Merseyside derby

Merseyside Derby
Everton versus Liverpool
Merseyside derby.jpg
Everton 66 vitória(s), 264 gol(s)
Liverpool 95 vitória(s), 336 gol(s)
Empates 75
Total de jogos 236
Total de gols 600
editar

O Merseyside derby é o clássico local da cidade de Liverpool, Inglaterra, que envolve as equipes do Everton Football Club e do Liverpool Football Club. O nome do confronto é uma referência ao Rio Mersey, que percorre a cidade. Os dois clubes chegaram a ser precisamente os dois maiores vencedores do Campeonato Inglês de Futebol até a década de 1990.[1] Inicialmente, o clube azul deteve a supremacia, só revertida a partir da década de 1960,[2] a ponto de a torcida dos Reds passar a nutrir mais rivalidade com o Manchester United.[3] Mas antes mesmo disso o Merseyside Derby, ainda considerado um dos maiores clássicos do mundo, já era uma rivalidade sui generis: sempre foi marcado pelas torcidas tratarem-se bastante cordialmente, a ponto de o duelo ser chamado também de Friendly Derby ("clássico amistoso").[2]

Dentre outros elementos peculiares da rivalidade, está os fatos de Anfield Road, visto como o mítico estádio do Liverpool, já ter sido a casa do Everton, e de inicialmente o Liverpool ter usado a cor azul como o rival e chamar-se de "Everton Athletic";[2] também é comum que alguns ídolos de um clube sejam ou tenham sido na intimidade torcedores do rival, incluindo quem mais jogou e mais marcou gols pelos Reds no clássico com os Toffees.[4] A proximidade também ocorre na distância entre os estádios: Anfield situa-se a 1.100 metros de Goodison Park, o estádio do Everton, no que é a décima menor distância entre dois estádios de clubes rivais no mundo.[5]

A fraternidade incomum, porém, não impede que os encontros sejam jogos bastante acirrados: lendário treinador do time vermelho, Bill Shankly teria cunhado sua célebre frase "futebol não é questão de vida ou morte, é mais importante que isso" para referir-se a esse clássico,[3] que é precisamente a partida que mais reúne expulsões na história da Premier League - em 2016, constatou-se que desde 1992 haviam sido aplicados 25 cartões vermelhos em 48 jogos, quantidade cinco vezes acima da média de confrontos alheios.[6]

IntroduçãoEditar

O Liverpool foi criado em 1892 pelo proprietário do estádio de Anfield Road, o escocês John Houlding, em resposta à renúncia do Everton àquele lugar. Criado em 1878, o Everton originalmente instalara-se no Stanley Park, passando em 1882 a alugar Anfield, em terreno vizinho. A saída deveu-se à não-aceitação dos Toffees com a quintuplicação do preço do aluguel. Foi quando o clube mudou-se para Goodison Park, na ponta oposta ao Stanley Park;[2] por conta disso, a expressão "atravessar o Stanley Park" passaria a ser utilizada como sinônimo de quem deixa um dos clubes para atuar no rival. O primeiro a fazê-lo era daqueles primórdios: Duncan McLean, um dos primeiros jogadores alinhados pelo clube novo, era do Everton e permaneceu em Anfield. No mesmo ano de 1892, Tom Wyllie tornou-se outro Evertonian a se incorporar aos novatos.[7]

Houlding, por sua vez, tinha tamanha obsessão com seus antigos inquilinos que seu clube chamou-se primeiramente Everton Athletic, mas a tentativa de registra-lo foi negada pela Football League, que tinha o clube original como um dos membros-fundadores. Houlding então optou pelo nome Liverpool, mas inicialmente manteve a mesma cor azul do vizinho. Somente dois anos depois, em 1894, o vermelho foi adotado.[2] Nesse mesmo ano, ocorreu o primeiro clássico, com vitória do Everton por 3-0 no Goodison Park.[8][9]

Os estádios da dupla estão entre os dez mais próximos do mundo entre dois rivais; a distância de 1.100 metros é justamente a décima menor, sendo a menor da elite inglesa; a segunda menor entre os estádios ingleses (abaixo dos 700 metros entre as casas de Nottingham Forest e Notts County); a terceira menor no Reino Unido (abaixo também dos cem metros que separam os clubes escoceses Dundee e Dundee United, dos estádios mais próximos do mundo); e a quarta menor na Europa, abaixo de 700 metros entre os sérvios Partizan e Estrela Vermelha. Além destes, apenas Remo e Paysandu (250 metros, segunda menor), Racing e Independiente (350 metros, terceira menor), Santos e Portuguesa Santista (400 metros, quarta menor), Al-Merrikh Sporting Club e Al-Hilal Omdurman (550 metros, quinta menor), Estudiantes e Gimnasia y Esgrima (650 metros, sexta menor) e Guarani e Ponte Preta (800 metros, nona menor) têm estádios mais próximos que os Merseysiders.[5]

O "Clássico Amistoso"Editar

 
Steven Gerrard comemorando gol no clássico em 2012. É o segundo maior artilheiro do Liverpool no Merseyside Derby, mas curiosamente já foi fotografado com o uniforme rival, na infância.
 
