Segundo milénio a.C.

(Redirecionado de 1300 a.C.)
segundo milênio a.C.
XX a.C.XIX a.C.XVIII a.C.XVII a.C.XVI a.C.XV a.C.XIV a.C.XIII a.C.XII a.C.XI a.C.

O segundo milênio a.C. inicia-se em 1º de janeiro de 2000 a.C. e termina em 31 de dezembro de 1001 a.C.. As culturas do Antigo Oriente Próximo estão bem dentro da era histórica: a primeira metade do milênio é dominada pelo Egito e pela Babilônia. O alfabeto se desenvolve. No centro do milênio, uma nova ordem emerge com o domínio da Grécia Minóica no Egeu e a ascensão do Império Hitita. O final do milênio vê o Colapso da Idade do Bronze e a transição para a Idade do Ferro.

Outras regiões do mundo ainda estão no período pré-histórico. Na Europa, a cultura do Vaso Campaniforme introduz a Idade do Bronze, presumivelmente associada à expansão indo-européia. A expansão indo-iraniana atinge o planalto iraniano e o subcontinente indiano (Índia védica), propagando o uso da carruagem. A Mesoamérica entra no período Pré-Clássico (Olmeca). A América do Norte está no estágio arcaico tardio. No sudeste da Ásia marítima, a expansão austronésica atinge a Micronésia. Na África Subsaariana, começa a expansão bantu.

A população mundial aumenta de forma constante, possivelmente ultrapassando a marca de 100 milhões pela primeira vez.[1]

Mapa geral do mundo no final do segundo milênio aC, codificado por cores por estágio cultural:
  Caçadores-coletores Mesolíticos ou Paleolíticos
  Pastores nômades
  sociedades agricultoras simples
  sociedades agriculturas complexas
  estados-nações (reinos)

Visão GeralEditar

Meados da Idade do BronzeEditar

Despendendo grande parte de suas energias na tentativa de se recuperar da situação caótica que existia na virada do milênio, as civilizações mais poderosas da época, Egito e Mesopotâmia, voltaram sua atenção para objetivos mais modestos. Os faraós do Império Médio do Egito e seus contemporâneos Reis da Babilônia, de origem amorreu, trouxeram boa governança sem muita tirania e favoreceram a arte e a arquitetura elegantes. Mais a leste, a civilização do Vale do Indo estava em um período de declínio, possivelmente como resultado de inundações intensas e ruinosas.

As táticas militares do Egito e da Babilônia ainda eram baseadas em soldados a pé transportando seu equipamento em burros. Combinada com uma economia fraca e dificuldade em manter a ordem, esta era uma situação frágil que desabou sob a pressão de forças externas às quais eles não podiam se opor.

Agitação do século 16 a.CEditar

Cerca de um século antes da metade do milênio, bandos de invasores indo-europeus vieram das planícies da Ásia Central e varreram a Ásia Ocidental e o Nordeste da África. Eles estavam montando carruagens de duas rodas movidas a cavalos, um sistema de armamento desenvolvido anteriormente no contexto da guerra nas planícies. Esta ferramenta de guerra era desconhecida entre as civilizações clássicas. Os soldados de infantaria do Egito e da Babilônia foram incapazes de se defender dos invasores: em 1630 aC, os hicsos invadiram o delta do Nilo e, em 1595 aC, os hititas invadiram a Mesopotâmia.

Idade do Bronze - FinalEditar

Os povos no local se adaptaram rapidamente às novas táticas, e uma nova situação internacional resultou da mudança. Embora durante a maior parte da segunda metade do segundo milênio a.C várias potências regionais competissem implacavelmente pela hegemonia, muitos desenvolvimentos ocorreram: houve uma nova ênfase na arquitetura grandiosa, novas modas de roupas, correspondência diplomática vívida em tábuas de argila, trocas econômicas renovadas e O Reino do Egito desempenhou o papel da principal superpotência. Entre os grandes estados da época, apenas Babilônia se absteve de participar das batalhas, principalmente por sua nova posição como capital religiosa e intelectual do mundo conhecido.

