Lista de disputas territoriais

artigo de lista da Wikimedia

Este artigo mostra uma lista de territórios/regiões que estão em disputa territorial entre certos países ao redor do mundo.

Territórios em disputas e crises ao redor do MundoEditar

ÁfricaEditar

 
Mapa simplificado mostrando a reivindicação do Egito (amarelo e verde), a reivindicação do Sudão (azul e verde), o Triângulo Hala'ib (verde) e Bir Tawil (a área branca entre o Egito e o Sudão)
 
Mapa mostrando os territórios reclamados por Essuatíni no território Sul-Africano. Ngavuma mais ao leste em costa ao Oceano Índico; KaNgwame cobrindo toda fronteira norte de Essuatíni com a África do Sul; Nsizaki um enclave sem uma porção de terra contígua conectando-a a parte central de Essuatíni
 
Mapa da Região de Ras Doumeira mostrando em foco as fronteiras oficiais de ambos os membros da fronteira
Território Países que disputam este território Explicação Desde
Abyei, Heglig e Kafia Kingi  Sudão

  Sudão do Sul

A região de Abyei, rica em petróleo, gerou disputas a partir de 2010 entre o exército sudanês e um grupo rebelde de libertação.

Heglig é uma cidade fronteiriça na fronteira entre os beligerantes que em março de 2012 gerou um conflito armado e em setembro do mesmo ano um acordo foi assinado entre ambos.

Kafia Kingi deveria ser posse sul-sudanesa nos termos do Acordo de Paz Abrangente de 2005, que exigia o uso da "linha norte-sul" do Sudão a partir de 1º de janeiro de 1956. O Sudão controla toda ou a maior parte desta área hoje, embora algumas vezes, desde a independência, as forças do Sudão do Sul tenham controlado brevemente grandes porções.

2011[1]
Plazas de soberanía   Espanha

  Marrocos

A Conferência Islâmica (57 estados membros), a União Africana (54 estados membros) e a Liga Árabe (23 estados membros) consideram Ceuta e as outras partes dos lugares de Plazas de Soberanía como territórios marroquinos.[2] 1956
Arquipélago de Chagos   Reino Unido

  Maurício

  Maldivas[3]

O Reino Unido administra o arquipélago como parte do Território Britânico do Oceano Índico. Uma opinião consultiva do Tribunal Internacional de Justiça considerou a administração do Reino Unido ilegal e apelou ao Reino Unido para concluir o processo de descolonização em relação às Maurícias.[4] 2019
Triângulo de Hala'ib  Sudão

  Egito

Anteriormente sob administração conjunta; O Egito agora mantém total controle de facto do Triângulo Hala'ib. As fronteiras reivindicadas pelo Egito e pelo Sudão incluem o Triângulo Hala'ib. A área de Bir Tawil, próxima ao triângulo, não é reivindicada por ambos os países, tornando-se uma terra nullius pela sua falta de importância geográfica e econômica.[5] 1956
KaNgwane, Ngavuma e Nsikazi   Eswatini

  África do Sul

Estas três regiões historicamente foram ocupadas por grupos étnicos suazis e o antigo reino suazi no século XVI. Durante a época colonial, estes territórios pertencentes aos reis suazis foram distribuídos pela coroa britânica para as República Bôer de Transvaal e a Província de Natal.

Durante o regime do Apartheid a região foi declarada um Bantustão Sul-Africano como forma de concentrar negros Suazis em uma única região. Após o regime, ambos os governos tentaram negociar, mas receberam críticas da Organização da Unidade Africana e a legislatura de KwaZulu. [6]

1980
Triângulo Ilemi   Quênia

  Sudão do Sul

Acordos coloniais foram feitos entre Abissínia e Império Britânico pelas fronteiras no Sudão. Após conflitos envolvendo tribos etíopes no lugar, quenianos adquiriram o direito de passagem mesmo sendo de facto sudanês. Durante a 1ª Guerra Civil Sudanesa, o Quênia tomou posse dos territórios e hoje o Sudão do Sul reivindica-os novamente.[7][8] 1928
Ras Doumeira e Ilhas Doumeira   Eritreia

  Djibouti

As fronteiras em vigor foram estabelecidas em 1900 especificando que a linha delimitadora passava a partir do meio do cabo de Doumeira e especifica que a Ilha devia ser desmilitarizada por ambas as partes sem dono. Porém, em 2008 o Djibouti acusou a Eitreia de ter avançado 7 km na fronteira, desencadeando o Conflito de Fronteira Djiboutiano-Eritreu [9]. É um território disputado que está sendo ocupado pela Eritreia após a retirada das forças de manutenção da paz do Qatar em junho de 2017. [10][11] 2008
Luapula, Chiengi e de facto o controle do Lago Mweru.   Zâmbia

