Abrir menu principal

Campeonato Mundial de Atletismo de 2011

13°Campeonato Mundial de Atletismo
제13회 세계육상선수권대회

Daegu 2011
Logo Daegu 2011.jpg
Dados
Países participantes 204
Entidade responsável IAAF e Associação Sul-Coreana de Federações de Atletismo
Sede Coreia do Sul Daegu, Coreia do Sul
Primeira edição Helsinque 1983
Atletas 1848
Eventos 47
Duração 27 de agosto a 4 de setembro de 2011
Estádio principal Daegu Stadium, o "Blue Arc"
Site oficial Daegu 2011
◄◄ Berlim 2009 {{{evento}}} Moscou 2013 ►►

Campeonato Mundial de Atletismo de 2011 foi a 13ª edição bienal do esporte realizado em Daegu, na Coreia do Sul, sob organização da Associação Internacional de Federações de Atletismo– IAAF e da Associação Sul-Coreana de Federações de Atletismo. As competições ocorreram no Daegu Stadium entre 27 de agosto e 4 de setembro de 2011.[1][2] A cidade coreana foi escolhida como sede durante o congresso da IAAF em Mombasa, em março de 2007, derrotando outras três candidatas.

O torneio teve a participação de 204 nações e 1848 atletas. Os Estados Unidos lideraram o quadro geral com doze medalhas de ouro e um total de vinte e cinco. Um recorde mundial e três recordes do campeonato foram quebrados durante o evento. O Brasil conquistou sua primeira medalha de ouro em Mundiais nesta edição com Fabiana Murer, no salto com vara.[3] A anfitriã Coreia do Sul não ganhou nenhuma medalha.

LocalEditar

As provas, com exceção da maratona e da marcha atlética, foram disputadas no Daegu Stadium, também conhecido como Blue Arc (Arco Azul). O estádio, casa do time de futebol Daegu FC, foi palco de jogos da Copa do Mundo de 2002 e da Universíade 2003.[4][5] Com 66.000 lugares, o estádio foi inaugurado em 2001; seu teto foi construído em duas seções, cada uma delas em forma de um arco inclinado de aço.[6]

 
O "Blue Arc".

PrêmiosEditar

O campeonato pagou prêmios em dinheiro e esta edição dividiu mais de sete milhões de dólares entre os atletas, incluindo um bônus de US$100.000 dólares para quem estabelecesse um novo recorde mundial em sua modalidade. Os principais prêmios foram:[7]

Eventos individuais
  – $60.000
  – $30.000
  – $20.000
4° lugar: $15.000
5º lugar: $10.000
6° lugar: $6.000
7º lugar: $5.000
8° lugar: $4.000
Eventos por equipe
  – $80.000
  – $40.000
  – $20.000
4° lugar: $16.000
5º lugar: $12.000
6° lugar: $8.000
7º lugar: $6.000
8° lugar: $4.000

A prova da maratona do campeonato também fez parte da IAAF World Marathon Cup, que é corrida por equipes e premiou os vencedores com 1º US$20.000; 2º US$15.000; 3º US$12.000; 4º US$10.000; 5º US$8000; 6º US$6000 dólares.

DopingEditar

Ainda em novembro de 2011, a IAAF anunciou que duas das 468 amostras de urina analisadas na competição tinham acusado doping: a fundista portuguesa Sara Moreira e a velocista coreana Hee-Nam Lim testaram positivo para dimetilamilamina. As duas foram suspensas preventivamente [8] e a portuguesa suspensa por seis meses em dezembro daquele ano.[9] Em março de 2012, a Federação de Atletismo de Trinidad e Tobago anunciou que a velocista Semoy Hackett, integrante do 4x100 m feminino do país que tinha chegado em quarto lugar, havia testado positivo para a mesma substância no campeonato nacional trinitino anterior ao Mundial, causando sua suspensão por seis meses e a anulação do resultado da equipe trinitina no Mundial.[10] Em 2013, o arremessador de peso bielorrusso Andrei Mikhnevich testou positivo para anabolizantes num segundo teste feito de amostras dos atletas do Campeonato Mundial de Atletismo de 2005, em Helsinque. Como foi sua segunda falta, ele foi banido do esporte e todos os seus resultados a partir deste ano anulados. Assim, ele perdeu a medalha de bronze originalmente conquistada neste Mundial.[11]

