Guerra Israel-Hamas

grande escalada do conflito israelo-palestino iniciada em 7 de outubro de 2023

A guerra Israel-Hamas, também referido como conflito Israel-Gaza ou conflito israelo-palestino de 2023, começou em 7 de outubro após um ataque terrorista coordenado por vários grupos militantes palestinos contra cidades israelenses, passagens de fronteira, instalações militares adjacentes e colonatos civis nas proximidades da Faixa de Gaza, no sul de Israel.[28][29] Descrito como uma Terceira Intifada por alguns observadores,[30][31][32][33] as hostilidades foram iniciadas por um bombardeio de mísseis contra Israel e incursões transportadas em veículos para o território israelense, tendo sido realizados vários ataques contra os militares israelenses, bem como contra as comunidades civis israelenses.[34] A retaliação israelense com bombardeios e incursões militares contra Gaza foi chamada de Operação Espadas de Ferro.[35]

Guerra Israel-Hamas
Parte do Conflito israelo-palestino

  Áreas evacuadas dentro de Israel
  Áreas dentro da Faixa de Gaza sob controle israelense
  Maior avanço israelense na Faixa de Gaza
                     Extensão máxima de avanço do Hamas
                     Áreas dentro da Faixa de Gaza a serem evacuadas ordenadas por Israel
Data 7 de outubro de 2023 – presente
(9 meses e 13 dias)
Local Israel, Palestina (principalmente na Faixa de Gaza), Síria e sul do Líbano
Desfecho Em andamento
Beligerantes
Hamas
Jihad Islâmica
FPLP[1]
FDLP[2]
Comitês de Resistência Popular
FPLP-CG
Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa

Apoio:
 Israel

Apoio:
Comandantes
Unidades
Brigadas Al-Qassam
Brigadas Al-Quds
Brigadas Abu Ali Mustafa
Brigadas de Resistência Nacional
Brigadas Al-Nasser Salah al-Deen
Brigadas Jihad Jibril
Forças de Defesa de Israel
Polícia Israelense
Israel Shin Bet
Forças
Brigadas Al-Qassam:
40 000 combatentes[8]
  • 2 500 militantes do Hamas se infiltraram em Israel[a]
169 500 militares ativos[10] e 360 000 reservistas[11]
Baixas
Segundo os palestinos:[b]

Segundo os israelenses:

  • 9 000+ militantes do Hamas mortos[16]

Síria e Líbano:

Segundo os israelenses:
  • 1 498 mortos[d]
  • 10 580 feridos[24]
  • 254 sequestrados[25]

1 900 000 civis palestinos deslocados de suas casas em Gaza (segundo a ONU)[26]
200 000 – 500 000 civis israelenses deslocados de suas casas[27]

O ataque foi liderado por grupos militantes palestinos, incluindo o Hamas, a Jihad Islâmica e a Frente Popular para a Libertação da Palestina, com o apoio do Irã.[36] O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, apoiou verbalmente o levante, afirmando que os palestinos tinham o direito de se defenderem contra a ocupação israelense.[37][38] O Coordenador Especial das Nações Unidas para o Processo de Paz no Oriente Médio, a União Europeia e muitos países membros expressaram condenação dos ataques e disseram que Israel tinha o direito à autodefesa.[39][40]

Pelo menos 2 200 mísseis foram disparados da Faixa de Gaza nas primeiras horas enquanto militantes do Hamas violavam a barreira Israel-Gaza, matando pelo menos 200 israelenses e levando o governo de Israel a declarar estado de emergência; o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou que Israel "está em guerra" em um discurso nacional após o início dos ataques.[41][42][43][44] Militantes palestinos que se infiltraram em Israel invadiram vários kibutz ao redor da Faixa de Gaza e da cidade israelense de Sderot,[34] com fontes da mídia palestina e israelense relatando que soldados e civis israelenses haviam sido feitos reféns.[45]

Vários países do mundo ocidental e seus aliados condenaram o Hamas pela violência[46] e chamaram as táticas utilizadas pela organização de "terrorismo";[47] enquanto vários países do mundo muçulmano culparam a ocupação israelense dos territórios palestinos e a negação da autodeterminação palestina como a causa da escalada da violência.[48][49] A Anistia Internacional condenou tanto o Hamas quanto Israel pela conduta da guerra.[50] O conflito produziu uma grave crise humanitária no território de Gaza,[51] com mais de 30 mil mortos e 80 mil feridos palestinos (até abril de 2024),[52] incluindo milhares de mulheres e crianças, destruição maciça de infraestrutura e habitações,[53] quase dois milhões de pessoas desalojadas de suas casas, desabastecimento generalizado de energia, combustível e medicamentos, destruição de hospitais e serviços sanitários, 95% da população perdeu o acesso à água de boa qualidade e a fome atingiu virtualmente 100% da população.[51][54] Segundo oficiais das Nações Unidas, "a crise humanitária em Gaza é mais do que catastrófica, e piora a cada dia. Nos três meses desde o início do conflito, Gaza tornou-se um lugar de morte e desespero".[51] No lado israelense mais de 1,5 mil pessoas morreram[55] e 500 mil foram desalojadas.[27]

Os grupos militantes palestinos apelidaram seu ataque de Operação Dilúvio de Al-Aqsa (em árabe: عملية طوفان الأقصى, translit. ʿamaliyyat ṭūfān al-ʾAqṣā),[56][57] enquanto Israel anunciou o início de um esforço contraofensivo chamado Operação Espadas de Ferro (em hebraico: מבצע חרבות ברזל).[58] O início do ataque palestino coincidiu com o 50.º aniversário da eclosão da Guerra do Yom Kippur.[59] Também tem sido referida como a Guerra Israelo-Palestina.[60] Várias agências de notícias e observadores descreveram o conflito em curso como a Terceira Intifada.[30][61]

Antecedentes

editar

A Faixa de Gaza e Israel têm estado em conflito desde a retirada israelense da Faixa de Gaza em 2005 e o Hamas ganhando o controle da Faixa de Gaza após as eleições em 2006 e uma guerra civil com a Fatah em 2007.[62] A Faixa de Gaza está sob bloqueio israelense e egípcio desde 2007.[63]

O ataque ocorreu após três semanas de violência na barreira de separação entre Israel e Gaza. O Hamas e Israel negociaram recentemente uma trégua, mediada pelo Catar, pelo Egito e pelas Nações Unidas em 29 de setembro.[64]Antes do ataque e incluindo combatentes e civis de ambos os lados, pelo menos 247 palestinos foram mortos pelas forças israelenses em 2023, enquanto 32 israelenses e dois cidadãos estrangeiros foram mortos em ataques palestinos.[65][66]

O ataque ocorreu durante o feriado judaico de Simchat Torá e Shabat, e um dia após o 50.º aniversário da Guerra do Yom Kippur, que também começou com um ataque surpresa.[67]

Israel e a Arábia Saudita estão a conduzir negociações para normalizar as relações, com o príncipe herdeiro saudita Mohammad bin Salman a afirmar recentemente que a normalização era "pela primeira vez, real".[68] O Ministério das Relações Exteriores da Arábia Saudita disse em um comunicado que havia "alertado repetidamente que a ocupação contínua de Gaza por Israel impulsionaria mais violência".[69]

O comandante das Brigadas Izz ad-Din al-Qassam, Mohammed Deif, disse que o ataque foi em resposta à "profanação da Mesquita de Al-Aqsa" e apelou aos palestinos e árabes israelenses para "expulsarem os ocupantes e demolirem os muros".[70][71] O líder do Hamas, Saleh al-Arouri, disse que a operação foi uma resposta "aos crimes da ocupação", acrescentando que os combatentes defendiam a mesquita de Al-Aqsa e milhares de prisioneiros palestinos detidos por Israel.[72]

Invasão

editar

Ofensiva palestina

editar
 Ver artigo principal: Ataque do Hamas a Israel em 2023
 
Situação entre 7 e 8 de outubro, sendo as áreas em azul indicando atividade de membros do Hamas na região
Imagens da câmera corporal da unidade de elite israelense limpando a área do massacre no festival de música de Re'im. Vários cadáveres de civis israelenses podem ser vistos.

Por volta das 06h30, hora local, de 7 de outubro de 2023,[65]o Hamas anunciou o início do que chamou de "Operação Dilúvio Al-Aqsa", afirmando que havia disparado mais de 5 mil mísseis da Faixa de Gaza contra Israel em um período de 20 minutos. A mídia israelense informou que pelo menos 2 200 projéteis foram lançados de Gaza. Pelo menos cinco pessoas foram mortas pelos ataques de mísseis.[73][42][74]Explosões foram relatadas em áreas ao redor da Faixa e em cidades da planície de Sarom, incluindo Gedera, Herzliya,[34]Tel Aviv e Ascalão.[74] Sirenes de ataque aéreo também foram ativadas em Bersebá, Jerusalém, Rehovot, Rishon LeZion e Base Aérea de Palmachim.[75][28][76]

O Hamas lançou um apelo às armas, com o comandante militar sênior Mohammad Deif apelando aos "muçulmanos de todo o mundo para lançarem um ataque".[42]Militantes palestinos também abriram fogo contra barcos israelenses ao largo da Faixa de Gaza, enquanto eclodiram confrontos entre palestinos e as Forças de Defesa de Israel na seção oriental da cerca do perímetro de Gaza.[75]

Simultaneamente, militantes palestinos infiltraram-se em Israel a partir de Gaza usando caminhões, camionetes, motocicletas, escavadeiras e parapentes.[72][65][68]Imagens e vídeos pareciam mostrar militantes fortemente armados e mascarados, vestidos com uniformes pretos, dirigindo camionetes[74][76]e abrindo fogo em Sderot, matando vários civis e soldados israelenses. Um vídeo de Gaza mostrou o cadáver de um soldado israelense sendo pisoteado por uma multidão que gritava "Takbir".[77]

Outros vídeos pareciam mostrar israelenses feitos prisioneiros e um tanque israelense em chamas,[78][42]bem como militantes dirigindo veículos militares israelenses.[74]Também foi relatado que militantes abriram fogo em um festival de natureza ao ar livre.[67] Infiltrados também foram vistos em Be'eri e Netiv HaAsara, onde supostamente fizeram reféns[79] e incendiaram casas,[34]bem como em kibutz ao redor da Faixa de Gaza.[34]

Um porta-voz militar de Israel afirmou que os militantes de Gaza invadiram quatro pequenas comunidades rurais israelenses, a cidade fronteiriça de Sderot e duas bases militares terrestres e marítimas.[68]A mídia israelense informou que sete comunidades ficaram sob o controle do Hamas, incluindo Nahal Oz, Kfar Aza, Magen e Sufa Beheri.[64]

Foi relatado que a delegacia de polícia de Sderot ficou sob o controle do Hamas,[75] assim como a passagem de Erez, permitindo que os militantes entrassem em Israel a partir de Gaza.[73] O Comissário da Polícia Israelense Kobi Shabtai disse que havia atualmente 21 locais ativos de alto confronto no sul de Israel.[80]

Contra-ataque israelense e invasão de Gaza

editar
 
Mapa da situação no final de 9 de outubro. Em amarelo, as zonas libertadas pelo exército israelense e em azul são regiões onde ainda eram reportadas atividades do Hamas

O ataque, que coincidiu com o feriado judaico de Simchat Torá, pareceu ter surpreendido muitos israelenses.[28] O sistema de defesa aérea Cúpula de Ferro foi ativado.[75] O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e o ministro da Defesa Yoav Galant conduziram avaliações de segurança na sede das Forças de Defesa de Israel (FDI, em inglês IDF) em Tel Aviv.[76][74] As FDI declararam um "estado de prontidão para a guerra" e disseram que atacaram alvos em Gaza usando caças,[73] supostamente atingindo 17 compostos militares do Hamas.[74] Gallant aprovou mais tarde a mobilização de reservistas do exército[65]e declarou estado de emergência num raio de 80 quilómetros da fronteira de Gaza.[64] Ele também disse que o Hamas "cometeu um grave erro" ao lançar o seu ataque e prometeu que "Israel vencerá".[72] As FDI disseram que os reservistas seriam destacados não apenas para Gaza, mas também para a Cisjordânia e ao longo das fronteiras com o Líbano e a Síria.[81] Os residentes em áreas ao redor da Faixa de Gaza foram convidados a permanecer dentro de casa, enquanto os civis no sul e centro de Israel foram "obrigados a permanecer próximos a abrigos".[74] As estradas ao redor da Faixa de Gaza foram fechadas pelas FDI.[72] As ruas de Tel Aviv também foram fechadas.[74]

 
Soldados israelenses no litoral da Faixa de Gaza em 29 de outubro.

