Ilhabela

município–arquipélago marinho brasileiro, no estado de São Paulo

Ilhabela é um dos únicos municípiosarquipélagos marinhos brasileiros e é localizado no litoral norte do estado de São Paulo, microrregião de São Sebastião. A população aferida pelo IBGE no Censo de 2010 era de 28 196 habitantes, e a área é de 346,389 km², resultando numa densidade demográfica de 81,4 hab/km². A população estimada pelo IBGE para 1 de julho 2019 era de 34 970 habitantes, resultando numa densidade estimada de 100,96 hab/km².[3] O município é formado pela sede e pelos distritos de Cambaquara e Paranabi.[6][7] O arquipélago é composto por 19 ilhas, ilhotes e lajes.[2]

Estância Balneária de Ilhabela
  Município do Brasil  
Barcos velejando
Barcos velejando
Símbolos
Bandeira de Estância Balneária de Ilhabela
Bandeira
Brasão de armas de Estância Balneária de Ilhabela
Brasão de armas
Hino
Lema Ilhabela da princesa
Apelido(s) "Capital Nacional da Vela"
Gentílico ilhabelense
Localização
Localização da Estância Balneária de Ilhabela em São Paulo
Localização da Estância Balneária de Ilhabela em São Paulo
Mapa da Estância Balneária de Ilhabela
Coordenadas 23° 48' 54" S 45° 22' 14" O
País Brasil
Unidade federativa São Paulo
Região intermediária[1] São José dos Campos
Região imediata[1] Caraguatatuba-Ubatuba-São Sebastião
Região metropolitana Vale do Paraíba e Litoral Norte
Distância até a capital 212 km[2]
História
Fundação 3 de setembro de 1805 (215 anos)
Administração
Prefeito(a) Maria das Graças Ferreira dos Santos Souza (PSD, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [3] 346,389 km²
População total (estatísticas IBGE/2019[3]) 34 970 hab.
Densidade 101 hab./km²
Clima Tropical (Aw)
Altitude de 0 a 1378 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[4]) 0,756 alto
PIB (IBGE/2013[5]) R$ 3 256 712 mil
PIB per capita (IBGE/2013[5]) R$ 105 112,86
Sítio Sítio oficial (Prefeitura)

Possui uma das mais acidentadas paisagens da região costeira brasileira, com todas as características de relevo jovem. Com o aspecto geral de um conjunto montanhoso – formado pelo Maciço de São Sebastião e Maciço da Serraria, além da acidentada Península do Boi –, a Ilha de São Sebastião se destaca como um dos acidentes geográficos mais elevados e salientes do litoral paulista, tendo como pontos culminantes o Pico de São Sebastião, com 1379 metros de altitude;[2] o Morro do Papagaio, com 1302 metros;[2] e o Morro da Serraria, com 1285 metros.

Banhado pelo oceano Atlântico, o município está localizado a 212 quilômetros da capital[2] e a 140 quilômetros da divisa com o estado do Rio de Janeiro. Está situada um pouco ao sul do Trópico de Capricórnio, que passa sobre a cidade vizinha de Ubatuba.

Estância balneáriaEditar

 Ver artigo principal: Estância turística (São Paulo)

Ilhabela é um dos 15 municípios paulistas considerados estâncias balneárias pelo Estado de São Paulo, por cumprirem determinados pré-requisitos definidos por Lei Estadual. Tal status garante a esses municípios uma verba maior por parte do Estado para a promoção do turismo regional. Também, o município adquire o direito de agregar junto ao seu nome o título de Estância Balneária, termo pelo qual passa a ser designado tanto pelo expediente municipal oficial quanto pelas referências estaduais.