No bojo do escândalo de dopagem descoberto em 2015–2016 envolvendo o atletismo russo, que levou a vários testes serem refeitos com tecnologia mais moderna de amostras de urina e sangue guardadas de eventos passados, a russa Tatyana Chernova, vencedora original do heptatlo, teve sua medalha de ouro e suas marcas retiradas por doping pelo Tribunal Arbitral do Esporte em novembro de 2016.[12] No mesmo ano, os marchadores russos Valeriy Borchin e Vladimir Kanaykin, ouro e prata na marcha de 20 km, tiveram suas medalhas confiscadas e seus resultados eliminados, o que fez do colombiano Luis Fernando López, terceiro colocado na época, o primeiro campeão mundial de atletismo da Colômbia.[13] O mesmo aconteceu com o também russo campeão da marcha de 50 km, Sergei Bakulin, com a campeã dos 800 metros, Mariya Savinova, banida do esporte por quatro anos em 2017 e com todas suas medalhas entre 2010 e 2013 confiscadas.[14] e com a vencedora da marcha atlética de 20 km, Olga Kaniskina. Das oito medalhas de ouro originalmente conquistadas pela Rússia em Daegu, ela posteriormente perdeu quatro. [15]

RecordesEditar

O evento viu dois recordes do campeonato serem quebrados e um igualado e um recorde mundial ser estabelecido, conquistado pela equipe da JamaicaUsain Bolt, Nesta Carter, Michael Frater e Yohan Blake – nos 4x100 m masculinos.[16]

Recorde
Modalidade
Atleta
País
Marca
Anterior
 
revezamento 4x100 m masculino
Jamaica
 
37.04
37.31 – Berlim 2009
 
100 m c/ barreiras
Sally Pearson
 
12.28
12.34 – Roma 1987
 
lançamento de dardo
Mariya Abakumova
 
71,99 m
71,70 m – Helsinque 2005
 
arremesso de peso
Valerie Adams
 
21,24 m
igualado – Roma 1987

Quadro de medalhasEditar

Posição País Ouro Prata Bronze Total
1   Estados Unidos 12 8 6 26
2   Quênia 7 7 4 18
3   Jamaica 4 4 1 9
4   Rússia 4 3 6 13
5   Alemanha 3 4 7
6   Grã-Bretanha 3 3 1 7
7   China 2 2 2 6
8   Austrália 1 2 3
9   Etiópia 1 4 5
10   Colômbia 1 1 2
  Ucrânia 1 1 2
12   Botswana 1 1
  Brasil 1 1
  Granada 1 1
  Japão 1 1
  Nova Zelândia 1 1
  Polônia 1 1
  Tunísia 1 1
19   África do Sul 2 2 4
20   Cuba 1 3 4
  França 1 3 4
22   Bielorrússia 1 1
  Canadá 1 1
  Cazaquistão 1 1
  Croácia 1 1
  Estônia 1 1
  Hungria 1 1
  Noruega 1 1
  Porto Rico 1 1
  República Tcheca 1 1
  Sudão 1 1
31   Itália 2 2
  São Cristóvão e Névis 2 2
33   Bahamas 1 1
  Bélgica 1 1
  Eslovênia 1 1
  Espanha 1 1
  Irã 1 1
  Letônia 1 1
  Trinidad e Tobago 1 1
  Zimbabwe 1 1

MedalhistasEditar

 
Salbi, o mascote do Mundial
 
Yohan Blake, campeão dos 100 m rasos.
 
Pódio dos 400 metros masculino.
 
Koji Murofushi, do Japão, campeão do martelo.
 
Vivian Cheruiyot conquistou duas medalhas de ouro, nos 5000 m e 10000 metros.
 
