Abrir menu principal

Grande Prêmio da Austrália de 2018

Grande Prêmio da Austrália de F-1 2018
Albert Lake Park Street Circuit in Melbourne, Australia.svg
Grande Prêmio da Austrália de 2018.
Detalhes da corrida
Data 25 de março de 2018
Nome oficial 2018 Formula 1 Rolex Australian Grand Prix
Local Circuito de Albert Park, Melbourne, Austrália
Total 58 voltas / 307,574 km
Pole
Piloto
Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes
Tempo 1:21.164
Volta mais rápida
Piloto
Austrália Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer
Tempo 1:25.945 (na volta 54)
Pódio
Primeiro
Alemanha Sebastian Vettel Ferrari
Segundo
Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes
Terceiro
Finlândia Kimi Raikkonen Ferrari

O Grande Prêmio da Austrália de 2018 (formalmente denominado 2018 Formula 1 Rolex Australian Grand Prix) foi a primeira etapa da temporada de 2018 da Fórmula 1, disputada em 25 de março de 2018 no Circuito de Albert Park em Melbourne, Austrália[1]

Índice

RelatórioEditar

Treino ClassificatórioEditar

Q1

O treino começou com domínio da Ferrari, e Kimi Raikkonen à frente de Sebastian Vettel nos primeiros minutos. Mas rapidamente Hamilton se aproximou do primeiro lugar e só não liderou logo porque pegou tráfego e ainda teve de corrigir uma escapada de tarseira. O inglês só conseguiu assumir a ponta quase no fim do Q1, mesmo na sexta volta do pneu, ao cravar 1m22s824, 0s2 à frente de Raikkonen e colocando meio segundo em Vettel. A dupla da RBR veio a seguir, com Max Verstappen à frente de Daniel Ricciardo. As decepções foram Valtteri Bottas, em nono, e a dupla da STR, eliminada de cara, com Brendon Hartley em 16º e Pierre Gasly, que errou na sua última tentativa, em 20º.

Eliminados: Brendon Hartley (Toro Rosso), Marcus Ericsson (Sauber), Charles Leclerc (Sauber), Sergey Sirotkin (Williams) e Pierre Gasly (Toro Rosso)

Q2

A segunda etapa da classificação começou bem parecida com a anterior: Ferrari dominando nos primeiros minutos, com Raikkonen à frente de Vettel, e Hamilton desbancando os dois. Só que já na primeira tentativa o inglês abriu 0s456 do segundo colocado e marcou o melhor tempo do fim de semana até então: 1m22s051, o que fazia todos imaginarem mais um passeio do inglês. No fim do Q2, nuvens carregadas se aproximaram da pista e as equipes mandaram logo seus pilotos para as últimas tentativas. No minuto final, Vettel ressurgiu e bateu a marca de Hamilton ao cravar 1m21s944. Foram eliminadas do treino as duplas de McLaren e Force India, além de Lance Stroll, que deu uma escapada de pista.

Eliminados: Fernando Alonso (McLaren), Stoffel Vandoorne (McLaren), Sergio Perez (Force India), Lance Stroll (Williams) e Esteban Ocon (Force India).

Q3

No começo do Q3, as nuvens negras foram embora do Albert Park, mas não deixaram de cercar Valtteri Bottas. Pressionado desde antes mesmo da pré-temporada para ao menos andar mais próximo de Lewis Hamilton, o finlandês deu mais um motivo para ser cobrado ao bater com violência logo no "S" do fim da reta dos boxes na primeira tentativa. De imediato, o acidente provocou outra batida violenta, no caso a batida da mão do chefe Toto Wolff na mesa... Bandeira vermelha para a retirada do carro e preocupação para a equipe, já que a pancada afetou a traseira, pode ocasionar uma troca de câmbio e peças do motor e, consequentemente, punição a Bottas.

Retirados o carro de Bottas e os detritos, os pilotos tiveram apenas oito minutos para marcar tempo no Q3. Hamilton foi o mais rápido na primeira tentativa, depois que Vettel fez os dois melhores primeiros setores. Entre Hamilton e Verstappen, o terceiro até então, apenas 0s061. Mas na última volta o equilíbrio acabou com Hamilton abrindo grande vantagem sobre os adversários. Resta saber se a Mercedes terá tanta vantagem na corrida ou se o resultado tão folgado se deve ao poderoso modo do motor em treino de classificação.

