Abrir menu principal

Liu Shaoqi

político chinês, 2° Presidente da China
Este é um nome chinês; o nome de família é Liu (刘 ).
Liu Shaoqi

刘少奇

Liu Shaoqi, segundo Presidente da República Popular da China China
2Presidente da República Popular da China
Período 27 de abril de 1959
a 31 de outubro de 1968
Vice-presidente Dong Biwu
Soong Ching-ling
Antecessor Mao Zedong
Sucessor Li Xiannian (cargo retomado em 1983)
1º Presidente do Comitê Permanente do Congresso Nacional do Povo
Período 15 de setembro de 1954
a 28 de abril de 1959
Sucessor Zhu De
1º Vice-Presidente do Partido Comunista da China
Período 28 de setembro de 1956
a 1 de agosto de 1966
Sucessor Lin Biao
Membro do Congresso Nacional do Povo
Período 15 de setembro de 1954
a 21 de outubro de 1968
Dados pessoais
Nascimento 24 de novembro de 1898
Ningxiang, Hunan, Império Qing
Morte 12 de novembro de 1969 (70 anos)
Kaifeng, Henan, República Popular da China
Nacionalidade Chinês
Cônjuge Zhou (?)
He Baozhen (1923-1934)
Xie Fei (1935-1940)
Wang Qian (1942-1943)
Wang Jian (?)
Wang Guangmei (1948-1969)
Filhos Liu Yunbin
Liu Aiqin
Liu Yunruo
Liu Tao
Liu Ding
Liu Pingping
Liu Yuan
Liu Tingting
Liu Xiaoxiao
Partido Partido Comunista da China

Liu Shaoqi (chinês: 刘少奇, pinyin: Liú Shào qí; 24 de novembro 189812 de novembro de 1969) foi um revolucionário, político e teórico chinês. Foi o primeiro presidente do Comitê Permanente do Congresso Nacional do Povo, de 1954 a 1959, primeiro vice-presidente do Partido Comunista da China, de 1956 a 1966, e presidente da República Popular da China (o líder de estado de jure) de 1959 a 1968, período no qual implementou uma série de políticas para a reconstrução econômica da China.

Durante 15 anos, Liu foi o terceiro homem mais poderoso da China, atrás somente do presidente Mao Zedong e do primeiro-ministro Zhou Enlai. Originalmente preparado para ser o sucessor de Mao, acabou por antagonizar o presidente no começo dos anos 60, antes da Grande Revolução Cultural Proletária, e a partir de 1966 passou a ser objeto direto de crítica até ser expurgado. Desapareceu da vida pública em 1968, sendo rotulado como o "comandante do quartel-general da burguesia chinesa", o maior "seguidor da via capitalista" e traidor da revolução.

Morreu sob forte tratamento no final de 1969, mas foi postumamente reabilitado por Deng Xiaoping em 1980, recebendo assim um memorial em seu nome.[1]

Referências