Após o ataque, Israel declarou um elevado estado de preparação para potenciais conflitos.[82] As FDI declararam estado de prontidão para a guerra e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu convocou uma reunião de emergência das autoridades de segurança. As FDI também relataram o início de ações direcionadas na Faixa de Gaza, sob o que chamou de "Operação Espadas de Ferro".[83][73] No dia do ataque, as forças israelenses relataram ter atingido 17 complexos militares do Hamas e quatro centros de comando operacional em Gaza com ataques aéreos.[64] O Comissário da Polícia de Israel, Kobi Shabtai, anunciou que existia um "estado de guerra", após o que chamou de "um ataque massivo a partir da Faixa de Gaza".[84] Ele também anunciou o fechamento de toda a região sul de Israel para o "movimento civil", bem como o envio da unidade antiterrorista Yamam para a área.[80]

 
Soldados israelenses em Gaza em 31 de outubro

O presidente israelense, Isaac Herzog, disse que o país enfrentava "um momento muito difícil" e ofereceu força e incentivo às FDI, outras forças de segurança, serviços de resgate e residentes que estavam sob ataque.[76] Numa transmissão televisiva, o primeiro-ministro Netanyahu declarou: "Estamos em guerra".[68]Ele também disse que as FDI reforçariam os seus destacamentos nas fronteiras para dissuadir outros de "cometer o erro de se juntarem a esta guerra".[85]

 
Um prédio na Faixa de Gaza bombardeado por Israel

Os aeroportos no sul do centro de Israel foram fechados para uso comercial e privado, enquanto o Aeroporto Internacional Ben Gurion permaneceu operacional.[86] A Lufthansa reduziu os seus voos para apenas um de Tel Aviv para Frankfurt e cancelou outros serviços regulares em 7 de outubro.[87]

As forças armadas israelenses bombardearam Gaza utilizando principalmente seus caças,[73] atingindo dezessete complexos militares do Hamas e destruindo quatro postos de comando.[64] No dia seguinte, em 8 de outubro, Israel atacou cerca de 426 alvos[88] na Faixa de Gaza.[89] No dia seguinte, foram outros 500 alvos atingidos, incluindo campos de treinamento, depósitos de munição e mísseis e complexos de administração locais palestinos.[90] Enquanto isso, Israel continuou a mobilizar tropas e equipamentos no sul, ao mesmo tempo que também reforçava suas defesas na fronteira com o Líbano. O ministro da Defesa israelense, Yoav Galant, anunciou um bloqueio "total" à Faixa de Gaza que cortaria a eletricidade e bloquearia a entrada de alimentos e combustível, acrescentando que "estamos a lutar contra os animais humanos e estamos a agir em conformidade".[91] Enquanto isso, o Hamas continuava a lançar foguetes contra Israel a partir de Gaza, colocando seus lançadores normalmente em áreas densamente povoadas. A defesa antiaérea israelense Cúpula de Ferro abatia muitos destes projéteis.[92][93]

Em 13 de outubro, Israel emitiu um comunicado para a população de Gaza abandonar a banda norte do país e evacuar para o sul.[94][95] A evacuação do norte de Gaza, que envolveria o deslocamento de 1,1 milhão de palestinos, foi considerada impossível pela ONU, que num comunicado alertou para "consequências humanitárias devastadoras".[96]

O comando das Forças de Defesa de Israel (FDI) afirmou então que as suas forças terrestres tinham conduzido ataques localizados em Gaza, dizendo que estavam a atacar militantes do Hamas e a procurar reféns feitos durante o seu ataque.[97][98] Os israelenses haviam mobilizado cerca de 360 000 reservistas para complementar seu exército de 160 000 combatentes, reunindo milhares de militares e equipamento na fronteira com a Faixa de Gaza.[93]

 
Tanques israelenses Merkava em meios às ruínas de Gaza em 1 de novembro.

Em 17 de outubro, uma forte explosão aconteceu no estacionamento do Hospital Batista Árabe Al-Ahli no centro da Cidade de Gaza, destruindo veículos e causando danos no prédio, matando centenas de civis palestinos. A causa da explosão foi contestada. De acordo com o Ministério da Saúde de Gaza, administrado pelo Hamas, a explosão foi atribuída a um ataque aéreo israelense e teria matado pelo menos 500 civis no hospital.[99][100] Esta afirmação foi negada pelas forças armadas israelenses, que afirmaram que a explosão resultou de um lançamento fracassado de foguete pela Jihad Islâmica Palestina, visando a cidade israelense de Haifa. Israel divulgou imagens de um foguete parecendo mudar de curso e explodir, seguido por uma explosão na cidade abaixo. O exército israelense também divulgou o que alegou ser uma conversa telefônica interceptada entre militantes do Hamas reconhecendo que a explosão foi causada por um foguete do grupo Jihad Islâmica.[101] Um porta-voz do grupo negou envolvimento no ocorrido.[102][103]

Enquanto Gaza continuava a ser bombardeada diariamente, de forma intensa, pela força aérea israelense, combates também se expandiam para a região da Cisjordânia, com confrontos entre membros do exército de Israel e militantes palestinos. Somente em 19 de outubro, cerca de 60 membros do Hamas (incluindo o porta-voz do grupo) foram presos na região.[104]

 
Criança palestina ferida após ataque israelense

Em 20 de outubro, ajuda humanitária voltou a fluir em direção a Faixa de Gaza a partir do Egito (anteriormente os israelenses haviam bloqueado o fornecimento de água, comida e eletricidade para a região). Um comboio de vinte veículos transportando remédios, equipamentos médicos e uma quantidade limitada de alimentos foi o primeiro permitido a cruzar a fronteira.[105] De acordo com um repórter da Al Jazeera, os ataques aéreos israelenses haviam deixado enormes buracos na estrada principal, impossibilitando a passagem de ônibus ou caminhões de ajuda humanitária para Gaza. O Egito estava tentando tornar a estrada funcional novamente.[106]

 
Destruição na Faixa de Gaza causada pela aviação militar israelense.

No dia 23 de outubro, o Exército de Israel afirmou que entrou por terra "de maneira limitada" na Faixa de Gaza e as autoridades do país afirmaram que o objetivo da invasão em Gaza era procurar 222 reféns que ainda estavam sob poder do Hamas, além de "matar militantes armados".[107] Também foi dito que os ataques iniciais por terra são uma preparação para a próxima a "fase da guerra", cuja previsão é que os militares israelenses façam um ataque terrestre mais robusto nos próximos dias.[108] No mesmo dia o contra-almirante israelense Daniel Hagari, afirmou: "Os ataques blindados e de infantaria foram realizados durante a noite. Essas ofensivas são ataques para matar esquadrões terroristas, preparando para a nossa próxima fase da guerra".[108]

Em 27 de outubro, em meio a intensos bombardeios aéreos israelenses, os serviços de internet e telefonia móvel em Gaza foram quase completamente cortados.[109] Depois disso, as Forças de Defesa de Israel lançaram uma incursão terrestre em grande escala na Faixa de Gaza. Confrontos entre o Hamas e o exército israelense foram relatados nas cidades de Beit Hanoun e Bureij.[110] Após a invasão começar, o líder do Hamas, Ali Baraka, disse que as forças invasoras israelenses sofreram pesadas baixas e perda de equipamento devido a uma emboscada.[111] Já Israel afirmou que suas tropas avançavam com dificuldade, mas estavam fazendo progressos no que chamou de "segunda fase" das operações.[112]

Em 28 de outubro, Israel afirmou que as unidades destacadas dentro de Gaza na noite anterior ainda estavam no terreno, iniciando o que seria, segundo o governo israelense, uma campanha terrestre longa e difícil.[113]

Em 29 de outubro, Tedros Adhanom Ghebreyesus, o chefe da Organização Mundial da Saúde, descreveu como "profundamente preocupantes" os relatórios do Crescente Vermelho Palestino de que o Hospital al-Quds recebeu um aviso de evacuação urgente junto com um aviso de que "seria bombardeado". Tedros reiterou que era "impossível evacuar hospitais cheios de pacientes sem pôr em risco as suas vidas".[114] A Associated Press informou que os ataques aéreos israelenses destruíram estradas que levavam ao hospital Al-Shifa, tornando-o cada vez mais difícil de alcançar.[114] Nesse mesmo dia, o Hamas afirmou que os militantes palestinos entraram em confronto com tanques israelenses na rua Salah al-Din, em Gaza, e os forçaram a recuar.[115] O Instituto para o Estudo da Guerra também afirmou que Israel se retirou da estrada, mas não confirmou as circunstâncias.[116]

Em 30 de outubro, as Forças de Defesa de Israel bloquearam a Estrada Salah al-Din, que é uma importante via que liga as partes norte e sul da Faixa de Gaza. Além disso, tanques israelenses foram avistados no bairro de Zeitoun, na cidade de Gaza.[117][118] Nesse mesmo dia, ocorreram fortes combates entre o exército israelense e as brigadas Al-Qassam, apoiadas por membros das Brigadas de Resistência Nacional do FDLP, no noroeste de Gaza. As brigadas Al-Qassam também usaram mísseis antitanque e as Brigadas da Resistência Nacional bombardearam veículos e posições israelenses com morteiros de alto calibre.[119]

 
Soldados israelenses se preparando para a invasão de Gaza

Em 31 de outubro, a Força Aérea Israelense bombardeou o densamente povoado campo de refugiados de Jabalia, matando pelo menos cinquenta palestinos e ferindo outros 150; Israel afirmou que um alto comandante do Hamas estava entre os mortos, o que o Hamas negou.[120][121] De acordo com os militares israelenses, o ataque aéreo destruiu um sistema de túneis do Hamas e levou ao colapso de vários edifícios.[122]

Em 1 de novembro, as forças israelenses atravessaram Gaza e partiram da costa do Mediterrâneo, cortando a região em duas e isolando áreas urbanas densamente povoadas no norte, onde unidades blindadas e de infantaria combatiam militantes do Hamas em zonas urbanas e florestes, segundo os militares israelenses e funcionários das Nações Unidas. Enquanto isso, a situação humanitária na região continuou a se deteriorar.[123] Enquanto as forças israelenses avançavam no norte em torno da cidade de Gaza, os residentes do sul da Faixa de Gaza teriam recebido avisos de evacuação, suscitando preocupações sobre uma expansão da invasão.[124] Foi amplamente divulgado que a escassez de combustível causou o encerramento de todas as redes de Internet e telefone na Faixa de Gaza, de acordo com os seus dois principais fornecedores de telecomunicações Jawwal e Paltel.[124][125][126]