 
Grid de Largada

CorridaEditar

Logo nas primeiras voltas, Hamilton mostrou todo o poderio da Mercedes e abriu ligeira vantagem para Räikkönen. Mais atrás, Magnussen sustentava a excelente quarta posição, mas já tinha Verstappen no seu encalço. Ricciardo buscava sua evolução na prova e fazia a ultrapassagem sobre Nico Hülkenberg, subindo para sétimo. E Sergey Sirotkin abandonava a corrida no começo, na quarta volta, com problemas nos freios da sua Williams. Em seguida, era a vez de Marcus Ericsson deixar a disputa.

Hamilton continuava nadando de braçada e já abria 2s5 de frente para Räikkönen após nove voltas. Mas a outra Mercedes, de Valtteri Bottas, tinha enormes dificuldades para escalar o pelotão. O finlandês levou muito tempo atrás de Esteban Ocon até fazer a ultrapassagem e subir para 13º. E Verstappen, disposto a partir para cima de Magnussen, errou na saída da curva 2, rodou e caiu para oitavo. A Haas tinha então dois carros no top-5.

O 'Homem de Gelo' forçava o ritmo para não perder Hamilton de vista e diminuía a diferença para 2s3. Mas o tetracampeão tratava de responder em seguida para reafirmar o controle da corrida. Vettel aparecia de forma discreta, em terceiro, seguido pelos carros da Haas e Ricciardo, que buscava um lugar entre os cinco primeiros. Alonso fazia uma corrida quase isolada e aparecia em décimo. O espanhol se queixava de muitas dificuldades para acompanhar o carro da frente. E reclamava do engenheiro que falava com ele no rádio.

Na volta 15, Pierre Gasly também abandonava a corrida. O novato francês recolheu sua Toro Rosso de volta aos boxes com o indicativo de problemas no motor Honda. Quem não tinha problema algum era Hamilton, que mesmo com o ótimo ritmo de Räikkönen conseguia responder à altura e abria vantagem na frente, já subindo para 3s. Naquele momento, com 19 voltas, Räikkönen era o primeiro dos líderes a fazer seu pit-stop. A Ferrari trocou os pneus ultramacios pelos macios. A tática era de não parar mais até o fim da prova.

No giro seguinte, era a vez de Hamilton fazer seu pit-stop. A tática foi a mesma de Räikkönen: pneus macios para ir até o fim. Vettel assumia a liderança da corrida. Verstappen também antecipou sua parada, com a Red Bull trocando os supermacios pelos macios. Bottas, apagadíssimo, lutava com a Force India de Sergio Pérez, enquanto Carlos Sainz perdeu o controle da sua Renault e passava reto na curva 9, permitindo a ultrapassagem de Alonso. Por sua vez, Magnussen encerrava uma grande corrida e abandonava logo após seu pit-stop por conta da roda traseira esquerda, que estava solta. Era o começo do desastre.

A notícia já era ruim para a Haas e tornou-se dramática na volta seguinte. Grosjean teve exatamente o mesmo problema de má fixação da roda traseira no seu carro logo após seu pit-stop e, uma volta depois da falha com Magnussen, também abandonava uma corrida até então incrível. Por conta da posição do carro da Haas, a direção de prova acionou o safety-car virtual. Foi aí o 'pulo do gato' de Vettel, que aproveitou para fazer seu pit-stop e voltar à frente de Hamilton.

Em seguida, a direção de prova determinou a entrada do safety-car na pista para que os fiscais pudessem tirar o carro de Grosjean na saída da curva 2. Vettel era o líder, com Hamilton em segundo, Räikkönen em terceiro, Ricciardo, Alonso e Verstappen — após o holandês tê-lo passado sob bandeira amarela antes de devolver a posição — vindo na sequência.

A relargada foi autorizada na volta 32. Vettel defendeu a liderança e tinha Hamilton logo atrás. Seb tinha pneus macios dez voltas mais novos que os de Hamilton, o que representava uma considerável vantagem. Após cinco voltas, a diferença entre os dois era mínima, 0s8, só que a Mercedes alertava Lewis sobre um risco de superaquecimento do motor. Mais atrás, Räikkönen e Ricciardo lutavam pela terceira posição.