  Congo-Kinshasa

Zâmbia e Congo têm interpretações diferentes das fronteiras estabelecidas em um tratado de 1894 entre os colonos britânicos e Leopoldo II, rei dos belgas. Houve incidentes entre exércitos de ambos os países em 1996, 2006 e 2016. Em março de 2020, a Zâmbia posicionou tropas no lado congolês da fronteira.[12] 1996

EuropaEditar

 
A zona de conflito direto entre Rússia e Ucrânia, mostrando em amarelo os territórios controlados pelo governo da Ucrânia, em rosa a própria Federação Russa, em vermelho-claro as áreas nas mãos de separatistas, integradas nas Forças Armadas e Marinha da Federação Russa e em vermelho picos de conflito na região de Donbass
 
Mapa de Kosovo e sua posição entre a Sérvia e Albânia
Território Países que disputam este território Explicação Desde
Crimeia   Rússia

  Ucrânia

A Crimeia foi cedida à Ucrânia em 1954 pela União Soviética, e a Ucrânia tornou-se independente somente em 1991. Configurou-se então na Crimeia uma forte divisão política e cultural, com o leste sendo pró-Rússia e o oeste pró-União Europeia (UE).

Em 2014, a Federação Russa anexou a península da Crimeia em um referendo disputado . A propriedade russa da Crimeia é reconhecida por uma minoria de países.  A Resolução da Assembleia Geral 68/262 por votos 100 "a favor", 11 "contra", 58 "abstenções" e 24 ausências observou que a Crimeia fazia parte da Ucrânia.

Ainda em 2014 o Governo local da Crimeia e de Sevastopol realizaram um referendo perguntando aos habitantes da península de uma união com o governo russo. Mais de 80% da população participou e 96% optaram pela unificação[13]. Assim, a República da Crimeia proclamou sua independência e pediu sua união a Rússia. Causando mais tenções entre não só a Rússia e a Ucrânia, mas toda a UE e EUA pois estes principais Estados declararam o referendo como ilegal [14]

2014[15]
Fronteira Russo-Ucraniana Desde 2001, a Rússia adia o processo de estabelecer uma fronteira fixa com a Ucrânia[16] pelo motivo de estabelecer fronteiras fixas entre os dois países após o fim da URSS e consequentemente a independência da Ucrânia 2001
Donbass   Rússia

  RP de Lugansk

  RP de Donetsk

  Ucrânia

Após a Euromaiden e a Revolução Ucraniana de 2014, grupos pró-Rússia se levantaram contra o novo governo estabelecido nacionalista ucraniano em Donetsk e Luhansk na região de Donbass [17]. Com a repressão por parte ucraniana. Em seguida revolucionários recebem suporte russo, mesmo que o governo negue tal fato[18]. Dando assim um estopim a Guerra Civil no Leste da Ucrânia

Meses depois um referendo foi convocado. Após as apurações do referendo, são autoproclamadas formalmente Repúblicas Populares de Lugansk e Donetsk, se declarando independentes do atual governo de Kiev.[19] Em 24 de maio foi anunciada a fusão de Donetsk e Lugansk formando a Novorossiya[20]

2014
Ilhas Faroé  Dinamarca

  Islândia

  Reino Unido

  Irlanda

Dinamarca disputa com a Islândia, o Reino Unido e a Irlanda a posse de uma plataforma continental das ilhas Faroé. É uma região autônoma da Dinamarca e que estuda a independência total. 1948[21]
Rockall Island Rockall é um ilhéu situado no Norte do Oceano Atlântico . O Reino Unido afirma que Rockall se encontra dentro de sua zona econômica exclusiva (ZEE)  e faz parte de seu território, mas esta afirmação não é reconhecida por seus vizinhos.[22] 1972
Gibraltar   Espanha

  Reino Unido

Disputa sobre a interpretação do Tratado de Utrecht e a localização da Fronteira Espanha-Gibraltar.[23] 1713
Kosovo   Sérvia

  Kosovo

  Albânia

Durante a permanência da Iugoslávia, a região do Kosovo era habitada por pessoas de origem albanesa, onde separatistas do Exército de Libertação do Kosovo (ELK) se rebelaram e projetaram um ataque contra o governo da Sérvia devido às suas diferenças étnicas e religiosas. Já a resposta pelo exército Iugoslavo trouxe várias preocupações na comunidade internacional pelas atrocidades cometidas, gerando assim uma intervenção da OTAN contra a Iugoslávia e a favor de Kosovo, a chamada Guerra do Kosovo.