Fabiana Murer, campeã mundial do salto com vara.
 
A australiana Sally Pearson quebrou o recorde do campeonato nos 100 m c/ barreiras.
 
A neozelandesa Valerie Adams igualou o recorde do campeonato no arremesso de peso.

MasculinoEditar

Evento Ouro Prata Bronze
100 m
detalhes
Yohan Blake
  Jamaica
9.92 Walter Dix
  Estados Unidos
10.08 Kim Collins
  São Cristóvão e Névis
10.09
200 m
detalhes
Usain Bolt
  Jamaica
19.40 Walter Dix
  Estados Unidos
19.70 Christophe Lemaitre
  França
19.80
400 m
detalhes
Kirani James
  Granada
44.60 LaShawn Merritt
  Estados Unidos
44.63 Kevin Borlée
  Bélgica
44.90
800 m
detalhes
David Rudisha
  Quênia
1:43.91 Abubaker Khamis
  Sudão
1:44.41 Yuri Borzakovsky
  Rússia
1:44.49
1500 m
detalhes
Asbel Kiprop
  Quênia
3:35.69 Silas Kiplagat
  Quênia
3:35.92 Matthew Centrowitz
  Estados Unidos
3:36.08
5000 m
detalhes
Mo Farah
  Grã-Bretanha
13:23.36 Bernard Lagat
  Estados Unidos
13:23.64 Dejen Gebremeskel
  Etiópia
13:23.92
10000 m
detalhes
Ibrahim Jeilan
  Etiópia
27:13.81 Mo Farah
  Grã-Bretanha
27:14.07 Imane Merga
  Etiópia
27:19.14
Maratona
detalhes
Abel Kirui
  Quênia
2:07:38 Eliud Kiptanui
  Quênia
2:10:06 Feyisa Lilesa
  Etiópia
2:10:32
110 m c/ barreiras
detalhes
Jason Richardson
  Estados Unidos
13:16 Liu Xiang
  China
13:27 Andy Turner
  Grã-Bretanha
13:44
400 m c/ barreiras
detalhes
Dai Greene
  Grã-Bretanha
48.26 Javier Culson
  Porto Rico
48.44 Louis Jacob van Zyl
  África do Sul
48.80
3000 m c/ obstáculos
detalhes
Ezekiel Kemboi
  Quênia
8:14.85 Brimin Kipruto
  Quênia
8:16.05 Mahiedine Mekhissi-Benabbad
  França
8:16.09
Marcha 20 km [a]
detalhes
Luis Fernando López
  Colômbia
1:20:38 Wang Zhen
  China
1:20:54 Stanislav Emelyanov
  Rússia
1:21:11
Marcha 50 km [b]
detalhes
Denis Nizhegorodov
  Rússia
3:42:45 Jared Tallent
  Austrália
3:43:36 Si Tianfeng
  China
3:44:40
4x100 m
detalhes
  Jamaica
Nesta Carter
Yohan Blake
Michael Frater
Usain Bolt
37.04     França
Teddy Tinmar
Christophe Lemaitre
Yannick Lesourd
Jimmy Vicaut
38.20   São Cristóvão e Névis
Jason Rogers
Kim Collins
Antoine Adams
Brijesh Lawrence
38.49
4x400 m
detalhes
  Estados Unidos
Greg Nixon
Bershawn Jackson
Angelo Taylor
LaShawn Merritt
2:59.31   África do Sul
Shane Victor
Ofentse Mogawane
Willem de Beer
Louis Jacob van Zyl
2:59.87   Jamaica
Allodin Fothergill
Jermaine Gonzales
Riker Hylton
Leford Green
3:00.10
Salto com vara
detalhes
Paweł Wojciechowski
  Polônia
5,90 m Lázaro Borges
  Cuba
5,90 m Renaud Lavillenie
  França
5,85 m
Salto em distância
detalhes
Dwight Phillips
  Estados Unidos
8,45 m Mitchell Watt
  Austrália
8,33 m Ngonidzashe Makusha
  Zimbabwe
8,29 m
Salto triplo
detalhes
Christian Taylor
  Estados Unidos
17,96 m Phillips Idowu
  Grã-Bretanha
17,77 m Will Claye
  Estados Unidos
17,50 m
Salto em altura
detalhes
Jesse Williams
  Estados Unidos
2,35 m Aleksey Dmitrik
  Rússia
2,35 m Trevor Barry
  Bahamas
2,32 m
Arremesso de peso [c]
detalhes
David Storl
  Alemanha
21,78 m Dylan Armstrong
  Canadá
21,64 m Christian Cantwell
  Estados Unidos
21,36 m
Lançamento de disco
detalhes
Robert Harting
  Alemanha
68,97 m Gerd Kanter
  Estônia
66,95 m Ehsan Haddadi
  Irã
66,08 m
Lançamento de martelo
detalhes
Koji Murofushi
  Japão
81,24 m Krisztián Pars
  Hungria
81,18 m Primož Kozmus
  Eslovênia
79,39 m
Lançamento de dardo
detalhes
Matthias de Zordobr
  Alemanha
86,27 m Andreas Thorkildsen
  Noruega
84,78 m Guillermo Martínez
  Cuba
84,30 m
Decatlo
detalhes
Trey Hardee
  Estados Unidos
8607 pts Ashton Eaton
  Estados Unidos
8505 pts Leonel Suárez
  Cuba
8501 pts