O fato é que Hamilton andava perto, mas não conseguia ritmo o bastante para tentar ultrapassar Vettel. O ferrarista, ao contrário, parecia ter tudo sob controle e caminhava com autoridade para a vitória depois de ter virado o jogo de forma surpreendente. Räikkönen se sustentava em terceiro, enquanto Alonso segurava a pressão de Verstappen.

Quando restavam dez voltas para o fim, Hamilton acelerou tudo para tentar ganhar a liderança de Vettel. Mas cometeu um erro no miolo do circuito e permitiu que a vantagem aumentasse de 0s2 para mais de 2s. Era o indício de desgaste nos pneus traseiros. Assim, era o alemão quem se aproximava da vitória em Melbourne. Mais atrás, Carlos Sainz se segurava em décimo, mas reportava problemas de estômago e náuseas. O espanhol lutava contra Sergio Pérez para pontuar.

No fim das contas, Vettel confirmou uma vitória inesperada, que veio na esteira de sorte, mas também de competência para segurar Hamilton, que acabou perdendo performance no fim com problemas nos pneus. Seb venceu e tirou o sorriso de Hamilton. E Räikkönen completou o pódio em dia de grande festa para a Ferrari, choro para a Haas e lamento para Hamilton. Quem também teve motivos para comemorar foi Ricciardo, quarto, e Alonso completou ótima corrida para fechar em quinto.

 
Resultado da corrida

PneusEditar

Os compostos de pneus fornecidos pela Pirelli para este Grande Prêmio[2]
Nome do composto Cor Banda de rolamento Condições de Tempo Dry Type Aderência Longevidade
Ultra Macio   Slick
(P Zero)
Seco Ultrasoft Mais aderência Menos durável
Super Macio   Slick
(P Zero)
Seco Supersoft Mais aderência Menos durável
Macio   Slick
(P Zero)
Seco Soft Médio Médio
Intermediário   Sulcos
(Cinturato)
Molhado Intermediate
(água não estagnante)
Chuva   Sulcos
(Cinturato)
Molhado Wet
(água estagnante)

ResultadosEditar

Treino ClassificatórioEditar

Pos. Piloto Construtor Q1 Q2 Q3 Grid
1 44   Lewis Hamilton Mercedes 1:22.824 1:22.051 1:21.164 1
2 7   Kimi Räikkönen Ferrari 1:23.096 1:22.507 1:21.828 2
3 5   Sebastian Vettel Ferrari 1:23.348 1:21.944 1:21.838 3
4 33   Max Verstappen Red Bull-TAG Heuer 1:23.483 1:22.416 1:21.879 4
5 3   Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer 1:23.494 1:22.897 1:22.152 81
6 20   Kevin Magnussen Haas-Ferrari 1:23.909 1:23.300 1:23.187 5
7 8   Romain Grosjean Haas-Ferrari 1:23.671 1:23.468 1:23.339 6
8 27   Nico Hülkenberg Renault 1:23.782 1:23.544 1:23.532 7
9 55   Carlos Sainz Jr. Renault 1:23.529 1:23.061 1:23.577 9
10 77   Valtteri Bottas Mercedes 1:23.686 1:22.089 DNF 152
11 14   Fernando Alonso McLaren-Renault 1:23.597 1:23.692 10
12 2   Stoffel Vandoorne McLaren-Renault 1:24.073 1:23.853 11
13 11   Sergio Pérez Force India-Mercedes 1:24.344 1:24.005 12
14 18   Lance Stroll Williams-Mercedes 1:24.464 1:24.230 13
15 31   Esteban Ocon Force India-Mercedes 1:24.503 1:24.786 14
16 28   Brendon Hartley Toro Rosso-Honda 1:24.532 16
17 9   Marcus Ericsson Sauber-Ferrari 1:24.566 17
18 16   Charles Leclerc Sauber-Ferrari 1:24.636 18
19 35   Sergey Sirotkin Williams-Mercedes 1:24.922 19
20 10   Pierre Gasly Toro Rosso-Honda 1:25.295 20
Tempo dos 107%: 1:28.621
Fonte: [4]
Notas

↑1 - Daniel Ricciardo (Red Bull) perder três posições do grid por excesso de velocidade sob bandeiras vermelhas no segundo treino livre.