E pelas aproximações étnicas e religiosas, onde a maioria da população do Kosovo é Albanesa e Muçulmana (diferente da Sérvia de maioria cristã ortodoxa e Eslava), a Albânia mantém apoio fixo desde os tempos atuais. Atualmente o Kosovo é reconhecido apenas por 96 dos 193 Estados-membros das Nações Unidas. Atualmente o Brasil não reconhece a Independência de Kosovo.[24]

1998
Olivença   Espanha

  Portugal

A administração e soberania espanhola de Olivença e territórios adjacentes não são reconhecidas por Portugal, estando a fronteira por delimitar nessa zona.

Em 1801, através do Tratado de Badajoz, denunciado em 1808 por Portugal, o território foi anexado pela Espanha. Em 1817, quando subscreveu o diploma resultante do Congresso de Viena (1815), a Espanha reconheceu a soberania portuguesa, comprometendo-se à devolução do território o mais rapidamente possível. No entanto, tal nunca chegou a acontecer.[25]

1815

ÁsiaEditar

 
Mapa mostrando a localização do conflito da Caxemira
 
Mapa da ocupação da Palestina e Israel. Área A: controle civil palestino e da ANP; Área B: controle civil e controle de segurança conjunto israelense-palestino: e Área C: total controle civil e militar israelense
 
Mapa mostrando todas as reinvindicações marítima das Ilhas Spratly pelos países participantes, e suas posses de facto militarmente sobre elas
Território Países que disputam este território Explicação Desde
Caxemira   Índia

  Paquistão

  RP da China

Durante a permanência do Domínio Britânico Indiano, a região tanto da Caxemira, quanto da Índia e Paquistão eram unidas num único Estado. Estado esse subdividido em pequenas chefaturas vassalas da coroa britânica.

Após a independência em 1947 destes países, a Índia começou a reivindicar os territórios do antigo Estado Principesco de Jammu e Caxemira [26]. Porém estes territórios formam uma própria identidade étnica e religiosa distinta da indiana, com uma maioria muçulmana. Por isto, o Paquistão controla apenas as Regiões ao Norte e Oeste. E graças as Guerras Sino-Indianas de 1962, como forma de aproximação, o Paquistão apoia a China na reivindicação de territórios mais ao leste da região.

Essas pressões já geraram grandes conflitos entre essas potências, fazendo com que Índia e Paquistão produzissem suas próprias armas nucleares para se ameaçarem em casos de conflitos.

1947[27]
Faixa de Gaza, Cisjordânia e Jerusalém Oriental

(Própria existência de Israel por parte Árabe)

  Israel

  Palestina

  Liga Árabe

Após a criação do Estado de Israel pelos britânicos na região da Palestina, principalmente graças as atrocidades cometidas contra o Povo Judeu no holocausto várias tensões internas ocorriam pelo desconforto de árabes na região do levante após a chegada dos judeus em seu território. Agravando na guerra árabe-israelense de 1948 e a ocupação da Transjordânia e Egito dos territórios, e a sua reocupação de Israel na Guerra dos Seis Dias.[28]

Após a Resolução 242 do Conselho de Segurança da ONU em 1967, o Estado de Israel deveria retirar todas suas forças militares da região da Cisjordânia (posse Jordaniana) e Faixa de Gaza (posse Egípcia).[29] Junto da Resolução 478, enfatizando que a porção Oriental Árabe de Jerusalém deve fazer parte da Cisjordânia.[30]

Após a Independência do Estado da Palestina, os conflitos na região da Faixa de Gaza se intensificaram o que pudemos ver com Conflito israelo-palestino de 2021.[31]

1948[32]
Ilhas Spratly   Vietnã

  RP da China

  República da China

  Filipinas

  Malásia

  Brunei-Darussalam

A região atualmente passa por grandes problemas de governança graças a sua importância geopolítica e econômica estratégica localizada especificamente no meio do Mar da China Meridional. As ilhas não possuem habitações indígenas, mas possuem reservas de Gás Natural e Petróleo. Poucas ilhas têm assentamentos civis, mas das cerca de 45 ilhas, ilhotas, recifes e baixios ocupados, todos contêm estruturas que são ocupadas por forças militares da Malásia, Taiwan (ROC), China (RPC), Filipinas ou Vietnã . Além disso, Brunei reivindicou uma zona econômica exclusiva na parte sudeste das Ilhas Spratly, que inclui o recife desabitado Louisa.