Enquanto isso, em 20 de novembro, tanques israelenses cercaram completamente o Hospital al-Indūnīsī em Gaza após fortes disparos de armas de artilharia contra ele. Cerca de doze palestinos foram mortos em confrontos ao redor do hospital, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza. Cerca de 700 pessoas, incluindo feridos e pessoal médico, estavam dentro das instalações quando os soldados israelenses as cercaram.[127] O chefe da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, respondeu no Twitter dizendo que estava "horrorizado" com as forças israelenses e suas ações contra o Hospital al-Indūnīsī, mantendo os feridos e a equipe médica dentro do prédio enquanto o sitiavam.[128] Nesse meio tempo, foi relatado que os militares israelenses alegaram ter encontrado uma oficina para fazer foguetes embaixo de uma mesquita em Zeitoun. Eles também encontraram armas, explosivos, um drone e a entrada de um túnel.[129]

Em 21 de novembro, as forças armadas israelenses moveram a sua linha de frente para cercar o campo de refugiados de Jabalia, onde eles estavam lutando contra militantes palestinos e tentando controlar a região, reunindo mais equipamentos para o ataque.[130][131]

Em 22 de novembro, Israel e o Hamas chegaram a um acordo de cessar-fogo temporário, prevendo uma "pausa" de quatro dias[132] nas hostilidades, para permitir a libertação de 50 reféns detidos em Gaza.[132] Embora os termos específicos ainda não tivessem sido anunciados, o acordo também previa a libertação de aproximadamente 150 mulheres e crianças palestinianas encarceradas por Israel.[133] O acordo foi aprovado pelo gabinete israelense nas primeiras horas do dia; num comunicado, o Gabinete do Primeiro-Ministro israelense declarou a intenção de Israel de continuar a guerra.[132] Este acordo foi negociado pelo Egito e pelo Qatar, e a mídia estatal egípcia anunciou que o cessar-fogo entraria em vigor na manhã de 23 de novembro.[134] A pausa no conflito em Gaza se expandiu por mais três dias e, embora houvesse negociações para expandir o cessar-fogo, o Hamas voltou a atacar os israelenses e disparar seus foguetes.[135]

Em 1 de dezembro, com o fim do cessar-fogo, as forças armadas israelenses retomaram suas operações militares na Faixa de Gaza.[136] Israel continuou seus avanços no sul, cercando a cidade de Gaza, ao mesmo tempo que seu exército reportava avanços também no centro das cidades de Khan Younis, Jabalia e Shejaiya, onde "combates intensos" contra militantes do Hamas estavam acontecendo.[137] Os bombardeios aéreos israelenses também se intensificaram, empurrando os civis palestinos mais para sul da Faixa de Gaza, em direção a Rafa.[138] Israel afirmou ter destruído, ao final de 2023, a infraestrutura de comando e organização do Hamas no norte de Gaza.[139]

Ao final de dezembro de 2023 e em janeiro de 2024, os combates na região de Gaza voltaram a se intensificar. Israel continuou a bombardear as posições do Hamas em regiões densamente povoadas, causando muitas mortes civis, enquanto os militantes do Hamas disparavam trajados de civis, para se confundirem com a multidão.[140] Enquanto a luta no norte de Gaza começou a diminuir de intensidade frente aos avanços do exército israelense, a luta e as operações militares no sul expandiram.[141][139] No dia 22 de janeiro de 2024, em um dos dias mais sangrentos para as forças israelenses, cerca de 21 soldados foram mortos em um ataque de RPGs disparados por militantes palestinos.[142]

Em fevereiro, o governo israelense declarou em diversas ocasiões que seu próximo objetivo seria a captura de Rafa. Em 12 de fevereiro, Israel iniciou uma pesada campanha de bombardeio contra Rafa, matando mais de cem pessoas só no primeiro dia.[143]

Em 29 de fevereiro, mais de cem civis palestinos foram mortos no chamado Massacre de Al-Rashid, quando, segundo autoridades locais de Gaza, militares israelenses abriram fogo contra os palestinos que estavam ao redor de caminhões de ajuda humanitária a sudoeste da Cidade de Gaza, com autoridades israelenses dizendo que muitas vítimas foram, na verdade, atropeladas por caminhões. O massacre trouxe condenações internacionais a Israel, aumentando o apelo por um cessar-fogo.[144][145] Em 1 de março, os Estados Unidos anunciaram que iniciariam uma operação de lançamento aéreo de ajuda alimentar em Gaza.[146] Em 4 de abril, após pressão do governo dos Estados Unidos, Israel abriu a Passagem de Erez pela primeira vez desde 7 de outubro.[147] Em 7 de abril, Israel anunciou a sua retirada de Khan Yunis, restando apenas uma brigada no Corredor Netzarim, no norte.[148] A retirada israelense de suas posições mais ao sul de Gaza coincidiu com um aumento da pressão sobre os israelenses para que um cessar-fogo fosse firmado.[149] Após a retirada, os palestinos deslocados daquela cidade começaram a regressar das zonas do sul da Faixa de Gaza.[150]

Em 6 de abril de 2024, após rejeitar uma proposta de cessar-fogo feito pelo Egito, as forças armadas israelenses lançaram a aguardada Ofensiva de Rafa. Duas passagens próxima na fronteira egípcia foram fechadas e milhares de civis evacuaram a região, enquanto os combates em Rafa aumentavam de intensidade a cada dia.[151] Em 8 de maio, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que o governo dos Estados Unidos deixaria de enviar armas para Israel se avançassem com sua grande invasão de Rafa.[152]

Segundo estudo publicado pelo diário Lancet, estima-se que o número de mortos na Faixa de Gaza, incluindo as vítimas da subnutrição, das condições insalubres e do colapso do sistema de saúde, seja de pelo menos 186 000 até julho de 2024. Este número não pode ser verificado de forma independente.[153]

Entrada do Hezbollah e dos Hutis no conflito

editar

Na manhã do domingo, 8 de outubro de 2023, o Hezbollah entrou no conflito disparando uma série de mísseis e artilharia contra três pontos nos campos de Shebaa, localizado na fronteira de Israel com o Líbano.[154][155] Segundo o Hezbollah, que também atua como um partido político no Líbano, o ataque foi uma demonstração de "solidariedade" ao povo palestino com a operação terrestre, marítima e aérea lançada no sábado pelo Hamas.[154][155]

Em resposta ao ataque do Hezbollah, as forças de defesa israelense atacaram o Líbano, após os ataques no território das fazendas de Shebaa.[156] Na segunda metade de outubro, combates e bombardeios mútuos entre Israel e o Hezbollah continuaram na segunda metade de outubro, ameaçando escalar ainda mais o conflito.[157]

No dia 31 de outubro de 2023, os rebeldes Hutis que controlam uma parte do Iêmen, desde o golpe de estado no Iêmen em 2014 e que disputam o controle do país desde início da guerra civil iemenita iniciada após o golpe, assumiram a responsabilidade pelos ataques de mísseis e drones lançados contra Israel a partir do Iêmen, logo após os Hutis assumirem a autoria dos ataques declararam guerra contra Israel.[158][159][160] A motivação alegada dos ataques foi que se tratava de um ato de retaliação a Israel, pela guerra em Gaza contra o grupo palestino Hamas.[159][160]

No dia 8 de Janeiro de 2024, Israel bombardeou a região de Majdal Selm, no sul do Líbano, assim assassinando um dos líderes da unidade de operações especiais do Hezbollah, o comandante militar Wissam al-Tawil, que estava em um carro com outros militantes do grupo. Imediatamente o chanceler Israel Katz assumiu a responsabilidade do ataque. O ataque foi em continuação aos conflitos que ocorreram entre Israel e o Hezbollah na fronteira do Sul do Líbano com a região da Galiléia em Israel, desde o ínicio da guerra. Segundo a inteligência militar israelense, o grupo pretende invadir Israel por essa fronteira, e o ataque serve para repelir essa aproximação estratégica.[161][162] No dia 09, um dia após o ataque, o Hezbollah retaliou com ataques por drones à uma base militar em Safed, no norte de Israel, importante centro logístico de Israel. Como imediata retaliação, Israel assassinou mais um líder do grupo, o Ali Hussein Barji, em Khirbet Selm, que foi responsável por diversos ataques por drones na fronteira e ao norte de Israel nos últimos meses.[163]

Vítimas e outros impactos

editar

Palestina

editar
 
Civis palestinos feridos após ataques israelenses na Faixa de Gaza

Após os ataques aéreos de Israel em resposta, o Ministério da Saúde palestino em Gaza relatou um número não especificado de feridos entre "muitos cidadãos". Mais tarde, disse que 198 palestinos foram mortos e outros 1 610 ficaram feridos.[72][68]Yousef Abu al-Rish, o principal oficial de saúde palestino em Gaza, afirmou que a maioria das vítimas ocorreu em tiroteios dentro de Israel.[68]Repórteres da Associated Press na Faixa de Gaza viram funerais de 15 vítimas e oito outros corpos em hospitais.[72] Foi relatado que pelo menos uma pessoa foi morta num ataque aéreo ao Hospital Indonésio no norte de Gaza.[164] Quatro palestinos foram mortos e outros cinco ficaram feridos em confrontos com as FDI ao longo da cerca do perímetro de Gaza.[73] Foi relatado que cinco militantes palestinos foram mortos em Sderot.[165] Pelo menos três jornalistas palestinos morreram desde o início do conflito.[166](Necessária atualização)

Israel ordenou a evacuação de 1,1 milhão de pessoas para a região sul de Gaza, mas as Nações Unidas consideraram uma manobra de tal envergadura impossível, equivalendo para muitos a uma sentença de morte.[167] Em dezembro de 2023 Josep Borrell, alto representante da União Europeia para Política Externa, afirmou que a situação na Faixa de Gaza era "cada vez pior" e que não havia refúgios possíveis para a população palestina. Ele acrescentou que "o nível de destruição segue sem precedentes".[168] Segundo matéria da BBC, até 14 de janeiro de 2024 a contraofensiva israelense em Gaza produziu quase 24 mil mortos, incluindo milhares de mulheres e crianças. Grande parte da infraestrutura de Gaza foi destruída e 85% da população de 2,2 milhões de pessoas foi obrigada a se deslocar.[53] Autoridades locais relataram que metade das casas do território estão inabitáveis, danificadas ou completamente destruídas.[169]

Um relatório do Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários das Nações Unidas apontou que nas duas primeiras semanas de janeiro as autoridades israelenses permitiram a entrada de apenas sete das 29 missões de ajuda humanitária planejadas. O porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza em 21 de janeiro disse que o número de vítimas palestinas havia subido para mais de 25 mil mortos e 63 mil feridos desde o início do conflito.[52] O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos declarou ter recebido numerosos "relatórios perturbadores" sobre a situação no norte de Gaza, denunciando detenções em massa, maus tratos e desaparecimento de possivelmente milhares de palestinos, incluindo crianças. As denúncias estão sendo investigadas. A Anistia Internacional relatou ter comprovado tratamento desumano e degradante de detidos por parte de forças israelenses na cidade de Beit Lahia.[170]

Os bloqueios e bombardeios provocaram também escassez grave de água, medicamentos e combustível, interrupção no suprimento de eletricidade e nas comunicações, e grande dificuldade para atendimento médico, serviços essenciais que à medida que o conflito escala se aproximam do colapso.[171][172][173][167] Devido ao desmantelamento do sistema interno de produção e distribuição de alimentos e ao bloqueio quase total da entrada de novos suprimentos, a fome se tornou generalizada,[172] e a Organização das Nações Unidas alertou que metade da população corre o risco de morrer de fome.[53]

