Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
O Grito
Informação geral
Formato Telenovela
Criador(es) Jorge Andrade
País de origem  Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Walter Avancini
Elenco Glória Menezes
Walmor Chagas
Yoná Magalhães
Leonardo Villar
Maria Fernanda
Rubens de Falco
Tereza Rachel
Elizabeth Savalla
ver mais
Tema de abertura "O Grito" - Victor Assis Brasil
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Globo
Transmissão original 27 de outubro de 1975 - 30 de abril de 1976
N.º de episódios 125
Cronologia
Gabriela
Saramandaia

O Grito é uma telenovela brasileira, produzida pela Rede Globo e exibida de 27 de outubro de 1975 a 30 de abril de 1976, às 22 horas, substituindo Gabriela e sendo substituída por Saramandaia.[1] Foi a 22ª "novela das dez" exibida pela emissora.

Escrita por Jorge Andrade e dirigida por Walter Avancini, Gonzaga Blota e Roberto Talma, contou com 125 capítulos.

SinopseEditar

Tinha como cenário principal o Edifício Paraíso, construído por família aristocrática, que sofre desvalorização com a construção do Elevado Presidente Costa e Silva, mais conhecido como "Minhocão", que passa à altura de seu segundo andar.

Os personagens da telenovela são os moradores do edifício, cada qual com sua história. No térreo, moram os zeladores; os vários tipos característicos da classe média distribuíam-se pelos andares; e a cobertura era habitada por remanescentes da família que construiu o prédio. Em meio à variada gama de pessoas, está a ex-freira Marta, que vai morar no prédio, e cujo filho, Paulinho, grita horrivelmente durante a noite, suscitando um movimento para expulsá-los.

EnredoEditar

Este resumo se baseia nos roteiros originais da obra, que constam do acervo da Rede Globo de Televisão. [2] Todo o enredo da novela se desenvolve no tempo narrativo de uma semana (7 dias), porém isso só é revelado no último capítulo da obra.

O primeiro capítulo mostra a cidade de São Paulo como uma metrópole movimentada e poluída. No edifício Paraíso, no centro da cidade, em frente ao viaduto conhecido como Minhocão, moram vários personagens: a aeromoça Midori, o médico Orlando, o arquiteto Rogério, o professor universitário Gilberto, a estudante Estela, a secretária Kátia, o executivo Agenor. [3] Escondido numa casa em frente, o delegado Sérgio está de tocaia. Ele observa os moradores procurando um contrabandista, que desconfia ser um dos moradores.

Dentro do edifício, há um clima de tensão. O síndico Otávio está preocupado porque um interceptador telefônico foi roubado e alguém pode estar ouvindo as conversas dos moradores. Ele convoca uma reunião, sem anunciar o motivo. A viúva Carmen quer aproveitar o encontro para reclamar de Marta, moradora do apartamento 104, cujo filho doente grita alto durante a noite. A herdeira Mafalda, moradora da cobertura, também pede que o marido reclame disso na reunião. O jovem médico Orlando e professor Gilberto sentem que há um clima contra Marta querem ajudá-la.

Sebastião e Branca, casal de idosos que vieram de uma fazenda no interior, têm conflito com o filho Agenor, com quarenta anos e ainda solteiro. Agenor sai durante a noite com roupas “extravagantes”, escondido pela porta da garagem. Os pais têm medo do julgamento dos outros moradores.

Otávio, o síndico, desconfia da traição de sua esposa Dorotéia, com o médico Orlando, jovem bonito e sedutor. O síndico pressiona Francisco, o zelador, a mentir para incriminar Orlando do roubo do interceptador telefônico. Francisco se recusa a mentir e tem medo de perder o o emprego.

Marta, a mãe do menino doente, era freira no passado, antes de casar. Ela sente culpa, e se questiona se a doença do filho não foi castigo por ter abandonado a vida religiosa.

Na cobertura, há uma tensão entre Mafalda e Edgard, que são donos de vários apartamentos no edifício, que foi construído no terreno da antiga mansão da família. Mafalda encomenda artigos de luxo estrangeiros à aeromoça Midori, para revender às amigas. Trata-se de contrabando e Edgar a recrimina a ilegalidade da situação. Mafalda não aceita a crítica por se considerar acima da lei.