América do SulEditar

 
Mapa mostrando a Falklands Campaign (campanha das Malvinas) em contexto da Guerra das Malvinas, mostrando a distância das bases britânicas até a área de conflito
 
Mapa da Venezuela junto (em listrado) de seus territórios reclamados do Essequibo.
 
Mapa mostrando a localização da Ilha Brasileira na fronteira entre Argentina, Brasil e Uruguai
Território Países que disputam este território Explicação Desde
Ilhas Malvinas/Falklands   Argentina

  Reino Unido

Argentina reivindica da Grã-Bretanha a posse das Ilhas Malvinas, localizadas no Atlântico Sul.

Em 1982, a Argentina invadiu as ilhas, mas tropas britânicas as recuperaram rapidamente. O conflito ficou conhecido como Guerra das Malvinas.

Até hoje o governo argentino reivindica perante a ONU a posse das ilhas.

Em 2009, o governo britânico começou a explorar petróleo na região.

1982
Ilha de Guajará-mirim  Bolívia

 Brasil

A área foi demarcada pelo Tratado de Ayacucho, a 27 de março de 1867, que, em seu artigo 2º, declara:

(…) [A fronteira entre o Brasil e a Bolívia] baixará [pelo rio Verde] até á sua confluência com o Guaporé e pelo meio deste e do Mamoré até ao Beni, onde principia o Rio Madeira.(…)[1] A fronteira nesta área foi demarcada em 1877, estabelecendo-se lá a empresa boliviana Irmãos Suarez em 1896. O Tratado de Petrópolis, em 17 de novembro de 1903, confirmou o mesmo limite estabelecido em 1867. Em 1 de abril de 1930, a legação brasileira em La Paz reclamou pelo que considerava uma inadequada ocupação da ilha.

Em 1937, o governo da Bolívia emitiu um relatório mostrando uma proximidade maior da ilha ao lado boliviano, que foi rejeitado pelo Brasil.

Em 1955, o Brasil teve a intenção de estabelecer um posto policial na ilha, mas não levou o projeto a cabo.

Em 29 de março de 1958, foi assinado um acordo entre os dois países, chamado Acordo de Roboré, no qual, além da resolução de outras questões em litígio, foi acordado, no futuro, resolver a disputa sobre a soberania da ilha Suárez. Esta convenção foi ratificada pelo Congresso Brasileiro em 30 de novembro de 1968. No seu artigo 4.º, estabelece que:

"O Governo do Brasil concordou com o Governo da Bolívia a fim de examinar outra vez a questão sobre o estatuto jurídico da ilha de Guajará Mirim (Isla Suárez).[2] A ilha continua, em 2009, sem uma solução definitiva acerca da sua posse territorial, e permanece supostamente sob administração boliviana, apesar de que a ilha é local de atividade econômica dos habitantes brasileiros de Guajará-Mirim que detém a maior parte do território da ilha. Mais de 80 ilhas nos rios Guaporé e Mamoré ainda têm de ser atribuídas a um ou outro país."

1930
Guiana Esequiba   Guiana

  Venezuela

Quando a Espanha criou a Capitania Geral da Venezuela em 1777, o rio Essequibo foi reafirmado como a fronteira natural entre o território espanhol e a colônia holandesa de Essequibo[33]. Por isto, a Espanha considerou suas terras a partir da região do Rio Essequibo e Cuyuni pois seria de acordo com eles, de seu direito se apossar das terras férteis da região. Estas reinvindicações afetaram os Países Baixos, e descenderam para a Grã-Colômbia, depois a própria Venezuela, reclamando territórios agora Britânicos cedidos em 1814 criando a Guiana Britânica de acordo com as fronteiras já definidas por nativos e neerlandeses. E que se seguiram para o futuro país independente da Guiana. 1777 com a Espanha

1811 pela Venezuela[34]

