Abrir menu principal

Wikipédia β

Adolf Joseph Ferdinand Galland (19 de Março de 1912 – 9 de Fevereiro de 1996)[1] foi um general alemão e ás da aviação da Luftwaffe que se destacou durante a Segunda Guerra Mundial na Europa. Participou em 705 missões de combate, combatendo na Frente Ocidental e na Defesa do Reich. Foi abatido por quatro vezes, mas em todas sobreviveu, e teve 104 vitórias em combate,[2] todas contra os Aliados.

Adolf Galland
Bundesarchiv Bild 146-2006-0123, Adolf Galland.jpg
Nascimento 19 de março de 1912
Remagen
Morte 9 de fevereiro de 1996 (83 anos)
Remagen
País  Alemanha (1932)
 Alemanha (1933-1945)
 Argentina (1947–1955)
Força War Ensign of Germany (1921-1933).svg Reichswehr
 Luftwaffe
Anos em serviço 1933-1945
Hierarquia Generalleutnant
Unidade Legião Condor, LG 2, JG 27, JG 26, JV 44
Comandos Jagdgeschwader 26
JV 44
Batalhas/Guerras Guerra Civil Espanhola
Segunda Guerra Mundial
Condecorações Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro com Folhas de Carvalho, Espadas e Diamantes
Relações Wilhelm-Ferdinand Galland (irmão)

Galland nasceu em Westerholt, Vestfália e tornou-se piloto de planadores em 1929, antes de entrar para a Lufthansa. Em 1932, completou o curso de piloto na Deutsche Verkehrsfliegerschule (Escola Alemã de Aviadores Comerciais) em Braunschweig, antes de se candidatar à Reichswehr da República de Weimar no final desse ano. A candidatura de Galland foi aceite mas ele nunca a chegou a entrar na Reichswehr. Em Fevereiro de 1934, foi transferido para a Luftwaffe. Em 1937, durante a Guerra Civil Espanhola, voluntariou-se para a Legião Condor e efectuou diversas missões de ataque ao solo em apoio aos Nacionalistas de Francisco Franco. Após terminar este serviço, em 1938, Galland entrou para o Ministério do Ar onde escreveu manuais técnicos e doutrinários sobre a sua experiência como piloto de ataque ao solo. Durante este período, Galland foi instrutor de unidades de ataque ao solo. Durante a invasão da Polónia pela Alemanha em Setembro de 1939, voltou a realizar missões de ataques terrestres. No início de 1940, Galland conseguiu convencer os seus superiores a tornar-se piloto de caças.

Galland pilotou os Messerschmitt Bf 109 durante as batalhas de França e Inglaterra. No final de 1940, o seu número de vitórias chegou a 57. Em 1941, Galland prestou serviço em França e combateu contra a Royal Air Force (RAF) sobre o Canal da Mancha e o Norte de França. Em Novembro de 1941, as suas conquistas iam já em 96, o que lhe fez ganhar a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro com Folhas de Carvalho e Espadas. Ainda no mesmo mês, Werner Mölders, que comandava a Força de Combate Alemã como General der Jagdflieger, morreu num acidente de aviação; Galland passou a ocupar o seu posto até Janeiro de 1945. Como General der Jagdflieger, Galland ficou proibido de realizar missões de combate aéreo.

No final de Janeiro, início de Fevereiro de 1942, Galland planeou e comandou o apoio aéreo da Luftwaffe, no contexto da Operação Cerberus, levada a cabo pela Kriegsmarine, a qual foi um grande sucesso. Pela resultado, recebeu Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro com Folhas de Carvalho, Espadas e Diamantes. Nos anos seguintes, a discordância de Galland face às políticas do Reichsmarschall Hermann Göring sobre como fazer frente aos bombardeamentos da Força Aérea Aliada sobre a Alemanha, fez deteriorar a sua relação. A Luftwaffe estava sob grande pressão em 1944, e Galland foi considerado responsável por Göring pelo fracasso em não conseguir evitar o bombardeamento da Alemanha pelos Aliados em plena luz do dia. A relação entre os dois homens terminou no início de Janeiro de 1945, quando Galland foi substituído do comando por causa da sua constante posição crítica da liderança da Luftwaffe. Galland foi colocado sob detenção em sua casa na sequência da chamada Revolta dos Pilotos de Caças, na qual os pilotos veteranos de caças confrontaram Göring acerca da condução da guerra aérea.

Em Março de 1945, Galland regressou aos voos e foi-lhe autorizado formar uma unidade de caças-a-jacto a qual designou por Jagdverband 44. Até ao final da guerra, em Maio, efectuou várias missões sobre a Alemanha. Depois da guerra, Galland trabalhou para o Governo argentino como consultor na Força Aérea Argentina. Mais tarde, regressou à Alemanha para gerir um negócio próprio. Galland tornou-se amigo de vários ex-adversários, como Robert Stanford Tuck e Douglas Bader da RAF. Adolf Galland morreu no dia 9 de Fevereiro de 1996.

