Abrir menu principal

Moçâmedes

É uma cidade e município de Angola, capital da província de Namibe.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a cidade angolana. Para cidade homónima no Brasil, veja Mossâmedes. Para a localidade em Portugal, veja São Miguel do Mato (Vouzela).
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2014). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Moçâmedes
Localidade de Angola Angola
(Cidade e Município)
Namibe Waterfront (19432713306).jpg

Avenida Marginal de Moçâmedes, em 2015
Dados gerais
Fundada em 10 de julho de 1645 (374 anos)
Gentílico moçamedense
Província Namibe
Características geográficas
Área 8 916 km²
População 335 892[1] hab. (2018)
Altitude 9 m
Clima BWh

Moçâmedes está localizado em: Angola
Moçâmedes
Localização de Moçâmedes em Angola
15° 11' 43" S 12° 09' 03" E{{{latG}}}° {{{latM}}}' {{{latS}}}" {{{latP}}} {{{lonG}}}° {{{lonM}}}' {{{lonS}}}
Projecto Angola  • Portal de Angola

Moçâmedes, é uma cidade e município de Angola, capital da província de Namibe. Entre 1985 e 2016 conservou o nome de "Namibe".

Segundo as projeções populacionais de 2018, elaboradas pelo Instituto Nacional de Estatística, conta com uma população de 335 892 habitantes e área territorial de 8 916 km², sendo o município mais populoso da província.[1]

Grande centro econômico da província, é também um dos mais vitais centros logísticos da nação, congregando porto, ferrovia, aeroporto e rodovias, num grande entroncamento de transportes.

EtimologiaEditar

O nome "Moçâmedes" deriva de "Mossâmedes", que vêm do título Barão de Mossâmedes, dado a José de Almeida e Vasconcelos. O nome do título nobiliárquico viria da Reguendo de Mossâmedes (na Beira), uma propriedade concedida pelo rei português aos familiares de Almeida e Vasconcelos.

O próprio nome Mossâmedes teria uma origem da junção das palavras "Mossa-Medes" relacionado às "quantidades de cavidades feito nas cangas dos animais".

HistóriaEditar

O primeiro nome do lugar foi "Chitoto Chobatua" (buraco dos passarinhos), dado pelos mucubais a uma aldeia de pescadores, pastores e caçadores que existia na baía do Namibe, no século XV.[2]

Explorações coloniaisEditar

Em 1485, o local passou a chamar-se de "Mossungo - Bitoto", e; em 10 de julho de 1645 passou a chamar-se de "Angra dos Negros" (ou Enseada dos Negros), nome dado por Francisco de Souto-Maior, durante a reconquista de Angola, possivelmente em virtude do embarque de escravos feito naquela baía.[3]

Somente no ano de 1785, durante uma expedição de supervisão da condição da povoação de Angra dos Negros, foi batizada pelo tenente-coronel Eusébio Pinheiro Furtado de "Baía de Mossâmedes" em homenagem a José de Almeida e Vasconcelos, Barão de Mossâmedes. A expedição, feita por Pinheiro Furtado e Gregório José Mendes, constatou que o povoado de Mossâmedes, dos pescadores herero-mucubais, estava desorganizado e praticamente abandonado.[2]

Colonização efetivaEditar

Em setembro de 1839 o tenente João Francisco Garcia e o capitão Pedro Alexandrino da Cunha partem numa missão de reconhecimento do povoado de Mossâmedes e das zonas interiores do sul de Angola, dando relatório ao governo colonial em Luanda em dezembro do mesmo ano. Com ordens de José Travassos Valdez, 1º Conde do Bonfim e do governador geral de Angola Manuel Eleutério Malheiro, tenente Garcia chega novamente ao povoado de Mossâmedes, em fevereiro de 1840, para erguer uma colónia penal, o que viria a ser a Fortaleza de São Fernando de Namibe (concluída em 1844). Astuto negociador, tenente Garcia convence muitos sobas hereros a mudar-se para as proximidades do canteiro de obras da Fortaleza, costurando, em 13 de agosto de 1840, um pacto de amizade e de comércio com os sobas Mossungo e Giraúl, para que as populações locais se aglomerassem no ainda efêmero povoado, que passou a contar a partir daí com oito feitorias e oito casas de negócio.[2]