Marcha 20 km Os marchadores russos Valeriy Borchin e Vladimir Kanaykin, envolvidos no escândalo de dopagem russa em 2015–2016, perderam cinco anos depois suas medalhas de ouro e prata conquistadas na prova, com as medalhas sendo realocadas. [17]
Marcha 50 km O russo Sergei Bakulin, envolvido no escândalo de dopagem russa em 2015–2016, perdeu cinco anos depois sua medalha de ouro conquistada na prova, com as medalhas sendo realocadas.[17]
arremesso de peso O arremessador de peso bielorrusso Andrei Mikhnevich, medalha de bronze, perdeu sua medalha por doping em 2013, sendo a medalha realocada.[18]

FemininoEditar

Evento Ouro Prata Bronze
100 m
detalhes
Carmelita Jeter
  Estados Unidos
10.90 Veronica Campbell-Brown
  Jamaica
10.97 Kelly-Ann Baptiste
  Trinidad e Tobago
10.98
200 m
detalhes
Veronica Campbell-Brown
  Jamaica
22.22 Carmelita Jeter
  Estados Unidos
22.37 Allyson Felix
  Estados Unidos
22.42
400 m
detalhes
Amantle Montsho
  Botswana
49.56 Allyson Felix
  Estados Unidos
49.59 Francena McCorory
  Estados Unidos
50.45
800 m
detalhes
Caster Semenya
  África do Sul
1:56.35 Janeth Jepkosgei
  Quênia
1:57.42 Alysia Montaño
  Estados Unidos
1:57.48
1500 m
detalhes
Jennifer Simpson
  Estados Unidos
4:05.40 Hannah England
  Grã-Bretanha
4:05.68 Natalia Rodríguez
  Espanha
4:05.87
5000 m
detalhes
Vivian Cheruiyot
  Quênia
14:55.36 Sylvia Kibet
  Quênia
14:56.21 Meseret Defar
  Etiópia
14:56.94
10000 m
detalhes
Vivian Cheruiyot
  Quênia
30:48.98 Sally Kipyego
  Quênia
30:50.04 Linet Masai
  Quênia
30:53.59
Maratona
detalhes
Edna Kiplagat
  Quênia
2:28:43 Priscah Jeptoo
  Quênia
2:29:00 Sharon Cherop
  Quênia
2:29:14
100 m c/ barreiras
detalhes
Sally Pearson
  Austrália
12.28   Danielle Carruthers
  Estados Unidos
12.47 Dawn Harper
  Estados Unidos
12.47
400 m c/ barreiras
detalhes
Lashinda Demus
  Estados Unidos
52.47 Melaine Walker
  Jamaica
52.73 Natalya Antyukh
  Rússia
53.85
3000 m c/ obstáculos [c]
detalhes
Habiba Ghribi
  Tunísia
9:11.97 Milcah Cheywa
  Quênia
9:17.16 Mercy Wanjiku
  Quênia
9:17.88
4x100 m
detalhes
  Estados Unidos
Bianca Knight
Allyson Felix
Marshevet Myers
Carmelita Jeter
41.56   Jamaica
Shelly-Ann Fraser-Pryce
Kerron Stewart
Sherone Simpson
Veronica Campbell-Brown
41.70   Ucrânia
Olesya Povh
Nataliya Pohrebnyak
Mariya Ryemyen
Hrystyna Stuy
42.51
4x400 m
detalhes
  Estados Unidos
Jessica Beard
Sanya Richards-Ross
Allyson Felix
Francena McCorory
3:18.09   Jamaica
Rosemarie Whyte
Davita Prendergast
Novlene Williams-Mills
Shericka Williams
3:18.71   Reino Unido
Perri Shakes-Drayton
Nicola Sanders
Christine Ohuruogu
Lee McConnell
3:23.63