HistóriaEditar

A era pré-colonial e as ocupações indígenasEditar

Pesquisas arqueológicas realizadas desde o final da década de 1990 mostram que pelo menos quatro das ilhas do arquipélago de Ilhabela foram habitadas muito antes da chegada dos europeus ao Brasil. Mais precisamente, há pelo menos 2000 anos a região era habitada por índios sambaquieiros, e há 700 por índios ceramistas.[8]

Isso foi possível graças à descoberta de sítios arqueológicos pré-coloniais nas ilhas de Vitória, Búzios e dos Pescadores. Os primeiros habitantes do arquipélago foram pescadores e coletores que viviam em acampamentos a céu aberto perto de praias e baías. As coleções de conchas, frutos do mar e cerâmicas deixados por eles são os únicos vestígios dos quais arqueólogos dispõem para estudá-los. Os pesquisadores deduzem que esses habitantes pouco exploravam as matas, provavelmente colhendo apenas frutas e igredientes para remédios.[9]

Antes da colonização pelos portugueses, essas tribos foram substituídas por povos tupis-guaranis e jês, que tinham conhecimentos de cerâmica e agricultura e que deixaram o único vestígio de uma aldeia, no chamado "sítio Vianna" na ilha principal (Ilha de São Sebastião). Essas tribos se abrigavam provisoriamente sob rochas durante expedições de caça e exploração das ilhas.[9]

Período do Brasil Colônia: cana-de-açúcar, exportação de ouro e ataques piratasEditar

Em 20 de janeiro de 1502 a primeira expedição exploradora enviada ao Brasil pelos portugueses, comandada pelo navegador português Gonçalo Coelho e trazendo a bordo o cosmógrafo italiano Américo Vespúcio, encontrou uma grande ilha que, segundo o aventureiro alemão Hans Staden, era chamada pelos tupis de Maembipe ("lugar de troca de mercadorias e resgate de prisioneiros"). Essa ilha, assim como fora feito em outros acidentes geográficos importantes, foi batizada pelos membros da expedição com o nome do santo do dia, São Sebastião.[9] Também se diz que era chamada pelos indígenas por Ciribaí (lugar tranquilo).

Na época, a ilha servia de abrigo e também de entreposto para piratas e corsários originários principalmente da Inglaterra, da França e da Holanda, que visitavam Ilhabela para colher lenha, alimentos e água. Foram responsáveis por diversos ataques a embarcações e povoados portugueses (mais precisamente Santos, São Vicente e Bertioga), o que levou a coroa portuguesa a perder grandes quantidades de ouro e outras pedras preciosas até o século XVII. Essas movimentações pela região deram origem a lendas de tesouros escondidos pelo território da ilha.[9]

Francisco de Escobar Ortiz foi o primeiro morador da Ilha de S. Sebastião e obteve de Pero Lopes de Sousa, donatário da capitania, sete léguas de terra para si e sua nobre geração e de sua mulher Ignez de Oliveira Cotrim, que ambos vieram da capitania do Espírito Santo para a ilha de S. Sebastião.

Ignez de Oliveira Cotrim era bisavó do Capitão Bartolomeu Pais de Abreu, de João Leite da Silva Ortiz e de sua neta de mesmo nome Ignez de Oliveira Cotrim casada com Antônio de Faria Sodré irmão do Padre João de Faria Fialho.

Segundo escreveu Pedro Taques de Almeida Pais Leme, foi Francisco de Escobar Ortiz senhor de dois engenhos de açúcar, os primeiros na ilha.

Devido a sua posição estratégica era muito utilizada para fazer "aguada" ou seja, caravelas e galeões de passagem paravam na ilha para pegar água fresca e viveres.

Entre os anos de 1588 e 1590 passaram por essa ilha os corsários ingleses Edward Fenton[10] e Thomas Cavendish. Este último, acompanhado de John Davis[11], depois de ter sido derrotado em Vitória do Espírito Santo, voltou à ilha buscando refúgio, mas sofreu mais uma grande perda de homens em um embate quando os portugueses entre os quais Diogo de Unhate, Gonçalo Pedroso, Diogo Dias, Joaquim de Escobar Ortiz e João de Abreu atacaram e expulsaram, em uma única noite de batalha, os corsários ingleses que "infectavam" a costa.[10] Outras fontes afirmam que o corsário Thomas Cavendish teria passado pela ilha em 1591, e que ele teria feito o caminho inverso: aportado em Ilhabela (saqueando Santos e São Vicente) e só depois sofrido a estrepitosa derrota em Vitória do Espírito Santo.[12]