Em meio aos acontecimentos trágicos da revolução Praieira, entre 1848 e 1849, na província de Pernambuco, no Império do Brasil, parte, em 23 de maio de 1849, a barca "Tentativa Feliz" e o brigue da marinha portuguesa "Douro", com 166 luso-brasileiros a bordo, rumo a Mossâmedes, na Angola Portuguesa. Após 73 dias de viagem chegam ao destino.[2] Outra expedição luso-brasileira viria para a localidade no ano seguinte.

Na baía do Namibe havia um rio seco, o rio Bero, que Bernardino Freire de Figueiredo Abreu e Castro, o líder da primeira expedição, chamou de Nilo de Mossâmedes, porque na época das chuvas a água das enxurradas invade toda a terra, trazendo os fertilizantes naturais para novas sementeiras, num microclima temperado. No dia 4 de agosto de 1849 há a fundação oficial do distrito de Mossâmedes, delimitando o povoado de Mossâmedes como sede-capital distrital, com o discurso oficial pelos representantes portugueses na presença das autoridades tradicionais, os sobas Mossungo e Giraúl. Foram erguidos alojamentos temporários no povoado para os portugueses.[2]

No dia 5 de agosto as áreas agrícolas onde foram distribuídas, com Bernardino seguindo para Luanda no dia 16 de agosto afim de apresentar cumprimentos ao governador geral. Ao retornar, em 13 de outubro de 1849, já era o novo conselheiro do distrito de Mossâmedes.[2]

No dia 21 de outubro de 1849 foi feita a instalação, no Vale dos Cavaleiros, dos engenhos de açúcar de Bernardino, que aboliu ali a presença de trabalho escravo.[2]

Até 26 de março de 1855, o Mossâmedes, que já sediava o distrito, ainda era juridicamente um povoado, quando finalmente adquiriu seu estatuto jurídico pleno para uma capital, sendo elevada a categoria de vila.[4]

Da década de 1900 à década de 1960Editar

 
Wagon de Angola Bôeres, em 1908, em Moçâmedes.

Em 1905 começa a construção do Caminho de Ferro de Moçâmedes, que parte do porto do Namibe (em Moçâmedes) e chega à cidade de Menongue (antiga Serpa Pinto), tendo a construção sido concluída em 1963.

Em 1907 a vila de Mossâmedes é elevada ao título de "real cidade de Mossâmedes" por decreto do próprio rei Carlos I de Portugal, em título entregue durante a visita à cidade do príncipe Luís Filipe, e; em 14 de novembro de 1953 o nome da localidade passa a escrever-se, até 1985, "Moçâmedes".[5]

Período das guerrasEditar

Nos acontecimentos que antecederiam a independência de Angola, a UNITA, com o apoio da Força de Defesa da África do Sul, durante a Operação Savana, invade e ocupa Moçâmedes, expulsando o MPLA. Como contra-resposta, o MPLA, com apoio das Forças Armadas de Cuba, lançam a Operação Carlota, retomando o controle da cidade entre 1975/1976.

Em 5 de abril de 2001 uma calamitosa enchente atingiu a cidade, na cheia do rio Bero, com muitos populares perdendo entes queridos e propriedades, tendo os sobreviventes sido encaminhados para uma área antes desértica, que tornou-se um setor de expansão de Moçâmedes.[6]

Pós-guerra civilEditar

Em 2013 a cidade sediou, em conjunto com Luanda, o Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins, o primeiro do género em África.[7]

O município, a cidade e a comuna-sede chamavam-se Namibe até junho de 2016 quando, por um decreto-lei de 27 de junho de 2016, o nome voltou a ser "Moçâmedes".[8]

GeografiaEditar

O município de Moçâmedes é limitado a norte pelo município de Baía Farta, a leste pelos municípios de Camucuio, Bibala e Virei, a sul pelo município de Tômbua e a oeste pelo Oceano Atlântico.