 
Ambulância do Crescente Vermelho destruída por um míssil israelense

A Unicef reportou que os impactos têm sido especialmente dramáticos sobre as crianças e mulheres, verificando-se ainda um grande aumento na ocorrência de várias doenças, incluindo diarreia, erupções na pele e infestações por piolhos, além de mais de 160 mil casos de infecção respiratória aguda.[171] Nos campos de refugiados havia em dezembro em média apenas um vaso sanitário para cada 700 pessoas e o acesso a chuveiros e outros serviços sanitários era ainda mais limitado.[171] A água disponível, além de escassa, estava em grande parte contaminada por esgotos, sal ou outras impurezas,[174] fatores que aumentam o risco de epidemias.[171][174] A Organização Mundial da Saúde afirmou que menos de metade dos hospitais de Gaza seguem funcionando, e apenas parcialmente.[53] Sean Casey, oficial da OMS, disse que os poucos hospitais ainda funcionando estão superlotados e o atendimento é muito precário, pacientes com fraturas expostas e queimaduras severas podem ficar dias à espera de tratamento, muitos deles não recebem água ou comida. Por ocasião da sua visita, o principal hospital de Gaza, com 700 leitos, só contava com cinco ou seis médicos e enfermeiras. A situação é complicada pela invasão dos hospitais por dezenas de milhares de refugiados que não têm outro local para se abrigar.[173] Segundo Marc Biot, diretor de operações da organização Médicos sem Fronteiras, "o que está acontecendo é sem precedentes. Eu e todos os meus colegas na organização nunca vimos uma destruição tão maciça de instalações médicas, bombardeio indiscriminado de civis e bloqueio de ajuda humanitária".[175]

 
Mesquita de al-Amin Muhammad destruída

Um relatório preliminar da organização Heritage for Peace indicou que mais de cem sítios de interesse histórico, cultural, arqueológico ou religioso foram destruídos parcial ou totalmente, incluindo mesquitas, cemitérios, igrejas, museus, monumentos e outras edificações.[176] Também foram destruídos o Arquivo Central da cidade de Gaza,[177] todas as universidades, incluindo a Universidade Al-Israa junto com seu Museu Nacional, com um acervo de 3 mil peças raras, e mais de 350 escolas com suas bibliotecas públicas.[178] Pelo menos 16 cemitérios foram violados, com destruição ou remoção de lápides e tumbas, escavações no terreno, e em alguns casos os despojos humanos foram removidos. Grandes trechos de alguns cemitérios foram patrolados e transformados em campos militares.[179]

Israel

editar

O Magen David Adom (MDA) de Israel relatou inicialmente que pelo menos uma mulher foi morta, enquanto outras 16 pessoas ficaram feridas em ataques de mísseis,[74] duas delas gravemente.[76] As autoridades disseram mais tarde que pelo menos 40 pessoas[65]foram mortas, enquanto outras 740 ficaram feridas,[74] com 77 delas em estado crítico.[72] Equipes de ambulâncias foram enviadas para as áreas ao redor da Faixa de Gaza em resposta ao ataque.[83] Pelo menos uma morte civil foi relatada em Kfar Aviv, enquanto três pessoas teriam ficado feridas em Ascalão e Yavne.[76] Pelo menos quatro pessoas foram mortas em Kuseife.[73] O chefe do Conselho Regional Sha'ar HaNegev, Ofir Libstein, também foi morto numa troca de tiros com os militantes.[180] Pelo menos 68 vítimas foram relatadas em Ascalão,[74] enquanto outras 280 foram relatadas em Bersebá, 60 das quais estavam em estado grave.[72]

O Hamas afirmou ter feito prisioneiros 35 israelenses, transportando-os para a Faixa de Gaza.[34] Também alegou ter capturado o major-general israelense Nimrod Aloni; foi divulgada uma foto com Aloni e dois militantes com os rostos obscurecidos.[181] Vídeos de Gaza pareciam mostrar pessoas capturadas, com residentes de Gaza aplaudindo caminhões que transportavam cadáveres.[68]Uma ambulância do MDA também teria sido levada pelos militantes para Gaza.[76] O embaixador do Nepal em Israel, Kanta Rijal, disse que pelo menos sete dos seus cidadãos no país ficaram feridos no ataque e que eles, juntamente com outros dez que foram mantidos em cativeiro pelo Hamas numa quinta agrícola em Alumim.[182][183] O coronel israelense Jonathan Steinberg, comandante da 933ª brigada de infantaria "Nahal", foi morto em combate.[184] O coronel israelense Roi Levy, comandante da unidade de elite "ghost" também conhecida como unidade 888 "Refaim" foi morto em combate.[185] Referindo-se a quantidade de judeus mortos no primeiro dia do conflito, autoridades israelenses descreveram o ocorrido como "o pior massacre de judeus num só dia desde o Holocausto".[186]

No dia 9 de outubro de 2023, Abu Obeida porta-voz da brigada Al-Qassam do Hamas, fez um comunicado afirmando que a cada bombardeio israelense sem aviso prévio contra civis palestinos, o Hamas vai executar um refém israelense e transmitir a execução ao vivo.[187] Obeida também diz que o Hamas age conforme as instruções islâmicas ao manter os reféns israelenses sãos e salvos.[187] Mas ele afirmou que a ameaça é culpa da intensificação de bombardeios israelenses e o assassinato de civis dentro de suas moradias por ataques aéreos sem aviso prévio.[187] Segundo Israel, mais de 100 israelenses são mantidos como reféns em Gaza, sendo a mesma quantidade informada pelo Hamas.[187] Ainda no mesmo dia o Hamas afirmou que atualmente descarta negociar a troca de prisioneiros com Israel.[187] Hossam Badran membro da cúpula política do Hamas, afirmou que a operação militar vai continuar e que atualmente não há possibilidade de negociação sobre a questão dos prisioneiros ou qualquer outra coisa.[187] No dia 16 de outubro o representante do Papa Francisco na Terra Santa ofereceu-se para tomar o lugar das crianças israelenses feitas reféns pelo Hamas e detidas em Gaza.[188]

O exército israelense afirmou ter matado 9 000 combatentes do Hamas após 6 meses de guerra. No entanto, oficiais da defesa e soldados dizem ao Haaretz que se trata frequentemente de civis cujo único crime foi atravessar uma linha invisível traçada pelo exército.[189]

Líbano

editar

Em 13 de outubro, o jornalista Issam Abdallah, da agência de notícias Reuters, morreu em um bombardeio no sul do Líbano, na fronteira com Israel.[190] Em 2 de janeiro de 2024, o alto membro e um dos fundadores da ala militar do Hamas, Saleh al-Arouri, foi assassinado em bombardeios realizados por Israel em áreas dominadas pelo Hezbollah no sul de Beirute que possui escritórios estratégicos do Hamas, onde estava escondido.[191] Em 1 de junho, a mulher e dois filhos, que são brasileiros, foram feridos após a casa deles destruída pelo bombardeio na cidade de Saddike, no Sul do Líbano.[192]

Reações

editar

Internacional

editar
Protesto pró-israelense em Berlim, Alemanha.
Protesto pró-palestinos em Londres, Inglaterra.
Protesto pró-palestinos em Recife, Brasil.

Líderes internacionais, incluindo Argentina, Índia,[193][194] Taiwan,[195][196] maioria dos países europeus e os Estados Unidos condenaram os ataques do Hamas, expressando solidariedade a Israel, acrescentando que Israel tem o direito de se defender aos ataques armados e descrevendo as táticas do Hamas como terrorismo.[46][154] A União Europeia, a Áustria e Alemanha suspenderam a ajuda humanitária à Palestina em resposta ao ataque do Hamas e disseram que iriam rever outros projetos e ajudas concedidas.[197][198][199]

Durante a tarde do domingo, 8 de outubro de 2023, o secretário de defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin anunciou que o governo dos Estados Unidos enviará ainda nesta data para a região de Gaza, através do mar mediterrâneo, porta-aviões, contratorpedeiros, cruzadores, caças e munições a Israel, como apoio militar no conflito.[200] De acordo com Lloyd Austin, a medida foi tomada após uma reunião com o presidente Joe Biden e segundo Austin servirá para reforçar esforços de dissuasão no conflito.[200] Austin diz, ainda, que garantirá que as forças de Israel "tenham o que precisam" para "defender os seus cidadãos e a si mesmos contra esses terríveis ataques terroristas".[200]

O USS Gerald R. Ford, um porta-aviões norte-americano com propulsão nuclear, estava navegando com a marinha italiana no início desta semana, o que o coloca perto de Israel.[201] O porta-aviões será enviado para a região do conflito e acompanhado por escolta de contratorpedeiros e cruzadores com mísseis guiados, que são duas outras classes de navios de guerra da Marinha dos Estados Unidos.[201] Os EUA também está tomando medidas para reforçar a presença de caças na região, incluindo os esquadrões de aeronaves dos modelos F-35, F-15, F-16 e A-10.[201]

Alguns países da Liga Árabe, como Omã, Iêmen, Catar, Arábia Saudita e países não árabes como o Irã e o Paquistão expressaram apoio aos palestinos, culpando a ocupação israelense dos territórios palestinos pela escalada da violência. Vários outros países apelaram ao cessar-fogo.[202][203][154][204] Manifestações ocorreram em muitos países do Oriente Médio, como Iêmen, Jordânia, Líbano, Kuwait, Turquia, Bahrein e Irã em solidariedade aos grupos palestinos.[205]

Em 9 de outubro de 2023, durante um discurso por videoconferência na assembleia parlamentar da OTAN em Copenhague, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky acusou o Irã de ter participação tanto no conflito armado entre israelenses e palestinos como na invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022.[206] Por sua vez, o Irã afirmou no dia 14 que ainda é possível evitar que a guerra entre Israel e o grupo islâmico Hamas se alastre pela região, mas avisou que o tempo está a esgotar-se rapidamente.[207]

No dia 14 de outubro de 2023, os Estados Unidos anunciaram o envio de uma segunda força de intervenção para a região do Mediterrâneo Oriental, composta pelo porta-aviões USS Dwight D. Eisenhower, contratorpedeiros e cruzadores equipados com mísseis guiados.[208] Ao chegar ao Mediterrâneo Oriental, o grupo se juntará ao grupo do porta-aviões USS Gerald R. Ford que já se encontra no local desde o dia 10.[208] O Pentágono anunciou também que estava considerando enviar para a região, o navio de assalto anfíbio USS Bataan equipado com aeronaves de asa rotativa.[208]

Em 9 de outubro de 2023, o presidente da Colômbia Gustavo Petro, em declaração ao X acusou o país judeu de "promover práticas nazistas" ao manter o bloqueio total da Faixa de Gaza.[209] No dia 15 de outubro, Israel suspendeu o fornecimento de armamentos ao país colombiano e acusou o presidente de ser "antissemita" e "defender" o grupo extremista Hamas.[210] Novamente numa postagem no X, Petro anunciou um provável rompimento de relações diplomáticas com os israelenses, após a resposta do ministério das Relações Exteriores do país asiático.[211] Em 16 de outubro, o chanceler colombiano Álvaro Levya pediu para que o embaixador israelense no país fosse expulso.[212]

Em 12 de outubro de 2023, o Reino Unido em apoio a Israel, anunciou o envio do navio de desembarque de doca RFA Lyme Bay e o navio auxiliar RFA Argus para a região de Gaza, além disso também foi enviado o avião de patrulha marítima RAF Poseidon MRA MK 1 que é equipado com sensores e sistemas de armas para guerra antissubmarino e também opera em missões de vigilância, busca e salvamento, também foram enviados três helicópteros antissubmarino de vigilância, busca e salvamento Merlin.[213][214] O RFA Argus também pode ser utilizado como navio hospital, possuindo um complexo médico com 100 leitos a bordo e atuando como uma instalação médica flutuante em tempos de crise ou de guerra, além disso possui capacidade de transporte para diversos helicópteros a bordo.[213][214]