A primeira concessão de terras pela coroa portuguesa da qual se sabe algo concretamente aconteceu em 1603 e se estendeu ao longo do século XVII. Na época, o produto mais comum a ser cultivado e depois exportado para a metrópole era a cana-de-açúcar, comum em todo o litoral paulista,[9] e que era plantada nas áreas voltadas para o oceano e até nas ilhas mais afastadas, como Vitória e Búzios. O plantio da cana e a produção de açúcar ganharam fôlego entre os séculos XVII e XVIII e implicaram na derrubada de consideráveis áreas florestais.[13]

Com o advento do tráfico negreiro, o canal entre a ilha e o continente passou a ser frequentado por navios negreiros. Conforme relatos da época, alguns africanos escravizados conseguiram fugir e iniciaram os primeiros quilombos da região, em áreas distantes e de mata fechada.[13]

Em 16 de março de 1636 seria criada a Vila de São Sebastião que se desmembrou político administrativamente da Vila do Porto de Santos. A nova Vila de São Sebastião abrangia também o território da Ilha de São Sebastião (atual Ilhabela).

Entre os séculos XVII e XVIII, a vila de São Sebastião era um importante porto para escoar o ouro encontrado nas regiões hoje correspondentes a Mato Grosso do Sul e Goiás. Para proteger as embarcações que de lá saíam, a segurança do canal foi reforçada com fortins, fortes, trincheiras e artilharias. A instalação desses equipamentos pode ter contribuído para o estabelecimento das primeiras povoações brancas no local, ainda no século XVII, o que se deu paralelamente à concessão de mais sesmarias para cultivo não só da cana, mas também de fumo e anil.[13]

Também por esses tempos, e também por conta da mineração próspera, foi instalada na Ponta das Canavieiras uma armação baleeira, a primeira da Capitania de São Paulo. Acredita-se que ela atendia basicamente a demanda local e os núcleos eram concedidos pela coroa numa sistemática sob a qual o concessionário investia no local e, após 10 anos, toda a infraestrutura ficava para a Fazenda Real.[13]

A Capitania do Rio de Janeiro restringiu a circulação de embarcações de azeite por suas águas, acreditando que o atual Litoral Norte paulista era na verdade palco de contrabando de ouro. A partir de 1734, portanto, baleias começaram a ser mortas para a produção de óleo.[13] Mais ou menos em 1850, conforme o animal ficava mais excasso, a atividade e a armação foram abandonados.[14]

No começo do século XIX, a Ilha de São Sebastião contava com cerca de três mil habitantes e seu principal povoado chamava-se Capela de Nossa Senhora D'Ajuda e Bom Sucesso.

Transição do açúcar para o café e liderança econômicaEditar

Com importância política, social e econômica cada vez maior, dada a pujança das atividades agrícolas e comerciárias da região, a Ilha de São Sebastião foi alçada por António José da Franca e Horta (que governava São Paulo na época) em 1805 à condição de Vila, com o nome de "Villa Bella da Princesa".[14]

Ao longo do século XIX, as atividades ligadas à cana-de-açúcar entraram em declínio, mas foram substituídas pelo café, a exemplo do que ocorreu no restante do Vale do Paraíba. Na vila, a produção se concentrou na Ponta do Boi, no sul da ilha, num local denominado Fazenda Nossa Senhora das Galhetas, Figueira e Sombrio. O cultivo do café implicava em um desmate ainda maior que o da cana-de-açúcar, e as plantas podiam ser colocadas em altitudes de mais de 500 metros, nas escarpas da ilha principal.[14]

Em 1854, a população da ilha era de 10.769 habitantes, concentrados no lado voltado para o continente. Havia 225 fazendas onde 1725 pessoas escravizadas realizavam seus trabalhos forçados; a produção da vila na época era maior que a de qualquer município litorâneo de São Paulo.[14]

A era do café na região chegou ao fim com a abolição da escravatura no Brasil e a economia da ilha passou por um resgate das atividades do engenho,[14] que na época somavam 36 e focavam em aguardente em vez de açúcar. Essa aguardente se destinava principalmente à exportação, em pequenas quantidades, por meio do porto de Santos. [15] A própria população levava sua produção ao porto, usando canoas denominadas "vogas"; o conhecimento para fabricá-las era herança dos índios que antes povoavam a região. A Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo deixou o seguinte relato a respeito dessas embarcações:[15]