Marcha 20 km [e]
detalhes
Liu Hong
  China
1:30:00 Anisya Kirdyapkina
  Rússia
1:30:12 Elisa Rigaudo
  Itália
1:30:43
Salto com vara
detalhes
Fabiana Murer
  Brasil
4,85 m Martina Strutz
  Alemanha
4,80 m Svetlana Feofanova
  Rússia
4,75 m
Salto em distância
detalhes
Brittney Reese
  Estados Unidos
6.82 Olga Kucherenko
  Rússia
6,77 m Ineta Radēviča
  Letônia
6,76 m
Salto triplo
detalhes
Olha Saladuha
  Ucrânia
14,94 m Olga Rypakova
  Cazaquistão
14,89 m Caterine Ibargüen
  Colômbia
14.84
Salto em altura
detalhes
Anna Chicherova
  Rússia
2,03 m Blanka Vlašić
  Croácia
2,03 m Antonietta Di Martino
  Itália
2,00 m
Arremesso de peso
detalhes
Valerie Adams
  Nova Zelândia
21,24 m =   Nadzeya Astapchuk
  Bielorrússia
20,05 m Jillian Camarena-Williams
  Estados Unidos
20,02 m
Lançamento de disco
detalhes
Li Yanfeng
  China
66,52 m Nadine Müller
  Alemanha
65,97 m Yarelys Barrios
  Cuba
65,73 m
Lançamento de martelo
detalhes
Tatyana Lysenko
  Rússia
77,13 m Betty Heidler
  Alemanha
76,06 m Zhang Wenxiu
  China
75,03 m
Lançamento de dardo
detalhes
Mariya Abakumova
  Rússia
71,99 m   Barbora Špotáková
  República Tcheca
71,58 m Sunette Viljoen
  África do Sul
68,38 m
Heptatlo[f]
detalhes
Jessica Ennis
  Grã-Bretanha
6751 pts Jennifer Oeser
  Alemanha
6572 pts Karolina Tymińska
  Polônia
6544 pts

400 metros rasos Em maio de 2017 a russa Anastasiya Kapachinskaya, medalha de bronze original, teve todos as suas medalhas e marcas cassadas a partir de 2008 devido a doping.[19]
800 metros A medalhista de ouro original, Mariya Savinova da Rússia, também vencedora em Londres 2012, teve sua medalha de ouro cassada por doping em fevereiro de 2017 pelo Tribunal Arbitral do Esporte, assim como todas conquistadas entre julho de 2010 e agosto de 2013, além de quatro anos de suspensão.[20]
3000 m c/ obstáculos A vencedora original, Yuliya Zaripova da Rússia, teve sua medalha de ouro cassada pelo Tribunal Arbitral do Esporte por doping em março de 2016. [17] As medalhas foram realocadas.
4x400 metros Uma das integrantes do revezamento russo medalha de bronze, Anastasiya Kapachinskaya, foi cassada por doping em 2017, causando a desclassificação de toda a equipe.[19]
marcha de 20 km A medalhista de ouro original, a russa Olga Kaniskina, teve sua medalha de ouro cassada pelo Tribunal Arbitral do Esporte por doping em março de 2016. [17] As medalhas foram realocadas.
Heptatlo A medalhista de ouro original, Tatyana Chernova da Rússia, teve sua medalha de ouro cassada por doping em 29 de novembro de 2016 pelo Tribunal Arbitral do Esporte, com as demais medalhas sendo realocadas.[21]