Midori, a aeromoça, está sendo procurada por bandidos, por ter perdido uma “encomenda” em sua última viagem internacional. Midori é amiga da jovem secretária Kátia, sobrevivente do incêndio do edifício Joelma.

No roteiro do capítulo 21, começa a reunião dos moradores, para esclarecer o roubo do interceptador telefônico e decidir sobre a expulsão de Marta. Começam acusações mútuas, e todos são considerados suspeitos. O debate entre os moradores é interrompido pelo zelador Francisco, que encontrou uma carta anônima no prédio. A carta diz: “Conheço o segredo de todos! Ainda estão escondidos, mas poderão ser revelados! Cada um terá o seu preço. Assinado... o interceptador!”

A situação entre os moradores fica tensa. Todos se acusam. Flashbacks mostram pistas que deixam todos sob suspeita. Paralelamente, aparece um homem estranho, rondando o edifício à procura de Midori.

Passada a reunião, os moradores seguem lidando com suas culpas e problemas. A pressão pela expulsão de Marta é o centro das conversas.

Sebastião (o fazendeiro) quer aproximar o filho Agenor das mulheres. Procura Kátia (a jovem secretária) e oferece dinheiro para que ela se aproxime de Agenor. Diz que ele precisa conhecer uma mulher antes de casar. Kátia recusa, dizendo que Sebastião deve aceitar o filho como é. Mesmo recusando a proposta de dinheiro, Kátia se interessa por Agenor, comovendo-se com sua solidão e se torna amiga dele.

Marta recebe uma segunda carta anônima, que diz: "Como os outros, você sabe o que fez. O preço de seu segredo é sair do prédio. Se não sair, ele será comunicado aos condôminos. Assim vou fazer com todos. Da cobertura ao térreo, cada um tem um delito escondido que será revelado ao prédio."

Os gritos do menino doente pontuam a trama, soando por todo o prédio, assombrando os moradores. Os moradores começam a se articular, criando alianças contra e a favor de Marta. O grupo contra Marta inicialmente é formado por Otávio, Carmen, Edgard e Rogério. A favor de Marta estão Gilberto, Kátia e Dorotéia. Há os indecisos: Débora, Sebastião e Midori. O grupo contrário pressiona os indecisos através de ameaças e manipulações.

A trama dos contrabandistas se intensifica: o corpo de um deles é encontrado morto no rio Tietê. Inconformado com o sumiço da encomenda, o chefe do grupo desconfia de Mafalda, imaginando que Midori entregou a droga a ela. Ele trama o sequestro de Estela, para pedir a devolução do pacote como resgate.

Marta recebe uma nova carta anônima. O síndico marca uma reunião, e os moradores se reúnem novamente. Na carta, o ladrão do interceptador ameaça revelar o segredo de cada morador ao delegado Sérgio. O delegado se instala numa sala do edifício, para interrogar os moradores. Ele desconfia de uma ligação entre o roubo do interceptador e o grupo de contrabandistas.

Marta revela intenções misteriosas, em conversas com seus aliados. Ela acredita que não será expulsa. Diz que seu filho morrerá naquele edifício, e sua morte será útil para reunir todos os moradores numa só família.

Os contrabandistas entram no prédio e sequestram Estela. Edgard não conta do sequestro a ninguém, acreditando que poderá pagar o resgate e recuperar a filha. Midori confessa a Edgard que trazia as “encomendas” dos contrabandistas sem saber o que era. Na última viagem, descobriu que era heroína. Jogou a encomenda no lixo, num aeroporto em outro país. Ao telefone, Edgard oferece dinheiro aos sequestradores, para compensar a encomenda perdida.

O delegado descobre sobre o sequestro pressionando Lázara, a empregada da cobertura. Os moradores recebem a ordem de não sair do prédio durante a investigação. As mulheres se unem para demonstrar solidariedade a Mafalda.

Próximo aos últimos capítulos, o ladrão do interceptador confessa-se a Sérgio, pois ouviu uma ligação dos sequestradores sobre o pagamento do resgate. Com a ajuda da polícia, Estela é libertada e os contrabandistas presos.