No dia 25 de outubro de 2023, o presidente da França, Emmanuel Macron anunciou o envio do porta-helicópteros de assalto anfíbio, da Marinha Francesa, o FS Tonnerre que partiu no mesmo dia de Toulon na França em direção ao Mediterrâneo Oriental, a fim de se juntar aos navios da Marinha dos Estados Unidos, que foram enviados para a região de Gaza.[215][216] O FS Tonnerre além de possuir capacidades aéreas e anfíbias, também tem uma unidade médica equivalente a um hospital de campo completo, contando com serviços de odontologia, diagnóstico, salas de cirurgia, atendimento psicológico, higienização de alimentos, sala de radiologia com um tomógrafo, fornecendo radiografia digital e ultrassonografia.[215][216] Além disso também são mantidas 50 camas em reserva e podem ser instaladas no hangar dos helicópteros, afim de ampliar a capacidade do hospital em caso de emergência.[215][216]

Em 5 de novembro de 2023, o Comando Central dos Estados Unidos divulgou que um submarino nuclear da classe Ohio, pertencente a marinha dos Estados Unidos, está na região do Mediterrâneo Oriental em apoio a Israel. Também foi divulgado que o submarino estava acompanhando o grupo do porta-aviões USS Dwight D. Eisenhower.[217]

Em maio de 2024, o procurador-chefe do Tribunal Penal Internacional Karim Khan apresentou pedidos de mandados de prisão contra autoridades israelenses e as lideranças do Hamas. Benjamin Netanyahu e Yoav Gallant, ministro da defesa israelense, são acusados de cometer crimes de guerra. Já Yahya Sinwar, Mohammed Deif e Ismail Haniyeh, líderes do Hamas, são acusados de crimes contra a humanidade, incluindo extermínio, sequestro, estupro, violência sexual e tortura.[218][219]

Acusações de genocídio

editar

Conforme reportagem da CNN, em novembro de 2023 um grupo independente de especialistas em direitos humanos da Organização das Nações Unidas disse que ocorreram “graves violações cometidas por Israel contra os palestinos", “um número colossal de mortes e a destruição de infraestruturas que sustentam a vida”, e que esses elementos apontavam para "um genocídio em formação”. Autoridades israelenses rejeitaram essa avaliação.[220]

Em janeiro de 2024 o Tribunal Internacional de Justiça começou a julgar uma ação movida pela África do Sul acusando Israel de promover um genocídio sistemático contra o povo palestino, acrescentando que essas ações configuram uma colonização da Palestina.[221] A iniciativa recebeu o apoio de seis Estados da América Latina, dos 22 Estados da Liga Árabe e dos 57 Estados da Organização para a Cooperação Islâmica. Israel classificou o caso como uma “difamação de sangue” por parte da África do Sul. Alemanha, Estados Unidos e Canadá apoiaram Israel rejeitando a acusação. A União Europeia não se posicionou sobre as alegações, mas expressou apoio à instituição do Tribunal Internacional de Justiça.[222]

Em fevereiro de 2024, o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva disse em um discurso na Etiópia que o conflito em Gaza era um "genocídio" e que não uma guerra, sendo um confronto entre "um exército altamente preparado e mulheres e crianças", comparando a matança nesta guerra com o que Hitler tinha feito com os judeus no Holocausto. A fala do presidente brasileiro gerou condenações entre a comunidade judaica no Brasil e pelo mundo, sendo ainda condenada pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e figuras do governo israelense. Netanyahu declarou Lula como "persona non grata" e a relação entre os dois países declinou consideravelmente.[223][224][225]

Desinformação

editar

Foi divulgada uma fotografia que parecia mostrar o major-general Nimrod Aloni, comandante do Corpo de Profundidade das Forças de Defesa de Israel (FDI), sendo detido por palestinos nas primeiras horas do ataque. O Hamas também afirmou tê-lo capturado.[226] Aloni foi posteriormente visto em 8 de outubro participando de uma reunião de altos oficiais militares israelenses.[227]

Logo após o início da guerra, o ex-presidente americano Donald Trump e outros republicanos responsabilizaram Joe Biden pelo acordo de libertação de prisioneiros com o Irã; no entanto, estes fundos sob a supervisão do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos são utilizados apenas para fins humanitários e não há provas de que tenham sido utilizados na guerra.[228][229]

Na internet, informações começaram a circular que a força aérea israelense teria destruído a antiga Igreja de São Porfírio em Gaza, mas a própria igreja negou isso.[230][231] O comentarista de extrema direita Ian Miles Cheong postou um vídeo das autoridades israelenses que, segundo ele, mostrava militantes palestinos matando cidadãos israelenses.[232] Outros vídeos falsamente ligados à guerra incluíam um vídeo de crianças em jaulas publicado em 4 de outubro,[233][234] imagens de 2020 de legisladores iranianos gritando "Morte à América"[235][236] e imagens do videogame Arma 3 sendo apresentado como filmagem da guerra israelense.[237][238] Contas falsas fingindo ser jornalista da BBC e do The Jerusalem Post promoveram informações falsas sobre a guerra antes do Twitter (X) os suspender.[238]

Em 10 de outubro, o canal israelense i24News, através da correspondente Nicole Zedeck, divulgou a informação de que teriam sido encontrados 40 bebês decapitados na comunidade de Kfar Aza, no sul de Israel, supostamente mortos pelo Hamas. O canal também divulgou depoimento do comandante David Ben Zion, que teria confirmado a decapitação.[239] Diversos canais da mídia divulgaram a informação.[239] A CNN divulgou a afirmação do porta-voz de Benjamin Netanyahu de que mas diz não ter conseguido confirmar a informação.[240] O Hamas afirmou não ter atacado crianças, que seria informação falsa e não embasada.[240] Um porta-voz do exército de Israel afirmou para a agência de notícias Anadolu, da Turquia, que não era possível confirmar essa informação.[241] O presidente Joe Biden disse ter visto fotos das decapitações, mas a Casa Branca corrigiu, dizendo que o presidente viu as notícias, e não fotos. Até dia 12, não havia evidência fotográfica do acontecimento.[242] Foram compartilhadas imagens geradas por inteligência artificial em redes sociais como evidência dos bebês mortos, que foram rapidamente identificadas como falsas.[243] O fotojornalista israelense Aren Ziv conversou com soldados no local, disse não ter visto provas da decapitação, e disse que Israel utiliza informações falsas para "justificar seus crimes de guerra".[241]

Análise

editar

O ataque significou uma escalada notável no conflito atual entre Israel e o Hamas. Destacou-se pela sua escala e alcance substanciais, abrangendo tanto o lançamento de mísseis como os ataques nas fronteiras em Gaza. Este evento marcou um afastamento significativo dos conflitos anteriores, que normalmente seguiram uma progressão faseada com uma escalada gradual das tensões.[244]

O jornalista político Peter Beaumont descreveu-o como "uma das maiores falhas de inteligência", dada a falha do governo israelense em detectá-lo antes.[245]

Ver também

editar

Notas

  1. De acordo com fontes israelenses[9]
  2. Dados do ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas
  3. Na Faixa de Gaza e Cisjordânia; Esse número inclui 14 000+ crianças e 9 220+ mulheres mortas.
  4. Incluindo:
    • 604 soldados, 62 policiais e 10 oficiais do Shin Bet mortos;[20][21][22] 822 civis israelenses mortos[20]
    • Pelo menos 243 civis estrangeiros mortos[23]