A civilização da Idade do Bronze, em seu período final de tempo, exibia todos os seus traços sociais característicos: baixo nível de urbanização, pequenas cidades centradas em templos ou palácios reais, separação estrita de classes entre uma massa analfabeta de camponeses e artesãos e uma poderosa elite militar, conhecimento da escrita e educação reservados a uma pequena minoria de escribas e pronunciada vida aristocrática.

Perto do final do segundo milênio aC, novas ondas de bárbaros, desta vez cavalgados, destruíram totalmente o mundo da Idade do Bronze, e foram seguidas por ondas de mudanças sociais que marcaram o início de diferentes tempos. Também contribuíram para as mudanças os Povos do Mar, incursores marítimos do Mediterrâneo.

EventosEditar

2000 a.C.Editar

  • Trabalhos de metal no Peru.
  • Migrações aqueias para a Grécia
  • Evolução do Império Hitita.

1900 a.C.Editar

1800 a.C.Editar

  • Por essa época apareceu a Cultura Sechin no Peru
  • Entre 1800 e 1700 foram feitos os poemas sumérios Gilgamesh e Humbaba e a narrativa do dilúvio no Atrahasis.[2]

1750 a.C.Editar

1700 a.C.Editar

  • Por volta deste período surgiu o alfabeto semítico setentrional, base de todos os alfabetos atuais.
  • Migrações jônicas e eólias para a Grécia.
  • Fundação do Reino de Cuxe
  • 1737 a.C. De acordo com a tradição hebraica, Abraão cruza o Eufrates a caminho de Canaã;
  • Os poemas babilônicos sobre Gilgamesh são consolidados entre 1700 e 1600.[2]

1600 a.C.Editar

  • Cultura Shang se desenvolve na China.
  • Início da Grécia Micênica devido a difusão das culturas minoica e aqueia.
  • Entre 1600 e 1300 os poemas babilônicos de Gilgamesh passam a serem transmitidos.[2]

1580 a.C.Editar

1522 a.CEditar

  • De acordo com a tradição hebraica, em algum ano do século XVI a.C, fortes secas obrigaram os hebreus a deixarem a Palestina e migrarem para o Egito.

1500 a.C.Editar

1450 a.C.Editar

  • Por volta deste ano os Vedas, escritos sagrados dos hindus foram compostos.

1400 a.C.Editar

1369 a.C.Editar

1300 a.C.Editar

  • A edição canônica em acádio da história de Gilgamesh, Ele que o abismo viu é realizada entre 1300 e 1200 a.C.[2]

1279 a.C.Editar

  • Início do reinado de Ramessés II que duraria 67 anos. O seu reinado foi possivelmente o mais prestigioso da história egípcia tanto no aspecto económico, administrativo, cultural e militar.

1250 a.C.Editar

1260 a.CEditar

  • De acordo com os relatos bíblicos, por volta deste ano os hebreus conseguem deixar o Egito. O episódio é conhecido como Êxodo, ou fuga, e segundo a tradição judaica-cristã-islâmica teria sido liderado por Moisés.

1206 a.C.Editar

1200 a.C.Editar

1184 a.C.Editar

1100 a.C.Editar

1027 a.C.Editar

1021 a.C.Editar

1005 ou 1004 a.C.Editar

  • Um dos prováveis anos de fundação da cidade de Jerusalém.
  1. Klein Goldewijk, K. , A. Beusen, M. de Vos and G. van Drecht (2011). The HYDE 3.1 spatially explicit database of human induced land use change over the past 12,000 years, Global Ecology and Biogeography20(1): 73-86. doi:10.1111/j.1466-8238.2010.00587.x (pbl.nl). Jean-Noël Biraben, "Essai sur l'évolution du nombre des hommes", Population 34-1 (1979), 13-25 (p. 22) estimates c. 80 million in 2000 BC and c. 100 million at 1200 BC.
  2. a b c d Sin-léqi-unnínni (2017). Ele que o abismo viu. Traduzido por Jacyntho Lins Brandão. [S.l.]: Autêntica. p. 23-24. ISBN 978-85-513-0283-5