A fabricação dessas embarcações implicava em mais desmatamentos, uma vez que as árvores retas e de grande porte - nomeadamente: ingá, araticum, bocuíba-açú, coabí, guapuruvu, jequitibá, canela-moscada, canela-batalha, pau-d'alho, figueira[16] - eram ideais para as vogas. Além disso, outras árvores tinham de ser derrubadas ao longo do processo de fabricação: algumas para abrir caminho para o transporte da matéria-prima, outras para que seus troncos servissem de "esteiras rolantes" para mover essa matéria-prima, e outras cujas copas acabavam entrelaçadas com as copas das árvores visadas pelos fabricantes.[16] A produção era tão intensa que a vila se tornou o principal centro de confecção de vogas no litoral de São Paulo até o século XX.[15]

Um novo declínio de cultivo se abateu sobre a ilha e foi seguido por um período de estagnação econômica. Na década de 1920, imigrantes japoneses se instalaram na ilha e trouxeram tecnologias internacionais; ao mesmo tempo, a chegada do barco a motor e das redes de cerco alavancaram a pesca na região, antes restrita aos locais onde os métodos tradicionais eram eficazes. Assim, o uso das canoas de voga também se viu gradativamente obsoleto.[16]

Ao longo da primeira metade do século, a pesca ajudou a ilha a se tornar uma potência local novamente. O Saco do Sombrio, antes um ancoradouro de navios negreiros e por muito tempo desabitado, virou o maior porto pesqueiro da vila. Abrigava entre 20 e 25 barcos por vez, todos protegidos dos ventos, e reunia de 450 a 500 habitantes. O local atingiu tal importância que, em 1944, foi elevado à condição de distrito (com o nome Paranabi), juntamente às ilhas de Búzios, Vitória e dos Pescadores. Fora a pesca, ganharam força também o artesanato e a coleta de algas marinhas - esta última ensinada pelos japoneses[16] e chegando ao seu ápice entre 1925 e 1932.[17]

Declínio econômico e retomada com o turismoEditar

A partir dos anos 1930, a vila sofreu as consequências da crise mundial consolidada no período, somada à revolução constitucionalista e o consequente bloqueio marítimo imposto a São Paulo. Os imigrantes japoneses deixaram o local, levando muitos pescadores e tripulantes ao desemprego. De 1933 a 1938, os peixes em volta da ilha sumiram repentinamente, aumentando a miséria deles. Conforme o interior do estado era desbravado com a construção de novas estradas e ferrovias, boa parte da população migrou para lá em busca de melhores oportunidades. Esse êxodo propiciou uma tendência de recuperação da mata nativa.[17]

Em 21 de maio de 1934, o governo paulista realizou, em meio à grave crise econômica pela qual atravessava o país, uma reestruturação na divisão territorial do Estado, quando extinguiu 18 pequenos municípios, entre eles o de Vila Bela da Princesa (cujo nome já havia mudado para Vila Bela), que voltou a integrar o território da Vila de São Sebastião. A extinção do município foi revogada em 5 de dezembro de 1934. Por imposição do governo de Getúlio Vargas que baixou o decreto federal nº 2140, o nome de Vila Bela mudou, a partir de 1 de janeiro de 1939, para Formosa. Inconformados, os moradores iniciaram um movimento popular contra o novo nome até que, em 30 de novembro de 1944, o governo estadual baixou o decreto nº 14334, mudando o nome do município, a partir de 1 de janeiro de 1945, para Ilhabela.

As terras locais foram vendidos a preços desvalorizados e, a partir dos anos 1960, o turismo surge como alternativa para a retomada econômica da ilha. A infraestrutura local foi melhorada e a ilha passou a ser vendida como "símbolo da aventura, do prazer e da natureza selvagem".[17]

O turismo e a especulação imobiliária configuraram nova ameaça à mata nativa, o que estimulou ambientalistas a cobrarem a criação de Unidades de Conservação, culminando na criação do Parque Estadual de Ilhabela nos anos 1970. Segundo levantamento realizado em 2005, o turismo, aliado às atividades do Porto de São Sebastião e do Terminal da Petrobras, configuravam os principais vetores de pressão ambiental no local.[17] Mais recentemente, a partir de 2011, pontos de exporação das camadas de pré e pós-sal vieram se juntar aos vetores anteriores.[18]