Referências

  1. PFLP (7 de outubro de 2023). «صادر عن كتائب الشهيد أبو علي مصطفى الجناح العسكري للجبهة الشعبية لتحرير فلسطين» Emitido pelas Brigadas Mártires Abu Ali Mustafa, a ala militar da Frente Popular para a Libertação da Palestina 
  2. «الحرية – بيان عسكري صادر عن كتائب المقاومة الوطنية (قوات الشهيد عمر القاسم) استشهاد ثلاثة من مقاتلينا داخل اراضينا المحتلة عام 48» Liberdade - Uma declaração militar emitida pelas Brigadas de Resistência Nacional (Forças do Mártir Omar Al-Qasim): O martírio de três dos nossos combatentes dentro dos nossos territórios ocupados em 1948. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  3. «Iran Helped Plot Attack on Israel Over Several Weeks». The Wall Street Journal (em inglês). Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2023 
  4. «Hamas Says Attacks on Israel Were Backed by Iran». The Wall Street Journal (em inglês). Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2023 
  5. «후티 반군이 이스라엘 향해 쏜 미사일 파편에 한글 표기». Yonhap (em coreano). Consultado em 5 de janeiro de 2024 
  6. «Yemen declares war against Israel». 7 Israel National News Arutz Sheva (em inglês). Consultado em 31 de outubro de 2023 
  7. «Ships, Planes, Weapons, Troops: Here's All the Military Support the U.S. Is Readying for Israel». Time magazine. Consultado em 17 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2023 
  8. «How Hamas secretly built a 'mini-army' to fight Israel». Reuters. Consultado em 13 de outubro de 2023 
  9. «ההערכה: 2,500 מחבלי חמאס חדרו בשבת לישראל» [The estimate: 2,500 Hamas terrorists infiltrated Israel on Saturday] (em hebraico). News 1. Consultado em 13 de outubro de 2023 
  10. International Institute for Strategic Studies (25 de fevereiro de 2021). The Military Balance 2021. Londres: Routledge. p. 344. ISBN 978-1-032-01227-8. Consultado em 13 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2022 
  11. «Israel's massive mobilization of 360,000 reservists upends lives». The Washington Post. Consultado em 13 de outubro de 2023 
  12. a b «Health Ministry In Hamas-run Gaza Says War Death Toll At 32,623». Barron's. Consultado em 1 de março de 2024 
  13. «The government media in Gaza calls on the world to intervene to stop the humanitarian catastrophe in Gaza» (em árabe). The Palestinian Information Center. 8 de janeiro de 2024. Consultado em 19 de março de 2024 
  14. a b «PCBS - Martyrs». Palestinian Central Bureau of Statistics. Consultado em 19 de março de 2024. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2024 
  15. Alsaafin, Linah; Osgood, Brian. «Israel-Gaza war in maps and charts: Live tracker». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 15 de fevereiro de 2024 
  16. «IDF: Deaths of 29 of 170 soldiers in Gaza op were so-called friendly fire, accidents». The Times of Israel. Consultado em 1 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2023 
  17. «Hezbollah announced the death of 3 operatives of the organization» (em hebraico). Ynet. 26 de janeiro de 2024. Consultado em 31 de janeiro de 2024 
  18. «Death toll update - Three civilians including woman and her son killed in Israeli airstrikes on the vicinity of Aleppo international airport». Syrian Observatory for Human Rights. 31 de dezembro de 2023. Consultado em 31 de dezembro de 2023 
  19. «Since the beginning of the new year» (em árabe). Syrian Observatory for Human Rights. 11 de fevereiro de 2024. Consultado em 11 de fevereiro de 2024 
  20. a b Fabian, Emanuel. «Authorities name 413 soldiers, 59 police officers killed in Gaza war». The Times of Israel. Consultado em 25 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2023 
  21. «Israel social security data reveals true picture of Oct 7 deaths». Agence France-Presse. 15 de dezembro de 2023. Consultado em 24 de dezembro de 2023 
  22. Zitun, Yoav (21 de fevereiro de 2024). «IDF names soldier killed in battle in northern Gaza Strip». The Times of Israel. Consultado em 22 de fevereiro de 2024 
  23. «People from 23 countries killed, missing in Israel-Hamas war: What to know». The Washington Post 
  24. Ghert-Zand, Renee (17 de dezembro de 2023). «War caught Israeli rehab hospitals unprepared to handle number of wounded». The Times of Israel. Consultado em 31 de janeiro de 2024 
  25. Boxerman, Aaron (10 de novembro de 2023). «Israel-Hamas War: Israel Lowers Oct. 7 Death Toll Estimate to 1,200». The New York Times. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  26. «UNRWA Situation Report #33 on the situation in the Gaza Strip and the West Bank, including East Jerusalem». UNRWA. 19 de novembro de 2023. Consultado em 20 de novembro de 2023 
  27. a b «Around Half A Million Israelis Displaced Inside Israel: Military». Barron's. 16 de outubro de 2023. Consultado em 18 de novembro de 2023 
  28. a b c «Barrages of rockets fired from Gaza as Hamas launches unprecedented operation against Israel». France 24. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  29. «Israel entra em estado de guerra após ataque do Hamas». G1. Consultado em 7 de outubro de 2023 
  30. a b Sengupta, Arjun (7 de outubro de 2023). «A Third Intifada? What we know about the latest Hamas-Israel escalation». The Indian Express (em inglês). Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023. Some observers have referred to the latest escalation as the beginning of the "Third Intifada". 
  31. McKernan, Bethan (7 de outubro de 2023). «Civilians will pay price for biggest challenge to Israel since 1973». The Observer (em inglês). ISSN 0029-7712. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  32. Beauchamp, Zack (7 de outubro de 2023). «Why did Hamas invade Israel?». Vox (em inglês). Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  33. Erlanger, Steven (7 de outubro de 2023). «An Attack From Gaza and an Israeli Declaration of War. Now What?». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  34. a b c d e f «Netanyahu: 'We are at war'». Ynet News (em inglês). 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  35. «IDF strikes Hamas as operation 'Iron Swords' commences». The Jerusalem Post. 7 de outubro de 2023. Consultado em 8 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  36. «Hamas: Iran backed the attacks». BBC (em inglês). 7 de outubro de 2023. Consultado em 8 de outubro de 2023. A Hamas spokesperson earlier told the BBC that the militant group had backing from its ally, Iran, for its surprise attacks on Israel 
  37. Yang, Maya; et al. (7 de outubro de 2023). «Israel says civilians and soldiers held hostage in Gaza after major Palestinian attack». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  38. «Mahmoud Abbas: Palestinians have right to defend themselves against 'terror'». Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  39. «Statement by UN Special Coordinator for the Middle East Peace Process, Tor Wennesland, on the situatin in Israel and the occupied Palestinian territory». UNSCO (em inglês). 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  40. Ursula von der Leyen [@vonderleyen] (7 de outubro de 2023). «I unequivocally condemn the attack carried out by Hamas terrorists against Israel. \ It is terrorism in its most despicable form. \ Israel has the right to defend itself against such heinous attacks.» (Tweet) – via Twitter 
  41. «Live updates: Militants infiltrate Israel from Gaza as Hamas claims major rocket attack». CNN. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  42. a b c d McKernan, Bethan (7 de outubro de 2023). «Hamas launches surprise attack on Israel as Palestinian gunmen reported in south». The Guardian. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  43. Fabian, Emanuel (7 de outubro de 2023). «IDF declares 'state of readiness for war' amid Hamas infiltrations, rocket barrages». The Times of Israel. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  44. «'We are at war,' Netanyahu says, after Hamas launches devastating surprise attack». Times of Israel (em inglês). Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  45. Russia Now (em árabe) [@Russianowarabic] (7 de outubro de 2023). «Israeli family kidnapped to Gaza» (Tweet). Consultado em 7 de outubro de 2023 – via Twitter 
  46. a b «World reaction to surprise attack by Palestinian Hamas on Israel». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 8 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  47. Michaelson, Ruth (7 de outubro de 2023). «Condemnation and calls for restraint after Hamas attack on Israel». The Guardian. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  48. Nereim, Vivian (9 de outubro de 2023). «Across the Mideast, a Surge of Support for Palestinians as War Erupts in Gaza». The New York Times. Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2023 – via NYTimes 
  49. «Arab states call for restraint after Hamas attack— but some blame Israel». The Forward. Consultado em 8 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2023 
  50. «Israel/OPT: Civilians on both sides paying the price of unprecedented escalation in hostilities between Israel and Gaza as death toll mounts». Amnesty International. 9 de outubro de 2023. Consultado em 10 de outubro de 2023 
  51. a b c «Occupied Palestinian territory». United Nations Population Fund. Consultado em 25 de janeiro de 2024 
  52. a b Alvarez, Isabel (22 de janeiro de 2024). «ONU diz que Israel restringe acesso de ajuda humanitária a Gaza». Diário de Pernambuco 
  53. a b c d «Guerra em Gaza completa 100 dias e número de mortos chega a 24 mil». BBC News Mundo. 14 de janeiro de 2014 
  54. «Gaza Crisis». International Rescue Committee. Consultado em 25 de janeiro de 2024 
  55. «Winter and catastrophic food insecurity threatens most of Gaza». The British Red Cross Society. 20 de janeiro de 2024 
  56. McKernan, Bethan (7 de outubro de 2023). «Hundreds die and hostages held as Hamas assault shocks Israel». The Guardian (em inglês). ISSN 0029-7712. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  57. Pacchiani, Gianluca (7 de outubro de 2023). «Hamas claims to fire 5,000 rockets at Israel, declares 'Operation Al-Aqsa Flood'». Times of Israel (em inglês). Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  58. «Hamas announces 'Al-Aqsa Storm,' claims to have fired 5,000 rockets». CNN. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  59. Kayyem, Juliette (7 de outubro de 2023). «A Devastating Attack by Hamas». The Atlantic (em inglês). Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  60. «Why the "Israel-Palestine war" is 75 years in the making». The Daily Telegraph (Sydney). 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023 
  61. jcookson (7 de outubro de 2023). «Experts react: Israel is 'at war' after Hamas militants launch major assault» (em inglês). Atlantic Council. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  62. «Timeline of conflict between Israel and Palestinians in Gaza». Reuters. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  63. Al-Mughrabi, Nidal (4 de outubro de 2023). «Gaza unrest shows economic misery under Israeli blockade». Reuters. Consultado em 7 de outubro de 2023 
  64. a b c d e Bayer, Lili; et al. (7 de outubro de 2023). «Israel declares state of war after Hamas fires thousands of rockets and 'militants cross border'». the Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  65. a b c d e «Palestinian fighters reported in Israel as rockets launched from Gaza». Al Jazeera. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  66. «Palestinian killed in clashes with Israelis in West Bank». France 24 (em inglês). 6 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  67. a b Estrin, Daniel (7 de outubro de 2023). «In surprise deadly attacks, Israel says Palestinian militants infiltrated from Gaza». NPR. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  68. a b c d e f g «Gaza and Israel in 'War Mode' After Militants Launch Surprise Assaults». New York Times. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  69. Kingsley, Patrick; Kershner, Isabel (7 de outubro de 2023). «Israel-Gaza Conflict: Gaza and Israel on War Footing After Militants Launch Surprise Assaults». The New York Times. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 – via NYTimes.com 
  70. «Hamas commander says attacks are in defense of Al-Aqsa, claims 5,000 missiles fired». The Times of Israel. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  71. חלבי, עינב (7 de outubro de 2023). «מוחמד דף על מתקפת הרקטות: ישראל חיללה את אל-אקצא, קורא לערביי ישראל להצטרף» Mohammed Page sobre o ataque com foguetes: Israel blasfemou al-Aqsa, apela aos árabes israelenses para se juntarem. Ynet (em hebraico). Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  72. a b c d e f g h Federman, Josef; Adwan, Issam (7 de outubro de 2023). «Hamas militant group has started a war that 'Israel will win,' defense minister says». Associated Press. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  73. a b c d e f g «Israel-Palestine escalation live news: Hamas starts Operation Al-Aqsa Flood». Al Jazeera. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  74. a b c d e f g h i j k Gritten, David (7 de outubro de 2023). «Strikes on Gaza after Palestinian militants enter Israel». BBC News. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  75. a b c d «Israeli army declares 'state of readiness' for war». Anadolu Ajansi. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  76. a b c d e f g «Militants enter Israel from Gaza after woman killed in rocket barrage». CNN. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  77. مقاتلون فلسطينيون يعودون إلى قطاع غزة بعد توغلهم في مناطق الحدود [Combatentes palestinos regressam à Faixa de Gaza após incursão nas zonas fronteiriças]. Al Jazeera (em árabe). Youtube. 7 de outubro de 2023. Em cena em dur: 03.41. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  78. «Hamas militant group launches unprecedented operation against Israel with rockets and infiltration». Associated Press. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  79. «Militants infiltrate Israel from Gaza as Hamas claims major rocket attack». CNN. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  80. a b «Missiles strike southern & central Israel; police declare state of war». Jordan News (em inglês). 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  81. «Army says it is fighting Gaza militants who entered Israel by land, sea and air». Al Arabiya. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023 
