Abrir menu principal

Eleições estaduais no Espírito Santo em 1982

As eleições estaduais no Espírito Santo em 1982 aconteceram em 15 de novembro como parte das eleições nos 23 estados e nos territórios federais do Amapá e Roraima.[1] Foram eleitos o governador Gerson Camata, o vice-governador José Moraes, o senador José Ignácio Ferreira, nove deputados federais e vinte e sete estaduais numa época onde não vigiam os dois turnos em eleições majoritárias. Foi a primeira disputa direta pelo Palácio Anchieta desde o triunfo de Francisco Aguiar em 1962 e nela foram observadas regras como: voto vinculado, sublegenda e proibição de coligações partidárias. Quanto aos capixabas domiciliados no Distrito Federal, eles tiveram seus votos mandados ao Espírito Santo através de urnas especiais.[2][3][4][5][nota 1]

‹ 1978 Brasil 1986
Eleições estaduais no  Espírito Santo em 1982
15 de novembro de 1982
(Turno único)
Gerson camata.JPG Carlos Alberto Lindenberg Von Schilgen, vice-governador do Espírito Santo no governo de Élvio Álvares..tif
Candidato Gerson Camata Carlos von Schilgen
Partido PMDB PDS
Natural de Castelo, ES Vitória, ES
Vice José Moraes Feu Rosa
Votos 448.074 282.728
Porcentagem 60,34% 38,07%


Brasão do Espírito Santo.svg
Governador do Espírito Santo

Conhecido como o jornalista responsável pelo Ronda da Cidade apresentado na Rádio Cidade de Vitória, Gerson Camata nasceu em Castelo e se elegeu vereador na capital capixaba via ARENA em 1966 e três anos mais tarde formou-se em economia pela Universidade Federal do Espírito Santo.[6] Eleito deputado estadual em 1970 e deputado federal em 1974 e 1978, migrou para o PMDB tão logo o governo João Figueiredo extinguiu o bipartidarismo.[7] Candidato ao Palácio Anchieta em 1982, recebeu o apoio de dissidentes do PDS sob a liderança de Elcio Alvares e que estavam insatisfeitos com a decisão do governador Eurico Resende em respaldar Carlos von Schilgen e assim venceu a eleição.[8][9] Seus primeiros meses como governador transcorreram sob uma queixa-crime por ofensas à honra do presidente João Figueiredo, a quem chamara de "mentiroso", mas o processo foi arquivado pelo Supremo Tribunal Federal em 16 de novembro de 1983 sendo que Camata já havia pedido desculpas pelo ocorrido.[10][11]

Médico natural de Alegre com graduação na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro,[nota 2] o anestesiologista José Moraes prestou serviços ao atual Instituto Nacional do Seguro Social, foi diretor clínico da Santa Casa de Vitória e fundador da Sociedade de Anestesiologistas na capital capixaba. Eleito deputado estadual via PSP em 1962, foi escolhido presidente da Assembleia Legislativa do Espírito Santo e após ingressar na ARENA foi reeleito parlamentar em 1966, mas ao final do mandato afastou-se da política até sua filiação ao antigo PP e depois ao PMDB e sua eleição a vice-governador ao lado de Gerson Camata em 1982 e quatro anos mais tarde assumiu o governo quando o titular renunciou para disputar uma cadeira de senador.[12][13]

Advogado formado pela Universidade Federal do Espírito Santo, José Ignácio Ferreira nasceu em Vitória e foi também promotor de justiça e professor. Eleito vereador na capital capixaba em 1962, ingressou no MDB sendo eleito deputado estadual em 1966, porém foi cassado pelo Ato Institucional Número Cinco em 13 de março de 1969 e teve os direitos políticos suspensos por dez anos.[14] Finda a punição foi escolhido presidente da seccional capixaba da Ordem dos Advogados do Brasil e em 1982 elegeu-se senador por uma sublegenda do PMDB.[15][12]

