Sinhá Moça (1986)

telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo

Sinhá Moça é uma telenovela brasileira produzida e exibida pela TV Globo de 28 de abril a 14 de novembro de 1986, em 172 capítulos. Substituiu De Quina pra Lua e foi substituída por Direito de Amar, sendo a 32ª "novela das seis" exibida pela emissora.

Sinhá Moça
Logotipo da primeira versão da telenovela
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Drama
Romance
Duração 45 minutos
Criador(es) Benedito Ruy Barbosa
Baseado em Sinhá-Moça de Maria Dezonne Pacheco Fernandes
Desenvolvedor(es) Rede Globo
País de origem  Brasil
Idioma original (português (idioma))
Produção
Diretor(es) Reynaldo Boury
Jayme Monjardim
Elenco
Tema de abertura "Pra Não Mais Voltar", Fafá de Belém
Exibição
Emissora original Brasil Rede Globo
Transmissão original 28 de abril – 14 de novembro de 1986
Episódios 172
Cronologia
Programas relacionados Sinhá Moça (2006)

Escrita por Benedito Ruy Barbosa, é livremente inspirada no romance homônimo de Maria Dezonne Pacheco Fernandes, contava com a colaboração de Edmara Barbosa e Edilene Barbosa e direção de Reynaldo Boury e Jayme Monjardim.

Contou com Lucélia Santos, Marcos Paulo, Elaine Cristina, Patrícia Pillar, Daniel Dantas, Raymundo de Souza e Rubens de Falco nos papéis principais.

SinopseEditar

Monarquistas e republicanos se defrontam em Araruna, pequena cidade fictícia do interior paulista, em 1886, dois anos antes da promulgação da Lei Áurea. A história de amor de Sinhá Moça (Lizandra Souto/Lucélia Santos), filha do coronel Ferreira, o Barão de Araruna (Rubens de Falco), ferrenho escravocrata, e da submissa Cândida (Elaine Cristina), com o jovem Dr. Rodolfo Garcia Fontes (Marcos Paulo), um ativo abolicionista republicano, ante as dificuldades da campanha para a abolição da escravatura.

Os dois se conhecem no trem, quando Sinhá Moça, depois de terminar seus estudos na cidade de São Paulo, retorna a Araruna. Assim como Rodolfo, ela tem ideias abolicionistas e critica as atitudes do pai, lutando em defesa dos negros. Sinhá Moça, junto com Rodolfo e outros abolicionistas, invade senzalas à noite, libertando os negros e entregando-os a associações abolicionistas, que os orientam rumo à liberdade.

Do outro lado da história está Dimas (Selton Mello/Raymundo de Souza) (que na verdade é o menino Rafael, ex-escravo alforriado) e sua obstinada luta para destruir o Barão, seu verdadeiro pai com a escrava da fazenda Maria das Dores (Dhu Moraes). Antes de ser vendido pelo Barão, Rafael foi grande amigo de Sinhá Moça, com quem passou a infância. Depois de alforriado, adota o nome de Dimas e se torna o braço direito do tipógrafo Augusto (Luiz Carlos Arutin), um abolicionista convicto, despertando o amor em Juliana (Luciana Braga), neta deste.

ElencoEditar

(em ordem de abertura) [1]

 
Lucélia Santos protagonizou Sinhá Moça, em sua primeira versão.
 
Rubens de Falco protagoniza como principal antagonista.
Intérprete Personagem
Lucélia Santos Maria das Graças Ferreira Fontes (Sinhá Moça)
Marcos Paulo Rodolfo Garcia Fontes
Mauro Mendonça Dr. Fontes
Elaine Cristina Cândida Ferreira, Baronesa de Araruna
Luiz Carlos Arutin Augusto
Neuza Amaral Inês Fontes
Antônio Pompeo Justino
Norma Blum Nina Teixeira
Patrícia Pillar Ana Luísa Teixeira (Ana do Véu)
José Augusto Branco Manoel Teixeira
Cláudio Corrêa e Castro Dr. João Amorim
Chica Xavier Bá (Virgínia)
Daniel Dantas Ricardo Garcia Fontes
Solange Couto Adelaide
Raymundo de Souza Dimas / Rafael
Ivan Mesquita Coutinho
Cláudio Mamberti Delegado Antero
Jacyra Sampaio Rute
Gésio Amadeu Fulgêncio
Valter Santos Feitor Bruno
Tony Tornado Justo Filho (Capitão-do-Mato)
Cosme dos Santos Bastião
Germano Filho Everaldo
Dênis Derkian Renato
Fernando José Martinho
Ênio Santos Inácio
Augusto Olímpio Bobó
Luciana Braga Juliana
Tarcísio Filho Mário
Tato Gabus Mendes José Coutinho
Nizo Neto Nino
Renato Prieto Vila
José Prata Bentinho
Grande Otelo Justo
Sérgio Viotti Frei José
Rubens de Falco Coronel José Ferreira, Barão de Araruna

Participações especiaisEditar

[2]