Ian Rush em jogo de veteranos do Liverpool em 2008. Embora torcedor dos azuis, tornou-se o maior artilheiro vermelho no clássico, decidindo inclusive final de Copa da Inglaterra diante do Everton um mês após chegar a vestir a camisa toffee em brincadeira do Dia da Mentira.
 
Jamie Carragher em 2011. Apesar de defender somente o Liverpool em toda a sua carreira (1996-2013), sempre declarou-se torcedor do rival a ponto de marcar um gol contra intencional em amistoso dos dois clubes que o homenageou.
 
Robbie Fowler no jogo festivo de despedida de Steven Gerrard, em 2013. Embora torcedor dos azuis, contra eles desabafou sua mais famosa comemoração de gol, simulando consumo de cocaína após encerrar jejum de cinco anos sem vitórias dos Reds no dérbi.

O clássico é marcado pelo grande respeito mútuo entre as torcidas.[2] Nesse contexto, uma curiosa estatística está nos dois maiores artilheiros dos Reds no clássico. Eles são, em primeiro lugar, Ian Rush (25), e depois Steven Gerrard (dez). Ambos também estão entre os seis únicos jogadores do Liverpool, e os dois únicos desde a década de 1930, a conseguirem o chamado três gols em um só duelo - Rush na realidade, conseguiu quatro,[10] e é também o jogador do Liverpool com mais partidas no duelo (36).[11] No curioso contexto do clássico, porém, Rush é um dos ídolos da torcida vermelha que torcem ou torciam pelo rival, já tendo confessado que era frequentador assíduo do Goodison Park junto com o irmão.[4] Gerrard, por sua vez, sempre se declarou torcedor Red, mas na infância foi fotografado trajando o uniforme completo do Everton em uma armação de um tio.[12]

Outros exemplos de Evertonians que defenderam os Reds são Michael Owen, que sonhava na infância em ser como o artilheiro azul Gary Lineker, Robbie Fowler, Steve McManaman, Jamie Carragher e Adam Lallana. Carragher ocasionalmente chegava a treinamentos trajando vestimentas Toffees.[4] Quando completou 16 anos como profissional do Liverpool, foi contemplado com um amistoso das duas equipes, alinhadas com amigos. Ele fez um dos gols da vitória vermelha por 4-1, mas também marcou o único gol azul, em circunstância curiosa: ele cometeu um pênalti e, antes que o cobrador rival chutasse-o, correu para cobrar a penalidade, explicando que "como torcedor do Everton quando criança, eu sempre sonhei em marcar um gol contra o Liverpool. Por isso, resolvi fazer isso". O gol contra insolitamente intencional terminou aplaudido por todos.[13]

Fowler, por sua vez, protagonizou em clássico travado em 2 de abril de 1999 uma das comemorações de gol mais polêmicas do futebol, "cheirando" a linha de fundo em resposta às acusações rivais de que seria usuário de cocaína. O Liverpool venceu por 3-2,[14] encerrando jejum de vitórias que perdurava no clássico desde a temporada 1993-94.[15] Fowler, porém, recebeu quatro jogos de suspensão e multa equivalente a 44 mil euros pela atitude.[14]

Na via oposta, dentre os torcedores ou ex-torcedores confessos do Liverpool que fizeram sucesso no rival estão Peter Reid, que assumiu já ter nutrido momentaneamente ódio pela própria mãe ao vê-la infância comemorando vitória azul no clássico, sem imaginar que viraria uma lenda toffee na década de 1980,[16] sendo descrito como a principal contratação que o Everton já fez após a Segunda Guerra Mundial; e Dave Watson, jogador azul do fim da década de 1980 até o início da década de 2000,[17] capitão e melhor em campo na conquista Copa da Inglaterra de 1995,[18] último troféu do clube. Reid foi na época a contratação mais cara da história do Everton e ambos integraram o último título do time também no campeonato inglês, em 1987.[1] Um mais recente torcedor Red a ser incorporado ao Goodison Park é Theo Walcott.[19]