Em Vitória não houve eleição para prefeito e vice-prefeito por conta da legislação vigente, apenas para vereadores.[nota 3] Na disputa pelas 56 prefeituras restantes o PMDB somou 32 contra 25 do PDS.[16]

Índice

Resultado da eleição para governadorEditar

Segundo a Justiça Eleitoral houve 63.859 votos em branco (7,73%) e 19.449 votos nulos (2,35%), calculados sobre o comparecimento de 825.934 eleitores.[1][2]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Gerson Camata
PMDB
José Moraes
PMDB
5
PMDB (sem coligação)
448.074
60,34%
Carlos von Schilgen
PDS
Feu Rosa
PDS
1
PDS (sem coligação)
282.728
38,07%
Perly Cipriano
PT
Maria José Machado
PT
3
PT (sem coligação)
10.588
1,42%
Osvaldo Mármore
PDT
Augusto Nogueira
PDT
2
PDT (sem coligação)
1.236
0,17%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senadorEditar

Segundo a Justiça Eleitoral houve 78.338 votos em branco (9,48%) e 24.324 votos nulos (2,95%), calculados sobre o comparecimento de 825.934 eleitores.[1][2][nota 4][nota 5]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Camilo Cola
PDS
-
PDS
10
PDS (em sublegenda)
198.385
27,43%
José Ignácio Ferreira
PMDB
[nota 4]
PMDB
50
PMDB (em sublegenda)
186.275
25,75%
Berredo de Menezes
PMDB
[nota 4]
PMDB
51
PMDB (em sublegenda)
164.807
22,79%
Setembrino Pelissari
PDS
-
PDS
12
PDS (em sublegenda)
78.676
10,88%
Dirceu Cardoso
PMDB
[nota 4]
PMDB
52
PMDB (em sublegenda)
70.761
9,78%
Vicente Silveira
PDS
-
PDS
11
PDS (em sublegenda)
13.048
1,80%
Rogério Sarlo de Medeiros
PT
-
PT
30
PT (sem coligação)
10.176
1,41%
Guilherme Breder
PDT
-
PDT
20
PDT (sem coligação)
1.144
0,16%
  Eleito(a)

Deputados federais eleitosEditar

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[17] Ressalte-se que os votos em branco eram incluídos no cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[18]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Max Mauro PMDB 87.042 Vila Velha   Espírito Santo
Hélio Manhães PMDB 68.187 Cariacica   Espírito Santo
Theodorico Ferraço PDS 61.690 Cachoeiro de Itapemirim   Espírito Santo
Nyder Barbosa[nota 6] PMDB 49.826 Itaguaçu   Espírito Santo
Myrthes Bevilacqua PMDB 46.604 Vitória   Espírito Santo
Wilson Haese[nota 7] PMDB 41.960 Pancas   Espírito Santo
Pedro Ceolin PDS 37.696 Colatina   Espírito Santo
Stélio Dias PDS 37.253 Vitória   Espírito Santo
José Carlos da Fonseca PDS 36.567 São José do Calçado   Espírito Santo

Deputados estaduais eleitosEditar

Na disputa pelas vinte e sete cadeiras da Assembleia Legislativa do Espírito Santo o PMDB superou o PDS por dezesseis a onze.[1][2]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
José Teodomiro Casagrande PMDB 24.856
Douglas Puppin PMDB 22.821
Rose de Freitas PMDB 22.664 Caratinga   Minas Gerais
Jorge Devens de Oliveira PDS 20.150
Paulo Hartung PMDB 19.486 Guaçuí   Espírito Santo
Hermes Gonçalves PMDB 19.041
Antônio Pelaes[nota 8] PMDB 18.720
Dailson Laranja PMDB 17.756
Dilton Lírio Neto PMDB 16.454
João Gama Filho PMDB 15.686
Juraci Magalhães Gomes PMDB 15.543
Moacir Brotas Júnior PMDB 15.426
Alício Franco PDS 15.182
Oséas Ximenes Monte PMDB 15.002
Hugo Borges PMDB 13.761
Armando Batista Viola PMDB 13.076
Salvador Bonomo PMDB 12.970
Valci Souza PMDB 12.760
Emir de Macedo Gomes PDS 12.633
Jorge Daher Filho PDS 12.468
João Miguel Feu Rosa PDS 12.316 Vitória   Espírito Santo
Pedro Leal PDS 11.844
Heraldo Barbosa Musso PDS 11.629
Lúcio Merçon PDS 11.350 Muniz Freire   Espírito Santo
Luiz Gonzaga Borges PDS 11.341
Antônio Moreira PDS 10.292
Alcino Santos PDS 9.526