Em fevereiro de 2016, a prefeitura de Ilhabela anunciou um investimento de R$ 12 milhões para criar um sistema de esgoto na região sul da cidade. Na época do anúncio, o município era o pior de todo o litoral de São Paulo no quesito "tratamento sanitário" segundo avaliação da Secretaria Estadual do Meio Ambiente - 35% do esgoto da cidade é coletado, pré-condicionado e lançado ao mar, segundo o órgão, enquanto que a prefeitura aponta 61% de cobertura de rede de esgoto.[19]

GeografiaEditar

Composição territorialEditar

 
Ilha de Búzios (esquerda) e Vitória (direita).
 
Extremo sul da Ilhabela, visto de São Sebastião.
 
A formação geológica em Ilhabela é rica e nos diz muito sobre o passado do nosso planeta. Sua peculiaridade ajuda pesquisadores a compreenderem o período do supercontinente Gondwana.

O município arquipélago de Ilhabela possui um território de 348,3 km² (IBGE) e suas principais ilhas são, pela ordem em termos de área, a de São Sebastião (33737 ha[20]), a dos Búzios (739 ha[20]), a da Vitória (219 ha[20]) e a dos Pescadores (20 ha[20]) - todas habitadas. Fazem parte ainda do arquipélago diversas ilhas e ilhotes (ver seção "Ilhas, ilhotes e lajes" abaixo para uma relação completa).

As Ilhas da Vitória, dos Pescadores e dos Búzios ficam a 38, 37 e 24 km do continente, respectivamente.[20] As ilhas de Búzios e Vitória ficam, respectivamente, a 28 e 40 quilômetros de Ilhabela. Canoas são as únicas embarcações capazes de atracar no píer precário. Ambas possuem resquícios de cemitérios indígenas pré-históricos. Os habitantes plantam e criam a própria comida, embora a quantidade de peixes esteja diminuindo, mas a Ilha de Búzios possui dois mercados. Falta água potável e os habitantes urinam e defecam na vegetação.[21]

Sem sistema de saúde, as ilhas dependem da visita periódica de equipes da prefeitura de Ilhabela com médicos, enfermeiros, dentistas e psicólogos.[21] As ilhas são tão isoladas que, no início do século XX, o governo aventou a possibilidade de instalar presídios em alguma delas. Um dos engenheiros responsáveis por analisar o local foi Euclides da Cunha, que registrou as seguintes palavras sobre a Ilha de Vitória: "[a ilha tem] capacidade para povoamento muitas vezes maior, explicando-se o seu abandono pela distância".[21]

A Ilha de São Sebastião - onde fica a área urbana do município - está localizada defronte aos municípios de São Sebastião a noroeste e Caraguatatuba a norte. Com 337,5 km², a Ilha de São Sebastião é a segunda maior ilha marítima do Brasil, superada apenas pela de Santa Catarina, que abriga a maior parte do município de Florianópolis, a capital de Santa Catarina. Em sua orla – com cerca de 130 quilômetros extensão[20] – o relevo desenha reentrâncias e mergulhos, com 45 praias principais e outra dezena de pequeninas praias situadas, irregularmente, ao pé das escarpas.

A Ilha de São Sebastião está separada do continente pelo Canal do Toque-Toque, que possui cerca de 18 quilômetros de extensão e largura variando em torno de dois a cinco quilômetros. É possível atingi-la através do serviço de travessia por balsas da Travessia São Sebastião-Ilhabela da Dersa. A ilha possui um relevo bem acentuado, com montanhas com mais de mil metros de altura. Essas formações com grande altitude fazem uma barreira para os ventos carregados que vêm do mar, e por isso, mesmo com características tropicais. A distância entre o extremo sul e o extremo norte da ilha é de mais de 22 km. A Península do Boi, localizada na porção sudoeste da ilha, corre cerca de 8 km mar adentro.

A ilha possui duas faces distintas: a face voltada para o continente é a mais urbanizada e populosa cujas praias são mais calmas, badaladas e poluídas. Já a face voltada para o oceano aberto é pouco habitada, sendo que a maioria dos habitantes dessa face está na Praia de Castelhanos, a única praia do lado oceânico acessível de carro (embora só jipes possam fazer o trajeto até o local). Como as praias dessa face estão todas voltadas para o oceano, possuem ondas mais fortes que atraem surfistas.