Referências

  1. Website for the IAAF World Championships in Athletics – Daegu 2011
  2. IAAF's Championship website
  3. «Fabiana Murer conquista o primeiro ouro da história do país em Mundiais». globoesporte.com. Consultado em 7 de julho de 2017 
  4. (em coreano) K-League 대구 월드컵 경기장, 시민들을 위한 따뜻한 쉼터 – Dream stadium of K-League
  5. «22nd SUMMER UNIVERSIADE». fisu.net. Consultado em 7 de julho de 2017 
  6. «Korea Ready for Kickoff». New Civil Engineer. Consultado em 7 de julho de 2017 
  7. «Prize Money for the IAAF World Championships Daegu 2011». IAAF. Consultado em 7 de julho de 2017 
  8. «Two runners suspended after failed doping tests at world championships». The Guardian. Consultado em 8 de julho de 2017 
  9. «Sara Moreira suspensa seis meses». Atleta Digital. Consultado em 8 de julho de 2017 
  10. RAMNANANSINGH, JONATHAN. «Hackett on dope ba». Newsday. Consultado em 8 de julho de 2017 
  11. «ANDREI MIKHNEVICH (BLR) – RESULTS ANNULLED FROM AUGUST 2005». IAAF. Consultado em 8 de julho de 2017 
  12. «Jessica Ennis-Hill in line for 2011 gold as Chernova is stripped of world title». The Guardian. Consultado em 8 de julho de 2017 
  13. «Luis Fernando López recibirá la medalla de oro como campeón mundial». El País. Consultado em 8 de julho de 2017 
  14. «THE COURT OF ARBITRATION FOR SPORT (CAS) IMPOSES FOUR-YEAR PERIOD OF INELIGIBILITY ON RUSSIAN ATHLETE MARIYA SAVINOVA-FARNOSOVA» (PDF). Tribunal Arbitral du Sport. Consultado em 8 de julho de 2017 
  15. «The decisions of the Lausanne (Switzerland) Court of Arbitration for Sport regarding the Russian Athletes». RUSADA. Consultado em 8 de julho de 2017 
  16. «RECORDS BROKEN AT MOSKVA (LUZHNIKI) 2013». IAAF. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  17. a b c d «The decisions of the Lausanne (Switzerland) Court of Arbitration for Sport regarding the Russian Athletes». RUSADA. Consultado em 8 de julho de 2017 
  18. «SHOT PUT MEN 13TH IAAF WORLD CHAMPIONSHIPS IN ATHLETICS». IAAF. Consultado em 8 de julho de 2017 
  19. a b «ТРИ РОССИЙСКИХ ЛЕГКОАТЛЕТА ДИСКВАЛИФИЦИРОВАНЫ ЗА ДОПИНГ». sport-express.ru. Consultado em 8 de julho de 2017 
  20. «THE COURT OF ARBITRATION FOR SPORT (CAS) IMPOSES FOUR-YEAR PERIOD OF INELIGIBILITY ON RUSSIAN ATHLETE MARIYA SAVINOVA-FARNOSOVA» (PDF). Tribunal Arbitral du Sport. Consultado em 8 de julho de 2017 
  21. «Jessica Ennis-Hill in line for 2011 gold as Chernova is stripped of world title». The Guardian. Consultado em 8 de julho de 2017 

Ligações externasEditar


 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Campeonato Mundial de Atletismo de 2011