O beatle Paul McCartney chegou a ponto de torcer pelos dois clubes, embora nos clássicos opte pelo Everton, pelo qual era fanático na infância até reconhecer-se sem habilidade para o futebol e focar-se na música. Ele assim explicou em 2008: "depois de um concerto em Wembley, eu peguei amizade com Dalglish, que estava na plateia, e pensei comigo: ‘Quer saber? Vou torcer pelos dois times, porque todos são de Liverpool. Eu não me importo com essa coisa entre protestantes e católicos’. Então, tive uma dispensa especial do Papa para fazer isso. Torço para ambos. São dois grandes clubes. Mas, se houver um clássico, sou Everton, por causa da minha família",[20] ainda que seu irmão Mike sempre tenha apoiado os vermelhos.[21] Baterista original da banda, Pete Best é outro confesso Evertonian,[22] embora tenha se permitido a parabenizar o rival quando este sagrou-se campeão inglês em 2020.[23] O baixista original, Stuart Sutcliffe, teve sua preferência vermelha sugerida no filme Backbeat. Os demais membros, por sua vez, preferiram seguir a recomendação empresarial de Brian Epstein de serem discretos quanto ao time pelo qual torciam para não desapontar o público adepto do rival; deduz-se que George Harrison preferisse os Reds apenas por este ser o time assumido pelo filho Dhani, pois o guitarrista chegava a declarar que há três times em Liverpool (cuja região metropolitana também abriga o Tranmere Rovers) e torceria "pelo outro". John Lennon e Ringo Starr, por sua vez, seriam torcedores de equipes forasteiras - Newcastle United, no caso do guitarrista (com a maior sugestão nesse sentido advindo de um desenho infantil seu), e Arsenal, no do baterista (cujo padrasto era londrino), embora acredite-se que eles dois também guardassem simpatia pelo Liverpool; no caso de Lennon, as indicações nesse sentido viriam da conhecida paixão de seu pai pelos Reds e por ter partido de John a inclusão do antigo artilheiro vermelho Albert Stubbins como único futebolista presente na capa de Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, além de mencionar outro ex-jogador do clube, Matt Busby, na canção Dig It.[21][24][25][26]

Nesse contexto peculiar, os clubes já prestaram tributos a torcedores um do outro. Em 2007, o assassinato do garoto Rhys Jones, detentor de carnê que lhe permitia acompanhar todos os jogos do Everton como mandante, levou a diretoria dos Reds a, antes de uma partida, homenageá-lo na presença da família dele com o sistema de som de Anfield Road tocando a canção "Johnny Todd", normalmente usada nas entradas de campo do rival.[27] Já na temporada 2012-13, após ser esclarecido que a torcida vermelha não havia sido a própria responsável pelo desastre de Hillsborough que a acometera e sim as autoridades policiais, o Everton, em clássico na sua casa, homenageou as vítimas com a entrada de duas crianças uniformizadas por cada um com a numeração nas costas referindo-se aos 96 mortos, sob a música "He ain't heavy, he's my brother" ("ele não é um fardo, ele é meu irmão"), do grupo The Hollies. No clássico seguinte, a plateia do Liverpool retribuiu com a palavra "Thanks" ("obrigado") em mosaico nas cores azul e vermelha.[28] Na temporada 2015-16, quando a inocência dos Reds no desastre foi corroborada em júri, os vizinhos (antes de partida contra o Bournemouth) voltaram a prestar homenagem com a mesma música, dessa vez levando familiares dos mortos ao gramado, sob ovação da plateia Toffee - onde havia faixa com os dizeres "justiça finalmente, irmãos em armas".[29]

Mesmo na época da tragédia, erroneamente atribuída na ocasião à ação de hooligans, a torcida azul uniu-se em apoio à rival, e sua posterior homenagem em 2012 foi reconhecida pelos torcedores vermelhos como mais bela que a própria homenagem oficial do Liverpool. A cidade inteira também uniu-se em perpétuo boicote ao tabloide The Sun, veículo londrino que disseminara inverdades desfavoráveis aos torcedores dos Reds. As provocações utilizando as mortes em humor negro são mais frequentes vindo de torcedores insensíveis do Manchester United.[30] Quando as informações falsas ainda eram vistas como procedentes, Paul McCartney foi um dos artistas a prestar solidariedade, regravando para fins beneficentes às vítimas o single "Ferry Cross the Mersey", canção ligada à região e cujo conteúdo fala sobre superação.[20] Uma das vítimas, precisamente a mais jovem, falecendo com dez anos de idade, era justamente um primo de Steven Gerrard: Jon-Paul Gilhooley,[31] a quem Gerrard viria a dedicar a autobiografia, com as palavras "Eu jogo por Jon-Paul".[32]

A tragédia de Hillsborough ocorreu pelas semifinais da Copa da Inglaterra, cuja decisão deu-se exatamente entre Liverpool e Everton. O torcedor toffee Ian Rush fez os dois gols que deram na prorrogação o título aos Reds, na vitória por 3-2.[33] Duas semanas antes da tragédia, Rush inclusive se permitira protagonizar uma brincadeira pelo Dia da Mentira, fotografando-se com a camisa do Everton para uma publicação humorada que sugeriria sua contratação pelo rival.[34]

A temporada 2019-20 rendeu no primeiro duelo, em Anfield, uma nova homenagem das duas torcidas às vítimas de Hillsborough, dias após a absolvição judicial da chefe de polícia responsável pela segurança do estádio na ocasião da tragédia. O tributo incluiu uma bandeira nas cores azul e vermelha com a mensagem de que todos os merseysiders saberiam "da verdade", clamando então por "justiça para os 96" mortos.[35] Vencido por 5-2 pelos anfitriões, o dérbi entrou para as estatísticas ao registrar a maior quantidade de gols desde um 4-4 em 1991 pela quinta rodada da Copa da Inglaterra - e o terceiro a, válido pelo campeonato inglês, passar da barreira dos seis gols, após um 7-4 dos Reds em 1933 e um 5-2 dos Toffees em 1904. O triunfo, além de estender para vinte jogos a invencibilidade contra o vizinho, também fez o Liverpool superar seu próprio recorde geral de invencibilidade no campeonato, que eram as 31 partidas travadas entre maio de 1987 e março de 1988, em tempos áureos do clássico.[36]