Fauna e floraEditar

Pássaros Tangará em Ilhabela
 
Baleia-de-bryde em Baía de Castelhanos

Uma das características marcantes de Ilhabela é a predominância da Mata Atlântica, sendo a Serra de Ilhabela coberta pela floresta latifoliada tropical úmida de encosta. Dentre todos os municípios abrangidos pela Mata Atlântica, Ilhabela foi aquele que mais preservou a floresta no período compreendido entre os anos de 1995 a 2000, graças a um programa de contenção da expansão urbana desordenada, que é desenvolvido pela administração municipal na área de entorno do Parque Estadual de Ilhabela (PEI), criado em 20 de janeiro de 1977 pelo decreto estadual nº 9414, com área de 27,025 hectares correspondente a cerca de 84,3% do território do município (o que incluiu grande parte da ilha principal, 11 outras ilhas, três ilhotes, três lajes e um parcel). A importância do parque lhe valeu inclusão na região conhecida como reserva de biosfera pela UNESCO[22] e nas áreas abrangidas pela Aliança para a Extinção zero (AZE) e designação como Área Importante para a Preservação de Aves (IBA).[23]

Um levantamento de 2015 da Fundação Florestal listou 1569 espécies de flora na área do Parque Estadual.[24]

O município é lar de espécies endêmicas como o rato cururuá,[23] as serpentes Siphonops insulanus e Liotyphlops caissara e os lagartos teiú e teiú de Búzios (Tupinambis merianae sebastiani e Tupinambis merianae buzionensis, respectivamente; esta última endêmica da Ilha de Búzios),[25] sendo ponto de avistamento também de 66 espécies de aves distribuídas estritamente na mata atlântica, sendo cinco consideradas globalmente ameaçadas de extinção em 2015.[23]

Há alguns registros históricos sugerindo a presença de onças-pintadas na ilha. O primeiro data de 1562, quando José de Anchieta escreveu em carta para o Rei Sebastião de Portugal que a ilha era desabitada, porém continha "muitos tigres" (os exploradores portugueses conheciam mais os animais da África e da Ásia, que usavam como parâmetro).[26] Outro registro data de 1877, quando a população local matou a última onça da qual se tem notícia na ilha, tendo ela vindo a nado do continente.[26] Por fim, sabe-se que, em 1912, a Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo registrou um local com o nome "Pedra da Onça".[26]

A ocupação urbana é vista como potencial ameaça à preservação das espécies locais. Estruturas como a Estrada de Castelhanos, que provê acesso veicular terrestre à Praia de Castelhanos, preocupam especialistas, que recomendam cautela ao permitir o trânsito de visitantes.[27]

HidrografiaEditar

Um estudo da Fundação Florestal de 2015 apontou que a qualidade da água do município, embora boa em geral por conta da densa vegetação, pode ser afetada pelo turismo intenso e pela presença de comunidades caiçaras carentes de serviços de saneamento básico.[28]

ClimaEditar

 
Chuva caindo em Ilhabela (vista de São Sebastião)

O clima é tropical litorâneo úmido ou tropical atlântico, classificado como Aw[29]. Possui um clima quente e úmido, com temperatura média anual de 23 °C e precipitação de 1 646 mm/ano, mais concentrados nos meses de verão. O mês mais quente é fevereiro, com temperatura máxima de 30°C e o mais frio é julho com mínima de 15 °C.[30] No entanto, devido às diferenças altimétricas, é possível a ocorrência de diferentes climas em Ilhabela, como o tropical de altitude ou mesmo subtropical nas áreas montanhosas e nos picos. Áreas muito elevadas (acima de 1.000 m) tendem a apresentar temperaturas bastante inferiores às da parte que fica ao nível do mar.