Ilha Brasileira   Uruguai

 Brasil

A Ilha Brasileira é uma pequena ilha localizada entre a fronteira do Uruguai, Argentina e Brasil. Oficialmente Brasileira demarcada por acordos no Tratado de Limites de 1851, o Uruguai nunca reclamou a posse desta ilha em toda sua história pois, o tratado menciona que os limites entre ambos os países seriam demarcados pelo Rio Quaraí, "pertencendo ao Brasil a ilha ou ilhas que se acham na embocadura do dito rio Quaraí no Uruguai". Porém a ilha se localiza entre o Rio Quaraí e o Rio Uruguai, por isto a partir dos anos de 1927 na Convenção Complementar de Limites entre o Brasil e a Argentina, o Uruguai reclama a posse desta ilha por "não fazer de fato, parte do Rio Quaraí"[35]. Porém, o governo brasileiro nunca se sentiu ameaçado sobre e nunca respondeu nenhuma afirmação uruguaia sobre, por não afetar suas relações internacionais.[36] 1927[35]
Rincão das Artigas Rincão de Artigas é uma faixa de terra de 237 km2, localizado entre o Norte Uruguaio e o Sul Brasileiro, fazendo parte oficialmente do Município de Sant'Ana do Livramento, no Rio Grande do Sul.

O Uruguai considera que ouve um erro na demarcação do limite de cada uma das nações em 1856, e em 1861 esse território passou para o Brasil. Desde 1934 o Governo Uruguaio propõe ao Brasil a revisão da demarcação de limites entre ambos os países nessa faixa de terra. O Brasil considera que o território lhe pertence legalmente e desconhece as reclamações uruguaias, considerando que não existe nenhum litígio pendente entre ambos, não aceitando realizar conversações a respeito.[37]

1934

Reinvindicações de Estados de reconhecimento limitadoEditar

 
Mapa da Somalilândia
Território Países que disputam este território Explicação
Abkhazia   Geórgia

  República da Abecásia

Aksai Chin   República da China

  RP da China

  Índia

Região da Caxemira em disputa entre Índia e RP da China de facto, porém de jure a República Insular da China (Taiwan) reclama a mesma região reclamada pela China Continental.
Somalilândia  Somalilândia

  Somália[38]

Internacionalmente a região da Somalilândia é reconhecida como território Somali. Porém graças a seu estado de Guerra Civil e falência extrema, a Somália não possui forças para controlar a região da Somalilândia, sendo esta de facto um território independente com governo, legislação e moeda própria. Onde segue viés tradicionalistas e pacifistas, levando-a a um caminho mais pacifico que o da Somália. tanto que em 31 de Maio de 2021 realizaram sua própria eleição com 1 milhão de eleitores[39][40]. Atualmente nenhum país a reconhece com medo de gerar novos movimentos bem sucedidos de independência no Corno Africano.[41]