Notas

  1. Por força de um casuísmo político a eleição direta em Rondônia excluiu o cargo de governador e sobre os territórios federais do Amapá e Roraima estes elegeram apenas quatro deputados federais cada e em Fernando de Noronha não houve eleições.
  2. Trata-se da UNIRIO e não da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
  3. Na capital do estado o governador Gerson Camata nomeou quatro prefeitos ao longo de sua gestão: Berredo de Menezes, Moacir Cipreste, Stanislau Kostka Stein e José Moraes.
  4. a b c d Mesmo antes de promulgada a Emenda Constitucional Número Um, a Constituição de 1967 dizia (Art. 43 § 2º) que cada senador seria eleito com o seu suplente. Em 1982 os partidos poderiam apresentar até três candidatos a senador cabendo aos menos votados a condição de suplentes do eleito.
  5. A tríade do PMDB conseguiu 421.843 votos (58,32%) para senador enquanto seus rivais do PDS somaram 290.109 votos (40,11%).
  6. Secretário de Fazenda no governo Gérson Camata, foi substituído por Luiz Batista.
  7. Secretário de Educação no governo Gérson Camata, foi substituído por Nelson Aguiar.
  8. Eleito vice-prefeito de Vitória na chapa de Hermes Laranja em 1985, foi substituído por Américo Bernardes da Silveira.

Referências

  1. a b c d «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 4 de setembro de 2017 
  2. a b c d «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo». Consultado em 4 de setembro de 2017 
  3. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 6.091 de 15/08/1974». Consultado em 4 de setembro de 2017 
  4. «BRASIL. Presidência da República: Emenda Constitucional 22 de 29/06/1982». Consultado em 6 de setembro de 2017 
  5. «BRASIL. Presidência da República: Lei Complementar 41 de 22/12/1981». Consultado em 6 de setembro de 2017 
  6. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Gerson Camata». Consultado em 5 de setembro de 2017 
  7. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 6.767 de 20/12/1979». Consultado em 5 de setembro de 2017 
  8. Álvares só ajudará "seus companheiros" (online). O Estado de S. Paulo, 13/06/1982. Página visitada em 23 de abril de 2013.
  9. PDS não tem esperança de ganhar no Espírito Santo (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 07/11/1982. Primeiro caderno, p. 04. Página visitada em 5 de setembro de 2017.
  10. Camata pede desculpas em carta a Figueiredo (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 14/12/1982. Primeiro caderno, p. 03. Página visitada em 5 de setembro de 2017.
  11. Camata se livra de processo (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 17/11/1983. Primeiro caderno, p. 02. Página visitada em 5 de setembro de 2017.
  12. a b Camata já é candidato no E. Santo (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 18/07/1982. Primeiro caderno, p. 04. Página visitada em 5 de setembro de 2017.
  13. Vices assumem em 7 estados para liberar os governadores (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 13/05/1986. Política, p. 03. Página visitada em 5 de setembro de 2017.
  14. Govêrno (sic) cassa 92 deputados estaduais e três federais (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 14/03/1969. Primeiro caderno, p. 03. Página visitada em 5 de setembro de 2017.
  15. «Senado Federal do Brasil: senador José Ignácio Ferreira». Consultado em 5 de setembro de 2017 
  16. ES dá 32 prefeitos ao PMDB (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 24/11/1982. Política, p. 06. Página visitada em 5 de setembro de 2017.
  17. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 4 de setembro de 2017. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  18. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 4 de setembro de 2017