ClimaEditar

Segundo a classificação climática de Köppen-Geiger, praticamente todo o território municipal moçamedense está incluído no clima desértico quente (BWh). Apesar do clima desértico, pelo menos no litoral municipal a corrente de Benguela modifica esta realidade. A temperatura média da cidade de Moçâmedes é de 23 °C sendo as temperaturas baixas na estação seca e altas na estação do cacimbo. Os meses de março e maio são onde ocorrem com maior frequência as chuvas. Já junho e julho são os meses mais frios, com eventuais geadas. Os meses mais quentes são dezembro, janeiro e fevereiro, onde a variação térmica vai dos 8 °C aos 32 °C.


  Médias meteorológicas para Moçâmedes  
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Alta recorde °C (°F) 22
(72)
24
(75)
24
(75)
22
(72)
20
(68)
17
(63)
18
(64)
19
(66)
18
(64)
19
(66)
21
(70)
25
(77)
Média alta °C (°F) 26
(79)
28
(82)
28
(82)
27
(81)
25
(77)
22
(72)
20
(68)
21
(70)
22
(72)
23
(73)
25
(77)
28
(82)
Média diária °C (°F) 16
(61)
18
(64)
20
(68)
18
(64)
15
(59)
13
(55)
13
(55)
15
(59)
16
(61)
18
(64)
19
(66)
20
(68)
Média baixa °C (°F) 13
(55)
14
(57)
12
(54)
11
(52)
10
(50)
8
(46)
6
(43)
8
(46)
8
(46)
12
(54)
13
(55)
15
(59)
Baixa recorde °C (°F) 10
(50)
9
(48)
9
(48)
8
(46)
8
(46)
5
(41)
4
(39)
6
(43)
7
(45)
7
(45)
8
(46)
11
(52)
Fonte: weatherbase.com http://www.weatherbase.com/weather/weather.php3?s=22466&cityname=Mocamedes-Angola&set=metric {{{acesso_data}}}

HidrografiaEditar

A cidade de Moçâmedes tem nas suas proximidades o rio Bero que se encontra seco na maior parte do ano. O rio separa a Zona Norte da cidade, onde estão os bairros do Sacomar, Cambongue e Juventude.[6]

Outros rios extremamente relevantes para o município são o Giraul e o Giraul-de-Baixo.[9]

Proteções litoraisEditar

O litoral de Moçâmedes têm como principal referencial a baía do Namibe, tendo uma extensão de 38 quilómetros, com um total de 15 praias, sendo cercado pelas pontas do Giraul e Noronha. O rio Bero deságua na baía do Namibe. Outro referencial do município é a baía das Luciras.

SubdivisõesEditar

O município constitui-se pela comuna de Moçâmedes, que é equivalente a própria cidade de Moçâmedes,[10] e pelas comunas de Lucira e Bentiaba.

Já a cidade de Moçâmedes era constituída somente por bairros. Mas com a expansão urbana foram criadas áreas habitacionais distantes dos centros, formadoras de novas centralidades geo-econômicas. A cidade é composta pelos distritos urbanos de Forte Santa Rita, Sacomar, Aida e Centro; que por sua vez, subdividem-se em bairros. Moçâmedes subdivide-se em quatro zonas:

Distrito urbano do Sacomar - Zona Norte

É a segunda maior em área e a terceira em população e seus principais bairros são: Sacomar, Cambongue, Juventude e Giraul de Cima, além destes possui outros pequenos bairros.

Distrito urbano de Forte Santa Rita - Zona Sul

É a maior em área e em população, composto pelos bairros de Forte Santa Rita, 5 de Abril, Aeroporto, Praia Amélia, Mandume ya Ndemufayo, Cassange, Quatro e Meio e muitos outros menores.