EstatísticasEditar

A dupla chegou a ser líder e vice-líder na quantidade de títulos ingleses quando o Everton, ao acumular em 1987 seu nono e último título, ultrapassou o Arsenal, enquanto o Liverpool já tinha dezesseis.[1] Na altura de 2018, os Reds são os segundos maiores vencedores, com dezoito conquistas, e os Toffees estão no quarto lugar, ao passo que o Arsenal tem treze e o Manchester United, com vinte, é o maior vencedor.[37] Ambos também lideravam na soma de pontos de todas as edições do campeonato inglês.[2] Em 2018, o Liverpool segue em primeiro com 4836 pontos, com o Arsenal tomando a segunda colocação, com 4780, dez a mais que a do Everton, atual terceiro colocado.[38]

O estádio de Anfield Road, casa do Liverpool que anteriormente foi utilizada por dez anos pelo rival, é precisamente o campo que mais recebeu partidas na primeira divisão inglesa, enquanto o Everton é o clube que mais partidas jogou na elite - só tendo passado duas temporadas na segunda divisão em sua história.[2]

A dupla já realizou finais ou liderou o pódio do campeonato inglês nos seguintes anos: em 1966, o Liverpool venceu por 1-0 a Supercopa da Inglaterra; em 1984, os Reds venceram por 1-0 a final da Copa da Liga Inglesa, enquanto o Everton venceu por 1-0 a Supercopa; em 1985, o Everton venceu o campeonato e o rival foi vice; em 1986, ocorreu o inverso, com o Liverpool campeão inglês deixando os Toffees em segundo, além de vencer o rival também na final da Copa da Inglaterra (por 3-1), enquanto a a Supercopa foi dividida após empate em 1-1; em 1987, os azuis novamente foram os campeões ingleses com os vermelhos de vices; por fim, em 1989 o Liverpool venceu a final da Copa da Inglaterra por 3-2,[39][40][41][42][43] em conquista dedicada às vítimas da tragédia de Hillsborough, ocorrida na semifinal da competição.[33]

Ambos os clubes estiveram na mesma temporada em finais continentais, na de 1984-85. Os azuis ganharam a Recopa Europeia, enquanto os vermelhos foram derrotados na final da Liga dos Campeões da UEFA,[44] partida esta marcada pela tragédia de Heysel, esta de fato provocada por hooligans do Liverpool. Indiretamente, os Reds acabaram responsáveis por impedir que os vizinhos pudessem brilhar na Liga dos Campeões na segunda metade da década de 1980, quando o Everton tinha um dos melhores elencos de sua história: como punição, todos os clubes ingleses foram banidos por cinco anos das competições continentais.[2]

Em fevereiro de 2009, os clubes protagonizaram um clássico curioso: em duelo pela Copa da Inglaterra, empatavam em 0-0 até o fim da prorrogação, quando a emissora ITV, que exibia a partida, acionou o intervalo comercial. Quando a exibição da propaganda encerrou, as imagens do jogo já mostravam as comemorações dos jogadores do Everton com o gol da vitórias aos 13 minutos do segundo tempo extra. A emissora assumiu que seu sistema cometeu uma falha ao inserir de modo automático os comerciais.[45] Naquele torneio, o Everton pôde chegar à final [41] e aquela foi precisamente uma das últimas vitórias azuis no clássico: à altura de 2018, o último triunfo do Toffees data de 2010.[46]

Em 2018, um encontro em janeiro marcou a estreia promissora do zagueiro neerlandês Virgil van Dijk, que marcou nos minutos finais o gol de vitória vermelha por 2-1 válida pela Copa da Inglaterra após ter uma atuação defensiva também soberba - fazendo o treinador Jürgen Klopp admitir ser preferível "mudar de opinião do que não ter opinião", em referência à postura declarada de outrora de que preferiria abandonar o futebol a pagar 100 mil libras por um único jogador (o patamar usado para contratar Van Dijk).[47] Outro duelo daquele ano, em dezembro, foi cenário do gol que rendeu ao Red Mohamed Salah a vitória no Prêmio Puskás para gol mais bonito da temporada.[48]

Em 2019, embora não evitasse o prolongamento de um jejum de quase dez anos sem vencer o rival, o Everton foi indiretamente responsável para manter um jejum desfavorável ao próprio Liverpool. Sem conquistar a liga inglesa desde a temporada 1989-90, o clube de Anfield liderava a edição de 2018-19 até um clássico disputado em março. O empate sem gols foi suficiente para os vermelhos perderem a liderança para o Manchester City e adiante terminarem com o vice-campeonato por um ponto a menos que este clube.[49]

