Abrir menu principal

Imigração ucraniana no Brasil

O Brasil abriga hoje a maior comunidade ucraniana da América Latina, contando com mais de 1 milhão pessoas,[2] entre ucranianos e descendentes, 80% deles vivendo no estado do Paraná.

Ucrânia Ucraíno-brasileiros Brasil
Serys SlhessarenkoHéctor Babenco
ElianaJosé Mindlin
Notáveis Ucraíno-brasileiros::
Serys Slhessarenko  · Héctor Babenco
Andree Guittcis  · Eliana  · José Mindlin
População total

1 milhão[1]

Regiões com população significativa
Brasil, principalmente no Paraná
Línguas
Predominantemente Português e Ucraniano
Religiões
Predominantemente Greco-católicos Ucranianos, Católicos Romanos e Ortodoxos Ucranianos

História da imigraçãoEditar

Os ucranianos formaram o segundo maior contingente étnico eslavo a imigrar para o Brasil, perdendo apenas para os poloneses. A imigração de ucranianos para o Brasil começou efetivamente nos anos de 1895-96. Em apenas dois anos, cerca de 15 mil ucranianos desembarcaram no Brasil. A grande maioria foi encaminhada para o Paraná, onde tornaram-se pequenos agricultores.

Até a década de 1920, aproximadamente 50 mil ucranianos imigraram para o Brasil, a maior parte proveniente da Galícia. O número de imigrantes, de fato, deve ter sido ligeiramente maior, tendo em vista que parte da Ucrânia estava dominada pelo Império Austro-Húngaro e pela Polônia, e muitos imigrantes possuíam passaporte austríaco ou polonês.

 
Descendentes de ucranianos na cerimônia de bênção dos alimentos na véspera da Páscoa de 2006 em Curitiba.

Durante a década de 1960 muitos reemigraram para os Estados Unidos e principalmente o Canadá onde a comunidade ucraniana era bem maior e obtinha muito mais benefícios do governo canadense para se estabelecer em fazendas.

A comunidade ucraino-brasileira hojeEditar

Residindo em sua imensa maioria no Paraná, e, em menor medida, em Santa Catarina, São Paulo e Pernambuco, os descendentes de ucranianos ainda preservam seus costumes em diversos municípios brasileiros, com destaque para Prudentópolis, União da Vitória, Mallet, Irati e a região metropolitana de Curitiba, entre outros.

LínguaEditar

A língua ucraniana ainda é falada pelas gerações mais antigas, todavia a maioria dos jovens atualmente fala apenas o português.

ReligiãoEditar

Praticamente todos os descendentes e imigrantes ucranianos preservam o cristianismo. Uma boa parte dos católicos orientais passou a participar dos ritos litúrgicos na tradição romana. Uma outra parcela continua fiel à tradição oriental da Igreja Católica, fazendo parte da arquieparquia Greco-Católica Ucraniana, sediada em Curitiba. Uma menor parcela, por fim, nunca se afastou da tradição Ortodoxa Ucraniana, ligada ao patriarcado independente do papa de Roma, sendo esta uma Igreja Autocéfala. Diversos templos do Paraná e de Santa Catarina guardam a influência deste grupo étnico. A religião é, portanto, forma de manutenção das tradições e perpetução da memória da presença ucraniana no Brasil.


Judeus da UcrâniaEditar

Diversos judeus que viviam em territórios que hoje compõem a Ucrânia imigraram para o Brasil a partir do final do século XIX. Denominá-los como ucranianos, entretanto, é impreciso. No Império Russo, a nacionalidade era definida por critérios étnicos, de forma que judeus e ucranianos compunham dois grupos distintos. Ademais, apesar de gozarem de mais liberdade do que em outras regiões do império, os judeus na maior parte dos casos viviam em guetos de grandes cidades, não eram autorizados a ocupar diversos cargos públicos. Parte relevante da imigração judia se explica pelos pogrons constantes a que eram submetidos por parte de russos e ucranianos, sendo portanto incorreto assimilar os judeus a tais grupos.

Brasileiros notórios de origem ucranianaEditar

Referências