Índice

Início da carreira militarEditar

Legião CondorEditar

Durante a Guerra Civil Espanhola, Galland foi nomeado Staffelkapitän de uma unidade da Legião Condor, 3. Staffel Jagdgruppe 88, que foi enviada para apoiar o lado nacionalista de Franco em Ferrol a partir de meados de 1937. Galland voou missões de ataque ao solo no Heinkel He 51. Na Espanha, Galland exibiu pela primeira vez seu estilo único, voando em calções de banho com um charuto entre os dentes em um avião decorado com uma figura do Mickey Mouse. Quando perguntado por que ele desenvolveu esse estilo que ele deu uma resposta simples:

"Eu gosto do Mickey Mouse. Eu sempre gostei. E eu gosto de charutos, mas eu tive que abandoná-los depois da guerra."

Galland voou a primeira de suas 300 missões de combate na Espanha com o comandante do Gotthard Handrick J/88, em 24 de julho de 1937, perto de Brunete. Durante seu tempo na Espanha, Galland analisou ​​os compromissos, as técnicas avaliadas e criou novas táticas de ataque ao solo, que foram passadas ​​para a Luftwaffe. Suas experiências em ataques ao solo foram utilizadas por Ernst Udet, um defensor do bombardeiro de mergulho e um dos principais simpatizantes do Junkers Ju 87, o Stuka. Wolfram von Richthofen, um adversário de Udet, defendia o oposto; uma combinação dupla de caças-bombardeiros. Depois de ensaios com os Henschel Hs 123, Bf 109 e Ju 87, o Junkers foi escolhido para passar por testes para o papel bombardeiro de mergulho.

Durante seu tempo na Espanha, logo desenvolveu bombas gasolina e de óleo, sugeriu o movimento do pessoal em trens, e após a vitória nacionalista foi condecorado com a Cruz Espanhola em Ouro com Diamantes por suas contribuições. Em 24 de maio de 1938 Galland deixou a Espanha e foi substituído por Werner Mölders. Antes de sair, ele fez dez voos no Bf 109. Muito impressionado com o desempenho da aeronave que o convenceu a mudar de um piloto de bombardeiro para um piloto de caça.

Segunda Guerra MundialEditar

Invasão da PolôniaEditar

Pouco antes da eclosão da guerra, Galland foi promovido a Hauptmann. Durante a Invasão da Polônia a partir de 1 de setembro de 1939, em diante, ele voou com 4 Staffel, II./Lehrgeschwader 2. Equipado com o Henschel Hs 123, apelidado de "Stuka biplano" apoiando o décimo exército alemão. Em 1 de setembro Galland voou sozinho em um Fieseler Fi 156 "Storch" em uma missão de reconhecimento e quase foi derrubado. No dia seguinte, ele voou missões de ataque ao solo em apoio da Primeira Divisão Panzer que estava avançando para o Rio Varta. A Geschwader de Galland voou missões de apoio intensivo para a divisão e para a XVI Corpos do Exército em Cracóvia, Radom, Dęblin e Lviv. O exército alemão tinha alcançado o Rio Vístula, perto de Varsóvia em 7 de setembro e a Luftwaffe estava a executar o tipo de operações aéreas de apoio para qual Galland tinha sido encarregado. Galland e a Luftwaffe participaram com esforço máximo durante a Batalha de Bzura. Em 11 de setembro, durante uma de suas visitas à frente Adolf Hitler chegou ao quartel-general LG 2 para o almoço com o pessoal. Devido à pouca resistência da Força Aérea da Polônia e do Exército da Polônia, em 19 de setembro de 1939 algumas unidades aéreas alemães foram retiradas da campanha. Galland cessou as operações de combate nesta data, tendo voado 87 missões. Após voar cerca de 360 ​​missões em duas guerras e uma média de duas missões por dia, em 13 de setembro de 1939, Galland foi condecorado com a Cruz de Ferro Segunda Classe.

Após a Campanha da Polônia Galland alegou estar sofrendo de reumatismo e, portanto, impróprio para voar na cabine aberta das aeronaves, como a do Henschel Hs 123. Ele sugeriu uma transferência para um tipo de aeronave monomotor com uma cabine fechada para melhorar sua condição. Seu pedido foi aceite por razões médicas. Galland foi removido de seu posto como piloto de apoio no solo. Galland nunca explicou se as cabines abertas tinham causado a queixa ou alguma outra causa; dado o seu desempenho com oftalmologistas, uma certa dose de suspeita é considerada. Ele foi transferido para a Jagdgeschwader 27 em 10 de fevereiro de 1940, como ajudante, que o restringia de voar.

Europa OcidentalEditar

 
Aviões Bf 109E, 1940. Galland usou estes modelos em combate aéreo pela primeira vez sobre a França e Bélgica.