NotasEditar

Referências

  1. «Abyei, Sudão, urgente». Consultado em 2 de julho de 2016 
  2. «Ceuta, Melilla profile». globo.com. Consultado em 27 de novembro de 2018 
  3. «Maldives defends UN vote on Chagos Islands dispute» (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2021 
  4. Welle (www.dw.com), Deutsche. «Até quando estarão as ilhas Chagos nas mãos dos britânicos? | DW | 22.11.2019». DW.COM. Consultado em 22 de julho de 2021 
  5. «Why are Egypt and Sudan in dispute over the Hala'ib Triangle?(Quizzical)(Brief Article) Geographical - Find Articles». web.archive.org. 13 de novembro de 2007. Consultado em 14 de julho de 2021 
  6. «Land claim falls on deaf SA ears». The New Humanitarian (em inglês). 16 de junho de 2003. Consultado em 19 de julho de 2021 
  7. Collins, Robert O. (2004). «The Ilemi Triangle». Annales d'Éthiopie (1): 5–12. doi:10.3406/ethio.2004.1065. Consultado em 21 de julho de 2021 
  8. «The Ilemi Triangle | Rift Valley Institute». riftvalley.net. Consultado em 21 de julho de 2021 
  9. «What is behind tension between Eritrea and Djibouti?». BBC News (em inglês). 20 de junho de 2017. Consultado em 21 de julho de 2021 
  10. Maasho, Aaron (16 de junho de 2017). «Djibouti, Eritrea in territorial dispute after Qatar peacekeepers leave». Reuters (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2021 
  11. «Eritrea's alleged seizure of disputed Djiboutian territory increases likelihood of miscalculation leading to military escalation | Jane's 360». web.archive.org. 25 de junho de 2017. Consultado em 21 de julho de 2021 
  12. Tshiamala, Stanis (27 de agosto de 2020). «Zambia & DRC's disputed territory in Tanganyika since colonial era». the africa report. Consultado em 22 de julho de 2021 
  13. G1, Do; Paulo, em São (17 de março de 2014). «Entenda o que muda na Crimeia após referendo aprovar adesão à Rússia». Mundo. Consultado em 16 de julho de 2021 
  14. «Backing Ukraine's territorial integrity, UN Assembly declares Crimea referendum invalid». UN News (em inglês). 27 de março de 2014. Consultado em 16 de julho de 2021 
  15. «Pro EU Rally in Kiev, Pro Government Rally in Donetsk – The World Reporter». www.theworldreporter.com. Consultado em 2 de julho de 2016 
  16. «Ukraine and Russia move on border delimitation (11/25/01)». web.archive.org. 4 de novembro de 2014. Consultado em 14 de julho de 2021 
  17. «Armed pro-Russian insurgents in Luhansk say they are ready for police raid - Apr. 12, 2014». KyivPost. 12 de abril de 2014. Consultado em 16 de julho de 2021 
  18. «US releases satellite images 'proving' Russia is firing into Ukraine». RT International (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  19. «Lugansk, na Ucrânia, tem 65% de participação em referendo; Donetsk, 32%». R7.com. 11 de maio de 2014. Consultado em 16 de julho de 2021 
  20. «Regiões do sudeste da Ucrânia querem formar Estado independente: Novorossiya». R7.com. 7 de maio de 2014. Consultado em 16 de julho de 2021 
  21. «Iceland History». www.mnh.si.edu. Consultado em 2 de julho de 2016 
  22. «Who owns Rockall? A history of disputes over a tiny Atlantic island». The Irish Times (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2021 
  23. «Disputa sobre o território de Gibraltar vira obstáculo antes de cúpula do Brexit; entenda». globo.com. Consultado em 27 de novembro de 2018 
  24. «Brasil não reconhece Kosovo sem acordo com Sérvia | - Guia da Saúde - SC». clicrbs.com.br. Consultado em 16 de julho de 2021 
  25. «Europe :: Spain». globo.com. Consultado em 27 de novembro de 2018 
  26. «Kashmir Rulers with Coins». www.chiefacoins.com. Consultado em 17 de julho de 2021 
  27. «The Kashmir Crisis Explained | Muslim Hands UK». muslimhands.org.uk. Consultado em 17 de julho de 2021 
  28. «Como França e Reino Unido dividiram o Oriente Médio entre si há um século». BBC News Brasil. Consultado em 16 de julho de 2021 
  29. «S/RES/242(1967) - E - S/RES/242(1967) -Desktop». undocs.org. Consultado em 16 de julho de 2021 
  30. «S/RES/478%20(1980) - S - S/RES/478%20(1980) -Desktop». undocs.org. Consultado em 16 de julho de 2021 
  31. «Israel e Palestina: entenda o conflito desde seu início!». Politize!. 18 de maio de 2021. Consultado em 16 de julho de 2021 
  32. League, Arab. Cablegram from the Secretary-General of the League of Arab States to the Secretary-General of the United Nations. [S.l.: s.n.] 
  33. «¿Cuál es la historia detrás del conflicto territorial de la Zona en Reclamación?». Prodavinci (em espanhol). 9 de abril de 2015. Consultado em 22 de julho de 2021 
  34. «Simón Bolívar acérrimo defensor del Esequibo - Jesús Sotillo Bolívar en Red Angostura». Red Angostura (em espanhol). 20 de agosto de 2020. Consultado em 22 de julho de 2021 
  35. a b info.lncc.br http://info.lncc.br/uilhab.html. Consultado em 15 de julho de 2021  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  36. «Ilha Brasileira, em Barra do Quaraí: porção de terra cercada de controvérsia por todos os lados». GZH. 16 de junho de 2018. Consultado em 15 de julho de 2021 
  37. web.archive.org https://web.archive.org/web/20070817200811/http://www.info.lncc.br/wrmkkk/masollee.html. Consultado em 15 de julho de 2021  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  38. «Somaliland: 25 years as an unrecognised state». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2021 
  39. «Somaliland Elections Disrupt al-Shabaab's Regional Expansion». Jamestown (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2021 
  40. «Somaliland: Prospects for International Recognition?». Pacific Council on International Policy (em inglês). 14 de agosto de 2019. Consultado em 22 de julho de 2021 
  41. «Somaliland deserves international recognition». The Economist. 8 de maio de 2021. ISSN 0013-0613. Consultado em 22 de julho de 2021 

|}