Após o dérbi influir na decepção dos Reds com a perda da liga inglesa de 2018-19, estes enfim puderam encerrar o jejum de três décadas na temporada seguinte, cerca de cinco anos depois de contratarem seu treinador Jürgen Klopp após terem demitido o antecessor Brendan Rodgers exatamente após outro 0-0 no clássico, em outubro de 2015.[47] Houve inclusive a possibilidade de a conquista ser matematicamente assegurada em clássico em pleno Goodison Park, caso os vermelhos triunfassem na casa rival e o concorrente (novamente, o Manchester City) perdesse uma partida prévia contra o Arsenal, mas nada dessa combinação ocorreu. O duelo quase decisivo, aguardado sob espera especial também por retomar o campeonato após suspensão de meses decorrente da pandemia de COVID-19 (o que fez com que a partida fosse disputada sem torcidas, após uma frustrante anulação da temporada inteira chegar a ser debatida), foi outro finalizado em 0-0, com os azuis obtendo as possibilidades mais concretas de vitória. Carlo Ancelotti, técnico toffee na ocasião,[50] era justamente o outro principal candidato a assumir o Liverpool na época da contratação de Klopp.[47]

Lusófonos no dérbiEditar

Abel XavierEditar

O último jogador a ter trocado um diretamente pelo outro na rivalidade é o luso-moçambicano Abel Xavier, que "atravessou o Stanley Park" ao rumar do Everton ao Liverpool em 30 de janeiro de 2002. Identificado mais com os azuis, ele declararia a respeito, em 2018, que "foi muito difícil. Eu queria ficar mais, mas não foi possível. O Everton não era tão economicamente forte como é hoje e eu não fui capaz de prolongar meu contrato, que tinha seis meses restantes. Quando nós decidimos que eu deveria ir sair, eu pensei que tudo foi feito corretamente. O Liverpool me queria demais e eu era um profissional. Mas você sempre deve respeitar a opinião dos torcedores. Eu posso olhar os Evertonians no olho e dizer que fiz meu melhor até meu último dia no clube. Eu posso ir à cidade e circular de cabeça erguida. Sou muito orgulhoso por ambos os clubes, espero, me respeitarem e pelas pessoas terem boas lembranças de mim. Isso não ocorre frequentemente. No Everton, você se sente tão próximos dos torcedores... você está jogando por eles. Eles tornaram especial o período para mim. Por causa dos torcedores, você sentia 'eu estou no lugar certo'. Eu sempre me senti bem vindo no Everton - como uma pessoa e um jogador. Eu era feliz indo treinar todo dia. E me senti importante como um jogador do Everton e creio que deixei um impacto".[51]

Abel Xavier foi também precisamente o primeiro lusófono nos dois clubes,[52][53][54][55][56] ingressando nos Toffees em 1999. Por eles, disputou cinco vezes o clássico, vencendo o primeiro, em 26 de setembro daquele ano (1-0), empatando o segundo e perdendo os outros três onde defendeu o lado azul.[57] A única vitória dele permanece à altura de 2019 como a última vez em que o Everton pôde vencer o duelo dentro de Anfield Road.[58] Pelos Reds, ele jogou uma única vez o clássico, já em 22 de fevereiro de 2002, menos de um mês após a troca. A partida terminou empatada em 1-1.[59] Como recém-chegado ao Liverpool, foi chamado à Copa do Mundo FIFA de 2002.[60]

Outros lusófonos pelo EvertonEditar

Defendendo o Everton, o brasileiro Rodrigo "Beckham" registrou somente quatro partidas no geral pelo clube, entre agosto e setembro de 2002, não chegando a figurar no clássico.[61] O português Nuno Valente jogou duas vezes o duelo, ambos na temporada 2005-06, com uma vitória e uma derrota.[62] O brasileiro Anderson Silva foi utilizado uma única vez no geral pelo Everton, em abril de 2007, sem participar do clássico.[63] O português Manuel Fernandes jogou um único dérbi (em derrota em 2008),[64] assim como o brasileiro (em derrota em novembro de 2009).[65] O português Marco Silva foi treinador em três ocasiões, entre 2018 e 2019, registrando um empate e duas derrotas.[66] Concomitantemente, entre 2018 e 2020, o português André Gomes jogou três vezes, com dois empates e uma derrota;[67] e os brasileiros Bernard e Richarlison disputaram cinco vezes cada um - ambos registrando dois empates e três derrotas. Richarlison marcou um gol, na derrota de 5-2 em dezembro de 2019.[68][69]

Outros lusófonos pelo LiverpoolEditar

Após Abel Xavier, o lusófono seguinte a participar do dérbi pelo Liverpool foi o brasileiro Fábio Aurélio, que estreou com derrota de 3-0 em 9 de setembro de 2006 antes de registrar três vitórias e um empate nos outros clássicos em que atuou, o último em 6 de fevereiro de 2010.[70] Seu conterrâneo Lucas Leiva disputou dezessete vezes o duelo, entre 2007 e 2017, com nove vitórias, seis empates e duas derrotas.[71]