Distrito urbano de Aida - Zona Leste

É a menor em área e em população, devido a sua proximidade ao rio que corta a zona e aos desnivelamentos nos terrenos. É composta pelos bairros da Aida e Giraul-de-Baixo e pequenas aglomerações.

Distrito urbano do Centro - Zona Central

A terceira maior em área e a segunda em população, onde encontram-se grande parte dos edifícios públicos, a parte histórica da cidade. Seus bairros são Torre do Tombo, Platô, Saíde Mingas, Facada, Espirito Santo e Eucaliptos.

PolíticaEditar

 
Sede do Governo Provincial do Namibe, em 2015.

Sede administrativa de uma das regiões mais extremas da nação, o município de Moçâmedes é gerido por um Câmara de Vereadores, que tem como gestor principal o presidente, que é o chefe de governo da municipalidade. A Câmara pode nomear os chefes de cada comuna.

Capital provincialEditar

A cidade e município do Moçâmedes têm o estatuto de capital da província do Namibe, por isso mesmo, a cidade abriga a sede da maioria das secretarias de governo e outras instituições administrativas, além do Gabinete do Governador, junto ao Palácio Provincial do Namibe.[11]

Cidades-irmãsEditar

Moçâmedes tem intercâmbio cultural, económico e institucional com algumas cidades, incluindo geminação com Natal, Rio Grande do Norte, no Brasil.[12]

InfraestruturaEditar

Municipalidade mais bem estruturada da província, Moçâmedes dispõe de uma gama de infraestruturas considerável se comparada até mesmo a outras capitais provinciais da nação.

Energia elétricaEditar

O fornecimento de energia elétrica na sede do município é garantido pela Central Hidroelétrica de Matala e pela Central Termoelétrica do Xitoto. A cidade recebeu, em 2013, uma nova central para abastecer os bairros mais afastados. Prevê-se, ainda, criar uma nova fonte de energia para cidade a partir da geração eólica, com a qual espera-se que até 2017 venha a duplicar a capacidade de abastecimento de energia.[13]

Abastecimento de água e saneamento básicoEditar

O sistema de abastecimento de água potável a nível da sede é assegurado por três captações subterrâneas (Benfica, Boa Vista e Cussi) todas provenientes do rio Bero, sendo a água bombeada por eletrobombas para os reservatórios.[14]

Nas principais ruas da sede do município, os serviços de manutenção da rede de esgoto e de recolha dos resíduos sólidos são assegurados por uma empresa operadora. Nas zonas periféricas o saneamento é ainda deficiente, embora existam vários contentores públicos distribuídos pelos bairros para depósito do lixo. É assim possível encontrar focos de lixo em diferentes áreas, sendo esta situação agravada pelo facto de algumas residências não possuírem casas de banho.[15]

SaúdeEditar

Em aspectos de saúde, até 2014 a cidade de Moçâmedes possuía uma relativa rede de atendimento, dispondo de um hospital provincial, 2 hospitais municipais, 1 hospital de doenças infecciosas, 10 centros de saúde, 30 postos de saúde. Apesar destes números, ainda se verifica uma carência de postos de saúde. Em 2014 a prestação de serviços de saúde era assegurada por 93 médicos (dos quais apenas 15 são angolanos), 730 enfermeiros e 250 técnicos de diagnóstico.[16]

Uma das unidades médicas de especialização é a Maternidade Provincial do Namibe, uma das principais do sul de Angola.

EducaçãoEditar

A cidade dispõe de duas instituições de ensino superior ligadas à Universidade Mandume ya Ndemufayo, sendo a Escola Superior Politécnica do Namibe e a Escola Superior Pedagógica do Namibe. Outra instituição que mantém polo em Moçâmedes é a Universidade Privada de Angola.