Uma característica distinta do clima de Ilhabela é a diferença da umidade relativa do ar entre as duas faces da ilha. As altas montanhas que formam o território do município funcionam como uma barreira para as nuvens, forçando-as a se elevarem e propiciando condensação do vapor d'água e a ocorrência de chuva orográfica.[28]

Dados climatológicos para Ilhabela
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 29,6 29,8 29,7 28 26,2 25,2 24,3 24,8 25,2 26,3 27,5 28,8 27
Temperatura média (°C) 26,2 26,4 26 24 21,9 20,6 19,7 20,7 21,9 23 24,2 25,2 23,3
Temperatura mínima média (°C) 22,9 23,1 22,3 20 17,6 16 15,2 16,7 18,6 19,8 20,9 21,6 19,6
Precipitação (mm) 222 210 219 146 104 73 60 61 80 133 144 194 1 646
Fonte: Climate-Data.[30]

DemografiaEditar

Dados do Censo - 2000

(Fonte: IPEADATA)

EconomiaEditar

A economia do município baseia-se no turismo, no comércio e na construção civil, com a pesca, o artesanato e o funcionalismo público ocupando posições secundárias em termos econômicos.[31] Em 2016, a cidade ficou entre os dez municípios brasileiros com o melhor Índice FIRJAN de Gestão Fiscal.[32]

TurismoEditar

 
O turismo é a principal fonte de renda do município
 
Ilhabela é um dos destinos mais visitados no litoral paulista

O turismo movimenta a economia durante a temporada. A população chega a se multiplicar até cinco vezes nessa época. A cada ano cresce o número de turistas. Ilhabela é conhecida por suas praias, cachoeiras, trilhas. Foi[33] ainda uma das 65 cidades indutoras de turismo do país e destino de sol e mar do estado para a Copa do Mundo de 2014.

Uma pesquisa realizada em novembro de 2014 mostrou que 66% da população local era favorável ao controle de acesso de visitantes à ilha[34].

O município foi homenageado no Carnaval de São Paulo em 2016 por meio da escola de samba Unidos de Vila Maria, com o enredo "A Vila mais famosa é a mais bela, Ilha bela da fantasia"[35].

PraiasEditar

A ilha possui 36 km de praias.

Outros pontos da ilhaEditar

CachoeirasEditar

Ilhabela possui atualmente 360 cachoeiras registradas. Mas as quedas d´água que podem ser aproveitadas para banho somam cerca de 30.

Estas são apenas as principais cachoeiras da ilha:

  • Cachoeira do Paquetá
  • Cachoeira Três Tombos
  • Cachoeira da Friagem
  • Cachoeira do Couro do Boi
  • Cachoeira Bananal
  • Cachoeira da Toca
  • Cachoeira Água Branca
 
  • Cachoeira da Lage Preta
  • Cachoeira do Gato
  • Cachoeira Pancada d'Água
  • Cachoeira do Veloso
  • Cachoeira do Areado
  • Cachoeira da Lage

Ilhas, ilhotes e lajesEditar

 
Imagem de satélite do arquipélago. Da esquerda para a direita: Ilha de São Sebastião, Ilha de Búzios e Ilha de Vitória. São Sebastião pode ser vista na parte esquerda da imagem.
  • Ilhas: Ilha de Búzios, Sumítica, Pescadores, Serraria, Cabras, Castelhanos e Ilha de Vitória.[20]
  • Ilhotes: Lagoa, Figueira, Anchovas, das Cabras, das Calhetas.[20]
  • Lajes: Da Garoupa e do Carvão.[20]
  • Parcel: Itapeirica.[20]

Pontos mais altosEditar

  • Pico de São Sebastião 1.378 metros[2]
  • Morro do Papagaio 1.302 metros[2]
  • Pico da Serraria 1.285 metros
  • Pico do Ramalho 1.205 metros
  • Pico do Baepi 1.048 metros

TransporteEditar

O principal acesso a Ilhabela, para quem vem de São Paulo ou do Vale do Paraíba, é feito pela Rodovia dos Tamoios que liga São José dos Campos a Caraguatatuba. Ao chegar a Caraguá, continua-se pela Rodovia Manuel Hipólito Rego, a SP-55, sentido Sul até São Sebastião. É possível vir também pela Rio-Santos.[20]

A ligação entre São Sebastião e Ilhabela é feita pela Travessia São Sebastião-Ilhabela de balsas, operada pela Dersa. O percurso dura em média 15 minutos.