Nesse período, o também brasileiro Diego Cavalieri defendeu esporadicamente os Reds entre 2008 e 2010, sem jamais enfrentar o rival,[72] enquanto Raul Meireles foi o único português a participar do dérbi, com um empate (em 2-2, no qual marcou um gol) e uma derrota, ambos no ano de 2010.[73] Seus conterrâneos João Carlos Teixeira (entre 2014 e 2016), Tiago Ilori (2016) e Rafael Camacho (2019) somaram poucas partidas no geral pela equipe vermelha, sem contabilizar participações no encontro com o Everton.[74][75] O mesmo aplicou-se ao brasileiro Doni, que somou apenas quatro partidas no geral pelo Liverpool, todas em 2012, sem enfrentar os azuis.[76]

Depois de Meireles, os lusófonos que enfrentaram o Everton pelos Reds foram todos brasileiros - Philippe Coutinho somou nove partidas, entre 2013 e 2017, com três gols, três vitórias e seis empates.[77] Roberto Firmino acumula dez, a partir de 2016, com seis vitórias e quatro empates.[78] Alisson jogou três clássicos, a partir de 2018, vencendo um e empatando os outros.[79]

TorcidasEditar

Segundo pesquisa divulgada pelo Instituto Roy Morgan em agosto de 2004, o Liverpool seria a segunda maior torcida da Inglaterra, com 3.133.000 torcedores e o Everton a nona maior torcida, com 628.000 torcedores.[80]

O Everton, apesar de ser fundado por trabalhadores metodistas, tem mais torcedores entre os católicos da cidade e região (foi fundado na igreja metodista de Saint Domingo's) e o Liverpool tem sua imagem ligada aos protestantes da cidade, embora diferentemente do clássico de Glasgow, não haja sectarismo religioso envolvendo os torcedores.

O recorde de público do Merseyde Derby é de 78.299 espectadores, acontecido no dia 18 de setembro de 1948, em clássico disputado no Estádio Goodison Park, do Everton.

Em campo neutro, no Estádio de Wembley, por duas vezes este clássico alcançou a marca de 100.000 torcedores, em 18 de agosto e 25 de março de 1984, tendo chegado a 98.000 em 10 de maio e a 88.231 em 16 de agosto de 1986.

Maiores públicosEditar

 
Goodison Park, para 39.571 torcedores.
 
Anfield Road, para 54.074 torcedores.
# Data Estádio Placar Público
18 de setembro de 1948 Goodison Park 1–1 78,599
22 de september de 1962 Goodison Park 2–2 73,000
16 de setembro de 1950 Goodison Park 3–1 Liverpool 71,150
27 de agosto de 1949 Goodison Park 0–0 70,812
27 de setembro de 1947 Goodison Park 3–0 Liverpool 66,776
8 de fevereiro de 1964 Goodison Park 3–1 Everton 66,515
15 de outubro de 1927 Goodison Park 1–1 65,729
12 de abril de 1965 Goodison Park 2-1 Everton 65,402
1 de outubro de 1938 Goodison Park 2–1 Everton 64,977
10º 3 de fevereiro de 1968 Goodison Park 1–0 Everton 64,482
  • Não incluídos jogos no Estádio de Wembley.

Médias de público por décadaEditar

Período Everton Liverpool
2010– 39,593 44,664
2000–09 40,020 44,360
1990–99 39,107 41,823
1980–89 49,529 45,240
1970–79 55,502 54,168
1962–69 64,606 53,805
1946–51 63,529 50,697
1931–39 49,444 45,423
1919–30 51,590 50,694
1905–15 41,600 37,600
1894–1904 39,888 28,444
  • Não incluídos jogos no Estádio de Wembley.
 
Históricos de jogos na Liga entre as equipes de Liverpool.
Vitórias do Everton - azul, Vitórias do Liverpool - vermelho, Empates - amarelo

TítulosEditar

Listagem de competições oficiais, nos âmbitos nacional e internacional, e respectivo número de títulos conquistados por Liverpool FC e Everton FC.

Competições internacionais Liverpool FC Everton FC
Taça Intercontinental / Mundial de Clubes 1 -
Taça dos Campeões Europeus / Liga dos Campeões 6 -
Taça das Cidades com Feiras / Taça UEFA / Liga Europa 3 -
Taça das Taças - 1
Supertaça Europeia 4 -
Total internacional 14 1
Competições nacionais Liverpool FC Everton FC
Campeonato de Inglaterra / Premier League 19 9
Taça de Inglaterra 7 5
Taça da Liga Inglesa 8 -
Supertaça de Inglaterra 15 9
Supercopa 1 -
Campeonato Inglês da Segunda Divisão 4 1
Campeonato de Inglaterra (Reservas) 2 -
Total nacional 56 24
Competições regionais Liverpool FC Everton FC
Campeonato do Centro e Norte de Inglaterra "The Central League" 16 4
Campeonato de Lancashire 7 8
Campeonato de Lancashire "Combination" 2 6
Taça Senior Lancashire 11 6
Taça Senior Liverpool 40 45
Total regional 77 69
TOTAL 145 94