De nível técnico/tecnológico existe a Academia de Pesca e Ciências do Mar do Namibe, inaugurada em 2017.[17]

TransportesEditar

 
Mercado de artesanatos, na Praia das Miragens, em Moçâmedes, em 2015.

A cidade de Moçâmedes se encontra interligada por via terrestre, aérea e marítima com o interior da província, com outras províncias angolanas e outros países.

Já as vias de acesso da cidade sofreram, em 2013, uma remodelação completa tanto nas avenidas, como nas ruas e calçadas, tendo sido reposta a sinalização e a colocação de semáforos e faixas de trânsito.[18]

RodoviasEditar

O principal troço rodoviário de Moçâmedes é a rodovia EN-100, que a liga a Tômbua, ao sul, e à Bentiaba, ao norte. Por meio da EN-100 há também acesso à rodovia EN-280, que liga o Moçâmedes ao Lubango.

Caminho de ferroEditar

 Ver artigo principal: Caminho de Ferro de Moçâmedes

Moçâmedes é servida pelo Caminho de Ferro de Moçâmedes, que a liga às capitais das províncias da Huíla (Lubango) e do Cuando-Cubango (Menongue), entre outras cidades do interior. Uma ligação importante é com a região agropecuária da Bibala, que abastece o município com gêneros alimentícios. Conta com estações de Moçâmedes, do Cambongue, do Sacomar e do Giraul.[19]

PortoEditar

 Ver artigo principal: Porto do Namibe

Fundamental para o estabelecimento de Moçâmedes, o Porto do Namibe, situado na baía do Namibe, é a maior infra estrutura portuária do sul de Angola e a terceira mais importante do país. Outro porto importante na cidade é Porto do Sacomar (ou Porto mineraleiro do Sacomar), construído em 1967, para exportação do minério de ferro das minas de Cassinga/Jamba, na Huíla, funcionando também como terminal de descarga de combustível e lubrificantes da Sonangol.[20]

AeroportoEditar

Moçâmedes é servida pelo Aeroporto Internacional Welwitschia Mirabilis, que comporta um terminal de passageiros e um terminal de cargas podendo receber, simultaneamente, três aviões do tipo Boeing 737-700 e 400 pessoas para embarque e desembarque. A principal ligação aérea é para a cidade Luanda capital de Angola.[21]

ComunicaçõesEditar

Do ponto de vista de comunicação, os serviços disponíveis são os telefónicos, a telefonia fixa e móvel ofertada pela Angola Telecom, Movicel e Unitel;[22] serviços de rádio com frequência da Rádio Nacional de Angola; televisivo, com um repetidor da Televisão Pública de Angola;[23] Correios de Angola, com serviços de correio e telégrafo,[24] entre outras operadoras de internet.[25]

Cultura e lazerEditar

CulturaEditar

 
Fortaleza de São Fernando, quartel da Marinha de Guerra Angolana, em 2015.

As principais manifestações culturais-religiosas da cidade são a "Romaria à Capela de Nossa Senhora do Quipola" e as "Festa do Mar", que são promovidas pelo governo do Namibe e pela Diocese do Namibe. A primeira sempre em 8 de dezembro, enquanto que a segunda ocorre no mês de março.[26] A marginal de Moçâmedes se transforma em uma zona de shows durante as festas do Mar, onde mais de 100 mil pessoas ocupam a marginal para ver a apresentação de músicos locais, nacionais e internacionais.[27]

LazerEditar

O Museu do Namibe reúne peças antropológicas da cultura cuvale, dos povos hereros e dos povos coissãs, bem como do próprio processo de colonização, entre outros como artigos e peças; o espaço é aberto a visitação durante todo ano.[28]

Um dos principais pontos de interesse da cidade é a Fortaleza de São Fernando de Namibe, construção histórica portuguesa que atualmente serve como quartel da Marinha de Guerra Angolana.[29]