  82. «Netanyahu says 'we are at war' after major Hamas attack». The Washington Post. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023 
  83. a b «Hamas launches surprise attack as gunmen enter Israel». Reuters. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  84. «Missiles strike southern & central Israel; police declare state of war». JordanNews (em inglês). 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  85. Benjamin Netanyahu [@netanyahu] (7 de outubro de 2023). «דבריי בפתח ישיבת הקבינט» Minhas palavras no início da reunião de gabinete (Tweet) (em hebraico) – via Twitter 
  86. «Airports close in southern, central Israel following rocket fire». Ynet (em inglês). Consultado em 7 de outubro de 2023 
  87. «German Airline Lufthansa Cuts Flights To Israel: Spokesman». Barron's (em inglês). Consultado em 7 de outubro de 2023 
  88. «Israel battles Hamas militants as country's death toll from mass incursion reaches 600». Associated Press News. Consultado em 8 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2023 
  89. «Israel pounds Gaza after deadly Hamas raid as conflict threatens to spiral». Times of India. 8 de outubro de 2023 
  90. «Reports of mass casualties as Israeli air attack hits refugee camp in Gaza». Al Jazeera. Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2023 
  91. Fabian, Emanuel (9 de outubro de 2023). «Defense minister announces 'complete siege' of Gaza: No power, food or fuel». The Times of Israel. Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2023 
  92. Federman, Josef; Adwan, Issam (9 de outubro de 2023). «Israel vows complete siege of Gaza as it strikes the Palestinian territory after incursion by Hamas». Associated Press. Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2023 
  93. a b «Israel seems poised for a massive invasion of Gaza rather than prolonged attrition». The Conversation. Consultado em 14 de outubro de 2023 
  94. Debre, Isabel; Lederer, Edith M.; Shurafa, Wafaa. «Israel's military orders civilians to evacuate Gaza City, ahead of a feared ground offensive». AP News (em inglês). Consultado em 13 de outubro de 2023 
  95. Falk, Pamela; Tanyos, Paris (13 de outubro de 2023). «Israeli military informs U.N. that all 1.1 million northern Gaza residents should evacuate south within 24 hours». CBS News (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2023 
  96. Khraiche, Dana (13 de outubro de 2023). «UN Calls Israel Order to Evacuate 1.1 Million in Gaza Impossible». Bloomberg (em inglês). Consultado em 13 de outubro de 2023 
  97. Raice, Shayndi (13 de outubro de 2023). «Israelis Conduct Raids in Gaza Strip». The Wall Street Journal 
  98. Fabian, Emanuel (13 de outubro de 2023). «IDF: Infantry troops, tanks entered Gaza for 'localized raids' to clear area of terrorists, locate hostages». The Times of Israel 
  99. Chao-Fong, Léonie; Belam, Martin; Sullivan, Helen (17 de outubro de 2023). «Israel-Hamas war live: at least 500 casualties in Gaza hospital strike, health ministry says». The Guardian 
  100. Ibrahim, Arwa; et al. «Hundreds of casualties as Israel hits Gaza hospital sheltering thousands». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2023 
  101. Fabian, Emanuel; Bachner, Michael (18 de outubro de 2023). «IDF presents evidence misfired Gazan rocket caused hospital blast, slams Hamas 'lies'». TOI (em inglês). Consultado em 18 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2023 
  102. «Israel and Palestinian militants blame each other after hospital blast kills hundreds in Gaza». ABC News (Australia) (em inglês). 17 de outubro de 2023. Consultado em 17 de outubro de 2023 
  103. Al-Mughrabi, Nidal (17 de outubro de 2023). «Hundreds killed at Gaza hospital amid conflicting claims». Reuters (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2023 
  104. «Hamas spokesman reportedly among scores arrested in occupied West Bank». CNN (em inglês). 19 de outubro de 2023. Consultado em 21 de outubro de 2023 
  105. «Rafah border crossing opens, allowing only 20 aid trucks into Gaza». Al Jazeera. 21 de outubro de 2023 
  106. «'We went through hell': Palestinian dual citizens hoping to leave Gaza». Al Jazeera. 21 de outubro de 2023 
  107. «Blindados e infantaria: o que se sabe sobre entrada de Israel em Gaza» 
  108. a b Tal, Amir. «Israel diz ter feito ataques terrestres pontuais à Faixa de Gaza em preparação para "próxima fase da guerra"». CNN Brasil. Consultado em 23 de outubro de 2023 
  109. «Near-total internet and cellular blackout hits Gaza as Israel ramps up strikes». NBC News. 27 de outubro de 2023. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  110. Ravid, Barak. «Israeli military launches major ground incursion in Gaza». Axios. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  111. «Israel suffered heavy losses in last night's attack: Hamas leader Ali Baraka». Turkiye Newspaper 
  112. «Israel-Gaza latest: War against Hamas in 'next stage'; Netanyahu warns conflict will be 'long and difficult'». Sky News (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2023 
  113. Mackenzie, James (28 de outubro de 2023). «Hamas vows 'full force'; Israel says troops still on the ground in Gaza». Reuters. Consultado em 29 de outubro de 2023 
  114. a b Lowe, Yohannes; Hall, Rachel; Ratcliffe, Rebecca (29 de outubro de 2023). «Israel-Hamas war live: WHO 'deeply concerned' by report of evacuation warning to Gaza's al-Quds hospital». The Guardian 
  115. «بعد الوصول لشارع صلاح الدين.. حماس تحبط خطة دبابات إسرائيل l 30 أكتوبر 2023 - 15:25 بتوقيت أبوظبي س». sky news. 29 de outubro de 2023. Consultado em 31 de outubro de 2023 
  116. «Institute for the Study of War». Institute for the Study of War. Consultado em 1 de novembro de 2023 
  117. «Israeli Tanks On The Edge Of Gaza City, Key Road Cut: Witnesses». Barron's. 30 de outubro de 2023. Consultado em 31 de outubro de 2023 
  118. «Heavy clashes as Israeli tanks reach Gaza City outskirts, cut key road». Al Jazeera. Consultado em 30 de outubro de 2023 
  119. «Institute for the Study of War». Institute for the Study of War (em inglês). Consultado em 31 de outubro de 2023 
  120. Al-Mughrabi, Nidal; Rose, Emily; Al-Mughrabi, Nidal (31 de outubro de 2023). «Israel strikes dense Gaza camp, says it kills Hamas commander». Reuters (em inglês). Consultado em 1 de novembro de 2023 
  121. «Photos: Dozens killed in Israeli air attack on Jabalia refugee camp in Gaza». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 1 de novembro de 2023 
  122. Fabian, Emanuel. «IDF says Jabaliya strike killed top Hamas commander, collapsed terror tunnels». Times of Israel (em inglês). Consultado em 1 de novembro de 2023 
  123. «Israeli Forces Cut Gaza in Two, Isolating North of Besieged Enclave». The Wall Street Journal. Consultado em 1 de novembro de 2023 
  124. a b «Palestinians in parts of southern Gaza receive notices to evacuate». AP News (em inglês). Consultado em 16 de novembro de 2023 
  125. «Telecommunications cut off in Gaza after fuel runs out». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 16 de novembro de 2023 
  126. «Internet, phone networks collapse in Gaza, threatening to worsen humanitarian crisis». ABC News (em inglês). Consultado em 16 de novembro de 2023 
  127. «Israeli tanks besiege Gaza's Indonesian Hospital». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2023 
  128. Gritten, David. «Israeli tanks surround north Gaza's Indonesian Hospital». BBC News (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2023 
  129. Emanuel Fabian. «Several IDF deaths in Gaza ground offensive were the result of friendly fire Times of Israel 21 November 2023». Times of Israel. Consultado em 21 de novembro de 2023 
  130. «Israeli troops battle militants across north Gaza, which has been without power or water for weeks». AP News (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2023 
  131. «Hamas signals 'truce deal' is near; Gaza's Indonesian Hospital reels from strike». The Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. OCLC 2269358. Consultado em 21 de novembro de 2023 
  132. a b c «Israel agrees to ceasefire deal, paving way for some captives' release». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 22 de novembro de 2023 
  133. Burke, Jason; Michaelson, Ruth; Borger, Julian. «Israel and Hamas agree deal for release of some hostages and four-day ceasefire». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 22 de novembro de 2023 
  134. «Israel-Hamas pause in fighting to start Thursday morning, Egyptian state media say». AP News (em inglês). 22 de novembro de 2023. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  135. «Israel retoma combates na Faixa de Gaza após Hamas violar trégua». G1. Consultado em 1 de dezembro de 2023 
  136. «Blinken Says Hamas to Blame for End of Week-Long Gaza Truce». Bloomberg (em inglês). 1 de dezembro de 2023. Consultado em 2 de dezembro de 2023 
  137. «IDF: Troops fighting in the heart of Khan Younis in most intensive battles since ground op began». The Times of Israel. 5 de dezembro de 2023. Consultado em 5 de dezembro de 2023 
  138. «Israeli army surrounds Khan Younis as southern Gaza attacks intensify». Al Jazeera. Consultado em 5 de dezembro de 2023 
  139. a b «Israel army says Hamas command structure 'dismantled' in north Gaza». South China Morning Post. 7 de janeiro de 2024 
  140. «After 100 days of war, Israel is determined to fight on in Gaza» (em inglês). NPR.org. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  141. «"Israeli Military Near End of Most Intense Phase of Gaza Fighting, Defense Minister Says" Wall Street Journal, Jan. 15, 2024». WSJ 
  142. Kubovich, Yaniv. «IDF spokesperson: 21 soldiers killed from building collapsing due to RPG fire by Hamas in southern Gaza». Haaretz. Consultado em 23 de janeiro de 2024 
  143. «Israeli strikes hit Rafah after Biden warns Netanyahu to have 'credible' plan to protect civilians». Associated Press. 11 de fevereiro de 2024. Consultado em 12 de fevereiro de 2024 
  144. «'Massacre': Dozens killed by Israeli fire in Gaza while collecting food aid». Al Jazeera. 29 de fevereiro de 2024. Consultado em 29 de fevereiro de 2024 
  145. Salman, Abeer; Diamond, Jeremy. «More than 100 killed as Israeli forces open fire in chaos at Gaza food lines, Palestinian health ministry says». CNN. Consultado em 29 de fevereiro de 2024 
  146. «Biden says US military to airdrop food and supplies into Gaza». Reuters. 1 de março de 2024. Consultado em 2 de março de 2024 
  147. «Israeli cabinet approves reopening of Erez crossing for first time since October 7, says official». CNN. 4 de abril de 2024. Consultado em 5 de abril de 2024 
  148. IDF Withdraws All Troops from Southern Gaza, 7 de abril de 2024
  149. «Israel withdraws troops from southern Gaza for 'tactical reasons'» (em inglês). The Guardian. Consultado em 9 de abril de 2024 
  150. "Israel prepares for operation in Rafah as truce talks continue". Página acessada em 9 de abril de 2024.
  151. «Israel launches Rafah offensive it says is start of mission to 'eliminate' Hamas» (em inglês). The Guardian. 7 de maio de 2024. Consultado em 10 de maio de 2024 
  152. Liptak, Kevin (8 de maio de 2024). «Biden says he will stop sending bombs and artillery shells to Israel if it launches major invasion of Rafah». CNN. Consultado em 9 de maio de 2024 
  153. «Why researchers fear the Gaza death toll could reach 186,000». The Guardian 
  154. a b c d «Hezbollah ataca Israel do Líbano em meio à escalada da tensão no Oriente Médio; veja vídeo». O Globo. 8 de outubro de 2023. Consultado em 8 de outubro de 2023 
  155. a b «Hezbollah entra no conflito em solidariedade ao Hamas e Israel revida com ataque ao Líbano». Revista Fórum. 8 de outubro de 2023. Consultado em 8 de outubro de 2023 
  156. Gold, Hadas. «Israel contra-ataca Líbano após ser atingido por mísseis, dizem Forças de Defesa israelenses». CNN Brasil. Consultado em 8 de outubro de 2023 
  157. «Israel-Lebanon border clashes escalate». Reuters. Consultado em 21 de outubro de 2023 
  158. «Yemen declares war against Israel». Israel National News. Consultado em 31 de outubro de 2023 
  159. a b «Rebeldes do Iêmen assumem autoria de ataque com drones contra Israel». VEJA. Consultado em 31 de outubro de 2023 
  160. a b «Balneário israelense é atacado com mísseis de rebeldes huthis do Iêmen, em nova frente na guerra». O Globo. 31 de outubro de 2023. Consultado em 31 de outubro de 2023 
  161. «Ataque de Israel no Líbano mata comandante de grupo de elite do Hezbollah». Folha de S.Paulo. 8 de janeiro de 2024. Consultado em 9 de janeiro de 2024 
  162. «Here's What to Know About Hezbollah's Radwan Force». The New York Times. 8 de janeiro de 2024. Consultado em 9 de janeiro de 2024 