Marca-se nova reunião para decidir a expulsão de Marta. Sérgio revela que o ladrão do interceptador o ajudou a salvar Estela, mas não revela sua identidade. Um flashback revela ao espectador (mas não aos moradores), que Marta era a culpada. Ela roubou o interceptador para ouvir os segredos dos outros, e se defender quando tentassem expulsá-la.

No impasse da reunião, Socorro (esposa do zelador) fica no apartamento de Marta, cuidando do menino doente. Ele morre. Socorre conta a notícia aos moradores. O velório do menino é feito na sala de reuniões. Moradores da vizinhança aparecem, comovidos com a história. Marta decide cremar o filho.

Os moradores do edifício comparecem à cremação. Durante o sermão do padre, lembram-se de suas culpas e traumas. Marta recebe as cinzas do filho, e caminha pela cidade, espalhando-as pelo ar. Gilberto, em seu apartamento, observa a paisagem da janela. O grito desesperado ressoa sobre a cidade.


ElencoEditar

Ator/Atriz Personagem
Glória Menezes Marta Mourão
Ney Latorraca Sérgio
Walmor Chagas Gilberto
Isabel Ribeiro Lúcia
Rubens de Falco Agenor
Yoná Magalhães Kátia
Tereza Rachel Débora
Elizabeth Savalla Pilar
Leonardo Villar Edgard
Maria Fernanda Mafalda
Edson França Otávio
Regina Vianna Dorotéia
Marcos Paulo Orlando
João Paulo Adour Rogério
Françoise Forton Marina
Yara Côrtes Carmem
Roberto Pirillo Mário
Suely Franco Laís
Sebastião Vasconcelos Francisco
Eloísa Mafalda Maria do Socorro
Ruth de Souza Albertina
Lídia Brondi Estela
Otávio Augusto Henrique
Lajar Muzuris Humberto
Flávio Migliaccio Osvaldo
Chica Xavier Lázara
Ricardo Garcia Costa Bento
Marcos Andreas Paulinho

Trilha sonoraEditar

NacionalEditar

  1. Lá Vou Eu - Rita Lee (tema de locação: São Paulo)
  2. Um Por Todos - Elis Regina
  3. A Lua e Eu - Cassiano (tema de Sérgio)
  4. Tema Em 5/4 - Victor Assis Brasil
  5. Noite Vazia - Ângela Maria (tema de Marta)
  6. O Grito - Victor Assis Brasil (tema de abertura)
  7. Amor, Amor - Marília Barbosa (tema de Pilar)
  8. Não Corra Atrás do Sol - Luiza Maria
  9. Berceuse - Trio Radamés Gnattali
  10. Saborearei - Luli e Lucinha
  11. Vice-versa - Victor Assis Brasil

InternacionalEditar

  1. True Love - Steve McLean (tema de Pilar e Sérgio)
  2. Inseparable - Natalie Cole
  3. Breezy - The Jackson Five
  4. Fly, Robin, Fly - Silver Convention (tema de locação)
  5. E Siamo Qui - Wess & Dori Ghezzi (tema de Laís e Mário)
  6. Time Is Over - Harris Chalkitis
  7. Hey Girl (Tell Me) - Bobby Wilson (tema de Lúcia)
  8. Tenderness - Twins (tema de Marina)
  9. So In Love With You - Leroy Hutson (tema de Rogério)
  10. We Will Make It Tonight - Carol Douglas
  11. Era Giá Tutto Previsto - Riccardo Cocciante (tema de Débora)
  12. Picture Us - Bunny Sigler (tema de Kátia e Agenor)
  13. Island Girl - Elton John
  14. Everyday I Have To Cry Some - Arthur Alexander

Referências

  1. «O Grito». Teledramaturgia. Consultado em 15 de dezembro de 2015 
  2. Anzuategui, Sabina Reggiani (27 de abril de 2012). «O grito de Jorge Andrade: a experiência de um autor na telenovela brasileira dos anos 1970» 
  3. «O GRITO - GALERIA DE PERSONAGENS». memoriaglobo.globo.com. Consultado em 31 de janeiro de 2019 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre telenovelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.