Em Ilhabela em si, a principal via é a SP-131, que liga a Ponta das Canas (extremo norte) à Ponta das Canas (extremo sudoeste).[38]

ComunicaçõesEditar

Na telefonia fixa, a cidade era atendida pela Companhia de Telecomunicações do Estado de São Paulo (COTESP), que construiu em 1971 a central telefônica no centro da cidade utilizada até os dias atuais. Em 1975 passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[39], que construiu as outras centrais telefônicas da cidade até que em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica. Em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[40][41][42][43].

ControvérsiasEditar

Em 2015, uma pesquisa Ibope indicou que a Câmara Municipal de Ilhabela era a segunda instituição a inspirar menos confiança na população local, atrás apenas da empresa de telecomunicações Vivo[44].

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  2. a b c d e f g Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 50.
  3. a b c IBGE (1 de julho de 2019). «IBGE Cidades - Ilhabela» 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 7 de agosto de 2013 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2010-2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 14 de junho de 2016 
  6. «Municípios e Distritos do Estado de São Paulo» (PDF). IGC - Instituto Geográfico e Cartográfico 
  7. «Divisão Territorial do Brasil». IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
  8. Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 44.
  9. a b c d e Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 53.
  10. a b Ernesto Reis; "Piratas no Atlântico Sul"; ed. Giostri; ISBN 9788581080871
  11. Geoffrey Treasure, Ian Dawson, Who's who in British history: beginnings to 1901. A-H, Volume 1, Thomas Cavendish
  12. Dória, Palmério (2013). «"Só um bobo dá a telefonia para estrangeiros"». O Príncipe da Privataria 1 ed. São Paulo: Geração Editorial. p. 274. ISBN 978-85-8130-201-0 
  13. a b c d e Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 54.
  14. a b c d e Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 55.
  15. a b c Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 56.
  16. a b c d Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 57.
  17. a b c d Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 58.
  18. Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 59.
  19. «Rede de esgoto chega ao sul de Ilhabela com investimento de R$ 12 milhões». Nova Imprensa. 18 de fevereiro de 2016. Consultado em 25 de fevereiro de 2016 
  20. a b c d e f g h i j k Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 51.
  21. a b c Pinho, Angela (31 de janeiro de 2014). «Moradores de ilhas do litoral paulista vivem no isolamento». Veja São Paulo. Grupo Abril. Consultado em 12 de setembro de 2016 
  22. Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 29.
  23. a b c Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 30.
  24. Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 71.
  25. Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 77.
  26. a b c Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 49.
  27. Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 48.
  28. a b Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 65.
  29. «Koppen climate map». Consultado em 19 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 20 de novembro de 2010 
  30. a b «Clima: Ilhabela». Climate-Data. Consultado em 15 de julho de 2015. Cópia arquivada em 15 de julho de 2015 
  31. Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, pp. 81-82.
  32. Neder, Vinicius (28 de julho de 2016). «Apenas 23 cidades do País têm gestão fiscal de excelência». O Estado de S. Paulo. Grupo Estado. Consultado em 19 de agosto de 2016 
  33. «Ilhabela rumo à Copa». Site oficial da Prefeitura. Consultado em 17 de fevereiro de 2013 [ligação inativa]
  34. Rossi, Daniela Malara (2 de maio de 2015). «Ibope revela que 66% da população quer controle de acesso de turistas». Nova Imprensa. Consultado em 28 de maio de 2015 
  35. «Unidos da Vila Maria vai mostrar as lendas e a história de Ilhabela, em SP». Carnaval 2016 em São Paulo. Consultado em 26 de janeiro de 2016 
  36. https://qualipraia.cetesb.sp.gov.br/qualidade-da-praia/ilhabela.phtml
  37. https://www.ilhabela.com.br/praias/
  38. Plano de Manejo (resumo executivo) 2015, p. 52.
  39. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  40. «Telesp vai servir mais 86 cidades do estado». Acervo Folha de São Paulo 
  41. «Patrimônio da COTESP incorporado pela TELESP» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  42. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  43. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 
  44. Rossi, Daniela Malara (21 de maio de 2015). «Vivo e Câmara são instituições menos confiáveis em Ilhabela, diz Ibope». Nova Imprensa. Consultado em 28 de maio de 2015 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ilhabela
O Wikivoyage possui o guia Ilhabela