Intérprete Personagem
Aguinaldo Rocha Tibúrcio (fazendeiro escravocrata aliado do Barão de Araruna)
Alciro Cunha Nogueira (fazendeiro escravocrata aliado do Barão de Araruna)
Aldo Bueno escravo na fazenda de Coutinho
Alexandre Morenno escravo na fazenda Araruna
Antônio Francisco Honório (auxiliar do feitor Bruno que assediava Adelaide e acaba morto por Justino)
Ataíde Arcoverde Robusto (funcionário da taverna de Manoel)
Auricéia Araújo Dona Irma (costureira de Araruna)
Canarinho Pai André (líder dos quilombolas que permanecem no quilombo, marido de Mãe Maria, pai de Tonho e avô de Felipe)
César Augusto soldado na delegacia
Christovam Netto Tobias (escravo na fazenda Araruna)
Daisy Nascimento Nena (quilombola, esposa de Tonho, mãe de Felipe e nora de Mãe Maria e Pai André)
Dhu Moraes Maria das Dores (mãe de Rafael que nasceu de seu envolvimento com o Barão)
Enock Batista soldado na delegacia
Evandro Leandro auxiliar do feitor Bruno
Fernando Almeida Felipe (menino quilombola, filho de Nena e Tonho e neto de Mãe Maria e Pai André)
Francisco Nagen escravocrata aliado do Barão de Araruna
Henri Pagnoncelli Eduardo (engenheiro que se associa a Manoel na construção de uma usina de beneficiamento e acaba apaixonando-se por Ana)
Ibañez Filho escravocrata aliado do Barão de Araruna
Joel Silva Pedro (escravo da fazenda Araruna)
Jorge Coutinho pai de Bentinho, escravo na fazenda de Medeiros
Jorge de Jesus escravo da fazenda Araruna
Lizandra Souto Sinhá Moça (criança)
Miguel Rosemberg fiscal do trem interceptado por Rodolfo para resgatar Sinhá Moça
Milton Gonçalves Pai José
Nelson Soares Gomes escravo da fazenda Araruna
Newton Martins Viriato (fazendeiro escravocrata aliado do Barão de Araruna)
Onofre José (escravo da fazenda Araruna)
Paulo Barbosa Tonhão (quilombola, filho de Mãe Maria e Pai André, marido de Nena e pai de Felipe)
Paulo Nunes soldado da delegacia
Paulo Pinheiro agente que leva os imigrantes italianos a fazenda Araruna
Romeu Evaristo um dos escravos capturados pelo Capitão do Mato e depois solto pelo Irmão do Quilombo
Ruth de Souza Balbina (ex-escrava caduca que é o grande amor de Justo e mãe do Capitão do Mato)
Selton Mello Rafael (criança)
Thiago Justino escravo da fazenda Araruna
Wilson Rabello escravo que conversa com Justo a respeito de trabalhar na fazenda comprada pelos Fontes
Zeni Pereira Mãe Maria (quilombola, esposa de Pai André, mãe de Tonho e avó de Felipe)

AudiênciaEditar

Em sua exibição original, a trama alcançou 46 pontos de média.[3]

O capítulo 48 que seria exibido em 21 de junho de 1986 não foi ao ar devido ao jogo Brasil X França pela Copa do Mundo FIFA de 1986. Por isso a novela terminou com 172 capítulos em vez dos 173 previstos.

ReprisesEditar

Foi reexibida pelo Vale a Pena Ver de Novo de 15 de março a 2 de julho de 1993, substituindo Bebê a Bordo e sendo substituída por Barriga de Aluguel, em 80 capítulos[4].

Foi reexibida na íntegra pelo Canal Viva de 29 de janeiro a 16 de agosto de 2018, substituindo Fera Radical e sendo substituída por Baila Comigo, às 14h30[5].

Outras MídiasEditar

A novela foi disponibilizada na íntegra na plataforma de streaming Globoplay em 12 de setembro de 2022.[6]

RemakeEditar

Em 2006 a Rede Globo fez uma nova versão da trama. Também escrita por Benedito Ruy Barbosa, Edmara Barbosa e Edilene Barbosa contou com Débora Falabella, Danton Mello, Patrícia Pillar e Osmar Prado nos papéis principais.[7]

Trilha sonoraEditar

Sinhá Moça
Trilha sonora
Lançamento Maio de 1986
Gênero(s) Vários
Gravadora(s) Som Livre

Capa: Juana Garibaldi Carvalho (modelo)

Ver tambémEditar

Referências

  1. Sinhá Moça (1986) Abertura no YouTube
  2. Sinhá Moça (1986) Site Teledramaturgia
  3. «Média Geral das Novelas das 18 horas da Globo de 1975 a 2010». TV Foco. 29 de maio de 2010. Consultado em 29 de outubro de 2015 
  4. «Elenco de primeira e repetição de dobradinha: clássico da Globo estreava há 35 anos». TV História. 28 de abril de 2021. Consultado em 26 de outubro de 2021 
  5. «Primeira versão de "Sinhá Moça" será reprisada a partir do dia 29 no Viva». UOL. 18 de janeiro de 2018. Consultado em 26 de outubro de 2021 
  6. «Confira as novidades de setembro, que chega repleto de estreias de Originais Globoplay». Globo Imprensa. 2 de setembro de 2022. Consultado em 2 de setembro de 2022 
  7. «Benedito Ruy Barbosa define nova "Sinhá Moça"». Folha de S. Paulo. 31 de julho de 2005. Consultado em 21 de junho de 2017 
  Este artigo sobre telenovelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.