 Serafina Corrêa   Rio Grande do Sul
Lauro Silva PMDB 21.297 Braço do Norte   Santa Catarina
Otair Becker PDS 20.751 Itaiópolis   Santa Catarina
Moacir Bértoli PDS 20.061 Taió   Santa Catarina
Salomão Ribas Júnior PDS 19.924 Caçador   Santa Catarina
Vasco Furlan PDS 19.209 Tupanciretã   Rio Grande do Sul
Otacílio Ramos PDS 18.699 Joinville   Santa Catarina
Júlio César PDS 18.643 Itajaí   Santa Catarina
Elói Ranzi PDS 18.134 Sarandi   Rio Grande do Sul
Marcondes Marchetti PDS 17.334 Dona Emma   Santa Catarina

Notas

  1. Por força de um casuísmo político a eleição direta em Rondônia excluiu o cargo de governador enquanto Amapá e Roraima elegeram apenas quatro deputados federais cada e em Fernando de Noronha não houve eleições.
  2. Descanso, Dionísio Cerqueira, Guaraciaba, Itapiranga, São José do Cedro e São Miguel do Oeste.
  3. Licenciou-se para exercer o cargo de Secretário de Agricultura no governo Esperidião Amin, fato que possibilitou as convocações de Evaldo Amaral e Fernando Bastos.
  4. Secretário de Cultura do governo Esperidião Amin, foi substituído por Fernando Bastos.
  5. Renunciou ao mandato em 6 de março de 1985 para assumir uma cadeira no Tribunal de Contas da União, sendo efetivado Evaldo Amaral.
  6. Eleito prefeito de Florianópolis em 15 de novembro de 1985.
  7. Nomeado prefeito de Florianópolis pelo governador Esperidião Amin em abril de 1983, permaneceu no cargo até 1º de janeiro de 1986.

Referências

  1. a b c «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 15 de março de 2019 
  2. a b «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina». Consultado em 17 de abril de 2013 
  3. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 26 de junho de 2016. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  4. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 26 de junho de 2016