Chica Xavier

Atriz
Chica Xavier
Chica Xavier em 2010, recebendo o prêmio Alaiandê Xirê, da Fundação Cultural Palmares
Nome completo Francisca Xavier Queiroz de Jesus
Nascimento 22 de janeiro de 1932
Salvador, BA
Nacionalidade brasileira
Morte 8 de agosto de 2020 (88 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Ocupação
Atividade 1953–2012
Cônjuge Clementino Kelé (1956–2020)

Chica Xavier, nome artístico de Francisca Xavier Queiroz de Jesus, (Salvador, 22 de janeiro de 1932Rio de Janeiro, 8 de agosto de 2020) foi uma produtora teatral e atriz de teatro, cinema e televisão brasileira. Mesmo sendo mais conhecida pelo grande público por seus trabalhos nas telenovelas da TV Globo, onde eternizou personagens emblemáticas, atuou no teatro nacional por mais de 60 anos destacando-se como grande personalidade da representatividade negra na arte do Brasil.

BiografiaEditar

Chica Xavier nasceu em Salvador, na Quinta da Barra, hoje Barra Avenida, em 22 de janeiro de 1932. Começou a trabalhar com apenas 14 anos de idade, na Imprensa Oficial do Estado da Bahia, como aprendiz de encadernadora.[1]

Em 1953 mudou-se para o Rio de Janeiro, onde estudou teatro com Pascoal Carlos Magno. Três anos mais tarde, em 25 de setembro de 1956, Chica estreava no Teatro Municipal, com a peça Orfeu da Conceição, ao lado de Haroldo Costa, Léa Garcia, Cyro Monteiro, Dirce Paiva, Clementino Kelé, entre outros. Chica fazia o papel da Dama Negra, que simbolizava a Morte e se apresentava declamando versos de Vinícius de Moraes e dançando ao som de atabaques.[2]

Em 1962, Chica estreou no cinema, no filme “Assalto ao Trem Pagador” (1962), dirigido por Roberto Farias. Trabalhou em diversas produções da Rede Globo, Em 1973 Chica estreou oficialmente na TV, na novela “Os Ossos do Barão”. Em alguns registros consta que ela esteve em 69 na novela “A Cabana do Pai Tomás”. Desde então, foram mais de 50 personagens só em televisão. Com destaque para Sinhá Moça, Dancin' Days, Renascer, Pátria Minha, Cara & Coroa, Força de um Desejo e a minissérie Tenda dos Milagres, onde deu vida a mãe-de-santo Magé Bassã.[3]

Em 1999, ela lançou o livro "Chica Xavier canta sua prosa. Cantigas, louvações e rezas para os orixás", prefaciado pelo grande amigo Miguel Falabella, e ilustrado por sua filha, Izabela d'Oxóssi.[4]

Ainda em 1999, foi uma das homenageadas do enredo "Quatro Damas Negras" da escola de samba Lins Imperial, que desfilou na Sapucaí pelo Grupo B do Carnaval Carioca. Ela desfilou na última alegoria, junto as demais homenageadas (Ruth de Souza, Zezé Motta e Léa Garcia).

Em 2006, Chica comemorou dois aniversários importantes: os 50 anos de carreira e as Bodas de Ouro dela e seu marido, o também ator Clementino Kelé. Eles se conheceram em Salvador, onde ambos moravam, num baile de fim de ano. Elegante, perfumadíssimo, falando inglês e cheio de namoradas na época, Kelé também não passou impune por esse encontro. Viviam se esbarrando pelas ruas da capital baiana, até que, seguindo sua vocação, Chica decidiu estudar teatro no Rio de Janeiro. Foi aí que eles se descobriram mais que amigos e sentiram que não podiam se separar.[5]

Em 2010, recebeu o Troféu Palmares, concedido pela Fundação Palmares e o então Ministério da Cultura, por sua contribuição às artes e à cultura afro-brasileira.[6]

Em 2011 ganhou o Centro Cultural Atriz Chica Xavier no Projeto Social No Palco da Vida, coordenado pelo ator Wal Schneider, onde guarda o acervo contando sua carreira no Teatro, TV e Cinema. Em 2013 a escritora Teresa Montero (Biografa da Clarice Lispector) escreveu sua biografia "Chica Xavier: Mãe do Brasil". Nas 178 páginas do livro, Teresa registrou a trajetória da atriz na TV, no cinema e no teatro.[7]

Em 2013, Teresa Montero publicou sua biografia, "Chica Xavier: Mãe do Brasil".[8]

Vida pessoalEditar

Casou-se em 1956 com o ator Clementino Kelé, que foi seu primeiro e único namorado. Ambos eram amigos desde a adolescência, e só começaram a namorar em 1953, quando Clementino declarou-se para Chica, e decidiu deixar Salvador e vir com ela para o Rio de Janeiro, para juntos tentarem realizar o sonho de trabalhar com artes cênicas, o que conseguiram. Juntos, o casal teve três filhos: Clementino Filho, Izabela e Christina. [9]