Referências

  1. a b c DO VALLE, Emmanuel (4 de maio de 2017). «Há 30 anos, o Everton faturava sua última liga e encerrava período de grandes glórias». Trivela. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  2. a b c d e f g h i HOFMAN, Gustavo (junho de 2008). Uma cidade que joga por música. Trivela n. 28. São Paulo: Trivela Comunicações, pp. 52-55
  3. a b HOFMAN, Gustavo (outubro de 2008). Te odeio, logo existo. Trivela n. 32. São Paulo: Trivela Comunicações, pp. 34-45
  4. a b c «Six brilliant Liverpool superstars who actually supported Everton». Daily Star. 1 de março de 2017. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  5. a b «Confira os 10 estádios rivais mais próximos do futebol mundial». Rede TV. 9 de dezembro de 2015. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  6. WINEHOUSE, Amitai (19 de dezembro de 2016). «Liverpool against Everton is the 'friendly derby' but there's been more red cards in this fixture than any other in the Premier League». Daily Mail. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  7. PERKINS, Keith (27 de março de 2008). «Liverpool & Everton: Close Neighbours, Good Traders». This is Anfield. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  8. «Cópia arquivada». Consultado em 4 de maio de 2016. Arquivado do original em 25 de julho de 2008 
  9. http://www.evertonresults.com/
  10. STEIN, Leandro (30 de novembro de 2018). «Os 10 gols de Gerrard contra o Everton, na semana em que sua estreia completa 20 anos – e de dérbi». Trivela. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  11. «Opposition Team - Everton». LFC History. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  12. «JORNAL 'DESENTERRA' FOTO DE GERRARD, ÍDOLO DO LIVERPOOL, COM A CAMISA DO MAIOR RIVAL». Vírgulo. 25 de abril de 2014. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  13. «Carragher faz gol curioso em amistoso entre Liverpool e Everton». Globo Esporte. 5 de setembro de 2010. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  14. a b «Top 10: comemorações polêmicas». Trivela. 11 de março de 2011. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  15. «Liverpool » Estadísticas ante Everton». Live Fútbol. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  16. REID, Peter (2 de novembro de 2017). «'Once a Red, now always a Blue'... Peter Reid reveals all on his Everton conversion». Liverpool Echo. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  17. BEESLEY, Chris (31 de maio de 2015). «Everton fancy Dann? Liverpool fans who became True Blues». Liverpool Echo. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  18. «Cópia arquivada». Consultado em 26 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 20 de maio de 1995 
  19. NASH, Matthew (25 de janeiro de 2018). «Everton's 20m newbie Theo Walcott is a Liverpool fan». HITC. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  20. a b STEIN, Leandro (18 de junho de 2017). «Paul McCartney, 75 anos: Quando o beatle emprestou sua voz em solidariedade a Hillsborough». Trivela. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  21. a b SIREGAR, Cady (28 de fevereiro de 2019). «The Beatles: The football teams Paul McCartney, John Lennon, Ringo Starr & George Harrison supported». Goal. Consultado em 9 de julho de 2020 
  22. «Sexta de música: baterista original dos Beatles, Pete Best é torcedor fanático do Everton». RBS. 3 de maio de 2013. Consultado em 3 de julho de 2020 
  23. BEST, Pete (25 de junho de 2020). «I'm a blue, but credit were it's due. Well done Liverpool Football Club. Premier League Champions. You made your city proud (again)». Twitter. Consultado em 9 de julho de 2020 
  24. STEIN, Leandro (9 de outubro de 2015). «John Lennon, 75 anos: O oculto gosto do garoto de Liverpool pelo futebol». Trivela. Consultado em 3 de julho de 2020 
  25. MACKENTHUN, Susan (11 de setembro de 2017). «Were The Beatles actually Liverpool FC fans?». Quora. Consultado em 3 de julho de 2020 
  26. STEIN, Leandro (9 de outubro de 2015). «John Lennon, 75 anos: O oculto gosto do garoto de Liverpool pelo futebol». Trivela. Consultado em 3 de julho de 2020 
  27. WINEHOUSE, Amitai (29 de agosto de 2007). «Polícia detém mais um suspeito do homicídio de uma criança britânica». Público. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  28. STEIN Leandro (5 de maio de 2013). «Liverpool x Everton: significado bem maior que a rivalidade». Trivela. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  29. BONSANTI, Bruno (30 de maio de 2016). «Irmãos em armas: Everton fez uma linda homenagem às vítimas de Hillsborough». Trivela. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  30. BONSANTI, Bruno (17 de abril de 2014). «Por que Liverpool rejeitou a culpa por Hillsborough até revelarem a (real) verdade». Trivela. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  31. BONSANTI, Bruno (24 de novembro de 2016). «Steven Gerrard: mais do que apenas um ídolo, um torcedor do Liverpool». Trivela. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  32. «O fantasma de Hillsborough ainda mexe vinte anos depois». Diário de Notícias. 11 de abril de 2009. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  33. a b STEIN, Leandro (24 de maio de 2017). «11 grandes histórias das decisões da FA Cup disputadas em Wembley». Trivela. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  34. CASARI, Yuri (1 de abril de 2019). «Dia da mentira: há 30 anos, revista inglesa pregava peça em torcedores de Liverpool e Evertony». Trivela. Consultado em 3 de julho de 2020 