Após sua transferência para o JG 27, Galland encontrou Werner Mölders novamente. Devido aos ferimentos, Galland nunca poderia ter a visão nítida de Werner; os cacos de vidro nos olhos negou-lhe essa capacidade. No entanto, Mölders já era um ás da aviação reconhecido (um piloto com cinco ou mais vitórias aéreas), compartilhando experiências com Galland; liderança no ar, táticas e organização. Mölders foi Geschwaderkommodore da Jagdgeschwader 53 no momento da sua reunião. Ele ofereceu a Galland a chance de participar de sua unidade que estava patrulhando ao longo da fronteira francesa, a fim de fazer Galland ganhar experiência no Bf 109E que ele não tinha. Durante estas tempo Galland aprendeu as táticas de Mölders, como o uso de avião de ajuda para indicar a posição da formação do inimigo, um tipo de sistema de alerta precoce rudimentar. Galland aprendeu a deixar o Staffel operar livremente, a fim de tomar a iniciativa e surpresa. Entregou suas conclusões ao comandande do JG 27 Max Ibel, concordou com a sua implementação. Galland ganhou mais experiência como líder de combate quando foi o Gruppenkommandeur, substituindo o líder que estava em licença.

Em 10 de Maio de 1940, a Wehrmacht invadiu os Países Baixos e a França sob o codinome Fall Gelb. No terceiro dia da ofensiva, 12 de maio de 1940, sete quilômetros a oeste de Liege, na Bélgica, a uma altura de cerca de 4.000 metros, pilotando um Messerschmitt Bf 109, Galland reivindicou suas primeiras vitórias aéreas, contra dois Hawker Hurricane da Royal Air Force. Ambas as aeronaves eram do 87 º Esquadrão. Os Hurricanes estavam escoltando bombardeiros Bristol Blenheim para bombardear pontes na Holanda. "Eles vieram do sol com a vantagem da altura e não vi eles", recordou mais tarde o sargento Frank Howell do 87 º Esquadrão, primeira vítima de Galland. "De repente houve um barulho e quebrando o cabine estava cheia de pólvora queimada." "Minha primeira vitória foi brincadeira de criança. Uma excelente arma e sorte estavam ao meu lado. Para ser bem sucedido, o melhor piloto precisa dos dois." Galland perseguiu um dos Hurricanes e derrubou outro em baixo nível (oficial canadiano Jack Campbell, que foi morto no acidente subseqüente).

Galland alegou sua terceira vitória no mesmo dia contra um Hurricane sobre Tienen, Por muito tempo ele acreditou que seus oponentes haviam sido belgas, mas os Hurricanes da Força Aérea Belga tinham sido destruídos no chão nos primeiros dois dias sem serem utilizados em combate. Em 19 de Maio, Galland abateu um avião Potez francês. Durante o voo, ele ficou sem combustível e aterrissou na base de uma colina. Contando com a ajuda de um soldados de uma bateria de defesa anti-aérea alemã, eles empurraram o Bf 109 até uma colina e ele então planou até o aeródromo de Charleville-Mézières. Continuou voando e no dia seguinte, afirmou ter abatido mais três aeronaves, totalizando sete, para o qual ele foi condecorado com a Cruz de Ferro de primeira classe recebida de Erhard Milch em 22 de Maio.

CondecoraçõesEditar

  • Medalla de la Campaña Espanhola
  • Medalha militar espanhola
  • Cruz Espanhola em Ouro com Espadas e Diamantes - 7 de Junho de 1939
  • Front Flying Clasp of the Luftwaffe in Gold with Pennant "400"
  • Crachá de Feridos em Preto
  • Crachá combinado de Piloto-Observador em Ouro com Diamantes
  • Cruz de Ferro de 2ª Classe 15 de Setembro de 1939
  • Cruz de Ferro de 2ª Classe 22 de Maio de 1940
  • Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro com Folhas de Carvalho, Espadas e Diamantes
  • Mencionado por sete vezes na Wehrmachtbericht

PatentesEditar

  • 1 de Maio de 1934 - Unteroffizier
  • 1 de Setembro de 1934 - Fähnrich
  • 1 de Janeiro de 1935 - Leutnant
  • 1 de Agosto de 1937 - Oberleutnant
  • 1 de Outubro de 1939 - Hauptmann
  • 18 de Julho de 1940 - Major
  • 1 de Novembro de 1940 - Oberstleutnant
  • 4 de Dezembro de 1941 - Oberst
  • 1 de Dezembro de 1942 - Generalmajor
  • 1 de Novembro de 1944 - Generalleutnant

Referências

  1. Baker 1996, p. v.
  2. «Luftwaffe 39-45». Adolf Galland. Consultado em 4 de novembro de 2009 
Comandos Militares
Precedido por
Major Gotthard Handrick
Comandante do Jagdgeschwader 26
22 de Agosto de 1940 — 5 de Dezembro de 1941
Sucedido por
Major Gerhard Schöpfel
Precedido por
Oberst Werner Mölders
General der Jagdflieger
5 de Dezembro de 1941 — 31 de Janeiro de 1945
Sucedido por
Oberst Gordon Gollob
Precedido por
Generalleutnant Theo Osterkamp
Comandante do Jagdfliegerführer Sizilien
15 de Junho de 1943 — 31 de Julho de 1943
Sucedido por
Oberstleutnant Carl Vieck
Precedido por
-
Comandante do Jagdverband 44
1 de Fevereiro de 1945 — 26 de Abril de 1945
Sucedido por
Oberst Heinrich Bär
  Este artigo sobre Segunda Guerra Mundial é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Adolf Galland