Na cidade está sediado o Atlético Desportivo do Namibe, que já jogou a primeira divisão do Girabola.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Schmitt, Aurelio. Município de Angola: Censo 2014 e Estimativa de 2018. Revista Conexão Emancipacionista. 3 de fevereiro de 2018.
  2. a b c d e f g Azevedo, José Manuel de. A colonização do Sudoeste Angolano : do deserto do Namibe ao planalto da Huíla - 1849-1900. Salamanca: Universidade de Salamanca, 2014.
  3. Namibe: Cidade de Moçamedes completa hoje 169 anos. Portal Angop. 4 de agosto de 2018.
  4. Ledo, Lucas Neves Garcia. Moçâmedes: Rotas e comércio entre Brasil, Portugal e Angola na segunda metade do século XIX. ANPUH-BA: VIII Encontro Estadual de História. 2016.
  5. Jardim. Maria N.. Mossamedes, Moçâmedes, Namibe e a sua História: o edifício da Alfândega. Blog Namibe já foi Mossamedes no antigamente. 5 de fevereiro de 2012.
  6. a b Cheias do 5 de Abril em Moçâmedes, uma data para não esquecer. Portal Angop. 5 de abril de 2018.
  7. «História do campeonato do mundo do hóquei em patins». ANGOP. 20 de setembro de 2013. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  8. «Capital do Namibe volta a ser Moçâmedes». Jornal de Angola. 4 de agosto de 2016. Consultado em 21 de abril de 2018 
  9. Caminho de ferro com nova ponte sobre o rio Giraúl. Jornal de Angola. 29 de maio de 2011.
  10. «Nova divisão administrativa cria comuna de Moçâmedes». Jornal de Angola. 11 de abril de 2016. Consultado em 21 de abril de 2018 
  11. Capital ganha novos empreendimentos. Portal de Angola. 27 de agosto de 2012.
  12. Barroso, José. A problemática da ocupação dos terrenos. Governo Provincial do Namibe. 9 de julho de 2016.
  13. Fraco abastecimento de energia condiciona desenvolvimento do Namibe. O País. 3 de abril de 2018.
  14. Problema da água em Moçâmedes será resolvido até ao início de 2017. Voa Português. 27 de junho de 2016.
  15. Condicionada recolha de lixo na periferia de Moçâmedes. Portal Angop. 14 de maio de 2018.
  16. Namibe conta com mais de 90 unidades sanitárias. Portal Angop. 25 de setembro de 2018.
  17. Angola inaugura Academia de Pescas e Ciências do Mar. RFI. 17 de julho de 2017.
  18. Namibe: Moradores das zonas de riscos reassentadas em lugares seguros. Portal Angop. 11 de julho de 2015.
  19. Tabela de horários dos caminhos de ferro de Angola. Fahrplancenter. 1 de maio de 2019.
  20. Terminal Mineraleiro. Empresa Portuária do Namibe. 2019.
  21. Aeroporto do Namibe será reinaugurado na próxima semana. Portal Angop. 4 de fevereiro de 2014.
  22. Angola Telecom arrecada mais de 37 milhões de kwanzas no Namibe. Portal Angop. 16 de junho de 2009.
  23. Jornalistas ao serviço da cidadania. Jornal de Angola. 17 de junho de 2017.
  24. Namibe: Correios arrecadam mais de dezanove milhões de kwanzas. Portal Angop. 11 de janeiro de 2017.
  25. Moçâmedes ganha espaços de acesso à internet. Portal Angop. 20 de setembro de 2018.
  26. Namibe: Festas do Mar constituem um dos maiores eventos festivos popular da província. Portal Angop. 5 de Março de 2016.
  27. Festas do Mar de Namibe: Na “Terra da Felicidade” tudo é cultura e alegria. Sapo Banda. 11 de março de 2017.
  28. Museu Provincial do Namibe reabre as salas de exposições. Jornal de Angola. 21 de abril de 2017.
  29. São Fernando - A "Fortaleza Real" do Namibe. Portal Angop. 27 de agosto de 2013.
  Este artigo sobre geografia de Angola, integrado no Projecto Angola, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.