  163. «Hezbollah ataca Israel com drones em resposta a mortes de líderes do grupo». Folha de S.Paulo. 9 de janeiro de 2024. Consultado em 10 de janeiro de 2024 
  164. «Israel-Gaza Conflict: Update from Raja Abdulrahim». The New York Times. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  165. «In pictures: Scenes of war and chaos after Hamas launch surprise attack on Israel». France 24. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023 
  166. «Pelo menos 3 jornalistas morreram no conflito entre Hamas e Israel, diz organização». G1. 10 de outubro de 2023. Consultado em 10 de outubro de 2023 
  167. a b . Gottbrath, Laurin-Whitney (13 de outubro de 2023). «Gaza fast becoming hell hole on brink of collapse amid Israel strikes: UN». Axios 
  168. «Nível de destruição em Gaza é 'sem precedentes', diz União Europeia». UOL. 12 de dezembro de 2023 
  169. «Drones mostram destruição em Gaza 100 dias após início da guerra». BBC News Mundo. 15 de janeiro de 2024 
  170. «Urgently investigate inhumane treatment and enforced disappearance of Palestinians detainees from Gaza». Amnesty International. 29 de dezembro de 2023 
  171. a b c d «Barely a drop to drink: children in the Gaza Strip do not access 90 per cent of their normal water use». Unicef. 20 de dezembro de 2023 
  172. a b «Gaza faces widespread hunger as food systems collapse, warns WFP». The United Nations World Food Programme. 16 de novembro de 2023 
  173. a b «Gaza health system collapsing, as UN agencies renew ceasefire call». United Nations News. 17 de janeiro de 2024 
  174. a b Paddison, Laura & Marsh, Rene (24 de outubro de 2023). «Gazans forced to drink dirty, salty water as the fuel needed to run water systems runs out». CNN 
  175. Mello, Patrícia Campos (21 de dezembro de 2023). «Nunca vimos tanta destruição em hospitais como a de Israel em Gaza, diz Médicos Sem fronteiras». Folha de S. Paulo 
  176. Al-Barsh, Ahmed (novembro de 2023). «Report on the Impact of the Recent War in 2023 on the Cultural Heritage in Gaza Strip - Palestine» (PDF). Heritage for Peace 
  177. . [Osman, Nadda (7 de dezembro de 2023). «Israel-Palestine war: Israeli forces destroy central archive of Gaza city». Middle East Eye 
  178. Pollock, Laura (18 de janeiro de 2024). «Israel destroys last university in Gaza as strikes continue». The National Scotland 
  179. Diamond, Jeremy (20 de janeiro de 2024). «At least 16 cemeteries in Gaza have been desecrated by Israeli forces, satellite imagery and videos reveal». CNN 
  180. Fabian, Emanuel (7 de outubro de 2023). «Head of Sha'ar Hanegev council Ofir Liebstein killed in gunfight with Hamas terrorists». Times of Israel. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  181. Diver, Tony (7 de outubro de 2023). «Israeli commander among at least 50 people captured by Hamas». The Daily Telegraph 
  182. «At least 7 Nepali injured, 17 held captive by Hamas in Israel». India Today. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  183. «At least 7 Nepali injured, 17 held captive by Hamas in Israel: Nepal's envoy». ANI. 7 de outubro de 2023. Consultado em 7 de outubro de 2023 
  184. Fabian, Emanuel. «Commander of IDF's Nahal Brigade killed in clashes with Hamas on Gaza border». The Times of Israel (em inglês). Consultado em 8 de outubro de 2023 
  185. Fabian, Emanuel (8 de outubro de 2023). «IDF says commander of elite 'Ghost' unit among those killed in battles». The Times of Israel (em inglês) 
  186. «Antisemitism Surges Around World as Israel, Hamas Clash». VOA (em inglês). 11 de outubro de 2023. Consultado em 12 de outubro de 2023 
  187. a b c d e f «Hamas ameaça matar reféns se Israel continuar contraofensiva em Gaza». UOL. 9 de outubro de 2023 
  188. Philip Pullella (16 de outubro de 2023). «Jerusalem Catholic Patriarch offers to be exchanged for Gaza hostages». Reuters. Consultado em 16 de outubro de 2023 
  189. Kubovich, Yaniv (31 de março de 2024). «Israel created 'kill zones' in Gaza. Anyone who crosses into them is shot». Haaretz (em inglês). Consultado em 1 de abril de 2024 
  190. «Jornalista morre após ser atingido por bombardeio na fronteira entre Israel e Líbano». G1. 13 de outubro de 2023. Consultado em 13 de outubro de 2023 
  191. «Membro fundador do grupo Hamas é morto em ataque na capital do Líbano». CNN Brasil. Consultado em 2 de janeiro de 2024 
  192. Letícia Dauer e Beatriz Alcântara (1 de junho de 2024). «Pai da família brasileira ferida em bombardeio no Líbano pede ajuda do Brasil para resgate». G1. Consultado em 3 de junho de 2024 
  193. «India sides with West, condemns 'terrorist attacks in Israel' by Palestine's Hamas group». The Telegraph. Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2023 
  194. «PM Modi affirms solidarity with Israel, surprise assault chills recent thaw in region». Indian Express. 7 de outubro de 2023. Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  195. 陳昀 (8 de outubro de 2023). «哈瑪斯突襲以色列 賴清德:譴責恐怖主義威脅暴力» Hamas ataca Israel Lai Ching-te: Condena o terrorismo como uma ameaça à violência. Liberty Times (em chinês). Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2023 
  196. Nike Ching (8 de outubro de 2023). «Israel Urges China to Show Solidarity After Beijing Fails to Condemn Hamas Attacks». Voice of America (em inglês). Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2023 
  197. «EU freezes aid payments for Palestinians after Hamas attack on Israel». al-Arabiya. 9 de outubro de 2023. Consultado em 9 de outubro de 2023 
  198. «Germany 'Temporarily Suspends' Palestinian Development Aid: Ministry». Barron's. 9 de outubro de 2023. Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2023 
  199. «Austria Suspends Aid For Palestinians After Hamas Attack». Barron's. 9 de outubro de 2023. Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2023 
  200. a b c «EUA anunciam envio de porta-aviões e caças para Israel combater o Hamas» 
  201. a b c Liebermann, Oren. «Ataques em Israel: EUA enviam navios de guerra para o Mar Mediterrâneo». CNN Brasil. Consultado em 9 de outubro de 2023 
  202. «Saudi Arabia joins global calls for de-escalation of conflict between Palestinians, Israelis». Arab News. 7 de outubro de 2023. Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  203. Kwen, James (7 de outubro de 2023). «Nigeria Reacts To Israel, Palestine Hostilities, Calls For De-escalation». Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2023 
  204. «Saudi Arabia, Qatar, Oman and Bahrain call for immediate de-escalation between Israel and Palestine». Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  205. «Demonstrators rally in various nations to support Palestinians». Consultado em 9 de outubro de 2023 
  206. «Zelensky diz que Hamas e Rússia representam "o mesmo mal"». Gazeta do Povo. Consultado em 10 de outubro de 2023 
  207. «Iran: Not too Late to Prevent Israel-Hamas War Widening». VOA. 14 de outubro de 2023 
  208. a b c News, A. B. C. «Exclusive: US to send 2nd aircraft carrier to eastern Mediterranean». ABC News (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2023 
  209. «Israel repudia fala de Petro sobre nazismo e corta exportação à Colômbia». Noticias UOL. 15 de outubro de 2023 
  210. «Governo de esquerda da Colômbia ameaça romper com Israel». Poder 360. 15 de outubro de 2023 
  211. «Israel suspende exportações para a Colômbia após fala de presidente colombiano sobre bloqueio a Gaza». G1. 16 de outubro de 2023 
  212. «Chanceler da Colômbia pede para embaixador de Israel deixar o país». Notícias UOL. 16 de outubro de 2023 
  213. a b Gazeta do Povo com Agência EFE. «Reino Unido envia navios e aviões militares para dar apoio a Israel». Gazeta do Povo. Consultado em 2 de novembro de 2023 
  214. a b «Reino Unido envia o RFA 'Argus', 'Lyme Bay' e P-8 Poseidon para apoiar Israel». Defesa Aérea & Naval. 12 de outubro de 2023. Consultado em 2 de novembro de 2023 
  215. a b c «Guerre Israël-Hamas: avec l'envoi du « Tonnerre », la France renforce sa présence militaire en Méditerranée orientale». Le Monde (em francês). 26 de outubro de 2023. Consultado em 26 de outubro de 2023 
  216. a b c «França anuncia o envio do 'Tonnerre' para o Mediterrâneo Oriental». Defesa Aérea & Naval. 25 de outubro de 2023. Consultado em 26 de outubro de 2023 
  217. «EUA pressionam Irã com seu mais poderoso submarino nuclear». Folha de S.Paulo. 6 de novembro de 2023. Consultado em 7 de novembro de 2023 
  218. «Israel Gaza war: ICC prosecutor seeks arrest warrants for Netanyahu and Hamas leaders». www.bbc.com (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2024 
  219. Kottasová, Ivana (20 de maio de 2024). «Exclusive interview: ICC prosecutor seeks arrest warrants against Sinwar and Netanyahu for war crimes over October 7 attack and Gaza». CNN (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2024 
  220. Kennedy, Niamh e Rothda, Richard (17 de novembro de 2023). «Especialistas da ONU alertam para 'genocídio em formação' em Gaza». CNN Brasil 
  221. «Em Haia, África do Sul diz que Israel promove colonização e genocídio». Agência Brasil. 11 de janeiro de 2024 
  222. «Ação da África do Sul contra Israel por genocídio em Gaza tem apoio de países Islâmicos, da Liga Árabe e da América Latina». CNN Brasil. 13 de janeiro de 2024 
  223. «Lula compara resposta de Israel em Gaza à ação de Hitler contra judeus; Netanyahu convoca embaixador do Brasil para reunião, e Conib repudia fala do petista». G1. 18 de fevereiro de 2024. Consultado em 1 de março de 2024 
  224. «Federações israelitas em RJ e SP criticam fala de Lula sobre guerra». Poder 360. Consultado em 1 de março de 2024 
  225. «Israel declara Lula como 'persona non grata' após presidente comparar ação contra palestinos em Gaza ao Holocausto». G1. 19 de fevereiro de 2024. Consultado em 1 de março de 2024 
  226. Diver, Tony (7 de outubro de 2023). «Israeli commander among at least 50 people captured by Hamas». The Daily Telegraph. Consultado em 12 de outubro de 2023 
  227. «Misinformation about the Israel-Hamas war is flooding social media. Here are the facts». Associated Press. Consultado em 12 de outubro de 2023 
  228. Fichera, Angelo (8 de outubro de 2023). «Trump's Claim that U.S. Taxpayer Money Funded Hamas Attacks Is False». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 12 de outubro de 2023 
  229. Entous, Adam; Barnes, Julian E.; Swan, Jonathan (11 de outubro de 2023). «Early Intelligence Shows Hamas Attack Surprised Iranian Leaders, U.S. Says». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 12 de outubro de 2023 
  230. Goggin, Ben (10 de outubro de 2023). «Gaza church debunks fake claim that it was destroyed». NBC News (em inglês). Consultado em 11 de outubro de 2023 
  231. Gilbert, David. «Elon Musk Is Shitposting His Way Through the Israel-Hamas War». Wired. Consultado em 11 de outubro de 2023 
  232. Dixit, Pranav. «Social media platforms swamped with fake news on the Israel-Hamas war». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 10 de outubro de 2023 
  233. Doak, Sam (9 de outubro de 2023). «Video of caged children predates recent fighting in Israel and Gaza». Logically (em inglês). Consultado em 11 de outubro de 2023 
  234. Liles, Jordan; Ibrahim, Nur (9 de outubro de 2023). «Does Video Show Children in Chicken Coop Cages in Israel-Hamas Conflict in October 2023?». Snopes (em inglês). Consultado em 11 de outubro de 2023 
  235. Kulsum, Umme (9 de outubro de 2023). «Video of Iran parliamentarians saying 'Death to America' is not related to Israel-Hamas war». Logically (em inglês). Consultado em 12 de outubro de 2023 
  236. O'Rourke, Ciara (11 de outubro de 2023). «Video shows Iranian lawmakers chanting 'death to America' in 2020, not 2023». PolitiFact (em inglês). Consultado em 12 de outubro de 2023 
  237. Orland, Kyle (11 de outubro de 2023). «Users mistake video game clips for real Israeli war footage on social media». Ars Technica (em inglês). Consultado em 13 de outubro de 2023 
  238. a b Rucker, Samuel (9 de outubro de 2023). «The hoaxes and misinformation about Israel and Gaza, debunked». i News (em inglês). Consultado em 11 de outubro de 2023 
  239. a b «Hamas decapitou 40 bebês? Veja o que se sabe sobre o massacre em Kfar Aza». Band. 10 de outubro de 2023. Consultado em 14 de outubro de 2023 
  240. a b Muhammad Darwish, Nic Robertson, Artemis Moshtaghian, Amir Tal, Ivana Kottasová (11 de outubro de 2023). «Children found 'butchered' in Israeli kibbutz, IDF says, as horror of Hamas' attacks near border begins to emerge». CNN (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2023 
  241. a b Solmaz, Mehmet; Calli, Enes (11 de outubro de 2023). «Despite refutations from Israeli military, headlines that Hamas 'beheaded babies' persist». Anadolu Ajansı. Consultado em 14 de outubro de 2023 
  242. «Unverified reports of '40 babies beheaded' in Israel-Hamas war inflame social media». NBC News (em inglês). 12 de outubro de 2023. Consultado em 14 de outubro de 2023 
  243. «Ben Shapiro slammed for sharing 'AI image of Israeli baby'». The New Arab (em inglês). 13 de outubro de 2023. Consultado em 14 de outubro de 2023 
  244. Frantzman, Seth J. (7 de outubro de 2023). «A massive unprovoked attack on Israel - analysis». The Jerusalem Post. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  245. Beaumont, Peter (7 de outubro de 2023). «Hamas's stealth attack will be remembered as Israeli intelligence failure for the ages». The Guardian. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 

Ligações externas

editar
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Guerra Israel-Hamas