  35. STEIN, Leandro (5 de dezembro de 2019). «Liverpool e Everton se uniram em uma só voz para exigir justiça aos 96 mortos em Hillsborough». Trivela. Consultado em 7 de dezembro de 2019 
  36. BONSANTI, Bruno (4 de dezembro de 2019). «Em raro dérbi artilheiro, Liverpool alcançou maior invencibilidade de sua história na elite da Inglaterra». Trivela. Consultado em 7 de dezembro de 2019 
  37. ROSS, James M. (13 de setembro de 2018). «England - List of Champions». RSSSF. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  38. PIETARINEN, Heikki (5 de julho de 2018). «England - First Level All-Time Tables 1888/89-2017/18». RSSSF. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  39. ROSS, James M. (9 de agosto de 2018). «England - List of FA Charity/Community Shield Matches». RSSSF. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  40. ROSS, James M. (8 de abril de 2018). «England - Football League Cup Finals». RSSSF. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  41. a b ROSS, James M. (24 de maio de 2018). «England FA Challenge Cup Finals». RSSSF. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  42. ROSS, James M. (8 de abril de 2018). «England - Football League Cup Finals». RSSSF. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  43. DA SILVA, Sidney Barbosa (16 de abril de 2018). «CAMPEÕES DA INGLATERRA - 1ª DIVISÃO». Campeões do Futebol. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  44. ROSS, James M. (4 de junho de 2015). «European Competitions 1984-85». RSSSF. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  45. Plim plim (março de 2009). Trivela n. 37. Trivela Comunicações, p. 9
  46. BONSANTI, Bruno (2 de dezembro de 2018). «Um gol dos mais bizarros deu a vitória no dérbi ao Liverpool no minuto final». Trivela. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  47. a b c BONSANTI, Bruno (2 de julho de 2020). «Passo a passo, como Klopp transformou céticos em crentes – e campeões». Trivela. Consultado em 3 de julho de 2020 
  48. «Fifa The Best: Salah supera bicicletas de Bale e Cristiano Ronaldo e leva o Puskás». Globo Esporte. 24 de setembro de 2018. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  49. FONSECA, Tito (26 de dezembro de 2019). «Maldição? Liverpool não conquista título inglês depois de liderar campeonato no Boxing Day há 32 anos». ESPN. Consultado em 26 de dezembro de 2019 
  50. ESCUDEIRO, Leo (21 de junho de 2020). «Everton segura Liverpool em mais um dérbi sem gols no Goodison Park – e por pouco não sai com a vitória». Trivela. Consultado em 3 de julho de 2020 
  51. JONES, Adam (18 de setembro de 2018). «Abel Xavier opens up on controversial Everton exit - and why he can still look fans in the eye». Liverpool Echo. Consultado em 9 de julho de 2020 
  52. «Everton». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  53. «Everton». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  54. «Everton». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  55. «Liverpool». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  56. «Liverpool». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  57. «Everton com Abel Xavier». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  58. «Liverpool x Everton: 20 anos de tabu e rivalidade em jogo da Premier League». Betsul. 4 de dezembro de 2019. Consultado em 9 de julho de 2020 
  59. «Liverpool com Abel Xavier». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  60. «Portugal divulga a lista de convocados para a Copa». UOL. 13 de maio de 2002. Consultado em 9 de julho de 2020 
  61. «Rodrigo Beckham no/a Everton». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  62. «Everton com Nuno Valente». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  63. «Anderson Silva no/a Everton». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  64. «Everton com Manuel Fernandes». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  65. «Everton com Jô». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  66. «Marco Silva no/a Everton». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  67. «Everton com André Gomes». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  68. «Everton com Bernard». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  69. «Everton com Richarlison». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  70. «Liverpool com Fábio Aurélio». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  71. «Liverpool com Lucas Leiva». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  72. «Diego Cavalieri no/a Liverpool». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  73. «Liverpool com Raul Meireles». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  74. «João Carlos Teixeira no/a Liverpool». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  75. «Tiago Ilori no/a Liverpool». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  76. «Doni no/a Liverpool». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  77. «Liverpool com Philippe Coutinho». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  78. «Liverpool com Roberto Firmino». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  79. «Liverpool com Alisson Becker». O Gol. Consultado em 9 de julho de 2020 
  80. Site Sinopse do Futebol Maiores da Inglaterra.