↑2 - Valtteri Bottas (Mercedes) perder cinco posições do grid por troca de câmbio.

CorridaEditar

Pos. Nu. Piloto Construtor Voltas Tempo/Retirado Grid Pontos
1 5   Sebastian Vettel Ferrari 58 1:29:33.283 3 25
2 44   Lewis Hamilton Mercedes 58 +5.036 1 18
3 7   Kimi Räikkönen Ferrari 58 +6.309 2 15
4 3   Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer 58 +7.069 8 12
5 14   Fernando Alonso McLaren-Renault 58 +27.886 10 10
6 33   Max Verstappen Red Bull-TAG Heuer 58 +28.945 4 8
7 27   Nico Hülkenberg Renault 58 +32.671 7 6
8 77   Valtteri Bottas Mercedes 58 +34.339 15 4
9 2   Stoffel Vandoorne McLaren-Renault 58 +34.921 11 2
10 55   Carlos Sainz Jr. Renault 58 +45.722 9 1
11 11   Sergio Pérez Force India-Mercedes 58 +46.817 12
12 31   Esteban Ocon Force India-Mercedes 58 +1:00.278 14
13 16   Charles Leclerc Sauber-Ferrari 58 +1:15.759 18
14 18   Lance Stroll Williams-Mercedes 58 +1:18.288 13
15 28   Brendon Hartley Toro Rosso-Honda 57 +1 Volta 16
Ret 8   Romain Grosjean Haas-Ferrari 24 Pneu solto 5
Ret 20   Kevin Magnussen Haas-Ferrari 22 Pneu solto 6
Ret 10   Pierre Gasly Toro Rosso-Honda 13 Unid. de potência 20
Ret 9   Marcus Ericsson Sauber-Ferrari 5 Hidráulica 17
Ret 35   Sergey Sirotkin Williams-Mercedes 4 Freios 19
Fonte: [5]

CuriosidadesEditar

Voltas na LiderançaEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Categoria no Commons
Nº de Voltas Piloto Voltas
40   Sebastian Vettel 19-58
18   Lewis Hamilton 1-18

2018 DHL Fastest Pit Stop AwardEditar

ResultadoEditar

Pos. Nu. Piloto Construtor Tempo Pontos
1 33   Max Verstappen Red Bull-TAG Heuer 2.15 25
2 7   Kimi Räikkönen Ferrari 2.39 18
3 3   Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer 2.45 15
4 18   Lance Stroll Williams-Mercedes 2.53 12
5 20   Kevin Magnussen Haas-Ferrari 2.72 10
6 28   Brendon Hartley Toro Rosso-Honda 2.80 8
7 16   Charles Leclerc Sauber-Ferrari 2.98 6
8 5   Sebastian Vettel Ferrari 3.01 4
9 31   Esteban Ocon Force India-Mercedes 3.03 2
10 44   Lewis Hamilton Mercedes 3.03 1
Fonte: [6]

ClassificaçãoEditar

Tabela do campeonato após a corridaEditar

Somente as cinco primeiras posições estão incluídas nas tabelas.

Referências

  1. «2018 Formula 1 Rolex Australian Grand Prix» (em inglês). Formula 1.com .
  2. «Pirelli announces compound choices and mandatory sets for the 2018 Grand Prix in Australia, Bahrain and China» (em inglês). news.pirelli.com 
  3. «Mercedes, Ferrari and Red Bull differ on Melbourne tyre strategies» (em inglês). Formula 1.com. 13 de março de 2018. Consultado em 13 de março de 2018 .
  4. «Formula 1 2018 Rolex Australian Grand Prix – Qualifying». Formula1.com. Formula One World Championship Limited. 24 de março de 2018. Consultado em 28 de maio de 2018 
  5. «Formula 1 2018 Rolex Australian Grand Prix – Race Result». Formula1.com. Formula One World Championship Limited. 25 de março de 2018. Consultado em 28 de maio de 2018 
  6. «2018 DHL Fastest Pit Stop Award» (em inglês). Formula1.com. 15 de abril de 2018. Consultado em 15 de abril de 2018 

Ligações externasEditar