Chica era seguidora do candomblé, e viveu alguns anos em um apartamento no bairro do Humaitá, até que no final dos anos 80 mudou-se para o bairro de Sepetiba, onde iniciou-se como mãe de santo, fundando seu próprio terreiro. Em entrevistas revelou que foi o orixá Exu que lhe deu orientação para conseguir um terreno grande, para que pudesse abrir seu próprio terreiro, a Irmandade do Cercado do Boiadeiro, fundado em 1988. Atualmente os três netos de Chica, Ernesto, Luana e Oranyan, estão coordenando a Irmandade. [10]

MorteEditar

Morreu em 8 de agosto de 2020 no Rio de Janeiro, aos 88 anos, em decorrência de um câncer de pulmão.[11]

FilmografiaEditar

TelevisãoEditar

Ano Título Papel
1968 Legião dos Esquecidos Donana Paixão
1969 A Cabana do Pai Tomás Lica
1973 Os Ossos do Barão Rosa [12]
1975 Cuca Legal Raquel [13]
Senhora Rosa [14]
O Grito Lázara
1976 Saramandaia Maria das Dores
1977 Nina Escolástica
1978 Dancin' Days Marlene Antunes da Silva
1979 Marron Glacê Filomena (Filó)
1980 Coração Alado Carmem[15]
1981 Os Imigrantes Biá
Jogo da Vida Joana[16]
1983 Louco Amor Denise[17]
1984 Amor com Amor Se Paga Judite
1985 Tenda dos Milagres Magé Bassã[18]
O Tempo e o Vento Laurinda [19]
1986 Sinhá Moça Virgínia ()
1987 Carmem Mãe de Santo
1988 Chapadão do Bugre
Fera Radical Júlia
1990 Fronteiras do Desconhecido Odé Deoyn
Lua Cheia de Amor Hermée
1992 As Noivas de Copacabana Rosa
1993 Renascer Inácia de Jesus Galvão
1994 Memorial de Maria Moura Maria
Pátria Minha Zilá de Paiva Rangel
1995 Cara & Coroa Dinda
1996 O Rei do Gado Madre Gema[20]
1997 Por Amor Chica[21]
1998 Dona Flor e Seus Dois Maridos Dinorá [22]
1999 Chiquinha Gonzaga Inácia
Força de um Desejo Rosália
Sandy & Júnior Mabel
2000 Aquarela do Brasil Celeste
2001 A Padroeira Feiticeira
2002 O Quinto dos Infernos
Esperança Nhá Rita [23]
2004 Um Só Coração Isolina
2005 Carandiru, Outras Histórias Rosa
A Lua me Disse Dionísia da Mata
2007 Amazônia, de Galvez a Chico Mendes Irina
Duas Caras Mãe Setembrina Caó
2010 A Vida Alheia Eurídice (ep: "Abandonados")
2012 Acampamento de Férias Dona Laila
Cheias de Charme Cleonice

CinemaEditar

Ano Título Papel
1962 O Assalto ao Trem Pagador
1973 Um Virgem na Praça
1975 Uma Mulata Para Todos [24]
1978 A Deusa Negra
1979 Lefar-Mu
1983 Inocência Maria Conga[25]
2001 A Partilha Bá Toinha [26]
2006 Só Deus Sabe Mãe de Santo
2010 Nosso Lar Ismália

Referências

  1. [[1]]
  2. [[2]]
  3. [[3]]
  4. [[4]]
  5. [[5]]
  6. [[6]]
  7. [[7]]
  8. [[8]]
  9. [[9]]
  10. [[10]]
  11. Gimenez, Elza (8 de agosto de 2020). «Chica Xavier, atriz de 'Sinhá Moça' e 'Renascer', morre aos 88 anos». G1. Consultado em 8 de agosto de 2020 
  12. «Os Ossos do Barão (1973)». Teledramaturgia. Consultado em 12 de janeiro de 2016 
  13. «Cuca Legal». Teledramaturgia. Consultado em 12 de janeiro de 2016 
  14. «Senhora». Teledramaturgia. Consultado em 12 de janeiro de 2016 
  15. «Coração Alado». Teledramaturgia. Consultado em 12 de janeiro de 2016 
  16. Jogo da Vida - Ficha Técnica
  17. «Louco Amor». Teledramaturgia. Consultado em 12 de janeiro de 2016 
  18. «Tenda dos Milagres». Teledramaturgia. Consultado em 12 de janeiro de 2016 
  19. «O Tempo e o Vento (1985)». Teledramaturgia. Consultado em 12 de janeiro de 2016 
  20. «O Rei do Gado». Teledramaturgia. Consultado em 12 de janeiro de 2016 
  21. «Por Amor». Teledramaturgia. Consultado em 12 de janeiro de 2016 
  22. «Dona Flor e Seus Dois Maridos». Teledramaturgia. Consultado em 12 de janeiro de 2016 
  23. «Esperança». Teledramaturgia. Consultado em 12 de janeiro de 2016 
  24. Uma Mulata Para Todos
  25. Inocência
  26. Cinemateca Brasileira, A Partilha [em linha]

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Chica Xavier